Blog

Maio 2009

Vendo Artigos de: Maio , 2009

Mongaguá: Inscrições para capoeira gratuita estão abertas

Moradores de Mongaguá que têm interesse em aprender a arte da capoeira podem se inscrever no ginásio de esportes Jacozão, à Avenida São Paulo, 1.800, no Centro.

As aulas, ministradas pelo capoeirista Aloísio Leonel, com mais de vinte anos de experiência, terão início em 13 de junho e acontecerão todos os sábados, das 16h30 às 19 horas, no ginásio.

Podem se matricular crianças a partir de cinco anos de idade. “Também teremos espaço para a terceira idade”, afirma Leonel, conhecido no Município como Capoeira.

Aconteceu: Caetano e Dona Canô vão a festa de comemoração à abolição dos escravos

Acompanhado Dona Canô e Clara Veloso, Caetano Veloso participou nesta quarta, 13, da Bembé do Mercado, festa de comemoração à abolição da escravatura, em Santo Amaro da Purificação, Bahia.

O evento acontece há 120 anos e conta com várias manifestações tradicionais, como o Maculelê, a Capoeira e o Samba de Roda.

Fonte: http://ego.globo.com/

Berlim: O NOSSO ENCONTRO 2009

“O NOSSO ENCONTRO” é dedicado à todas as pessoas sensatas como você!

Mestre Saulo e o Grupo I.U.N.A gostariam de convidar vocês a participar de
“O NOSSO ENCONTRO“ de capoeira e dança, que se realizará de 21 até 24 de maio 2009 em Berlim.

Esse ano faremos o sorteio de um vôo de ida e volta para o Rio de Janeiro ou São Paulo.
Segundo prêmio participação gratuita no “O NOSSO ENCONTRO” em 2010.
Terceiro premio DVD de Capoeira

O bilhete será cedido ao ganhador do prêmio por Vinícius da Silva, agente da “GloboTur” no local, logo após o sorteio. Aproveite essa chance. Apoio “GloboTur” www.globotur.de a sua agencia de viagem.

Nós teremos a Mestre Sylvia Bazzarelli como convidada especial mestre Sylvia é procedente de Santos e mora já há 20 anos em Londres onde fundou sua academia de capoeira. www.londonschoolofcapoeira.co.uk

Teremos conosco cerca de dez professores brasileiros. Atividades diária de 10 às 18 horas, com festa no Sábado. 

preco da participacao para:
3 à 4 dias 90 Euro
2 dias 70 Euro
1 dia 50 Euro

as aulas:
Lobeckstraße 62, em Kreuzberg; metrô Prinzenstraße linha 1; mapa…

inscriçãe:
Inscricao + chá de 10 às 12 horas
Naunynstraße 63, in Kreuzberg. U-Bahn Kottbusser Tor;

alojamento, Café, janta e festa:
Naunynstraße 63, em Kreuzberg; metrô Kottbusser Tor linha 1 ou 8; mapa…

Invitacao

Aqui, profissionais da Regional e da Angola se encontram todos os anos e trabalham juntos em harmonia, como amigos de infância.

A nossa associação é responsável pelo grande encontro internacional de capoeira e dança “O NOSSO ENCONTRO”, que deu início em 1999. Se realiza em Berlim uma vez ao ano no mes de maio, ligado ao aniversário do organizador mestre Saulo. Mestres e professores que já participaram nos anos anteriores são: mestre Rui, mestre Samara, mestre Umoi, mestre Alexandre Batata, mestre Ulisses, mestre Sorriso, mestre Laércio, mestre Jorge, contra-mestre Urubú, contra-mestre Requeijão, contra-mestre Wil, contra-mestre Perna Longa, prof. Nagô, prof. Joel, prof. Pé de Vento, treinel Leozinho, mestre Bailarino, mestra Maria Pandeiro, mestre Will, mestre Canela, mestre Gege, prof. Xexel, instrutor Cunhadinho, instrutora Esmeralda, Nadia, Ailton, Murah (dança afro), Genilda (samba) e outros.

1º Seminario Internacional de Capoeira – 10 Anos Abadá Portugal

1º Seminario Internacional de Capoeira – 10 Anos Abadá Portugal – Woprkshop: Mestre Camisa de 26 à 31 de maio 2009.

Ola amigos e capoeiristas!
Gostaria de convidar a todos para o nosso evento de comemoração dos “10 Anos da Abadá Portugal” vai ser uma semana de festa e muita capoeira!!!

Espero contar com a presença de todos.

