Blog

física

Vendo Artigos etiquetados em: física

Enquadramento da Profissão da Capoeira na Legislação Desportiva de Portugal

Estimada Comunidade da Capoeira em Portugal,

No passado dia 21 de Julho de 2014, foi feita uma convocação por parte do Instituto Português da Juventude e Desporto (IPDJ) de Portugal (Instituição Governamental) para uma sessão de esclarecimento sobre o processo de regulamentação da Capoeira em Portugal. Estiveram presentes as seguintes instituições/grupos de capoeira:

Read More

Capoeira, o golpe da esportivização

No toque do berimbau, num gingado singular e na dança acrobática, nasce a capoeira – manifestação cultural afro-brasileira, criada pelos negros escravos como forma de luta contra a opressão. Luta essa que se travou no plano físico e cultural. A arte secular até hoje sofre preconceito de tudo quanto é lado: do campo religioso, por ter vindo do candomblé; de etnia, por ser de origem negra; e pela sua prática ter começado nas ruas, então, logo vista como marginalização.

Percebemos que a capoeira é muito mais forte do que uma simples atividade física. Para corroborar ainda mais tal afirmativa, este mês foi   realizado o IV Festival Internacional de Capoeiragem, no Forte da Capoeira, em nossa capital, quando a elite mundial da prática pôde vivenciar e trocar experiências por meio de diversas atividades.

A capoeira é um elemento definidor de identidade brasileira porque agrega em uma única arte itens fundamentais: a religião, os movimentos corporais, a música, a história. No entanto, apesar dos atributos, mestres, contramestres e praticantes têm, de forma árdua, lutado para evitar que o patrimônio imaterial da humanidade seja esportivizado.

Ora, como um mestre conhecedor de toda essência da capoeira pode ser obrigado a ter graduação para ministrar aulas? O mestre não aprova esse método da esportivização por que, em sua visão, tal processo limitará a prática corporal a um caráter competitivo, mecanicista, distanciando-se de suas origens e de seus objetivos culturais.

A capoeira tem-se incorporado ao ambiente escolar nas aulas de educação física e atividades extracurriculares, mas para que essa prática esteja presente nas aulas faz-se necessário que o professor compreenda a importância da prática para o corpo discente. E é por essa relevância que os mestres não podem ser excluídos da ministração das aulas pois, além de ensinarem a história dos negros no Brasil, se dedicarão nos gestos, ritmos e movimentos da arte, facilitando o aprendizado dos alunos e influenciando nos comportamentos afetivo, criativo e lúdico.

Forçar um mestre de capoeira condicionando que este só poderá ensinar após a obtenção de um diploma acadêmico é o mesmo que exterminar suas raízes. Uma manifestação nascida nas senzalas, por meio de escravos em busca de uma vida digna e justa, que fez e que faz parte da história do nosso país, está sendo analisada sob a ótica esportiva.

Nossos mestres de capoeira merecem respeito e atenção porque, mesmo com tantas dificuldades e incompreensões, eles ainda têm um belíssimo trabalho de inclusão social, por meio do qual retiram jovens da ociosidade, resgatando a autoestima e orientando-os para a vida em sociedade.

 

Luiz Carlos de Souza  é vereador (PRB) de Salvador e presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Capoeira

* Luiz Carlos de Souza, natural de Pernambuco, nasceu no dia 20 de abril de 1972. Filho de Severino Carlos de Souza e Maria José de Souza, é o caçula de 12 filhos e conheceu de perto as dificuldades da vida no Nordeste onde, desde cedo, precisou trabalhar para ajudar no sustento da casa. Em outubro de 2012, foi eleito pelo Partido Republicano Brasileiro (PRB) para seu 1º mandato (2013-2016) com 13.505 votos, sendo o 7º vereador mais votado.

