Blog

Março 2007

Vendo Artigos de: Março , 2007

Carolina Soares lança seu novo Trabalho: “Canto na Areia”

Carolina Soares, considerada a voz feminina da capoeira, lança seu novo trabalho.
 
Canto na Areia é o 4º CD de Capoeira gravado por Carolina Soares, com produção de Adriano Chediak e lançamento previsto para 15 de abril em São Paulo.
Nesse mercado fonográfico radicalmente dominado pelos homens, em 2002 Carolina acrescentou algo que faltava no universo da Capoeira – a participação ativa da mulher na música. Isso lhe rendeu o privilégio de se tornar a 1ª cantora, no mundo, a gravar um CD com músicas de Capoeira.
 
Canto na Areia traz músicas dos ritos tradicionais da cultura afro brasileira, como o samba de roda, ao lado de composições inéditas de mestres da Capoeira e uma regravação de “Meia Lua Inteira”, do Carlinhos Brown – sucesso na voz de Caetano Veloso. O CD surpreende pela qualidade de sua produção que se esmera nos mínimos detalhes, desde a preocupação em ser fiel aos toques do berimbau até manter a liberdade de interpretação da cantora, que lembra, com o seu canto, a cultura criada nas ruas e nos guetos, destacando-se a força de suas interpretações.
Carolina Soares foi criada na cidade paulista de Iguape, onde começou sua carreira artística, cantando em bares noturnos, com repertório que ia do blues ao rock-Brasil de Cássia Eller. Em setembro de 1998, foi para São Paulo, onde passou também a conviver com o mundo da Capoeira: percorria as “rodas“ e os grandes eventos, conhecia os mestres e os capoeiristas. Era natural que, em contato diário com a capoeira, dela absorvesse o lado musical. Surgiu, então, o projeto para lançar o primeiro CD, Músicas de Capoeira – Vol  I, com todas as faixas cantadas por uma mulher. Ela foi a escolhida e o sucesso, imediato. Em conseqüência, Carolina tomou algumas aulas de canto e, dois anos depois, gravou o segundo CD – Músicas de Capoeira – vol II, também sucesso absoluto de mercado, com ritmos de Benguela, São Bento Grande, Angola, Jogo de Dentro, faixa bônus de Hip-Hop Capoeira e Samba de Raiz, trazendo quatro composições de autoria da cantora.
Em seguida foi lançado o terceiro CD: Carolina Soares – Pout-pourri de Capoeira, nas bancas de jornal de todo o país.
 
Destacando-se a cada ano no mercado fonográfico da Capoeira, Carolina incorporou o Samba em seu repertório, continuando fiel aos ritmos brasileiros. Em 2004, no Dia Nacional do Samba que aconteceu no Teatro Sérgio Cardoso (SP), Carolina Soares foi aplaudida pela velha Guarda do Samba Paulista, com seu trabalho reconhecido e aceito.
 
Há alguns anos, a cantora se apresenta semanalmente no Bar Brahma, uma das maiores vitrines do samba paulista.
 
Já fez temporada de shows com o Mestre Jamelão da Mangueira e sempre é comparada, pelo público que assiste ao seu show, à saudosa Clara Nunes.
No Dia Nacional da Consciência Negra, Carolina Soares emocionou o público, na Sala São Paulo, fazendo a abertura do “Troféu Raça Negra 2006”, evento considerado o “Oscar” da comunidade negra no Brasil. Alcione, Emílio Santiago, Preta Gil, Alexandre Pires, Jorge Aragão, Luciana Melo, Afro-Reagge, Rappin Hood, Margareth Menezes, Paula Lima, entre outros, também participaram da comemoração.
 
Ouça e Faça o Download da faixa "Rainha do Mar" com exclusividade no Portal Capoeira
 
Lançamento do CD “Canto na Areia”
 
Entrada: R$ 10,00
Data: 15 de abril de 2007
Horário: 16 horas
Local: Bar Brahma
Av. São João, 677 – Centro – São Paulo
Tel: (11) 3333-0855
 
 
PONTOS DE VENDA DE INGRESSO ANTECIPADO:
 
LOJA SDOBRADO – RUA 24 DE MAIO, 116 – SBLJ 37 – CENTRO – SÃO PAULO – TEL (11) 3337-2208
LOJA MARIMBONDO SINHÁ – AV. MAZZEI, 226 – TUCURUVI – SÃO PAULO – TEL (11) 6265-5704
LOJA MARIMBONDO SINHÁ – AV ADOLFO PINHEIRO, 384 – LOJA 51 – SANTO AMARO – TEL (11) 5524-4406
DISCOTEKA – Rua Pelotas, 83 – Loja 183 – Multishop Vila Mariana – TEL (11) 5906-0456
Aberto de terça à domingo das 14 horas até as 21 horas
 
 
Informações para a imprensa:
Adriano Chediak
(11) 6839-8147 ou 9663-9802
contato@carolinasoares.com.br
Carolina Soares lança o seu CD Canto na Areia, que traz músicas dos ritos tradicionais da cultura afro brasileira, como o samba de roda, ao lado de composições inéditas de mestres da Capoeira e uma regravação de “Meia Lua Inteira”, do Carlinhos Brown – sucesso na voz de Caetano Veloso. 
 
