Blog

Setembro 2009

Vendo Artigos de: Setembro , 2009

São Paulo: III Encontro Nacional Zungu Capoeira

Juntos em São Paulo os Mestres: Ananias, João Grande, Bigo e Russo no bairro do Bixiga

Dias 1, 2, 3 e 4 de outubro acontecerá um grande evento de capoeira em Sao Paulo, mais precisamente no Bexiga.

A Escola Cultural Zungu Capoeira está promovendo seu Terceiro Encontro.

Depois de muitos e muitos anos, Mestre João Grande virá a Sao Paulo, para a alegria da capoeira da capital paulistana. Junto com ele, neste evento, teremos a presença do Mestre Ananias, nossa referência para a capoeira de Sao Paulo. Além destes grandes mestres, o encontro terá também a presença de Mestre Russo de Caxias, que fará uma palestra e uma exibiçao do filme O ZELADOR, de Mestre Bigo (Francisco 45 de Pastinha), grande amigo do Zungu e presença constante na casa, Mestre Plinio comandando o afoxé e a visita mais que especial dos nossos parceiros da Comunidade do Jongo do Tamandaré (Guaratinguetá).

A Escola Cultural Zungu Capoeira está localizada no Bexiga (Bela Vista) e tem um trabalho social forte e reconhecido na regiao. É um Pontinho de Cultura do Ministério da Cultura e tem entre seus parceiros a Casa Mestre Ananias, o Instituto AfroReligioso Ilê Axé Yiá Oxum e a Creche Sao Francisco de Assis. Os alunos desse trabalho social serao o destaque da programação em uma apresentação cultural no Teatro do Colégio Assunção.

Endereço do Zungu: Rua Almirante Marques Leao, 787 – Bela Vista (proximo Metro Brigadeiro).

Telefone: (11) 23081306

 

Mais informações http://zungucapoeira.blogspot.com/

Bahia: Caminhada leva 2 mil capoeiristas às ruas de Lauro de Freitas

Dança, jogo e luta. Isto é a capoeira, que neste final de semana atraiu mais de 2 mil capoeiristas às ruas de Lauro de Freitas (BA), para comemorar o Dia Municipal do esporte, neste sábado (26/9). Sob sol forte, a caminhada saiu do Parque São Paulo e seguiu até o Largo do Caranguejo, onde mestres, contramestres e alunos se exibiram para um grande público. O evento contou com apoio das Secretarias municipais de Educação (Semed), Cultura e Turismo (Secult), e Trabalho Esporte e Lazer (Setrel).

Com percurso de 4 quilômetros, a caminhada comandada pelo Mestre Sérgio despertou a atenção de moradores e comerciantes para as rodas de capoeira formadas ao longo de todo o trajeto. Um destaque foi a apresentação de macuculê, com alunos dos Programas Escola Aberta e Segundo Tempo, em coreografias comandadas pela professora Railda Barbosa, da Divisão de Projetos e Ações Complementares (Divipac) da Semed.

A Caminhada abriu a programação do 3º Encontro Nacional do Grupo de Capoeira Filhos da Bahia, que com palestras sobre os temas “Capoeira é Inclusão” e “Capoeira de Angola e Regional”, até o dia 2 de outubro, na sede da grupo Filhos da Bahia, em Itinga. No sábado (3/10), as atividades se concentram no Ginásio de Esportes com o 1° Encontro de Capoeira do Projeto Escola Aberta, às 13h, o Batizado de Capoeira do Projeto Divipac e da Escola de Cadetes Mirins.

Segundo o secretario municipal de Cultura, Antônio Lírio, em cinco anos a atual gestão implementou projetos como o Pólo de Capoeira, em parceria com o Sebrae, que capacita os capoeiristas e os torna empreendedores. De acordo com Lírio, em 2005, a cidade abrigava 3 mil capoeiristas em atividade, hoje chega a 4 mil.

Marcio Gomes, 14 anos, mostrou toda ginga e graça do esporte na caminhada e foi muito aplaudido. O jovem não esconde sua paixão pela capoeira. “Pratico desde criança, quero manter viva esta arte que é uma importante ferramenta contra marginalidade. Ajuda a retirar as crianças das ruas, além manifestar a cultura popular”.

Satisfeito com a participação ativa dos capoeiristas, Mestre Sérgio disse que a capoeira faz parte da identidade do povo de Lauro de Freitas. “A capoeira agrega muito mais que dança, jogo e luta. É uma ferramenta de inclusão social. Temos mais de 2.800 associados, cerca de 80% são jovens carentes que já se envolveram com as drogas e hoje vivem outra realidade”.

Fonte: Prefeitura de Lauro de Freitas – http://www.vermelho.org.br/

Capoeira: A Fábrica de Neurotransmissores

Atividades prazerosas com a arte capoeira otimizam o bem estar, a alegria e o mais importante: viciam!

Diversos estudos e comprovações científicas (e porque não também empíricas; ou seja; baseada na prática e na vivência) em relação aos benefícios das práticas corporais e atividades físicas planejadas apontam para a necessidade de tal estilo de vida para as pessoas ou ao menos um esforço para cumprir a meta de 30 minutos de exercícios ininterruptos 03 ou 04 vezes por semana. Ainda neste sentido, a OMS (Organização Mundial da Saúde) preconiza que para a pessoa não se caracterizar sedentária, ela deve dar no mínimo 10.000 passos diários. Então, adquira um pedômetro (aparelho que monitora distância e passos) e veja se consegue atingir tal marca. Imaginando o estilo de vida das pessoas atualmente, em principal nas grandes metrópoles, esta resposta nem precisaria de aferição. Seria NÃO. Levando-se em consideração as tecnologias advindas do capitalismo (Karl Marx já previa isto há tempos) e a escassez de tempo das pessoas.

