Blog

coordenador

Vendo Artigos etiquetados em: coordenador

I Mostra Nacional de Produção Científica em Lutas

1.ª Mostra Nacional de Produção Científica em Lutas é a novidade mais aguardada da 4ª Convenção Internacional de Artes Marciais (2013).

Sucesso de público e crítica por 3 anos consecutivos, a 4ª Convenção Internacional de Artes Marciais e Modalidades Esportivas de Combate será agraciada por uma novidade imperdível: A 1ª Mostra Nacional de Produção Científica em Lutas.

Os organizadores esperam com isso, não só constituir novo espaço físico e virtual de divulgação sobre os avanços na Ciência das Artes Marciais, como disponibilizar aos participantes da Convenção, atualização in loco, com os mais recentes trabalhos publicados.

Além disso, segundo Leandro Paiva, coordenador geral da convenção, existem três vantagens adicionais em participar da Mostra: a primeira é a seriedade e competência com que será conduzida, pois o coordenador técnico, Fabrício Boscolo Del Vecchio, além de faixa preta, é considerado o maior pesquisador brasileiro sobre o tema, com participação em mostras científicas no exterior, mais de 50 artigos publicados em periódicos nacionais e internacionais, além de livros e capítulos de livros.

A segunda vantagem é que os trabalhos serão organizados, registrados em cartório e publicados em PDF como “Anais da 1ª Mostra Nacional de Produção Científica em Lutas”, com a possibilidade de alocar em futuro próximo os resumos e artigos completos na plataforma Scielo ou em Revista Online especialmente desenvolvida para isso.

Por fim, quem se inscrever na Mostra Científica automaticamente poderá participar neste dia da Convenção, gratuitamente, de todos os cursos com certificado.

 

Para saber mais e se inscrever, direto pelo site oficial: http://eventos.tatame.com/

Massapê: II Batizado de Capoeira com alunos do PETI

Em Massapê a Assistência Social promove o II Batizado de Capoeira com alunos do PETI.

A Prefeitura de Massapê do Piauí, através da Secretaria de Assistência Social, realizou na noite desta quinta-feira (24) o II Batizado de Capoeira com alunos assistidos pelo PETI.

O evento foi prestigiado por um grade público. Esteve presente o prefeito Sousinha e parte seus assessores.

O Projeto Capoeira é ministrado por instrutores do Grupo Cordão de Ouro.

A cerimônia de batismo foi conduzida pelo Mestre César Escravo, de Teresina, que é coordenador do Grupo Cordão de Ouro nos Estados do Piauí e Maranhão.

Na ocasião, 32 alunos do programa – dos núcleos da sede e da localidade Caraíbas receberam a nova graduação.

 

Fonte: http://180graus.com

Projeto Anastácia realizará Semana Municipal da Capoeira em Paulínia

Depois que foi votado o Projeto de Lei instituindo a Semana Municipal da Capoeira, Paulínia tem vivenciado mais de perto a prática deste esporte. Pelo terceiro ano consecutivo, atletas se reúnem para a complementação do trabalho que é feito junto às oficinas socioeducativas, e apresentar a comunidade paulinense o trabalho e o desempenho desenvolvido pelo programa.

O Projeto Anastácia é desenvolvido pela Associação Rainha do Engenho que está presente no município desde 1974, e trabalha em parceria com a Associação Criança Feliz, tem como objetivo oferecer as pessoas, a oportunidade de praticarem exercícios físicos, trabalhar a dinâmica em grupo, a musicalidade e o convívio social, além de divulgar a tradição e a valorização da nossa cultura afro-brasileira.

Apesar do preconceito que ainda existe, e que muitas pessoas acham que capoeira está ligada a religião, fazendo com que alguns pais tirem os filhos das aulas, salientamos que isso é apenas folclore, e falta de conhecimento da prática do esporte.

O tema da III Semana da Capoeira que acontecerá de 26 de setembro a 3 de outubro, será “Não Jogue Com a Vida, Jogue Capoeira, de uma Rasteira nas Drogas”. O tema foi escolhido de acordo com o que os educadores têm presenciado nos bairros; “encontramos muitas crianças e adolescentes envolvidos no mundo das drogas, e inocentemente são iludidos e usados como “mula” (nome dado as pessoas que transportam drogas), e na prática da capoeira procuramos orientar as crianças e adolescentes o perigo que elas oferecem, argumentou o coordenador do Projeto Mestre Domingos. Ele também enfatiza a importância da participação do Poder Público, apoiando as ações do Projeto, na disseminação da cultura e do esporte, uma cidade só agrega valores com iniciativas como esta”, concluiu o coordenador.

As aulas de capoeira são ministradas no Ginásio do João Aranha, no bairro Parque da Represa, e também na APAE (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), e tem mais de 300 participantes entre crianças, jovens, adultos e Terceira Idade.