CD – CANTO NA AREIA
1. Na Aruanda – Tucano Preto   
2. Rainha do Mar  – Marquinhos Coreba  
3. Canto na Areia  – Carolina Soares  
4. Capoeira não pode parar  – Carolina Soares 
5. Do sertão ao cerrado – Mestre Piloto 
6. A velha Bahia mora no céu – Mestre Ricardo
7. Mundo Enganador – Mestre Barrão  
8. É no Balanço do mar – Muralha 
9. Leva eu – Mestre Ricardo   
10. Menino novo  – Mestrando Bigodinho  
11. História da capoeira real  – Professor Passarinho 
12. Capoeira de menino – Carolina Soares  
13. Tombo do pau – Domínio Público   
14. Meia Lua Inteira – Carlinhos Brown   
15. Fuzuê – Toninho e Romildo
Para comprar o CD:
Para saber mais da cantora:  www.carolinasoares.com.br

Aconteceu: “Mulher, Educação e Movimentos Sociais”

CAPOEIRA ANGOLA NA UFRGS
No dia 06 de Março de 2007, Obá Oloriobá e Inajara Ramos participaram do Seminário "Mulher, Educação e Movimentos Sociais", realizado pelo DAFE da UFRGS.
Oloriobá falou sobre "Mulheres e manifestações culturais afrodescendentes em uma proposta de educação étnico-social", ao lado de Maria Conceição da ONG Maria Mulher, que explanou sobre as Mulheres negras e a Educação.
 
Ao final das palestras, teve momento artístico-cultural onde Inajara e Oloriobá tocaram berimbau e jogaram capoeira angola em memória à Acotirene, N'zinga, Dandara e a todas as mulheres guerreiras de nosso País.
 
 
ANGOLEIRAS À FLOR DA PELE
 
Poesia criada por Inajahra Ramos
 
"Somos mulheres angoleiras, por natureza guerreiras.
Vivemos no mundo da capoeira angola.
Capoeira angola, que ajuda a contruir identidades, autonomia, respeito ao próximo.
O berimbau comanda a trilha sonora de um vida, onde se aprende a perder e também a ganhar.
Compartilhar os saberes, a respeitar o mais velho ou aquele que possui mais conhecimento, adquirido ao longo de sua trajetória. "O valor dos ancestrais'.
A capoeira nos leva a uma viagem imáginária à África existente dentro de todos nós brasileiras/os.
Com a Áfricanamente conquistamos nosso espaço de mulheres multiplicadoras, expressando linguísticamente e corporalmente os saberes infinitos do universo da capoeira."
Postado por AFRICANAMENTE no AFRICANAMENTE ESCOLA DE CAPOEIRA ANGOLA: http://africanamenteescoladecapoeiraangola.blogspot.com

Espanha: Reencontro da Senzala

Salve para quem é de Salve !
Axé para que for de Axé !
O Capoeira velejando contra a maré.
Venho trazendo informações sobre o nosso  "Reencontro da Senzala" do dia 14 ao 22 de Julho em Costa Brava na Espanha.  Esse apelo que faço aqui atravéz desse informativo é sem intenção financeira.   Pela minha vontade propria e com a benção do nosso Mestre Sombra, eu conto com os meus Camaradas dessa familia Senzala que aqui estão na Europa.Juntos daremos a ocasião de reecontrar aquilo que sempre fez de nos uma familia Senzala de Santos. Graças a  nossa amizade, nosso respeito, nossa confiança, nossa adimiração que temos pela pessoa de  Mestre Sombra.
 
A Capoeira nos abriu os caminhos das nossas vidas até o dia de hoje. E cada um de nos temos o futuro traçado por ela. Porem é hora de abrir nossos corações . Para que num futuro proximo voltemos a compartilhar o que nos uniu ao redor do nosso Mestre Sombra.
 
Esse Reencontro vai ser feito num Acampamento.  Esses valores estão incluindo o Café da manha, almoço, hospedagem no Camping e o Estàgio de Capoeira.
 
