Blog

conselho

Vendo Artigos etiquetados em: conselho

Rio de Janeiro: Capoeira, Jongo e Samba são tema de debate em São Gonçalo

A Capoeira está participando do processo eleitoral do Conselho Nacional de política Cultural, através de Mestre Paulão, um dos candidatos do RJ. Por isso, um Fórum será realizado.

Com apoio da Universidade Estácio de Sá – Campus São Gonçalo, a Liga Gonçalense de Capoeira promove, no dia 20/10, das 14h às 17h, o Fórum de Debates sobre o Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro.

Na programação do Fórum, estão discussões sobre a Capoeira como Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro e a votação pela UNESCO, em 2013, da Capoeira como Patrimônio Cultural da Humanidade; o Jongo do Sudeste; o Plano de Salvaguarda do Samba do Rio de Janeiro, a Carta Compromisso com a Cultura e Religiões de Matrizes Africanas.

Promovido pelo Departamento Pedagógico, de Programas e Projetos da Liga Gonçalense de Capoeira, o encontro tem como objetivo divulgar nossas propostas, já que pleiteamos uma vaga no Conselho Nacional de Política Cultural – CNPC.

Este será um importante momento não somente para a Cultura Nacional como, em especial, para a Liga Gonçalense de Capoeira, que acata a decisão da Comissão Organizadora Nacional do Conselho Nacional de Política Cultural – CNPC.

A presidência da Liga Gonçalense de Capoeira teve seu nome aprovado pelo Ministério da Cultura para concorrer a uma das vagas no Setorial de Patrimônio Imaterial do Conselho Nacional de Política Cultural.

Esperamos, no dia 20/10, poder contar com a presença de todos e de todas.

Saudações capoeirísticas.

 

Fonte: Cultura.RJ

Ponta Grossa: Festival Capoeira Contra as Drogas

Ilê de Bamba realiza palestra em parceria com Conselho Anti Drogras

O Centro Cultural Ilê de Bamba, desde o início de sua criação há sete anos, teve a iniciativa de aliar cultura à formação cidadã. As aulas de capoeira conquistaram o Jardim Ouro Verde e as regiões vizinhas, na Colônia Dona Luíza.

A cada encontro para as rodas de capoeira, mais crianças chegavam interessadas em aprender a ginga do movimento.

Crianças e adolescentes transformaram a sede do Ilê de Bamba em um local de interação familiar e aprendizado. Marcelo de Barros, o mestre Careca, percebeu a importância de conscientizar socialmente os participantes da roda de capoeira. São preceitos máximos do grupo não se envolver em  violência  das ruas, não fazer uso de drogas e frequentar a escola.

Hoje o Ilê de Bamba levanta muitas bandeiras de conscientização, que vão da valorização da cultura negra ao combate às drogas entre crianças e jovens da cidade. No dia 11 de novembro, o mestre Careca, em Parceria com o Conselho Municipal Anti Drogas, organizou uma palestra na sede do grupo, para a prevenção e combate do uso  de drogas e tráfico na cidade.

O grupo realizará ainda neste novembro o Festival Capoeira Contra as Drogas, que ocorrerá dia 20, no Centro de Cultura,  e 21, no Teatro Ópera, com a seguinte programação: http://www.portalcomunitario.jor.br/page.php?161.

Ponta Grossa é a segunda cidade no ranking do tráfico de drogas no Paraná, perdendo apenas para a capital Curitiba. O número 181 de Narcodenúncia registrou, em seis anos, 12 mil e 100 denúncias na cidade. Quanto às prisões de adultos envolvidos com o tráfico, Ponta Grossa aparece na terceira posição das cidades do Estado. Em seis anos,  o Sistema de Narcodenúncia registrou ainda a apreensão de 165 mil pedras de crack e 140 quilos de cocaína. Partindo desses dados, o Conselho Municipal Anti Drogas percebe a importância de realizar essas palestras.

“É preciso prevenir a sociedade sobre os malefícios das drogas. Para isso, procuramos falar sempre sobre a autoestima e a importância do esporte como um outro caminho”, explica a Sargento Maria de Lourdes que também é Diretora do Conselho  Municipal Anti Drogas.

Pesquisa do Programa Pró Egresso, projeto de extensão universitária  do Curso de Serviço Social da Universidade Estadual de Ponta Grossa,  constatou-se que,  em 2005, 100% dos envolvidos com as drogas eram do sexo masculino, sendo 63,4% solteiros. Constatou-se ainda que 43% estavam trabalhando com carteira assinada, dos quais 71,6% recebiam entre 1 e 3 salários mínimos. De acordo com a pesquisa, pessoas entre 18 e 30 anos são as que mais se envolvem com o consumo de drogas.

Quando levantou a bandeira de formação cidadã, o principal objetivo do Centro Cultural Ilê de Bamba era afastar as crianças  da  violência nas ruas, como o contato com o tráfico e consumo de drogas. A palestra é mais uma das conquistas do grupo e contou com a presença da policial civil Isabel Regina do Nascimento, que conscientizou os presentes sobre a importância da informação e prevenção às drogas.

Fonte:
http://www.portalcomunitario.jor.br/
http://iledebambapg.blogspot.com/

Nota de Falecimento: Mestre Carapau

Salve camaradas,

É com muita tristeza que venho comunicar o falecimento do Sr. José Paulo Dias Carapau, o Mestre Carapau que nasceu na cidade de Porto Ferreira SP, em 12 de fevereiro 1948.