Estranho é que mesmo com tanto incentivo e informação, um número significativo de pessoas, ou seja, uma parcela enorme da sociedade, ainda não se deu conta da tamanha necessidade de em se realizar atividades físicas planejadas e levão um padrão de vida parcialmente ou totalmente sedentário. Parcial, pois existem os “boleiros por uma noite” que justificam o seu sedentarismo relatando jogar aquele futebol uma vez por semana com os colegas. Dois tempos de 20 minutos, a maior parte do tempo fatigado (cansado) e ainda correndo um risco enorme de uma lesão muscular ou ainda de uma parada cardíaca súbita (o que não é raro de se ver nas famosas quadras society espalhadas pelo mundo) e depois do jogo muita carne vermelha, álcool e cigarro. Será que isto não é ser sedentário? E os totalmente imóveis, que até para comer não saem do carro. Preferem as longas filas onde se pede a “refeição” (no geral lanches e refrigerantes) e come-se ali mesmo olhando o pára-brisa do automóvel. Estes possuem uma rotina diária que alterna carro, elevador, mesa, computador, elevador, carro, sofá e cama. Leia novamente com calma: carro, elevador, mesa, computador, elevador, carro, sofá e cama e agora pense se não funciona assim mesmo! E no dia seguinte a mesma rotina e os mesmos problemas causados pelo stress da vida agitada, má alimentação, hipocinética (ausência de movimentos) e escassez de lazer e recreação.

Vamos ser realistas aqui, certamente que houve um aumento de praticantes regulares de atividades físicas planejadas e periódicas. Hoje, os parques e as praças estão sendo mais freqüentadas, as academias ganham a cada dia mais adeptos, as praias estão repletas de pessoas realizando algum tipo de exercício físico e mesmo as ruas estão sendo usadas e adaptadas para práticas corporais como caminhadas, corridas, ciclismo ou qualquer outra prática que movimente o corpo. Mas se fossemos dimensionar isto, certamente a parcela de acomodados e sedentários seria muito, mas muito maior em ralação aos ativos.

Todos nós sabemos que o tempo hoje em dia é um vilão para muitas pessoas. Jornadas incansáveis de trabalho, o trânsito das grandes metrópoles, as responsabilidades financeiras e sociais e o apego fiel a moderna “caixinha” ou “caixona” que liga o cidadão ao mundo; a TV. E agora outro sonho de consumo que está cada dia menor (em tamanho) e maior (em vendas); os PC´s; sedutores e altamente envolventes!

Incrível como se ouve por ai as mil e uma desculpas para não se iniciar um programa de exercícios ou até mesmo um encontro com amigos para uma simples caminhada.                 Prorroga-se ao máximo aquela matricula na academia, o compromisso de estar três ou quatro vezes por semana no parque para caminhar e quando se vai empurrando isto literalmente com a barriga, que certamente a esta altura já deve estar bem grande, espera-se o primeiro dia do ano para dizer: a partir do ano que vêm em janeiro, começarei a me cuidar. E de janeiro passa para fevereiro e daí para março e por ai vai até aguardar pelo próximo ano. Certamente, estas pessoas ainda não sentiram na pele (e na mente) a agradável sensação de bem estar, conforto e alegria proporcionados por uma boa aula de caráter aeróbio ou uma sessão de trabalhos com pesos.

Pós-exercício, o corpo tende a liberar diversos neurotransmissores que ativam a produção de hormônios destacando entre esses a beta endorfina, a serotonina, a noradrenalina e a dopamina que proporcionam diversas sensações ligadas ao prazer, alegria e bem estar corporal. É comum também, em conseqüência ao programa de exercícios realizados, a melhora do descansar, do repouso e do sono. O corpo busca por um equilíbrio maior, regulando diversas funções enquanto nos encontramos em estado de metabolismo basal, ou seja, em sono profundo.

Outro fator importante que observamos quando se adere às práticas de exercícios físicos dirigidos é a atenção voltada para a alimentação. A pessoa passa a se preocupar mais em se alimentar de maneira adequada eliminado alguns exageros e prestando a atenção ao que ingere pré treino, pós treino e também no decorrer do dia. Só não se pode neste momento achar que após uma sessão de exercícios, pode-se ingerir aquele pedaço recheado de bolo ou aquele lanche com muitas calorias só porque acabou de malhar. Mero engano. Se a pessoa gastou 500 calorias em sua sessão de exercícios e logo após ingere 700 ou 800 calorias entra em saldo positivo. Positivo! Que bom não é? Não! Saldo positivo de calorias; e conseqüentemente de tecido adiposo, ou seja: gordura visceral e também subcutânea. Se ingerir mais calorias do que se gasta, é esta a conseqüência: aumento na balança. Mas não de massa muscular magra, mas sim de gordura; a vilã. Mas será que é mesmo tão vilã assim?

Certamente não, a gordura tem função primordial no organismo. Além de fornecer energia (calorias/combustível) para as práticas rotineiras, ela também tem função termo regulatória e de transporte de nutrientes em especial de vitaminas. Desempenha também papel primordial quanto à produção hormonal e todos os seres humanos dependem dela sim. Só que de maneira balanceada. Ao contrário, ela pode se transformar em sobrepeso ou ainda obesidade mórbida o que não é raro de se ver hoje em dia. Aliás, é bem comum. São as pessoas que já encontram dificuldade de mobilidade/locomoção e os órgãos internos já se encontram com o funcionamento prejudicado em decorrência de tanta gordura corporal (visceral e subcutânea). Aí que entram as famosas cirurgias para redução estomacal, lipoaspirações e demais técnicas incisivas de controle de peso. Em muitos destes casos a questão está ligada com problemas de produção hormonal e fogem um pouco do controle das próprias pessoas. Eu disse um pouco porque muitos demoram a fazer um diagnóstico médico e assim estabilizar esta questão com medicações específicas, a realização de uma dieta balanceada sem excessos e o início a um programa de exercícios dirigidos.

Trabalhar com práticas corporais com esta população (obesos/obesos mórbidos) requer muito conhecimento, em razão da falta de condicionamento físico, a dificuldade de mobilidade, a debilidade de certos órgãos vitais e a sobrecarga nas articulações, tendões e ossos ocasionada pelo grande volume de massa corporal. Qualquer erro na prescrição de exercícios pode levar a lesões e assim prejudicar ainda mais o paciente/aluno. O certo é que esteja bem ou mal diante da balança, não se pode vacilar.