                                                    Tarifa    Não rembolsavel Data limite de pagamento
Pré inscrição antes do dia 15 de abril    350€    100€                   15 de Junho
Pré inscrição antes do dia 15 de Maio    375€    100€                   15 de Junho
Pré inscrição antes do dia 15 de Junho  400€    100€                     1° de Julho
Inscrição apartir do dia 16 de Junho      450€                                1° de Julho
 
 
O preço para os responsaveis dos grupos é de 200€, esse valor minimo serve para cobrir as despesas de cada um. Os que são acompanhados de filhos com menos de 5 anos seram alojados em apartamentos. (Para o bem estar das Crianças). Contamos com o bom senso de cada um.
 
As inscrições ficam à critério de cada responsavel das associações para com o seus alunos. Ao final das datas limites, por favor, entrem em contato por telefone ou por e-mail  para mantêr-me informado de quantos ja estao inscritos em suas associaçãoes. Temos um limite de participantes. Por esta razão, conto com todos a me  manter informado até as datas limites de inscrição.
 
Junto a esse informativo vai uma ficha de inscrição que cada um deve pré-enchê-la e nos entregar junto do pagamento dos seus alunos ao chegar no dia 14 de julho na Espanha.
 
Se por acaso as informações não foram suficientes, entrem em contato por e-mail ou telefone.  
 
Agradeço a todos pela atenção e conto com a presença de todos.
 
Axé para quem for de Axé !
 
MESTRE BEIJAFLOR

Capoeira & Frevo, Savate e Mestre Artur Emídio

Tenho três crônicas prontas – (1) Capoeira de Pernambuco, (2) Capoeira e Savate e (3) Capoeiragem no Rio de Janeiro, no Brasil e no Mundo (quarta edição). Mas, como diria Mestre Camões – “Cesse tudo o que a Musa antiga canta, que outro valor mais alto se alevanta” – pois estamos no mês de aniversário do grande Mestre Artur Emídio de Oliveira.
Entendam a citação de Lusíadas como homenagem aos capoeiras de Portugal, nas pessoas dos Mestres Umoi e Milani, dois grandes batalhadores, “cada qual no seu cada qual”.
 
Para mais uma vez homenagear Seu Artur utilizo o espaço deste mês transcrevendo velha e sempre renovada crônica que sobre ele escrevi, publicada inicialmente no meu livro “A Volta do Mundo da Capoeira” e já transcrita em várias revistas e sites.
 
Antes, porém, preparando os leitores para as próximas crônicas, um pequeno resumo dos temas acima selecionados, até mesmo para justificar o título da matéria de hoje.
Capoeira & Frevo
 
O Jornal do Commercio, de Pernambuco, na edição de 15 de março de 2007, publica extraordinário artigo de Leonardo Dantas Silva – Capoeira & frevo. Mas uma irrefutável prova de que, também sem a brava capoeira de Pernambuco, não será possível escrever a verdadeira História da Capoeiragem no Brasil.
Tema de um dos nossos próximos artigos.
 
Savate
 
João Cláudio, filho mineiro de João Fontes, velho capoeira, líder comunitário aqui no Leblon, em muito boa hora, recebo excelente artigo sobre o assunto: “Savate, em linguagem popular (França) significa “sapato” ou “bota”. Era o termo usado, sobretudo pelos parisienses vadios, lutadores de rua a que usavam, agressivamente, todas as partes do corpo como armas – cotovelos, joelhos, cabeça, punhos e, sobretudo, os pés. Golpes que eram desferidos com violência e perícia, sempre direcionados aos pontos vitais do(s) oponente (s)”. Não consegui ainda saber a fonte, o nome da revista, pesquisarei.
 
Coincidentemente, também da França, Mestre Camaleão (parabéns pela Mademoiselle Yara!) envia excelente trabalho de pesquisa sobre o Chausson. Segundo alguns pesquisadores, o Chausson era praticado, em Marselha, pelos marinheiros. Mesmo em viagem, para tanto, muitas vezes, por causa do balanço do navio, usavam o recurso de lutar apenas com
os pés utilizando as mãos para garantir o equilíbrio junto a algum ponto seguro do convés.
 
Colocações que merecem boas pesquisas, muito embora, na instigante foto que ora publicamos (Joseph Charlemont,1899), as mãos fazem também parte da luta.
 
Cordel, Quarta Edição
 
Como defende a Dra. Arly Silva e Lisboa, de modo sempre inteligente e simpático, “não se trata mais de um cordel, mas de algum outro tipo de literatura, que inclui um pequeno ensaio sobre o mote escolhido”.
 
Maneira amiga, certamente, de dizer que abusei das Apresentações, quase tão extensas quanto o resto do cordel. Mas se fazia necessário um esclarecimento definitivo para acabar com discussões inúteis e propor reflexões e caminhos mais condizentes com esse “lamentável, mas inexorável processo de institucionalização da Arte-Afro-Brasileira da Capoeiragem”. Concentrei o foco em dois pontos de vital importância: Luta de Capoeira & Fator Negritude.
 
