Blog

acervo

Vendo Artigos etiquetados em: acervo

Frede Abreu: O Grande pesquisador da Capoeira

Todos aqueles que amam a capoeira e se interessam em conhecê-la mais a fundo, suas histórias, seus personagens, os fatos importantes, enfim, todos aqueles que buscam compreender melhor essa rica manifestação da cultura afro-brasileira, devem muito àquele que foi um dos maiores, senão o maior pesquisador da capoeira de todos os tempos: Frederico José de Abreu, ou simplesmente Frede Abreu, como era conhecido no meio.

Frede Abreu não está mais entre nós, partiu pras “terras de Aruanda” em julho de 2013, mas deixou como legado uma obra importantíssima, através dos muitos livros, artigos, crônicas e textos que escreveu, além de um enorme e rico acervo organizado por ele composto de documentos, livros, fotografias, filmes, revistas, jornais, etc., que pode ser considerado o maior acervo sobre capoeira existente.

Mas o mais importante, é que Frede sempre foi um sujeito muito generoso. Ele sempre abriu as portas de sua casa – onde todo esse acervo era guardado – pra qualquer um que desejasse pesquisar e se aprofundar no conhecimento sobre a capoeira. Ele sempre acolheu de forma muito amável todos que o procuravam: pesquisadores, estudantes, capoeiristas, historiadores, e contribuiu de forma efetiva para a maior parte de toda a pesquisa produzida sobre capoeira no Brasil e também no exterior. É muito difícil encontrar algum livro, artigo, documentário, tese de mestrado ou doutorado sobre capoeira no qual ele não seja citado ou não tenha colaborado de alguma forma.

Frede viajou por todo o Brasil e também para o exterior, onde sempre era convidado a participar de eventos, conferências, seminários, palestras ou simples “bate-papos” sobre capoeira. E fazia isso sempre com muita boa vontade, prazer, simpatia e bom humor que caracterizavam esse baiano que nunca se recusou a dividir o seu amplo conhecimento sobre a nobre arte da capoeiragem, quando era requisitado, por quem quer que fosse.

Mas a contribuição de Frede Abreu para a capoeira vai ainda mais além: ele foi um dos responsáveis pelo retorno do mestre João Pequeno à capoeira. João tinha se afastado  da capoeira no início da década de 1980, depois da morte de Pastinha, e se dedicava a vender legumes e verduras numa barraca na Feira de São Joaquim, junto com sua esposa, a querida  “Mãezinha” como é conhecida por todos. Frede então articulou a volta de João, e foi o responsável pela organização da sua academia, que foi instalada no Forte Santo Antonio além Carmo, e se constituiu como o centro de todo o movimento de recuperação da capoeira angola, que nessa época passava por um momento difícil, num processo de franca decadência. Pela academia e sob a liderança de João Pequeno, passaram todos os mestres que foram importantes para o movimento de renovação e revigoramento da capoeira angola, desse período histórico em diante.

Há alguns anos, Frede conseguiu apoio do governo federal para enfim organizar o seu vasto acervo, criando o Instituto Jair Moura que durante algum tempo funcionou no bairro do Garcia em Salvador. Mas esse apoio não teve continuidade e todo o acervo voltou para a sua casa, num quarto onde tudo continua a ser guardado com muito zelo pela sua família.

Esperamos que as autoridades se sensibilizem com a importância da preservação e organização desse verdadeiro tesouro sobre a memória da capoeira que Frede reuniu com  tanto carinho e dedicação, durante tantos anos, e está ameaçado de se degradar pela falta de um local adequado sob a orientação de profissionais especializados.

Frede se foi, mas seu sorriso franco, seu fino senso de humor, sua disponibilidade e generosidade, seu carisma como ser humano e seus inestimáveis serviços prestados à capoeira ficarão eternizados entre todos aqueles que valorizam a memória social de um país que sofre de “esquecimento crônico”, como é o caso do Brasil.

Um axé meu amigo, onde quer que você esteja !

Manuscritos de Mestre Pastinha trazem a Sabedoria dos Velhos Mestres da Capoeira

MANUSCRITOS DE MESTRE PASTINHA TRAZEM A SABEDORIA DOS VELHOS MESTRES DA CAPOEIRA

Mestre Pastinha deixou manuscritos onde reflete sobre questões relacionadas não só a capoeira, mas também sobre a vida. A série manuscritos, organizado pelo historiador Frede Abreu traz dois livros: Improviso de PastinhaMestre Pastinha: Como eu penso? Despeitados?, este último realizado junto com Greg Downey. Os dois livros têm tradução em inglês, levando a sabedoria do mestre pelo mundo a fora.

O nome Improviso de Pastinha foi escolhido pelo próprio mestre ao receber do discípulo João Grande uma caderneta para escrever ladainhas e corridas. Segundo João Grande esses escritos foram feitos nas décadas de 50 e 60. No verão de 2007, o Instituto Jair Moreira recebeu a autorização de João Grande para publicação dos improvisos do Mestre Pastinha, “um acervo artístico muito rico para quem deseja conhecer coisas temporais e atemporais da capoeira”, escreve Frede Abreu na apresentação. O livro traz os improvisos originais, com a letra do mestre.

