Blog

Blog

Porto: 8º Encontro de Capoeira “Irmãos de Roda”

Todos DIFERENTES… JUNTOS pelo mesmo… CAPOEIRA

Porto: 8º Encontro de Capoeira “Irmãos de Roda”

“A cada edição o Evento, que tem sido uma referência na Capoeira de Portugal, ganha mais corpo e mais visibilidade… os “Irmãos de Roda” extrapolam o contexto e a essência do que significa capoeiragem… fazendo valer a sua visão da unidade através das diferenças… e que tudo gira em torno da mesma capoeira…

O evento tem início nesta sexta-feira e continua até o próximo domingo, na cidade do Porto em Portugal.

 

Mais informações no cartaz em anexo e na página do Facebook.


Video do encontro de 2017

 

 

 

PARA MAIS INFORMAÇÕES:

julspedro@gmail.com | Tlm: 966883484

https://www.facebook.com/irmaosderoda/

Guimarães: VIVA SEU BIMBA!!!

Guimarães: VIVA SEU BIMBA!!!

Contramentre Careca (CCCB – Centro Cultural Capoeira Baiana) e seus alunos, convidam toda a comunidade para a comemoração do centenário da Luta Regional Baiana em Guimarães – PT.

Na semana do dia 23 de novembro (data do nascimento do Mestre Bimba) o CCCB tem-se planejado atividades com a proposta de apresentar a comunidade capoeiristica, representantes da Luta Regional Baiana, que atuam dentro e fora do Brasil. Os mesmos trarão ao público um pouco do seu conhecimento através de cursos, palestras, vivências e rodas, onde apresentarão aos praticantes, profissionais e simpatizantes, informações sobre a Capoeira Regional Baiana (evoluções técnicas, palestras sobre a historia e desenvolvimento da luta) além de rodas, objetivando a preservação e divulgação da Capoeira Regional Baiana.

Proposta:

•Difundir e divulgar a Capoeira Regional Baiana.Apresentar aos profissionais, praticantes e simpatizantes as evoluções técnicas da Luta Regional Baiana.
•Preservação do ritual da Capoeira Regional.Apresentar a comunidade capoeiristica os principais representantes da Capoeira Regional Baiana da atualidade.
•Apresentar ao público a história do criador da Luta Regional Baiana, o Mestre Bimba, tendo na sua data de nascimento um dia especial para a comunidade da capoeira.

Visite: www.capoeirabaiana.org

Grafites em muros de Salvador homenageiam mestre Moa do Katendê

Grafites em muros de Salvador homenageiam mestre Moa do Katendê; morte do capoeirista completa 1 mês

Por Valma Silva, G1 BA

Ilustrações com a imagem de Moa estão presentes em diferentes pontos da capital baiana.

Um mês após a morte capoeirista Moa do Katendê, soteropolitanos têm homenageado o baiano de várias formas. Uma delas é através do grafite. Em diferentes pontos de Salvador, é possível ver o rosto do ‘Moço lindo do Badauê’estampando muros, trazendo colorido para as ruas e também relembrando o assassinato que tirou o mestre da roda de uma forma brutal.

Romualdo Rosário da Costa, o Moa do Katendê, tinha 63 anos quando foi assassinado no dia 8 de outubro, após se envolver em uma discussão sobre política, horas após a votação do primeiro turno das eleições.

Moa teria completado 64 anos no dia 29 de outubro, se estivesse vivo. “É triste saber que um assassino acabou com a vida do meu tio, acabou com uma família, por um motivo tão banal. Mas a gente encontra força espiritual e nas pessoas que estão lembrando dele o tempo todo”, diz Renilda Costa, sobrinha da vítima [veja abaixo entrevista dela ao G1].

Sobrinha de Moa do Katendê fala sobre morte do tio, um mês após o crime

Sobrinha de Moa do Katendê fala sobre morte do tio, um mês após o crime

Uma das homenagens está no Colégio Estadual Victor Civita, que tem 300 estudantes. A escola fica no Dique Pequeno, onde vive parte da família de Moa e também perto do local onde aconteceu o crime.

A diretora Rodrenice Santana Borges conta que um grupo chamado Canteiros Coletivos se ofereceu para limpar o terreno perto da escola, que estava se transformando em um lixão. “Eles estavam fazendo um workshop de jardinagem bem na época do crime, então os estudantes tiveram a ideia de batizar o jardim com nome de Moa”, detalha.

A partir daí, a diretora decidiu renovar a pintura o muro da frente da escola com uma imagem do homenageado. O trabalho foi feito pelo arte educador Rodrigo Menezes e pelo grafiteiro Nailton dos Santos. A ilustração levou cinco horas para ser finalizada pela dupla, que se sente orgulhosa do resultado final, assim como os alunos.

“Os alunos ficaram encantados, porque estão homenageando uma pessoa próxima da realidade deles, que muitos conheciam. Isso renova a autoestima de toda a comunidade escolar”, diz Rodrenice.

Grafites em muros de Salvador homenageiam mestre Moa do Katendê Capoeira Portal Capoeira

 

Grafite Mestre Moa — Foto: Valma Silva / G1 BA

A diretora revela que Moa tinha visitado a unidade poucos dias antes de ser morto, para agendar uma roda de capoeira e uma aula de cultura afrobrasileira no local, porém, o evento não chegou a ser realizado. Uma faixa também foi colocada por amigos de Moa que viviam no bairro, em um campo de futebol que fica em frente à escola.

Familiares de Moa visitaram o colégio no dia em que o muro e o jardim ficaram prontos, há uma semana. “Esse é um gesto de solidariedade muito bonito. Estamos recebendo manifestações de várias partes do Brasil e do mundo, mas ter esse acolhimento da comunidade traz um conforto maior para a nossa perda”, comenta Jaci Mahin Reis da Costa, uma das filhas do mestre Moa.

Pequeno jardim foi criado por estudantes em uma área estava virando lixão; espaço foi batizado com o nome de Moa do Katendê — Foto: Valma Silva / G1 BA

Pequeno jardim foi criado por estudantes em uma área estava virando lixão; espaço foi batizado com o nome de Moa do Katendê — Foto: Valma Silva / G1 BA

Outro grafite em homenagem ao capoeirista foi concluído no último fim de semana, na Escadaria do Paço, que fica no Centro Histórico de Salvador. A arte de Bruno Wiw virou ponto turístico, com grande movimento de pessoas tirando fotos.

“Eu pinto esse mural há cinco anos, sempre abordando um tema crítico e social, que chame a atenção das pessoas. Esse ano, retrataria uma família de retirantes sertanejos, mas quando ocorreu a morte do Mestre Moa, decidi adaptar um pouco o tema”, relata.

Grafite homenageia o Mestre Moa do Katendê — Foto: Valma Silva / G1 BA

Grafite homenageia o Mestre Moa do Katendê — Foto: Valma Silva / G1 BA

Bruno manteve a ideia original da pintura, entretanto, incluiu a figura do capoeirista como o chefe da família.

“Representa a família dele, a nossa, os alunos dele na capoeira, o povo brasileiro. Todos somos vítimas dessa violência e da intolerância”, comenta.

Também foram deixadas as plantas coloridas, que já estavam pintadas antes do crime acontecer. “As cores trazem vida, alegria, enfim, tudo que Moa trazia para a sociedade com o trabalho dele”.