Fui obrigado, também, a mudar a capa, já que as demais, como parece ser rotina e mau hábito de alguns, já foram plagiadas, também.
 
A quarta Edição será lançada no fim deste mês, justamente com o meu primeiro romance (já registrado) “Marraio Ferido Sô Rei”.
 
 
Com vocês, o prato principal, meus parabéns e agradecimentos ao meu bom amigo Mestre Artur Emídio de Oliveira pelo extraordinário serviço que vem prestando à nossa Capoeiragem.
 
A CAPOEIRA DO MESTRE ARTUR
– uma justa homenagem – (*)
 
Não fosse banalizar ainda mais assunto já bastante banalizado, eu advogaria um plebiscito (**), também, para a extraordinária Capoeira do Mestre Artur Emídio de Oliveira. Só para esclarecer, afinal, o seu verdadeiro “sobrenome”. Seria “capoeira tradicional”, “capoeira utilitária”, “capoeira de rua”, “capoeira de Itabuna”, capoeira baiana”, “capoeira angola”, capoeira regional”, capoeira angonal”, “capoeira regionola”? Que sobrenome, afinal, terá a extraordinária capoeira que Mestre Artur jogou e tão bem ensinou?
A resposta é extremamente fácil, pois a espetacular capoeira de Artur não tem sobrenome algum, é pura e simplesmente… CAPOEIRA!
 
Bem que muitos mestres tentaram lhe comprar o passe, mas Artur não aceitou inventar um passado diferente do verdadeiro. No que fez muito bem, um belo e raro exemplo.
 
SavateVamos a sua história.
 
Artur nasceu e passou sua juventude em Itabuna, no sul da Bahia, onde completou o curso
ginasial no Colégio Divina Providência e fez o serviço militar no Tiro de Guerra local. Filho de Emídio Lindolfo de Oliveira e Leocádia Maria de Oliveira, Artur veio para o Rio em l953. Trazendo consigo totalmente pronta para ser usada sua fascinante (e surpreendente) capoeira que começou a aprender com sete anos de idade, na sua cidade natal, com “Paisinho” (Teodoro
Ramos), seu único mestre.
No Rio formou excelentes mestres e, durante muito tempo, sua academia funcionou como uma
espécie de “quartel general” da capoeira praticada ao som do berimbau. Visita obrigatória para todo e qualquer capoeira ou estudioso interessado em ver
uma Roda de capoeira exemplar. Com todo respeito ao Mestre Artur, método de ensino utilizado por cada mestre, inclusive pelos velhos mestres de angola e, por razões óbvias, o método da Capoeira Utilitária (Sinhozinho!), Artur tinha um dos melhores métodos de ensino para ensinar os segredos da capoeiragem.
 
A velha guarda da capoeira, no Rio de Janeiro e na Bahia, sabe muito bem que Artur foi um dos maiores talentos de todos os tempos. Fez pela capoeira o que, até hoje, todos nós, reunidos, ainda não fizemos. Bira Acordeom, corajosamente, registrou, em seu livro (Capoeira, a Brazilian Art Form”, pág. 49. North Atlantic Books) o extraordinário talento de Artur: “Em 1963, passei algumas semanas no Rio de Janeiro onde conheci Artur Emídio, um baiano de Itabuna. Fiquei impressionado com sua velocidade e com sua técnica. Aprendi com ele algumas …”.
 
Com o guerreiro e saudoso mestre Djalma Bandeira, Artur Emídio deu, décadas atrás, sua "volta do mundo", levando a capoeira para o exterior, fazendo sucesso em Buenos Aires, Acapulco, Nova Iorque, Paris e tantas outras cidades famosas do mundo. Eram os dois uma espécie de versão moderna e capoeirística, de Dom
Quixote e Sancho Pança.
 
Se brilhou no palco – e capoeira é também uma arte – enfrentou no ringue diversos lutadores como Rudolf Hermanny (RIO), Robson Gracie (RIO), Carlos Coutinho (Bahia, Fonte Nova), Carbono (RIO) e Edgard Duro (São Paulo, especialista em luta livre, com algumas vitórias sobre alunos de Mestre Bimba). Quem até hoje
repetiu tal façanha, quem aceitou ou aceita tais desafios?
Savate
 
Estivesse ainda jogando e ensinando, Mestre Artur Emídio de Oliveira estaria praticamente morando em aviões, viajando pelo mundo todo, mostrando sua extraordinária capoeira. Apenas isto – Capoeira – sem sobrenome, apenas CAPOEIRA.
 Savate
Não sem motivo, portanto, Artur está também na versão francesa do meu cordel “L`art de la Capoeira a Rio de Janeiro, au Brésil et dans lê Monde”:
 
 
SavateArtur Emidio de Oliveira
à Bonsucesso faisait sensation
les dimanches tous allaient voir le
champion
dans son académie de Capoeira
 