O lance é realizar um “auto-investimento” e aderir o mais rápido possível á um programa de exercícios físicos. Leia novamente. Um programa de exercícios físicos, planejado e periódico e não qualquer atividade física única, solta e solitária. Algo que conte com certo planejamento realizado por um profissional da área médica que tenha continuidade. Falaremos desta tal “continuidade” à frente!

Este investimento certamente trará inúmeros retornos positivos como bem-estar e também a sobrevida. Quem não quer ganhar alguns anos a mais hein?

Uma dificuldade que as pessoas geralmente encontram ao começar um plano de exercícios é a falta de vontade em realizar este programa. Certamente, se a pessoa vai forçada, ela irá desistir. Se não sente prazer em levantar pesos, irá parar. Se não gosta de esteiras e bicicletas ergométricas, também irá parar. Se não curte as aulas de caráter aeróbio incrementadas com ritmos alucinantes, não seguirá. Veja, são inúmeras opções e cabe a pessoa encontrar o que gosta e o que sente prazer em realizar. Se não gosta de pesos, encontre alternativa trabalhando com o próprio peso do corpo. Se não gosta de correr em esteiras, procure um local ao ar livre como opção.

A este ponto o leitor deve estar se perguntando: O que este texto faz em um site específico de capoeira. Resposta: esta modalidade é uma fantástica opção para as pessoas que encontram dificuldade em dar seqüência a um plano de exercícios (a tal continuidade). A capoeira envolve ludicidade com esporte, ritmo com malhação e o mais importante: é periódica; tem seqüência. Os treinos ocorrem três ou quatro vezes por semana com duração de uma hora á uma hora e meia (para os menos empolgados) e traz consigo aquela disciplina que as pessoas na verdade querem de um programa de exercícios. Vejo pessoas que furavam treinos em sala de musculação semanalmente e que após iniciarem as aulas de capoeira mudaram radicalmente de conduta, com poucas faltas e maior compromisso de presença nas aulas. Lógico que isto não funciona a todos. Nem caberiam todos em nossas salas de treino Há pessoas que preferem trabalhos de musculação, outras lutas, outras aulas predominantemente aeróbias com acompanhamento musical. Mas o segredo é encontrar algo que a pessoa goste; que sinta falta e que tenha continuidade. A continuidade e o prazer na realização é fundamental para um programa de exercícios entrarem no hábito da pessoa. Se a desistência ocorrer logo nas primeiras sessões, certamente esta pessoa terá dificuldade em tentar novamente.

Atualmente, já presenciamos que alguns métodos de treinamento, em especial, ginásticas ritmadas com coreografias, se baseiam em alguns movimentos das lutas para comporem um sistema de exercícios aeróbios de alta intensidade. Com a capoeira não foi diferente. Seus movimentos, em especial os mais básicos, como a ginga e algumas variações de chutes e esquivas mais simples já estão sendo utilizadas em programas de aulas padronizados por empresas de fitness. O que pode mobilizar o praticante a buscar mais afundo os exercícios e movimentos da arte capoeira por uma questão lógica de curiosidade, encanto ou porque simplesmente funciona bem no processo de supercompensação (adaptação do organismo aos treinos).

Para os “capoeiras” mais tradicionais, ver alguns de nossos movimentos inclusos em  aulas que  nada tem a ver com um curso de capoeira é extremamente perturbador. Sinceramente não vejo problemas, pois isto de certa maneira divulga a nossa arte e pode despertar o interesse das pessoas para praticar a modalidade na sua íntegra com todos os fundamentos e tradições que encantam e envolvem as aulas de capoeira. Quem não viveu muitos anos envolvido com a capoeira e não esteve ali dentro no círculo mágico (na roda) nunca conseguirá conduzir uma aula rica e fundamentada. Então estes métodos de ginástica geral ajudam o nosso “marketing”.

Voltando aos treinos e seqüências nos treinamentos, se há disposição e certo tempo hábil, o ideal seria mesclar algumas modalidades para se obter uma resposta mais efetiva ainda. Uma ótima combinação; planejada e dividida ao longo da semana envolveria, por exemplo, trabalhos com pesos na sala de musculação, aulas periódicas de capoeira e trabalhos de natação e hidroginástica na piscina. Tudo isto voltado para cada indivíduo com treinamentos divididos e separados para não haver sobrecarga no trabalho corporal. Esta “meia verdade” de que “quanto mais melhor” nas práticas do corpo pode levar o indivíduo a exaustão com aulas de longa duração, excessos de pesos, distúrbios psicológicos como a vontade de realizar diversas modalidades no mesmo dia e tudo ao mesmo tempo (pasmem; há pessoas que passam incríveis 04 horas dentro de uma academia por dia!), o que atrapalha em muito a resposta dos exercícios ocorrendo efeito inverso em relação aos benefícios que as práticas corporais podem proporcionar. É onde entra a opinião do profissional para orientar e auxiliar o indivíduo a achar algo prazeroso e contundente para a sua saúde. E com todo este movimento pró-exercícios e qualidade de vida, a capoeira tem lugar em destaque. Basta o profissional que lida com esta modalidade atentar para os seus benefícios e oportunizá-la afinal capoeira meu camarada é tudo que a boca come! Salve.

Ricardo Augusto da Costa – Beija-Flor

Jornalista, Professor de Educação Física e Colunista do Portal Capoeira

Blog: bfcapoeira.vilabol.com.br

e-mail: beijaflor@portalcapoeira.com

CGC – Confraria Gaúcha de Capoeira

A Confraria Gaúcha de Capoeira – CGC nasce da reunião de diversos grupos, Mestres e Professores de Capoeira (Muzenza – Mestre Carson e Profº Salsicha, Pesquisa e Fundamento – Contra-Mestre Fabinho, Esporte Nacional – Mestre Delmar e Nação – Mestrando Paulo Grande e Graduado Cabeleira) com objetivos específicos calcados na preservação e divulgação dos elementos chave desta arte-luta. Esporte, cultura, educação, ritmos, ancestralidade, história, musicalidade, qualidade e filosofia de vida são alguns elementos contidos dentro da multidisciplinaridade e no largo espectro da mais brasileira de nossas expressões.