Tendo como origem documentos guardados por Emília Biancardi, Mestre Pastinha: Como eu Penso? Despeitados? traz depoimento inédito do Mestre Pastinha. Mais uma vez, a sabedoria do velho mestre é mostrada para o mundo da capoeira com esse manuscrito, que está no livro com o texto original, sem “correção”. O livro também traz os comentários de Frede Abreu, que destaca alguns pontos presentes nas reflexões do mestre como religiosidade, desabafos, e conceitos, lições, precauções e bons exemplos sobre a capoeira.

Os livros são uma realização do Acervo Frede Abreu de Capoeira e apoio da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia. Mais informações no e-mail elzinhadeabreu@gmail.com.

Sobre o autor – Frede Abreu foi um estudioso da capoeira, criando um acervo com mais de 40 mil títulos, entre livros, recortes de jornais, revistas, CDs, fotos e vídeos sobre capoeira e a cultura afrobrasileira. Também foi fundador do Instituto Jair Moura, membro fundador da Academia de Capoeira Angola de João Pequeno de Pastinha, e da Fundação Mestre Bimba.

Nota de Falecimento: Frede Abreu

Morreu hoje o Professor Frede Abreu, aos 66 anos, em Salvador, vítima de Hepatite C

Considerado por muitos o maior estudioso de capoeira do mundo, morreu ontem o pesquisador Frederico José de Abreu, 66 anos, que faria aniversário amanhã, faleceu hoje no Hospital Portugês. Autor dos principais livros sobre capoeira do país.

A memória dos principais mestres de capoeira da Bahia deve a ele, que nas últimas décadas se tornou referência internacional. Fundador do Instituto Jair Moura, Frede tinha um acervo com mais de 40 mil títulos, entre livros, recortes de jornais, revistas, CDs, fotos e vídeos. A partir de documentos e jornais antigos, Frede construiu obras obras importantes como Capoeiras: Bahia Século XIX, Bimba é Bamba: capoeira no ringue, Pastinha, Cobrinha Verde, Mestre Canjiquinha, o Barracão do Mestre Waldemar, Macaco Beleza e o Massacre do Tabuão… Mesmo doente nos últimos meses, Frede não parou de produzir. Tinha pelo menos três livros editados para ser lançado:  Manuscritos do Mestre Pastinha, Como Eu Penso (Livro de poesias de Pastinha), além de Mestre Najé, o capoeirista que Lutou até a Morte.

Trabalhou no projeto Axé, ajudou financeiramente e intelectualmente mestre João Pequeno, Fundação Mestre Bimba, Projeto Mandinga e diversos outros grupos…

Frede foi consultor do inventário que tombou a capoeira como patrimônio cultural do Brasil, em 2008.

Ultimamente, trabalhava na biblioteca do Instituto Mauá, no Pelourinho… Frede lutava havia um ano contra uma hepatite C. Ontem, não resistiu a uma infecção generalizada.

O corpo será cremado amanhã (sexta) no Cemitério Jardim da Saudade, as 13hs.

 

O Legado e a Obra de um dos mais carismaticos personagens da nossa capoeiragem... Mestre Frede

Compilação da Imagem: Vinícius Heime

Amigos lamentam a morte de Fred Abreu

  • Hélio, morador do Rio Vermelho:

“A Capoeira perde um grande capoeirista, o amigo Fred Abreu. Um capoeirista pertencente a todos os grupos e a elite da grande roda das idéias. Um pesquisador, escritor, amigo, orientador, detentor de um grande acervo de Capoeira, sempre de bom humor e acolhendo com seu dialogo amigo brasileiros e estrangeiros. Fred entre tantas homenagens pertence ao QUADRO DE HONRA DA FUNDAÇÃO MESTRE BIMBA, homenagem recebida no último dia 7/7/2013. Mas, a grande homenagem é pertencer ao coração de cada capoeirista por ser um homem de bem. Uma perda imensurável para a Capoeira.”

 

 

  • Vinicius Heime, Professor e Discipulo de Gladson

 

Fez sua passagem hoje o Mestre Frede Abreu, um dos mais atuantes ativistas, pesquisador, estudioso e escritor da Capoeira. Autor de uma vasta obra sobre temas diversos relacionados à Capoeira, todas escritas com muita competência e dedicação! Idealizador e gestor do maior acervo (com mais de 40 mil títulos) em livros, jornais, revistas e documentos relacionados à Capoeira. 

Entre suas obras estão os livros Bahia Século XIX, Bimba é Bamba: Capoeira no Ringue, Pastinha, Cobrinha Verde, Mestre Canjiquinha, O Barracão do Mestre Waldemar, Macaco Beleza e o Massacre do Tabuão, entre outros. Participou de diversos projetos relacionados à Capoeira! 

O seu legado estará sempre vivo como exemplo de dedicação, de valorização, de zelo e de amor pela Capoeira, sua história e seus atores! Que Mestre Bimba, Pastinha, Canjiquinha, Ezequiel e tantos outros lhe recebam de braços abertos numa grande Roda lá no céu! Axé e Luz!

 

  • Luciano Milani, Editor do Portal Capoeira:

Pesquisador incansável, e confesso, um dos pilares motores do meu trabalho, Frede nunca irá deixar de estar presente em todas as rodas, encontros e onde quer que a nossa capoeira se fizer presente…

Frede era uma destas pessoas que fazia tanta pela nossa capoeiragem… fazia sem olhar a quem… fazia pelo simples e mais lindo dos motivos… fazia apenas por que tinha um coração enorme de capoeirista… repleto de vontade de compartilhar suas preciosidades… era capaz de abrir as portas de sua casa de forma apaixonada podia passar horas falando sobre a nossa cultura, nossa arte…

Foi assim que conheci Frede e me deslumbrei com o seu acervo, sua generosidade, a sua paixão e pluralidade por todas as manifestações da cultura popular….

