Blog

Setembro 2007

Vendo Artigos de: Setembro , 2007

Aconteceu: Mestre Nininho e o Grupo “Agbara” participam de Feira Tradicional na Região do Algarve

Feira de Setembro com mais animação
Autarquia São-Brasense deu Festa à Feira
Com a Feira de Setembro, São Brás de Alportel dá continuidade ao espírito festivo do mês de Agosto. Artesanato, doçaria, folclore e animação marcaram os ritmos da despedida do Verão, em mais um dia recheado de surpresas e boa disposição. 
 
No primeiro domingo do mês, 2 de Setembro, as ruas circundantes ao Mercado Municipal encheram-se de vendedores de todo o Algarve. Os produtos serranos, como o mel, os figos secos, as amêndoas foram os convidados especiais, não faltando a saborosa doçaria e o artesanato tradicional, num encontro para relembrar o passado em dias de presente.
 
Empenhada em valorizar as tradições culturais, a Câmara Municipal de São Brás de Alportel, tem procurado dinamizar esta Feira Tradicional, mediante a criação de um espaço dedicado aos produtos e produtores locais, e a aposta num programa de animação, que constituem novos atractivos de uma Feira, cuja história se perde na memória das gerações.
 
Assim o visitante pôde aliar as habituais compras, à diversão, desfrutando de uma tarde repleta de animação musical, com a participação do Rancho Típico Sambrasense, o Grupo de Capoeira Agbara, e a actuação do conhecido artista “Gil Rosa”, acompanhado pelas suas bailarinas.
 
Os sons tradicionais do folclore deram início a esta tarde de festa, com o Rancho Típico Sambrasense, um grupo que dedicado a preservar as tradições do barrocal e da Serra algarvia, com um repertório de corridinhos e animados bailes de roda.
 
Da cultura tradicional, para as culturas de outras terras. Do folclore para a capoeira, no palco prossegue a festa, com um espectáculo de dança pelo Grupo “Agbara”, que conjuga a luta, a dança, o desporto e a música numa só actividade – capoeira.
 
O grupo, formado por jovens desportistas, fará diversas demonstrações de capoeira, dando a conhecer alguns aspectos culturais da modalidade, como o Maculele e a Capoeira Regional. Enquanto que o maculele consiste num tipo de dança rítmica, bastante movimentada, que recorre à utilização de grimas na sua execução; a dança regional é constituída por movimentos acrobáticos, ao som dos instrumentos típicos da cultura brasileira, como o berimbau, o pandeiro ou o “atabaque”.
 
Culminado em animação, o palco deu lugar à música popular, com o conhecido artista Gil Rosa e suas bailarinas, num espectáculo pleno de alegria e boa disposição , que promete contagiou o público, e o convidou a um pezinho de dança!
 
 
 Jornal Regional – Portugal – Porto – http://www.jornalregional.com

Uberlândia – Capoeira: Arte – Esporte – Dança

Crianças e adolescentes defendem a capoeira como um esporte que, além de saúde, traz muitos conhecimentos culturais 
 
Ele tem apenas 8 anos, faz a 2ª série e freqüenta assiduamente as rodas de capoeira. Mateus Rodrigues Gonzaga iniciou a prática do esporte neste ano e já se descreve como um apaixonado pela arte. Espera um dia se tornar ?mestre?.

Mateus pertence a uma turma de centenas de crianças e adolescentes beneficiadas pelo trabalho voluntário de Geilson da Silva, monitor Simbad, que oferece aulas de capoeira gratuitamente a qualquer interessado nas escolas municipais Gladsen Guerra, no bairro Canaã, e Professor Leôncio do Carmo Chaves, no bairro Planalto.

Simbad, como prefere ser chamado, explicou que enfrenta grandes dificuldades para realizar seu projeto. No entanto, as recompensas valem o sacrifício. Ele contou que começou na capoeira quando tinha 12 anos e também teve a oportunidade na escola. Por isso ele faz questão de transmitir seus conhecimentos nestes espaços. O monitor ressaltou que até agora obteve total apoio das direções das instituições para colocar seu projeto em prática. Ele conseguiu autorização para ministrar suas aulas e abre a oportunidade para qualquer interessado, seja este aluno da escola ou não. É o caso de Rayldo Rodrigues Silva, de 13 anos. Ele faz a 5ª série na Escola Estadual Teotônio Vilela e freqüenta as aulas de capoeira na EM Professor Leôncio do Carmo Chaves.

Os alunos de Simbad foram unânimes ao falar da oportunidade, todos consideram esse aprendizado muito positivo. "Não tenho palavras para descrever o quanto foi bom participar deste projeto. Aprendi muita coisa da nossa cultura, a capoeira está presente na história do Brasil, já sei tocar berimbau, pandeiro, atabaque e agogô e isso sem falar na saúde, que melhorou", resumiu Thiago Antônio Pereira Bernardes, 14 anos, que é aluno de Simbad desde o ano passado.