Um forte abraço,
Professor Cascão
www.abadaportugal.org

 

00351 – 93 418 22 98
00351 – 253 572 011

Lapinha Museu Vivo no Mês da Abolição: 6º Encontro de Cultura de Raiz

Entre os dias 22 e 24 de maio acontecerá a sexta edição do Encontro de Cultura de Raiz “LAPINHA – Museu  Vivo no mês da Abolição”, no município de Lagoa Santa, região metropolitana de BH. Nestes três dias o Teatro de Arena da Praça Dr. Lund, o Areão, a Igreja Nossa Senhora do Rosário e a Gruta da Lapinha serão cenário valorização e divulgação da Capoeira Angola e das manifestações culturais populares de raiz, como o congado, o candombe, a dança-afro e o boi da manta.

 

O “LAPINHA Museu  Vivo no mês da Abolição” é o único evento do gênero no Estado, envolvendo mais de 300 agentes culturais da região metropolitana, com um público de mais de 1,5 mil pessoas por edição. Ele foi criado para promover para a população local o acesso à uma programação diversificada de cultura de raiz. Assim, durante os três dias do encontro, crianças e jovens de escolas públicas, e a população em geral, terão aulas gratuitas de capoeira angola, teatro, percussão, dança afro e educação ambiental.  

 

Anualmente o evento vem provando a importância da valorização da cultura popular e regional como um grande instrumento para a formação de cidadãos socialmente comprometidos. O encontro foi idealizado e realizado pela primeira vez em 2004 e é uma realização da Associação Cultural Eu Sou Angoleiro (Acesa), com a coordenação geral do Mestre João Angoleiro. A produção do evento fica por conta da frente de trabalho da Acesa “Irmandade Atores da Pândega”, de Lagoa Santa, coordenada pelo treinel Gersino Alves.

 

MANIFESTAÇÕES CULTURAIS – PROGRAMAÇÃO

Com uma programação eclética com shows de reggae, rap, samba e exibição de vídeos, o “Lapinha Museu Vivo” tem um público médio de mais de duas mil pessoas por edição. Um dos destaques do evento é a valorização da tradição oral e das trocas de saberes entre os mestres populares locais e mestres convidados de outros estados. Neste ano convidamos Mestre Moraes (Grupo Capoeira Angola Pelourinho- Gcap – Salvador/BA – responsável pela difusão da capoeira angola no Brasil a partir da década de 70), Mestre Manoel (Grupo Ypiranga de Pastinha – Conglomerado da Maré- Rio de Janeiro/RJ) e Mestre Gil Velho (Grupo Senzala- RJ). Também está confirmada a presença dos mestres mineiros Mestre Dunga e Márcio Alexandre (precursores da capoeira em Minas Gerais) além dos Mestres do Mamg (Movimento Angoleiro de Minas Gerais), do Candombe de Dona Mercês (Comunidade do Açude – Serra do Cipó) e da Mata do Tição (Jaboticatubas), os Reinados de Congo de Nossa Senhora do Rosário (da Lapinha) e o divertido e tradicional Boi da Manta, que mexe com toda a criançada.

Uma semana antes do Evento (18 a 22 de maio) os capoeiristas, pesquisadores e educadores da Acesa estarão realizando nas escolas públicas de Lagoa Santa diversas oficinas atendendo 1.500 alunos, essas atividades serão acompanhadas também com uma oficina voltada para   professores, supervisores e diretores das escolas discutindo a importância das manifestações culturais na Construção da Identidade do povo brasileiro, atendendo também a Lei 11.645/07 ensino da história africana e afro-brasileira e indígena nas escolas.

 

Outro destaque está para Mostra FórumDoc.MG: 2ª mostra itinerante do filme documentário e etnográfico. Neste ano a Mostra traz os mais expressivos filmes produzidos sobre a temática indígena e negra, como “O casamento de Gina” (de Martin Marden, Nova Guiné) e “Os Mestres Loucos” (de Jean Rouch, França) e faz também a pré-estréia do documentário “Paz no Mundo Camará a Capoeira Angola e a volta que o mundo dá- Minas Gerais” (de Carem Abreu, produzido pela ATOS Central de Imagens em parceria com a Associação Cultural Eu Sou Angoleiro).

 

 

SERVIÇO:

 

Evento: “Lapinha Museu Vivo no Mês da Abolição: 6º Encontro de Cultura de Raiz”

Data: 22 a 24 de maio em Lagoa Santa

Local: Praça Central de Lagoa Santa (Dr. Lund), Areão, Gruta da Lapinha e Igreja Nossa Senhora do Rosário/Lapinha.