 

  • Pedro Abib, Professor, Pesquisador e Colunista do Portal Capoeira:

O grande FREDE ABREU nos deixou na tarde de ontem. Tristeza enorme !!!

Um dos maiores conhecedores da nobre arte da capoeiragem…mas acima de tudo, um homem generoso, que a todos acolhia e ajudava. Minha dívida com ele é enorme !!!

Um ser humano daqueles que deixam marcas que não se apagarão jamais na sua passagem pela terra. Fique em paz, aí nas terras de Aruanda !!!!

 

Nós do Portal Capoeira prestamos a nossa homenagem assim como as mais sinceras condolências a todos os amigos e principalmente a família Abreu…. por esta perda.

UFPE disponibiliza histórico da cultura pernambucana em acervo virtual

No ano em que se celebra internacionalmente os Povos Afrodescendentes, o Laboratório de História Oral e da Imagem (Lahoi) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) publica resultados de dois projetos que têm por objetivo resgatar a memória cultural do estado. Um resgata a memória e traz um inventário sonoro dos maracatus. O outro torna acessível material histórico sobre as manifestações e lutas das décadas de 1970 a 1990.

Fruto do projeto Ritmos, Cores e Gestos da Negritude Pernambucana*, o Lahoi disponibiliza em seu acervo virtual – www.ufpe.br/negritude – levantamentos, documentos, fotografias e entrevistas que dão voz a importantes lideranças dos movimentos culturais e sociais negros pernambucanos. Com foco nesses movimentos, o projeto evidencia as relações construídas por seus militantes nas duas décadas.

O período foi escolhido por constituir um momento muito significativo na história do estado, marcado por intensas lutas sociais, onde maracatus, afoxés, capoeiras, escolas de samba e grupos de música e teatro foram fundamentais na integração do povo. De acordo com Isabel Guillen, coordenadora do projeto, o material ressalta importantes características dessas mobilizações e sua importância na afirmação de um orgulho pela identidade, pela negritude.

PERSPECTIVAS – No acervo virtual, Isabel vê uma oportunidade de colocar em circulação outro olhar sobre a cultura na grande Recife. “O desejo é de que muitos consultem o acervo. Tamanha diversidade e riqueza não podem permanecer invisíveis”, afirma. “Não adianta documentação trancada. Ela precisa circular, produzir novos saberes, causar inquietações, ser agente de transformação no mundo”, completa.

Para Alexandro Reis, diretor do Departamento de Proteção ao Patrimônio Afro-Brasileiro da Fundação Cultural Palmares (DPA/FCP), a UFPE apresenta para a sociedade brasileira um importante trabalho de valorização e promoção da diversidade cultural do nosso país. “O patrimônio cultural da comunidade afropernambucana é merecidamente agraciada com esta proposta”, ressalta.

MARACATUS-NAÇÃO – A outra pesquisa do Laboratório de História Oral e da Imagem (Lahoi) da UFPE tem por objetivo produzir conhecimento sobre a vida social dos maracatus-nação de Pernambuco. Nela, são abordados os aspectos relacionados diretamente à musicalidade sob a óptica de que embora inseridos em uma mesma categoria de manifestação cultural, os maracatus têm suas especificidades.

Os registros dos maracatus fazem com que a diversidade e riqueza das nações e suas identidades sejam divulgadas e igualmente valorizadas evitando que a exposição da sonoridade de uma única nação sirva de referência para a manifestação como um todo. O produto final da pesquisa será o Inventário Sonoro dos Maracatus-Nação Pernambucanos* e um CD coletivo com sonoridades de 19 maracatus.

Para conhecer o projeto sobre os maracatus acesse www.historiamaracatusnacao.com e http://inventariomaracatus.blogspot.com/.

* Ambos os projetos foram financiados pelo Fundo Pernambucano de Incentivo à Cultura (Funcultura).

 

Fonte: http://www.palmares.gov.br

Museu Carlos Costa Pinto: Exposições e Palestras

“As Exposições Provinciais do Império: a Bahia e as Exposições Universais (1866-1888)”

Palestrante: Profa. Ms. Cínthia da Silva Cunha, Mestre em História Social da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFBA.
Dia 29 de abril, das 17 às 18:30 horas | Auditório do Museu
ENTRADA FRANCA – Será fornecido certificado

Exposição

A Bahia tem … Nádia Taquary

Nascida em Salvador, atlântica, criou-se em Valença, beira de mar e rio. É de Peixes. Um ser de águas recôncavas. Seu pai, professor de educação física e ginástica olímpica de formação, também lidava com jóias. Era um fazedor de coisas, guardador e restaurador de objetos que saiam perfeitos de seu galpãooficina no fundo da casa. Nádia, a índia Taquary, de olho, pescando tudo.

Cursou letras, mas apaixonou-se pelas artes. Estudando, encontrou-se nos textos sobre cultura africana e descobriu as ‘joias de crioulas baianas’ no livro ‘Círculo das Contas’, do Museu Carlos Costa Pinto. A cada página abria-se um mundo de encantamentos, memóriasda infância, das peças dadas por seu pai, da identidade com aquela estética tão familiar.