Fonte: http://www.correio24horas.com.br/

Jovens pacientes superam limites em aulas de capoeira inclusiva na AACD

Inclusão através do esporte para a superação de muitos limites. Essa é a fórmula para um grupo de 35 jovens pacientes da AACD (Associação de Assistência à Criança Deficiente), na Ilha Joana Bezerra, Zona Central do Recife. Todas as segundas, das 14h às 15h, eles têm encontro marcado com o mestre de capoeira voluntário Severino Santos de Almeida Júnior, o Mestre Júnior, responsável por levar ao universo das crianças a adaptação, do jogo, da luta, da tradição da Capoeira, criada pelos escravos africanos e trazida ao Brasil na época em que o País era uma colônia portuguesa.

O projeto, chamado de capoeira inclusiva, foi levado à entidade em Pernambuco pelo mestre em 2006, após um evento sobre a prática da capoeira na AACD de São Paulo, focada em pacientes amputados. “O que começou meio suspeito é, hoje, uma verdade”, comemora Mestre Júnior, de 44 anos, também professor de educação física e história, com 35 anos voltados à prática desse esporte e sua história, onde ele cita a seguinte máxima dita pelo Mestre Pastinha: “Capoeira é tudo que a boca come”. Confira videorreportagem do NE10:

A dinâmica da aula é desenvolvida após análise da ficha médica de cada aluno, assim como as atividades fisioterapêuticas desenvolvidas com a equipe da AACD. A partir dessa avaliação, o professor trabalha o lado lúdico do esporte e o enriquecimento muscular, já que a Capoeira trabalha o sistema Cardiovascular, Sistema auditivo que por sua vez aguça os reflexos do paciente e o Sistema Neurológico, através da música com os instrumentos da Capoeira (berimbau, pandeiro, atabaque e etc.) e ao som mecânico com CDS de Capoeira, associado aos valores desenvolvidos nos atletas: disciplina, superação e motivação. Apesar das diferentes especificidades, mestre Júnior garante: “A aula de um é para todos”. Para um dos alunos, Pedro Lucas, de 9 anos, conseguir entrar nas aulas, há três anos, foi a realização de um desejo. Entre risos envergonhados, o jovem afirma: “Eu queria muito entrar nesse grupo e minha mãe conseguiu”, conta. Quando questionado sobre de qual parte gosta mais, é taxativo: “Gosto mais de cantar”.

A capoeira inclusiva, além de desenvolver a habilidade social, auxilia na fisioterapia recomendada para cada aluno e contribui com a reabilitação do paciente. É o caso de Brenda Carlla, uma das mais velhas do grupo. “Eu percebi que desenvolvo mais. Antes da capoeira, eu caía muito quando pegava carona em bicicleta, agora não caio mais”, conta a jovem de 17 anos, que desde os dois anos de idade faz tratamentos na AACD e começou as aulas com o mestre Junior há seis anos. As aulas semanais são aguardadas ansiosamente não apenas pelos alunos, mas também por suas mães. Para Jacira Muniz, 45 anos, mãe de Thiago, de 14 anos, os resultados são gratificantes. “A gente que é mãe vê a evolução. A questão que ele faz de vir. Ele até mostra os movimentos que aprendeu. A capoeira faz a diferença”, comemora Jacira, que se dedica exclusivamente aos cuidados com o filho.

Marília Lima, 31 anos, mãe de José Ricardo, 7 anos, chegou a pensar em desistir de acompanhar os filhos na aula. O pequeno é portador da Síndrome de Lesch-Nyan, uma doença hereditária e metabólica rara que causa disfunção neurológica, cognitiva e alterações de comportamento. “Eu queria desistir, mas o mestre não deixou. Com a continuidade, ele melhorou bastante. Antes de entrar na capoeira, quase não tinha contato com outras pessoas. Agora, ele até pede para vir”, conta.

“Para mim foi muito importante. O pouco que eu consegui é muita coisa”

O outro filho, Matheus Guilherme, de apenas um ano e nove meses, também é portador de Lesch-Nyan. Se depender da mãe, será o mais novo paciente a ser apresentado ao poder de reabilitação da capoeira inclusiva.