O grafiteiro Bruno Wiw pintou mural na Escadaria do Paço, no Centro Histórico — Foto: Bruno Wiw / Arquivo Pessoal

O grafiteiro Bruno Wiw pintou mural na Escadaria do Paço, no Centro Histórico — Foto: Bruno Wiw / Arquivo Pessoal

Caso

Moa do Katendê foi morto a facadas em um bar, após se envolver em uma discussão sobre política, horas depois da votação do primeiro turno das eleições. O suspeito do crime é Paulo Sérgio Ferreira de Santana, de 36 anos, que está preso no Complexo Penitenciário da Mata Escura.

No dia 22 de outubro, a Justiça da Bahia aceitou a denúncia do Ministério Público do estado e o tornou réu. Paulo Sérgio é acusado de homicídio duplamente qualificado, por motivo fútil e impossibilidade de defesa da vítima.

Além disso, por ferir Germínio do Amor Divino Pereira, de 51 anos, primo que tentou defender o capoeirista das agressões, o barbeiro é acusado de tentativa de homicídio duplamente qualificado. O caso está no 1º Juízo da 1ª Vara do Tribunal do Júri e ele pode ir a júri popular.

Moa do Katendê foi morto a facadas após discussão por política — Foto: Reprodução/Facebook

Moa do Katendê foi morto a facadas após discussão por política — Foto: Reprodução/Facebook

Moa foi fundador do grupo de afoxé Amigos do Katendê e um dos maiores representantes do gênero da Capoeira de Angola. Era militante das causas do povo negro e defensor da cultura afrobrasileira, através da música e da educação. Também era dançarino, músico e artesão.

A morte dele comoveu todo o Brasil. Artistas como Caetano VelosoGilberto GilChico César e Daniela Mercury lamentaram o fato nas redes sociais. Em Salvador, a missa de sétimo dia foi marcada pela participação de capoeiristas, na tradicional Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos.

Nos dias 10 e 16 de outubro, grupos culturais grupos culturais se reuniram no Pelourinho para homenageá-lo e foram acompanhados por uma multidão de baianos e turistas. No dia 18 de outubro, foi a vez do astro do rock Roger Waters reverenciá-lo durante show para mais de 28 mil pessoas na Arena Fonte Nova.

Mestre Moa é o homenageado deste ano na Semana da Igualdade Racial, realizada entre os dias 6 e 9 de novembro em Salvador. O evento reúne representantes do movimento negro e gestores públicos para discutir políticas afirmativas. A ação faz parte das comemorações pelo Novembro Negro, mês de conscientização e valorização da cultura afrobrasileira.

Moradores do Dique Pequeno fizeram homenagem ao Mestre Moa do Katendê — Foto: Valma Silva / G1 BA

Moradores do Dique Pequeno fizeram homenagem ao Mestre Moa do Katendê — Foto: Valma Silva / G1 BA

 

Fonte: https://g1.globo.com

Por Valma Silva, G1 BA

MESTRE MOA DO KATENDÊ: UMA VITIMA DO EXTREMISMO

MESTRE MOA DO KATENDÊ: UMA VITIMA DO EXTREMISMO

Texto: Jeferson do Nascimento Machado

Este texto, escrito em um momento de consternação, como não poderia deixar de ser, está carregado de emoções (o presente artigo foi elaborado para um compêndio intitulado Brasil Nunca Mais, organizado pela Frente Popular – São João do Triunfo). Tenho ciência disso. No entanto, o emergir da violência no país, que se desdobrou – entre outros tantos crimes políticos – no assassinato de mestre Moa do Katendê (Romualdo Rosário da Costa), aponta para uma necessidade de tomarmos posições frente ao que vem acontecendo, buscando equacionar os acontecimentos, numa perspectiva progressista, e apontar caminhos melhores que estes que os reacionários nos oferecem.

Assim sendo, busquei realizar uma reflexão a partir do crime brutal que vitimou Moa, de modo que possamos compreender a dimensão histórica e social do ocorrido. Para isso, me amparei em uma bibliografia criteriosamente selecionada acerca da capoeira, bem como em fontes variadas, como portais de notícia, fontes orais, jornais e revista (que estarão referenciadas junto com as bibliografias deste compêndio).

O assassinato de Moa repercutiu e continua a repercutir, sendo divulgado nos mais variados portais de notícias, nacionais e internacionais. Sua morte levou muitos capoeiristas, grupos culturais e políticos, bem como grande parte da sociedade civil organizada a realizarem uma série de eventos, atos e protestos contra o crime. Também aconteceram homenagens de vários artistas, como Caetano Veloso e Chico Cezar, que gravaram, cada qual, uma música em homenagem ao Mestre Moa. Roger Waters, ex-integrante da banda inglesa Pink Floyd, fez emocionante discurso sobre ele em show na Bahia. Além do mais, a sua morte levou algumas alas da periferia a se organizarem frente ao que se instala no país. Exemplo disso, está sendo a criação dos Comitês Mestre Moa do Katendê, por todas as periferia do país, iniciado pelo rapper G.O.G (Genival Oliveira Gonçalves). Toda esta rede de ações pragmáticas e discursiva, criadas em volta de Moa, parece apontar que a sua morte, longe de ser algo isolado e distante, está totalmente enraizada ao social, catalisando sentimentos e produzindo ações. A dimensão social do ocorrido ultrapassa o próprio evento – junta-se a outros tantos crimes, de hoje e de ontem, cometidos contra o negro, contra os trabalhadores e todas as minorias em poder – e produz redes de consciências que podem despertar as classes menos favorecidas.

Dito isso, vamos adentrar na biografia deste mestre. Romualdo Rosário da Costa, o Mestre Moa, foi um dos grandes mestres de capoeira e divulgador da nossa cultura popular. Ele nasceu em Salvador (BA) no dia 29 de outubro de 1954 e conheceu suas raízes aos oito anos, aprendendo os primeiros movimentos de capoeira. Com seus 16 anos Moa começou a trabalhar em grupos folclóricos como o “Viva Bahia” e o “Katendê”. Foi uma pessoa essencial para a difusão da cultura afro-brasileira pelo sul do país, sendo responsável pela introdução da dança afro no Rio Grande do Sul.

Em 1985 Mestre Bobó formou Mestre Moa do Katendê, que deste então passou a ensinar a capoeira no Espaço Clube de Regatas Vasco da Gama. Mas ainda antes dele ter sido formado mestre, ele já tinha construído uma grande carreira no campo cultural. Assim foi que no ano de 1977 ele veio a ser campeão do Festival de Canção Ilê Aiyê, primeiro bloco afro do Brasil. E em 1978 a fundar o Afoxé Badauê, que veio a ser campeão do desfile de 1979, na categoria de afoxé. Em sua vida ele foi compositor, dançarino, ogã-percussionista, artesão, educador e capoeirista.
Sobre a capoeira, Moa costumava dizer que ela abriu sua mente “para o entendimento de liberdade, de irmandade, de companheirismo, de respeito ao próximo, de respeito ao mundo, respeito à natureza, principalmente”. Em suma, a capoeira fez ele ter um olhar à esquerda sobre social e sobre a própria natureza. E foi este olhar que fez dele um constante guerreiro na luta contra a opressão, inclusive aquela da Ditadura Militar (1964-1985). Os militares daquela época chegaram a lançar bombas em um de seus ensaios, no Bonfim.

Este atentado contra Moa e seus outros colegas de ensaio, revela a parte de uma perseguição antiga, histórica, da burguesia brasileira sobre o negro, sobre o capoeira, sobre o trabalhador. Porém, mesmo com a perseguição, Moa nunca parou de lutar, prosseguiu engajado nas lutas sociais até o dia 7 de outubro, quando foi violentamente assassinato.

