Blog

deficiente

Vendo Artigos etiquetados em: deficiente

Jogadores do Palmeiras saem fortalecidos da AACD

O sorriso do atacante Luan, ao se deparar com uma roda de capoeira formada por crianças com deficiências físicas, nesta quinta-feira, na AACD (Associação de Assistência à Criança Deficiente), teve uma espontaneidade comovente. A julgar pela temporada complicada do time, não é difícil imaginar que, neste ano, foram poucas as vezes em que os jogadores do Palmeiras se sentiram tão queridos.

Algumas das crianças não têm braços ou pernas. Mas todas têm o sorriso que comoveu Marcos Assunção, Maurício Ramos, o gerente César Sampaio, o vice-presidente Roberto Frizzo e os garotos Bruno Dybal e Lucas Taylor, campeões paulistas sub-17 pelo clube.

Na semana  em que jogam um importante clássico contra o seu maior rival, o Corinthians, no Pacaembu, os jogadores do Palmeiras que participaram da ação promovida pelo clube certamente ganharam um motivo extra para se dedicarem. Solicitações de fotos se misturavam a agradecimentos e pedidos de gol na partida de domingo. E os jogadores, sempre solícitos, faziam questão de atender a todas as crianças.

Marcos Assunção, entusiasta assumido de ações sociais, era o mais procurado. Foi um hábito adquirido na Europa. Em mais de um momento, foi possível notar a alegria do camisa 20. Neste ano, o jogador já havia dado uma palestra na Fundação Casa. Às vésperas do  Dérbi do primeiro turno, Assunção também já havia doado uma camisa autografada, a ser leiloada pela AACD, a pedido do DIÁRIO (veja abaixo).

“O contato com essas crianças faz com que a gente valorize mais as nossas vidas”, disse. “Eu, que sou pai, imagino como deve ser a dor de alguém que vê seu filho deficiente, impossibilitado de fazer o que quer. É nossa obrigação, como jogadores, fazer esse tipo de visita”, disse, com olhos marejados.   Além de dar atenção aos pacientes, os jogadores, em nome do Palmeiras, fizeram a doação de oito próteses para a AACD.

Houve, claro, espaço para provocações e brincadeiras. Alguns gritos de “Corinthians” foram ouvidos. E até o presidente da entidade, João Octaviano, com alguma incoveniência, fez brincadeiras com os jogadores. Mas tudo em tom amistoso e com bom humor. Como tudo que envolve o futebol deveria ser, sempre.

“Volto para casa mais feliz hoje”, diz Assunção

O capitão Marcos Assunção aproveitou sua visita à AACD para entregar pessoalmente a camisa que doou à entidade para leilão, antes do primeiro Palmeiras X Corinthians  do Brasileirão, em 28 de agosto, a pedido do DIÁRIO. A camisa do Corinthians na foto ao lado foi doada por Chicão para promover o jogo como o “Clássico do Bem” (veja reprodução da capa do caderno de esporte desta data ao lado).

Angelo Franzão, superintendente da AACD, grato pela ação, enalteceu a importância da visista dos palmeirenses. “ A gente sempre  incentiva este tipo de ação porque situações como essas permitem que mostremos os  avanços da AACD e a maneira ciomo trabalhamos em prol da inclusão social do deficiente físico”, disse ele. “O esporte é uma válvula de mobilização muito importante. Ter atletas aqui mexe com as crianças. ”

Se depender da vontade de Marcos Assunção, Franzão e a AACD vão sempre contar com o auxílio de atletas. “Faço com o maior prazer e incentivo os demais. É bom para as crianças, mas também é  bom para mim”, afirmou. “As crianças estão mais felizes, sem dúvidas, mas eu também volto para casa mais feliz hoje. ”

Fonte: http://www.diariosp.com.br

José Evânio um Capoeira muito especial

Rede Record grava matéria com deficiente em Olho d’Água das Flores

A Rede Record esteve no município alagoano de Olho d’Água das Flores, na última sexta-feira, 19, para contar a história de superação do garoto José Evânio (Ninho), de 14 anos, portador de múltiplas deficiências físicas.