Realização: Associação Cultural Eu Sou Angoleiro (Acesa)

Inscrição: Sede da Acesa em BH – Rua da Bahia, 570 – 12º andar – Belo Horizonte/MG ou Site www.eusouangoleiro.org.br

 

  

Valor: R$ 35,00 (TRINTA CINCO REAIS) OU R$ 50,00 (CINQUENTA REAIS) (3 DIAS COM ALIMENTAÇÃO, OFICINAS, CAMPING, SHOWS + CAMISA).

 

Sede da Acesa em Lagoa Santa: Rua Melo Viana,420 B. Várzea – Lagoa Santa.

Informações: (31) 4063-9822 (FIXO) / (31)  88136692 (Gersino Alves), (31) 99982756 (Rosângela Silva) (31) e  93271557   (Matheus)

 

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO – Júnia Bertolino (0011097/MG) – (31) 99176762, Carem Abreu (31) 9297-1582/ 9751-6869 ,Luiz Gabriel Lopes (9791 4493),Daniel Iglesias e Liliane Martins (31) 8884-7476 

 

LINKS PARA O EVENTO:

 

PROGRAMAÇÃO

 

DE 18 A 21 DE MAIO

“LAPINHA NA ESCOLA” – PRÉ LAPINHA MUSEU VIVO NO MÊS DA ABOLIÇÃO

Local: Escola Municipal Prof. Mello Teixeira, UNIPAC/Escola Doutor Lund, Escola Municipal Herculano Liberato e Gruta da Lapinha

Horários: variados – conferir programação da Mostra FórumDoc, anexa.

Eventos: oficinas de capoeira angola, dança afro, percussão, Meio Ambiente e mostra de vídeos nas escolas e na Gruta da Lapinha.

 

MOSTRA FORUMDOC.MG

 

18 de maio – segunda-feira

19hs – Duas aldeias, uma caminhada

Escola Municipal Prof. Mello Teixeira – Bairro Santos Dummond

 

19 de maio – terça-feira

19h – O casamento de Gina

UNIPAC/Escola Doutor Lund  – Bairro Centro

 

20 de maio – quarta-feira

19h – Casca do chão

Escola Municipal Herculano Liberato  – Bairro Aeronautas

 

21 de maio – quinta-feira

10h – Vai ou racha, 20 anos de luta + Vamos à luta

Escola Estadual Cecília Dolabella Portela Azeredo  irro Várzea

 

 

 

DE 22 A 24 DE MAIO

LAPINHA MUSEU VIVO NO MÊS DA ABOLIÇÃO: 6º ENCONTRO DE CULTURA DE RAIZ

 

SEXTA-FEIRA – 22/05

ABERTURA

16h – Concentração na Praça Dr. Lund – Roda de Capoeira Angola

Centro – Lagoa Santa

 

18h – Cortejo

Saída: Praça Dr. Lund, sentido bairro Várzea.

Av. Getúlio Vargas, entre Rua Aquileu de Oliveira e Rua Tíbério Batista – Areão.

Participação de diversos grupos culturais, entidades e movimentos sociais.

 

19h – Mostra FórumDoc e shows

Exibição Crioulo doido -Areão – Bairro Várzea

 

SÁBADO – 23/05

9h – Oficinas e roda de conversa

Gruta da Lapinha – Lagoa Santa

 

18h – Shows

OCA – Tenda Armada

Rua do Rosário – 425

Próximo à Igreja de Nossa Senhora do Rosário – Lapinha – Lagoa Santa

 

19h – Mostra FórumDoc

Pré-estréia do filme

“Paz no Mundo Camará: a capoeira angola e a volta que o mundo dá – Minas Gerais”

 

Mestres Loucos

 

DOMINGO – 24/05

9h – Recepção das Guardas de Congo e Moçambique e dos Grupos de Candombe

Oficina com Mestre Moraes – Salvador/BA
Roda de conversa – Roda de Capoeira Angola

Igreja de Nossa Senhora do Rosário

Rua do Rosário – Lapinha – Lagoa Santa

Encerramento

 

QUEM SOMOS: A Acesa realiza em Belo Horizonte desde 1993 trabalhos de formação nas áreas de capoeira angola, dança afro, percussão e teatro com atividades nas 15 frentes de trabalho (Centro, Vila Acaba Mundo, Morro do Cascalho, Santa Tereza, Barro Preto, Pampulha, Santa Luzia, Jardim Canadá, Contagem, Betim, Ibirité, Lagoa Santa, Nova Lima, Codisburgo, Ribeirão das Neves e Coronel Fabriciano), atendendo mais de 300 alunos.