A perseguição a capoeira esteve assentada, ao longo de sua história, na luta de classe. E essa perseguição foi constante, os poderosos não descansaram um só dia no intuito de eliminar a capoeira. E quando notavam que era impossível, tentavam domesticá-la (ainda tentam até hoje). No entanto, ela sobreviveu a escravidão, a Ditadura e continua atuante nas periferias, nos becos, nas vielas e cortiços.

A origem da capoeira é carregada de polêmica, dividindo capoeiristas e intelectuais, que cada qual, a seu modo, busca dar uma versão sobre seu surgimento. Todavia, no âmbito historiográfico, foi Eugênio Soares que deu a melhor versão para o estado embrionário da capoeira. Para ele a capoeira foi uma prática urbana, exercida por escravos (sobretudo os de escravos de ganho) que, no todo, constituíam-se de homens, jovens e da África Centro-Ocidental. Muitos outros intelectuais concordam com Soares de que a capoeira tenha sido criada no Brasil, pelos africanos. Dessa forma, a capoeira é uma prática afro-brasileira, ou seja, ela foi criada no Brasil por africanos escravizados e se desenvolve sob influência de todo o caldo cultural do século XIX e XX.

João da Matta, que é psicanalista e usa da capoeira como ferramenta terapêutica, entende que a capoeira surgiu como resposta contra o colonizador europeu, servindo como instrumento de luta contra a escravidão e a repressão policial. E foi assim que ela veio se construindo ao longo da história, formando laços de companheirismo entre a classe oprimida.

No entanto, mesmo sendo fato que a capoeira foi criada por trabalhadores escravizados, a burguesia sempre buscou chamar ela de uma prática de vadios, desocupados. Se olharmos para os jornais antigos da Bahia, por exemplo, nos depararemos com os ritos de carregar peso – que eram realizados pelos trabalhadores de rua – conviviam com a capoeira, sendo que o cancioneiro da capoeira bebeu nos cantos do trabalhador de rua e estes se utilizava da capoeira em momentos conflituosos ou lúdicos. No geral as fontes revelam que os capoeiras, mesmo depois da escravidão, continuavam a exercer as profissões antigas mostrando certa continuidade de posição, desta forma eles continuaram a viver de ocupações esporádicas e intermitentes: estivadores, carroceiros, peixeiros, engraxates, pedreiros, chapeleiros, etc.

E foi o fato da capoeira ser uma prática cultura da classe trabalhadora que fomentou, desde muito cedo, o engajamento desta prática com as alas mais progressista da sociedade. Afinal, trabalhadores e grupos de trabalhadores, são impelidos pela dinâmica da própria luta de classe, que se assenta no modo de produção capitalista, para organizações que expressem seus anseios e ofereçam chaves interpretativas da realidade, para que assim suas ações se aperfeiçoem.

Assim sendo, aqui damos atenção para os partidos e organizações políticas, na percepção de que elas expressam as classes e frações de classes e que, portanto, também atraem os trabalhadores, bem como os organiza e é organizada por eles. Este engajamento da capoeira a partidos, pode ser encontrado ainda no século XIX, embora naquele momento a consciência dos capoeiristas, assim como da própria elite, estivesse totalmente fora do lugar. Esta deturpação da realidade, nascia pela tentativa da elite em reproduzir o mundo europeu dentro da realidade brasileira, que era totalmente diversa daquela. Esta deturpação da elite afetava a própria ação dos trabalhadores, que naquele momento ainda se encontravam na condição de escravos. Esta deturpação produzia partidos fora do lugar, como o Partido Conservador e Partido Liberal, nos quais muitos capoeiristas se reuniam em maltas, onde lutavam. Os Nagôas, que eram africanos ou descendente vindos da Bahia, ocupavam a Pequena Africa, apelido dado aos arredores da Praça XI, um dos limite do Rio de Janeiro. Eles declaravam apoio a monarquia, que era representado pelo Partido Conservador e identificado com o movimento abolicionista. Os Gaiamuns já eram uma malta que se identificava com os mestiços. Eles ocupavam o centro da cidade e estavam aliados ao Partido Liberal, que tinha identidade com ideais republicanos.

Passado o século XIX, os capoeiristas passaram a se organizar junto alas de maior clareza, e de caráter realmente progressista. E isso já pode ser visto em Mestre Pastinha, que durante toda sua vida, foi próximo dos membro e militantes do Partido Comunista, chegando a ter como amigo pessoal, o comunista Jorge Amado, escritor que dedicou bastante à divulgação da capoeira, a partir da literatura, sobretudo da capoeira Angola. Pastinha chegou mesmo a dar aulas no Centro Operário, o que o aproximou ainda mais dessa ala progressista. Além disso, também foi próximo dos anarquistas, que se expressa em sua aproximação com Roberto Freire, que mais tarde criaria a Somaterapia, que tratava-se da união da psicanálise desenvolvida por Wilhelm Reich, do anarquismo e da capoeira angola.

Em momentos conturbados, como foi o caso da Ditadura Civil-Militar(1964-1985), a capoeira se fez presente na luta e houve constante perseguição aos capoeiristas que se recusaram a seguir as normas impostas. O Grão Mestre Dunga, praticante da Capoeira de Rua, chegou a ser preso por estar tocando berimbau na Praça Sete, em Belo Horizonte. Ele narra que “a capoeira de rua sofreu repressão e perseguição, considerada como atividade subversiva pelo governo militar” e que ele “foi recrutado pelo exército, na década de 70, quando resistia e alimentava, às escondidas, os universitários presos durante as manifestações estudantis”.

Também Mestre Djalmir, em depoimento a Identidade Cultura TV narra a sua experiência durante a época da repressão em São Gonçalo, dizendo que “[…] era uma época forte da repressão da Ditadura, que não queria aceitar o capoeirista […] então fui obrigado a correr muito. Aquela época se você tive jogando a capoeira num determinado lugar, todo mundo nem perto queria passar […] olhava com medo e se por acaso algum militar chegasse, ai a gente tinha que correr […]. Mestre Djalmir chegou a ser preso duas vezes por causa de capoeirista.

Outros capoeiristas, como o Mestre Arraia, considerado precursor da capoeira em Brasília, foi atuante junto aos movimentos contrários a Ditadura Militar. Entre esses capoeiristas que lutaram contra o regime, ainda poderíamos citar o jovem capoeiristas e estudante de direito, Caio Venancio Martins, que foi integrante do Movimento Estudantil da USP e que foi considerado perigoso em documento do DOPS por praticar capoeira, sendo preso e sumido pelos militares. Devemos lembrar que o próprio Carlos Marighela foi capoeiristas, chegando a utilizar da capoeira para resistir a uma prisão.

Além disso, vale notar que o ativismo não se limitou aos sujeitos isolados, mas também se manifestou em grupos e associações de capoeira, como foi o caso da Associação Cultural Corrente Libertadora, que estabeleceu fortes diálogos como movimento sociais, tornando-se ferramenta de intervenção política no período da Ditadura Militar, tendo dado a sua contribuição para a criação do PT (Partidos dos Trabalhadores). Assim sendo, a capoeira criou uma relação histórica com esse partido progressista, tendo fortalecido a relação quando a capoeira foi reconhecida pelo IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, em 20 de novembro de 2008, como Patrimônio Nacional e como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO, em 26 de novembro de 2014.