Fonte: Assessoria de Imprensa – http://www.paulinianews.com.br

Amapá: Operadora de telecomunicações aposta no Social e na Capoeira

Em visita aos dez maiores colaboradores da TIM no estado do Amapá, o coordenador estadual da companhia de telefonia móvel, Márcio Leite, fala sobre estratégias, ações sociais e sobre a importância da interção da comunidade em sua estratégia de negócios, utilizando a nossa capoeira como um importante meio de interarir e se comunicar com a sociedade da região.

Interessada não só em estender o seu mercado de negócios, a TIM visa estabelecer uma estreita relação com o público através de participações em ações sociais. Para exemplificar isso é só lembrar das lixeiras que foram doadas pela empresa multinacional durante a última edição do Macapá Folia. Ocorrida na Orla do Santa Inês, com o intuito de que o rio amazonas e a orla da cidade não fossem degradados. " Eu acredito que uma empresa como a nossa, hoje, não pode deixar de ter parceiros, até para estreitar esse vínculo de parceria, não só no fim do ano, mas durante ele todo. Nós tivemos, ao longo do ano, parcerias com bairros, interagindo diretamente com a comunidade, então, para nós, isso é bastante importante." Afirma Márcio.

Entre as ações sociais realizadas pela empresa, aconteceram também aulas de capoeira para a comunidade e serviços de orientação aos jovens, com a finalidade de fazer com que compreendessem o perigo das drogas. O Coordenador acredita que tal dedicação pode ser explicada pelo tipo de mercado que o país possui. " O mercado maranhense, por exemplo, é um mercado de troca. Lá, um aparelho serve como entrada na aquisição de outro. Aqui, o mercado é muito mais forte. Aqui o que ocorre é um mercado de venda. Aqui, em média se vende cerca de 50 mil aparelhos por mês e adquirimos mais ou menos 15 mil clientes novos. É um mercado que gira com um capital muito alto, apesar de toda essa crise que se fala." explica o coordenador estadual.

A longa conversa não ficou só no mercado da telefonia móvel. Otaciano Júnior apresentou os novos projetos que o Jornal do Dia prepara para o mercado local, em termos de investimentos tanto no seu pessoal quanto no seu maquinário. O aniversário da cidade e concomitantemente do Jornal, a festa do Prêmio Nossa Gente, a aquisição de uma nova rotativa – fator que prepara o Primeiro Diário do Amapá para uma alavancada frente às informações que vão ser repassadas em 2009.

O Diretor comentou em poucas linhas como o mercado consumidor costuma se comportar em determinadas épocas do ano, lembrando que o fato de não se melindrar tanto com a crise mundial se deve aos dois piores meses, considerado pela classe empresarial. " Julho e Novembro são considerados os piores, uma vez que a compra no comércio diminui. O consumidor se prepara nos meses anteriores para esse período de férias, e no caso das empresas é necessário se manter firme devido a queda nas vendas. Por isso, eu acredito que o amapaense não sentiu tanto quando a crise foi informada.

Márcio explica que a crise não intimidou os empresários amapaenses. " Esse temor foi passado pela televisão. Aqui, o mercado não se intimidou mesmo! Isso mostra a força do comércio amapaense e, principalmente, do consumidor." , diz. Até fevereiro de 2009, pelo menos nove antenas vão estar instaladas em Macapá buscando garantir um melhor sinal para os clientes da Operadora.

Capoeira, bancários e Flauta Doce em Piracicaba

Uma parceria entre o projeto Capoeira na Periferia e o Sindicato dos Bancários de Piracicaba vai levar toda a magia do Natal às agências bancárias da cidade, entre os dias 11 e 23 deste mês, por meio de apresentações musicais realizadas por um grupo de 25 crianças e jovens do curso de flauta-doce.

As apresentações, de aproximadamente 30 minutos cada, terão um repertório de 15 músicas selecionadas pelo professor do curso de flauta-doce, maestro Alexandre Menegale, que também coordena o coral do projeto, composto de 50 integrantes. Ele conta que o objetivo da atividade cultural, batizada de Um Toque de Natal, é exatamente tocar o coração das pessoas por meio da música. "O Natal mexe com as pessoas, desperta os mais nobres sentimentos", observa.

Já o coordenador do projeto Capoeira na Periferia, José Manoel do Nascimento, relata que a experiência será uma troca entre público e os músicos. "De um lado as nossas crianças, que aprendem atividades esportivas e culturais o ano todo e, agora, têm a chance de mostrar um pouco desse trabalho para as pessoas e, do outro, bancários e clientes que serão tocados pelo espírito de Natal", comenta. O coordenador também relata que o objetivo maior é sensibilizar a sociedade e provar que a música pode ser um antídoto contra ações anti-sociais. "Nosso maior sonho é conseguir doações de instrumentos para a formação de uma banda musical, e o primeiro passo para isso são essas apresentações que estão sendo viabilizadas por patrocinadores e pelo Sindicato dos Bancários".

