Brasília sedia encontro de mulheres capoeiristas
25 Jul 2015

Brasília sedia encontro de mulheres capoeiristas

  Debater a regulamentação da capoeira, a representação feminina e os impedimentos à cidadania plena da mulher dentro e fora dessa arte. Esses

25 Jul 2015
 
Debater a regulamentação da capoeira, a representação feminina e os impedimentos à cidadania plena da mulher dentro e fora dessa arte. Esses são os principais objetivos de roda de conversa que será realizada neste domingo (26), em Brasília, a partir das 10h, durante o quinto Encontro de Mulheres Capoeiristas.
 
Com apoio do Ministério da Cultura (MinC), o evento é promovido pelo Grupo Nzinga de Capoeira Angola e pelo Festival da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha, o Latinidades.
 
Participarão do debate mestras e contramestras de capoeira, além de professoras que se destacam dentro desse universo historicamente masculino e machista. Também estarão presentes representantes da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do MinC, da Fundação Cultural Palmares e do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), entre outros.
 
Um dos temas abordados na roda de conversa será a lei 9696/1998. A legislação criou o Conselho Federal de Educação Física (Confef), regulamentou a profissão de educador físico e determinou que todas as atividades físicas e esportivas devam ser orientadas por profissionais de educação física.  
 
Segundo o presidente do Confef, Jorge Steinhilber, a exigência não é mantida para a capoeira em seu viés “artístico e cultural, como em casos de apresentações em teatros ou em realizações coreográficas”, mas é válida para a capoeira realizada para fins esportivos e de condicionamento físico.  
 
“A educação física não quer dominar a capoeira”, brinca o presidente. “E a exigência não se deve por conta de reserva de mercado, mas por conta de defesa do praticante. A lei 9696 foi aprovada para proteger a sociedade, para que todas as pessoas sejam atendidas por pessoas que tenham qualificação técnica, científica, pedagógica, didática e ética profissional”, explica.  
 
A capoeirista Rosângela Costa Araújo, mais conhecida como mestra Janja, no entanto, explica que a comunidade capoeirista rejeita essa posição. “A primeira vista, um projeto que trata da regulamentação da capoeira pode parecer uma coisa boa, mas precisamos ficar atentos, ler as entrelinhas, entender a quem realmente ela favorece”, diz. “Não queremos institucionalizar o atleta profissional da capoeira como um jogador de futebol. A capoeira vai mais além. A comunidade tem uma proposta que reconhece o aspecto educacional e formativo, que cria parcerias com as escolas e permite a autonomia dos grupos”, explica. 
 
O diretor da Cidadania e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura (SCDC/ MinC), Alexandre Santini, também participará do debate. Ele defende a formação tradicional do capoeirista. “Há várias opiniões até conflitantes a esse respeito. O que defendemos é o reconhecimento do capoeirista tradicional, que haja uma formação tradicional, com estudo do saber transmitido pela oralidade, pela prática da capoeira. Quem reconhece o mestre é o outro mestre”, afirma. 
 

Patrimônio da Humanidade

 
Uma das manifestações culturais mais conhecidas no Brasil e reconhecidas no mundo, a Roda de Capoeira recebeu, em 2014, da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), o título de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. 
 
Originada no século XVII, em pleno período escravagista, a capoeira desenvolveu-se como forma de sociabilidade e solidariedade entre os africanos escravizados e como estratégia para lidarem com o controle e a violência. Hoje, é um dos maiores símbolos da identidade brasileira e está presente em todo território nacional, além de ter praticantes em mais de 160 países, em todos os continentes. 
 
A Roda de Capoeira e o Ofício dos Mestres de Capoeira tiveram o reconhecimento do Iphan como Patrimônio Cultural Brasileiro em 2008 e estão inscritos, respectivamente, no Livro de Registro das Formas de Expressão e no Livro de Registro dos Saberes.
 
Cecilia Coelho
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura
http://www.cultura.gov.br/
 
 
Matéria sugerida por Nélia Azevedo
www.neliazevedo.com
Leave a comment
Mais Artigos
comentários
Comentário

eleven − one =