Blog

cícero

Vendo Artigos etiquetados em: cícero

Capoeira reduz conflitos entre internos no DF

Projeto, iniciado no segundo semestre do ano passado, conta com 18 adolescentes e visa diminuir a violência

Os acordes do berimbau acompanham os movimentos da capoeira e vários jovens se unem em uma roda, onde a luta, que possui elementos de dança, é embalada pela música. Os participantes da roda cumprem medidas socioeducativas no Ciago (Centro de Internação de Adolescentes Granja das Oliveiras) e o projeto, denominado de Entre na roda e saia da droga, visa diminuir os conflitos entre os internos das seis casas do centro.

A prática da capoeira no Ciago teve início no segundo semestre do ano passado e tem a participação de 18 adolescentes. De acordo com o professor da tradicional luta brasileira, Aldo Cícero, o esporte contribui muito para a disciplina e também ensina a respeitar regras e hierarquias.
Cícero cita como exemplo o caso de dois internos que já brigaram e agora convivem em harmonia na capoeira. “Acho que o projeto ajuda os adolescentes a ficarem longe da violência”, contou o adolescente M.F., 16 anos.

A iniciativa de inserir esse projeto na instituição foi do ex-diretor do Ciago, Paulo Reis, que esteve à frente da instituição no segundo semestre de 2009 e deixou o cargo no final do ano para atuar na comissão permanente disciplinar da Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania do DF (Sejus). Ele acredita que o esporte ajuda no processo de ressocialização e, principalmente, na pacificação entre os internos. “Além disso, a capoeira trabalha o corpo e a mente”, afirma.

A atual diretora do Centro de Internação de Adolescentes Granja das Oliveiras, Maria Salvadora Melo, também acredita que a capoeira é uma forma de reduzir os conflitos dentro da instituição. “Quero expandir o projeto e criar novas turmas em 2010. A capoeira fará parte das atividades de rotina do Ciago”, acrescentou.

 

Fonte: Jornal Coletivo-  http://coletivo.maiscomunidade.com

Santos: Capoeira apresenta resultados positivos na inclusão de deficientes

‘Jogo atlético, constituído por um sistema de ataque e defesa, de caráter individual e origem folclórica genuinamente brasileira, surgido entre os escravos’. Quem procura pela palavra capoeira no dicionário Aurélio de língua portuguesa encontrará essa definição. Mas, basta conferir uma roda de capoeira de alunos deficientes no Complexo Esportivo e Recreativo Rebouças (Praça Eng. José Rebouças s/n., Ponta da Praia) para ter a certeza que a capoeira vai além. Ela vem promovendo inclusão para quase 90 munícipes com necessidades especiais, garantindo benefícios físicos e psicológicos. O trabalho será tema de encontro promovido pela prefeitura hoje (quarta dia 11, no próprio Rebouças.

De acordo com Cícero França, conhecido como mestre Cícero Tatu, responsável pelas aulas de capoeira com alunos especiais na Semes (Secretaria de Esportes), entre os benefícios destacam-se a melhora na lateralidade, equilíbrio, atenção e raciocínio. “A liberdade de expressão é a essência da capoeira. E é isso que trabalhamos aqui: a educação de forma não padronizada, respeitando os tempos e limites de cada um. Com a música, o ritmo, eles ficam mais atentos e os movimentos ajudam a conhecer melhor o próprio corpo e a respeitar o espaço do outro”.

Os resultados positivos podem ser medidos pela opinião de quem participa. Alunos da Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Santos), Sérgio Luiz Pedra, 46 anos, e Sidnei Viera, 25, começaram as aulas no Rebouças há dois meses e estão gostando do resultado. “É bom pra minha saúde, para o coração. Estou até perdendo a barriga”, conta Sérgio. Sidnei também destaca os benefícios. “Melhorou meu equilíbrio, minha saúde. Estou com mais atenção”. Outro exemplo é Daniel Torrente de Almeida, 38 anos, já formado. De acordo com mestre Cícero, pelo que tem conhecimento, Daniel é o único aluno com autismo já formado. “Hoje já ajudo a dar as aulas. Ensino os movimentos para as pessoas”, conta Daniel.

Socialização:

Outro ponto importante é que as aulas mesclam os alunos deficientes com alunos em geral, promovendo, de fato, a inclusão. “Esses alunos ditos normais amadurecem frente ao desconhecido. Isso por si só já vale a pena. São crianças, jovens, que estão crescendo aprendendo a respeitar as diferenças. A socialização é verdadeira. Todos interagem, jogam juntos”, afirma o professor.

A pequena Stephanie Marra Kuhlmann, de oito anos, é exemplo disso. Desde pequena frequenta as aulas com alunos especiais e aprendeu a lidar com as limitações de cada ser humano. “No começo ela ficava assustada. Hoje beija, abraça todo mundo. Aprendeu a respeitar mais o próprio corpo e os limites dos outros. Ela vem aqui ajudar o professor, mas sabemos que ela também está sendo ajudada. É um aprendizado para a vida toda”, diz a mãe Maria Cristina.

Mestre Cícero conta que também sai ganhando. “A grande diferença não estar no ensinar, mas no aprender. Aprendo muito com eles. Eles me instigam a sempre inovar, a buscar estratégias para que todos possam aprender a capoeira”, afirma. Além dos movimentos, os alunos aprendem em oficinas sobre a história da capoeira e até a confecção dos instrumentos musicais.

Encontro:

Para promover a troca de experiências entre quem pratica este esporte e os profissionais que atuam na área, ou quem está interessado em começar, a prefeitura, por meio da Semes, realiza hoje, o ‘2º. Encontro da Capoeira Inclusiva de Santos’, no Rebouças, das 14h às 16h, com uma grande roda de capoeira. Já há mais de 200 inscritos. Quem quiser participar pode obter informações pelo telefone 3269-8080.

Neste mesmo número é possível saber sobre vagas. Há aulas para turmas de inclusão toda segunda e quarta, em dois horários: das 14h às 15h e das 15h às 16h. Para a população em geral, a Semes também disponibiliza aulas no Posto 2, praia da Pompeia; no Centro Esportivo da Zona Noroeste; e no Centro Esportivo M. Nascimento Júnior. A Secult (Secretaria de Cultura) oferece aulas com mestre Chocolate, no Centro de Cultura Patricia Galvão; Centro Cultural do Morro do São Bento; e na Sociedade de Melhoramentos da Encruzilhada. No caso da Secult, as vagas estão esgotadas.

No total mais de 400 munícipes participam das escolinhas, além de centenas de alunos da rede municipal, nos núcleos do programa ‘Escola Total’. A capoeira está registrada desde 2008 como patrimônio imaterial pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional).

 

Fonte: http://www.clicklitoral.com.br