O agendamento das apresentações foi feito pelo sindicato, que é um dos apoiadores do projeto. O presidente da entidade, José Antonio Fernandes Paiva, disse que o Capoeira na Periferia é um exemplo de ação social que merece ser reconhecida publicamente. "São várias frentes de atuação que passam por atividades esportivas, culturais e até profissionalizantes. Apesar de todas as dificuldades estruturais, consegue atender a quase 400 crianças e jovens da nossa comunidade", ressalta o sindicalista.

Um Toque de Natal irá percorrer, além das agências centrais, também os bancos instalados nos bairros da cidade. Organizações de Piracicaba e região, interessadas em apresentações especiais, podem manter contato, pelos telefones (19) 3035.3329 e 8116.5461.

Mestre Gilvan promove curso de capoterapia para capoeiristas do RJ

O criador da Capoterapia – capoeira da terceira-idade – e presidente fundador da Associação Brasileira de Capoterapia, Mestre Gilvan estará com sua equipe no Rio de Janeiro nos dias 28, 29 e 30 de novembro. O objetivo da visita é ministrar o curso Prático e Teórico de Capoterapia.

Participam da caravana 50 idosos que freqüentam os grupos de Capoterapia em centros de saúde e ongs do Distrito Federal. O curso é aberto a capoeiristas e não capoeiristas. A organização do evento está a cargo do Mestre Gilvan (61) 9962 2511 e do jornalista Mano Lima (61) 8407 7960. A atividade tem o apoio dos mestres Bogado, Hulk e Teacher e de entidades de capoeira do RJ.

PROGRAMAÇÃO

Instrutor – Gilvan Alves de Andrade, Mestre Gilvan, Fundador da Associação Brasileira de Capoterapia e idealizador da Capoterapia

Carga Horária – 20 horas, sendo 16 práticas e 4 teóricas.

Público-Alvo: capoeiristas, professores de educação física, terapeutas corporais, arte-educadores e demais profissionais que atuam com terceira-idade.

Idade mínima: 16 anos

Local: Praia de Copacabana (à altura do hotel Copacabana Palace)

Dias: 28 e 29/11 (praia de copacabana) e 30/11/2008 (parte teórica no SMEL BARRA)

Inscrição: Capoeiristas são isentos. Os demais interessados devem pagar R$ 120,00 reais no local.

Certificado que habilita pra o exercício da atividade de capoterapeuta: r$ 120,00 (para capoeiristas e não capoeiristas)

Informações: Mano Lima – (61) 8407 7960, mestre em Educação, www.dicionariocapoeira.com. Coordenador do Canal E. Repórter do "Caderno Educação", www.temnoticia.com.br e www.portalcapoeira.com.

Mano Lima – (61) 8407 7960, mestre em Educação, www.dicionariocapoeira.com. Coordenador do Canal E. Repórter do "Caderno Educação", www.temnoticia.com.br e www.portalcapoeira.com.

Livro: Capoeira Um Instrumento Psicomotor para Cidadania

Dos autores Gladson de Oliveira Silva (Mestre Gladson) e Vinicius Heine (Professor Vinicius), o livro Capoeira Um Instrumento Psicomotor Para Cidadania aborda a Capoeira sob o enfoque pedagógico, educacional, cultural e social. Fruto de 40 anos de experiência no processo de ensino e aprendizagem da Capoeira em diferentes contextos: Escolas, Universidades, Academias, Clubes e Projetos Sociais, o livro analisa como a Capoeira pode contribuir para a formação do ser humano em sua totalidade.

O pré lançamento do Livro acontecerá durante o V Encontro Internacional de Atividade Física e Esporte no dia 16 de Julho de 2008 (quarta-feira), das 13:00 as 17:00hs, em São Paulo, onde os autores ministrarão um curso com base no livro. Maiores informações sobre o curso (local, datas, horários, valores de inscrição) no site http://www.phorte.com.br/encontro/

O lançamento oficial acontecerá no dia 26 de Agosto (Terça-feira) na FNAC da Avenida Paulista, a partir das 19:00hs (AV. PAULISTA, 901 Térreo Mez. e 1º subsolo, ext.Alameda Santos,960 – Bela Vista). Também durante a XI Clínica de Capoeira que acontecerá no CEPEUSP nos dias 29, 30 e 31 de Agosto de 2008.

O livro é recomendado para profissionais da Capoeira em geral (Mestres, Contra Mestres, professores, monitores e instrutores), professores de educação Física e Esporte, Pedagogos, Educadores, Sociólogos, Historiadores, Cientistas Sociais, Antropólogos, Psicólogos, Agentes Sociais, Líderes Comunitários e amantes e admiradores da arte da Capoeira em geral. Os conteúdos abordados trazem elementos essenciais para os que acreditam no educar e no transformar através da Capoeira e que trabalham em diferentes contextos e com diferentes faixas etárias. Especialmente para aqueles que querem ampliar os seus conhecimentos e sua capacidade de atuação humana e profissional. Os conteúdos abordados e as atividades práticas propostas se aplicam a alunos de Capoeira em diferentes níveis de treinamento.

