Blog

engenho

Vendo Artigos etiquetados em: engenho

A princesa Aqualtune

Não é apenas uma, duas ou três, são muitas as mulheres valentes e guerreiras que lutaram por si, pelo seu povo e por seus ideais.

Uma dessas mulheres é Aqualtune, princesa do Congo, que comandou um exército de dez mil homens em batalha contra os Jagas, guerreiros bárbaros que invadiram o Congo.

Com a interferência dos escravistas europeus que, com armas de fogo, desequilibravam as lutas dos povos africanos conforme seus interesses, o exército de Aqualtune foi derrotado e a princesa foi capturada e trazida ao Brasil nas condições sub-humanas de todo navio negreiro.

Aqualtune foi obrigada a manter relações sexuais com um escravo para fins reprodutivos e desembarcou já grávida no Porto de Recife. Foi leiloada e levada para um engenho em Porto Calvo, no sul de Pernambuco.

Foi no engenho que Aqualtune conheceu histórias sobre a resistência negra à escravidão e ouviu falar no Quilombo de Palmares. Com a mesma coragem e determinação que demonstrava em sua terra, Aqualtune organizou uma fuga para o quilombo e fugiu nos últimos meses de gravidez, acompanhada de outros escravos.

Já em Palmares, onde as tradições africanas eram preservadas, a princesa teve sua origem nobre reconhecida. 
Dois de seus filhos, Ganga Zumba e Gana Zona tornaram-se chefes dos mocambos mais importantes do quilombo e sua filha mais velha, Sabina, é a mãe de Zumbi dos Palmares.

Quanto à morte de Aqualtune, existem informações divergentes. Acredita-se que a princesa morreu queimada em 1677,quando sua aldeia foi incendiada durante uma batalha. Mas outras fontes citam que Aqualtune teria escapado, não sendo conhecida a data de sua morte.

Fontes:

A Terra da Liberdade
Criola.org
Casa de Cultura Mulher Negra
Meio Norte
Overmundo

Neila Vasconcelos – Venusianacapoeiradevenus.blogspot.com

Mestre Marinheiro: “Aqui, sou o Barack Obama”

Mestre Marinheiro: “Tudo funciona pelo querer e amor ao próximo”

Sábado cedinho, o menino desperta e vai com o irmão mais velho para o saveiro que sai do pequeno píer de Salinas da Margarida rumo a Salvador. A embarcação vai carregada de frutos do mar para vender a comerciantes do Mercado Modelo.

O irmão é marinheiro do saveiro, e o menino vai olhando o mar da Baía de Todos-os-Santos, ansioso para ver chegar a capital, onde no pátio do imenso  mercado o som do berimbau e o cântico de negros impõem-se na balbúrdia como algo hipnótico.  

É fim da década de 60 (século XX) e na capital a capoeira ferve sob o sol do meio-dia no mercadão. O menino contempla os grandes da capoeira que ali fazem roda: mestres Cacau, Dois de Ouro, Gajé…

“Eu vi a nata da capoeira jogando”, lembra Valcir Batista Lima, hoje, na altura dos 47 anos e mais conhecido como mestre Marinheiro na comunidade onde mora, no Engenho Velho da Federação. Mais precisamente na Baixa da Égua, um dos locais onde a violência é grande e jovens se expõem ao tráfico de drogas.

“Eu vi muitos jovens expostos nas esquinas. Muitos entraram na capoeira e se encaminharam na vida”, diz Marinheiro, que já ensinou a arte da capoeira a 500 pessoas e formou cinco  mestres.

No miolo do bairro, construiu o centro de cultura Ginga e Malícia, vinculado à União Internacional de Capoeira Regional (Unicar), e hoje também um dos Pontos de Cultura identificados pelo Ministério da Cultura (Minc), que investiu no local R$ 180 mil. É ali que muitos jovens e crianças, por meio de atividades culturais, conseguem driblar a escolha de um futuro inseguro. Pelas ruas do bairro, todos o respeitam: “Aqui, sou o Barack Obama”, brinca.

Infância – Marinheiro sabe bem o que é nascer pobre. Ele lembra de quando, menino, levantava às cinco da madrugada para ajudar a mãe, dona Regina Célia, a mariscar nos mangues de Salinas para ter não só o que comer mas também o que vender e sustentar a família. Foi assim até a mãe  morrer. O pai, que vivia de biscate, há tempos passava dias em Salvador. A irmã mais velha, Rosa Maria, nem pensou duas vezes para trazer os meninos para a capital, em 1975.