 

O QUE ACONTECE NO LAPINHA MUSEU VIVO : O encontro visa a valorização do patrimônio imaterial brasileiro através do intercâmbio cultural promovido entre grandes mestres da tradição oral. Assim, o evento tem trazido para Minas grandes mestres da Capoeira Angola, como os baianos e alunos diretos de Mestre Pastinha, Gildo Alfinete e Boca Rica (representantes da Associação Brasileira de Capoeira Angola) e João Pequeno (Academia João Pequeno de Pastinha, guardião da Capoeira Angola neste século). Esse intercâmbio promove a troca de experiências e saberes com outros mestres da Capoeira Angola e de outras manifestações culturais do Estado, como Dona Mercês do Candombe e Dona Isabel, Rainha Conga de Minas Gerais, do Reinado de Nossa Senhora do Rosário.  

 

MOSTRA FÓRUMDOC.MG

 

: A proposta do Forumdoc.mg – mostra itinerante do filme documentário e etnográfico – surgiu não apenas de uma vontade, mas da urgência em ampliar e democratizar o acesso à cultura em Minas Gerais. Há alguns anos a equipe do forumdoc.bh

 

e a equipe do Encontro de Cultura de Raiz firmam parceria, com exibições de filmes que aprofundam e diversi­ficam os pontos de debate sobre os modos da “cultura”. A parceria este ano está mais planejada, contudo sem perder aquilo que a gerou:  a possibilidade de pensar uma atuação cultural alheia à lógica utilitária e mercantil. A mostra não está limitada à exibição dos filmes, ela é permeada por  debates que serve como estímulo à reflexão.

Cia. Baobá de Arte Africana e Afro-Brasileira apresenta novo espetáculo Ancestralidade: “Herança do Corpo”

Nova montagem da companhia faz referências às heranças culturais africanas, e conta com direção e coreografias de júnia Bertolino, direção cênica Evandro Nunes, consultoria de Rui Moreira, preparação corporal Mestre João Bosco e direção musical de Mamour Ba.

As expressões artísticas que vigoram no tempo secularmente do continente-berço da humanidade à imensa afro-diáspora chamada Brasil, transmitidas pelo movimento, ritmo, batuque, teatro, canto e poesia. Em resumo, essa é a essência do trabalho da Companhia Baobá de Arte Africana e Afro-brasileira, coordenada pela bailarina, coreógrafa e atriz Júnia Bertolino.

O Espetáculo  da  Cia  Baobá de  Arte  Africana e  Afro-Brasileira ressalta os valores das culturas da África e suas respectivas heranças no Brasil, como a oralidade, ancestralidade e identidade. Todos esses elementos são representados nas esquetes: “Ritual da Graça”, o “abre-caminho” do espetáculo em que as mulheres – que predominam na companhia – dançam com asas de borboleta em reverência ao matriarcado das diversas sociedades africanas, entre os cantos entoam o verso “Filho Brasil pede benção à Mãe-África”; “Universo Feminino”, que ressalta o papel da mulher na comunidade com toda sua altivez, graciosidade e valores; “Djembola”, que segundo Mamour Ba, que deu o nome, em que as mulheres dançam pedindo chuva para a fartura da colheita; “Ginga do Corpo”, que presta homenagem ao mestre Pastinha e seus seguidores e à capoeira angola;  “Dança Ancestral”, momento de reverência e louvação aos orixás, e “Africana”, que faz reflexões sobre a dança afro na cena contemporânea. A direção musical é do músico senegalês Mamour Ba – que participa da trilha junto com seu filho Cheikh Ba -; com preparação corporal de Mestre João Bosco, da Cia. Primitiva de Arte Negra; cenário de Luciana dos Santos; figurino de Marcial Ávila e Lu Silva; e consultoria artística do bailarino e coreógrafo Rui Moreira, diretor da Cia. SeráQuê?.