O livro é didaticamente "dividido" em duas partes. A primeira parte é composta por sete capítulos que tratam dos seguintes temas: Capoeira e Cidadania, Capoeira Escolar, O Caráter lúdico do Jogo da Capoeira, O Processo educativo na Capoeira, A Utilização de Materiais Pedagógicos, O Ritual da Capoeira e A Criança e a Capoeira.

A segunda parte do livro trás atividades mais aplicadas e ferramentas pedagógicas para o ensino da Capoeira e é composta por maia cinco capítulos: Jogos e Brincadeiras de Capoeira, Rodas Cantadas, Os movimentos da Capoeira, Maculelê e Músicas.

O livro é prefaciado pelo professor, educador, filósofo e pensador do mundo da Educação e da Educação Física João Batista Freire, professor aposentado da UNICAMP e atual professor do Centro de Educação Física e Esportes da Universidade do Estado de Santa Catarina (UESC). Autor de diversos livros relacionados ao fazer pedagógico, dentre eles "Pedagogia do Futebol", "O Jogo, entre o riso e o choro", "O Jogo dentro e fora da escola", "De Corpo e Alma, o discurso da motricidade" e "Educação de Corpo Inteiro: Teoria e Prática de Educação Física".


No prefácio, João Batista Freire afirma:

"Li de sopetão o texto todo, pelo prazer que me deu. Tal como ladainhas entoadas nas rodas de capoeira, as palavras fluem com leveza e paixão. O livro é um canto, é um samba de roda. É poético; e é contundente".

João Batista Freire

A quarta Capa do Livro Capoeira Um Instrumento Psicomotor para a Cidadania é assinada por Raimundo César Alves de Almeida o Mestre Itapoan, que após a leitura do livro afirmou:

"A seriedade com que trata as diversas facetas da Capoeira fará, com certeza, deste livro leitura indispensável para todos aqueles que acreditam na nossa arte de lutar sorrindo, como só nós brasileiros sabemos fazer. Estudo definitivo para quem quer lidar com crianças de forma responsável e divertida, além de mostrar aos adultos como é fácil ser criança, como se faz para acordar a criança que existe em todos nós. Estou fascinado e rezando a todos os Orixás para que este livro venha logo a público".


Mestre Itapoan

O livro trás conteúdos atualizados em linguagem simples e direta. Além da sua dimensão reflexiva e filosófica apresenta aplicabilidade prática tanto dos conceitos apresentados como das atividades e dinâmicas propostas. Aborda o tema da Capoeira de forma ampla e profunda.

O Livro colocará o leitor em contato com o universo da Capoeira em sua dimensão cultural, educacional, lúdica e social. Ampliará a compreensão dos fundamentos e princípios pedagógicos da Capoeira; a Capoeira como forma de transformação social e filosofia de vida. A Capoeira como forma de arte e de expressão humana e como elemento essencial para a construção de uma sociedade mais digna, mais humana e mais fraterna. Demonstra o valor sócio, histórico e cultural da Capoeira: um instrumento psicomotor para a cidadania.

O livro é amplamente ilustrado com fotos de alta qualidade e apresenta um acabamento gráfico impecável produzido pela excelente equipe da Phorte Editora, a mais importante Editora da área de Educação Física e Esporte do Brasil.

Os autores são professores de Capoeira do CEPEUSP (Centro de Práticas Esportivas da Universidade de São Paulo), da Secretaria de Esporte, Juventude e Lazer do estado de São Paulo e do Projeto Porta Aberta (Projeto Social desenvolvido no Parque Santo Dias – Capão Redondo – zona sul da Capital paulista).

Abaixo apresentamos um breve resumo dos Capítulos do Livro e um currículo resumido dos autores.

Capoeira Um Instrumento Psicomotor para CidadaniaO Primeiro Capítulo aborda conteúdos teóricos e filosóficos em torno do tema Capoeira e cidadania. Trás reflexões sobre o potencial da Capoeira em promover inclusão social e formação humana junto a crianças, jovens e adultos que vivem em situação de vulnerabilidade social. Trás depoimentos dos alunos e relatos de experiências do Projeto Porta Aberta, um projeto social que acontece desde 2001 no Parque Santo Dias, São Paulo, sob a coordenação do Mestre Gladson e o do Professor Vinicius). Ainda neste Capítulo é abordada a questão da violência, suas possíveis origens e seu entendimento dentro da dinâmica maior da sociedade.