Ninho mora com a mãe e quatro irmãos, em uma casa alugada e a única renda da família é o salário que Ninho recebe do beneficio (BPC deficiente). Mesmo com as dificuldades o jovem é capaz de realizar tarefas como: jogar bola, jogar capoeira, tocar teclado e outras atividades realizadas com força de vontade.

O José Evânio exalta sua felicidade, é otimista em seus sonhos os quais busca diariamente e a reportagem se propôs a mostrar o segredo da ‘verdadeira felicidade’.

O José Evânio é otimista em seus sonhos os quais busca diariamente.

Nós do Portal Capoeira temos a imensa alegria de vos dar a conhecer José Evânio um Capoeira muito especial, mais um dos protagonistas de nossa seção: “Capoeira sem Fronteiras”

 

Fonte: http://minutosertao.com.br

Pernambuco: Capoeira reintegra crianças e adolescentes especiais

Uma ação desenvolvida por grupos de Pernambuco está conseguindo reintegrar crianças e adolescentes especiais através da capoeira, que mistura dança, luta, música, cultura popular. Mas que também tem outra função muito importante. Desenvolvida no Brasil por escravos africanos e seus descendentes, é caracterizada por golpes e movimentos ágeis e complexos, utilizando os pés, as mãos, a cabeça, os joelhos, cotovelos, elementos ginástico-acrobáticos.

Além de um grupo da Universidade Católica de Pernambuco, a Unicap,  a  Associação de Assistência à Criança Deficiente, AACD do Recife, também está desenvolvendo um trabalho voluntário com a capoeira, fazendo a diferença no tratamento com crianças. Veja tudo isso aqui.

Fonte: http://pe360graus.globo.com/

Aconteceu: Amsterdã – Capoeira sem limites

Nos dias 8 e 9 de junho de 2007, Amsterdã sediou um encontro de capoeira destinado a pessoas portadoras de deficiências físicas ou psíquicas. O evento, batizado de Capoeira Pererê, partiu da iniciativa da subprefeitura de Amsterdã (Oud Zuid) e foi organizado pela Associação Capoeira Berimbau de Ouro.
    • Pieter van den Kieboom, que não enxerga, joga capoeira com'Beriba' e 'Simpatia': Assista ao vídeo
Os participantes tocaram instrumentos de percussão, cantaram e fizeram os movimentos da capoeira e do maculelê, dança afro-indígena. Este foi o segundo Capoeira Pererê. O primeiro encontro de capoeira organizado na capital holandesa para pessoas deficientes aconteceu no ano passado.
 
Luiz Carlos Afonso, ou melhor, mestre Marreta, conduziu o evento. Afonso vive há 18 anos na Holanda e é mestre de capoeira há 31. Ele explica que embora nunca tenha feito um curso específico para isso, a sua experiência e a riqueza da capoeira possibilitam a realização do workshop.
 
Participações especiais
 
O finlandês Nikolai Klinx veio de Helsinki especialmente para participar do evento e dar uma das oficinas. Apesar de ter nascido sem braços e ter os pés um pouco virados para dentro, ele pratica o esporte há oito anos. Para ele, o aspecto mais importante do esporte brasileiro é a improvisação e a tradição cultural.
 
Hüseyin Öztürk, é o único bailarino de break em cadeira de rodas da Holanda e estava presente no Capoeira Pererê. Portador de poliomielite, Özturk também faz parte da seleção holandesa de basquetebol em cadeira de rodas. Com a sua arte, ele quer mostrar que pessoas deficientes 'não precisam ser vistas como coitadas', mas como capazes de fazer muita coisa.
 
Roos Prommenschenckel, miss deficiente físico holandesa de 2006, também visitou a encontro. A jovem, de 22 anos, sofre há três anos de torcicolo espasmódico que força a cabeça dela a inclinar-se para trás e a asfixia.
 
Por isso, ela tem de estar sempre deitada e usar um colete como formas de impedir que isso aconteça. Prommenschenckel ficou impressionada com a performance de Pieter van den Kieboom durante a roda da capoeira. Para Prommenschenckel, foi difícil perceber que o praticante é deficiente visual.
 
Van den Kieboom, que pratica capoeira há um ano, possui apenas 2% de visão no olho esquerdo. Com a capoeira, ele descobriu novas possibilidades para o corpo dele, além de ampliar o contato social, e fazer novas amizades, com os praticantes do esporte.  "A minha vida tornou-se mais rica, conheci novas pessoas e os valores da capoeira e da cultura brasileira".
 
