Blog

Março 2011

Vendo Artigos de: Março , 2011

Coleção História Geral da África está disponível para download

O Estatuto da Igualdade Racial foi um marco para o movimento negro. Sancionado em 20 de julho de 2010 pelo então Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, trouxe muitos benefícios para a comunidade e cultura afro-brasileiras. Mas toda grande transformação social inicia-se pela educação. É nessa área que a coleção História Geral da África, lançada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), vem dar uma grande contribuição.

Publicada em oito volumes e totalizando 10 mil páginas, a coleção conta a história da África a partir de uma visão de dentro do continente, usando uma metodologia interdisciplinar que envolve especialistas de diversas áreas do conhecimento. Seu conteúdo permite novas perspectivas para os estudos e pesquisas a respeito da África e agora está disponível para download, gratuitamente, no site da Unesco.

Lançada nacionalmente em dezembro do ano passado, a coleção foi produzida por mais de 350 especialistas, sob a direção de um Comitê Científico Internacional formado por 39 intelectuais, dos quais dois terços eram africanos. O lançamento da versão em português é fruto de uma parceria da UNESCO com o Ministério da Educação, por intermédio da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad), e a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Em abril, acontece o lançamento regional, com uma série de eventos (ver quadro abaixo)

LEGISLAÇÃO – Para além da contribuição intelectual na desconstrução da imagem primitiva sobre a cultura africana que ainda domina o senso comum, a coleção História Geral da África constitui parte de um material que possibilita a execução da Lei 10.639, de 2003, que inclui, na rede de ensino pública e privada, a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-brasileira”.

A inclusão do tema no ensino regular também é citada no Estatuto da Igualdade Racial (lei nº 12.288, de 20 de julho de 2010), que dedica a segunda seção do Capítulo II à educação. Segundo o texto, “é obrigatório o estudo da história geral da África e da história da população negra no Brasil”, a fim de resgatar “sua contribuição decisiva para o desenvolvimento social, econômico, político e cultural do País”. Com a Coleção, os professores terão acesso a um material de qualidade para basear suas aulas sobre o tema.

REFERÊNCIA – Além de servir de fonte para a produção de material pedagógico voltado para as escolas, a Coleção é base para pesquisas de especialistas e profissionais de todo o mundo que, de alguma forma, lidam com a história do continente, bem como subsidia a formação de professores de diversas áreas do conhecimento.

A obra contribui para a disseminação da história e da cultura africana na educação, e também para a transformação das relações étnico-raciais no País. A intenção é fazer com que professores e estudantes lancem um novo olhar sobre o continente africano e entendam sua contribuição para a formação da sociedade brasileira.

Considerada o principal material de referência sobre o assunto, a coleção completa foi editada em inglês, francês e árabe e, pela primeira vez, tem seus oito volumes disponibilizados em português.

DISTRIBUIÇÃO – A Coleção da História Geral da África será distribuída pelo Ministério da Educação e estará à disposição dos interessados em todas as bibliotecas públicas municipais, estaduais e distritais; nas bibliotecas das Instituições de Ensino Superior, dos Polos da Universidade Aberta do Brasil, dos Núcleos de Estudos Afro-Brasileiros, dos Conselhos Estaduais ou Distrital de Educação.

Os oito volumes estarão disponíveis para download nos sites da UNESCO.

 

Programação do lançamento regional

Cachoeira – Bahia

Mesa Redonda

Data: 02 de abril de 2011-03-28

Local: Auditório do Centro de Artes e Humanidades – Universidade do Recôncavo da Bahia

Horário: 10h – 12h30min

Salvador – Bahia

Data: 04 de abril de 2011

Local: Auditório da Reitoria da Universidade Federal da Bahia

Horário: 9h – 18h

São Paulo – SP

Data: 06 de abril de 2011

Local: Auditório do Tucarena – Rua Monte Alegre, 1024

Horário: 9h -18h

Belo Horizonte – MG

Data: 13 de abril de 2011

Local: Auditório Neidson Rodrigues, Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais

Horário: 9h – 18h

 

Fontes: Unesco, Seppir, MEC

Nádia Taquary expõe “A Bahia tem…” no Museu Costa Pinto

Mostra de colares-escultura da linha Olorum Bamim começa na quinta (31/03)

De 31/03 a 30/04, a artista plástica baiana Nádia Taquary vai expor no Museu Carlos Costa Pinto (Salvador) algumas das obras da sua linha de colares-decorativos Olorum Bamim (proteção do Deus Maior, em iorubá). Na exposição, que se chama “A Bahia tem…”, Nádia promove um diálogo entre o acervo de jóias de crioulas do museu e seus colares-escultura, que chegam a ter até 75 metros de cordas e misturam ouro, prata, cobre, madeira, contas africanas, figas e balangandans. “É uma grande alegria fazer a interface do meu trabalho com uma das fontes de inspiração dele, dentro do próprio Costa Pinto, que foi o ambiente de nascimento conceitual”, conta a artista.

O mote da mostra veio da música “O que é que a baiana tem?”, de Dorival Caymmi (gravada por Carmem Miranda), na qual se fala das jóias, balangandans e vestimentas das mulheres negras da Bahia no começo do século. A artista uniu o tema ao conceito da linha Olorum Bamim e fez as obras, que contemplam colares com formas diversas: abertos, fechados, com múltiplas pontas, balangandans e com figas.

Olorum Bamim – O nome, elaborado com sugestões do artista plástico Mestre Didi e de Adbié (alabé do terreiro de candomblé Ilê Axé Opó Afonjá e amigo de Nádia), significa proteção do Deus maior, em Iorubá. O projeto teve origem numa pesquisa de pós-graduação da artista plástica sobre as jóias que as crioulas usavam no Brasil durante o período colonial. “Fiquei fascinada com a exuberância do encontro dos três mundos (Europa, África e Brasil) e da forma como isso refletia nos adereços daquelas mulheres”, conta Nádia, que também se inspirou no livro “O círculo das contas”, da historiadora e museóloga Solange Godoy, feito para o Museu Carlos CostaPinto (BA). O livro explica como as jóias de crioulas chegaram a Salvador e ao recôncavo baiano. “Um povo que não se olha e que não se reconhece, empobrece; pois, nada do que possui é verdadeiramente seu”, arremata a artista.


Realização: Olorum Bamim. Apoio cultural: TAG Arts, Museu Carlos Costa Pinto, Solisluna Design, Xarmonix e Jornal Bahia Negócios

 

SERVIÇO:

Exposição “A Bahia tem…”

Período: 31/03 a 30/04;Local: Museu Carlos Costa Pinto (Corredor da Vitória); Visitação: segunda a sábado, exceto terça e feriado. Das 14h30 às 19h; Mais informações: 3336-7034; Realização: Olorum Bamim, com apoio cultural da TAG Arts, Museu Carlos Costa Pinto, Solisluna, Xarmonix e Jornal Bahia Negócios.

* Victor Villarpando  71 8867.6107 | 71 7813.8814

Belo Horizonte vai sediar o 3º Encontro Nacional de Capoeira Angola

Encontro irá debater o papel da capoeira como patrimônio imaterial e instrumento de educação na formação da criança e do adolescente

Tendo em vista contribuir com as orientações que norteiam as políticas públicas culturais, sociais e educacionais de Belo Horizonte, a cidade vai sediar de 05 a 09 de abrilEncontro Nacional de Capoeira Angola, para discutir a participação da Capoeira Angola na formação cultural e na educação de crianças e jovens e, ainda a Capoeira como Patrimônio Cultural.