O segundo capítulo do livro, Capoeira Escolar aborda e contextualiza a inserção da Capoeira na escola e trás uma reflexão sobre a seguinte questão: "Capoeira na escola ou capoeira da escola?". É analisada a importância da Capoeira no contexto escolar como forma de resgate da cultura popular e como instrumento para o desenvolvimento integral dos alunos. O Capítulo trás ainda reflexões sobre a importante relação entre a Capoeira, a escola e a família e a Capoeira, a escola e a comunidade.

O Terceiro Capítulo aborda o tema do Caráter Lúdico no Jogo da Capoeira. A ludicidade, o brincar, o jogar são elementos centrais na metodologia, na filosofia e na pedagogia do trabalho desenvolvido pelos autores. Assim, é feita uma ampla reflexão sobre o elemento lúdico e sua importância no processo educativo e social da Capoeira.

O quarto capítulo aborda o Processo educativo na Capoeira, sua perspectiva histórica e os diferentes elementos e processos educacionais presentes no jogo da capoeira, nos seus movimentos, cantos e músicas, bateria de instrumentos e principalmente na Roda de capoeira, onde todos os demais elementos entram em síntese.

O quinto capítulo analisa a importância e o diferencial pedagógico proporcionados pela utilização de materiais pedagógicos nas aulas de Capoeira.

O sexto capítulo analisa o Ritual da capoeira e seus diferentes elementos: a bateria, os tocadores, a postura, entrada e saída da Roda, a espera, o canto e o coro.

O Capítulo sete, por sua vez, fala da importante relação entre a Capoeira e a criança. E aborda, dentre outros aspectos, os motivos que levam as crianças a praticarem capoeira, o papel dos pais no processo de ensino e aprendizagem da Capoeira, os benefícios da capoeira para as crianças, por que as crianças podem desistir da capoeira? O que fazer para incentivar? As características comportamentais das crianças que devem ser levadas em consideração pelo professor. A relação entre conteúdo geral x específico. E o papel da Capoeira na promoção da saúde física, mental, emocional e social das crianças. Trás ainda uma declaração dos Direitos do Jovem Capoeirista.

Currículo resumido dos autores

Gladson de Oliveira Silva – Mestre Gladson

40 anos de experiência de trabalhos relacionados à Capoeira. Discípulo de Aírton Neves Moura – Mestre Onça – discípulo de Mestre Bimba.

Professor de Educação Física formado e Pós graduado pela UniABC.

Professor de Educação Física e Capoeira do CEPEUSP (Centro de Práticas esportivas da Universidade de São Paulo) e da Secretaria de Esportes, Turismo e Lazer do Estado de São Paulo.

Coordenador do Projeto Porta Aberta – Projeto Social desenvolvido no Capão Redondo – SP.

Coordenador da Projete Liberdade Capoeira: Escola de Capoeira que desenvolve projetos em Escolas, Universidades e Projetos Sociais no Brasil (São Paulo e Pelotas – RS) e no Exterior (Argentina, Peru e Espanha).

Coordenador de diversos Cursos e Congressos de Capoeira realizados pelo CEPEUSP (Capoeira e Ginástica Olímpica, Festival Cultural de Capoeira, Gincana de Capoeira, Clínica de Capoeira, Fundamentos Pedagógicos da Capoeira, Torneio Brasileiro Inter-Univesidades de Capoeira)

Ministrou Cursos e Workshops de Capoeira no Japão, Argentina, Peru, EUA, Espanha e Rússia.

Ministrou Cursos e proferiu Palestras na área de Capoeira em congressos e eventos em diferentes Estados do Brasil.

Professor do primeiro curso de especialização em Capoeira Escolar da Unb (Universidade de Brasília)

Ministrou Curso de Capacitação de Professores em Secretarias Municipais de Educação (São Paulo, Santo André e Santana do Parnaíba)

Consultor do INDESP (Instituto Nacional de desenvolvimento do Esporte)

Diretor de Capoeira da Federação Universitária Paulista de Esportes (FUPE)

Diretor de Capoeira da Confederação Brasileira de Desporto Universitário (CBDU)

Técnico tetra campeão Brasileiro dirigindo a Equipe Paulista pela Federação Paulista de Capoeira (FPC).

Técnico campeão dos Jogos Escolares Brasileiros (JEBs) dirigindo a equipe escolar de Capoeira de São Paulo

Diretor Técnico da Federação paulista de Capoeira (FPC) durante 15 anos.

Coordenador da Capoeira na Olimpíada Infanto-Juvenil da Cidade de São Paulo – Secretaria Municipal de Esportes

Autor de diversos artigos relacionados a capoeira publicados em revistas e páginas da Internet.

Autor da Revista de Capoeira da Editora Três – 1983.

Autor do Livro Capoeira do Engenho a Universidade.

Recebeu a Medalha Anchieta pela Câmara Municipal de São Paulo pelos serviços prestados à Capoeira.