A necessidade de manter o legado, o respeito aos fundamentos, o compromisso e seriedade com a Capoeira em seu contexto latu, uniu grupos como: Pesquisa e Fundamento, Muzenza, Esporte Nacional, Nação e outros envolvidos no processo nesta mesma proposta.

A história da arte capoeira no Rio Grande do Sul passa a ser vista com mais legitimidade quando há um somatório de forças, exatamente, para amalgamar o compromisso de todos os integrantes, atletas, patrocinadores, incentivadores na composição desta irmandade.

Seriedade e respeito com a capoeira. Isto é o coletivo. Confraria Gaúcha de Capoeira – CGC.

Aconteceu:

Então, oficializando como representação da comunidade capoeirística gaúcha, haverá a celebração em coquetel para imprensa, políticos, convidados e toda a gama de pessoas afins que comungam de idéias. Este lançamento ocorreu quarta-feira, dia 23 de setembro, às 20h, no Museu do Esporte, no Shopping Total, em Porto Alegre.

Contato 9325-0023 ou 81148954.

 

Página do Grupo – http://www.grupos.com.br/group/confrariagauchadecapoeira

Capoeirista curitibano é convocado para mundial na Coréia do Sul

O capoeirista João Otávio Xavier, de Curitiba, vai integrar a delegação brasileira no Mundial de Artes Marciais e Culturais, na Coréia do Sul, em dezembro. João Otávio, 18 anos, treina capoeira graças a um projeto da Fundação de Ação Social (FAS), no Cajuru.

“Sempre tive vontade de fazer capoeira, mas minha família não tinha condições de pagar a mensalidade”, diz João Otávio. “Minha oportunidade surgiu quando a FAS levou o projeto para o meu bairro. Agora vou representar o Brasil no outro lado do mundo”

João Otávio garantiu sua vaga no mundial ao ganhar medalha de ouro no 12.º Campeonato Brasileiro de Capoeira, que foi disputado no início de setembro, em Goiânia. Ele foi campeão na categoria aspirante juvenil.

De origem humilde, o adolescente precisou superar dificuldades além das competições de capoeira para garantir sua vaga. Após sete anos de muita dedicação a jovem revelação começa a colher os frutos de seus esforços.

A capoeira não representou apenas uma oportunidade esportiva para João, mas uma nova forma de enxergar o mundo. “Ter acesso às aulas mudaram minha vida pra melhor. Antes eu era bastante encrenqueiro, mas com a capoeira, a gente muda e passa a contemplar uma nova filosofia, a de exercícios e disciplina”, afirma.

Oito jovens atendidos pela FAS disputaram o Brasileiro de Capoeira e por muito pouco João não ganhou a companhia de alguns de seus amigos na viagem à Coréia.

Poliana Gonçalves Leite e Daniele Gonçalves Garcia, de 15 anos, terminaram na segunda posição em suas categorias. Jéferson Juarez da Silva, de 17 anos, e Priscila Jeanine Gonçalves Leite, de 16 anos, terminaram na terceira colocação, contribuindo para que o Paraná alcançasse o terceiro lugar no quadro geral de medalhas.

“João e os outros conseguiram bons resultados graças a sua própria determinação. Eles realmente entraram no espírito das aulas e do programa, desenvolvendo suas habilidades e percebendo a importância da dedicação e da disciplina”, afirma o instrutor Saulo Fábio Gomes, que ensina capoeira no Centro da Juventude Iniciativa Jovem do CRAS Iguaçu, unidade da FAS na Vila São Domingos, no Cajuru.

“Estes jovens encontraram na capoeira a possibilidade de crescimento pessoal, que envolve uma melhora significativa no contexto social e familiar”, afirma a presidente da FAS,Fernanda Richa.

Jéferson Juarez da Silva, que desde 2005 participa de atividades socioeducativas promovidas, pela FAS, tem opinião semelhante. “Antes eu vivia na rua, não me dava bem com minha família e não frequentava a escola”, diz. “Depois que comecei a fazer as atividades, eu percebi o que estava fazendo de errado e que aquela vida de rebeldia não ia me levar a lugar nenhum”.

Fonte: http://www.parana-online.com.br

A espinha dorsal do samba

A quadra da Estácio de Sá está vestida de chita, tema do enredo deste ano. O look florido e colorido casa muito bem com o clima do evento daquela tarde: o Encontro de Galerias da Associação de Velhas Guardas de Escolas de Samba do Rio de Janeiro. São 13h e a área ainda está vazia. Os anfitriões, membros da velha guarda da Estácio, já estão por ali, devidamente uniformizados – as mulheres de vestido vermelho e chapéu branco, os homens de camisa social vermelha e calça branca. Movimento intenso só na cozinha, onde, desde o dia anterior, o almoço para cerca de 800 pessoas é preparado: arroz de carreteiro, farofa e ovo cozido, mais romeu e julieta de sobremesa.

Poucas horas depois, o espaço está totalmente tomado de personagens de cabelos brancos. Praticamente todo domingo esse ritual se repete em alguma quadra de escola de samba do estado. A exceção desta terça-feira se dá por conta do feriado de São Sebastião, padroeiro da cidade e da Estácio de Sá. A comida é por conta da casa, mas os convidados também trazem salgadinhos de reforço em tupperwares para o longo dia que vai se seguir. A venda de bebidas também fica a cargo da escola anfitriã, mas a organização da festa em si é feita em todos os detalhes pelos coordenadores da associação. Não é trabalho simples: são 72 grupos participantes, dentre escolas de todas as “divisões”, blocos tradicionais e grupos carnavalescos.

Na associação, que completou 25 anos em 2008, não existe divisão por nota, tradição ou gênero musical. Os associados são a parcela das comunidades que tem mais experiência de vida. Não à toa, as atividades vão além do binômio samba & carnaval. Há palestras sobre doenças geriátricas, bingo, obras… a programação é intensa.