Pedro Lucas já participa da capoeira inclusiva há três anos. O que mais gosta nas aulas é de cantar

AULAS – Para participar das aulas, o aluno precisa ser paciente AACD e enfrentar uma fila de espera com cerca de 70 pessoas. O requisito para começar o tratamento na entidade é a apresentação de um laudo médico que comprove a necessidade do paciente em realizar procedimentos de reabilitação física.

 

Além das aulas semanais, a instituição promove o Encontro de Capoeira Inclusiva. O evento marca o batismo e a troca de cordas das crianças e adolescentes que formam o grupo de capoeira da AACD. “Temos desde a graduação infantil especial, que são seis cordas, até a graduação adulta, com nove cordas”, explica Severino Júnior.
A Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD) é uma instituição sem fins lucrativos que atende crianças e jovens de 0 a 16 anos com deficiência física e adultos amputados e lesionados.

Inaugurada em 1999, a AACD Pernambuco já ultrapassou 149 mil consultas clínicas e 833 mil terapias realizadas para crianças de todo o Norte e Nordeste. Atualmente, é mantida através de parceria com o Sistema Único de Saúde (SUS) e realização de projetos com venda revertida à instituição.  Para marcar a triagem específica para cada patologia na AACD, o paciente ou seu responsável deve apresentar ao setor de Serviço de Atendimento Médico e Estatístico (Same) um relatório médico que descreva o diagnóstico e tratamento realizado na fase aguda ou inicial da doença, além das condições atuais em que o paciente se encontra. Após avaliação de uma equipe multidisciplinar, será elaborado o tratamento de reabilitação na AACD. Se por acaso a patologia não for tratada na associação, o paciente e família são orientados a realizarem o tratamento em instituições especializadas na deficiência relatada.

 

AACD Pernambuco
Endereço: Avenida Advogado José Paulo Cavalcanti, 155, Ilha Joana Bezerra Recife  Telefone: 3419.4000

Mestre Junior: (81)977018889/86192109

Foto: Malu Silveira / NE10

 

1º Meeting Brasileiro de Ciências das Artes Marciais

O 1.° Meeting Brasileiro de Ciências das Artes Marciais é um evento nacional, cuja proposta é agregar conhecimentos aprofundados sobre aspectos da Preparação Física de Lutadores e, também, relacionado ao curso-tema principal do evento, apresentar proposta brasileira e mostrar na prática como deve ser avaliada a força, velocidade e potência dos principais golpes nas Lutas, Artes Marciais e Modalidades Esportivas de Combate, com destaque especial para o MMA.

Site oficial (inscrições):http://eventos.tatame.com/

Público alvo
Fãs de artes marciais e interessados em geral, praticantes, atletas, técnicos, profissionais e estudantes de Educação Física, Fisioterapia e Medicina.
Objetivo
Difundir a Ciência das Artes Marciais; Democratizar informações de difícil acesso; Fomentar troca de informações e contatos entre profissionais de diversas regiões do País e, por fim, ensinar na prática como o dia a dia da Ciência aplicada às Artes Marciais deve ser algo simples e fácil de executar.
Passaporte Garantido
Todos os participantes do Meeting terão acesso à feira Arnold Classic Brasil em todos os dias do evento.
Inédito
Pela primeira vez no Brasil, todo material coletado será filmado, editado e divulgado em um programa especial de um Canal de TV.
Pagamento
Pode ser feito com cartões VISA, AMEX e MASTERCARD. Aceitamos PAYPAL e boletos bancários. Em até 10 X sem juros.
*Certificado Garantido de participação no 1ª Meeting de Ciência das Artes Marciais (Registro e chancela com número de horas)
*Conteúdo à “La Carte”: você escolhe em qual participar, sem obrigatoriedade de assistir, necessariamente, todas as aulas do cronograma. Assista somente o que lhe interessa!
*Presença de campeões de MMA do UFC
*Diversas aulas práticas
1.° Meeting Brasileiro de Ciências das Artes Marciais