Vinicius Heine – Professor Vinicius

17 anos de experiência em trabalhos relacionados a Capoeira. Discípulo do Mestre Gladson.

Bacharel em esporte formado pela Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo.

Pós graduado pela Universidade Politécnica da Catalunha – Espanha e pela Universidade Gama Filho.

Professor de Educação Física, Capoeira e Atividade Física Individualizada do CEPEUSP (Centro de Práticas esportivas da Universidade de São Paulo).

Coordenador do Projeto Porta Aberta – Projeto Social desenvolvido no Capão Redondo – SP.

Coordenador da Projete Liberdade Capoeira: Escola de Capoeira que desenvolve projetos em Escolas, Universidades e Projetos Sociais no Brasil (São Paulo e Pelotas – RS) e no Exterior (Argentina, Peru e Espanha).

Coordenador de diversos Cursos e Congressos de Capoeira realizados pelo CEPEUSP (Capoeira e Ginástica Olímpica, Festival Cultural de Capoeira, Gincana de Capoeira, Clínica de Capoeira, Fundamentos Pedagógicos da Capoeira)

Ministrou Cursos e Workshops de Capoeira no Canadá, Argentina, Peru, EUA, Espanha, França e Rússia.

Ministrou Cursos e proferiu Palestras na área de Capoeira em congressos e eventos em diferentes Estados do Brasil.

Ministrou Curso de Capacitação de Professores em Secretarias Municipais de Educação (São Paulo, Santo André e Santana do Parnaíba)

Autor de diversos artigos relacionados à capoeira publicados em revistas e páginas da Internet.

 

Capoeira Um Instrumento Psicomotor para Cidadania

 
  • Maiores informações no blog http://capoeiraecidadania.blogspot.com/

Uberaba – Capoeirista diz ser o verdadeiro autor de projeto premiado

Conforme o Jornal da Manhã noticiou no dia 10, após ser selecionado pelo Ministério da Cultura como um dos grupos vencedores do Prêmio Capoeira Viva 2007, o Muzenza Mirim de Uberaba ganhou do governo federal
R$ 6 mil. No entanto, Wagner Borges Silva, coordenador da equipe, afirma que o dinheiro não chegou ao grupo.

De acordo com ele, o projeto vencedor nem mesmo estava em prática na cidade. "Trata-se de uma parceria que tínhamos com a Prefeitura, em que dávamos aulas de capoeira nas escolas municipais da cidade. Porém, desde 2004 esse projeto está parado", explica.

O coordenador conta, ainda, que o projeto atendeu em torno de 1.880 crianças, em15 escolas, durante os quatro anos em que foi desenvolvido. "Realmente é um bom projeto, pois, para participar, a criança tinha que estar estudando. Então, nossa equipe ia para a escola fora do horário de aula dos alunos e ensinava as técnicas da capoeira", relembra.

Tanto tempo depois do encerramento das atividades, Silva conta que se surpreendeu com a notícia de que o projeto havia sido selecionado. "Nós não o inscrevemos. Ficamos assustados em saber que ele havia sido escolhido. De cara, percebemos que havia algo errado", relata.

No entanto, o coordenador confessa que a surpresa foi ainda maior ao descobrir que o projeto estava inscrito em nome de outra pessoa, segundo ele, uma mulher que não faz parte do grupo. "Nunca ouvi falar no nome dela. É uma farsante utilizando o nosso grupo e, agora, vai pegar esse dinheiro", conta.

Como o projeto era desenvolvido em parceria com a Secretaria Municipal de Educação, o capoeirista conta que se reuniu, no começo da semana, com representantes do órgão, na tentativa de resgatarem o prêmio e descobrir quem está por trás da farsa. "Após a reunião, marcamos uma reunião com o Ministério da Cultura, que será realizada na semana que vem. Vamos desmascarar essa mulher e processá-la", diz.

Ministério. Na Secretaria de Incentivo e Fomento à Cultura (Sefic), do Ministério da Cultura, foi confirmada a inscrição do projeto em nome de Eleusa das Graças Gomes, que teria apresentado toda a documentação exigida. Seu nome consta, inclusive, no site oficial. No entanto, na Secretaria, não souberam informar se o prêmio já havia sido resgatado. Diante da denúncia, a situação deverá passar por análise.

Jornal da Manhã – Uberaba
http://www.jmonline.com.br

Encontro de Capoeira na Universidade de Aveiro

Ao toque do berimbau
 
O Núcleo de Capoeira da Universidade de Aveiro promoveu ontem a sétima edição do Workshop de Capoeira, um encontro que junta anualmente alunos e mestres para promover a modalidade e trocar experiência. Do Brasil veio o mestre Corisco, o mais antigo elemento da linhagem deste grupo
O Núcleo de Capoeira da Universidade de Aveiro (UA) acolheu ontem a sétima edição do já habitual Workshop de Capoeira que, uma vez por ano, junta vários alunos e mestres para convívio e aprendizagem. Este ano, veio de S. Paulo, no Brasil, o mestre Corisco, o mais antigo elemento da linhagem do grupo Lagoa da Saudade, a que o Núcleo pertence. "Estão aqui mais de cinquenta praticantes, alguns da UA, muitos do Porto", explica Helder Albuquerque, coordenador do grupo. "Para além do mestre Corisco, veio também o contramestre Careca, de Valência, e Luciano Milani, editor de um portal sobre Capoeira", conta.
 