Artur Emidio magistral
était un maître génial
ni Angola, ni Regional
Capoeira sans rien de spécial
 
Tous venaient lui demander conseil
pour savoir comment s’améliorer
mais aujourd’hui ça n’est pas pareil
beaucoup préfèrent encore l’ignorer (H.R)
 
Artur talvez não se lembre, mas, certa vez, comentou comigo a falsa sapiência de alguns “mestres”. Não sei se Artur também cultivava o bom hábito, como Sinhozinho (o único que conseguiu criar uma metodologia realmente eficaz para a capoeira na sua feição exclusivamente LUTA, sem berimbau) de ler revistas européias, mas o fato é que ele repetiu o pensamento sábio de Claude Bernard: “É o que nós pensamos que sabemos que nos impede de aprender”;

(*) Com base no artigo publicado no Jornal dos Sports (26.mar.93).
(**) Plebiscito: Consulta genérica feita em linha direta aos eleitores sobre questões políticas relevantes ou polêmicas. Ao legislativo cabe, em seguida, detalhar e regulamentar a alternativa vencedora.
 

Banda Terreiro de Capoeira lança CD instrumental de Capoeira

Uma fina e harmonica simbiose entre a musica instrumental e a ímpar sonoridade da capoeira, é assim que defino o trabalho de qualidade da Banda Terreiro de Capoeira.
 
Ouvi e gostei muito! Uma demosntração da potencialidade e da criatividade dos músicos-artistas-capoeiristas da escola de Mestre Cascavel.
 
Luciano Milani
A banda "Terreiro de Capoeira" nasceu da vivência musical dos seus integrantes na comunidade do Terreiro de Capoeira do Mestre Cascavel. A banda tem na sua formação base Cascavel, Guerreiro, Lince, Macaco, Flora e Kaká.
 
Mestre Cascavel é "filho" do mestre Sabu, pioneiro na prática e ensino da Capoeira em Goiás. Mestre Sabu – que vive em Goiânia – é "filho" do mestre Caiçara (falecido em 1987), mestre-capoeira responsável por uma das escolas tradicionais da capoeira da Bahia no século XX.
 
Banda Terreiro de Capoeira lança CD instrumental de CapoeiraO trabalho musical do grupo começou com oficinas e aulas de música (sem fins lucrativos, com ênfase nos instrumentos e ritmos da Capoeira) destinadas a crianças e adolescentes. 
Essas atividades incluíam conhecimentos sobre o plantio das espécies necessárias para a confecção dos instrumentos afro-brasileiros – tais como biribas (para os arcos dos berimbaus), cabaças (empregadas nos afôxés e berimbaus), junco (usado no caxixi), contas de lágrimas (para compor caxixis e chocalhos), bambus (para a fabricação de reco-recos e varetas para tocar os berimbaus), cocos (para a confecção das marácas).
 
Os componentes da banda se revezam na percussão: agogô, adjá, afôxé, pandeiro, ganzá, reco-reco – pesquisando e experimentando sons, ritmos e melodias. As músicas nascem da reunião de amigos que se divertem fazendo um som (que se pretende agradável aos ouvidos de quem curte sentir o tempo passar). A integração desses elementos com a força dos ritmos e melodias tem como resultado final a música … e fácil de ouvir.
 
A proposta do grupo é fazer música de qualidade com produção e distribuição independentes. Neste sentido, gostaríamos de contar com o apoio do Portal Capoeira, disponibilizando para download algumas faixas do cd Berimbau de Ouro em arquivos no formato MP3.
 
O CD "Berimbau de Ouro" contém 10 faixas inspiradas em ritmos e tendências afro-brasileiros e latino-americanos: "Sabu Meu Mestre" "Axé Capoeira" e "Suassuna" são composições do Cascavel; "Hora de Lutar" é uma parceria de Cascavel e José de Souza Melo, o “Ás de Ouro”, também “filho” do Mestre Sabu. "Caiçara" é uma composição do Mestre Cascavel sobre temas tradicionais da capoeira. "A morte do Capoeira" – melodia do folclore da capoeira recolhida no recôncavo baiano pela professora Emilia Biancardi Ferreira na década de 60 – já teve versões de sucesso gravadas pelo Mestre Suassuna e pelo Mestre Onias.
 
