Capoeira, patrimônio imaterial: a mão que apedrejou é a mesma que afaga
22 Jul 2008

Capoeira, patrimônio imaterial: a mão que apedrejou é a mesma que afaga

Durante o Estado Novo, Getúlio Vargas retirou a capoeira, o candomblé e outras manifestações de matriz africana do rol de infrações penais.

22 Jul 2008
Durante o Estado Novo, Getúlio Vargas retirou a capoeira, o candomblé e outras manifestações de matriz africana do rol de infrações penais. Foi um avanço. Depois de conviver com um estado repressor, a capoeira passou a ter a tolerância do estado. Mas continuou nos guetos. Políticas públicas de fomento a capoeira demoraram décadas para se concretizar. Sem mergulhar em proselitismo político, foi no governo Lula que se esboçaram as primeiras ações.

Por isso, a cerimônia do Registro da Capoeira como Patrimônio Imaterial, que ocorreu essa semana, em Salvador, é um divisor de águas. Durante a reunião dos conselheiros do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) que deliberou sobre o tema, rodas de capoeira festejaram a conquista em frente ao Palácio Rio Branco. Antes tarde do que nunca. E olha que cá nos trópicos, as coisas quase sempre chegaram com atraso. Mestre João Grande foi condecorado com o título de Doutor Honoris Causa nos EUA, antes de receber a mesma homenagem na Universidade Federal da Bahia.

Ao oficializar a inscrição do ofício de mestre de capoeira e da roda de capoeira como bens culturais de natureza imaterial, a reunião do Iphan inaugurou um novo paradigma para a capoeira brasileira. Outras medidas importantes foram adotadas, como o estabelecimento de um programa de incentivo desta manifestação no mundo; a criação de um banco de histórias de mestres de capoeira; a criação de um centro nacional de referência da capoeira; o plano de manejo da biriba – madeira utilizada na fabricação do berimbau – e outros recursos naturais; e a desvinculação obrigatória do Conselho Federal de Educação Física, para que mestres de capoeira sem escolaridade, mas detentores do saber, possam ensinar em colégios, escolas e universidades.

A transformação da nossa arte-luta em patrimônio imaterial é um reparo histórico, mas que por si só não corrige décadas de preconceito e repressão sofridas pelos capoeiristas. Talvez sejam necessários mais 90, 100, anos para o estado brasileiro pagar a sua dívida social com essa que é uma das maiores expressões da nossa cultura.

Numa conversa recente com o repórter de um jornal português, disse-lhe que a evasão de mestres de capoeira para o exterior é fruto da falta de incentivos que a nossa nação oferece aos nossos “embaixadores culturais”. Ou seja, muitos capoeiristas buscam dignidade profissional no além-mar, porque aqui não são prestigiados. Não somos contra a internacionalização da capoeira, mas é preciso ações concretas, traduzidas em políticas públicas permanentes, articuladas nos âmbitos municipal, estadual e federal, garantam que os capoeiristas encontrem mercado de trabalho em nosso próprio país e não seja obrigados, para sobreviver, a vender a sua força de trabalho ao peso de dólares, euros e ienes.

Com a iniciativa do Iphan, muitos velhos mestres terão o merecido direito a aposentadoria, o que é já é um bom começo. Mas muita água ainda tem que passar por baixa dessa ponte. A mão que apedrejou durante o império, que afagou durante no Estado Novo, agora precisa construir um novo tempo na relação estado-capoeira, traduzido em programas e projetos que garantam que a prática da capoeira seja uma política nacional, com metas, orçamento e planejamento.

A capoeira já fez muito pelo Brasil. Sedimentou uma prática de inspiração libertária, difundiu a cultura nacional nos cinco continentes, estimulou o turismo. Agora, chegou a vez do Brasil fazer mais pela capoeira e pelos capoeiristas. Ouvi do Mestre Curió, durante um pronunciamento num fórum de capoeira, que os mestres não precisam apenas de homenagem. “Eu já cansei de fazer ajuda humanitária para muitos camaradas, mas eu não quero morrer à míngua como eles”, desabafou Curió. Esse parece ser um sentimento que emana, passada a euforia inicial pelo “tombamento” da capoeira.

(*) O autor é presidente da Confederação Brasileira de Capoterapia e Diretor da Divisão de Cultura da Administração de Taguatinga (DF)

Leave a comment
Mais Artigos
comentários
Comentário

seventeen + nine =