O garoto garantiu que não há o que ele não goste na capoeira e foi apoiado pelos colegas. Já Mateus Gonzaga, ou Sombrinha, afirmou que o melhor nas aulas é treinar os saltos. "Eu gosto muito de saltar", disse.

Identificação de capoeirista

Você sabia que ao ingressar em um grupo de capoeira as pessoas recebem apelidos que se tornam suas identificações? É isso mesmo. Percebeu que Geilson é Simbad, Mateus é Sombrinha? Aliás, o pequeno lembrou que sua real identificação é Sombra. Os colegas o chamam de Sombrinha porque ele é o menor da turma, mas quando crescer será simplesmente o Sombra; e ele não vê a hora de isso acontecer.

Essas identificações são sempre bastante inusitadas. Dener Fernandes Oliveira Souza, 14 anos, é Gnomo; Thaislene Gonçalves Ribeiro, 14, é Pitanga; Rayldo Rodrigues, 13, é Morceguinho; e, Thiago Bernardes,

14, é Pé de Pato. Na roda, eles costumam se comunicar apenas pelo nome de guerra.

Simbad explicou que essa é uma tradição que se mantém desde a época dos escravos. Para dificultar a identificação dos envolvidos, os negros utilizavam então os apelidos.

ILUSTRAÇÃO: NÚBIA MOTA Um longo caminho

A turma de capoeiristas mirins compartilha um sonho: chegar o mais longe que puderem no esporte. Todos querem se tornar ?mestres? e pretendem ainda multiplicar o trabalho começado por Geilson. Todos eles garantiram que, se puderem, no futuro também vão transmitir os conhecimentos a outras crianças. Para o monitor Simbad, essa energia e essa força de vontade perceptíveis em crianças e adolescentes constituem o combustível que o faz persistir no trabalho voluntário. Porém, o professor enfrenta sérias dificuldades. "Não conseguimos patrocínio facilmente. Para levar um atleta para participar de qualquer campeonato, o investimento sai do bolso do aluno e do professor. Aconteceu um evento em Jataí e não tive condições de levar ninguém. Essa é uma realidade que desestimula bastante essas crianças. Gostaria que fosse diferente", desabafou.

As dificuldades existem, mas os alunos não deixam o professor desistir. Estão preparando um encontro de capoeira para acontecer em dezembro aqui, em Uberlândia. Será em nível nacional. Esperam conseguir todos os recursos necessários para que ele realmente aconteça e mais, pretendem se esforçar ao máximo para a realização do sonho de se tornar mestres.

Curiosidades

Assim como em algumas artes marciais, em que a cor da faixa determina o nível de conhecimento do atleta, na capoeira há essa distinção entre as cores de cordas. E essas cores são repletas de simbolismos.

A primeira corda é a crua, representa uma criança engatinhando e significa que o atleta dá os primeiros passos na capoeira. Em seguida vem a crua/amarela, é o período de preparação para a corda apenas amarela, que simboliza o ouro. Na seqüência, a próxima corda é a amarela/laranja, que também é usada como intermediária para a corda só laranja, que simboliza o pôr-do-sol. Após a corda laranja, vem a laranja/azul. Esta é a última corda de duas cores e também a última para quem está no nível de aluno. Assim que o capoeirista conquista a corda azul, que simboliza os oceanos, ele já pode ser monitor. Em seguida vem a corda verde, que representa as florestas. A corda seguinte é a roxa, que simboliza misticismo e diz que o capoeirista pode ser instrutor. A marrom representa a terra e que o atleta é professor. A corda seguinte é a vermelha, simboliza a pedra rubi e que seu usuário é mestrando. A última corda é a branca, simboliza o diamante e que, finalmente, o capoeirista se tornou mestre.

História

 
A história da capoeira, essa expressão cultural que mistura esporte, luta, dança, cultura popular, música e brincadeira, desenvolveu-se com a história da escravidão no Brasil, uma violência sem limites contra os negros. Ela é fruto da cultura dos povos africanos e foi desenvolvida para ser uma defesa. É caracterizada por movimentos ágeis, feitos com freqüência junto ao chão ou de cabeça para baixo. Essa arte era praticada e ensinada nos engenhos da cana-de-açúcar pelos escravos que fugiam e eram novamente capturados. Para não levantar suspeitas, os movimentos da luta foram adaptados às cantorias e músicas africanas para que parecessem uma dança. A capoeira se desenvolveu, cercada de segredos, como forma de resistência. Do campo para a cidade a capoeira foi incorporando outros elementos típicos. Em Salvador, capoeiristas organizados em bandos provocavam arruaças nas festas populares e reforçavam o caráter marginal da luta. Por este motivo, durante décadas a capoeira foi proibida no Brasil. A liberação da sua prática deu-se apenas na década de 30, quando uma variação da capoeira, a chamada regional, foi apresentada ao então presidente Getúlio Vargas.