Faixa-preta de judô , iniciou na capoeira na década de 60 com o Mestre Mello (discípulo de Zé de Freitas) e em 1975 fundou o Grupo de Capoeira Angolinha. Seus feitos e legado ficaram na história e ecoarão para sempre na vida das pessoas que o cercaram porque acima de tudo, sempre honrou aquilo que ele pregava. Uma delas era o verdadeiro significado da palavra Mestre.

Todos os formados e discípulos do Grupo Angolinha lhe são gratos por tudo. Obrigado meu Mestre.

Salve capoeira.

O sepultamento ocorrerá na manhã de domingo dia 14 de março de 2010 às 9:00hs , no Cemitério Jardim da Colina em São Bernardo do Campo , SP.

  • Mestre Carapau

José Paulo Dias Carapau, 1948 / +2010, natural de Porto Ferreira – SP.

Professor de Judô durante cinco anos (1965 – 1970). Iniciou a Capoeira em 1968 com seu aluno de Judô, formado pelo Mestre Traíra.

Em 1970, passou a treinar com o Mestre Mello (Antônio Gonçalves de Mello, 1920 / +1990).

Em 1975 fundou o Grupo Angolinha na cidade de Porto Ferreira – SP. Em 1980 fundou a Academia Sindicato dos Eletricitários, onde permaneceu até 1987.

Em 1980, foi o 16º Mestre a assinar o Livro de Ouro da Federação Paulista de capoeira. Foi Secretário Geral da F.P.C. e no seu segundo mandato elegeu-se Presidente do Conselho Fiscal.

Criou o 1º Campeonato Folclórico Mestre Canjiquinha (1982 / 1983) para a F.P.C. e o 1º Campeonato Folclórico do Grupo. Levou o Grupo Angolinha a ser Tri-campeão Paulista deste campeonato em 1985 – 1987, além de ter conquistado vários outros Campeonatos e Festivais dentro e fora da Federação.

Em 1990 criou a Diretoria do Grupo Angolinha. Já em 1998 criou o Conselho Superior de Mestres (os cinco Mestres com maior período em atividade no Grupo).

Em 1985, criou a graduação de Estagiário (azul com a tarja branca) e em 1988, Contra-Mestre (trançado com a tarja branca) e a graduação Mirim.

Implantou o quadro de avaliação técnica, a filosofia, didática de aula, sistema de formatura e as regras do Grupo Angolinha.

Formou, quarenta e três alunos, entre eles: Costinha, Índio, Ouriço, Piedade, Siriema, Chico, Bem te vi, Samongo, Esquina, Travesseiro, Cabelo, Jatobá, Golero, Lampião, Amarelinho, Da Bahia, Raia, Raiz, Pastinha, Macuco, Chevette, Toco, Tico, Magoo, Gatinha, Pancada, Pipoca, Jabuticaba, Jaca, Pernalonga, Fuscão, Cenourinha, Tomate, Colibri, Sabiá, Apache, Curisco, Pele, Moita, Bolinha, Xerife e Angoleiro.

 

Atenciosamente

Mestre Magoo
Presidente do Grupo de Capoeira Angolinha


 

Fonte: http://www.filhosdejahveh.com.br

ABCA: ORGANIZA CURSO DE INGLÊS PARA CAPOEIRISTAS

ABCA – Associação Brasileira de Capoeira Angola

O templo sagrado da capoeira angola. É assim que muitos capoeiristas definem a ABCA – Associação Brasileira de Capoeira Angola. Fundada em 1987, em Salvador-BA, a entidade reúne os antigos mestres desta manifestação cultural afro-brasileira, e se tornou uma referência mundial em termos de preservação das tradições ancestrais desta arte-luta.

 

 

“ABCA é a casa que representa a capoeira angola. É um lugar onde o capoeirista tem que se sentir bem, onde podemos discutir, trocar idéias… Um lugar para aprender mais, porque ninguém sabe tudo” afirma Mestre Virgílio, presidente da entidade. Iniciado na capoeira angola na década de 50 por seu pai, o célebre Mestre Espinho Remoso, Virgílio Maximiano Pereira também foi aluno dos mestres Caiçara e Paulo dos Anjos. Viveu intensamente as rodas de rua de seu pai na Jaqueira do Carneiro e dá aulas de capoeira angola há mais de 30 anos na Fazenda Grande do Retiro. Com a humildade que lhe é característica, ele lidera um profundo processo de renovação da instituição, que está reformando seu estatuto social e organizando seu registro para a elaboração de projetos e parcerias de apoio e incentivo aos guardiões da tradição ancestral.

A falta de estrutura em sua sede não desanima seus guardiões, como afirma o tesoureiro, Mestre Pelé do Tonel: “A ABCA representa para nós um precioso conhecimento, uma grande nata de mestres que têm méritos e história pra contar, e para mim é uma riqueza. Depende de nós sabermos valorizar esta casa cheia de ouro que é a capoeira angola”. Iniciado na capoeira em 1960, Samuel Souza foi alunos dos mestres Zé Mário e Caiçara, e acompanhou este durante muitos anos, em seus shows folclóricos. Apresenta um espetáculo com uma técnica única, em que joga capoeira com tonéis, ganhando daí seu apelido.

A gestão atual da ABCA conta também com a participação dos mestres Augusto Januário (Vice-Presidente), Odilon (Diretor Jurídico) e Tonho Matéria (Diretor de Patrimônio e Marketing), além dos capoeiristas Lucia Correia Lima (Diretora de Projetos e Comunicação Social) e Paulo Magalhães (Secretário).