O 3º Encontro Nacional de Capoeira Angola é promovido pelo Grupo Iúna de Capoeira Angola, com patrocício do Fundo Municipal de Cultura e apoio do Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan, Funarte e Grupo Sant’Angelo (Itália). Será um fórum para discutir e trocar informações sobre o papel cultural e social da capoeira na atualidade, reafirmando a importância de ações de reconhecimento da diversidade étnica e de valorização da cultura afro-brasileira. Nas mesas de debate serão sistematizadas as demandas e ações que serão propostas no Encontro Nacional – Pró-Capoeira que acontecerá em julho, em Salvador.

A realização do 3º Encontro Nacional de Capoeira Angola vai trazer para capital mineira a ginga, as cantigas, os instrumentos e toda beleza desta arte brasileira, com a participação de grupos de capoeira, pesquisadores e mestres capoeiristas de diversos lugares do Brasil, admiradores da prática, interessados na história dessa rica forma de expressão. Dentre os convidados, nomes de renome nacional e internacional como Mestre Felipe (BA), Mestre Ivan (BA), Mestre Lua (BA), Mestre Índio (BH) e Mestre João (BH), representantes da Secretaria Municipal de Educação, Fundação Municipal de Cultura e Iphan, além de educadores, estudantes, professores, artistas, músicos, bailarinos, lideranças comunitárias, ONGs, pontos de cultura e centros culturais reunidos nas oficinas, mesas-redondas e rodas de capoeira.  O 2º Encontro, realizado em 2008, contou com a participação de cerca de 3.000 pessoas, entre capoeiristas, autoridades, alunos e público em geral.

Neste 3º Encontro, a capoeira de angola fará uma homenagem aos mestres da capoeira regional pioneiros na capital mineira: Mestre Cavalieri, Meste Dunga e Mestre Boca.

Dentre os convidados representantes do poder público que farão parte das mesas redondas estão: Corina Moreira (Iphan), a pedagoga Rosa Margarida (Secretaria Municipal de Educação/PBH) e Michelle Arroyo (Fundação Municipal de Cultura/PBH). Além da cientista política Diva Moreira; do historiador Marcos Cardoso; do professor José de Sousa Miguel Lopes, e do antropólogo e professor Jose Marcio Barros, coordenador do Observatório da Diversidade Cultural – ODC e do Programa Pensar e Agir com a Cultura.

 

Capoeira na sala de aula – Educadores têm discutido e visto na prática das escolas que inseriram a capoeira como atividade no currículo, a contribuição desta e de otras manifestações culturais no ambiente escolar, com reflexos positivos na disciplina, na auto-estima e na maior integração do aluno no ambiente escolar. Por isso, o 3º Encontro vai discutir essas novas formas de renovação pedagógica que procuram qualificar o atendimento educacional, considerando o aluno como um todo e centro do processo educativo, que precisa receber uma formação ampla e plena.

Grupo IÚNA de Capoeira Angola – É uma ONG criada em 1983 – primeiro grupo de capoeira angola de BH -, que tem como finalidade a promoção e a valorização da capoeira angola como bem cultural. Coordenado por Mestre Primo e organizado por jovens e moradores da comunidade do bairro Saudade/BH, o grupo é um Ponto de Cultura e oferece em sua sede oficinas gratuitas de capoeira para mais de 150 crianças e adolescentes de escolas públicas do bairro. Além disso, realiza atividades culturais voltadas para a capoeira angola com o objetivo de fortalecer a relação da ONG com a comunidade, expandir o conhecimento dos jovens e crianças sobre a capoeira, e contribuir para melhorar a qualidade de vida daquela localidade.

Capoeira: patrimônio cultural brasileiro – Praticada em mais de 150 países, desde julho de 2008 a Capoeira foi registrada como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil, tendo sido aprovada a inscrição do Ofício dos Mestres de Capoeira no Livro dos Saberes e da Roda de Capoeira no Livro das Formas de Expressão, do Patrimônio Imaterial brasileiro. O Registro foi uma iniciativa do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e do Ministério da Cultura e fez da capoeira a 14ª expressão artística do Brasil registrada como patrimônio imaterial. A Capoeira figura, assim, ao lado da ciranda de roda, do acarajé, das panelas de barro do Espírito Santo e do frevo, como um bem cultural brasileiro, pois reúne harmonia, arte, música, poesia, folclore, artesanato, esporte, diversão, dança, jogo, luta, rituais e tradição, em uma das mais genuínas expressões da nossa cultura popular.

