Entrevista Contra Mestre Janja
14 Fev 2005

Entrevista Contra Mestre Janja

Contra Mestre Janja, Grupo Nzinga de Capoeira Angola.   “A gente precisava contrariar essa lógica (que via a capoeira como esporte ou

14 Fev 2005
Contra Mestre Janja,
Grupo Nzinga de Capoeira Angola.
 
“A gente precisava contrariar essa lógica (que via a capoeira como esporte ou folclore). Isso foi feito através desse princípio: situar a capoeira dentro do legado da cultura dos povos bantos no Brasil. A partir daí, nos dedicamos a essa dupla militância: dar visibilidade ao pensamento e resistência do Mestre Pastinha e denunciar a hegemonia iorubá.”
Janja iniciou-se no Grupo de Capoeira Angola Pelourinho (GCAP) a princípios da década de 1980. Herdeiro de Mestre Pastinha, o GCAP funcionou como o principal elementro revigorador desta arte banto, em um momento em que a capoeira começava a homogenizar-se e perder suas africanidades. No GCAP, Janja fez-se Contra Mestre. Hoje ela é presidenta do Instituto Nzinga de Estudos da Capoeira Angola e de Tradições Educativas Banto no Brasil (INCAB) e também mestra em educação pela USP, onde atualmente realiza seu doutorado.
 
 
"Se você pensar a geração de Mestre João Grande, de Mestre João Pequeno, de Mestre Curió, eles não tiveram acesso às formas oficiais de educação, e nosso país não tem uma tradição sobre a importância destes memoriais vivos, não o valorizou ao ponto dele permanecer no Brasil, ele (Mestre João Grande) tá nos EUA e hoje vive uma outra realidade, inclusive do ponto de vista da auto-estima, da dignidade dele. A diferença da minha geração de capoeira é que nós, não tínhamos acesso, poderíamos ter acesso: quando começamos no GCAP, eu e Paulinha éramos as duas únicas que estávamos na universidade e éramos as mulheres chegando e o grupo percebeu um diferencial: a presença da mulher falando e atuando enquanto capoeirista. E quando nós iniciamos a “cruzada contra a ignorância”, tínhamos a compreensão que muito da juventude, falo especificamente do povo negro, porque era essa a parcela com a qual nós trabalhávamos na Bahia."
 
 
 
{mos_sb_discuss:18}
Leave a comment
Mais Artigos
comentários
Comentário

5 × 3 =