Outro grupo importante nessa resistência, foi o grupo de mestre Anande das Areias. Este mestre foi para São Paulo após treinar em Itabuna, como o jovem Luís Medicina, a pedido de Mestre Suassuna, que era líder do grupo. Ali se estabeleceu e passou a dar aulas. Suas aulas começaram a chamar atenção, sobretudo dos estudantes universitários. Areias veio a ser preso por essa relação com os universitários da época, que estavam engajado na luta contra a ditadura. Na prisão foi que ele teve contato com os intelectuais de esquerda, os quais transmitiram seus conhecimento. Quando Areias saiu da prisão, ele rompeu com seu antigo mestre e fundou o grupo Capitães d’Areia, que se propunha trabalhar a capoeira enquanto instrumento de libertação para os grupos oprimidos.

Desta forma, podemos dizer que a capoeira, construída na arena da luta de classe, acumulou experiências que foram sendo transmitidas pela tradição oral e pela estética das rodas de capoeira, sendo assim interiorizada pelos capoeiristas, funcionando como esquemas mentais de classificação e ação diante a sociedade com que se defrontam. E foi isso que levou a muitos capoeiristas a terem uma posição clara quanto o Golpe de 2016, vindo a participarem de vários atos contra o Michel Temer e a retirada da então presidenta Dilma Rousseff, que podem ser encontradas nos mais variados portais de notícias.

Em continuidade e coerência com o caráter emancipatório da capoeira, também Mestre Moa do Katendê se posicionou à esquerda, neste momento conturbado da história. Este posicionamento acarretou em sua morte, porém ele morreu enquanto individuo, mas sobrevive enquanto classe emancipadora.

Este crime soma-se a outros, como o feminicídio da vereadora Marielle Franco, que até o momento ainda não foi resolvido; ao atentado a caravana do ex-presidente Lula, aos ataques ao acampamento situados nas proximidades da Policia Federal, local onde se encontra o ex-presidente; além de tantos outros caso de violências. Dessa forma, notamos que o assassinato de Moa se insere num quadro de violência, que vem sendo orquestrado pela ala reacionária da sociedade, que aproveita-se de um momento de crise para encarnar sua ideologia no social, produzindo verdadeira milícias.

Assim sendo, estes acontecimentos expressam parte da luta de classes atual. A esquerda tem escolhido o caminho do pacifismo, da não agressão. Enquanto isso, a extrema direita escolheu o caminho radical. E cada dia ela aumenta o grau de violência, sistematiza e amplia seu poderio sobre as massas.

Visto isso, antes de encerrarmos este texto, voltemos a Itália do dia 16 de maio de 1924, momento em que o deputado Gramsci faz um discurso histórico contra Mussolini. Nessa época Mussolini já estava ocupando o cargo do Conselho de Ministros e resolveu encaminhar ao parlamento italiano o projeto de lei para “disciplinar a atividade das associações e institutos”, ou seja “acabar com os ativismos”. Gramsci, que era deputado, se opôs totalmente ao projeto, desmascarando a lei, demonstrando que era antidemocrática e que o fascismo buscava a implantar uma ditadura naquele país. Mussolini ficou profundamente irritado e rebateu, definindo o fascismo como “revolução”.

Porém, “Gramsci retrucou dizendo que o fascismo não era uma revolução, mas uma ‘simples substituição de um pessoal administrativo por outro. Só é revolução – acentuou – aquela que se baseia em uma nova classe; o fascismo não se baseia em nenhuma classe que já não esteja no poder’. Mussolini voltou à carga, procurando descaracterizar o conteúdo de classe do fascismo e protestando: ‘Grande parte dos capitalistas está contra nós!’. O deputado oposicionista não se perturbou, e observou que o fascismo só entrava em choque agudo com os outros partidos e organizações da burguesia […] porque queria estabelecer o monopólio da representação da classe. A atitude do fascismo com relação aos demais partidos burgueses era simples: “’primeiro lhes quebra as pernas e, depois, faz o acordo com eles em condições de evidente superioridade’. Mussolini não gostou da referência à violência dos fascistas, retrucando que esta violência equivalia a dos comunistas. Gramsci lhe respondeu: ‘A vossa violência é sistemática e é sistematicamente arbitrária, porque vós representais uma minoria destinada a desaparecer’”.

E assim como na Itália daquela época, estamos hoje no Brasil. Algo semelhante ao fascismo surgiu nas nossas terras tropicais e, da mesma forma que lá, cada dia que passa, torna-se mais violenta, sistematiza-se e se instala no âmbito social. O Brasil se encontra em uma grande encruzilhada, que não sabemos para onde vai. Por isso, esperamos que este conjunto de crimes políticos, sirvam de alerta para um perigo que se avizinha, no qual qualquer um de nós pode vir a ser vítima.

Mestre Moa, presente!

 

Texto: Jeferson do Nascimento Machado

email: jeferson075@gmail.com


REFERÊNCIA

AGÊNCIA BRASIL. Em salvador, crianças recebem cartilha sobre momento político atual. Disponível em: <http://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2016-05/em-salvador-criancas-recebem-cartilha-sobre-momento-politico-atual>. Acesso em: 09 ago. 2017.
ANDRADE, Jefferson de; SILVEIRA, Joel. Um jornal assassinado: a última batalha do Correio da Manhã. Rio de Janeiro: José Olympio, 1991. p. 42-44.
Arquidiocese de São Paulo. Brasil Nunca Mais: um relato para a História. 26 ed. São Paulo: Petrópolis, 1991.
BAHIA.BA. Com batucada e capoeira, ato pró-dilma ocorre no rio vermelho. Disponível em: <http://bahia.ba/salvador/com-batucada-e-capoeira-ato-pro-dilma-ocorre-no-rio-vermelho/>. Acesso em: 09 ago. 2017.
BOLIVAR, Simón – “Escritos Políticos”– Vol. 175 do livro de Bolsillo – Alianza Editorial, 1969.
BRASIL. IPHAN. RODA DE CAPOEIRA E OFÍCIO DOS MESTRES DE CAPOEIRA. Dossiê Iphan;12. Brasília/DF: 2014. Disponível em: <http://portal.iphan.gov.br/uploads/publicacao/DossieCapoeiraWeb.pdf>. Acessado EM: 21 mar. 2017.
BRASIL. IPHAN. RODA DE CAPOEIRA E OFÍCIO DOS MESTRES DE CAPOEIRA. Dossiê Iphan;12. Brasília/DF: 2014. Disponível em: <http://portal.iphan.gov.br/uploads/publicacao/DossieCapoeiraWeb.pdf>. Acessado EM: 21 mar. 2017.
BRETON, Philippe & PROULX, Serge. Sociologia da Comunicação. São Paulo: Loyola, 2002.
CALDAS, A. Valentia e linhagem: valores sociais em negociação e mudança entre os capoeiristas. Dissertação (mestrado em ciências sociais), Londrina: UEL, 2012
CAMPOS, H. Capoeira Regional: a escola de Mestre Bimba. 2009. Tese (Doutorado em História) EDUFBA, Salvador, 2009.
CARONE, Edgard. O Movimento Operário no Brasil (1964-1984). São Paulo: Difel, 1984.
CNV. Disponível em: http://cnv.memoriasreveladas.gov.br. Acesso em 17 de Outubro de 2018.
CONGO DE OURO. Conheça o Mestre Moa do Katendê. Diponível em:< http://www.congodeouro.com.br/conheca-o-mestre-moa-do-katende/>. Acesso em: 13 de out. 2018
CPDOC/FGV. Disponível em: https://cpdoc.fgv.br Acesso em 17 de Outubro de 2018.
Cultura Viva. Vida de Moa do Katendê. Disponível em: <https://www.youtub.com/watch?v=IKyQ0sGrhv8>. Acesso em 21 out. 2018.