Serviço:

3º Encontro Nacional de Capoeira Angola – 05 a 09 de abril de 2011

Data: 05 de abril de 2011

Horário: das 16 h às 18 h

Abertura com roda de Capoeira Angola na Praça Sete – Centro – BH, com a presença dos mestres de capoeira da cidade.

Data: 06 a 08 de abril de 2011

Horário: das 9 h às 19h30

Local: Funarte Casa do Conde – Rua Januária, 68 – Floresta – Belo Horizonte – MG

Seminários, mesas-redondas, oficinas gratuitas (criança e adulto), rodas de capoeira e encontro dos Pontos de Cultura de BH.

Inscrições para as oficinas: no local

Data: 09 de abril de 2011

Horário: das 14 h às 19 h

Local: Em frente à sede do IUNA – Rua Dr. Brochado, 1.500 – Saudade – Belo Horizonte – MG

Festa do Griôt: shows, bate-papo com Griôts, intervenções artísticas, barraquinhas de comidas típicas e apresentações de números de circo.

Toda a programação é gratuita.

 

Informações: (31) 3483-5301 e (31) 9171-9082

Blog: www.grupoiuna.blogspot.com

 

 

Emitido em 23/03/2011

Jornalista Néllie Branco

(31) 9914-4163

Pernanbuco: Projeto É Cor de Rosa Choque

“É cor de rosa choque” é um projeto do Centro de Capoeira São Salomão destinado as mulheres e tem como principal objetivo ser um espaço de empoderamento e aprendizagem para as capoeiristas de pernambuco iniciantes, iniciadas ou que queiram entrar no universo da arte capoeira .

Os encontros acontecem aos sábados das 9:30 as 12:00h, na sede do centro de capoeira são salomão e incluem treinos, rodas, cantorias, aulas de instrumentos e principalmente as rodas de diálogo, nas quais se debatem temas do cotidiano vivido pelas capoeiristas dentro e fora da roda.

O projeto iniciou no dia 31 de janeiro de 2009 e já produziu um livro de depoimentos das capoeiristas mais antigas de pernambuco, um dvd e o i encontro feminino de capoeira: a mulher entrou na roda.

 

 

No mês das mulheres, encontro de Capoeira dirigido ao público feminino será realizado no Recife.

O Projeto É Cor de Rosa Choque, sediado no Centro de Capoeira São Salomão, realizará de 25 a 27 de março o 2º Encontro Feminino de Capoeira “A Mulher Entrou na Roda”.

Durante o evento o universo da Capoeira pela ótica feminina será desvelado através de debates, palestras, apresentação de vídeos e exposição de artes, além de aulas e rodas de Capoeira Angola e Regional (ver programação completa abaixo).

DE 25 a 27 DE MARÇO NO CENTRO DE CAPOEIRA SÃO SALOMÃO

(Galeria Joana D’Arc, na Rua Herculano Bandeira, Nº 513, 1º andar – Pina)


INFORMAÇÕES:

(81) 3031.1109 / 9101.6037 / 9165.0055

capoeirasaosalomao@gmail.com

(Mestre Mago ou Professora Bel)

Berlim: Encontro International de Capoeira Angola 2011

Encontro International de Capoeira Angola 2011 na Páscoa

Berlim, 21.04.-25.04.2011

Mestre Joao Grande (New York), Mestre Cobra Mansa (Salvador), Mestre Roberval (Salvador), Mestre Rosalvo (Berlim), Mestre Ciro (Salvador), Mestre Paulo Siqueira (Hamburgo) e Contramestra Susy (Berlim)