Duas décadas de ginga

Em 3 de julho de 1987, o jornal A Tarde trazia estampada a notícia: “ABCA terá que mostrar sua malícia”. A pequena matéria anunciava os resultados da primeira eleição da entidade, em que venceu a chapa “Evolução” e o Mestre João Pequeno foi eleito Presidente, Paulo dos Anjos Vice, Mário Bom Cabrito Tesoureiro, Nô Diretor Técnico e Renê Diretor Social. Mestre Canjiquinha, malandro, rouba a cena e aparece na foto, que deveria ser de João Pequeno. (Durante boa parte da década de 80, a coluna Capoeira trazia semanalmente anúncios de rodas e eventos, além de debater polêmicas da capoeiragem. Nos anos 2000, em que a capoeira é considerada patrimônio cultural, percebe-se um retrocesso em termos de divulgação cotidiana na imprensa local).

“Vivíamos um momento inédito, de discutir e organizar os capoeiristas angoleiros de forma legal, perante os órgãos públicos. Além disso, depois de cada reunião havia uma roda, momento único de troca em que podíamos beber da fonte de sabedoria que são os antigos mestres”, conta Mestre Renê. Nascido em Teodoro Sampaio, Renê Bittencourt foi iniciado na capoeiragem por Mestre Canjiquinha, e dirige atualmente a ACANNE – Associação de Capoeira Angola Navio Negreiro.

Depois de Mestre João Pequeno, a ABCA teve os mestres Moraes, Barba Branca e Curió em sua presidência. Em 1996 foi criado o Conselho de Mestres, instância máxima da entidade, formado por mestres angoleiros com mais de 50 anos. Mestre Gildo Alfinete e Mestre Bola Sete foram presidentes do Conselho, cargo ocupado hoje por Mestre Nô.

As reuniões, na época da fundação, aconteciam no Forte Santo Antônio, no Centro Esportivo de Capoeira Angola – Academia de João Pequeno de Pastinha. Com o tempo, as reuniões passaram a ser no Instituto Mauá, funcionando depois em uma casa cedida na Rua do Passo. Com a ajuda do IPAC, a ABCA passou a utilizar um casarão na Rua Gregório de Matos nº 38, no coração do Pelourinho, em frente ao Teatro Miguel Santana (onde funciona o Balé Afro) e o Afoxé Filhos de Ghandy.

“Nossa casa é pobre de dinheiro, mas rica de sabedoria. É o templo sagrado da capoeira angola. Recebemos a Rainha da Dinamarca, o Príncipe de Gales e o Presidente de Guiné-Bissau, além de participar dos 500 anos do Brasil e criar a Roda da Paz. A ABCA hoje é reconhecida internacionalmente” comenta Mestre Gildo Alfinete, membro do Conselho de Mestres. Discípulo de Mestre Pastinha, com quem se iniciou na Capoeira Angola em 1959, Gildo Lemos Couto possui o maior acervo existente sobre Mestre Pastinha e o Centro Esportivo de Capoeira Angola.

Na loja da ABCA, capoeiristas do mundo inteiro podem encontrar berimbaus, pandeiros, atabaques, agogôs, camisas, livros, revistas e vídeos sobre capoeira. “A lojinha existe há muitos anos, passam dezenas de pessoas do mundo todo, todos os dias”, comenta Mestre Neco, responsável pelas vendas. Membro do Conselho Fiscal, Manoel Marcelo dos Santos foi iniciado na capoeira por Mestre Canjiquinha, em 1959, no Taboão, e dá aulas há 38 anos no Colégio Góes Calmon, em Brotas.

Todas as sextas-feiras, às 19:30, acontece a roda da ABCA, aberta a todos os capoeiristas que estejam abertos à sua forma tradicional, conduzida pelos antigos mestres com o rigor e respeito próprios desta manifestação ancestral.

Faculdade de Capoeira Angola

“Quando criamos a ABCA, meu objetivo era fazer com que esta entidade se transformasse em uma faculdade de capoeira angola, já que a Bahia é uma universidade cultural e esta casa reúne a nata da velha guarda dos angoleiros. Este objetivo ainda não foi cumprido e permanece de pé”, afirma Mestre Nô, Presidente do Conselho de Mestres. Iniciado na capoeiragem por seu avô Olegário, em 1949, na ilha de Itaparica, Norival Moreira de Oliveira foi alunos dos mestres Nilton, Pirrô e Zeca do Uruguai. Zeca, primo dos mestres Cobrinha Verde e Gato Preto, foi quem ensinou Mestre Canjiquinha a tocar berimbau.

Com a criação das leis 10.639/03 e 11.645, multiplicam-se os cursos de história e cultura afro-brasileira. Muitos temem, entretanto, que a transmissão destes saberes seja monopolizada por representantes autorizados das instituições acadêmicas, excluindo os legítimos guardiões da tradição oral.

Em 17 de julho de 1987, no texto “A questão da saúde na Capoeira Angola”, do jornal A Tarde, os angoleiros denunciavam: “Alguns ‘capoeiristas universitários’ de classe média branca, estão levantando a lebre sobre a ‘necessidade’ do mestre e do contramestre de Capoeira terem noções de Anatomia e Medicina para poderem dar aulas a iniciantes”. Uma semana antes, na mesma coluna que anunciava a criação da ABCA, uma denúncia: “qualquer exigência de diploma para ensino de capoeira é, antes de mais nada, uma atitude racista, e, como tal, tem que ser severamente combatida”.