A "Iuna" e o "São Bento do Mestre Bimba" são “toques” tradicionais (padrões ritmo-melodicos, cada um deles associado a um tipo de jogo com características próprias).
O "São Bento do Mestre Bimba" é um toque criado pelo mestre Bimba especialmente para um tipo de jogo rápido e ofensivo – que se tornou também a principal característica do estilo de capoeira criado por esse mestre que dirigiu uma escola de capoeira que se tornou conhecida em todo o mundo.
A "Cavalaria" é um toque de “aviso”. No passado os cultos e as danças dos terreiros de candomblé eram proibidos e sofriam perseguições policiais rigorosas. Na Bahia, até a década de 30, os esquadrões de cavalaria eram a força policial encarregada da repressão às manifestações da cultura negra – e a capoeira oferecia a reação possível. Este toque – também chamado de
"Aviso" – entrou para a história da Capoeira com o nome de Cavalaria. O "Samba de Angola" é o ritmo que simboliza a descontração dos câmaras do Terreiro nas rodas de samba.
 
O Cd Berimbau de Ouro pode ser adquirido  (R$11+correios)
pelo e-mail: terreirodecapoeira@hotmail.com
 
Obrigado pela atenção!
Professor Guerreiro
 
Saudações!
 
Gostaríamos de contar com a sua ajuda divulgando o nosso CD de música instrumental – "Berimbau de Ouro" – inspirado nos toques e temas da Capoeira.

Fidelidade às raízes negras em “Besouro Cordão-de-Ouro”

Sucesso no Rio, sucesso em Curitiba, a montagem que trás o lendário Personagem de "Besouro Cordão-de-Ouro" conquista e agrada por onde passa…
É a magia do universo da Capoeira!!!
 
Luciano Milani
Fidelidade às raízes negras em "Besouro Cordão-de-Ouro"
por GISELE ROSSI – GAZETA DO POVO ONLINE
O musical “Besouro Cordão-de-Ouro” encerrou sua participação no 16º Festival de Teatro de Curitiba (FTC), deixando saudades. No início da última sessão, na noite de domingo (25), quem estava dentro da Casa Vermelha, pôde ouvir os gritos de “Queremos assistir! Queremos assistir!”, das pessoas que ficaram de fora, porque não conseguiram a entrada para assistir ao espetáculo. Os ingressos, para a pequena temporada, se esgotaram antes do início do Festival. Quem garantiu a entrada, passou por uma vivência interessante, de reconhecimento da cultura negra no Brasil.  Ricardo Sodré/JLM Produções 
    
A música “Lapinha”, que possui um refrão de autoria de Besouro (personagem que inspirou a montagem), “Quando eu morrer/Não quero choro nem vela/ quero uma fita amarela/ gravada com o nome dela”, é o ponto de partida para o musical, escrito e concebido por Paulo César Pinheiro, compositor de “Lapinha”, em parceria com Baden Powell, entre outras músicas. A canção ganhou novos versos para o espetáculo. Ao todo o musical apresenta dez canções, cantadas ao toque do berimbau e que apresentam nas letras, um pouco da história de Besouro e da vida dos negros no Brasil. As músicas são cantadas resgatando os seguintes toques do berimbau: Jogo de Dentro, Jogo de Fora, São Bento, Angola, Cavalaria, Benquela, Barravento, Iúna, Samango, Santa Maria e Besouro. Assim os cantos, que pareciam de uma tradicional roda de capoeira, ganharam ares de uma primorosa MPB.
 
A experimentação na ambientação também apresentou um resultado positivo. Ao entrar no ambiente a impressão é de que íamos assistir uma roda de capoeira no Barracão do Waldemar, endereço famoso de Salvador (BA), na década de 1950, onde aconteciam rodas de capoeira. Mas logo se descobriu que a peça começava com um velório e após alguns minutos o público foi convidado a entrar em outro ambiente, que lembrava uma senzala, onde as pessoas se acomodaram em cadeiras, almofadas e cestos. Visualmente, o espetáculo apresentou um cenário simples e monocromático, como era a vida dos negros recém-libertos, no início do século 20. Os atores, espalhados pelo espaço, iam relatando a vida do valente capoeirista, através da música e das histórias que ficaram conhecidas e chegaram até os dias de hoje apenas pelo boca-a-boca, das pessoas que o conheceram ou ouviram falar de Besouro Preto. No fim, o público foi convidado à participar da roda de capoeira.
 
Foi uma experiência bacana e fiel ao que se fala do famoso personagem. Destaca-se a direção de João das Neves, que estava na cidade junto com a equipe da peça. Diretor de teatro consagrado, que trabalhou com o grupo Opinião, na década de 1960; dirigiu shows de artistas como Chico Buarque, Milton Nascimento, Baden Powell; realizou a Missa dos Quilombo, no Rio de Janeiro em 1988, e também dirigiu o Tributo a Chico Mendes com o Grupo Poronga, no Acre, entre outras atividades, Neves levou o público a passear pelo espaço até chegar à roda da capoeira, onde tudo se passa, deixando o espetáculo leve e agradável. Junto com Pinheiro, apresentaram a figura humanizada de um homem que era tido como desordeiro, mas que na verdade usava de sua valentia para se defender, e apesar da fama de mal era uma boa pessoa.
 