Ali, classificar a turma como da “melhor idade” não é só apelar para o linguajar politicamente correto de hoje. A julgar pela disposição dos senhores e senhoras que começam a chegar para o encontro de galerias elegantérrimos dentro de seus uniformes, se aquela não é a fase mais animada de suas vidas, provavelmente não deixa a dever aos tempos de mocidade. As mesas enormes reservadas a cada agremiação vão sendo ocupadas e o povo trata de comer e beber antes de a cerimônia começar.

E, claro, de se cumprimentar – todos se conhecem, se festejam, independente da escola que defendam.

Não sou a única “forasteira” por ali. A festa é aberta, mas reservada. É gratuita e sem controle na porta, mas é nítido que todos sabem quem é quem. Estou acompanhada de um grupo que se autointitula Guardiões da Memória e é composto por alunos e professores do Colégio Estadual Professor Sousa de Silveira, em Quintino, e do Programa de Reflexões e Debates para a Consciência Negra. Há anos eles frequentam a festa para registrá-la em um documentário. As dificuldades para o filme sair não são poucas, mas ele está ficando pronto e deve ser lançado no dia 17 de fevereiro, às vésperas do carnaval, no Sesc-Madureira. Independente disso, vê-se de cara que todos estão ali por prazer, totalmente integrados à festa e a seus personagens.

Enquanto os grupos vão chegando, com algum atraso por conta da procissão de São Sebastião que se espalha pelas ruas próximas, George, Renata, Albérico e Daiana, da equipe do filme, se organizam para registrar o que falta e me ajudar a produzir imagens para este texto. Em busca de entrevistas junto com Cristiane e Rosana, da equipe de pesquisa, ouço de um senhor da Velha Guarda da Estácio: “Aqui tem hierarquia, é um sistema presidencialista! Podemos falar, mas é sempre bom ouvir o presidente antes”. Se referia ao presidente da associação, que ainda não tinha chegado. Fomos então entrevistar a integrante mais velha do grupo da escola, Waldice Rodrigues de Souza. Ela foi a primeira a falar de algo que se tornaria recorrente nas entrevistas seguintes: a longa história dentro da escola. No caso, dos 72 anos daquela senhora, já eram 61 de Estácio de Sá. “Tinha 11 anos quando saí de baiana pela primeira vez. Naquele tempo diziam que só criança batizada podia sair. Aí minha avó resolveu a questão: me batizou no sábado de carnaval e eu desfilei no domingo”. E ainda dizem que carnaval é uma festa profana…

Tentando descrever a cerimônia indescritível

No carnaval das velhas guardas, a fé tem lugar de destaque. A cerimônia começa com os anfitriões de mãos dadas rezando Ave Maria. Muitas vezes, acaba com a mesma oração, entoada pela quadra inteira (não cheguei a ver isso, mas a equipe do filme falou que é de arrepiar). A reverência e o respeito seguem dando o tom. Muitos senhores e senhoras usam faixas douradas cruzadas no peito, como as de campeões do futebol, com alguma homenagem: Musa 2008, Mãe do ano, Avô do ano… O presidente da velha guarda anfitriã – no caso da Estácio, uma senhora – se posiciona na frente do palco e vai recebendo as galerias, formadas pelos componentes de cada grupo. Eles desfilam da entrada da quadra até o outro extremo. Na dianteira, a porta-bandeira “sênior” da escola. O desfile pode ser com o samba-enredo deste carnaval, o hino ou alguma canção marcante da escola.

Ao fim do percurso, a porta-bandeira cumprimenta o anfitrião e entrega a bandeira para ele colocar num porta-estandarte. É uma bela demonstração simbólica do espírito de união do grupo. Tudo é acompanhado de perto por Jorge Ferreira, coordenador de eventos da associação, que cruza a quadra trocentas vezes, dá o ritmo dos desfiles e não se furta a dar broncas aos berros quando necessário. Sem ele, dá a impressão que a coisa não funcionaria tão bem. Enquanto um grupo tem seus 20 segundos de glória, as outras galerias esperam pacientemente – àquela altura, com guarda-chuvas abertos para se protegerem do aguaceiro – na parte externa da quadra.

Há momentos emocionantes. Membros de determinadas escolas entram em silêncio, apenas andando, com o chapéu à altura do peito: sinal de que algum de seus integrantes morreu há pouco tempo. Com ou sem música, todos os participantes param no circuito para cumprimentar a alto clero da Associação, que se senta bem ao meio do caminho.

Antes de chegar ao “trono” para ser reverenciado, o presidente da Associação, Ed Miranda Rosa, de 92 anos, faz algo que há tempos não se via, por conta da idade: desfila junto com os outros membros da Mangueira. Numa elegância de dar gosto.


“Se a gente fica em casa o reumatismo ataca”

Esta frase divertida, dita às gargalhadas por Manoel Bustilho, 74 anos, resume em tom de galhofa a motivação dos senhores e senhoras presentes. Como a senhora da Estácio, ele começou na sua Vila Isabel ainda na infância e já desempenhou diversos papéis por lá. Como vários outros, veio a mim já com a apresentação completa na ponta de língua: “Tenho 74 anos, fui presidente da velha guarda da Vila por dez anos e sou diretor de patrimônio da associação. Hoje tenho um dever: ir em todas as festas”. Taí um homem que cumpre sua missão à risca.

Enquanto ele fala, várias galerias passam e têm tratamento igual, de escolas consagradas até os Filhos de Gandhi, passando por convidados especiais: os Baluartes do Estado de São Paulo. Depois da última, todas as bandeiras estão juntas na frente do palco. É a hora de as portas-bandeiras entrarem em ação novamente, pegando seus respectivos mantos e se reunindo mais uma vez no outro extremo da quadra, desta vez para entrar junto com todas as outras, como numa ala. À frente, a porta-bandeira da associação rodopia sendo cortejada por um mestre-sala que logo reconheço: é Manoel Bustilho, dando um show na pista. A trilha sonora é o hino de todas as velhas guardas, composto por Dicró:

“Sou velha guarda,
provei ao mundo inteiro que sou bamba
sou velha guarda, a espinha dorsal do samba
(…)
a velha guarda é o samba em pessoa
até minha casa já serviu de barracão
e essa juventude que começa a desfilar
será a velha guarda de amanhã”

A esta altura, a equipe do filme canta e dança tão empolgada quanto os mais velhos. A “juventude que começa a desfilar” também marca presença no programa-família – muitos filhos e netos, crianças sobretudo, sambam sem parar. Como seus avós no passado, eles já fazem parte da estrutura das escolas. Alguns vestem uniformes mirins.