Foram morar no Engenho Velho de Brotas. Tentava frequentar a escola, mas a vida urgia e passou a carregar sacola de mercado para “as madames”. “Ia pouco para a escola porque tinha a necessidade da sobrevivência”. Quem conversa com Marinheiro hoje, porém, não diz que ele ainda tenta concluir o 2° grau.

O fato é que Valcir fez de tudo um pouco para ganhar dinheiro, até como assistente de cozinha de restaurante chique no Hotel Meridien trabalhou. Também cozinhava no Sesc ali de Piatã. Era quando via os salva-vidas treinarem, na piscina olímpica do clube.

Um dia, no ano de 1983, decidiu fazer o teste para ser salva-vidas. Passou numa das cinco vagas entre 80 concorrentes. Foi na praia que conheceu mestre Orelha, também salva-vidas, que o incentivou a entrar para a capoeira.

Foi ali na Associação de Capoeira Regional, no Pelourinho, que Valcir conheceu mestre Bamba, que viria a batizá-lo como Marinheiro – o porquê da alcunha é guardado a sete chaves por Bamba –  e criá-lo também mestre. Muitos anos se passaram entre o ofício de salva-vidas, a capoeira e o casamento que lhe deu três filhos: Valcir Junior, Amanda e Luanda – esta, que é o braço direito do pai no centro de cultura na Baixa da Égua. Mestre Marinheiro já nos anos 90 se esforçava em busca de espaço para ensinar capoeira à meninada do bairro, onde até hoje mora.

Conseguiu o primeiro espaço na Escola Municipal do Engenho Velho da Federação. Mas o sonho de Marinheiro era ter uma sede própria. Foi num dos encontros de capoeira com estrangeiros – sim, Marinheiro sempre recebeu gente da Europa e EUA para ensinar a capoeira –, que conheceu um inglês, Henrique Franklin, que se tornaria um dos seus melhores amigos e seu “amuleto da sorte”.

Quando Henrique voltou para a Inglaterra, tratou de promover festas nas quais arrecadou fundos em prol da instituição de Marinheiro. Foi assim que ele comprou o terreno e construiu o galpão. Mas a capoeira foi apenas o motivo para transformar o local num verdadeiro centro de cultura, arte e cidadania. Ali os jovens aprendem informática, teatro, capoeira e tem até brinquedoteca para crianças.

Marinheiro já viajou à Europa mais de 10 vezes. Numa dessas viagens batizou o filho de Henrique. Teve oportunidades, se fosse de seu feitio, de ganhar dinheiro. Mas os planos de Marinheiro são pela coletividade. Seu ganha-pão ainda é o ofício de salva-vidas.

“Tudo funciona pelo querer e amor ao próximo. Não é discurso bonito, é prática”, diz. São muitos os projetos do centro de cultura precisando de dinheiro. Mas desânimo é palavra que não existe no vocabulário de Marinheiro.

Fonte: http://www.atarde.com.br/cidades

Bahia: Grupo de capoeira desenvolverá atividades ambientais

Salvador – Aliar capoeira a educação ambiental. Este é o objetivo da parceria entre a Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema) e o Grupo de Capoeira Ginga e Malícia. Com duração de três meses, o convênio vai permitir ao grupo – que atua há 18 anos com aulas de capoeira – desenvolver atividades socioambientais para jovens e crianças do Engenho Velho da Federação e bairros vizinhos.

De acordo com Valcir Batista Lima, conhecido como Mestre Marinheiro, o objetivo é despertar nos jovens a importância da preservação do meio ambiente através da capoeira.

“A idéia é retirar eles das ruas e integrá-los a uma iniciativa para que tenham noções básicas de educação ambiental. Preservar o meio ambiente é uma base para o viver. Quem cuida garante uma qualidade de vida melhor”, expressou Mestre Marinheiro, fundador do grupo de Capoeira Ginga e Malícia.

No grupo, a produção do berimbau – instrumento básico da capoeira – é feita pelos próprios jovens. Segundo Marinheiro, a biriba é a melhor madeira para fabricação do berimbau e é no Recôncavo que se encontra a de melhor qualidade.

Por conta disso, ele pretende expandir a iniciativa para a região. “No local, a procura pela madeira é grande e as pessoas irão entender a importância de retirar e manusear a madeira de forma correta, sem provocar agressões ao meio ambiente”, disse.

Segundo Tatiana Matos, assessora especial da Sema, o objetivo pretendido pelo convênio é formar uma consciência socioambiental junto à comunidade do Engenho Velho da Federação e bairros vizinhos.