Na opinião de mestre Marreta, as pessoas que fazem parte do grupo dele, adquiriram algumas destas características: 'Amizade e espontaneidade são outros aspectos que acontecem dentro do grupo de capoeira. Quando cheguei à Europa, as pessoas por aqui eram muito presas à agenda. Com o tempo, eu fui quebrando isso e eles passaram a agir da minha maneira."
 

Mestre Chico: Capoeira ajuda jovens com deficiência

Há oito anos Mestre Chico dá aulas de capoeira para portadores de deficiência, e cada vez mais se surpreende com os resultados obtidos. A iniciativa estimulou o professor a desenvolver um projeto de capoeira inclusiva, que atende comunidades de baixa renda e jovens com algum tipo de deficiência do bairro de Jacarepaguá no Rio de Janeiro. Robson Coutinho, ou Mestre Chico, apelido que foi batizado na capoeira, retomou o trabalho social no final de 2003, depois de morar dois anos em Danbury (EUA), e tem conseguido provar que portadores de deficiências podem ser incluídos em atividades esportivas.
Lorrany Ramos,11 anos, é deficiente visual e mental e se diz muito mais feliz depois de ter conhecido a capoeira através do Mestre Chico. Ela explica que o esporte a ajudou a perder a timidez e a se relacionar melhor com as outras crianças ditas “normais”. “Convivo mais com crianças que possuem deficiência visual pelo fato de estudar em um colégio especializado e o convívio com outras crianças me ajuda muito”, diz. Para Robson Coutinho, quando o deficiente pratica capoeira com outras crianças sente que pode se igualar a elas.“ Isso é muito importante para a sua auto-estima e uma forma de integrá-la à sociedade”, justifica.
Há oito anos Mestre Chico dá aulas de capoeira para portadores de deficiência, e cada vez mais se surpreende com os resultados obtidos. A iniciativa estimulou o professor a desenvolver um projeto de capoeira inclusiva, que atende comunidades de baixa renda e jovens com algum tipo de deficiência do bairro de Jacarepaguá no Rio de Janeiro. Robson Coutinho, ou Mestre Chico, apelido que foi batizado na capoeira, retomou o trabalho social no final de 2003, depois de morar dois anos em Danbury (EUA), e tem conseguido provar que portadores de deficiências podem ser incluídos em atividades esportivas.
Read More

Capoeira, terapia e diversão para crianças portadoras de deficiência

SUGESTÃO DE PAUTA CAPOEIRA É TERAPIA E DIVERSÃO PARA CRIANÇAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA
 
O setor de Reabilitação Desportiva da AACD (Associação de Assistência à Criança Deficiente) iniciou um programa inédito com crianças portadoras de deficiência física: a capoeira. Hoje, mais de um ano depois de implantado, o projeto demonstra resultados satisfatórios do ponto de vista médico e terapêutico, além de ser uma grande brincadeira para meninos e meninas portadores de deficiência física. Para o instrutor de capoeira voluntário Alex Souza Santos o trabalho com crianças portadoras de deficiência física era novidade. Junto com o setor de Reabilitação Desportiva da AACD ele aceitou o desafio e hoje colhe os resultados. "Após este período conseguimos notar benefícios como melhor equilíbrio, desenvolvimento mental, disciplina e sociabilização", diz Edna Garcez, coordenadora do setor. "Hoje, os alunos estão mais participativos, demonstrando ginga e alongamento." Essa aquisição de habilidades é observada não só durante os treinos, mas também nas atividades diárias das crianças. Edna levou a capoeira para a AACD com o apoio dos médicos. "Qualquer paciente, independente da idade ou da patologia, pode participar, inclusive pacientes em cadeiras de roda, que também dão sua contribuição." Liliam Brito Assessora de Imprensa AACD (Associação de Assistência à Criança Deficiente)
 
Tel: 11 5576-0609 celular: 11 9409-1489 e-mails: mkt-liliam@aacd.org.br / liliambrito@bol.com.br
Ricardo Viveiros – Oficina de Comunicação www.viveiros.com.br