A capoeira regional foi criada por Manuel dos Reis Machado, o Bimba, que não se caracterizou, exclusivamente, como uma nova forma de jogar capoeira, mas sim pela modificação dos modos de relacionamento do esporte com a sociedade que a reprimia. Ganhou proteção jurídica, estendeu as possibilidades para a sua prática e penetrou em espaços sociais, como, por exemplo, as escolas e academias.

Hoje em dia, a capoeira está dividida nessas duas correntes: a angola, o estilo mais antigo, e a regional, cujo jogo é um pouco mais rápido, acrobático e atlético.

 

Jornal Correio – http://www.correiodeuberlandia.com.br

PRISCILLA MELO – revistinha@correiodeuberlandia.com.br – FOTOS: PRISCILLA MELO – ILUSTRAÇÃO: NÚBIA MOTA

Homenagem: Mestre Canjiquinha: “A Alegria da Capoeira”

Homenagem Portal Capoeira

"A Capoeira é alegria, é encanto, é segredo"

Em homenagem à Washington Bruno da Silva (Mestre Canjiquinha), o Portal Capoeira exalta o Mestre, propondo a toda comunidade capoeirística "A ALEGRIA NA CAPOEIRA"

Um mês dedicado a Vida e Obra deste Grande Homem e Mestre de Capoeira.

Dia 25 de Setembro, Canjiquinha iria completar 82 anos, se estivesse "fisicamente vivo"…

Washington Bruno da Silva, nasceu em Salvador (BA), em 25 de Setembro de 1925, filho de D. Amália Maria da Conceição. Aprendeu Capoeira com Antônio Raimundo – o legendário Mestre Aberrê. Iniciou-se na Capoeira em 1935, na Baixa do Tubo, no Matatu Pequeno. "No banheiro do finado Otaviano" (um banheiro público). Filho de lavadeira, Mestre Canjiquinha foi sapateiro, entregador de marmita, mecanógrafo. Dentre outras atividades foi também jogador de futebol (goleiro) do Ypiranga Esporte Clube, além de cantor de boleros nas noites soteropolitanas.

 

Leia mais sobre o Mestre Canjiquinha…

Outras Referências Importantes:

Documento Histórico: Canjiquinha a Alegria da Capoeira

Videos: Aula de Mestre Canjiquinha – 1ª Parte e 2ª Parte

Galeria de Videos:

Mestre Canjiquinha: Circo Voador, Rio de Janeiro, 1984

Entrevista curta com o Mestre Canjiquinha

Capoeira em cena – Mestre Canjiquinha

Na semana de 25 de Setembro, vamos todos formar uma grande roda… Vadiar em homenagem ao Mestre e celebrar os 82 anos de sua "Vida e Alegria para a Capoeira"

É assim que devemos ver… apesar de não estar neste plano, ele continua vivo, na essência da própria Capoeira!!!

Sugestão do Portal Capoeira: Na caixa de Pesquisa do site (localizada na parte superior esquerda) digite: Mestre Canjiquinha e na próxima tela selecione o campo "todas as palavras"

Aconteceu: 3ª CBC – Conferência Brasileira De Capoterapia do Distrito Federal

A CAPOTERAPIA é uma terapia utilizando o lúdico da capoeira, idealizado pelo Mestre Gilvan, em Brasilia DF Devido ao sedentarismo dos grandes centros, aliado às doenças cardiovasculares e respiratórias, ser o grande responsável pela mortalidade entre os mais vividos. Doenças como a arteriosclerose e a artrite, entre outras, podem ser evitadas, ou mesmo tratadas, a partir da prática orientada de exercícios físicos. A prática de esportes, com ênfase nos seus aspectos terapêuticos e de estímulo à prática socializante, tem se revelado como um poderoso instrumento para proporcionar o bem estar físico e espiritual e a própria felicidade aos idosos, num momento tão particular de suas vidas, onde o convívio familiar lhes impõe um certo isolamento natural. A capoeira, em particular, trabalhada na perspectiva de respeitar as condições físicas próprias da terceira idade, pode se converter num eficaz meio de valorização da vida social dos idosos, fazendo do seu ambiente um pólo catalisador e irradiador de cidadania. Período de implementação da Capoterapia: O Projeto Capoeira para Terceira Idade nasceu em 1998, através do Projeto “Capoeira para Todos”, adaptando-se os movimentos da modalidade esportiva e musical (capoeira) para a Capoterapia. Nestes seis anos vem se expandindo pelas cidades de Ceilândia, Taguatinga e através de Oficinas, em outras cidades do Distrito Federal e entorno. “Saúde não é tudo, mas tudo não é nada sem saúde. (Schopenhaver).
Para compreendermos o significado da Capoterapia é muito importante conhecermos as suas raízes históricas, vinculadas à capoeira.

Não há nada que tenha mais a cara deste país do que a capoeira. Ela é a pura ginástica brasileira, estruturada na história escravista, escrita com sangue e suor, e promovida como arte marcial, esporte, desporto e luta.