Cultura Viva. Vida de Moa do Katendê. Disponível em: <https://www.youtub.com/watch?v=IKyQ0sGrhv8>. Acesso em 21 out. 2018.

El PAÌS. Ciência Disponível em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2017/11/28/ciencia/1511838032_059250.html?fbclid=IwAR0fyQh6SRwqCF_VhKs6tQncUoKKLU8TRr5G472xtc5enRUd6ojWp1yWwmE>. Acesso em 24. Out. 2018.
ELÍAS, A. (Org.) Los gobiernos progresistas en debate: Argentina, Brasil, Chile, Venezuela y Uruguay. Buenos Aires: Clacso, 2006.
G1. Chico César faz homenagem a Moa do Katendê, capoeirista morto após dizer que era contra Bolsonaro. Disponível em: < https://g1.globo.com/pb/paraiba/musica/noticia/2018/10/10/chico-cesar-faz-homenagem-a-moa-do-katende-capoeirista-morto-apos-dizer-que-era-contra-bolsonaro.ghtml>. Acesso em: 21 out. 2018.
G1. Quase 2000 mil podem ficar sem bolsa. Disponível em:: <https://g1.globo.com/educacao/noticia/2018/08/02/quase-200-mil-podem-ficar-sem-bolsa-se-orcamento-de-2019-sofrer-corte-diz-conselho-da-capes.ghtml?fbclid=IwAR3IKvnvz8_tpbHTFVQ-kyuMLqEYsSz9McjEgbKho9aSLfaSZCKDPNUhFm4>. Acesso em 24 out. 2018
G1. Caruaru realiza manifestação contra impeachment de Dilma Rousseff. Disponível em: <http://g1.globo.com/pe/caruaru-regiao/noticia/2016/04/caruaru-realiza-manifestacao-contra-impeachment-de-dilma-rousseff.html>. Acesso em: 09 ago. 2017.
G1. No acre, ato pró-governo tem hip hop, capoeira e quadrilha junina. Disponível em: <http://g1.globo.com/ac/acre/noticia/2016/03/no-acre-ato-pro-governo-tem-hip-hop-capoeira-e-quadrilha-junina.html>. Acesso em: 09 ago. 2017.
G1. Protesto pró-Dilma tem atividades culturais no centro de Maceió. Disponível em: <http://g1.globo.com/al/alagoas/noticia/2016/03/protesto-pro-dilma-tem-atividades-culturais-no-centro-de-maceio.html>. Acesso em: 09 ago. 2017.
GALBRAITH, John Kenneth. A era da incerteza. São Paulo: Pioneira, 1998.
GIOVANNINI, Giovanni. Evolução na Comunicação: do sílex ao silício. Rio de Janeiro: Nova fronteira, 1987.
GRAMSCI, Antonio. Caderno 13. (1932-1934) Breves notas sobre a política de Maquiavel In Cadernos do Cárcere. Volume 3 Rio de Janeiro: Civilização Brasileira 2003 p. 11-109.
IDENTIDADE CULTURA TB. A capoeira e a repressão. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=MGUiCN-wJ7A>. Acesso em: 14 out. 2018.
JURUCÊ, Rodrigo. O partido político para Antonio Gramsci: o papel histórico dos intelectuais e dos aparelhos de hegemonia. Curitiba: PCB, sem data.
MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Estudos Históricos, Rio de janeiro, n 34, julhodezembro de 2004.
MUTTI, A. e SEGATTI, P. A burguesia de Estado. Estrutura e funções da empresa pública. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.
NATURE. Brazil’s presidential election could savage its Science. Disponível em: <https://www.nature.com/articles/d41586-018-06917-w?fbclid=IwAR04UU4M6f10S_1sog7pmGfoWeTCaSwNjhqdwmkr53DfrFLeAyMNFP05H1k>. Acesso em 24 out. 2018.
NOBLAT, Ricardo. A arte de fazer um jornal diário. São Paulo: Contexto, 2002.
ORLANDI, Eni P. Terra à vista! Discurso do confronto: velho e novo mundo. São Paulo: Cortez, 1990.
OVER MUNDO. Desafios de um capoeirista. Disponível em: <http://www.overmundo.com.br/overblog/desafios-de-um-capoeirista>. Acesso em: 09 ago. 2017.
PAIVA, IP. Mudanças materiais e simbólicas no campo capoeirístico. Rio Grande do Norte: UFRG, 2007.
PELBERT, Peter Pál. Necropolítica Tropical, Fragmentos de um pesadelo em curso. Ed. n-1 edições, série pandemia. São Paulo, 2018.
PESAVENTO, Sandra Jatahy. História & História Cultural. 2º Ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.
PIRES, A L C S. A capoeira na Bahia de Todos os Santos: um estudo sobre cultura e classes trabalhadoras (1890 – 1937). [Palmas]: NEAB, 2004.
PIRES, Antonio Liberac Cardoso Simões. A capoeira no jogo das cores: criminalidade, cultura e racismo na cidade do Rio de Janeiro (1890-1937). 1996. 231f. Dissertação (mestrado) – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP. Disponível em: <http://libdigi.unicamp.br/document/?code=000133744>. Acesso em: 21 mar. 2017.
RÁDIO CULTURA. Manifestantes protestam contra o impeachment de Dilma e a favor de lula. Disponível em: <http://www.radioculturafoz.com.br/manifestantes-protetsam-contra-o-impeachment-de-dilma-e-a-favor-de-lula/#.wyu0nlwgpiu>. Acesso em: 09 ago. 2017.
REDE BRASIL ATUAL. Brasileiros no exterior lançam vídeo colaborativo em defesa da democracia. Disponível em: <http://www.redebrasilatual.com.br/mundo/2016/05/brasileiros-no-exterior-lancam-video-em-defesa-da-democracia-7166.html>. Acesso em: 09 ago. 2017.
REIS, Daniel Aarão. Luis Carlos Prestes: Um revolucionário entre dois mundos. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.
Revista Fórum. Caetano canta para Mestre Moa, morto pelos “discursos entoados de tortura, de terror”. Disponível em: < https://www.revistaforum.com.br/caetano-canta-para-mestre-moa-morto-pelos-discursos-entoados-de-tortura-de-terror/>. Acesso em: 21 out. 2018.
SBPCNET. CNPq e FINEP alertam para dificuldade por cortes no orçamento, Disponível em: http://portal.sbpcnet.org.br/noticias/cnpq-e-finep-alertam-para-dificuldades-por-cortes-no-orcamento-de-2019/>. Acesso em 24 out.2018.
SENADO. Corte de orçamento de ciência e tecnologia podem inviabilizar pesquisas. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/CIENCIA-E-TECNOLOGIA/546380-CORTES-NO-ORCAMENTO-DE-CIENCIA-E-TECNOLOGIA-PODEM-INVIABILIZAR-PESQUISAS.html?fbclid=IwAR3L9XqPnV2JQMB7dQKDLkKji19j2_xNaUx60l-Og2bNbvuG2c8S69J1x6s>. Acesso em 24 out. 2018.
SENADO. Cortes de verbas para ciência e tecnologia prejudica o país. Disponível em: <https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2018/06/12/corte-de-verbas-para-ciencia-tecnologia-e-inovacao-prejudica-o-pais-afirmam-debatedores?fbclid=IwAR0s6bg_Cqmi3OYCYw-XtIaP53gwwBaTkDiIfZgtm03oEzMe5TgtMgiKwN4>. Acesso em 24. Out. 2018
SERGIPE, M. O Poder da Capoeira. Curitiba: Imprensa oficial, 2006.
SOARES, C. E. L. A capoeira escrava e outras tradições rebeldes no Rio de Janeiro (1808-1850). 2001. Tese (Doutorado em História). EDUNICAMP, Campinas, 2001.
THEGUARDIAN. Brazilian women kick back against Temer presidency with capoeira. Disponível em: <https://www.theguardian.com/global-development/2016/nov/08/brazilian-women-kick-back-against-michel-temer-presidency-with-capoeira-protest>. Acesso em: 09 ago. 2017.
THOMPSON, John. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. Petrópolis: Vozes, 1998.
UFRGS. China e o pais que produz mais artigos científicos no mundo Brasil. Disponível em: https://www.ufrgs.br/blogdabc/china-e-o-pais-que-produz-mais-artigos-cientificos-no-mundo-brasil-e-o-12o/?fbclid=IwAR2BEPxf2DcubSzg_jhmDh28dWBD2R6rsOQmYJ1143z8TDxTxIn8YlQgW84> Acesso em 24 out. 2018.
UOL. Da capoeira ao samba, atos por democracia reúnem artistas na BA. Disponível em: <https://mais.uol.com.br/view/1575mnadmj5c/da-capoeira-ao-samba-atos-por-democracia-reunem-artistas-na-ba-e-no-rs-0402cc9a3370c0c15326?types=v&>. Acesso em: 09 ago. 2017.
VERMELHO. Conheça os personagens que lutam pela democracia no Anhangabaú. Disponível em: <http://vermelho.org.br/noticia/279459-1>. Acesso em: 09 ago. 2017.
ZERO, Marcelo. Para Entender a Venezuela. 2017. Disponível em: <http://brasildebate.com.br/wp-content/uploads/Para-Entender-a-Venezuela.pdf>. Acesso em: 10 ago. 2017.