A Bahia tem… é uma louvação à Bahia negra, misturada e rica, às águas como caminho que embalou o rico legado de nossa história. É o resultado de um encontro entre África, Europa e o novo mundo, onde a opulência e o requinte das ‘joias de crioula’ recriadas por Nádia Taquary nesta versão contemporânea, pretende aguçar sua lembrança de um belo tão intensamente nosso.

Período: 31/03 a 28/05/2011

Visitação: Segunda à Sábado, exceto terça-feira, das 14:30 às 19:00 horas.

 

O Museu Carlos Costa Pinto:

É uma instituição cultural particular, mantida através de convênio com o Governo do Estado da Bahia. Foi inaugurado em 05 de novembro de 1969. O acervo foi doado pela viúva Margarida de Carvalho Costa Pinto, para a concretização do sonho de seu marido. Criado para “conservar aspectos da antiga residência de Carlos Costa Pinto com objetos de arte colecionados por ele no século XX”, tem cada vez mais consolidado e expandido a sua função como casa de cultura, tornando-se ponto obrigatório de visitação. O acervo de arte decorativa do Museu é de coleção fechada, apresentando 3.175 peças divididas em 12 coleções: Cristal, Desenho, Diversos, Escultura, Gravura, Imaginária, Mobiliário, Ordens Honoríficas, Ourivesaria, Pintura, Porcelana e Prataria. São exemplares de várias partes do mundo, dos séculos XVII ao XX, que retratam o estilo de vida da sociedade baiana colonial, imperial e republicana. Av. Sete de Setembro, 2490 – Corredor da Vitória – Salvador – Bahia – Brasil Tel.: (71) 3336-6081 museuccp@gmail.com www.museucostapinto.com.br

Capoeira no Acervo do Instituto Nacional das Antiguidades da Finlândia

Caros amigos e colegas,
O museu etnográfico Helinä Rautavaara em Finlândia acabou de disponibilizar uma parte do arquivo fotográfico dele no portal do Instituto Nacional das Antiguidades da Finlândia. A coleção consiste em milhares de fotos sobre o candomblé, capoeira e a cultura afro-brasileira e brasileira em geral tiradas por a Helinä Rautavaara nos anos 1960 e 1970 em Salvador, São Paulo e Rio de Janeiro.

Por décadas essas fotos se encontraram guardados no acervo do museu na Finlândia com difícil acesso ao público, então é com grande prazer que agora divulgo o link da coleção online à vocês:

As fotos se encontram em:

Capoeira

Candomblé

Infelizmente o site não se encontra em português ainda, mas o sistema de busca é bem simples. Colocando palavras de pesquisa como candomblé ou capoeira, no campo chamado “free text search” no topo da barra ao lado esquerdo, o sistema busca todas as fotos marcadas com essas palavras chaves. Outra opção boa também é buscar só com a primeira parte da palavra terminando ela com um asterisco.

Por exemplo: capoe*

Assim o sistema busca todas as fotos marcadas com palavras chaves que começam com capoe. (Em finlândes as palavras se conjugam de várias formas. Por isso muitas vezes a busca funciona melhor desse jeito).

O site continua em construção. Ao longo do tempo o museu colocará mais fotos e informação. Eles com certeza se interessariam em qualquer comentário ou pergunta que vocês teriam sobre as fotos. A pessoa responsável no museu Helinä Rautavaara sobre o projeto de digitalização dessas fotos é Katri Hirvonen-Nurmi. O email dela é: katri.hirvonen-nurmi@helinamuseo.fi

Fonte: Teimosia

Adeus, adeus: mestre Chico Batista, o Chico Calungueiro

No último dia 10, o Ceará perdeu o talento de mestre Chico Batista, o Chico Calungueiro. Artesão e entusiasta do maracatu, criador de figuras da cultura cearense na versão calunga, como Cego Oliveira, Patativa do Assaré, Muriçoca e Irmãos Aniceto ele será lembrado hoje, às 19h, na Igreja de N. Sra. de Nazaré, no Montese. O pesquisador Calé Alencar dá seu depoimento sobre o artista de múltiplos talentos

Conheci Chico Batista em 1999, quando iniciei minha participação como brincante e membro da diretoria do Maracatu Az de Ouro. Sua figura franzina, lembrando um Dom Quixote cearense, em nada se assemelhava ao seu imenso talento para artes e ofícios na feitura de alegorias, adereços e muitas outras demandas de maracatus, blocos e escolas de samba de relevante presença no carnaval de Fortaleza. Seu porte magrelo logo me chamou a atenção pelo contraste entre o calibre de menino nascido em Senador Pompeu e os afazeres estafantes dos desfiles carnavalescos.

Descobri em Chico Batista um artista para muito além de cocares, saiotes, esplendores, cetros, estandartes, penachos e coroas. A um meu pedido, feito em tom de sugestão com o objetivo de preencher a necessidade de termos, no maracatu, uma representação a nos servir de produto revelador do folguedo, respondeu-me com uma miniatura de rainha, logo seguida de um conjunto completo, representando o figural desta expressão afro-brasileira tão bem assentada no corso carnavalesco. Desde os maracatus do Morro do Moinho, da Apertada Hora, da rua de São Cosme, do Outeiro e do Manoel Conrado, registrados em ´Através dos Folk-lores´ por Gustavo Barroso, passando pelo pioneirismo de Raimundo Alves Feitosa, no corso fortalezense a partir de 1937, até os cortejos atuais.

