Voluntário ensina capoeira para alunos com necessidades especiais
02 Jul 2009

Voluntário ensina capoeira para alunos com necessidades especiais

Atividade acontece desde abril na UMEE Princesa Isabel e já mostra resultados positivos entre os estudantes Em abril deste ano, o monitor

02 Jul 2009

Atividade acontece desde abril na UMEE Princesa Isabel e já mostra resultados positivos entre os estudantes

Em abril deste ano, o monitor de transporte escolar, David Cícero Rosa Francisco, ou contramestre Liminha, como é conhecido entre os capoeiristas, levou seus alunos do Centro Cultural de Capoeira Nova Era para uma apresentação na Unidade Municipal de Educação Especial Princesa Isabel. A platéia era formada por alunos com necessidades especiais que se encantaram com a performance dos capoeiristas e até ensaiaram alguns passos.

A apresentação foi emocionante e marcou a vida do contramestre Liminha, que decidiu dar aulas para aqueles alunos especiais. A ideia foi bem-recebida pelo diretor da escola, Heraldo Vicente, que logo combinou horários e avisou aos professores do início da atividade. “Após dois meses de aulas, já sentimos uma mudança nos alunos e recebemos elogios dos pais”, destacou o diretor.
 
Dois dias da semana, às terças-feiras pela manhã e às quintas-feiras à tarde, o contramestre Liminha dá aulas para todos os alunos da escola. Com necessidades educacionais diversas e superando os próprios limites, os estudantes de 7 a 17 anos envolvem-se no jogo de capoeira. Cantam, tocam pandeiro, aplaudem os colegas, fazem movimentos e se divertem com os passos do professor. As professoras da escola acompanham as aulas e incentivam a participação dos estudantes.
 
Esbanjando simpatia e alegria, o contramestre Liminha conduz sua aula sem se importar com os limites de cada aluno. “Adaptei os movimentos da capoeira para que todos pudessem participar, de acordo com suas capacidades. Fico à vontade aqui e para mim é uma honra ensiná-los”, explica o capoeirista, que já havia dado aulas na UME Elza da Silva Santos por um período de seis anos, também como voluntário. “Sinto-me realizado com esse trabalho que faço aqui. É muito gratificante porque os alunos são muito carinhosos”.
 
Pai de uma menina de três anos, Liminha tem 29 anos e sustenta a família com seu trabalho de monitor escolar da Viação São Bento, que presta serviços para a Secretaria Municipal de Educação, transportando diariamente os estudantes que moram nos bairros mais afastados da Cidade. “Adaptei meus horários para poder dar essas aulas, porque além de gostar de desafios, aprendo muito com eles”, disse.
 
Desde 1993 jogando capoeira, Liminha conta que este ano vai disputar os Jogos Regionais defendendo a cidade de Cubatão.
 
 
Contato: Cecília Beu (MTb. 22.332)
Fotos: Adalberto Medeiros
20090630-SEDUC- capoeira no Princesa – CB
 
Fonte: http://www.cubatao.sp.gov.br
Leave a comment
Mais Artigos
comentários
Comentário

1 × two =