Tão impressionante quanto a festa em si é o fato de que ela acontece todo domingo. Não seria nada demais, se no sábado à noite não houvesse o tradicional samba na sede da associação, na Piedade. É lá que os senhores mostram suas composições inéditas e cantam aquelas que vivem só em suas memórias. Membro da equipe do filme, Tiago de Aragão, que mora no Rio há cerca de um ano (e não é meu parente), diz: “Fui a muita roda de samba aqui no Rio, mas a da associação foi de longe a melhor”.

Quem sou eu para duvidar… Já exausta diante de tanta animação, vou concluindo que disposição não tem nada a ver com idade… Carla Lopes, coordenadora do projeto Guardiões da Memória, olha para mim solidária e diz: “É assim mesmo, em geral a gente vai embora e eles continuam nos bares em volta da quadra”. Não deu outra. Quando saí, mesmo na chuva, avistei uma turma animada, ninguém com menos de 60 anos, tomando cerveja num boteco com mesas na calçada e cantando na maior alegria.

Com aquela cena final na cabeça – que para mim ficou marcada como um dos retratos mais simples de fecilidade – parti refletindo sobre a complexidade do carnaval carioca. Sem alarde nem holofotes, aqueles senhores reforçam a cada semana o melhor espírito carnavalesco. Enquanto para muita gente as escolas de samba se resumem hoje a ostentação, contravenção e disputas milionárias, aquela festa, apenas uma das que acontecem ao longo do ano, comprova que há muita coisa bonita e genuína por trás da tradição que se mantém.

Fonte: http://www.overmundo.com.br/overblog/a-espinha-dorsal-do-samba

Seminário de Capoeira e Cultura Brasileira 2009

As manifestações culturais do Brasil são importantes elementos na formação de crianças, jóvens, adultos e idosos. A Capoeira, o Maculelê, o Samba de Roda, a Puxada de Rede, o Maracatu, o Frevo, o Coco, o Bumba Meu Boi, o Jongo, a Percussão Corporal e a Dança Afro são algumas das mais interessantes manifestações culturais brasileiras. Extremamente ricas em histórias, cantos, instrumentos e movimentos. Representam uma forma muito privilegiada de interação social e desenvolvimento físico, mental e emocional.

A USP, a mais importante Universidade do Brasil e da América Latina, é um centro privilegiado de produção e disseminação de conhecimentos relacionados às práticas culturais. O CEPEUSP, desde 1972, oferece a Capoeira como curso regular sob a coordenação dos Professores Gladson de Oliveira Silva e Vinicius Heine, sendo um centro de referência em relação à prática, à pesquisa e à extensão da Capoeira.

O Seminário de Capoeira e Cultura Brasileira pretende ser um espaço de vivências e um fórum de reflexões acerca do resgate e da valorização das manifestações culturais brasileiras e principalmente, ser um espaço de confraternização e de celebração entre representantes dessas correntes culturais.

Pretende proporcionar um entendimento amplo e plural das manifestações culturais brasileiras e seu papel na formação da identidade do povo brasileiro.

PROGRAMAÇÃO

Dia 7 de Novembro (Sábado)

– 8:30h – Chegada e Credenciamento dos Participantes

– 9:00h – Abertura do Evento

– 9:30h – Oficina de Capoeira Angola – Mestre Plínio

– 11:00h – Oficina de Bumba meu Boi e Danças Brasileiras – Tião Carvalho

– 12:30h – Intervalo para Almoço

– 14:00h – Oficina de Percussão Corporal – Dani Zulu (Barbatuques)

– 15:30h – Oficina de Dança Afro – Kelliy Anjos

– 17:00 – Show Musical – Txai Brasil

Dia 8 de Novembro (Domingo)

– 9:00h – Oficina de Capoeira e Cultura Brasileira – Mestre Alcídes e Sr. Durval

– 10:30h – RODA DE MÚSICA / MÚSICA DE RODA – Oficina de canto, percussão e dança com Renata Amaral e André Magalhães do grupo A Barca

– 12:00h – Intervalo para almoço

– 14:00h – Oficina Danças Brasileiras e Capoeira – Fernando Corrêa – Instituto Brincante

– 15:30h – Orquestra de Berimbau – Dinho Nascimento

– 17:00h – Roda de Confraternização

– 18:00 – Encerramento e entrega dos Certificados

LOCAL E DATA

Módulo 4 do CEPEUSP (Centro de Práticas Esportivas da Universidade de São Paulo – Cidade Universitária – Butantã – São Paulo – SP)

Data: 7 e 8 de Novembro de 2009 (Sábado e Domingo)

Horário: das 9:00 às 19:00h

INSCRIÇÕES

Taxa de Inscrição:

– R$50,00 (cinquenta reais) até 30 de Outubro

– R$55,00 (cinquenta e cinco reais) até 6 de Novembro

– R$60,00 (sessenta reais) no dia do evento.

Como se Inscrever:

– Pessoalmente no CEPEUSP: Sala 8 do Velódromo de Segunda a Sexta das 9:00 às 16:00h

– Via Depósito Bancário – Consultar disponibilidade de vagas!!!

– Nossa Caixa Nosso Banco

– – Agência: 0864-8

– – Conta Corrente: 13000294-8

– Enviar Fax (11-3091-3362) com comprovante de depósito confirmando inscrição e os seguintes dados: Nome, Idade, Telefone, E-mail, Endereço, Instituição a que pertence.

– Trazer o comprovante de depósito no dia do evento!

VAGAS LIMITADAS!