"O impossível é apenas mais um desafio"

Mestre Gilvan

 

 

 

 

 

 

 

 

PROGRAMAÇÃO

DIA 22/08 quarta-feira às 9h
ATIVIDADE: Sessão solene alusiva à III CBC
LOCAL: Plenária da Câmara Legislativa do Distrito Federal
PROPOSTA: Dep. Distrital Érika Kokay

Às 15:00 h ATIVIDADE: Entrega de lenços da turma da Capoterapia / Deficientes Mentais
LOCAL: Hospital São Vicente de Paula – Taguatinga Sul

Às 19:30 h ATIVIDADE: Laboratório e troca de experiências da Capoterapia com participantes do evento.
LOCAL: Sede da Ladainha, Av. Helio Prates, QNL 30 Cj A Lt 31/33 Taguatinga Norte.

DIA 23/08 quinta-feira às 8:30h
ATIVIDADE: 3º Seminário de Capoterapia
LOCAL: Auditório dos Pioneiros da Administração Regional de Taguatinga
PALESTRANTES: Regina Caetano / SESC; Prof.º Ronaldo Rodrigues / UCB; Dr.º Giovanne / Geriatra; Vera / GVI; Mª. Nazaré / Hospital São Vicente de Paula; Biblioteca Braille; Projeto “Vida Saudável” / Ministério do Esporte e Ministério da Cultura;

Às 14h ATIVIDADE: Vivência da Capoterapia
LOCAL: SESC Taguatinga Norte

Às 16h ATIVIDADE: Entrega de lenços dos alunos(as) da Biblioteca Braille / DV – “Enxergando Melhor com a Capoterapia”.
LOCAL: Teatro da Praça – Taguatinga Centro

Às 19:00 h ATIVIDADE: Exposição da Fotogaleria
às 19:30 h ATIVIDADE: Vivência da Capoterapia c/ tema Terapia do Abraço
Às 20:00 h ATIVIDADE: Roda de Capoeira com grupos do Distrito Federal e entorno
LOCAL: Taguatinga Shopping – Pistão Sul

DIA 24, 25 e 26/08
ATIVIDADE: 1º Encontro Nacional da Capoterapia
LOCAL: Hotel Villas diRoma – Caldas Novas GO

DIA 24/08 SAÍDA: sexta-feira às 7:00 h Nene´s Shopping Taguatinga Centro
CHEGADA : 13:00 h
19:00 h – Vivência da Capoterapia c/ tema Terapia do Abraço no Centro de Convenções do Hotel;
21:00 h – Seresta

DIA 25/08 sábado
7:30 h – Hidrocapoterapia na piscina do Hotel
10:00 h – Oficina de Maculelê
12:00 h – Almoço
14:00 h – LIVRE
17:00 h – Laboratório e troca de experiências com os participantes do evento
20:00 h – Vivência da Capoterapia na Feira do Artesanato – Centro
21:00 h – Seresta
DIA 26/08 Domingo
7:30 h – Hidrocapoterapia na piscina do Hotel
10:00 h – Aulão de capoterapia com todos os participantes
11:00 h – Avaliação e entrega de certificados aos participantes
12:00 h – Almoço
13:30 h – SAÍDA do Hotel
18:00 h – CHEGADA em BSB

www.capoterapia.com
http://www.8p.com.br/capoterapia/flog/

SECRETARIA NACIONAL

Associação de Capoeira Ladainha e Associação Brasileira de Capoterapia
Av. Helio Prates, QNL 30 Conjunto “A” Lotes 31/33 Taguatinga Norte / DF CEP:72162-301 Telefones 0xx61 34752511/2160/9962-2511 Mestre Gilvan
ladainhacapoeira@globo.com

Mestre Chiquinho Correa: DVD SAMBA CAPOEIRA

Francisco Levino Correa da Silva in arte Mestre Chiquinho Correa, é um brasileiro poliedrico Professor de Estudos Sociais, compositor, interprete, musico, pesquisador , dançarino, coreografo, mestre de capoeira angola do Grupo olo+xum = ( A energia com o amor ) aluno de Mestre Brasilia, mestre de samba, forró, salsa etc.., vive em Bolonha -Italia; desde 1990;
 
Tem uma coluna sobre a capoeira e o samba na web: http://musibrasil.net/
 
Criador do CD e DVD didatico Samba Capoeira Agosto/2006
 
Autor da Musica TIM TIM TIM BERIMBAU que saiu em novembro como homenagem a capoeira e ao samba na Rede de Televisão Italiana RAI UNO no programa musical infantil " Zecchino de Ouro "
 
www.oloxum.com – e.mail: cchiquinho@capoeirabologna.it – Tel + 39 3334924237
 
Divulgação: DVD SAMBA CAPOEIRA – MESTRE CHIQUINHO – BOLOGNA – ITALIA

http://it.youtube.com/watch?v=ndTnfVK9U7c
Samba aula 1 – Cavaquinho, pandeiro e passos Mestre Chiquinho – Bologna – Italia – 100% Brasileiro
Samba aula 1 – cavaco, pandeiro e passos – Capitúlo 08 querendo copie e divulgue esse link que é um trabalho em defesa da nossa cultura.  Obrigado. Amém! Mestre Chiquinho – www.myspace.com/oloxum –  www.oloxum.com – Workshop: e.mail – cchiquinho@capoeirabologna.it  – fone +39 3334924237