Como se vê, este debate não é novo, e já preocupava os velhos mestres há vinte anos atrás. O projeto de lei que restringe o ensino de capoeira, yoga e danças folclóricas aos graduados em educação física ainda tramita no congresso, e a temática afro-brasileira está sendo dada em sala de aula por professores que conhecem superficialmente a cultura, por vezes reproduzindo preconceitos e perpetuando estereótipos. Mestre Nô protesta: “um professor de educação física jamais vai ter condições de ensinar a cultura popular da capoeira, ele pode ensinar uma coisa maquiada, mas jamais a capoeira em sua essência. Apenas os mestres e seus discípulos mais graduados têm esse conhecimento”.

Aposentadoria a passos de tartaruga

Uma questão diretamente relacionada à ocupação destes espaços profissionais e de poder é o projeto de aposentadoria para os antigos mestres. Muitos deles são reverenciados mas têm dificuldades concretas de sobrevivência no dia a dia, como Mestre Pastinha já alertava em 1980, seu penúltimo ano de vida: “A capoeira de nada precisa, quem precisa sou eu”. Ao receber uma homenagem na Câmara Municipal de Salvador, pelos seus 50 anos de capoeira, Mestre Virgílio desabafou: “Homenagens são boas, mas passam. Eu preciso hoje é de uma aposentadoria honesta pra levar o resto de minha vida”. Mestre Brandão, do Conselho de Mestres da ABCA, complementa: “Todo mundo tem que unir e procurar trazer um beneficio pros capoeiristas mais velhos, que depois de toda uma vida não podem mais jogar. Eu jogo capoeira há 58 anos”.

Pernambuco foi o primeiro estado brasileiro a gratificar representantes da cultura popular e tradicional com uma pensão mensal vitalícia. A Lei do Registro do Patrimônio Vivo, de 2002, já contemplou cerca de 20 mestres e grupos culturais populares, com bolsas que variam entre R$750 e R$1.500. Estados como Alagoas e Ceará têm programas semelhantes, enquanto o Governo Federal concedeu apenas um número reduzido de Bolsas de Incentivo Griô, de R$380, por um tempo determinado. A ABCA está atuando na proposição de um projeto que crie lei semelhante na Bahia, a fim de amparar antigos mestres da capoeira e de outras manifestações culturais populares.

“Os grandes mestres, como Bimba, Pastinha, Valdemar, se acabaram na maior lástima. O que se vende da Bahia é a capoeira e o candomblé, mas cadê os poderes públicos que não apóiam, não ajudam? É um descaso com os mestres antigos”, protesta Mestre Boca Rica, Vice-Presidente do Conselho de Mestres. Nascido em Maragogipe, Manoel Silva veio pra Salvador aos 15 anos e ingressou na Academia de Mestre Pastinha, acompanhando-o até sua derradeira hora. Com vários CDs gravados, depois de percorrer diversos países, ele questiona:”O que é que eu tenho? Nome! Mas cadê a aposentadoria para os antigos mestres que diz que vai sair, vai sair e nunca sai?”.

Outro projeto que está sendo pautado pela ABCA é o que articula a assistência médica e reabilitação física para os antigos mestres, a fim de permitir que estes recuperem sua plena saúde para a prática regular da capoeiragem.

Fundamentos

Mestre Nô também destaca a perspectiva de abrir cursos para jovens mestres e capoeiristas de outros estados, uma espécie de “pós graduação” com a velha guarda da capoeira angola da Bahia. “Vejo com muita tristeza o comportamento de alguns capoeiristas de hoje, e tenho medo de que percamos a essência maior que são os fundamentos da capoeira angola”, desabafa.

Em relação ao atual momento da entidade, Mestre Pelé do Tonel comenta: “estamos precisando de uma união limpa de amigos, sem maldades, dar a mão um ao outro como uma corrente e jogar o barco pra frente”. Mestre Zé do Lenço, membro do Conselho Fiscal, complementa: “não adianta camarada ficar de fora e não vir pra roda, todos têm que se unir e vir prestigiar essa casa, que precisa do nosso apoio”. Nascido em Abaíra, José Alves foi iniciado na capoeiragem em 1962 pelo Mestre Espinho Remoso, na Jaqueira do Carneiro, e tem sua academia na Sete Portas.

Para as novas gerações, Mestre Boca Rica relembra: “Mestre Pastinha falava: Eu sei que vou morrer, mas quero ver a capoeira no lugar dela, no teatro, na televisão, no cinema, na escola, na universidade… Aí eu falava comigo: será que esse velho tá ficando maluco? E não deu outra, a capoeira veio crescendo, hoje tá em mais de 200 países pelo mundo afora. Nós já estamos descendo a ladeira e são vocês que têm que levar essa capoeira de angola pra frente, não deixar ela morrer, se acabar”.

Mestre Nô também deixa um recado: “Não tenham pressa em se formar, tenham pressa em se informar, porque a pressa é inimiga da perfeição. Muitos que chegam ao grau de ensinar abandonam os treinamentos da academia do mestre, achando que já sabem. Tenham humildade e procurem sempre aprender “.