Exímio jogador de futebol nos rachas dos times de subúrbio, onde fez fama e muitos gols pelos campos do Montese, Itaoca, Jardim América e Bom Futuro, Chico foi também craque na linha de frente do grupo fundador do Maracatu Nação Fortaleza, ocupando cargo na diretoria desde o início das atividades do Nação. E concorrendo com criatividade e suor para construir um abrigo acolhedor do nosso brinquedo, emprestando sua sensibilidade na montagem das exposições de adereços, figurinos, instalações e fotografias do maracatu.

Aos seus diminutos bonecos, confeccionados em madeira, fio de cobre, alumínio, algodão, durepox, tecidos, agulhas, linha, plástico e cola quente, dei o nome de calungas. E aí virou Chico Calungueiro, meu estimado mano Pichico. Criador de figuras representativas da cultura cearense na versão calunga, a exemplo de Cego Oliveira, Patativa do Assaré, Banda Cabaçal dos Irmãos Aniceto, Muriçoca e Dragão do Mar, além de sua marca registrada – o maracatu e os estandartes dos grupos participantes do carnaval de rua.

Amigo, moleque, irmão, companheiro, confidente, presepeiro, camarada, um dia me trouxe um seu irmão, de nome Carlos, meu xará e ainda por cima nascido em 20 de outubro, mesma data de meu aniversário. Colega de café, cajuína, refresco de murici, gomos de ata e tangerina, Maria maluca, sarrabulho e panelada com arroz e muito caldo, em apenas um aspecto divergimos, enquanto estivemos pisando o mesmo chão, com a força de Oxum, Xangô, Oxalá, Pomba Gira, Jurema e Zé Pilintra: em seu coração batia um tambor alvinegro, enquanto o meu não sabe bater outra coisa a não ser um batuque tricolor de aço.

Obras e acervo

Chico Batista, mestre artesão registrado e freqüentador das feirinhas do Sesc, nas praças São Sebastião, Murilo Borges e do Ferreira, tem peças espalhadas por casas de amigos e admiradores. Destacadas personalidades do mundo das artes e da política foram agraciadas com seus trabalhos, a exemplo de Fernanda Montenegro, Matheus Nachtergaele, Ednardo e Raimundo Aniceto. Eu mesmo entreguei ao presidente Lula, na solenidade de outorga da Medalha da Ordem do Mérito Cultural, em 2007, uma réplica da Banda Cabaçal dos Irmãos Aniceto.

Outras peças de sua autoria enfeitam estantes no Memorial da Cultura Cearense, do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, em Fortaleza, e em São Paulo, Rio, Porto Alegre, Olinda, Santana do Acaraú, Nova Iorque, Paris, Buenos Aires, Pequim, Ilha do Sal, Roma, Salvador, Crato e Juazeiro do Norte. O acervo da Casa da Memória Equatorial tem algo em torno de 300 peças, adquiridas desde o início de Mestre Chico na confecção das calungas.

O Centro Cultural Banco do Nordeste Fortaleza abriu espaço para exposição de seu trabalho em 2001, época em que Tibico Brasil realizou oportuno registro fotográfico do material exposto. Em 2005, conquistou o primeiro lugar no I Salão Municipal de Artesanato, realizado pela Prefeitura de Fortaleza, ocasião na qual fez jus a um prêmio jamais recebido, apesar de idas e vindas à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, responsável pelo concurso.

Despedida

Pai do Alexandre, primogênito herdeiro de seu talento, da Sandra e do Lucas, avô da Maiara e do Pedro Alex, a quem chamo Chico Neto, Francisco Batista de Oliveira, o mestre artesão das calungas, completava seus ganhos levantando paredes, pintando portas, caiando muros, consertando canos, instalando redes elétricas e jogando no bicho, quase todo santo dia. Na quinta-feira, dia 9 de outubro do ano da graça de 2008, cinco dias após haver completado 54 anos, pisou em falso no alto do telhado de uma casa onde trabalhava, no Montese, nas proximidades da igreja de Nazaré, perdeu o equilíbrio e a vida, pelo menos esta vida compreendida no plano material, real e visível. No plano dos encantados, virou luz. Vestiu-se com o estandarte do Maracatu Nação Fortaleza, uma de suas mais belas peças, e foi entrar na morada de Olorum.

Axé, querido amigo. Até um dia. Saravá, meu querido irmão e mestre. Mestre Chico Batista. Prometo a você fazer soarem os tambores como saudação à sua chegada na nova casa. Receba meu abraço musical e alencarino e os aplausos de todos os brincantes do Maracatu Nação Fortaleza, a calunga mais bonita feita com a arte de suas mãos.

P.S.: Quem sabe os organizadores do carnaval de rua em Fortaleza acolham a idéia de trabalhar com a arte de Chico Batista para ilustrar o tema do desfile em 2009. Será uma preciosa oportunidade de fazê-lo permanecer lembrado e presente no ambiente ao qual dedicou a vida.

CALÉ ALENCAR
especial para o Caderno 3
(*) Cantor, compositor, produtor musical, fundador do Maracatu Nação Fortaleza.