 “Ancestralidade: Herança do Corpo” foi construído a partir de agosto, sendo um desdobramento do espetáculo anterior, “Quebrando o silêncio”. Agora, através do patrocínio da CEMIG, via a Lei Federal Rouanet de Incentivo à Cultura, a Cia. Baobá apresenta a nova montagem. No processo, os atuais 14 integrantes da companhia – entre bailarinos, atores e percussionistas – tiveram um momento de formação. O consultor do espetáculo, Rui Moreira, deu oficinas de dança contemporânea. Também participaram dos momentos de formação com os integrantes, Mamour Ba, com canto, dança e percussão da África; o percussionista Carlinhos Oxóssi, com oficinas sobre os ritmos da tradição religiosa afro-brasileira; Marquinho do grupo Encaixa Couro, sobre brincadeiras de roda e o batuque; Mestre João Bosco, com oficinas de capoeira angola e dança afro-brasileira, e Evandro Nunes, do Teatro Negro e Atitude, na preparação cênica.  

 

Sobre a Cia. Baobá

Criada em 1999, por Júnia Bertolino junto com o também bailarino e coreógrafo William Silva e o músico Jorge Áfrika, a Cia. Baobá de Arte Africana e Afro-brasileira surgiu para resgatar no cenário das artes cênicas de Belo Horizonte a representação e valorização das matrizes africanas presentes na identidade do povo brasileiro, retratados através da dança, música, poesia e teatro, a partir de pesquisas sobre a presença dessas matrizes no caldeirão da cultura nacional. Este ano Cia. Baobá completará dez anos de estrada e apresentar seu novo espetáculo de dança, intitulado “Ancestralidade: Herança do Corpo”. Concebido, dirigido e coreografado por Júnia Bertolino e direção cênica Evandros Nunes, sendo  que  o  primeiro  trabalho  da  Cia  é o  espetáculo Quebrando o Silêncio.  

 

Sobre Júnia Bertolino            

Com formação em comunicação social (jornalismo) e Antropologia com especialização em Estudos Africanos e Afro-brasileiro, Júnia iniciou-se na dança afro em 1995, no Centro Cultural da UFMG com o professor Evandro Passos, criador da Cia. de Dança Afro-brasileira Bataka. Nessa época, foi convidada para ser uma das bailarinas da Bataka, a primeira companhia a que pertenceu, com a qual viajou para apresentações na Itália, durante o Festival Internazionale del Folklore, em Roma. Foi bailarina convidada dos espetáculos “Brasil Mestiço” (1996) e “Kizomba – 500 anos”, da Cia. Danç’Arte de Marlene Silva.            

Em 1997, passou a integrar a Cia. de Arte Primitiva, dirigida pelo Mestre João Bosco, com quem aprimorou sua técnica na dança. Até que em 1999, fundou junto com Jorge Áfrika e William Silva a Cia. Baobá de Arte Africana e Afro-brasileira.            

Dentre muitas apresentações e espetáculos, em 2007, Júnia foi convidada para integrar o Coletivo Afro Minas, criado pelo bailarino Rui Moreira, para montar e encenar no Verão Arte Contemporânea o espetáculo “Thiossan” (na tradução em wolof quer dizer “tradição”), dirigido por Mamour Ba, em que dividiu palco com o próprio Rui e o Mestre João Bosco, com trilha do grupo Conexão Tribal African Beat, de Mamour. No cinema, destacam-se as participações nos filmes “Uma Onda No Ar” (2001), de Helvécio Ratton, e “Vinho de Rosas” (2003), de Elza Cataldo. No teatro, participou das peças “Besouro Cordão de Ouro” (2007), de João das Neves, e do espetáculo montado na 4ª edição do Festival de Arte Negra (FAN) pelo Coletivo FAN da Cena, intitulado “Árvore do Esquecimento”, dirigido por Grace Passô, Luis de Abreu e Jessé de Oliveira. Atualmente  faz parte da Diretoria de Arte do NEGRARIA – Coletivo de Artistas Negros/as.  

 

Ficha técnica:  

 

“Ancestralidade: Herança do Corpo”, da Cia. Baobá de Arte Africana e Afro-brasileira

Direção geral e coreografia: Júnia Bertolino

Direção Cênica: Evandro Nunes

Direção musical: Mamour Ba

Consultoria artística: Rui Moreira

Preparação corporal: Mestre João Bosco

Figurino: Marcial Ávila e Lu Silva

Cenário: Luciana dos Santos

Iluminação: Geraldo Otaviano

Cabelos e maquiagem: Dora Alves, Marisa Veloso e Lú Santana

Registro fotográfico e audiovisual: Netun Lima, Renata Mey e João Álvaro

Elenco: Júnia Bertolino, William Silva, Fred Santos, Alex Diego Tamborilar, Eric Delo, Jander Ribeiro, Evandro Nunes, Lu Santana, Lu Silva, Andréia Pereira, Gaya Dandara Campos, Gabriela Rosário, Camila Rievers,  Gilmara Guimarães e Marisa Veloso.