Cambuci ganha “nova Roda de Capoeira”

O Tradicional bairro do Cambuci, em São Paulo, acaba de ganhar uma importante "atração" em um dos seus endereços mais famosos: O Largo do Cambuci.
Trata-se de Uma Roda de Capoeira Angola organizada pela Associação Cultural de Capuera Angola Paraguaçu, sob a batuta do carismático Mestre Jaime de Mar Grande.
 
Parabéns a todos os envolvidos pela escolha deste importante espaço!
Esperamos que esta roda torne-se um encontro tradicional de grandes figuras e assim como a a Roda da Republica, seja um celeiro de grandes nomes da capoeira.
 Cambuci ganha nova Roda de Capoeira
Roda Realizada no dia 11 / 03 / 2007 – Largo do Cambuci – SP
 
Associação Cultural de Capuera Angola Paraguaçu
Organizada Por Mestre Jaime de Mar Grande e seus Amigos

PROMOÇÃO ESPECIAL – CAPOEIRA EM PORTUGAL: Revista de Capoeira, lançada em Portugal

PROMOÇÃO ESPECIAL – CAPOEIRA EM PORTUGAL
 
Temos 3 Revistas para premiar os visitantes do Portal Capoeira.
 
Para participar desta Promoção Especial, basta nos enviar uma matéria com sobre a Capoeira em Portugal (as matérias devem ter carater jornalistíco e devem vir acompanhadas de imagens. É fundamental os créditos da matéria e das imagens.)
 
As primeiras 3 matérias publicadas no Portal Capoeira serão premiadas com a Revista editada pelo Mestre Chapão.

 
Mestre Chapão, a quem tive a honra de conhecer no Lançamento do Filme: Mestre Bimba a Capoeira Iluminada em Portugal, mais precisamente no Porto acaba de lançar a PRIMEIRA REVISTA DE CAPOEIRA DE PORTUGAL.
Em sua iniciativa, Mestre Chapão do CAPOEIRARTE, visa uma maior integração e dinamizaçaão do processo de divulgação da nossa "arte".
 
Nosso muito obrigado e os votos de sucesso a perseverança e a garra de Mestre Chapão nesta tarefa.
 
Luciano Milani – Portal Capoeira
Salve meus caramadas,
 
Venho por este meio apresentar-lhe um projecto que a muito tempo estava querendo realizar e é com muita satisfação e prazer que lhe ofereço a primeira revista de capoeira em Portugal.
 
É evidente que todos nós capoeiristas sabemos das dificuldades que temos para divulgar a nossa arte encantadora, mesmo assim a Associação Capoeirarte tem consciência de que todos os grupos têm feito a sua parte neste processo de divulgação e é por esse motivo que viemos através desta revista dar o nosso contributo e convidar você a fazer parte dela.
 
A revista tem como título “ Capoeirarte “ por vários motivos, entre todos eles o principal é a nossa filosofia, ou seja, o trabalho em grupo independente do grupo. Para quem conhece nosso trabalho sabe bem que todos os capoeiristas são bem vindos em nossas rodas, treinos, eventos e por que não agora em nossa revista!?
 
Estamos enviando a 1ª edição para que você possa dar a sua opinião, ideia e até mesmo fazer sua crítica, (de preferência construtiva).
 
A revista tem como intuito divulgar eventos realizados em Portugal e em outros países europeus interessados nesse trabalho. Podemos fazer um calendário, falar de projectos que venham trazer enriquecimento para a capoeira, tirar algumas pessoas do anonimato e por fim, levar ao conhecimento de todos o que a capoeira tem de melhor.
 
Na próxima edição temos a intenção de divulgar a história de todos aqueles que fazem ou já fizeram um trabalho de capoeira em Portugal, para isso precisamos da sua colaboração. Contamos com você!
 
Sem mais assunto no momento fico por aqui esperando que você tenha gostado da nossa ideia.
 
Se tiver interesse em trabalhar connosco neste projecto, entre em contacto o mais rápido possível por que nos próximos dias já estaremos com a 2ª edição da revista em mãos e queremos divulgar suas ideias.
 
 
A todos vocês desde já o meu muito obrigado!
 
 
Mestre Chapão
Tel. 93 954 26 36
capoeirarte@msn.com

Brasilia: Câmara faz homenagem à capoterapia

Aproveitando a ocasião da II Conferência Brasileira de Capoterapia, realizada em Brasília, a Comissão de Direitos Humanos, Cidadania, Ética e Decoro Parlamentar da Câmara Legislativa realizou, nesta manhã, sessão solene em homenagem a essa terapia fundamentada nos princípios da capoeira.
A capoterapia utiliza elementos da capoeira adaptados para pessoas da terceira idade, respeitando as condições físicas e características psicológicas próprias dessa faixa etária, com ênfase nos abraços e cantorias entre os participantes. Essa metodologia foi criada e vem sendo desenvolvida pelo Mestre Gilvam, instrutor de capoeira e presidente da Associação Brasileira de Capoterapia e da Associação de Capoeira Ladainha.
 