Ao longo do dia, o grupo dividiu-se e teve formação com os vários mestres. Depois do almoço, teve lugar um "bate-papo" sobre a modalidade, onde foram discutidas várias temáticas, nomeadamente a improtnância da Internet como meio de divulgação desta arte. Mais formação e prática e uma roda de capoeira encerraram o encontro.
 
Para Helder Albuquerque, o workshop serve para «promover a capoeira junto dos praticantes e passar conhecimentos». Para além disso, pretende dinamizar o espaço universitário e «convidar toda a comunidade a vir conhecer o grupo». O coordenador lembra que estamos no final do ano lectivo, mas que em Setembro que quiser pode inscrever-se, e que as aulas não são apenas para estudantes universitários.
 
Matéria do Jornal 

Clique aqui para ampliar a imagem

De onde vem a Capoeira
 
Num Brasil de grandes senhores e muitos escravos, os negros criaram a capoeira para treinar o corpo para a fuga. A ginga e a dança não os denunciavam, permitindo o treino debaixo da vigilância dos capatazes.
 
Depois da fuga, a capoeira ajudava a escapar aos capitães de mato.
 
Com a abolição da escravatura, em 1888, os negros livres não eram aceites na sociedade, que se recusava a pagar por serviços que antes recebiam de forma gratuita. Daí que muitos negros libertos tenham optado pela capoeira como modo de subsistência através do roubo ou de trabalhos sujos, associando esta arte à figura do malandro e à vadiagem.
 
A capoeira foi então proibida e retomada livremente mais tarde, embora nunca tenha deixado de ser praticada.
 
Na luta por uma capoeira mais «limpa» destacaram-se os mestres Bimba e Pastinha, no início do século XX.
 
O mestre Bimba introduziu algumas piruetas e criou um método de ensino de capoeira fundando, em 1932, a primeira academia para o ensino desta prática
 
Fonte: Diário de Aveiro – Jornal Regional On-Line – www.diarioaveiro.pt/
 

Nota de Falecimento: Gilberto Alves de Andrade Oscaranha (Mestre Oscaranha)

Missa de sétimo dia em memória do prof.Oscaranha na Capela São Pedro de Alcântara – Palácio Universitário da Praia Vermelha – FCC/UFRJ
{jgxtimg src:=[http://www.portalcapoeira.com/images/stories/Capoeira/Diversos/missa/missa2.jpg] width:=[160]} {jgxtimg src:=[http://www.portalcapoeira.com/images/stories/Capoeira/Diversos/missa/missa3.jpg] width:=[160]} {jgxtimg src:=[http://www.portalcapoeira.com/images/stories/Capoeira/Diversos/missa/missa4.jpg] width:=[160]}

Lamentamos informar o falecimento  do Mestre Oscaranha  o enterro será no cemitério de Irajá, capela n° 4 às 16:00 hs.
att, Mestre Narizinho.
Professor Gilberto Alves de Andrade Oscaranha (Mestre Gilberto Oscaranha)
Coordenador do Acervo Cultural da Capoeira
Escola de Educação Física e Desportos – UFRJ
Rio de Janeiro, Brasil
 
Mestre Oscaranha, era sem dúvida um dos grandes articuladores da capoeiragem carioca e por que não dizer mundial… Organizava eventos, encontros, era o coordenador de vários projetos onde a capoeira estava envolvida, um dos percusores da incersão da capoeira em outras frentes como por exemplo o teatro… Mestre Oscaranha, um grande ser humano, capoeirista cheio de luz, repleto de idéias e atitudes.
 
Muita paz, axé e harmonia!!!
 
Fica aqui a homenagem do Portal Capoeira:
 
Festival de capoeira lota o ginásio de lutas da UFRJ
 

Mariana Elia e Mariana Granja
 
Miscigenação, cultura, dança, harmonia, integração. Essas palavras resumem o VIII Festival de Capoeira, ocorrido dia 1 de junho, no Ginásio de Lutas da Escola de Educação Física e Desportos (EEFD), da UFRJ. Trazendo diversos grupos de Capoeira e de dança do país, o VIII Festival, organizado por Gilberto Andrade Oscaranha, do departamento do lutas da EEFD, lotou o ginásio com estudantes, pais, capoeiristas e admiradores da arte esportiva.
Diversos grupos de Capoeira do Rio de Janeiro estavam presentes, como o Terra, a Associação de Capoeira Brasil-África e os Libertadores Capoeira, além de grupos de danças brasileiras, como o Brincando na Roda.
 