http://it.youtube.com/watch?v=t7dgpK_uGTc
Samba aula 2 – Cafezinho com cheiro do semba do jongo etc; das nossas raizes
Samba aula 2 – Capitúlo 09 Tá na hora de sambar com o cafézinho uma idéia genial é só colocar em pratica copie e passe pra frente

http://it.youtube.com/watch?v=OyDKra2uTOE
Samba aula 3 – "Bola Bolinha" Um samba eterno para o futebol brasileiro
Samba de preto velho – Capitúlo 10 DVD Sou do norte, sou do sul, sou do leste. sou do oeste, sou Brasileiro. Um interprete famoso como Zeca Pagodinho, G. Revelação, etc; cantando esse samba no estilo de Bezerra da Silva, seria uma coisa bolada, passe a bola pra frente! 
 
http://it.youtube.com/watch?v=eXf0WBCXhmQ
Capoeira Angola roda tradicional DVD Samba Capoeira Mestre Chiquinho
Capoeira de Angola Capitúlo 03 Pra quem não conhece a beleza interior de cada um a capoeira de angola da essa
 possibilidade de se conhecer.  E o inicio para o mundo da capoeira: Não sou angoleiro Não sou regional Jogo capoeira pra mim é legal.
 
http://it.youtube.com/watch?v=TBTTKQuspVI
Capoeira angola dobrada DVD Samba Capoeira Olo+Xum –
Capoeira Angola Dobrada – Capitúlo 05 O jogo no toque de angola dobrada é duro, tive a inspiração de ser o primeiro a cantar sobre esse ritmo uma inovação para se aprofundir mais e mais no mundo da capoeira.
 
http://it.youtube.com/watch?v=kOvxMM3fZbM
Capoeira São Bento Grande de Angola Viva Canjiquinha participação de Mestre Brasilia e Plinio
Capoeira São Bento Grande de Angola Capitúlo 07 Esse ritmo é usado para as demonstrações e espetacúlos e não é regional no meio coloquei o ritmo do samango uma luta dura criada por Mestre Canjiquinha.
 
http://it.youtube.com/watch?v=uwj8t-wcvtw
Paolo Conte e Mestre Chiquinho – Musica Happy Feet
Paolo Conte, Mestre Chiquinho de peruca (mentira são meus cabelos rsrsrs e ainda tenho viu! Vou contar para minha mamãe!! Que vc me chamou de careca! rsrsrs ) mistura tip tap, capoeira e brek dance e dá uma de engraxate para sobreviver e dança!! Video premiado na Alemanha, França, Inglaterra, Italia …
 
Um abraço
Agradeço Amém!!!!!
Mestre Chiquinho 
Workshop
www.oloxum.comwww.myspace.com/oloxum  – e.mail – cchiquinho@capoeirabologna.it  – fone +39 3334924237

 

 

 

Teatro & Homenagem a Mestre Pastinha: Quando as Pernas Fazem Miserê

“Quando as Pernas Fazem Miserê”, montagem elaborada pelo diretor teatral Luís Carlos Nem, conta a história da capoeira pela visão do mestre Pastinha, um dos maiores mestres do país. A proposta é mostrar ao público a história de uma das mais respeitadas expressões artísticas da cultura nacional.

O espetáculo tem o patrocínio da Petrobrás e é uma homenagem a Vicente Ferreira Pastinha, grande mestre da Capoeira Angola, que dedicou toda a vida na atitude de manter acesa a chama da autêntica capoeira. O espetáculo é resultado da pesquisa feita em parceria com os atores/capoeiristas Angoleiros de Campinas, integrantes do Grupo de Capoeira Sementes do Jogo de Angola, liderados pelo Mestre “Jogo de Dentro”, formado pelo Mestre João Pequeno, hoje com 87 anos, ainda em atividade em Salvador.

Quinta 21h e Sexta ás 21:30

13 e 14 de setembro
Únicas apresentações

 

 

Um espetáculo visual

A concepção do espetáculo é baseada na malícia do jogo e na dança da capoeira. Juntos, esses elementos contribuem para construção de uma cena poética perfeita. Um ”espetáculoroda”, que oscila entre o universo lúdico teatral, com os elementos que compõe o espetáculo, e uma roda de capoeira angola, onde o jogo e a relação entre os protagonistas torna-se vivo e autêntico a cada instante. Tem na mistura de linguagens e na improvisação o alicerce que faz do espetáculo uma surpresa a cada encenação, Cada centímetro do espaço é utilizado pelos intérpretes. O chão parece ganhar vida a cada passagem. E o público é levado a entrar na arena, senão fisicamente, certamente toda a sua emoção. A utilização de recurso audiovisual é outro ingrediente do espetáculo. Imagens da Bahia, das ladeiras do Pelourinho, das Festas de Largo e de outros capoeiristas serão projetadas em um telão branco durante cada bloco enquanto os intérpretes estão em cena.