De acordo com a deputada Erika Kokay (PT), a capoterapia é uma atividade que deve ser apoiada oficialmente, devido aos "ganhos inquestionáveis que traz para os idosos. Já ouvi depoimentos de pessoas que praticam a capoterapia e agora têm mais gosto pela vida, relatando, inclusive, a melhora de dores de cabeça, reumatismos, disposição física e principalmente a melhora da auto-estima e da inibição", afirma.
 
Para o idealizador da terapia, Mestre Gilvam, somente agora o trabalho é devidamente reconhecido pelo Poder Público. "Há mais de 20 anos que procuramos apoio e somente no governo Lula fomos ouvidos e, mais importante, conseguimos firmar parceria com o Ministério do Esporte", comemora Gilvam. "Também estamos contentes por ajudar os nossos capoeiristas, que em muitos casos precisavam sair do País para sobreviver de sua arte", acrescenta.
Serviço:
 
Oficina Aberta de Capoterapia. Brasília/DF
 
100 vagas gratuitas A Associação Brasileira de Capoterapia oferece 100 vagas gratuitas de Capoterapia DIAS: todas as quartas-feiras de 9 às 10h LOCAL: Universidade Católica de Brasília Bl. "G" Tag. Sul CLIENTELA: acima de 50 anos PROF.º: Mestre Gilvan O QUE É CAPOTERAPIA? É uma terapia utilizando elementos da capoeira adaptada para pessoas da terceira idade, respeitando a condição física, as potencialidades, os limites e as características psicológicas individuais da clientela. A metodologia da Capoterapia foi criada e vem sendo desenvolvida pelo mestre em capoeira Gilvan Alves de Andrade, baseado na experiência, estudos , congressos, oficinas e fóruns sobre a modalidade esportiva, onde a equipe de instrutores é aperfeiçoada. "Saúde não é tudo, mas tudo não é nada sem saúde. (Schopenhaver) Associção Brasileira de Capoterapia
 
Associação de Capoeira Ladainha e Associação Brasileira de Capoterapia –  Av. Hélio Prates, QNL 30, Conjunto A, Lotes 31/33, Taguatinga Norte.
Telefones: 3475-2511 / 3475-2160
E-mail: ladainha.capoeira@globo.com
Site: www.capoterapia.com

Mestre de Capoeira, aos 67 anos, é homenageado na TATAME

No final deste mês, Mestre Arthur Emídio de Oliveira, um dos baloartes da capoeira carioca estara completando 77 anos de vida e 70 anos de vida capoeirística.
O Portal Capoeira sugeriu uma merecida homenagem ao Mestre e destacou o pessoal da capoeiragem carioca através da chamada ao jogo do camarada Joel Pires, que por sua vez acionou Mestre André Lacé e outros capoeiristas para colaborarem nesta tarefa.
 
Em resposta a esta chamada, encontramos um texto de outubro de 2006, publicado na Revista TATAME, revista especializada em Lutas, onde um aluno de Mestre Arthur Emídio é homenageado.
 
Desde já desejamos vida longa a Mestre Arthur Emídio e os nossos sinceros votos de felicidade e paz para toda a "malta" carioca.
Aluno do mestre Arthur Emídio, que fez uma luta de exibição (Capoeira x Jiu-Jitsu) em 1955, com Mestre Hélio Gracie, dentro da academia Gracie, que na época ficava na Av. Rio Branco, no Centro do Rio de Janeiro, Mestre Celso completou 67 anos no dia 24 de outubro. A comemoração ocorreu no dia 28 de outubro com um churrasco e uma roda de capoeira, onde alunos e ex-alunos como o várias vezes campeão brasileiro de Muay Thai Ângelo Sérgio, prestigiaram o mestre e participaram da roda.
 
– O Celso é aluno do Artuhr Emidio, famoso mestre da capoeira carioca. Ele foi formado junto com os mestres Eduardo, Luis Eduardo (Luizão), Milton e também o Mestre Russinho. Destes, só o Milton e o Celso estão em atividade – contou Elton, um dos alunos de Mestre Celso. 'O Ângelo Sérgio, que é campeão de Boxe-tailandês e Vale-Tudo já teve aulas com o mestre', contou Elton. Hoje o Mestre Celso dá aulas no Clube de Sargentos e Suboficiais da Marinha no Bairro do Cachambi, no Rio de Janeiro. A TATAME parabeniza o mestre Celso, que aos 67 anos continua em plena atividade e ensina a Capoeira para todas as idades.
 
Revista Tatame: www.tatame.com.br