REPERCUSSÃO
"A partida de mestre Chico Batista foi uma surpresa pra todos. Ele fazia todo o material do Az de Ouro, junto com Mestre Juca. Tinha um talento enorme, para o maracatu e outros trabalhos".
Pingo de Fortaleza
Cantor, compositor e produtor

"Chico Batista começou no maracatu ainda nos anos 70. Deu uma enorme contribuição com sua inteligência. Era um grande apaixonado pelo maracatu, independente de agremiações"
Marcos Gomes
Presidente do Maracatu Az de Ouro

(Foto: ACERVO CALÉ ALENCAR/KARLO KARDOZO)

Fonte: http://diariodonordeste.globo.com/

Camaradagem, Democratização e Institucionalização do Instituo Jair Moura

Com o projeto premiado pelo "CAPOEIRA VIVA" em 2006, o Instituto Jair Moura busca, através do merecido fomento democratizar e disseminar seu extenso acervo.
Partindo daquela velha máxima que uma vez um grande capoeirista, médico e ser humano ímpar me falou: "Boa informação é aquela que é divulgada" os responsáveis pela Institucionalização do Instituo Jair Moura, começam a arregaçar as mangas para encarar esta penosa porém gratificante missão.
Apoios, colaborações e boa vontade não iraão faltar… Tudo em prol da CAPOEIRAGEM!!!
Luciano Milani

 
Biblioteca Organizada:
 
Com o objetivo de agilizar a recuperação e a disseminação da informação, a biblioteca do Instituto Jair Moura passa por um processo de organizacão das suas coleções de aporximadamente 35 mil ítens. São eles: livros, fotografias, revistas, jornais, DVD`s, Cd`s, VH`s, fitas cassetes, recortes, dissertações, teses, entre outros.
 
Essas coleções estarão disponíveis para pesquisa, indexidas e catalogadas, em base de dados a partir de setembro de 2007.
 
Novo sítio na Internet,  O Blog do INSTITUTO JAIR MOURA linkado em vocês…
 

Aí turma!
 
Oxalá encontre todos numa boa!
 
Este é o Blog do INSTITUTO JAIR MOURA linkado em vocês…
http://institutojairmoura.blogspot.com
 
Espero que já saíbam: O projeto de institucionalização do Instituo Jair Moura foi premiado pelo Capoeira Viva, programa apoiado pelo Ministério da Cultura. Ainda é hora de agradecermos à todos que enviaram cartas com boas recomendações que foram anexadas ao projeto. Com certeza foram essenciais para o prêmio. Como foi decisivo a generosidade de Sabiá, que acolheu o IJM nas dependências do Projeto Mandinga.
 
Ganhamos R$ 75.000,00 ( setenta e cinco mil reais). Uma boa nota! Com essa grana adequamos espaços físicos para a instalação do acervo e sala de leitura; contratamos bibliotecárias para catalogação de toda documentação, adquerimos equipamentos eletrônicos tendo em vista a implantação e divulgação do acervo e aumentamos razoávelmente o número de títulos. 
 
Camaradagem, Democratização e Institucionalização do Instituo Jair MouraSe Deus quiser em breve o IJM vai ampliar o seu raio de ação. Logo estaremos disponibilizando (por meios digitais), na medida do possivél, parte significativa do acervo, estimado em mais de trinta mil títulos, que da sua casa você poderá acessar.
Nem núcleo, nem centro, nem pólo, o Instituto Jair Moura é um ponto de apoio nesta empreitada, a favor de fazer a LIGA MUNDIAL DA CAMARADAGEM.
 
 
Instituto Jair Moura – Capoeira
 

Rua Comendador José Alves Ferreira, 160, Garcia
Salvador-Bahia-Brasil
institutojairmoura@gmail.com
 

Nota de Falecimento: Gilberto Alves de Andrade Oscaranha (Mestre Oscaranha)

Missa de sétimo dia em memória do prof.Oscaranha na Capela São Pedro de Alcântara – Palácio Universitário da Praia Vermelha – FCC/UFRJ
{jgxtimg src:=[http://www.portalcapoeira.com/images/stories/Capoeira/Diversos/missa/missa2.jpg] width:=[160]} {jgxtimg src:=[http://www.portalcapoeira.com/images/stories/Capoeira/Diversos/missa/missa3.jpg] width:=[160]} {jgxtimg src:=[http://www.portalcapoeira.com/images/stories/Capoeira/Diversos/missa/missa4.jpg] width:=[160]}

Lamentamos informar o falecimento  do Mestre Oscaranha  o enterro será no cemitério de Irajá, capela n° 4 às 16:00 hs.
att, Mestre Narizinho.
Professor Gilberto Alves de Andrade Oscaranha (Mestre Gilberto Oscaranha)
Coordenador do Acervo Cultural da Capoeira
Escola de Educação Física e Desportos – UFRJ
Rio de Janeiro, Brasil
 
Mestre Oscaranha, era sem dúvida um dos grandes articuladores da capoeiragem carioca e por que não dizer mundial… Organizava eventos, encontros, era o coordenador de vários projetos onde a capoeira estava envolvida, um dos percusores da incersão da capoeira em outras frentes como por exemplo o teatro… Mestre Oscaranha, um grande ser humano, capoeirista cheio de luz, repleto de idéias e atitudes.
 
Muita paz, axé e harmonia!!!
 