Maiores Informações

Prof. Mestre Gladson de Oliveira Silva:
E-mail: gladson@usp. br

Prof. Vinicius Heine:
E-mail: vheine@gmail. com

Site Oficial do Evento:
www.seminariodecapoeira2009.wordpress.com

Mestre Toni Vargas, Quadras & Corridos

Quadras & Corridos

Um dos maiores compositores da nossa capoeiragem, o Mestre e Poeta Toni Vargas, nos escreve um relato exclusivo sobre o processo de criação e elaboração de seu novo trabalho intitulado “Quadras & Corridos”, o projeto tem como objetivo fundamental homenagear o grande Manoel dos Reis Machado e sua criação e enorme contribuição para a história da Capoeira: “A Luta Regional Baiana”. Quadras & Corridos pretende mostrar aos jovens capoeiristas de forma sensível e bem fundamentada um pouco da “energia” de Seu Bimba – O GIGANTE NEGRO DA CAPOEIRA REGIONAL.

Luciano Milani

Mestre Toni Vargas, Quadras & Corridos

Luciano,

Antes de mais nada parabéns pelo trabalho que você vem realizando através do Portal da Capoeira, é muito bom que as pessoas percebam que  instrumentos tão sofisticados quanto a internet e outros recursos virtuais podem e devem ser utilizados com o propósito de construir e edificar, ajudar a capoeira e os capoeiristas para que juntos possamos evoluir em busca de um futuro melhor.

Tenho trabalhado muito em diversos projetos e no ultimo dia 12/09/2009 tive o prazer de lançar no Rio de Janeiro o CD “Quadras & Corridos” este trabalho é a culminância de um projeto que começou a aproximadamente 5 anos atrás, quando o Mestre Nenel fez o que eu costumo chamar de “provocação positiva” me perguntando por que  nunca tinha composto nada com os ritmos do pai dele .

A pergunta motivou uma “pesquisa”, as músicas foram aparecendo se organizando e finalmente fechamos o CD que foi apresentado no Rio de Janeiro com a participação do Mestre Nenel ministrando uma oficina de Capoeira Regional e uma festa que reuniu amigos e capoeiristas de diversos grupos.

Mestre Bimba na Mídia - ArquivoA “pesquisa” a que me refiro, foi nada mais que um mergulho na sonoridade e no AXÉ de “Seu Bimba” e o resultado é uma leitura humilde e bem intencionada dos ritmos de Banguela e São Bento Grande. Fazer Quadras ao invés de Ladainhas foi para mim um grande desafio. Em relação as minhas letras anteriores (geralmente grandes), as quadras são haicais, e não foi muito fácil conseguir me expressar a partir desse modelo. Devo ainda registrar que esse recurso me fez amadurecer bastante e reafirmar ainda mais (para mim mesmo), a genialidade de Manoel dos Reis Machado – Mestre Bimba

Devo ainda agradecer a meus alunos que fizeram tudo comigo, ao meu Mestre que generosamente me apoiou e a Eduardo Teixeira (Editora D+T), que acreditou e me apoiou na realização desse projeto.

AXÉ e muito obrigado

Mestre Toni Vargas


* O Lançamento do CD QUADRAS E CORRIDOS,  é a culminância de cinco anos de pesquisa sobre os ritmos de MESTRE BIMBA , com participação de MESTRE NENEL ministrando um encontro pratico/teórico sobre os Fundamentos da CAPOEIRA REGIONAL, e um bate papo com MESTRE PEIXINHO sobre a influência da Capoeira de MESTRE BIMBA na formação do GRUPO SENZALA e na Capoeira de nossos dias

http://www.mestretonivargas.com/

Resultados: II JOGOS GERAÇÃO INTERATIVA DE CAPOEIRA realizado em Pirassununga

“II JOGOS GERAÇÃO INTERATIVA DE CAPOEIRA”

DIA 20 DE SETEMBRO DE 2009
HORÁRIO: DAS 09:00 ÀS 18:00 HORAS
LOCAL: GINÁSIO MUNICIPAL DE ESPORTES DR. LAURO POZZI
-CEFE PRESIDENTE MÉDICE – AV. PRESIDENTE MÉDICE S/Nº – JD.
CARLOS GOMES – PIRASSUNUNBGA-SP

-REALIZAÇÃO: APACAP EM PARCERIA COM A SECRETARIA MUNICIPAL DE ESPORTES

-DIREÇÃO: MESTRE LUIZÃO
-EQUIPE ORGANIZADORA: JANAÍNA, VERIDIANA, NAILA, MOINHO, MARCIA, PIMENTA (SÃO PAULO/SP), MARINA E BUIÚ

ARBITRAGEM: CONTRA MESTRES XENHO E DE PAULA; INSTRUTOR TUBARÃO; MONITORES CEZÃO, BUIU  E CAMARÃO, FORMADO JABA E ESTAGIARIO RAYOVAC.

-PARTICIPAÇÃO: MESTRES: LAU (ARARAS), SENA (POÇOS DE CALDAS), TAROBA (SÃO CARLOS), OSMAR (POÇOS DE CALDAS), CLÉO (SÃO PEDRO); CONTRA MESTRE DE PAULA (UBERABA/MG), PROFESSORES JUNINHO (GUARANÉSIA) E DANIEL (CASA BRANCA).

PROGRAMAÇÃO:

09:00 hs – Abertura com desfile das equipes, execução do Hino Nacional e juramento dos atletas;
09:30 hs – Início das Competições – Categorias: Mirim, Infantil e Infanto Juvenil (Jogo no ritmo de São Bento Grande);
12:00 hs – Intervalo para almoço; lançamento do Cd Capoeira Na Veia Vol. II “Cantigas de Mestre Luizão”; Show de saltos e Acrobacias.
13:30 hs – Reinicio das Competições – Categorias Juvenil, Adultos e Graduados – (Jogo de Benguela e São Bento Grande);
16:00 hs – Competições em ritmo de São Bento Grande para Categorias: Especial “Cadeirantes” e da 3ª Idade.
18:00 hs – Encerranento com entrega de troféus e medalhas aos atletas e equipes vencedoras.