Convidados: Contramestre Marquinho, Professor Angola, Professor Zequinha


  • Aulas de Capoeira Angola (música e movimento) para todos os niveis
  • Rodas
  • Aulas de danza afro-brasileira e alongamento
  • Aulas de Capoeira Angola para crianças
  • Discussões e palestras: „Em busca das Raizes“. Mestre Cobra Mansa vai presentar sua pesquisa feita nas suas viagens na Angola 2006-2010 sobre danças e estilos de lutas africanas (como o N`golo, a Cabangula) que influenceram a Capoeira no Brasil
  • Festas

 

Programação

Quinta-feira, 21.04.2011

12-2                 Aulas de Capoeira Angola e Música
2.30-4:00          Aulas de Capoeira Angola e Música
4:30                 Jantar
8:00                 Comida

Sexta-feira, 22.04.2011
8-9                   Cafe da manhã
10-12                Aulas de Capoeira Angola e Música
12:30-2:30        Aulas de Capoeira Angola e Música, Dança
3:00-4:00          Aula de Capoeira Angola para Criança (4-8 anos)
4:00-5:00          Aula de Capoeira Angola para Criança (>8 anos)
3-5                   Aulas de Capoeira Angola com Roda de treino
5:30-7                Jantar
7:00                 „Em busca das Raizes“ de Cobra Mansa e outras palestras
10:00                Party/Bar

Sábado, 23.04.2011

8-9                   Cafe da manhã
10-12                Aulas de Capoeira Angola e Música
12:30-2:30         Aulas de Capoeira Angola e Música, Dança
3:00-4:00          Aula de Capoeira Angola para Criança (4-8 anos)
4:00-5:00          Aula de Capoeira Angola para Criança (>8 anos)
3-5                   Aulas de Capoeira Angola e Música
5:30-7                Jantar
7:00                 RODA
10:00                Party/Bar

Domingo, 24.04.2011

8-9                   Cafe da manhã
10-11:30           Aulas de Capoeira Angola e Música
12:00-1:30        Aulas de Capoeira Angola e Música, Dança
1:00-2:00          Aula de Capoeira Angola para Criança (4-8 anos)
2:00-3:00          Aula de Capoeira Angola para Criança (>8 anos)
2:00-3:30          Aulas de Capoeira Angola e Música
4:00                  RODA ABERTA
7:00                  Jantar

Segunda-feira, 25.04.2011

8-9                   Cafe da manhã
10-12                Aulas de Capoeira Angola e Música
12:30-2:30        Aulas de Capoeira Angola e Música
3:00                 Almoco
4:00                 RODA

 

Inscripção
Até o 1 Abril 2011:                    150,- Euros
Incluindo hospedagem e café da manhã
Depois do 1 Abril 2011: 170,-Euros

3 dias     145 € /125 € (antes do 01.04.11) 
1-2 dias  115 € /95 € (antes do 01.04.11)

Por favor depositar o dinheiro na conta seguinte:
Capoeira Angola e.V. Postbank Berlin
BLZ 10010010
Kto 672233107
IBAN DE78 1001 0010 0672 2331 07
BIC PBNKDEFF

Academia JANGADA
Torstr. 109 10119 Berlin
tel. 030 4495738
fax 030 4496639
www.jangada.com

Aluá Capoeira promove Pernada Carioca

A cidade espanhola de Valencia será palco do 5º. Encontro Internacional de Capoeira, nos dias 30 e 31 de março e 1 e 2 de abril. A realização é do grupo Aluá Capoeira, dirigido por Wellington Siqueira, o Mestrando Cinzento. Durante o evento acontece a tradicional Pernada Carioca.

O encontro tem o apoio da Fundación Pública Municipal Per a la Cultura, L`Educación, La Joventut I L`Esport Del Puig e visa a integração e a transmissão da arte “capoeira”, com ênfase nos aspectos culturais e marciais dessa arte-luta.

Em novembro de 2011 tive a oportunidade de conhecer, como jornalista, a pujança do trabalho do Aluá desenvolvido em outras cidades espanholas, como Alicante. Isso é uma demonstração que a capoeira brasileira pisou firme na pátria de Cervantes.