Fica aqui a homenagem do Portal Capoeira:
 
Festival de capoeira lota o ginásio de lutas da UFRJ
 

Mariana Elia e Mariana Granja
 
Miscigenação, cultura, dança, harmonia, integração. Essas palavras resumem o VIII Festival de Capoeira, ocorrido dia 1 de junho, no Ginásio de Lutas da Escola de Educação Física e Desportos (EEFD), da UFRJ. Trazendo diversos grupos de Capoeira e de dança do país, o VIII Festival, organizado por Gilberto Andrade Oscaranha, do departamento do lutas da EEFD, lotou o ginásio com estudantes, pais, capoeiristas e admiradores da arte esportiva.
Diversos grupos de Capoeira do Rio de Janeiro estavam presentes, como o Terra, a Associação de Capoeira Brasil-África e os Libertadores Capoeira, além de grupos de danças brasileiras, como o Brincando na Roda.
 
Importantes mestres assistiram e participaram das apresentações do jogo. Entre eles, destacam-se Mintirinha, Gilberto da Barra e o próprio Oscaranha.A velha guarda da Capoeira foi homenageada com medalhas e certificados de agradecimentos ao longo do evento.
Apresentações, como a promovida pelos capoeiristas da EEFD, organizado pela professora Rosângela Rufato, com crianças portadoras de necessidades especiais, impressionaram os presentes. O grupo Brincando na Roda se apresentou, mostrando o Maracatu, dança típica brasileira, porém ainda desconhecida por muitos. Outros demonstraram suas habilidades, com movimentos rápidos e acrobacias altas, jogando em harmonia com integrantes de grupos de capoeira.
 
O grupo Herança Negra, que somente acolhe crianças com bom desempenho escolar, trabalha com Jongo, Maracatu e Bumba-meu-boi. De acordo com o coordenador do grupo, Mestre Baiano Rasta, a apresentação “Missa dos negros”, representou a relação entre os negros e Igreja, na qual os primeiros aprenderam ritos da segunda para se defenderem das mazelas impostas durante a era colonial. Sobre o Festival, Mestre Baiano Rasta diz que “é muita emoção ver as crianças se apresentando para os grandes nomes da Capoeira na universidade. O que eu disser será ainda pouco para o que sinto, não há palavras”.Para Amanda Pinheiro, do Mara Brasil, esse tipo de evento é importante para divulgar a cultura negra. O grupo e mais quatro companhias dançaram o Jongo do Rio de Janeiro e o Tambor da Crioula do Maranhão (um dos rituais mais populares da cultura afro).
O reitor Aloísio Teixeira esteve presente, assim como Eliane Frenkel, da Pró- reitoria de extensão (Pr-5), Francisco Strauss, representando o Centro de Ciências da Saúde (CCS), Sônia Castilho, sub-secretária de Esporte do estado do Rio de Janeiro, e Alexandre Mello, diretor da EEFD, para quem a escola, por sua competência, aborda diversas áreas do esporte, tanto científicas quanto culturais e antropológicas. E a Capoeira é um dos bens mais valiosos do povo, pois busca a integração
 
Opinião essa partilhada com o professor Oscaranha: “esse festival abre as portas da Universidade para a cultura popular. Aproxima a sociedade da universidade, cumprindo sua função, que é a integração”.
 
Oscaranha foi o primeiro professor de Capoeira em uma universidade no mundo. A UFRJ foi pioneira na valorização da luta, instaurando como obrigatória a disciplina de Capoeira na EEFD.
 
 
Homenagem de mestre André Lacé
 
Nota de Falecimento: Gilberto Alves de Andrade Oscaranha (Mestre Oscaranha)Professor da Escola de Educação Física e Desportos (EEFD) da Universidade Federal do Rio de Janeiro e defensor da inclusão da Capoeira nas atividades acadêmicas, Oscaranha (foto por Marco Fernandes) foi o primeiro professor universitário de Capoeira do Brasil.
Homem de visão, dentro da própria EEFD criou o Acervo Cultural de Capoeira Arthur Emídio de Oliveira (ACCAEO), por ele considerado, com toda razão, “pólo de resistência cultural dentro da universidade”. Em minha opinião, esse Acervo pode ser considerado uma das mais sérias realizações na área da Capoeiragem, senão a mais séria.
O Acervo (CCAEO) já possui invejáveis registros, nas formas mais variadas – quadros, filmes, livros, artigos, monografias, teses e dissertações, discos, CDs, Cd-rom, DVds, instrumentos musicais, partituras, roupas típicas e uniformes etc – à disposição de todo e qualquer interessado pelo cada vez mais fascinante Mundo da Capoeiragem.  Através do ACCAEO, Oscaranha organizou oito festivais de Capoeira na EEFD, tendo o mais recente, em julho de 2006, reunido cerca de 1500 pessoas, em suas quatro horas de realização.
Professor Joel Pires Marques, ex-aluno da EEFD, amigo leal do grande mestre Oscaranha (que o orientou em sua monografia – Capoeira: jogo atlético brasileiro – cuja leitura recomendo), acredita que, “quando um mestre morre (dia 29 de janeiro), a Capoeira não perde um guerreiro, e sim, ganha mais adeptos e cultuadores de seus ritos, fundamentos e segredos”.
Assim, os que apoiavam as idéias, ideais e realizações de Mestre Oscaranha, certamente continuarão apoiando o Acervo Artur Emídio de Oliveira, sem dúvida, relevem a repetição emocionada, uma das mais importantes iniciativas de todos os tempos no campo da Capoeiragem.