O ABC da Capoeira Angola – Os Manuscritos de Mestre Noronha

O ABC da Capoeira Angola – Os Manuscritos de Mestre Noronha

 

Um documento histórico de grande valor… Uma versão atualizada e completa com 120 páginas !!!

 

Preparamos uma nova versão, completa e atualizada, a versão que estava largamente disponibilizada em PDF na rede, do Livro: “O ABC DA CAPOEIRA ANGOLA – OS MANUSCRITOS DE MESTRE NORONHA“, continha apenas 18 paginas. Esta versão do livro nos foi enviado há cerca de 10 anos pelo incansável Mestre Decanio (em memória), uma das mais fantásticas figuras da Capoeira que defende a democratização da informação… para o mestre, boa informação é aquela que é transmitida…

 

O Livro originalmente foi enviado ao Mestre Decanio pelo escritor, historiador e pesquisador Fred Abreu que conseguiu publicar os manuscritos de Noronha, com o apoio do Governo do Distrito Federal, Programa Nacional de Capoeira/Projeto Capoeira Arte e Oficio, DEFER e CIDOCA/DF

 

Mais uma excelente novidade para toda a comunidade capoeirística!!!

 

o-abc-da-capoeira-angola-manuscritos-de-mestre-noronha

 

Fica a dica de uma ótima e importante leitura, aproveite!!!

 

Agradecimentos especias:

Fred Abreu, Angelo Augusto Decanio Filho, Bruno “Teimosia” e A Família de Daniel Coutinho o Mestre Noronha, que autorizou esta publicação.

 

Programa Nacional de Capoeira/Projeto Capoeira Arte e Oficio – DEFER – CIDOCA/DF

“É um documento emocionante por que demonstra a sede que nosso povo tem manter e propagar a tradição provando que têm consciência de um povo sem tradição é uma arvore sem raiz… qualquer abalo destrói… como venho dizendo há anos…”

Desejando muita saúde, felicidade e  axé!
Decanio

 

 

Visite a seção de “DOWNLOADS DA CAPOEIRA” e confira as novidades

Anatomia de um prêmio em 12 facadas

por Mauricio Acuna

Misteriosamente, o Badauê surgiu
Moa do Katendê

 

1. Hoje ganhei um prêmio: Menção Honrosa de melhor tese em Ciências Humanas da USP. Reconhecimento de excelência em pesquisa em uma das melhores universidades do mundo;

Anatomia de um prêmio em 12 facadas Capoeira Notícias - Atualidades Portal Capoeira 1

2. Trabalho escrito por mãos que aprenderam a escrever na escola pública em São Bernardo do Campo, e que apertaram muitas outras mãos sonhadoras em cursinhos populares pré-vestibular. Trabalho estimulado por mãe, irmã, companheira, sobrinha, amigas: muitas mulheres. Trabalho nutrido por mestres de capoeira e suas criações infinitas com os corpos e os instrumentos: muitas artes afro-brasileiras. Trabalho que ganhou a cara de uma das melhores e mais conservadoras universidades públicas do Brasil, mas com as marcas da diferença e dos diferentes que, cada vez mais, participam das aulas com a cabeça erguida pelo direito conquistado;

3. A tese que ganhou esta menção honrosa conta a história de um dos grandes mestres de capoeira nascido no Brasil e mundialmente reconhecido: Vicente Ferreira Pastinha, Mestre Pastinha. Também conta a história de seus saberes subalternizados e racializados. Conhecimento marginal das letras e das gingas. Briga antiga da cidade letrada e das quebradas gingadas;

4. Foi sem o reconhecimento acadêmico, e com muito pouco apoio do Estado em suas várias instâncias, que centenas de mestres contribuíram ao longo de muitas décadas, para a transformação da capoeira em Patrimônio Mundial da Humanidade em 2014, reconhecida pela Unesco;

5. Moa do Katendê, um desses mestres, foi brutalmente assassinado domingo, 7 de outubro de 2018, como efeito trágico da nossa democracia envenenada;

6. “Oi sim, sim, sim, Oi não, não, não

7. Assim ensinam os capoeiras em uma de suas mais famosas canções. Mas não se enganem, o verso é uma pequena, mas poderosa fórmula na “pedagoginga” – como ensina Allan da Rosa. Cantar esses versos inspira a diplomacia da ginga, a capacidade de se mover entre os contrários, de não se reduzir aos opostos;

8. Como uma forma de democracia, a capoeira hoje é a arte do discordar sem exterminar. Mas não se parece com a nossa democracia de milícias afiadas;

9. Em 2004, Gilberto Gil, o sábio Ministro da Cultura, propôs na ONU, a capoeira como uma “tecnologia social” para a paz. Eis que, mais de uma década depois, ela é ensinada em campos de refugiados noCaribe, África e Oriente, participando, significativamente, junto ao problemas globais das migrações e das catástrofes causadas pelas mudanças climáticas;

10. Como filho de exilados políticos da ditadura assassina no Chile, eu me pergunto se nós, brasileiros, aprenderemos algum dia novamente com os mestres, como se constrói democracia e participação?

11. Que toquem os berimbaus e atabaques, entre terra e céu para Mestre Moa do Katendê. Quem sabe ele joga com Mestre Pastinha, e é assistido por Marielle: “oi, sim, sim, sim…oi, não, não, não”.

12. Democracia sim, cultura sim, liberdade sim….milicianos não, tortura não, extermínio não.

 

12 de outubro de 2018. Dia de Oxum e de Nossa Senhora Aparecida.