Instrumento de educação – Criado em 1992 pelo Mestre Marinheiro, o grupo de Capoeira Ginga e Malícia, além da capoeira, disponibiliza em sua sede aulas de capoeira, teatro, inglês, artes plásticas, e artesanato, além de palestras educativas.

De acordo com o Mestre Marinheiro, a proposta é democratizar o acesso ao conhecimento, trabalhar a cidadania, disciplina, companheirismo e envolver crianças e adolescentes em atividades socioeducativas. Na sede, são ministradas ainda aulas de informática para as crianças do Engenho Velho e bairros vizinhos.

Fonte: http://www.jornaldamidia.com.br

11º Show Cultural de Capoeira movimenta o Distrito Federal

Evento cultural em comemoração ao Dia do Trabalho leva arte e cultura a moradores de 21 comunidades no Riacho Fundo I.

Brasília – A idéia de agregar cultura e ação social motivou a parceria entre a produtora Engenho de Arte e o Centro Cultural e Social Grito de Liberdade – Mestre Cobra, entidade que atua há 15 anos no Distrito Federal e que tem como carro-chefe promover a inclusão social por meio da capoeira usada como ícone de abordagem dentro dessas comunidades. “É uma maneira de abrir um leque para outras manifestações culturais que trazem valores primordiais para a prevenção e re-socialização de crianças, jovens e adultos em situação de risco”, explica Luiz Cláudio França, o mestrando Minhoca, vice-presidente do Grupo Grito de Liberdade.

Como resultado dessa união, o Grupo Social e a Engenho de Arte e promovem, a partir de 1º de maio, o 11º Show Cultural de Capoeira, em homenagem ao Dia do Trabalho. Serão três dias de evento, que mostrarão os trabalhos desenvolvidos nas comunidades beneficiadas pelo Centro Social. O evento será das 9 horas à meia-noite, na Área Central 4, ao lado do Terminal Rodoviário do Riacho Fundo I. Para participar, basta doar 1 kg de alimento não-perecível. “Com os alimentos arrecadados, vamos montar cestas básicas e doar às famílias cadastradas em nosso projeto”, comenta Mestre Cobra, criador do evento.

Um dos projetos a serem apresentados também é fruto da parceria entre a Engenho de Arte e o Grito de Liberdade. Trata-se do “Filhos da Luta”, um grupo comandado por Núbia Santana, que proporciona aos ex-detentos do Centro de Atendimento Juvenil Especializado (CAJE) atividades de inclusão social. “Os meninos vão trabalhar com a parte musical e fazer um show de Rap. Eles foram acolhidos pelo Centro Cultural. Isto é muito importante para a reintegração desses jovens na sociedade”, considera a idealizadora.

Outro projeto que irá se apresentar e que tem o intuito de disseminar os valores culturais é o “Jogando no Picadeiro”, uma parceria com o Circo e Teatro Artetude, que une capoeira com circo, cujo objetivo é melhorar o desenvolvimento físico e mental dos participantes.

O evento também contará com outras atrações culturais, como danças afro-brasileiras promovida pelo Instituto Cultural Congo Nya, música regional com Martinha do Coco, Maracatu com Tambores do Paranoá e show com Grupo Cultural Pé do Cerrado com índios Fulni-ô, além de apresentações de trechos da peça Farsa da Boa Preguiça, de Ariano Suassuna.

Ainda durante o evento serão realizadas oficinas de Capoeira Angola e Coco Zambe, ministradas por mestres renomados internacionalmente como Gildo Alfinete (BA), Boa Gente (BA), Pelé da Bomba (BA), Ciro Lima (BA) e Tiego Nicácio (RN).

O encerramento do evento será no dia 3 de maio em frente à Catedral de Brasília, das 10 horas às 12 horas, com uma grande roda de Capoeira Angola e a participação dos mestres, integrantes dos projetos e das famílias beneficiadas pela doação de alimentos.

Além do Centro Cultural Social Grito de Liberdade – Mestre Cobra e da Produtora Engenho de Arte, o 11º Show Cultural de Capoeira conta com o apoio da Secretaria de Esportes do Distrito Federal, Secretaria Especial de Políticas de Promoção e Igualdade Racial (SEPPIR), SESC-DF, Administração Regional do Riacho Fundo I e Circo Teatro Artetude.