 

Paulo Andrade Magalhães Filho é jornalista, membro da ACESA e Secretário da ABCA

Conselho Nacional de Justiça cria programa que reúne projetos em defesa da infância

Brasília – Um programa que reúne o Cadastro Nacional de Adoção e projetos para registro civil de todas as crianças e adolescentes, combate à prostituição infantil, seqüestro internacional e reinserção social de menores em conflito com a lei. Essa é a definição do programa Nossas Crianças, lançado hoje (12), em Brasília, pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Conselho Nacional de Justiça cria programa que reúne projetos em defesa da infância

Em parceria com o governo do Distrito Federal, essas ações serão planejadas num edifício próximo à rodoviária de Brasília, que fica no ponto mais central da capital do país. O edifício, que já foi sede do Touring Club do Brasil (de serviços automobilísticos), estava abandonado e servia de ponto para prostituição de menores, tráfico e consumo de drogas e abrigo para moradores de rua.

A idéia é que, por meio de parcerias com os governos estaduais, as ações do programa cheguem a todo o país. No Distrito Federal, o projeto é reforçado por meio de outro, também lançado hoje: o ExpressAção, com quatro unidades móveis que vão atuar na periferia, servindo de salas de aula para oficinas de capoeira, artes, esportes e atividades produtivas.

“Na verdade temos um regime de co-responsabilidade. Temos as Varas da Infância e da Adolescência. Então, temos aqui uma grande responsabilidade nesse setor. Só que não podemos fazer nada sozinhos, como o governo também não pode fazer nada sozinho. Temos que celebrar essas parcerias, de modo que não estamos fazendo crítica nenhuma e sim uma autocrítica”, afirmou o presidente do STF, ministro Gilmar Mendes, presente ao lançamento.

Apadrinhado pelo vocalista da banda de rock mineira Jota Quest, Rogério Flausino, o programa também conta com a parceria da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) – os jogadores da seleção brasileira entrarão em campo com faixas sobre os direitos da criança na sociedade.

“Eu não tenho dúvida de que muito do que não acontece para esses meninos [em termos de oportunidade] é uma falta de atenção da sociedade. Às vezes, as famílias desses meninos já estão tão dilaceradas, muitas vezes porque o pai e a mãe vêm da mesma situação. A gente tem que ir lá, salvar esses garotos, por meio da escola, desses caminhões, que param e mudam a vida de um menino”, disse Flausino.

O governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, detalhou a atuação das unidades do ExpressAção: “As carretas têm professores de capoeira que vão para a periferia, aulas de todo tipo de esporte, aulas de dança, desenho, educação, tudo o que tem a ver com o resgate da criança para a cidadania. Aonde chegar uma carreta dessas, vai chegar alegria, esperança.”

Gilmar Mendes mencionou ainda outros projetos do CNJ, que devem chegar a todo o Brasil em breve: “No CNJ, há um banco de idéias. Por exemplo, há um programa aqui na Vara da Infância do Distrito Federal, chamado Anjos do Amanhã, que estamos tentando projetar para o Brasil todo. Esse é o nosso trabalho, um trabalho de mediação, de colocar esses programas à disposição de todos.”O Conselho Nacional de Justiça lançou um hotsite para o programa Nossas Crianças. Para acessá-lo, clique aqui. Nele, é possível obter informações sobre como se tornar voluntário.

Morillo Carvalho
Repórter da Agência Brasil – http://www.agenciabrasil.gov.br

Mestres de Capoeira organizam Conselho de Alagoas

Cerca de trinta mestres de capoeira se organizam para criar o Conselho Estadual de Mestres de Capoeira de Alagoas. A organização da Sociedade Civil – OSC, sem fins lucrativos, com finalidade sócio-cultural e educativa, pretende organizar a categoria que pretende divulgar e preservar a cultura afro-brasileira no estado, no país e até no exterior. Alguns dos principais objetivos da iniciativa são criar um interlocutor legitimado pela comunidade capoeirística para discutir a implementação de políticas públicas direcionadas a capoeira em Alagoas.

Além disso, eles desejam promover formação continuada para mestres, participar das discussões em torno da implementação das Leis Federal 10.639/03 e Estadual 6.814/07 que tratam da obrigatoriedade do ensino da história da África e da cultura afro-brasileira nas escolas públicas. A inclusão de forma específica da capoeira em editais estaduais e municipais de cultura, a exemplo dos publicados pelo Ministério da Cultura, vai ser uma das principais reivindicações dos mestres. Eles também pretendem construir mecanismos que possibilitem a inclusão da capoeira enquanto disciplina nos currículos escolares

Os capoeiristas são conhecidos pelos seus apelidos ou nomes artísticos, adquiridos durante a vivência capoeirística, ou colocado por seus mestres por ocasião dos batizados de capoeira e fazem questão de serem conhecidos dessa forma. Por muitas décadas, a capoeira não tinha conseguido uma organização desse porte, tendo no passado seus mestres atuado de forma isolada e informal. Mestre Tunico, que desenvolve um projeto de extensão com capoeira angola através do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros- NEAB, na Universidade Federal de Alagoas – UFAL, ressalta a importâcia histórica da criação do Conselho. ‘ Estava na hora dos mestres assumirem sua liderança, enquanto educadores populares, criando condições para construir uma nova realidade. Sempre trabalhamos pela inclusão social e cultural e agora conseguimos reunir os mestres de vários estilos e grupos de capoeira com um objetivo comum, que é a nossa inclusão no processo educativo formal e participação em editais de fomento a cultura afro-brasileira, especificamente, a capoeira, no estado e no município’.