Mestre Moa do Katendê

Veja Também: Tese de Doutorado

DOI: 10.11606/T.8.2018.tde-18042018-100742

Militância

Um debate político como o que acontece no Brasil neste momento, e não somente lá, se torna problemático quando cada campo oposto pensa em ter o domínio da verdade, enquanto o debate político – e as propostas expressadas nela – sempre trata de opiniões; de interpretações da realidade e perspectivas sobre como agir nessa realidade. Mas, quando as opiniões são vendidas como verdades, isso leva às posições absolutas e radicais, e suas consequências: aonde uma pessoa de 63 anos é apunhalada 12 vezes nas costas por uma pessoa de 35 anos, por causa de uma posição política que é diferente – como lamentavelmente aconteceu esta segunda-feira com o saudoso mestre Moa do Katendê. Pessoas da mesma cor, da mesma classe social, do mesmo bairro. Influenciada pelos discursos de ódio, sem levar em conta o absurdo que está fazendo, e a destruição e perda para a comunidade que foi feito com um só ato.

Quer dizer que tudo é relativo e por nada, porque ninguém está certo? Claro que não. São debates entre ideias; ideologias como o país tem que ser governado, como pessoas querem viver, o que é justo, o que é o bem, e o que não é. Mas ideias e ideologias são exatamente isto: opiniões. Opiniões que podem estar mais certos ou menos certos, de acordo com a realidade – da qual a constituição e as politicas implementadas anteriormente fazem parte – e os ‘fatos’.

Por isso a gente vê aquele bombardeamento continuo nas redes sociais e mídia – de um campo contra ou outro – com os ‘fatos’: para mostrar que a ideia deles é melhor que a dos outros. Porque, uma boa ideia ou ideologia é fundado nos fatos e realidade, ou dizemos, verdades concretas: a taxa de alfabetização, a porcentagem da pobreza, o salario mínimo de um trabalhador, o lucro de uma empresa, o numero de pessoas baleadas por ano, etc. Fatos que ainda podem ser manipuladas, como o Mark Twain nos ensinou[1], e como todos que trabalham com estatística, sabem: basta adaptar os parâmetros. Igualmente as leis podem ser mudadas; temos um parlamento para isto. Então, o que é verdade mesmo?

Vamos começar com a morte de um musico e mestre de capoeira. Aí, não há mais como escapar: é uma verdade para todos e todas, sem exclusão – não há quem não reconheça a morte aqui na terra. Então se uma verdade é verdade mesma, ela é para todos, sem exclusão. Uma verdade é então universal, e por ser universal, inclusiva. Então uma politica ‘de verdade’ só pode ser inclusiva.

 

Numa outra colunaeu já falei sobre o que é considerado ‘politico’ pelos vários pensadores políticos de hoje: é uma situação de desacordo, onde um elemento entra na situação estabelecida de onde sempre estava excluído, mesmo pertencendo à situação. (Como por exemplo podemos ver com pessoas ilegais, que estão num país, mais não ‘existem’ lá.) No momento que esse elemento aparece e exige ser incluído, ele mexe com a nossa percepção da realidade e – quando reconhecemos a sua verdade de exclusão – causa uma ruptura na situação, uma transformação – porque enquanto reconhecido, não podemos mais excluir. Uma verdade mostra sempre uma forma de exclusão existente, e exige de terminar isso.

 

Traduzida à sociedade Brasileira, vemos a exclusão dos LGBT; das mulheres como cidadãsiguais ao invés de objetos de desejo e mães de família; dos pobres e marginais; das descendentes de africanos e indígenas. Elementos da sociedade Brasileira que sempre foram excluídos e para que vários sujeitos políticos (indivíduos e movimentos) entraram numa luta de inclusão nas última(s) década(s). A reação reacionária que viemos hoje mostra que esse processo de inclusão não é automático, nem determinado; a gente pode simplesmente continuar negando esses elementos – podemos negar verdades. Por isto é um processo político – a gente tem a escolha. Seguindo Alain Badiou[2], há 3 maneiras de não-atuar e não dar consequência as verdades surgidas:

O primeiro chama-se simulacro– que é dar consequência numa verdade falsa. Uma verdade falsa parece uma verdade em todos os sentidos, mas em vez de promover a universalidade, ela organize uma mudança da situação baseada em particularidades; a promoção indefinitivamente de um conjunto específico – ‘os trabalhadores honestos’, ‘as verdadeiras Brasileiras’, ‘as famílias’ – sem dar meios ou voz para aqueles que vivem ao redor disso. É uma verdade exclusiva que, como nós vimos antes, é contraditória. E então uma verdade falsa, que só leva à guerra e ao massacre.

Segundo é a traição– a negação de uma verdade por causa de interesse próprio. Porque o aparecer – o evento – de um elemento excluído sempre causa uma crise na sociedade e na pessoa. Porque aqueles que reconhecem essa verdade têm que dar consequência à ela também – a verdade exige. O máxime para quem dá consequência a verdade é ‘Continuamos!’ (Como se escuta agora muito depois da morte de mestre Moa), mas a opinião sempre está conosco, sussurrando que a minha fidelidade à verdade pode estar errada, que talvez eu esteja fazendo um terror sobre mim mesmo, e que parece que estou causando a confusão que queria evitar, etc. Não é simplesmente uma renuncia de uma verdade (porque uma verdade não dá para ser renunciada), mas um convencimento de mim mesmo que não sou capaz de me tornar um militante, um sujeito diferente, de mudar. No fim então, é a traição de mim mesmo como sujeito político.

O último se chama odesastre– que é a crença que o poder de uma verdade é total e absoluto. Mas verdades só existem dentro do ambiente das opiniões – a gente se comunica, têm opiniões. Não há outra historia que a nossa, não há um mundo ‘verdadeiro’ a chegar. Nosso mundo é – e sempre será – feito do verdadeiro e do falso, do bem e do mal. O bem só é o bem enquanto ele não pretende mudar o mundo pelo bem (e assim arrancar o mal). Todo absolutismo de poder de uma verdade organiza um mal. Um mal que não só é destrutivo para a situação, mas também interrompe o processo da verdade em qual nome ele continua, porque não preserva a dualidade do sujeito. Por isto chamamos um desastre de verdade, causado pela crença no absolutismo de poder dela. Porque uma verdade não pode – nem consegue – mudar todos elementos duma situação; sempre há de ter elementos que restam inacessível por ela, e que reste a pertencer à opinião.

 

Essas três maneiras de agir ou não-agir numa verdade aparecida, Badiou chama o ‘mal’. Porque é a agencia do sujeito que é mal, não porque é induzido pela bíblia ou uma concepção abstrata do bem, mas simplesmente pelo ‘não agir’, ou agir numa concepção errada da realidade.

O que é o bem então? Se a gente pensa que a verdade é importante, que não queremos viver sem ela, que não queremos ser falsos, aí podemos colocar ‘uma verdade’ como tal. Não porque uma verdade é ‘o bem’, mas porque ela dá direção, como ‘o bem’. Uma verdade que é então inclusiva, universal. Reconhecer, seguir e estabelecer as consequências de uma tal verdade, sem cair numa das três formas do ‘mal’, podemos então chamar um agir ‘bom’. E isso é o trabalho de um militante.

Hoje em dia, a palavra ‘militante’ é rapidamente relacionada à violência, extremismo e até terrorismo. Também porque no Latino (de onde vem) quer dizer ‘servir como soldado’. Mas  como a luta não trata só de violência física, o militante também é aquele que ‘está lutando ativamente nas lutas ideológicas’[3]. Um militante é então aquele que luta pelos seus ideais, que são ideias políticos que concernem não só há ele ou ela. Militante luta para uma verdade que reconheceu e em que quer dar consequência – estabelecer uma nova situação. Não necessariamente com violência; Gandhi e King também são reconhecidos como militantes.