 
 
 

Mestre Pastinha

Nascido em 1889, dizia não ter aprendido capoeira na escola, mas sim com a sorte. Afinal, foi o destino o responsável pela iniciação do pequeno Pastinha, ainda garoto, no jogo. Em depoimento prestado no ano de 1967, no Museu da Imagem e do Som, mestre Pastinha relatou a história da sua vida: “Quando eu tinha uns 10 anos – eu era franzininho – um outro menino mais taludo do que eu tornou-se meu rival. Era só eu sair para rua – ir na venda fazer compra, por exemplo – e a gente se pegava em briga. Só sei que acabava apanhando dele, sempre. Então eu ia chorar de vergonha e de tristeza”. A vida iria dar ao moleque Pastinha a oportunidade de um aprendizado que marcaria todos os anos da sua longa existência.

 

Foi através do preto Benedito, um escravo alforriado, que o mestre começou a descobrir a malícia e o poder de enfrentar um adversário bem mais forte do que lhe parecia. Pastinha começou a freqüentar o cazuá de Benedito, e pouco tempo depois sairia considerado pronto pelo mestre e seguiria fortalecendo a fama de imbatível pelas ruas e ladeiras da capital baiana.

Ao longo dos anos, a competência maior foi demonstrada no seu talento como pensador sobre o jogo da capoeira e na capacidade de comunicar-se. Os conceitos do mestre Pastinha formaram seguidores em todo país. A originalidade do método de ensino, a prática do jogo enquanto expressão artística formaram uma escola que privilegia o trabalho físico e mental para que o talento se expanda em criatividade.

Vicente Ferreira Pastinha morreu no ano de 1981. Mesmo completamente cego, não deixava seus discípulos. E continua vivo nas rodas de capoeiras, nas cantigas, no jogo. “Tudo o que penso da capoeira, um dia escrevi num quadro que está na porta da minha Academia. Em cima, só estas três palavras: Angola, Capoeira, Mãe. E embaixo, o pensamento: Mandinga de escravo em ânsia de liberdade, seu princípio não tem método e seu fim é inconcebível ao mais sábio capoeirista”.

 
 

Estátua símbolo de Bruxelas ganha roupa de capoeirista

O Manneken-Pis, monumento mais célebre de Bruxelas, capital da Bélgica, se vestiu de capoeirista nesta sexta-feira para celebrar a Independência do Brasil e promover a primeira Bienal de Artes Plásticas Brasileiras do país.
 
Será a primeira vez que a pequena escultura de bronze, símbolo da capital européia, portará um traje típico brasileiro.
 
O petulante menino de 55 centímetros de altura, que guarda uma antiga fonte pública da cidade fazendo xixi e completamente nu, só leva roupas em homenagem a ocasiões especiais, uma tradição que começou em 1747 por iniciativa do rei Luís 15.
 
Este ano ele já foi Elvis Presley, Nelson Mandela e Mozart por um dia.
As diminutas roupas depois são expostas no Museu da Cidade de Bruxelas, que reúne 780 fantasias de diferentes origens já utilizadas pelo Manneken-Pis.
 
Cultura brasileira
 
"Ter o Manneken-Pis vestido de brasileiro é uma grande honra e dará um caráter mais popular e mais lúdico à bienal", afirmou à BBC Brasil a artista plástica Inêz Oludé da Silva, organizadora da Bienal de Artes Plásticas Brasileiras.
 
"Escolhi o abadá da capoeira porque é uma boa maneira de mostrar essa cultura de resistência. Cada vez estão chegando mais brasileiros à Bélgica e é importante mostrar que também somos portadores de cultura, que não estamos aqui unicamente para invadir, para extrair algo, mas também para aportar coisas."
 
Esse é também o objetivo por trás da bienal, que entre 14 e 30 de setembro mostrará nas Casa das Culturas de Saint Gilles, em Bruxelas, uma seleção de telas, fotografias, vídeos e instalações de 14 artistas brasileiros residentes na Europa.
 
Ao total, serão 70 obras expressando "o sentimento dos brasileiros que fazem parte da Europa". "Eu tinha um grande desejo de divulgar algo mais sobre o Brasil além dos clichês comuns aos europeus: Carnaval, futebol, favelas ou pessoas carentes", conta a organizadora, que vive na Bélgica há 31 anos.
 
Os artistas que participam da bienal foram selecionados por dois curadores independentes a partir de um edital publicado nas embaixadas brasileiras da Europa.
 
 
Enviado por: Bruno "Teimosia"

Aconteceu: Palestra: A ORIGEM DA CAPOEIRA

Palestra: A ORIGEM DA CAPOEIRA
Prof. Mst. Ricardo Lussac "Mestre Teco" (CREF1 3944-G/RJ)
 
Local: Parthenon Eventos – Colégio Santa Mônica – Unidade Taquara.
Endereço: Rua Padre Ventura, 184 – Taquara – Rio de Janeiro – RJ.
Data: 07 de setembro de 2007. 
 