A proposta do Conselho de transformar o ensino da capoeira numa disciplina formal nas escolas públicas está baseada nas Leis Federal e Estadual, em experiências isoladas, como a de Arapiraca que já aprovou, através da Câmara Municipal, a obrigatoriedade da capoeira nas escolas do município. Mestre Girafa, do Grupo Muzenza, um dos maiores no Brasil e no exterior, garante que em Israel, onde tem dois alunos ensinando capoeira, o ensino formal da mesma nas escolas públicas já é uma realidade.

Mestre Condi, recém graduado em Educação Física na UFAL, garante que é necessário envolver a universidade e as secretarias de Educação e de Cultura do estado e do município nessa construção coletiva. ‘Ser capoeira é ser ousado, é buscar caminhos, não se conformar com o estabelecido, principalmente quando o que está colocado não satisfaz a comunidade capoerística. Por isso, estamos construindo o Conselho de uma forma democrática, plural e inovadora’, ressaltou.

A idéia da criação do Conselho surgiu a partir da organização da primeira roda pública de capoeira angola a ser realizada no primeiro domingo de cada mês, às 16h30, no Posto Sete, no bairro da Jatiúca. Os mestres Condi, Tunico e Claudio coordenam a roda que terá sua estréia no dia 6 de abril, onde o toque e os fundamentos serão de angola, mas todos podem participar. Foi a partir dessas reuniões que surgiu a articulação com vários mestres como Jacaré, Ventania, Novo, Meinha, Jorge Ceará, He Man e Urubu, de Arapiraca, para o nascimento do Conselho. Segundo levantamento realizado pela Comissão de Organização do Conselho, Alagoas possui mais de 30 mestres de capoeira.

A Secretaria de Cultura de Alagoas tem dado apoio logístico para a realização do I Encontro de Mestres do Estado, no dia 3 de abril, às 14h, no Memorial da República, no bairro do Jaraguá. Nesse encontro, serão discutidos o estatuto e regimento do Conselho de Mestres, os critérios para a composição da diretoria, além dos objetivos e estratégias de atuação do mesmo.

Fonte: GAZETAWEB.COM – http://gazetaweb.globo.com

Conselho Superior de Mestres da Federação Riograndense de Capoeira

FEDERAÇÃO RIOGRANDENSE DE CAPOEIRA
Entidade Estadual de Direção, Administração e Regulamentação Desportiva
 
Informa:

No dia 05 de Setembro de 2007 foi criada o Conselho Superior de Mestres da Federação Riograndense de Capoeira, na qual foi escolhido para Mestre Presidente o Sr. Lindomar do Amaral Alves conhecido por Nino Alves, Diretor Técnico Roberto Avila Mestre Tucano e Diretor Cultural Mestre Paulo Renato Narciso Karcará.
Os membros do conselho Superior de Mestres São: Ivonei, Klaity, Betinho, Delmar e Soneka.

Já estão abertas as inscrições para homologação de graduação da Federação Riograndense de Capoeira.
1ª Etapa Curso com o Mestre Nino Alves dia 20 de Setembro de 2007
2ª Etapa Curso com o Mestre Tucano dia 27 de Outubro de 2007
3ª Etapa Curso com o Mestre Karcará dia 15 de Novembro de 2007

Para homologação dos certificados estagiário, instrutor, formado, monitor, professor, contramestre e mestre, se faz necessário cumprir os cursos com os mestres acima, para maiores informações entrar em contato com o Mestre Presidente Gavião Fone: 9812.8737

 
FEDERAÇÃO RIOGRANDENSE DE CAPOEIRA
Entidade de Direção, Administração e Regulamentação Esportiva
CENTRO DE REFERÊNCIA DA CAPOEIRA GAÚCHA
 
LIGA REGIONAL DE CAPOEIRA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL
 
CNPJ 08.877.016/0001-9
 
Fundada da em 23 de outubro de 2006 – Rua Marcilio Dias 1081 – Menino Deus – Porto Alegre – RS – Brasil – Fone: – 9812.8737
 
 
Mestre Presidente Gavião
(051) 8451.3441
Secretário Gigante
(051) 8144.8525

Exigência de registro de profissionais não graduados em Educação Física é ilegal

A 3ª Turma do Tribunal Regional Federal (TRF) da 4ª Região julgou hoje (8/5) dois processos que discutem a inscrição de profissionais não graduados nos conselhos regionais de Educação Física.
Nos dois recursos analisados, interpostos contra sentenças proferidas pela Justiça Federal do PR e do RS, foi reconhecida, por unanimidade, a ilegalidade da exigência de inscrição de instrutores de dança, capoeira, ioga e artes marciais. 

As apelações cíveis têm origem em duas ações civis públicas movidas pelo Ministério Público Federal (MPF). Em uma delas, o Conselho Regional de Educação Física da 9ª Região (Cref9/PR) foi condenado a não exigir o registro de instrutores de dança, capoeira, ioga e artes marciais. Ao analisar o recurso interposto no TRF, a juíza federal Vânia Hack de Almeida, convocada para atuar como desembargadora, entendeu que deve ser mantida a sentença. Segundo a magistrada, a Lei 9.696/98, que regulamenta a profissão de Educação Física, não elencou quais atividades estão abrangidas neste conceito.
 
Vânia destacou em seu voto que a Resolução 46/2002 do Conselho Federal de Educação Física (Confef), que define os campos de atuação do profissional da área, excedeu suas atribuições. O regulamento, salientou, “existe em razão da lei, e não o contrário”. Assim, destacou a juíza, a resolução não pode inovar na ordem jurídica, criando direitos e obrigações aos administrados.

