Pra Cantar…
31 Out 2004

Pra Cantar…

Capoeira é da nossa cor.  Au ê, au ê, au ê ê.E lê lê lê lê lê lê lê lê oAu ê,

31 Out 2004
Capoeira é da nossa cor. 
Au ê, au ê, au ê ê.
E lê lê lê lê lê lê lê lê o
Au ê, au ê, au ê ê.
E lê lê lê lê lê lê lê lê o

É cultura da raça brasileira,
Capoeira,
É da nossa cor.
Berimbau
É da nossa cor.
Atabaque
É da nossa cor.

Esse ano eu vou. 

Esse ano eu vou prá Bahia de qualquer maneira
Esse ano eu vou prá Bahia de qualquer maneira
Vou tocar berimbau
Dar salto mortal
E jogar capoeira
Vou tocar berimbau
Dar salto mortal
E jogar capoeira

Quem não foi à Bahia não sabe a mandinga dessa brincadeira
Quem não foi à Bahia não sabe a mandinga dessa brincadeira

Acende o candieiro
Autor: Edson Show
Iaiá, acende o candieiro, iaiá
Só a luz ofuscante da candeia
E o clarão da lua cheia
É o que faz o terreiro clarear
Oh Iaiá
Iaiá, oh Iaiá
Acende o candieiro, iaiá
Só a luz ofuscante da candeia
E o clarão da lua cheia
É o que faz o terreiro clarear
Hoje tem festa,
no Quilombo dos Palmares
Já se ouve pelos ares
O som estridente do tambor
Ô Ioiô, no rabo de arraia, certeiro
No jogo de Angola, rasteiro
No bote da cobra coral
Com a ligereiza dos raios
Destreza fundamental
Quem paga o pato é o capitão do mato
Na luta do bem contra mal
Oh Iaiá
Iaiá, oh Iaiá
Oh a balança na barra da saia
Levanta, sacode a poeira do chão
Oh abre a roda que agora o pau vai comer
No samba duro angolano
na ginga do maculelê
Oh abre a roda que agora o pau vai comer
No samba duro angolano
na ginga do maculelê
Ô quem tem sangue do quilombola não cai
Finge que vai, mas não vai
Risca seu nome no vento
Rei Gangazumba vem dar inicio ao festejo
Sua voz é um lampejo
Que comanda o ritual.
O seu lamento
era um grito de guerra
Que escoava sobre a terrra
Formando um Quilombo immortal
Oh Iaiá
Iaiá, oh Iaiá
Acende o candieiro, iaiá
Só a luz ofuscante da candeia
E o clarão da lua cheia
É o que faz o terreiro clarear

Galo já cantou, já raiou o dia
Galo já cantou, já raiou o dia
Até parece que estou lá na Bahia
Galo já cantou, já raiou o dia (Coro)
Na roda de capoeira
Eu me sinto na Bahia
Galo já cantou, já raiou o dia (Coro)
Quando eu ouço um berimbau
O meu corpo se arrepia
Galo já cantou, já raiou o dia (Coro)
Capoeira die e noite
Capoeira noite e dia
Galo já cantou, já raiou o dia (Coro)
E fiz da capoeira
A minha filosofia
Galo já cantou, já raiou o dia (Coro)
Avisa aos capoeiras
Lá vem a cavalaria
Galo já cantou, já raiou o dia (Coro)
.

Eu aprendi capoeira
Lá na rampa e no cais da Bahia (Coro)
Eu aprendi capoeira
Lá na rampa e no cais da Bahia (Coro)
Vim de ilha de Maré
No saveiro de mestre João
Fui morar lá na Preguiça
Me criei na Conceição
Eu subi o Pelourinho
Eu desci a Gameleira
Eu passava o dia-a-dia
Nas rodas de capoeira
Eu aprendi capoeira
Lá na rampa e no cais da Bahia (Coro)
Eu aprendi capoeira
Lá na rampa e no cais da Bahia (Coro)
O gringo filmava me fotografava
Eu pouco ligava
Também não sabia
Que essa foto ia sair no jornal
Na França ou na Russia
Ou talves na Hungaria.
Capoeira é uma arte
Capoeira é uma luta
Capoeira é uma balet
Mas lindo da minha Bahia
Eu aprendi capoeira
Lá na rampa e no cais da Bahia (Coro)
Eu aprendi capoeira
Lá na rampa e no cais da Bahia (Coro)
Camafeu e Traíra tocavam
Valdemar jogavar
Com Seu Zacarias
Eu aprendi capoeira
Lá na rampa e no cais da Bahia (Coro)

Capoeira é defesa ataque.