Perfil da Engenho de Arte – A Engenho de Arte atua, desde 2005, na produção audiovisual e teatral. Dirigida pela cineasta Núbia Santana e administrada por Francisco Santana, a produtora possui uma infra-estrutura apta a conceber e a realizar filmes em curta e longa-metragem, produzir vídeos institucionais e publicitários, executar transmissões em tele-conferência e montar peças teatrais. Entre as principais produções estão o curta-metragem Degraus (2005), exibido na 30ª Mostra Internacional de São Paulo, e a peça teatral A Farsa da Boa Preguiça (2005 e 2006), adaptada da obra homônima de Ariano Suassuna. A Engenho de Arte se destaca no ramo das produtoras culturais por trabalhar com três linguagens: o teatro, o cinema e o vídeo. A produtora também promove cursos e seminários e desenvolve projetos de cunho social.

Perfil da Centro Cultural Social Grito de Liberdade – Mestre Cobra – Há mais de 15 anos no Distrito Federal, o Centro Cultural e Social Grito de Liberdade é uma associação sem fins lucrativos, que atua na promoção da defesa dos bens e direitos sociais, coletivos e difusos, relativos ao patrimônio cultural, histórico, artístico e natural. Opera sempre em linhas de ações para melhorar a qualidade de vida da sociedade e criar mecanismos que colaborem para implementar a prática e disseminação das artes da cultura negra brasileira.

11º Show Cultural de Capoeira, dia 1º de maio (sexta-feira), 2 de maio (sábado) e 3 de maio (domingo), das 9h à meia-noite, Área Central 4, ao lado do Terminal Rodoviário do Riacho Fundo I. 1 Kg alimento não-perecível.

Fonte: http://www.revistafator.com.br

Capoeira revê cenário da escravidão em patrimônio histórico nos Jogos Abertos

Com um clima cultural, histórico e esportivo, em um dos barracões do Engenho Central de Piracicaba, durante todo dia de ontem cerca de 205 atletas se revezaram em duplas para mostrar o melhor da arte de jogar capoeira. Abrindo a competição, no segundo dia dos 72º Jogos Abertos do Interior (JAI) Horácio Baby Barioni, uma expressiva platéia observava atentamente os gingados de homens e mulheres que representavam 55 cidades.

Ao som do berimbau, comissão técnica, representantes de federações e amantes da capoeira, procuravam um espaço próximo das rodas para ver de perto os gestos e expressões de cada capoeirista que competia dentro das rodas.

Caracterizada como uma das expressões culturais mais significativas da história afro-brasileira, a capoeira remonta ao período de escravidão e opressão aos negros até o fim do século 19. Ainda ativa sob efeito dos valores que a criaram, a arte marcial vivenciou um profundo momento de revitalização histórica nos Jogos Abertos do Interior, em Piracicaba.

 

A competição foi sediada justamente dentro de um dos patrimônios históricos mais significativos da região: o Engenho Central, localizado às margens do rio Piracicaba. Desde sua construção, em 1881, o local tornou-se uma ponte histórica até o fim efetivo da atividade escravista no Brasil, sete anos mais tarde, com a criação da Lei Áurea.

As paredes de tijolo e os vidros quebrados em meio à área verde da região formaram o cenário ideal para a disputa competitiva da capoeira nos Jogos Abertos. O ambiente quente de um dos galpões adaptado de maneira rústica para receber o campeonato deu um charme extra ao torneio estadual.

"A capoeira é uma mistura de esporte e cultura. Ela tem esses dois lados. Levamos a modalidade ao Engenho para agregar esse lado esportivo com a cultura do local. Existe toda uma identificação com o esporte pela história do lugar e o que ele representa para a cidade", explicou Luiz Antônio Chorilli, diretor técnico da Secretaria de Esportes do município.

 

Jogos Abertos do Interior, em PiracicabaVinculada ao cultivo da cana em massa até o início do século 20, Piracicaba polarizou a economia da região no interior de São Paulo. O Engenho Central, fundado em 1881, foi o grande símbolo do desenvolvimento da cidade na época. Mais de um século depois, o local sobrevive como um patrimônio histórico e como anfitrião de eventos especiais, como festas e a própria disputa da capoeira nos Jogos Abertos.

O ambiente contagiou boa parte dos participantes, como o representante de Catanduva na categoria leve, Cícero Cerqueira Leite, de 27 anos. Experiente no assunto, o atleta perdeu o braço esquerdo em um acidente,12 anos atrás, quando cortava cana em uma ensiladeira (maquina picadora).

