Nádia Taquary expõe “A Bahia tem…” no Museu Costa Pinto
30 Mar 2011

Nádia Taquary expõe “A Bahia tem…” no Museu Costa Pinto

Mostra de colares-escultura da linha Olorum Bamim começa na quinta (31/03) De 31/03 a 30/04, a artista plástica baiana Nádia Taquary vai

30 Mar 2011

Mostra de colares-escultura da linha Olorum Bamim começa na quinta (31/03)

De 31/03 a 30/04, a artista plástica baiana Nádia Taquary vai expor no Museu Carlos Costa Pinto (Salvador) algumas das obras da sua linha de colares-decorativos Olorum Bamim (proteção do Deus Maior, em iorubá). Na exposição, que se chama “A Bahia tem…”, Nádia promove um diálogo entre o acervo de jóias de crioulas do museu e seus colares-escultura, que chegam a ter até 75 metros de cordas e misturam ouro, prata, cobre, madeira, contas africanas, figas e balangandans. “É uma grande alegria fazer a interface do meu trabalho com uma das fontes de inspiração dele, dentro do próprio Costa Pinto, que foi o ambiente de nascimento conceitual”, conta a artista.

O mote da mostra veio da música “O que é que a baiana tem?”, de Dorival Caymmi (gravada por Carmem Miranda), na qual se fala das jóias, balangandans e vestimentas das mulheres negras da Bahia no começo do século. A artista uniu o tema ao conceito da linha Olorum Bamim e fez as obras, que contemplam colares com formas diversas: abertos, fechados, com múltiplas pontas, balangandans e com figas.

Olorum Bamim – O nome, elaborado com sugestões do artista plástico Mestre Didi e de Adbié (alabé do terreiro de candomblé Ilê Axé Opó Afonjá e amigo de Nádia), significa proteção do Deus maior, em Iorubá. O projeto teve origem numa pesquisa de pós-graduação da artista plástica sobre as jóias que as crioulas usavam no Brasil durante o período colonial. “Fiquei fascinada com a exuberância do encontro dos três mundos (Europa, África e Brasil) e da forma como isso refletia nos adereços daquelas mulheres”, conta Nádia, que também se inspirou no livro “O círculo das contas”, da historiadora e museóloga Solange Godoy, feito para o Museu Carlos CostaPinto (BA). O livro explica como as jóias de crioulas chegaram a Salvador e ao recôncavo baiano. “Um povo que não se olha e que não se reconhece, empobrece; pois, nada do que possui é verdadeiramente seu”, arremata a artista.


Realização: Olorum Bamim. Apoio cultural: TAG Arts, Museu Carlos Costa Pinto, Solisluna Design, Xarmonix e Jornal Bahia Negócios

 

SERVIÇO:

Exposição “A Bahia tem…”

Período: 31/03 a 30/04;Local: Museu Carlos Costa Pinto (Corredor da Vitória); Visitação: segunda a sábado, exceto terça e feriado. Das 14h30 às 19h; Mais informações: 3336-7034; Realização: Olorum Bamim, com apoio cultural da TAG Arts, Museu Carlos Costa Pinto, Solisluna, Xarmonix e Jornal Bahia Negócios.

* Victor Villarpando  71 8867.6107 | 71 7813.8814

Leave a comment
Mais Artigos
comentários
Comentário

11 − eleven =