Morre aos 93 anos de idade um dos maiores representantes da cultura popular paraense e brasileira
06 Nov 2009

Morre aos 93 anos de idade um dos maiores representantes da cultura popular paraense e brasileira

Morreu, nesta terça-feira (03), Mestre Verequete, conhecido por seu trabalho de promoção do Carimbó, batuque e dança ancestral dos negros característico do

06 Nov 2009

Morreu, nesta terça-feira (03), Mestre Verequete, conhecido por seu trabalho de promoção do Carimbó, batuque e dança ancestral dos negros característico do Pará.
 
Internado desde domingo no Hospital João de Barros Barreto, em Belém, Augusto Gomes Rodrigues, seu verdadeiro nome, não resistiu à insuficiência respiratória aguda e infecção generalizada.
 
O Mestre ganhou o nome de Verequete após se mudar de Bragança para trabalhar na Base Aérea de Belém. “Eu gostava de uma moça; então ela me convidou para ir ao batuque que eu nunca tinha visto. Umas certas horas da madrugada o Pai de Santo cantou ‘Chama Verequete’. Eu era capataz da base aérea de Belém, na época da construção, cheguei na hora do almoço e contei a história do batuque… Quando acabei de contar, me chamaram de Verequete’, disse o carimbozeiro ao mestre em música pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Paulo Murilo Guerreiro do Amaral.
 
Homenageado até pelo presidente Lula como Comendador da Ordem do Mérito Cultural, uma das mais importantes honrarias do governo federal, e vencedor do Prêmio Culturas Populares 2008 – Mestre Humberto de Maracanã, realizado pela Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura.  Mestre Verequete teve seu primeiro contato com o Carimbó aos 24 anos, quando convidou um grupo para dançar em um bar que tinha na época.  Posteriormente, tornou a convidar o grupo para dançar numa festa de passagem de ano, mas o convite foi recusado. Diante disso, Mestre Verequete decidiu criar outro conjunto do gênero. Fundou-se então, no dia 2 de outubro de 1971, o Conjunto de Carimbó Uirapuru do Verequete, que permanece até os dias atuais e já possui mais de 10 discos gravados, entre eles, o famoso ‘Carimbó Uirapuru do Verequete (Só podia ser)’.
 
Apesar das homenagens e do sucesso, Mestre Verequete teve uma vida marcada pela pobreza material. Para os amigos e familiares vai deixar saudade e exemplo de sabedoria e humildade, como conta o neto Felipe Rodrigues, de 18 anos. Para o Brasil, mais do que riqueza cultural, o mestre deixa a lembrança da importância de se valorizar e se reconhecer os constituintes da nossa cultura popular enquanto vivos.

Leave a comment
Mais Artigos
comentários
Comentário

3 × two =