Apelidado de "Fera Negra" por sua persistência e por disputar a modalidade contra rivais sem deficiência, o capoeirista destacou a emoção de participar do torneio em um lugar de grande importância histórica para o açúcar brasileiro e, principalmente, a relação com as origens da capoeira, criada na época da escravidão.

"A capoeira é uma expressão de liberdade. Já sabia disso antes do meu acidente e percebi isso mais ainda depois dele. O esporte me ajudou muito e sou grato por poder ‘jogar’ de igual para igual com qualquer um em lugar como esse e em um torneio importante como os Jogos Abertos", declarou Cícero, momentos antes de ser eliminado da disputa pelos primeiros lugares.

Jogos Abertos do Interior, em PiracicabaO árbitro Orestes Ceroles concordou com o competidor. O juiz fez questão de destacar o aumento da popularidade da capoeira competitiva e defendeu que este tipo de integração histórica com o local da prática do esporte pode atrair ainda mais praticantes para a modalidade.

"É um esporte genuinamente brasileiro e é por causa do prestígio da capoeira que ela é disputada nos Jogos Abertos do Interior. Foi uma boa idéia trazer o torneio para cá. Aqui é tudo antigo e olha quanta gente atraiu", disse o árbitro, apontando para um grupo de oito pessoas que assistia ao torneio do lado de fora da entrada do galpão.

 

 

 

Fonte: http://esporte.uol.com.br/ – Gazeta de Piracicaba

Nota de Falecimento: Vanderley Monteiro Silva (Cabo 7)

Bom dia!

Meu nome é Walace Rocha, capoerista batizado como 100% pelo Mestre Pelé (Associação de Capoeira Casa do Engenho), de Duque de Caxias, Rio de Janeiro.

É com pesar que solicito a este sério site, a informação do óbito de uma das maiores promessas da capoeira carioca no dia 27/10/07, vítima de acidente automobilístico na Estrada de Três Rios. O jovem professor Vanderley Monteiro Silva, 33 anos, muito conhecido no meio da capoeiragem como Cabo 7, motivo de luto e registro, que pelo atropelar dos fatos, muitos de seus admiradores e amigos ainda não sabem.
Que a sua memória seja resgatada em cada roda; que seus amigos tenham sempre a sua alegria e espontaneidade nos treinos e apresentações.

Vanderley Monteiro Silva, 33 anos, muito conhecido no meio da capoeiragem como Cabo 7
Clique para ampliar as imagens…

Desde já agradeço a colaboração, em nome dos Mestres Levy, Pelé e da Associação de Capoeira Casa do Engenho/RJ.

Axé,
100%

Desejamos a toda família e amigos do Cabo 7 muito força e união neste momento delicado da caminhada do ser humano…

Um grande abraço, repleto de muito axé de toda equipe do Portal Capoeira.

O QUE É CONCEIÇÃO?

Pergunta de Jean Paulo:

< o que é conceicao? ouvi dizer que era uma prisao, queri mais informacoes, tudo que tiver muito obrigado jean paulo >

Resposta:
O "Engenho da Conceição" citado na quadra cantada no disco de Bimba era uma prisão denominada de Engenho da Conceição, onde eram recolhidos os desordeiros e condenados outros.
Tradicionalmente um lugar temido pelo povo e portanto, também pelos capoeiristas, que muitas vezes eram injustamente carreados para o seu interior, sem esquecer as tantas outras em a Justiça os encaminhou justa e merecidamente por bebedeiras e brigas.
Quando Bimba reporta

"o Mesti Qui m’insinô…
<tá nu> Ingenho da Cunceiçãum!
Só devu saúdi i obrigaçãum"

está apenas exaltando a valentia do seu mestre… sempre brigando, e de vez em quando freqüentemente?) recolhido no Engenho da Conceição… naturalmente. para esfriar a cabeça. Enquanto na última estrofe a gigantesca dívida dum aluno ao mestre: tudo que possui … "saúde" pela prática do esporte… "obrigação" divida que não se paga senão pela eterna gratidão – pelos ensinamentos orais (sabedoria), pelos movimentos da capoeira, defesa nas horas difíceis, esquiva e proteção ante os perigos, armadilhas e agressões nos caminhos e descaminhos desta vida aventurosa.
Desconheço a origem do nome, que provavelmente indica o local onde foi construído prédio.
Durante minha juventude algumas vezes fui jogar futebol com os presidiários e assim passei a conhecê-la "por dentro". Um prédio muito grande, lembrando um convento com suas celas de monges, cercado por muros muito altos, com uma grande área livre onde se localizava o campo de futebol.
Atualmente é o Manicômio Judiciário.