Instituto Volta Por Cima: Capoeira por uma sociedade melhor
22 Jun 2007

Instituto Volta Por Cima: Capoeira por uma sociedade melhor

Instituto Volta por Cima promove encontro de três dias para mostrar que a capoeira é um belo elemento de inclusão social.  Começa

22 Jun 2007
Instituto Volta por Cima promove encontro de três dias para mostrar que a capoeira é um belo elemento de inclusão social.
 
Começa nesta quinta-feira (21), às 19h, e vai até do dia 23/6 o Festival Cultural Cordão de Ouro. O Instituto Volta Por Cima – Capoeira Educação e Cultura e a Academia Cordão de Ouro realizam o Festival. A programação do evento contará com palestras, aulas de dança folclórica e de Capoeira, além de Batizado de Capoeira e exibição para convidados.
O maior objetivo dos organizadores é difundir a cultura brasileira e levá-la até jovens carentes que vivem em situação de risco como opção de fulga da violência e da marginalidade, promovendo a inclusão social através do esporte.
"A nossa ONG desenvolve trabalhos desde 2001, procuramos promover um contato maior dos jovens com a identidade brasileira. A história da capoeira está ligada a história do Brasil e de seu povo. Esperamos em torno de 300 pessoas para os três dias evento", conta Eurico Lopes Barreto, Mestre de Capoeira e participante da ONG Cordão de Ouro.
 
Mestre Cláudio Danadinho, professor de Arquitetura da UnB, abre o Festival com palestra sobre sua tese de doutorado que aborda a capoeira e a arquitetura como sistemas culturais de suma importância para a cultura mundial.
 
Quem comanda a Oficina de Capoeira Regional é o Mestre Onça Negra, reconhecido e respeitado por quem entende de capoeira. E não é para menos, Onça Negra é filho de Mestre Binha, primeiro mestre a metodizar o ensino do esporte. A Oficina de danças Folclóricas fica por conta do professor Ferpa, que veio de Campinas, SP, especialmente para o Festival.
 
O Instituto Volta Por Cima coordena o Programa de Intercâmbio Brasil Suécia – que fomenta a prática da Capoeira na Suécia  e o Projeto Social Aprendendo com a Cultura Brasileira – que atende crianças e jovens em situação de risco em Brasília.
 
Com um número cada vez mais significativo de praticantes no estrangeiro, a Capoeira hoje está presente em mais de 156 países. Só o trabalho do Grupo Cordão de Ouro em Israel, conta com 5.000 alunos. Na Suécia, o número de praticantes no grupo passa dos 100.
 
No Brasil, a capoeira vem sendo utilizada com sucesso como instrumento de arte-educação e inclusão social. É o caso do projeto social “Aprendendo com a Cultura Brasileira” desenvolvido pelo Instituto Volta Por Cima em parceria com a Academia Cordão de Ouro. Em funcionamento desde 2002, o projeto atende a 60 jovens e crianças abrigadas e/ou em situação de risco no DF.
 
A abordagem do Projeto utiliza a identidade cultural brasileira como forma de educação e inclusão social. O impacto positivo é comprovado pelo depoimento das “mães sociais” que atestam a melhoria nos âmbitos familiares e escolar.
Leave a comment
Mais Artigos
comentários
Comentário

1 × quatro =