 

A capoeira foi usada como arma politica em vários instantes de historia, mas como também expliquei na mesma coluna, a capoeira é politica em si mesma também, e representa uma politica universal: porque na base não excluía ninguém, especialmente as pessoas nas margens de nossa sociedade. Então, um capoeirista só pode ser um militante dessa verdade, que é uma politica da universalidade, da inclusão, da igualdade. Toda outra posição de um dito capoeirista leva a seguir um simulacro, uma traição, ou um desastre – formas do mal.

Mestre Moa do Katendê, em o pouco tempo que conheci, era um militante de uma ideia inclusiva e não-violenta – os testemunhos se acha em Salvador, em São Paulo, Recife, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, e pelo mundo fora do Brasil. Mas mestre Moa agora se foi, assassinado por uma verdade falsa, uma ideia exclusiva, um discurso de ódio. Agora cabe a nós, mostrar que somos capoeira mesmo, que não só levantamos pernas e batemos palma, mas que representamos uma verdade inclusiva, universal. E que lutamos pelas nossas ideias; que somos militantes. E aí declaro: eu sou capoeira. E tu?

 

 

Militância Capoeira Portal Capoeira

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

(A imagem é parte de um fresco de uma escultura de Paul Day, chamada “The Meeting Place”, et encontra-se no St. Pancras Station em Londres.)

[1]“Há três formas de mentira: mentiras, malditas mentiras, e estatísticas” – Twain, M. (1906) ‘Chapters from My Autobiography’, North American Review.

[2]O seguindo argumento é uma interpretação e curta abreviação minha do trabalho de filosofo francês Alain Badiou. Badiou, A. (1995) Ética: um ensaio sobre a consciência do Mal, Rio de Janeiro, Relume-Dumará.

[3]Dicionário Larousse. Badiou trata a ideia do militante mais profundamente no: Badiou, A. (2009) São Paulo: a fundação do universalismo. São Paulo, Boitempo.

Mestre Moa do Katendê: O triste e covarde fim de um capoeira.

Mestre Moa do Katendê: O triste e covarde fim de um capoeira.

Mestre Moa do Katendê, um dos maiores mestres da nossa cultura popular, foi covardemente assassinado por sua postura antifascista.

Esfaqueado pelas costas, numa discussão política, Romualdo Rosário da Costa, 63 anos, mais conhecido como Mestre Moa, que sempre esteve a frente do seu tempo, nos deixa em um momento social e político extremamente delicado. O crime ocorreu por volta da meia-noite, na comunidade do Dique Pequeno, no Engenho Velho de Brotas.

Um pouco de cada capoeirista morre esfaqueado hoje! Mas não morrem as ideias de Mestre Moa, representante da cultura negra e da postura política necessária.

História

Mestre Moa do Katendê nasceu em Salvador, em 29 de outubro de 1954, no Bairro Dick do Tororó, Vasco da Gama, próximo ao Estádio Fonte Nova. Teve o privilégio de vir ao mundo, justamente, na terra que também é berço de grandes mestres da capoeira, tais como; Mestre Pastinha, Mestre Bimba, Mestre Gato, Mestre Canjiquinha, Mestre Valdemar e tantos outros. Mestre Moa foi aluno diplomado pelo mestre Bobó. Iniciou-se na arte da capoeira aos 8 oito anos de idade na Academia Capoeira Angola 5 estrelas.

Entretanto, às vezes, é necessário a um mestre, sair de sua terra, deixar as sementes de suas origens, para plantá-las em outras terras. Misteriosos: assim são os caminhos da vida. No momento não compreendemos porque uma coisa tem que ser de um jeito e não de outro, mas depois, com o decorrer do tempo, tudo se torna claro como as cristalinas águas que se abrem em véus ao cair das cachoeiras, no meio das matas.

Isso também aconteceu com o capoeirista baiano, como conta o site Angola Angoleiro Sim Sinhô:

“Aos 16 anos Môa do Katendê se afastou da capoeira angola e desenvolveu diversos trabalhos em grupos folclóricos, como o “Viva Bahia” e o “Katendê”. O desejo de disseminar seu trabalho com a cultura afro brasileira o levou a viajar para o Sul do país. Em 1984 foi para o Rio de Janeiro onde começou a ensinar a capoeira angola para não parar de treinar. De lá viajou para Porto Alegre e ajudou a implantar a dança afro no Rio Grande do Sul, até então desconhecida”.

Cumprida essa missão, Moa retornou à Bahia para dar continuidade aos trabalhos em sua terra natal.

Mestre Moa do Katendê: O triste e covarde fim de um capoeira. Capoeira Portal Capoeira 1

Desde que foi chamado pelas forças astrais superiores para defender para defender os valores e a cultura de seu povo, Mestre Moa tem se esforçado por ser um facho que brilha sobre o mundo das culturas, cujo berço tem origem na Mãe África. Imbuído dessa missão, Mestre Moa seguia pelo Brasil e pelo mundo desenvolvendo palestras, workshops e cursos no Brasil e no exterior, nos quais mostrava as riquezas da cultura afro-brasileira.

Mestre Moa do Katendê: “A capoeira me ensinou tudo isso e um pouco mais”

Capoeira é tudo que move para mim. É uma cultura rica, uma cultura dos ancestrais que eu procuro, sempre que posso, cultuar, zelar, transmitir conhecimentos. Na verdade, o conhecimento foi dado pelo meu mestre, daí eu sigo pelo mundo, sempre que posso, divulgando.

 

leia também:

CAPOEIRA E POLÍTICA: De Que Lado Você Está?

 

 

Mestre Pastinha – Revista Placar Dezembro 1979

Mestre Pastinha – Revista Placar Dezembro 1979

Revista Placar 505 – 28 Dezembro 1979

Se liga capoeira!!! Fica a reflexão…

Obrigado ao nosso colaborador Teimosia pelo importante registro.

Fonte: Arquivo Teimosia

Conexão China – A capoeira encontra o kung fu

Conexão China – A capoeira encontra o kung fu

Em evento para convidados a celebrar o mês em quem o Brasil comemora sua Independência, a embaixada brasileira em Pequim apresentou nesta semana o curta-metragem “Capoeira encontra a arte marcial chinesa”.

O documentário é coproduzido pela Embaixada do Brasil e Flow Creative Content, em parceria com a Unesco, com apoio da gigante chinesa Tencent, está em fase final de tradução para a língua portuguesa.

O vídeo, que impressiona pela união de duas culturas aparentemente distantes, mostra o encontro dos mestres de capoeira brasileiros com mestres das artes marciais chinesas em Pequim e Hangzhou.

Ao explorar as diferenças e semelhanças entre suas artes, esses mestres discutem como as culturas tradicionais podem prosperar na sociedade moderna e ainda ajudar as pessoas a se relacionar com os outros e compreender a nós mesmos.

Conexão China – A capoeira encontra o kung fu Capoeira Portal Capoeira

Embaixada brasileira em Pequim apresentou em pré-estreia documentário de curta-metragem mostrando o encontro de capoeiristas e lutadores de kung fu. EMBAIXADA DO BRASIL, DIVULGAÇÃO

A produção faz parte da criação de uma Biblioteca Digital Aberta, projeto global lançado em 2015 pela Unesco, com o apoio financeiro e técnico suporte de Tencent. A idéia é promover o conhecimento inclusivo entre sociedades, criando uma rede internacional de esportes e jogos tradicionais, e salvaguardar e promover o patrimônio cultural imaterial por meio de Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs).

 

Fonte:

Jornal do Comércio: https://www.jornaldocomercio.com/