Capoeiras,
 
Sete de setembro de 2007, comemoração da Independência do Brasil… mas capoeira é capoeira e comemora do seu jeito… Fomos ao Colégio Santa Mônica assistir a uma sensacional palestra sobre a origem da capoeira. É! Muitos podem rir sobre o tema e até pensar "porque se perderia tempo assistindo alguém a falar sobre a origem da capoeira que todos sabem tão bem…" mas nós fomos: Genaro, Arnaldo Mineirinho, Ruffato, Silas e outros que totalizaram 19 (dezenove) assistentes numa palestra gratuita específica e rica de conteúdo acadêmico e popular, proferida pelo estudioso pesquisador do assunto capoeira professor Ricardo Martins Porto Lussac – "Mestre Teco".
 
O palestrante revelou a alquimia de como se procura, se colhe e se divulga a verdade "a mais verdadeira possível", dentro da ética e das possibilidades que os fatos, documentos investigados e a metodologia da pesquisa permitem ao capoeira pesquisador.
 
Orientou a todos sobre a isenção da paixão e tendenciosidades na procura e divulgação do que se propõe a entender para si e para os demais interessados na história da capoeira.
 
Como é sabido "capoeira é capoeira, é tudo que a boca come…", mas pesquisar a verdade, sem as mitificações de ídolos e as mistificações de fatos e "causos" é um árduo trabalho ético que muitas vezes vai de encontro às boas mentes pensantes e bem intencionadas que acreditam piamente no que "acha o achante", que aumenta um ponto no conto que viu ou ouviu dizer, mas incapaz de retroceder, cientificamente, à cosmogonia do universo da capoeira.
 
Uma palestra gratuita sobre um tema valiosíssimo… e apenas 19 (dezenove) assistentes… com direito a certificado escrito que tanto valor tem para o capoeirista que o soma ao seu currículo.
 
Mestre TecoA Parthenon Eventos, uma empresa prestadora de serviços esportivos, fundada em 1996, laborando comercialmente na implantação de projetos esportivos, atualização e qualificação profissional, oportunizou gratuitamente, mais uma vez à comunidade capoeira, através dessa palestra ministrada pelo Mestre Teco, profissional gabaritado a eliciar dos assistentes as respostas que a capoeira precisa, com a certeza e a dúvida que a pesquisa acadêmica impõe, mais um espaço interessante que podemos ocupar, em face da simpatia pela capoeira do seu administrador maior, Professor Bruno Castro, onde nós, os capoeiras, podemos ter mais um palco, uma roda, uma oficina, um laboratório, enfim, maiores chances de desenvolvimento, atualização e aquisição de novos conhecimentos, tornando-nos, sem subserviência alguma, melhores ao empreendimento ao qual nos propomos.
 
Parabéns, mestre Teco!!!
 
Muito obrigado, Professor Bruno Castro!!!
 
Iê capoeira!!!
 
Joel Pires Marques
55(21) 82004888 – 22649356 – 94845277
www.capoeirajogoatletico.com/blog

Aconteceu: Encontro lança Bloco Afro Capoeira nesta sexta

Tonho Matéria é um exímio capoeirista, com mais de 30 anos dedicados à arte. E, como mestre, há muito tempo vem alimentando o sonho de criar o primeiro bloco sobre o tema do mundo.
Amanhã, esse desejo começa a se tornar realidade com o lançamento do Bloco Afro Capoeira, que abrirá o Carnaval baiano de 2008.
O evento será realizado no Forte da Capoeira (Largo de Santo Antônio Além do Carmo), a partir das 14h.

“Há quatro anos venho tentando colocar a capoeira como tema do Carnaval. Contei com a parceria do (jornalista e produtor cultural) Badá, de Clarindo Silva, e do mestre Boa Gente, que ajudaram muito a conquistar esse espaço”, revela Matéria, que idealiza um megadesfile. “Se juntarmos todos os capoeiristas, cada um com sua própria fantasia colorindo a avenida, teremos 500 mil pessoas nos acompanhando. Só em Salvador são 50 mil praticantes catalogados pela Federação de Capoeira da Bahia (Fecaba)”, conta.

 
Nesta sexta-feira, 7, será lançado o Bloco Afro Capoeira, que abrirá o Carnaval de 2008. O evento acontecerá em um coquetel dentro da programação do VI Encontro Cultural & Intercâmbio Internacional de Capoeira Mangangá, no Forte da Capoeira (Largo de Santo Antonio Além do Carmo), a partir das 14h. O encontro não acontece apenas entre capoeiristas, ele é aberto ao público.
 