Capoeira sem mestre

Temos visto ultimamente, principalmente em alguns países europeus, o surgimento de vários grupos de capoeira cuja característica é a de não se vincular a nenhum mestre. Grupos que se caracterizam pela autogestão, cujos próprios integrantes se revezam na tarefa de “puxarem” os treinos e comandarem as rodas. Grupos que não se vinculam a nenhuma “linhagem” de capoeira. Muitos desses grupos, inclusive, se baseiam em vídeos do YouTube e outras ferramentas virtuais para aprimorarem suas sequências de movimentos, golpes, etc.

Entendo que essa iniciativa é, a princípio, muito interessante, pois as responsabilidades são assumidas coletivamente, dentro do princípio de horizontalidade de poder, onde “ninguém manda em ninguém”, onde não existe hierarquia, a não ser pelo tempo de vivência na capoeira de cada um.

Todas as formas autogestionárias devem ser saudadas e valorizadas nesse mundo atual, pois significam formas alternativas de se viver em coletividade, criando novas sociabilidades que se contrapõem à perversa lógica do capitalismo, em que sempre tem que haver alguém para mandar (os que têm dinheiro, e consequentemente poder), e alguém para obedecer (os quem não têm).

Porém, não podemos esquecer que a capoeira não se trata de mera atividade física, ou outra atividade social qualquer. Trata-se de uma manifestação cultural originada de tradições muito profundas, com raízes na ancestralidade africana e na história de luta contra a escravidão no Brasil. Tudo que a capoeira é nos dias atuais, foi fruto de um processo histórico em que foram se acumulando vivências de homens e mulheres que muito sofreram e lutaram, para que essa tradição fosse mantida e chegasse até os dias de hoje.

O mestre de capoeira representa o elo entre esse passado de lutas e sofrimentos, e o presente onde se encontra a capoeira atualmente, espalhada pelos quatro cantos do mundo. O mestre de capoeira tem a missão quase sagrada, de não permitir que esse elo se rompa ! De garantir que os saberes envolvidos na prática da capoeira, sejam transmitidos de forma a respeitar esse passado, a valorizar essa história dessa gente, de manter a tradição viva, mesmo entendendo que a cultura é dinâmica e vai se transformando através dos tempos.

Arrisco dizer que existem princípios vinculados à prática da capoeira que, se não forem mantidos e respeitados, correm o risco de fazer essa tradição se transformar numa simples prática corporal, ou num mero produto comercial, ou ainda, apenas em mais uma modalidade olímpica (como aconteceu com o judô). E sabemos que a capoeira é muito mais do que isso !

Por isso, entendo que o papel do mestre é muito mais do que simplesmente ensinar um movimento ou um golpe. O mestre deve ser detentor de um conhecimento que vai sendo adquirido ao longo da vida, que vai muito além da sua capacidade física de realizar determinado movimento. Ele deve ser consciente sobre o papel de ser o responsável pela transmissão desses conhecimentos para as gerações mais novas. E por isso deve se preparar durante boa parte de sua existência para poder cumprir essa missão. Isso geralmente leva bastante tempo e por isso também não acredito em mestres de capoeira muito jovens. Eles ainda têm muito que aprender antes de se considerarem mestres.

Então, pergunto eu aqui com meus botões:  como esses grupos autogestionários lidam com isso ? Preocupam-se somente em aprender e aperfeiçoar os movimentos para aplicá-los no jogo ? E as questões históricas, ancestrais, ritualísticas, que peso têm para eles ? Que preparo possuem essas pessoas para lidarem com essas questões ?  O que a capoeira perde, quando é encarada somente como esporte ou prática corporal  ?

Ficam essas questões para reflexão, ou pra quem se aventurar a respondê-las !

Pedro Abib

* Sobre a Ilustração escolhida pelo Editor: Capoeira: sem mestre – Lamartine Pereira da Costa

Sobre o Autor:

O Professor Lamartine Pereira da Costa é um ícone da Educação Física Brasileira e faz parte do seleto grupo de profissionais que contribuíram decisivamente para a evolução acadêmica, técnica e científica dessa área.

