Crônica: O que é dar valor à capoeira…
17 Set 2008

Crônica: O que é dar valor à capoeira…

Dar valor à Capoeira, ter o mínimo de respeito com essa Arte tão magnífica, é saber que, quanto mais capacitado for o

17 Set 2008

Dar valor à Capoeira, ter o mínimo de respeito com essa Arte tão magnífica, é saber que, quanto mais capacitado for o profissional, melhor ele exercerá sua profissão; é entender que o curso de educação física não vem para substituí-la, e sim, para dar subsídio a ela, para que o professor tenha o respaldo científico, podendo comprovar cientificamente todo o potencial da Arte, para que ele seja capaz de dizer mais que apenas: “A Capoeira é a única arte marcial genuinamente brasileira, é Patrimônio Cultural Brasileiro”, disso todo mundo sabe, não é novidade, não deixa de ser um título importante, mas é algo muito limitado para a dimensão real dos benefícios da Capoeira.

A pesso, para defender a tese da Capoeira, deve ser capaz de dizer em linguagem acadêmica e culta: “a Capoeira não se resume em importância histórica, mesmo que não desconsideremos esse fato, temos que saber que a Capoeira atua em um contexto bio-psico-social, fisiologicamente, a Capoeira proporciona aumento do condicionamento físico, melhora nos sistemas muscular, cardiovascular, articular e respiratório, aquisição de capacidades físicas: força, flexibilidade, resistência e velocidade, e ainda estimula a produção de endorfina e serotonina, hormônios responsáveis pela sensação de prazer. Os benefícios psicomotores da Capoeira são: aumento da noção de esquema corporal, maior noção de lateralidade, aumento da coordenação motora, aumento da noção espaço-temporal, aquisição de ritmo, maior poder de atenção, concentração e formação de um auto-conceito positivo.

Sociologicamente, a Capoeira corrobora na socialização do indivíduo, visto que é capaz de desinibir, eliminando a timidez, aumentar o senso de organização, diminuir o risco do uso de drogas e álcool, promover a formação de caráter e a aquisição de valores como honestidade, solidariedade e fraternidade, dentre outros. Diferencia-se dos outros esportes por não exigir um arquétipo específico para sua prática, qualquer pessoa pode praticá-la, seja qual for sua estatura, etnia, credo ou classe social, além de trabalhar a musicalidade, propiciando a motivação do atleta.” Quem realmente ama e respeita a Capoeira entende que ela é como um camaleão, que muda de acordo com a situação, se adequando à época em que se encontra. Não podemos nos prender nas décadas de 30 e 40, quando ela não passava de cultura ou manifestação popular, visto que hoje a Capoeira é uma ferramenta para educadores na formação da cidadania, é auge no fitness, é terapia para a terceira idade, é esperança para os grupos especiais: cardiopatas, diabéticos, obesos e portadores de deficiências, seja ela qual for.

É preciso que o profissional atuante na área capoeirística seja capaz de criar seus projetos e não cobrar isso da prefeitura. É preciso que ele saiba que o poder público nada pode fazer para ajudar pessoas físicas, grupos sem registro que permanecem no anonimato, pois até mesmo uma criança, para ter seus direitos básicos garantidos, precisa tirar sua certidão de nascimento. Além disso, a Capoeira é auto sustentável, é possível conseguir recursos através da lei de incentivo fiscal, sem precisar mendigar nada de ninguém. É muito fácil cruzar os braços e reclamar, difícil é arregaçar as mangas e correr atrás, estudar, se capacitar. Tem espaço para todos, mas é mediocridade imaginar que a Prefeitura, com o atual governo que valoriza tanto a educação, contrataria alguém que menospreza um curso superior. Será que eles não sabem que o professor é um espelho para as crianças? Que o mesmo poder que a Capoeira tem de formação ela também tem de destruição, quando o profissional não é qualificado?

Diante de tudo isso, caros colegas autores da solicitação por mais valor à Capoeira, sinto muito lhes dizer, mas as portas não estão fechadas, porém, a escadaria para chegar até elas é longa.

Ubiracy Galvão Borges, Mestre Café, idealizador do projeto Capoeira para Todos – Gingando Contra a Exclusão

Fonte: http://www.jornaldeuberaba.com.br/

Leave a comment
Mais Artigos
comentários
Comentário

três × cinco =