Farão parte da apresentação: o Afoxé Filhos de Gandhy, tocando clarins; o Coral da Unimed, executando músicas de capoeira, com o maestro Carlinhos; palestra sobre a importância do Forte da Capoeira; show da Orquestra Percussiva do Pelô com o mestre Bira Jackson; do Samba de Viola do Mestre Pelé da Bomba, com participação especial das Ganhadeiras de Itapuã; e de Tonho Matéria, que vai interpretar canções sobre a capoeira, como Paranaê, Ôsimsimsim e Vou dizer ao meu senhor que a manteiga derramou.
 
O jornalista paulista Mano Lima, colunista do Portal Capoeira e editor da revista Capoeira em Evidência, estará presente no coquetel, lançando o Dicionário de Capoeira (3a. edição revista e ampliada) e o livro infantil Eu, você e a capoeira. A equipe de Negra Jhô será responsável pelo receptivo do evento.
 
Ainda na sexta-feira, foi montada uma programação especial de capoeiristas. Dois ônibus só com mulheres praticantes da arte seguirão para a Costa do Sauípe às 17h, onde participaram de palestras, workshops, roda livre feminina e apresentação de Maculelê/Puxada de Rede com as Contra-Mestras Bia e Kaká.
 
No sábado, 8, o evento continua em Sauípe, com samba e aulão na Praia da Oca com os Mestres Val Boa Morte e Marcos Gytauna, às 11h. Pela tarde, a programação continua com o Workshop de Berimbau com Mestre Reginaldo (16h), palestra com o Mestre Máximo sobre Capoeira e os Zuavos (18h), Roda Livre com todos os Mestres, Contra-Mestres e professores organizada pelos Mestres Tonho Matéria e Boa Gente (19h) e show com a banda Olodum, às 21h30.

O encontro será encerrado no domingo, 9, às 9h, na Escola Linces (Jardim das Margaridas – Itinga), com o batizado e troca de cordas coordenados pela Associação de Capoeira Toques de Berimbaus (Mestre Reginaldo) e Associação Cultural de Capoeira Mangangá (Mestre Tonho Matéria), com roda de Mestres, Contra-Mestres, Professores e Formados, roda de alunos, apresentação de Maculelê, Puxada de Rede e capoeira-show.

 
Carnaval – Com o tema “Capoeira e suas Culturas Aparentadas” escolhido para o carnaval de 2008, o Bloco da Capoeira desfilará na quinta-feira, fazendo uma homenagem ao Bezouro Mangangá, ou Manoel Henrique Pereira, soldado do Exército nascido no século XIX, em Santo Amaro da Purificação, e capoeirista conhecido que, segundo a lenda, tinha poderes sobrenaturais. Para contar essa história e tantas outras, o Bloco da Capoeira trará diversas alas, dentre elas a das baianas, Zuavos, ciclistas (para lembrar daqueles que não têm dinheiro e vão para aula de bicicleta), Maculelê, Puxada de Rede, Caboclo e Orixás.
 
O Bloco da Capoeira não será comercializado. As inscrições começam no dia 7, com o lançamento do projeto, e poderão ser feitas através do site www.capoeiramanganga.com.br, ou do e-mail mmanganga@hotmail.com . Mais informações através dos telefones: 9919-7093 e 3256-9806.
 

Conselho Superior de Mestres da Federação Riograndense de Capoeira

FEDERAÇÃO RIOGRANDENSE DE CAPOEIRA
Entidade Estadual de Direção, Administração e Regulamentação Desportiva
 
Informa:

No dia 05 de Setembro de 2007 foi criada o Conselho Superior de Mestres da Federação Riograndense de Capoeira, na qual foi escolhido para Mestre Presidente o Sr. Lindomar do Amaral Alves conhecido por Nino Alves, Diretor Técnico Roberto Avila Mestre Tucano e Diretor Cultural Mestre Paulo Renato Narciso Karcará.
Os membros do conselho Superior de Mestres São: Ivonei, Klaity, Betinho, Delmar e Soneka.

Já estão abertas as inscrições para homologação de graduação da Federação Riograndense de Capoeira.
1ª Etapa Curso com o Mestre Nino Alves dia 20 de Setembro de 2007
2ª Etapa Curso com o Mestre Tucano dia 27 de Outubro de 2007
3ª Etapa Curso com o Mestre Karcará dia 15 de Novembro de 2007

Para homologação dos certificados estagiário, instrutor, formado, monitor, professor, contramestre e mestre, se faz necessário cumprir os cursos com os mestres acima, para maiores informações entrar em contato com o Mestre Presidente Gavião Fone: 9812.8737

 
FEDERAÇÃO RIOGRANDENSE DE CAPOEIRA
Entidade de Direção, Administração e Regulamentação Esportiva
CENTRO DE REFERÊNCIA DA CAPOEIRA GAÚCHA
 
LIGA REGIONAL DE CAPOEIRA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL
 
CNPJ 08.877.016/0001-9
 
Fundada da em 23 de outubro de 2006 – Rua Marcilio Dias 1081 – Menino Deus – Porto Alegre – RS – Brasil – Fone: – 9812.8737
 
 
Mestre Presidente Gavião
(051) 8451.3441
Secretário Gigante
(051) 8144.8525