 Capoeira, é defesa ataque,
A ginga do corpo e a malandragem,
capoeira
é defesa ataque,
A ginga do corpo e a malandragem

São Francisco Nunes, preto Velho meu avô,
Ensinou para o meu pai, mas meu pai não me ensinou.
Capoeira
é defesa ataque,
A ginga do corpo e a malandragem

O maculelê, a dança do pau,
Na roda de capoeira, é no toque do berimbau.
Capoeira
é defesa ataque,
A ginga do corpo e a malandragem

Eu já tive em Moçambique, eu já tive em Guiné,
Mas estou voltando de Angola, com o jogo de Malé
Capoeira
é defesa ataque,
A ginga do corpo e a malandragem

Se você quiser aprender, vai ter que praticar,
Mas na roda de capoeira, é gostoso de jogar.
Capoeira
é defesa ataque,
A ginga do corpo e a malandragem

Capoeira

Tim, tim tim Aruandê.
Tim tim tim Aruandê
Aruanda, Aruanda, aruandê
Tim tim tim Aruandê
Aruanda, Aruanda, aruandê
Êêêê,

Jogo de dentro
Jogo de dentro
Jogo de fora
Ê, como é lindo esse jogo de Angola
Jogo de dentro
Jogo de fora

Valha-me Deus, minha Nossa Senhora
Jogo de dentro
Jogo de fora

Capoeira é de ontem, é de hoje, é de agora
Jogo de dentro
Jogo de fora

Começou a roda
Vem….começou a roda Ioiô
Começou a roda Iaiá
Capoeira é arte, é magia
Ela veio pra nos libertar
É o sangue que corre na veia
É um corpo saltando no ar, Eôô
Êêêê, começou a roda Ioiô
Começou a roda Iaiá

Capoeira é arte, é magia
Ela veio pra nos libertar
É o sangue que corre na veia
É um corpo saltando no ar, Eôô
Êêêê, começou a roda Ioiô
Começou a roda Iaiá

Capoeira
Capoeira é manha de preto velho
Nascido no tempo da escravidão
Capoeira levou a raça negra
Ao caminho de sua libertação
Eu vou dizer a você
E digo do fundo do coração
Essa luta essa dança brasileira
Faz meu corpo vibrar de emoção
De NY ao México
Do RJ até o Japão
É no toque do berimbau viola
Seja São bento grande ou angola
Deixa o corpo rolar normalmente
Vou dizer
Ê êê
Capoeira é do povo é da gente
Ê êê
Que jeito de lutar diferente

Porque será….
Autor: Boa Voz
Porque será, porque será
Que hoje o negro não veio trabalhar
Porque será, porque será (coro)
Que hoje o negro não veio trabalhar (coro)
Já correu notícia,
houve morte em Palmares
Morreu o negro, chamado Gangazumba
Já correu notícia,
houve morte em Palmares
Mataram o negro, chamado Gangazumba
coro 2x
Naquele tempo, não existía a princesa
Não havia pão na mesa
Só tinha o canavial
Era o suor, era o sangue derramado
Era o trabalho do negro
Dia e noite sem parar
(coro) 2x
E hoje em dia
depois o canavial
vem o relógio de ponto
que não para de marcar
Se o negro tá doente
e não consegue chegar
O patrão ou sinhozinho
já começa reclamar
Porque será
(coro) 2x

AS VEZES ME CHAMAM DE NEGRO

Às vezes me chamam de negro
Pensando que vão me humilhar
Às vezes me chamam de negro
Pensando que vão me humilhar
Mas o que eles não sabem
É que só fazem me lembrar
Mas o que eles não sabem
É que só fazem me lembrar
Que venho daquela raça
Que lutou pra se libertar
Que criou o maculelê
Que acredita no candomblé
Que traz o sorriso no rosto
A ginga no corpo
E o samba no pé
Que traz o sorriso no rosto
A ginga no corpo
E o samba no pé
Capoeira poderosa
Luta de libertação
Hoje eu estou nesta casa
Pra brincar com meus irmãos
Capoeira
Olé, lê
Capoeira
Ola, la

 

{mos_sb_discuss:5}

Leave a comment
Mais Artigos
comentários
Comentário

19 − ten =