O Livro:

O livro completou cinquenta e um anos de publicação. De uma certa forma, podemos dizer que o autor antecipou-se ao movimento de crescimento da capoeira e percebeu a importância que a capoeira viria a assumir no cenário cultural brasileiro.

A publicação é datada: é retrato de um momento em que se acreditava que a capoeira se fortaleceria como um método ginástico, ou como uma modalidade de luta, mais do que uma manifestação de forte conteúdo cultural, étnica e social. É um interessante registro de uma época da história da nossa capoeiragem.

Luis Renato Vieira

Palavra do Editor

Em tempo iremos publicar uma matéria mais ampla sobre o tema aproveitando esta fantástica chamada do nosso grande camarada Pedrão… que se esmerou na cronica… e fazendo a chamada!

Um tema nuclear, importante e que deve fomentar uma discussão mais aprofundada sobre o cenário do ensino da capoeiragem em todos os níveis.

Luciano Milani – Editor

Inteligências Múltiplas e a capoeira

Resumo

Este trabalho teve como objetivo discutir a capoeira e as inteligências múltiplas. Pode-se concluir através deste trabalho que as inteligências múltiplas são contempladas por completo através da prática da capoeira. Deste modo a capoeira ganha espaço cada vez mais para o desenvolvimento do ser humano. Este iniciou relatando sobre a capoeira, relacionou-a com cada inteligência múltipla, e assim apresentou-se a importância da inserção da capoeira na educação física escolar, tanto para o desenvolvimento do aluno como um todo, mas também para possibilitar o resgate desta luta que outrora foi chamada de luta de libertação hoje é patrimônio histórico cultural do Brasil.

Unitermos: Capoeira. Inteligências Múltiplas. Educação Física Escolar.

 

Introdução:

 

A educação física tem várias ramificações, sendo elas esportes coletivos, individuais, jogos desportivos, exercícios para o corpo como um todo, lutas e muito mais (IÓRIO; DARIDO, 2005). Desta forma podemos nos utilizar da Educação física e sua relação com a capoeira para abordarmos sua importância enquanto esporte e/ou luta, na fase escolar. A Educação Física sofreu diversas mudanças de acordo com as épocas por esta percorrida, assim como a Capoeira, e por isso houve mudanças e passagens por diferentes pensamentos político-ideologicos de cada época, desta forma com cada pensamento vigente na época de acordo com a política aplicada e objetivos diferentes a educação física e a capoeira foram mudando e se adequando a tais necessidades (IÓRIO; DARIDO, 2005).

Encontramos na capoeira muitas transformações e ressignificações de acordo com o pensamento político empregado em uma época, por exemplo: a capoeira escrava, a marginalização, a liberação da capoeira, a criação da capoeira regional, capoeira-esporte, e a criação da confederação, ou seja, podemos contextualizar o inter-relacionamento da educação física da educação física escolar ao trajeto histórico social da capoeira, de tal forma que com o inicio do século XX e a chegada do pensamento ginástico/eugenista, aparece às primeiras propostas de transformar a capoeira em ginástica nacional (IÓRIO & DARIDO, 2005).

Inicia-se assim a tentativa de aproximar a capoeira da educação física até mesmo com proposta, como cita Innezil Penna Marinho (1956) que propõe um método de ginástica totalmente brasileira: a capoeira, com o objetivo de valorizar o patriotismo de seus praticantes. Sendo assim, segundo Marinho (1956) a capoeira pode contribuir também com a educação física escolar, contribuindo com a formação cívica dos alunos. Após este pensamento ideológico de política chega o pensamento higienista preocupado com a saúde física de seus praticantes e o aperfeiçoamento das habilidades físicas para a mão de obra. Foi nesta época que a capoeira foi liberada pelo então presidente Getúlio Vargas como forma de manifestação popular (IÓRIO & DARIDO, 2005).