Elenco convidado: Mestre João Bosco

Músicos convidados: Mamour Ba e Cheikh Ba  

 

Serviços:

Espetáculos:  quebrando  o   silêncio  e  “Ancestralidade: Herança do Corpo”, da Cia. Baobá de Arte Africana e Afro-brasileira

 

Contato para show e informações: (31) 99176762  ou  3467-6762  

baoba.arteafricana@gmail.com   juniabertolino@yahoo.com.br   

site: http://www.myspace.com/ciabaoba

 

História social da capoeira é abordada na Semana da África

O debate sobre a desmistificação da cultura africana foi destaque na tarde de segunda-feira (11) na programação da Semana de História da África, promovida pela Escola de Governo do Pará (EGPA). Durante a oficina “História Social da Capoeira“, o professor Libano Soares abordou o tema, com o objetivo de desvincular a imagem da capoeira “do ócio”.

“A capoeira faz parte da história do trabalho. E só conhece essa vertente quem a estuda como componente histórico, e não só cultural. Por isso, ao estudar a história da capoeira é possível desmistificá-la da vadiagem, do não trabalho”, ressaltou.

O desafio de desmistificar a cultura africana na sala de aula foi abordado na segunda oficina da tarde, com o tema: “A sala de aula e os desafios do ensino da religiosidade e do sincretismo religioso africano”, ministrada pela professora Anaíza Vergolino.

Ela ressaltou a importância de uma educação antirracista, na qual prevaleça o reconhecimento das diferenças. O tema mobilizou a platéia, composta principalmente por professores da rede estadual de ensino. Para a professora de História Simone Novaes, “é um grande desafio investir nesses cursos de formação que a EGPA promove. Esse debate é, na verdade, uma grande contribuição para a quebra de preconceito”.

Debates na Estação – Nos dias 14 e 15 (quinta e sexta-feiras) serão realizados dois debates, na Estação das Docas, a partir das 18 horas, com entrada franca. “A Lei 10.639/2003 e suas repercussões no ensino e nas políticas de inclusão sóciocultural para negros e negras” e a “História do Negro no Brasil e a África Contemporânea” são temas dos dois debates, que trazem a Belém o professor Berluce Belluci, pró-reitor de graduação da Universidade Cândido Mendes e diretor do Centro de Estudos Afroasiáticos. Há mais de 30 anos ele trabalha como pesquisador de temas africanos, acumulando experiência em vários países do continente, como Moçambique, Angola e Cabo Verde.

O professor Flávio Gomes é outro convidado do evento. Ele integra o programa de pós-graduação em História da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Tem livros, coletâneas e artigos publicados em periódicos nacionais e estrangeiros. Seu trabalho se concentra em temas como Brasil colonial e pós-colonial, escravidão, Amazônia, fronteiras e campesinato negro. Atualmente, desenvolve pesquisas em história comparada do Brasil, América Latina e Caribe.

 

Texto: Ascom/EGPA – http://www.agenciapara.com.br

O Camará – Congresso Mundial de Capoeira/2009

O Camará – Congresso Mundial de Capoeira/2009, que será um evento aglutinador de praticantes da capoeira e áreas afins, provenientes de todo os continentes, no período de 31/08 a 13/09 de setembro, em Salvador e Livramento -Bahia, promovendo palestras, competições, festivais, cursos e vivências ministradas pelos maiores mestres desta arte no Brasil.

A elaboração deste congresso, é fruto da parceria estabelecida entre a Associação Cultural GUETO, Colégio Oficina, UNIJORGE e a UNIRB, que juntos darão o suporte técnico-pedagógico para realização deste evento, tendo como intuito principal o fortalecimento do elo de ligação entre a capoeira, o esporte e a Educação formal, possibilitando um maior intercâmbio entre as culturas populares e a produção científica, enfocando o trabalho com a cultura corporal em escolas, o processo de ensino-aprendizagem da capoeira, bem como suas relações no desenvolvimento histórico e social, possibilitando desta maneira a ampliação do nível de informação dos profissionais que atuam nesta área e ainda o aprimoramento técnico – desportivo dos praticantes de capoeira.