Importantes mestres assistiram e participaram das apresentações do jogo. Entre eles, destacam-se Mintirinha, Gilberto da Barra e o próprio Oscaranha.A velha guarda da Capoeira foi homenageada com medalhas e certificados de agradecimentos ao longo do evento.
Apresentações, como a promovida pelos capoeiristas da EEFD, organizado pela professora Rosângela Rufato, com crianças portadoras de necessidades especiais, impressionaram os presentes. O grupo Brincando na Roda se apresentou, mostrando o Maracatu, dança típica brasileira, porém ainda desconhecida por muitos. Outros demonstraram suas habilidades, com movimentos rápidos e acrobacias altas, jogando em harmonia com integrantes de grupos de capoeira.
 
O grupo Herança Negra, que somente acolhe crianças com bom desempenho escolar, trabalha com Jongo, Maracatu e Bumba-meu-boi. De acordo com o coordenador do grupo, Mestre Baiano Rasta, a apresentação “Missa dos negros”, representou a relação entre os negros e Igreja, na qual os primeiros aprenderam ritos da segunda para se defenderem das mazelas impostas durante a era colonial. Sobre o Festival, Mestre Baiano Rasta diz que “é muita emoção ver as crianças se apresentando para os grandes nomes da Capoeira na universidade. O que eu disser será ainda pouco para o que sinto, não há palavras”.Para Amanda Pinheiro, do Mara Brasil, esse tipo de evento é importante para divulgar a cultura negra. O grupo e mais quatro companhias dançaram o Jongo do Rio de Janeiro e o Tambor da Crioula do Maranhão (um dos rituais mais populares da cultura afro).
O reitor Aloísio Teixeira esteve presente, assim como Eliane Frenkel, da Pró- reitoria de extensão (Pr-5), Francisco Strauss, representando o Centro de Ciências da Saúde (CCS), Sônia Castilho, sub-secretária de Esporte do estado do Rio de Janeiro, e Alexandre Mello, diretor da EEFD, para quem a escola, por sua competência, aborda diversas áreas do esporte, tanto científicas quanto culturais e antropológicas. E a Capoeira é um dos bens mais valiosos do povo, pois busca a integração
 
Opinião essa partilhada com o professor Oscaranha: “esse festival abre as portas da Universidade para a cultura popular. Aproxima a sociedade da universidade, cumprindo sua função, que é a integração”.
 
Oscaranha foi o primeiro professor de Capoeira em uma universidade no mundo. A UFRJ foi pioneira na valorização da luta, instaurando como obrigatória a disciplina de Capoeira na EEFD.
 
 
Homenagem de mestre André Lacé
 
Nota de Falecimento: Gilberto Alves de Andrade Oscaranha (Mestre Oscaranha)Professor da Escola de Educação Física e Desportos (EEFD) da Universidade Federal do Rio de Janeiro e defensor da inclusão da Capoeira nas atividades acadêmicas, Oscaranha (foto por Marco Fernandes) foi o primeiro professor universitário de Capoeira do Brasil.
Homem de visão, dentro da própria EEFD criou o Acervo Cultural de Capoeira Arthur Emídio de Oliveira (ACCAEO), por ele considerado, com toda razão, “pólo de resistência cultural dentro da universidade”. Em minha opinião, esse Acervo pode ser considerado uma das mais sérias realizações na área da Capoeiragem, senão a mais séria.
O Acervo (CCAEO) já possui invejáveis registros, nas formas mais variadas – quadros, filmes, livros, artigos, monografias, teses e dissertações, discos, CDs, Cd-rom, DVds, instrumentos musicais, partituras, roupas típicas e uniformes etc – à disposição de todo e qualquer interessado pelo cada vez mais fascinante Mundo da Capoeiragem.  Através do ACCAEO, Oscaranha organizou oito festivais de Capoeira na EEFD, tendo o mais recente, em julho de 2006, reunido cerca de 1500 pessoas, em suas quatro horas de realização.
Professor Joel Pires Marques, ex-aluno da EEFD, amigo leal do grande mestre Oscaranha (que o orientou em sua monografia – Capoeira: jogo atlético brasileiro – cuja leitura recomendo), acredita que, “quando um mestre morre (dia 29 de janeiro), a Capoeira não perde um guerreiro, e sim, ganha mais adeptos e cultuadores de seus ritos, fundamentos e segredos”.
Assim, os que apoiavam as idéias, ideais e realizações de Mestre Oscaranha, certamente continuarão apoiando o Acervo Artur Emídio de Oliveira, sem dúvida, relevem a repetição emocionada, uma das mais importantes iniciativas de todos os tempos no campo da Capoeiragem.