De acordo com Cinzento, a Capoeira na Europa, precisamente na Espanha, tem se expandido para outros âmbitos e segmentos, sem perder seu conteúdo social e desportivo. “A Capoeira na Espanha não é somente um esporte, mas una ferramenta de Socialização, que atua favorecendo aqueles que têm deficiências psíquicas e motoras, contribuindo para integrar muitos espanhóis se imigrantes que vivem nos pais.”, afirma Cinzento.

Informações: Facebook: aluacapoeira, Orkut: aluacapoeira, Youtube: aluacapoeira, Blogspot: aluacapoeira.blogspot.com

Capoeira: Esporte Olímpico ???

A capoeira como sabemos, não pode ser interpretada de forma simplista e reducionista. Dentre as suas várias possibilidades, ela pode ser caracterizada como jogo, luta, brincadeira, dança, arte, cultura, filosofia, educação. Alguns a consideram também como esporte. A riqueza de referências contidas na capoeira, permite essa diversidade de interpretações.

Gostaria de tecer aqui, algumas considerações sobre a caracterização da capoeira como esporte. Antes de mais nada, é preciso também esclarecer que o fenômeno “esporte” também possui vários sentidos e possibilidades de interpretação. O esporte tanto pode ser visto como atividade voltada para o lazer, visando a busca pela saúde e a educação das pessoas, o desenvolvimento da cooperação e da sociabilidade daqueles que o praticam, como também pode ser visto como uma prática altamente competitiva, excludente, discriminatória (pois só os mais fortes e habilidosos tem vez) em busca da vitória “a qualquer custo”, ou seja, mais um produto dessa nossa cruel sociedade capitalista.

Pois é, aqueles que defendem a capoeira como esporte, têm que deixar claro a que tipo de concepção de esporte estão se referindo. Se for a uma concepção de esporte que busque a integração, o prazer, a inclusão, a socialização das pessoas, aí então posso concordar com essa visão. Mas do contrário, sou muito crítico àquela visão que associa a capoeira ao esporte competitivo, onde campeonatos são organizados para se eleger o melhor, o mais forte, o mais habilidoso, o mais acrobático, onde juízes e regras vão transformando a alegria e espontaneidade de um jogo de capoeira, num clima tenso e pesado onde é travada uma batalha feroz e muitas vezes violenta.

A capoeira não pode ser reduzida a isso !  Gosto de ver um jogo de capoeira onde as pessoas sorriem e se divertem jogando. Onde há espaço para uma brincadeira marota, uma dissimulação, uma mandinga, uma “gaiatice” como se diz aqui na Bahia. Me pergunto como isso seria julgado por um juiz num desses campeonatos ? Quantos pontos valeria uma mandinga ou uma gaiatice de um capoeira malandro ? Por que um jogo de capoeira tem que ter um perdedor e um ganhador ?  Quem vai estabelecer os critérios do que é bom e o que é ruim num jogo de capoeira, para se definir a pontuação ?  É possível alguém definir isso em se tratando de uma prática tão complexa, rica e diversa como a capoeira ???

Nessa direção, muito me preocupa um certo movimento de querer transformar a capoeira em esporte olímpico. Aí seria, na minha opinião, a sentença de morte para a capoeira enquanto livre expressão do povo brasileiro. A capoeira tem beleza e valor, justamente por possuir essa diversidade, essa espontaneidade, essa alegria. No momento em que enclausurarmos a capoeira dentro de regras internacionais rígidas e competitivas – pois é isso que se exige de um esporte olímpico – a capoeira estará sendo destituída de seus elementos mais ricos, mais belos, estará perdendo a sua alma !!! Se o saudoso mestre Pastinha por aqui estivesse, certamente iria bradar contra isso.

