Entrevista do Amigo e Capoeirista Julio Ikeda, Graduado Japones
28 Ago 2005

Entrevista do Amigo e Capoeirista Julio Ikeda, Graduado Japones

Entrevista do Amigo e Capoeirista Julio Ikeda, Graduado Japones, que atualmente esta desenvolvendo seu trabalho na terra do sol. Ele conta como

28 Ago 2005
Entrevista do Amigo e Capoeirista Julio Ikeda, Graduado Japones, que atualmente esta desenvolvendo seu trabalho na terra do sol.
Ele conta como começou na capoeira e a inter relação das culturas… "A capoeira no Japão"
 

01 – COMO FOI SEU PRIMEIRO CONTATO COM A ARTE DA CAPOEIRA?
 
JAPONÊS: Meu Pai era professor de judô e me disse que gostaria que eu praticasse um esporte dizendo que era o melhor caminho para se educar um filho atitude de um Pai com grande sabedoria e inteligência que me ensina muito até hoje! Então saímos para procurar uma modalidade fomos ver o karate o kung fu e a Capoeira ao chegar a uma academia de capoeira estava tendo uma roda aquela musica e aquelas pessoas jogando foram me envolvendo por inteiro fiquei louco para treinar, lembro da minha ansiedade quando saímos para procurar uma academia perto da casa que morávamos e achamos o grupo cordão de ouro com o estagiário Thiane na época corda azul do mestre Suassuna era no Tremembé, bairro próximo a minha casa, lembro bem da minha primeira aula me deixou gingando e fazendo meia lua de frente e queixada por cima de um cavalete boas lembranças…
 
02 – COMO FOI SUA CAMINHADA NA CAPOEIRA ANTES DE ENTRAR PARA O GRUPO HERANÇA CULTURAL CAPOEIRA?
 
JAPONÊS: Iniciei capoeira em 1978 com Thiane estagiário do Mestre Suassuna posteriormente treinei na academia do Mestre Suassuna onde senti uma vibração enorme e hoje entendo porque ele é tão respeitado lembranças do falecido Biriba, Risadinha, Dal (minhoca), Marcelo Caveirinha, Thiane, Flavio Tucano etc… Grandes mestres participavam de suas rodas… Inesquecível! Após este período treinei com risadinha ele abriu uma academia na Maestro vila lobos rua no qual eu morava aquela época no Tucuruvi. treinei com ele até ele fundar o filho de Zambi,depois acabei me afastando por um longo período voltei a treinar com então mestre Zambi(risadinha)na quadra orion no mandaqui após sumiço inesperado do mestre !Procurei outro grupo conhecendo o Mestre Catitu no qual estou até hoje!Na minha vida de capoeira trago comigo enorme respeito por todos que conheci muitos pararam muitos se tornaram muito conhecidos, mas eu parabenizo aqueles que carregaram em sua alma o espírito de um verdadeiro capoeirista. 
 
03 – O QUE TE FEZ ENTRAR PARA O GRUPO HERANÇA CULTURAL?
 
JAPONÊS: Bom quando mestre Zambi sumiu do lugar onde ele dava suas aulas fiquei meio chateado na época achei que não considerava os seus alunos eu amo a capoeira e ela esta em todo lugar então resolvi procurar outro grupo. Encontrei o Mestre Catitu voltei a treinar na academia Gaviões do Karate com instrutor Ligeirinho e o Mestre dava suas aulas lá também percebi que o Mestre se integrava muito com seus alunos ganhando minha admiração e respeito ,e assim sendo como manda a tradição criei uma vontade imensa de ajudar o Grupo fazendo a minha parte como integrante do grupo nunca quis aparecer e até hoje sou assim sei o que vi e passei na vida de capoeirista e para mim o mais importante é o que sinto não o que vou provar para os outros por isso hoje faço meu trabalho somando tudo que aprendi na minha vida inteira assim como todos que trabalham com a Capoeira com a própria interpretação! Gostaria de salientar que admiro muito mestre Zambi e aprendi muito com ele sendo muito grato a ele ainda mais sendo o primeiro aluno dele. 
 
04 – COMO ESTÁ SEU TRABALHO NO JAPÃO E QUE VISÃO VOCÊ TEM PARA ESSE TRABALHO?
 
JAPONÊS: Meu trabalho no Japão esta em um ótimo ritmo tem hoje a oportunidade de apresentar a capoeira nas univerdades japonesas por todo o Japão por intermédio da presidente da associação internacional de cultura motivo pelo qual acho a importância deste trabalho enorme para o mundo da capoeira, pois estamos apresentando a nossa arte para uma cultura milenar em um Pais de enorme desenvolvimento tecnológico com uma igualdade social incrível sendo assim destacasse quem tem o que dizer e não quem tem mais dinheiro, pois todos ganham um equivalente, para ter uma vida com dignidade. Como dou aula em uma escola brasileira vejo a importância do meu trabalho no dia a dia iniciei o trabalho há um mês e percebi que a capoeira poderia abrir as portas de uma maneira bastante saudável para eles ,eu trabalho a capoeira para o desenvolvimento total da mente e do corpo e estou totalmente satisfeito com os resultados tive um amadurecimento enorme neste Pais e hoje sinto muita segurança no meu trabalho .Meu objetivo e mostrar aos políticos brasileiros que somos felizes pelo que somos e não pelo que temos e por este caminho poder ajudar meu Pais através de uma grande conscientização.
 
05 – COMO ESTÁ A ACEITAÇÃO DA CAPOEIRA NO JAPÃO?
 
JAPONÊS: Ainda estou trabalhando para divulga – lá atingi um publico que forma opiniões um publico de alto nível intelectual universitário e Professores das universidades e sinto um interesse enorme pela arte Capoeira japonês entusiasmadíssimos pelo poder da Capoeira. Quero muito iniciar um trabalho pra japoneses mesmo podendo assim enraizar a nossa cultura e semear bons frutos respeitando a tradição e os ensinamentos de mestre Bimba e Pastinha e tantos Mestres de Capoeira ,respeitar a ideologia da capoeira que nasceu para lutar pela liberdade e contra o preconceito racial objetivos nobres que tornam a capoeira mais de que um esporte uma filosofia de vida. axé Japonês Capoeira 
Julio Ikeda - Graduado Japones

IÊ CAPOEIRA ENTREVISTA – GRADUADO JAPONÊS 
Entrevista autorizada para divulgação por Julio Ikeda – capoeiraIkeda@hotmail.com

Leave a comment
Mais Artigos
comentários
Comentário

13 − 13 =