Missão de Pesquisas Folclóricas – Mário de Andrade

Curiosos e apaixonados pela história da cultura brasileira não precisam mais esperar para ter acesso ao resultado de uma das mais importantes pesquisas culturais já realizadas no Brasil.
 
O SESC SP e a Secretaria Municipal de Cultura lançam, no SESC Vila Mariana, a coleção Missão de Pesquisas Folclóricas – Mário de Andrade, com 7h de música recolhidas pelo Brasil em 1938 e inédita para o público até o momento.
 
Produzido pelo Selo SESC, o material reúne em seis CDs, pela primeira vez, o acervo da Missão – caravana que em 1938 foi enviada ao norte e nordeste do Brasil sob a coordenação de Mário de Andrade, o então Diretor do Departamento de Cultura da Cidade de São Paulo (1935-1938). Os CDs trazem 279 faixas correspondentes a 293 fonogramas originais de Xangô do Recife, canto indígena dos Pancararu, Aboios, repertório da Pajelança em Belém do Pará, cantos de carregadores de piano, bumba meu boi, congo, reisado, entre outras manifestações dos mais de 70 grupos representados na Missão.
 
Para o lançamento da coleção, o SESC e a Prefeitura de São Paulo organizaram uma série de atividades: shows com o grupo A Barca e Dona Senhorinha Freire, hoje com 86 anos e registrada pela Missão quando passou por Tacaratu (PE).
O Portal Capoeira está disponibilizando para download, duas faixas desta fantástica coleção, fica a dica de excelente investimento cultural, para comprar a coleção: Missão de Pesquisas Folclóricas – Mário de Andrade, visite o SESC mais próximo a sua casa ou acesse o site: http://www.sescsp.org.br
 
Para baixar as faixas, clique nos links abaixo:
 
Para Ouvir uma das faixas, clique no player: {mmp3}marinhero.mp3{/mmp3}
O acervo preservado há 68 anos
 
Idealizada e organizada por Mário de Andrade, a expedição foi realizada por uma equipe de quatro integrantes – Martin Braunwieser, músico e maestro do Coral Paulistano; Luiz Saia, arquiteto e membro da Sociedade de Etnografia e Folclore, pesquisador da Divisão de Documentação Histórica e Social e chefe da missão; Benedito Pacheco, técnico de som e Antônio Ladeira, assistente técnico de gravação do Departamento de Cultura.
 
Missão de Pesquisas Folclóricas - Mário de AndradeO escritor viabilizou a expedição, temendo que, com a crescente urbanização, muitas manifestações populares desaparecessem; seu objetivo era mapear fiel e detalhadamente as manifestações típicas de dança e música das regiões do Norte e Nordeste do Brasil, registrando tudo em filme, fotografia, desenho, partitura, texto e gravação fonográfica.
 
Após quase seis meses de viagem, os pesquisadores registraram cânticos diversos, cantigas de roda, cantos de pedintes, cantos de carregadores de piano, bumba meu boi, congo, reisado e côco, entre outros.
 
Em 1938, quando o Departamento de Cultura financiou a Missão de Pesquisas Folclóricas, Mário de Andrade deparava-se com o dilema da modernidade: ao mesmo tempo que as manifestações populares corriam o risco de desaparecer com a crescente urbanização do país, o avanço tecnológico da época proporcionava meios de capturá-las em discos, fotografias e filmes, explica Carlos Calil, Secretário Municipal de Cultura de São Paulo
 
Mário de Andrade defendia que a coleta dos dados fosse gravada, pois, ao se recorrer a registros escritos de tradições orais e costumes seria omitida a fala coloquial, impedindo sua proposta de registro fiel.
 
Em algumas cidades foi possível para a Missão colher instrumentos, vestimentas e objetos relativos aos assuntos pesquisados. Nos dias em que não gravava, a caravana se dedicava também a outros temas, registrando detalhes da fabricação de utensílios populares, aspectos da arquitetura, da poética popular etc.
 
O material, que compõe o acervo da Discoteca Oneyda Alvarenga, encontra-se sob a guarda do Centro Cultural São Paulo desde 1993 e até hoje estava disponível somente para consulta de pesquisadores. O lançamento do Selo SESC visa compartilhar a riqueza do acervo, e é também uma forma de prestigiar a dedicação de Mário de Andrade para a conclusão dessa pesquisa e o empenho de Oneyda Alvarenga, primeira diretora da Discoteca Pública, para viabilizar a organização e difusão do material.
 
Hoje, toda a colheita sonora de Mário e sua Missão sai dos armazéns e torna-se disponível ao público com esta coleção de CDs. Após a captação realizada pela Missão há mais de 60 anos, selamos aqui o compromisso de uma nova fase, a distribuição destes saberes, explica Danilo Santos de Miranda, diretor regional do SESC São Paulo
 
O acervo formado pela Missão de Pesquisas Folclóricas e preservado há 68 anos tem sua importância comprovada frequentemente. No início da década de 40 a Biblioteca do Congresso de Washington, copiou para si todos os fonogramas gravados em 1938. No dia-a-dia da musicologia brasileira pesquisadores têm buscado temas de estudo sobre o cantar do povo brasileiro e sua transformação. O material, estará disponível para todos os interessados nas Lojas SESC.