Certo dia desses, fui convidado a um evento de capoeira onde, entre outras atividades, houve um campeonato. Fiquei observando de longe as reações, o clima de tensão, os semblantes fechados, as adversidades e as animosidades que aquilo tudo produzia nas pessoas que participavam do tal campeonato. Mas tive certeza mesmo dos malefícios que aquilo trazia, quando presenciei o choro inconsolável de uma menina de 10 anos, que perdera a final para uma outra menina um pouco mais velha. O jogo bonito que ela apresentou não lhe serviu de nada. A garota mais velha, para os juízes, foi mais “agressiva”. A medalha foi para ela !!!

É nisso que queremos que a nossa capoeira se transforme ????

Bauru: Início da Construção da Praça Mestre Bimba

Prefeitura iniciaram nesta semana, os trabalhos de construção da Praça Mestre Bimba, no Jardim Contorno.

A equipe da Divisão de Construção da Secretaria de Obras iniciou o estaqueamento da calçada para posterior concretagem. A praça tem uma área total de 4.970m² sendo 2.207m² de jardim e 1.134m² de calçada. 
A praça também contará com playground, área para capoeira, bancos, bebedouros, pista de solo cimento para caminhada dentro da praça e pista de bicicross.     O projeto foi elaborado coletivamene pela comunidade do Jardim Contorno,que inclui os condomínios Vila Verde, Vila Grená, Jardim dos Duques, Camálias, Flamboyants, Reserdás e Raio de Sol, em uma área da cidade muito verticalizada.

Quem foi Mestre Bimba

A Capoeira recebeu recentemente o status de “patrimônio cultural de natureza imaterial”, em face de sua força cultural.

Esta força cultural esta diretamente relacionada aos aspectos técnicos próprios da manifestação, bem como aos aspectos simbólicos que a sua pratica ao mesmo tempo representa e testemunha: os ideais dos quilombos e de Zumbi.

Varias manifestações culturais de origem afrodescendente se perderam pelo caminho da historia. A Capoeira também poderia haver-se perdido, dada a descomunal força das proibições e repressões.

Contudo, nos anos de 1930, Manoel dos Reis Machado (1900-1974), conhecido nas voltas do mundo da capoeira como MESTRE BIMBA, ao criar e sistematizar uma metodologia de ensino; como excepcional tocador de berimbau que era criar toques específicos para cada tipo de jogo; inovar nos rituais próprios da roda, mantendo a tradição; e especialmente oportunizou o aprendizado e pratica a homens, meninos e mulheres, das diferentes origens étnicas e sociais, com o seu Centro de Cultura Física e Luta

Regional Baiana, conquistando assim a descriminalização da pratica do Jogo da Capoeira através da sua obra “A Capoeira Regional”.

Hoje a Capoeira deu, literalmente, a volta ao mundo, sendo praticada em mais de 160 países dos 5 continentes, sendo a maior embaixatriz do Brasil no exterior, e o maior veiculo de difusão da língua portuguesa no mundo.

Assim sendo, devemos essa herança cultural que tanto nos identifica como brasileiros a Manoel dos Reis Machado, o MESTRE BIMBA, o criador da Capoeira Regional, ao lado do Mestre Pastinha, o patrono da Capoeira Angola.

IV FESTIVAL BATUQUEIRA

OFICINA DO BERIMBAU E DO CAIXIXI – A CONSTRUÇÃO ECOLÓGICA DE UM INSTRUMENTO MUSICAL

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE COIMBRA: 26 DE MARÇO DE 2011

O Festival Batuqueira, é um pequeno evento anual, que serve de agente de promoção a cultura Lusófona, em especial, da cultura brasileira e dos países africanos de língua oficial portuguesa.

Na 4ª edição deste evento propomos a Oficina do Berimbau e do Caixixi – A Construção Ecológica dum instrumento musical. Com esta proposta incentivamos a curiosidade cultural, social e musical dos participantes aos instrumentos da Capoeira. Esta proposta é dirigida aos praticantes de Capoeira, aos estudiosos da música e ao público em geral, interessados em descobrir a musicalidade e o desporto a que se associa o Berimbau. Por outro lado, aproveitamos a ocasião para sensibilizar o público as questões ecológicas e ao uso criativo de materiais recicláveis.