PARTICIPARAM DO EVENTO AS SEGUINTES EQUIPES:

-APACAP (PIRASSUNUNGA, LEME E ITÚ)
-FILHOS DO BONFIM (POÇOS DE CALDAS E CASA BRANCA)
-ART-VIDA (GUARANÉSIA)
-ESCRAVO LIBERTO (SÃO PEDRO)
-JANGADEIROS DE OURO (SÃO CARLOS)
-PALMARES (ARARAS)

TOTAL: 215 ATLETAS

CATEGORIA MIRIM – ATÉ 10 ANOS DE IDADE:

FEMININO:

1º LUGAR:   VERONICA
GRUPO:   APACAP
CIDADE:   LEME

2º LUGAR:   TAILANE
APACA – PIRASSUNUNGA

3º LUGAR:   MARIA GABRIELA
FILHOS DO BONFIM – CASA BRANCA

CATEGORIA MIRIM – ATÉ 10 ANOS DE IDADE:

MASCULINO:

1º LUGAR:   MATHEUS
APACAP   LEME

2º LUGAR:   GUIUPER   
JANGADEIROS DE OURO – SÃO CARLOS

3º LUGAR:   JOÃO VITOR
FILHOS DO BONFIM ´CASA BRANCA

CATEGORIA  INFANTIL – 11 E 12 ANOS

FEMININO

1º LUGAR:   GISLAYNE
APACAP – PIRASSUNUNGA

2º LUGAR:   MARIELLE
APACAP – PIRASSUNUNGA

3º LUGAR:    MILENA
APACAP – LEME

CATEGORIA  INFANTIL – 11 E 12 ANOS

MASCULIO:

1º LUGAR:  JUNINHO
APACAP – PIRASSUNUNGA

2º LUGAR:   WESLEY
FILHOS DO BONFIM ´CASA BRANCA

3º LUGAR:  JEFERSON DE OLIVEIRA
APACAP LEME

CATEGORIA  INFANTO JUVENIL – 13 E 14 ANOS

FEMININO

1º LUGAR:   SIMONE
APACAP – PIRASSUNUNGA

2º LUGAR:   ELIANE
APACAP – ITÚ

3º LUGAR:  JÉSSICA
JANGADEIROS DE OURO – SÃO CARLOS

CATEGORIA  INFANTO JUVENIL – 13 E 14 ANOS

MASCULINO:

1º LUGAR:   RODNEY
ESCRAVO LIBERTO – SÃO PEDRO

2º LUGAR:  MURILO
FILHOS DO BONFIM – CASA BRANCA

3º LUGAR:  MICHAEL
APACAP – LEME

CATEGORIA  JUVENIL – 15 A 17 ANOS

FEMININO

1º LUGAR:   NAILA
APACAP – PIRASSUNUNGA

2º LUGAR:   GISLAINE
FILHOS DO BONFIM – CASA BRANCA

3º LUGAR:   SANDRA
APACAP – PIRASSUNUNGA

CATEGORIA  JUVENIL – 15 A 17 ANOS

MASCULINO:

1º LUGAR:   DANILO
FILHOS DO BONFIM – CASA BRANCA

2º LUGAR:   ALEX
ESCRAVO LIBERTO – SÃO PEDRO

3º LUGAR:   VALDECIR
APACAP – LEME

CATEGORIA  ADULTOS  – 18 ANOS ACIMA

FEMININO

1º LUGAR:   MAGDA
PALMARES – ARARAS

2º LUGAR:   MARINA
APACAP – PIRASSUNUNGA

3º LUGAR:   JANAINA
APACAP – PIRASSUNUNGA

CATEGORIA  ADULTOS – 18 ANOS ACIMA

MASCULINO

1º LUGAR:  CLAYTON
FILHOS DO BONFIM – CASA BRANCA

2º LUGAR:   IDAEL
APACAP – LEME

3º LUGAR:   RODRIGO
FILHOS DO BONFIM – CASA BVRANCA

CATEGORIA  GRADUADOS –  PROFISSIONAIS:

MASCULINO:

1º LUGAR:  CONTRA MESTRE  XENHO
APACAP – PIRASSUNUNGA

2º LUGAR:   MONITOR CEZÃO
APACAP – PIRASSUNUNGA

3º LUGAR:    PROFESSOR MARQUINHOS
JANGADEIROS DE OURO – SÃO CARLOS

Acreditando no poder da Superação - LEANDRO DA APACAP NA CATEGORIA ESPECIALCATEGORIAS ESPECIAIS:
CADEIRANTES E  FELIZ  IDADE:
DESTAQUE PARA OS ATLETAS:

LEANDRO – APACAP DE LEME/SP
MARIA E VITORIA – SÃO CARLOS/SP

CLASSIFICAÇÃO GERAL POR EQUIPES:

1º LUGAR:
APACAP – 107 PONTOS

2º LUGAR:
FILHOS DO BONFIM – 39 PONTOS

3º LUGAR:
JANGADEIROS DE OURO – 15 PONTOS

4º LUGAR:
ESCRAVO LIBERTO – 12 PONTOS

 

Atenciosamente,

Luiz Carlos Desideri – Mestre Luizão
Presidente da Apacap

Besouro leva lendário herói da capoeira às telas de cinema

Depois de três meses de filmagens em locações na Chapada Diamantina e no Recôncavo Baiano – e quase nove meses de árduo trabalho de pós-produção – o longa-metragem do diretor João Daniel Tikhomiroff sobre Besouro Mangangá, o lendário herói da capoeira brasileira, está pronto para sair do forno.

Veja o trailer de três minutos do filme Besouro, de João Daniel Tikhomiroff, produzido pela Mixer e pela Globo Filmes, e distribuído pela Miravista, com lançamento previsto para outubro de 2009

Besouro, o filme: trailer oficial de cinema

Visite o site oficial do Filme: http://www.besouroofilme.com.br

Mais informações: http://www.besouroofilme.com.br/blog/

Em breve o Portal Capoeira trará novidades sobre a parceria com o Filme Besouro, aguardem…