Vale a pena ressaltar, que o Camará – Congresso Mundial de Capoeira/2009, também se firma como um importante evento cultural – desportivo, que vem trazer entretenimento, informação e lazer para as cidades de Salvador, Vitoria da Conquista e Livramento de Nossa Senhora, além de proporcionar a possibilidade de mostrar as belezas naturais da capital baiana e da Chapada Diamantina, com visitas programadas aos seus pontos turísticos, estimulando o turismo e comercio da região do evento, promovendo a divulgação das cidades e de nossos patrocinadores.

Inscrições gratuitas para professores, contramestres e mestres de capoeira (acompanhando grupos a partir de 5 pessoas).

Inscrição por pessoa
Pacote Total | 3 Etapas | R$270,00

– Camisa Promocional
– Passagem ônibus- Salvador-Livramento / Livramento – Vitória da Conquista / Vitória da Conquista – Salvador
– Passeio Turí­stico em Rio de Contas
– Participação na Copa Camará
– Hospedagem 5 dias em Livramento com alimentação inclusa
– Alojamento 5 dias em Salvador
– Alojamento e alimentação 2 dias em Vitória da Conquista
– Participação em todos os cursos e oficinas do evento
– Ingresso para cerimônia de batismo em Salvador

Inscrição por oficina
Valor – R$20,00

Condições especiais para grupos a partir de 5 pessoas!

Delegações já confirmadas!

| Bogotá – Colombia
| Cali – Colombia
| Guayaquil – Equador
| Kanazawa – Japão
| Glenoble – França
| Buenos Aires – Argentina
| Caracas – Venezuela
| Manreza – Espanha
| Forte Ventura – Espanha
| Brasil 
– São Paulo
– Natal
– Rio de Janeiro
– Ceará
– Pernambuco 

Maiores Informações: www.guetocapoeira.org.br | guetocapoeira@msn.com |

Tel: 55 71 33634568 | 81092550

II FÓRUM MUNDIAL DE CAPOEIRA

II FÓRUM MUNDIAL DE CAPOEIRA
II WORLD CAPOEIRA FORUM
Baku, Azerbaijão, 4 e 5 de julho de 2009.
 
UNIFICAÇÃO MUNDIAL E FORTALECIMENTO DA CAPOEIRA

Rumo ao Comitê Olímpico Internacional UNIFICATION OF CAPOEIRA – STRENGTHENING WORLD

For the International Olympic Committee
Prezados Presidentes de
Federações Nacionais, Estaduais, Ligas e Entidades de Prática
Dirigentes da FICA, Mestres, Docentes, Alunos e Simpatizantes
 
É com muita alegria e respeito e comunicamos a todos a realização do II FÓRUM MUNDIAL DE CAPOEIRA que será realizado na Cidade de Baku, no dias 04 e 05 de julho de 2009, com o apoio da Federação de Capoeira do Azerbaijão (Eurasia). Trata-se de um evento da máxima relevância para a organização mundial da Capoeira. 
 
Neste encontro promoveremos a UNIFICAÇÃO MUNDIAL dos procedimentos técnicos, culturais, desportivos e educacionas da Capoeira, assim como também serão assinados protocolos administrativos requeridos pelo Comitê Olímpico Internacional. Esta ação se faz necessária em função da aprovação da candidatura do Brasil para sediar os Jogos Olímpicos de 2016. E como nunca houve Jogos Olímpicos na América Latina, esta será a grande oportunidade para Capoeira se unir, se fotalecer e difundir uma cultura de paz entre os povos, se destacando ainda mais no cenário mundial, todavia precisaremos estar organizados. 
 
Solicitamos Vossa especial gentileza no sentido de promover a máxima divulgação deste Fórum a todos de sua lista de e-mails, alunos, docentes e à comunidade da Capoeira em geral, assim como aos órgãos de imprensa.
 
Para maiores informações sobre inscrições e as pautas de discussões, solicitamos acessar o blog: 
http://ii-forum-mundial.blogspot.com . Será fornecida alimentação, hospedagem e translados ao inscritos que representarem seus países. As inscrições serão feias pelo e-mail: capoeira.fica@gmal.com .
 
Segue, em anexo, um folheto informativo parar ser impresso e divulgado nas academias e grupos.
 
Sabemos que iremos enfrentar críticas, todas serão muito bem vindas. Não somos os donos da verdade. Apenas desejamos um futuro melhor para a Capoeira.
 