Na outra ação julgada hoje pela 3ª Turma, o Cref2, do Rio Grande do Sul, também foi impedido de exigir inscrição dos instrutores dessas modalidades, independentemente do local em que as aulas sejam ministradas. O relator desse recurso, desembargador federal Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, entendeu que o ordenamento jurídico brasileiro atribuiu ao regulamento unicamente o papel de regulamentar a lei, “não podendo inovar, ampliar ou restringir seus direitos, sob pena de ilegalidade”.
 
Thompson Flores destacou em seu voto trecho do parecer do MPF, segundo o qual não cabe ao Conselho Regional de Educação Física exigir as inscrições desses profissionais, independentemente do lugar da prática da atividade: academias, clubes, instituições de ensino, associações ou similares.
 

Referência Jurídica:
 
AC 2003.70.00.003788-9/TRF

AC 2003.71.00.033569-6/TRF

 

Fonte: TRF4

Federação Riograndense de Capoeira – Ata de Fundação

ATA DE FUNDAÇÃO
 
Ao dia Vinte e Três do mês Setembro do ano de Dois mil e seis, às Dezoito horas e Trinta Minutos, na Usina do Gasômetro, na cidade de Porto Alegre, reuniram-se com o objetivo de fundar a Federação Riograndense de Capoeira e participar de Assembléia Geral, para indicação e aprovação do Estatuto e nomeação dos membros da Diretoria e do Conselho Administrativo. Passada a palavra ao Presidente, Vitor Hugo Narciso, o mesmo deu boas vindas e agradeceu a presença de todos e deu por aberta Assembléia Geral, em seguida informou aos presentes os nomes das pessoas que irão compor a Diretoria e o Conselho Administrativo. Enfatizou os objetivos da Federação Riograndense de Capoeira, metas para o ano de Dois mil e sete, questões problemáticas para realização da Semana da Capoeira em Porto Alegre, explicado a todos a intenção de encaminhar para a Prefeitura de Porto Alegre novo Projetos relacionados a Capoeira. Após, foi passada a palavra ao convidado presente, Vereador da Cidade de Porto Alegre, Raul Carrion que expressou sua opinião aos problemas dos capoeiristas de todo estado, da Semana da Capoeira e sobre a possibilidade do aumento do orçamento destinado a Capoeira. para o ano de Dois Mil e Sete. Incluir o aumento do orçamento na Lei de Diretrizes Orçamentárias de Porto Alegre, foi a proposta do Vereador Raul Carrion. Ainda com a palavra, Raul Carrion falou da necessidade de concretizar um Projeto antigo em Porto Alegre, o Camelódromo no Brick da Redenção, local este que serviria como ponto de encontro e referência da Capoeira na cidade. Agradeceu o convite recebido, e se despediu. Voltando a palavra para Vitor Hugo Narciso, o mesmo relatou aos presentes alguns problemas que estão sendo vivenciados em Porto Alegre, como a falta de critérios adotada na contratação de profissionais da Capoeira, a necessidade de uma regularização junto ao governo do município e do estado para que haja uma padronização e fiscalização nesse sentido.
 
Ainda, relatou questões burocráticas no Projeto da Semana da Consciência Negra junto ao Departamento de Direitos Humanos da Prefeitura de Poro Alegre, enfatizou as conquistas obtidas durante o tempo em que esteve a frente da Liga Regional de Capoeira do estado do Rio Grande do Sul, e, abriu para os presentes fazerem questionamentos. Foi passada palavra ao Mestre Ivonei que fez seus questionamentos. Após responder aos questionamentos, Vitor Hugo Narciso, passou a palavra para ao Mestre Nino Alves que também fez algumas perguntas e falou dos problemas da Capoeira e da necessidade de uma organização séria e competente. Devolvida a palavra, Vitor Hugo Narciso, passou a palavra ao Mestre Bartelemi que relatou os problemas que vinha tendo e fez questionamentos sobre questões de ordem organizacional da Federação Riograndense. Vitor Hugo Narciso, após responder as dúvidas, passou a palavra para Adélia Kervalt Costa que enfatizou a prioridade dos capoeiristas deveria ser a união. Vitor Hugo Narciso, falou do funcionamento do estatuto e papel do Conselho Administrativo. Passou a palavra para Ricardo Atti que expôs sua opinião referente aos critérios adotados pela Prefeitura de Porto Alegre na contratação dos profissionais da Capoeira. Vitor Hugo agradeceu a contribuição de Ricardo Atti e passou a palavra ao Mestre Klaity que expressou seu apoio a fundação da Federação Riograndense, em seguida, Mestre Kaká também expressou seu apoio. Vitor Hugo novamente passou a palavra a Mestre Ivonei, em seguida passou a palavra a Mestre Nino Alves que deixou a sugestão que todos devessem trazer para a próxima Assembléia, Projetos a serem analisados.
 