Aprenda a tocar Berimbau!

Depois do sucesso da 1ª edição da Oficina do Berimbau em que oferecemos um workshop de construção ecológica do Berimbau, propomos em 2011 o ensino dos toques mais comuns da Capoeira.

Caixixi; A Construção Ecológica dum instrumento musical
É uma oportunidade única aos participantes de aprenderem a forma como se constrói um instrumento musical.
O Caxixi é um pequeno chocalho de cesta que é conhecido por ser tocado a acompanhar o Berimbau.

ROTEIRO DE APRESENTAÇÃO DO PROJECTO:

Proposta: OFICINA DO BERIMBAU E DO CAIXIXI: A Construção Ecológica dum Instrumento Musical

Data e local de realização: 26 de Março, no Conservatório de Música de Coimbra (Escola Quinta das Flores por detrás do Coimbra Shopping)

Valor de pagamento:
Opção 1 – 10€ / atribuído a concretização do curso
Opção 2 – 60€ / opção de compra de berimbau com direito ao curso (O participante que adquirir um Berimbau junto da equipa do Grupo Muzenza de Capoeira – Coimbra
fica com direito a participação gratuita na Oficina de Berimbau e do Caixixi)

Público a quem se dirige: Atletas de Capoeira; Músicos (amadores ou profissionais); público em geral (actividades para crianças a partir dos 6 anos)

Actividades:
10h – 13h » Início á construção manual do Caxixi. Apresentação dos materiais usados na sua confecção.
15h -18h » O Berimbau e a Capoeira – A importância do Berimbau no desenvolvimento da modalidade;
» Análise aos vários tipos de Berimbau e iniciação rítmica
» Jogos Didácticos – Desafio colocado aos participantes.

Professor Convidado:
Márcio Cruz Damião “Pena” Professor do Grupo Muzenza de Capoeira (Algarve)

Organização a cargo:
Grupo Muzenza de Capoeira – Coimbra
Associação Mandinga de Iúna – Associação Desportiva e Cultural de Capoeira

Parcerias:
Conservatório de Música de Coimbra
Instituto Português da Juventude
Câmara Municipal de Coimbra

Contactos:
Tel. (+351) 918 182 024 / 963 412 090
Email: associacao.mandinga.iuna@gmail.com


Grupo Muzenza de Capoeira – Coimbra
Mandinga de Iuna – Associacao Desportiva e Cultural de Capoeira

Quinta D. João Lt11, 3º Esq.
3030-020 Coimbra
Tlm: 918182024 / 963412090

Pernanbuco: Roda à Fantasia – Capoeira São Salomão

Em Pernambuco, que é um dos pólos históricos da Capoeira, uma das características dessa manifestação é a ligação dos seus sujeitos com os festejos populares e em especial com o carnaval. O passo do frevo é uma invenção dos capoeiras (conhecidos como brabos e valentões), que a frente das bandas de música desfilavam nas ruas estreitas do Recife. Suas coreografias seguiam o ritmo das marchinhas e dobrados que se aligeiravam e misturadas aos ritmos da moda (habanera, polca, maxixe, entre outros), acabaram por criar uma música própria que fazia o povo ferver (frever).

Música e dança nascem como expressão da liberdade do povo na rua. Sendo assim, nós do Centro de Capoeira São Salomão temos em nosso sangue esse sentimento carnavalesco, por sermos pernambucanos e por sermos capoeiristas.

{youtube}BapI21y9aG0{/youtube}

Há quatro anos atrás incorporamos em nosso calendário a roda à fantasia que tem a intenção de festejar a festa de momo, ao mesmo tempo que serve como forma de manter as nossas tradições e nossos elos com a ancestralidade da capoeira pernambucana viva e pulsante, que faz o passo no compasso fervente de um ritmo que é nossa marca .

Recife, 07 de março de 2011.

Mestre Mago