Com nossos respeitos,
 

Prof. Sergio Luiz de Souza Vieira – Pós-Ph.D.
Federação Internacional de Capoeira – FICA
www.capoeira-fica.org
http://prof-sergio-vieira-pres-fica.blogspot.com
http://saladepesquisacapoeira.blogspot.com

Guerreando pra sorrir

13 de maio, Abolição da Escravatura e Dia Nacional de Denúncia contra o Racismo

  “Guerreando pra sorrir”
 A lição do meu avô, que casou com minha avó e pariu a minha mãe

Abolição, palavra carregada de sentidos, dores, afetos e interpretações as mais diversas. Palavra que incendiou corações e mentes no século XIX e estimulou discussões apaixonadas sobre a vida, a liberdade e o futuro da humanidade. Símbolo que titulou movimentos libertários e tornou-se o principal combustível para a entrada do Brasil no século XX. Conteúdo concreto que povoou os sonhos de milhões de brasileiros ao longo de quase 400 anos. Mas, apesar de tudo isso, há uma forte inquietação quanto ao seu significado nos dias de hoje.

Vivemos momentos de perplexidade diante de tanta polêmica e reações indignadas por parte de setores da sociedade brasileira. Isso, por causa das políticas públicas, implementadas para a promoção da igualdade racial no Brasil, mais conhecidas como políticas de ações afirmativas. Por isso, vale perguntar: Para que conquistamos a Abolição? Que idéia ou sentido de liberdade gerada por este ato deve orientar nossas ações nos dias de hoje?

O poeta José Carlos Capinam, ícone do movimento tropicalista nos anos 1960, nos dá uma pista. Com versos poéticos e precisos, no poema/canção Abolição, ele nos ensina: “Acabar com a tristeza, com a pobreza e o apartheid, não fazer da humanidade, a metade da metade, parte branca, parte negra”. Pois bem, é com esses versos na cabeça e um tanto de emoção, que gostaria de responder às indagações acima.

Abolição para que a sociedade brasileira conquiste a cidadania plena, o desenvolvimento econômico e social, para que todos seus filhos, independente da cor da pele, de sua origem social ou opção religiosa possam ser tratados com dignidade e igualdade, conforme a Constituição. Mas também para que, em seu nome e em nome de milhões de brasileiros e brasileiras, que empunharam essa bandeira com coragem e distinção, impeçamos que a desigualdade, o racismo e a discriminação, gerados por séculos, naturalizem-se em nosso cotidiano, como parte do nosso jeito mestiço de ser.

Abolição para sensibilizar e conscientizar os homens e mulheres que dirigem o país, em especial aqueles que nos representam na Justiça e no Parlamento, de que a promoção da igualdade racial não pode ser apenas o recheio mágico de discursos vazios sobre a beleza da mestiçagem, o encanto das mulatas etc. Ainda mais quando estudos e pesquisas apontam para a iniqüidade das relações raciais no Brasil, a exemplo do uso do critério da “boa aparência”, que leva à exclusão milhões de brasileiros e dificulta a eles o acesso a determinados nichos do mercado de trabalho, como a publicidade, a moda e a televisão.

Abolição para impedir que o conservadorismo e o medo que latifundiários impingem ao campo, sempre que tratamos de regularização da terra, nos leve a ignorar a presença de milhões de remanescentes de quilombos, que, apesar de tanta dor e indiferença, continuam resistindo nos rincões do país, com a viva esperança de que a abolição os alcance de fato e assim possam ter acesso àquilo que lhes pertencem por justiça e direito.

Abolição para superarmos a abissal diferença entre a qualidade do ensino público e privado e a exclusão de um enorme contingente de jovens brasileiros do ensino superior. Afinal, o Brasil contemporâneo, aberto, criativo e plural não pode entregar à própria sorte parte da juventude brasileira a grupos de extermínio e a narcotraficantes. Reconhecer esse direito e possibilitar a reparação histórica por meio da ampliação do acesso desses jovens às universidades públicas é mais que um dever, é um compromisso com o futuro do país.

Portanto, a celebração desses 121 anos da abolição da escravatura no Brasil, só tem sentido se, de um lado, debelarmos a hipocrisia que grassa na sociedade quanto à questão racial (todos consideram que existe racismo no Brasil, mas ninguém se intitula enquanto agente de tal crime), e, de outro, dermos conteúdo real às aspirações de mais da metade da população brasileira. Ou seja, é preciso instaurar a abolição definitiva da discriminação, que ainda persiste no Brasil, por meio de ações concretas que levem à promoção da igualdade racial e social. E nada melhor que o poeta Capinam para nos inspirar: “Abolir essa careta, que esconde a Natureza e que me faz ser teu irmão. Abolindo a velha intriga e guerreando pra sorrir”.

Zulu Araújo
Presidente da Fundação Cultural Palmares