Ao final Mestre Gavião agradeceu a presença de todos: Liga Regional de Capoeira do estado do Rio Grande do Sul, Grupo de Capoeira Cativeiro Ltda., LBV de Porto Alegre, Associação Cultural de Capoeira Iê da Volta ao Mundo, Associação de Capoeira Oxósse, Associação de Capoeira Esquiva de Oxossi, Associação Desportiva e Cultural Norte Sul Capoeria Oxossi, Projeto Surfar Capoeira, Associação Cultural da Arte Brasileira, Associação de Capoeira Dança do Matagal, Associação de Capoeira Esporte Nacional, Associação de Capoeira Camboatá, Grupo de Capoeira Pesquisa e Fundamento, Grupo de Capoeira Liberdade, Grupo Muzenza, Associação de Capoeira Mocambo, Sizal Capoeira; marcou nova Assembléia Geral para o dia Quatorze do mês Outubro do ano Dois mil e seis, e deu por encerrada a Assembléia Geral para Fundação da Federação Riograndense de Capoeira as Dezenove Horas e Quarenta e Cinco minutos, ficando a Diretoria e o Conselho Administrativo compostos da seguinte maneira:
 
Presidente:  Vitor Hugo Narciso
Vice-Presidente:  Ari Fontoura Filho
Secretário:  Tairone Walzer Sant Ana
Tesoureiro:  
Conselho Administrativo: 
    
    
Porto Alegre 23 de Setembro de 2006.

FICA: EDITAL DE CONVOCAÇÃO

A todos os capoeiristas e simpatizantes
Informamos a todos os capoeiristas e simpatizantes que estaremos realizando nossa Assembléia Geral Ordinária simultâneamente com o IV Congresso Técnico Internacional e a IV convenção de Arbitragem.
Somente terão direito de voto neste evento, as Federações Nacionais que estiverem regularizadas documental e financeiramente junto à FICA, além do Conselho Superior de Mestres, em conjunto.
Os árbitros que estiverem devidamente credenciados pela FICA também terão acesso aos trabalhos. São também convidados todos os presidentes de Federações Estaduais e de Ligas Regionais e Municipais que também estiverem documentalmente regularizados junto à FICA. São também convidados a participar, todos os presidentes das Associações Brasileiras, bastando apenas a confirmação de participação e o credenciamento prévio junto ao e-mail capoeira.fica@gmail.com.  Entidades ou pessoas que desejarem participar deste evento também deverão solicitar previamente seus credenciamentos à FICA através do e-mail capoeira.fica@gmail.com . Todos os crecendenciamentos prévios deverão ocorrer até o dia 04 de fevereiro de 2006.
Solicitamos redistribuirem esta mensagem para suas listas. Para maior esclarecimento segue o Edital de Convocação:
 EDITAL DE CONVOCAÇÃO
O Presidente da Federação Internacional de Capoeira, no uso de suas atribuições estatutárias vem pelo presente convocar os Presidentes das Federações Nacionais de Capoeira a comparecerem em Assembléia Geral Ordinária a ocorrer nos dias 09, 10, 11 e 12 de fevereiro de 2006, concomitantemente ao IV Congresso Técnico Internacional e a IV Convenção de Arbitragem, serem realizados no Ginásio de Esportes Nelson Ruegger, Cidade Araras, SP, Brasil, cito à Praça Dr. Roberto Mercatelli s/n onde serão deliberadas as seguintes ordens do dia:
   1. Prestação de contas;
   2. Previsão orçamentária 2006 / 2007 e anuidades de filiações;
   3. Alteração do endereço da sede da FICA;
   4. Reforma Estatutária: Reestruturação das Vice-Presidências; Implantação do Conselho Gestor, formado por Presidentes das Federações Nacionais; Representatividade continental eqüitativa nos quadros eletivos;
   5. Ampliação da representatividade do Conselho Superior de Mestres;
   6. Revisão de padrões de uniformes e de graduações;
   7. Implantação do Código Desportivo Internacional de Capoeira – CDIC, a partir do resultado das revisões e das fusões do Regulamento Internacional de Capoeira e do Regulamento Desportivo Internacional de Capoeira;
   8. Implantação do Código Internacional de Justiça Desportiva da Capoeira – CIJDD;
   9. Eleição e posse do Vice-Presidente Cultural; um Procurador, Nove Auditores da Corte Internacional de Justiça Desportiva;
  10. Tramitação documental junto ao Comitê Olímpico Internacional;
  11. Campeonatos Mundiais de Capoeira em atendimento às exigências parciais do Comitê Olímpico Internacional;
  12. Calendário desportivo para o biênio 2006 / 2007 e parcerias estratégicas;
  13. Capacitação e credenciamento de técnicos, treinadores, docentes, árbitros e capoeiristas e de Pessoas Jurídicas;
  14. Cursos da Universidade Livre de Capoeira e Artes Marciais – UNICLAM;
A recepção, o credenciamento das entidades ocorrerá no dia 09, no horário das 08:00 às 12:00 e a abertura da assembléia agendada para as 19:30 h do mesmo dia.
Somente terão direito de voto as Entidades Nacionais que estiverem em situação documental e financeira regularizada junto à Federação Internacional de Capoeira, correspondendo apenas um único voto por representação nacional.
Cada delegação poderá ser composta por vários membros. Durante o evento serão fornecidos gratuitamente às delegações os seguintes cursos práticos e teóricos: Nomenclatura Oficial de Movimentos de Capoeira; Organização Desportiva Nacional e Internacional de Capoeira; Fundamentos de Arbitragem e Competições de Capoeira.
Serão fornecidos alojamentos gratuitos a cada participante, sendo que as despesas de transportes e alimentações ocorrerão por conta de cada delegação.
Todos os participantes deverão estar trajados formalmente: homens com terno e gravata e, mulheres em trajes compatíveis. Nas atividades práticas: uniforme branco.
São Paulo, SP, Brasil, 20 de dezembro de 2005.
Sergio Luiz de Souza Vieira
Presidente