Desta forma fora criada então a primeira academia de capoeira regional. Iório e Darido (2005) afirmam que: “Naquele mesmo ano a capoeira é oficializada como instrumento da educação física […]”, mas notamos que mesmo a capoeira, a educação física e a educação física escolar não conseguem se adequar aos ideais higienistas e eugenistas da época. Nas próximas décadas a educação física volta-se para a melhoria das capacidades fisiológicas, psíquicas, social e moral, e a capoeira foi perdendo sua característica de manifestação popular por sua adequação às academias, seguindo neste período desvinculado da educação física escolar. Com a estruturação da capoeira enquanto esporte-competição perdeu-se ainda mais suas características como manifestação e expressão do indivíduo. Foi este o período que acabava de adentrar a sociedade o Técnico/Esportivo. A partir deste pensamento vemos que não poderia ser excluída a verdadeira essência da capoeira, e na verdade era o que o governo vigente se empenhava para fazer, mas na capoeira não há exclusão, nem por habilidades, gêneros ou qualquer deficiência (IÓRIO & DARIDO, 2005).

A partir de vinte de Dezembro de 1996 com a aprovação da nova Lei de Diretrizes e Base (LDB) da educação, gerou-se grande autonomia da Educação Física, sendo assim esta autonomia proporcionada pela LDB para que novos conteúdos sejam incluídos na proposta pedagógica, verificou-se a necessidade da estruturação da capoeira como conteúdo da educação física escolar, a capoeira é um conteúdo que pode ser contemplado na escola pelos seus muitos enfoques, inteligências, possibilitando a luta o folclore a dança o jogo, o canto o bater das palmas o esporte, lazer e a educação, ensinando-se globalizadamente deixando e proporcionando que o aluno escolha o que lhe mais agradar neste variado conteúdo que é a capoeira (BALBINO & PAES 2007). O desenvolvimento da mesma possibilita o desenvolvimento de todos os conceitos e procedimentos da educação física, onde o professor tem diversas rotas para aprendizagem do mesmo, não se remetendo apenas aos aspectos técnicos (SOUZA & OLIVEIRA, 2001).

A sua historicidade é um dos pontos de fundamentação da mesma para a educação física escolar, tratando-se de uma luta de libertação, diferente das diversas modalidades que foram contextualizadas na história da educação física escolar que vem de escolas européias e norte-americanas. A capoeira se trata de um esporte-luta criado e desenvolvido no Brasil.

Os PCN’s em relação à educação física escolar citam e afirmam que a concepção de conteúdo corporal amplia a contribuição da educação física escolar para o pleno exercício de cidadania, assim como na roda de capoeira esta autonomia é dada ao aluno no próprio jogo, sendo que o jogador pode ter a liberdade de se expressar com movimentos livres, mostrando que a criatividade também é trabalhada. A roda e jogo fazem com que o jogador crie movimentos de acordo com sua necessidade naquele presente momento se tratando de um esporte-luta de perguntas e respostas. O jogo mostra a importância da individualidade, desde as pessoas que fazem com que a mesma aconteça, ou seja, a bateria, o canto, as palmas, até mesmo o segundo aluno que se encontra no jogo, pode desenvolver movimentos os quais fazem com que o jogo se desenvolva criando assim necessidades especificas de movimentações, formando assim a imprevisibilidade no jogo da capoeira.

Sua base é enraizada na raça negra, se trata de um esporte-luta que foi criado longe das classes dominantes, então não há preconceitos na roda de capoeira. É portanto um lugar onde os opostos se atraem, o doutor e o analfabeto o negro e o branco, mulheres e crianças, os habilidosos e os menos habilidosos, ou seja, um vasto patrimônio cultural que deve ser desfrutado pela Educação Física escolar, se tratando ainda de um esporte-luta, multidisciplinar. Desta forma, temos uma infinidade de conteúdos que podem ser aplicados de diferentes formas utilizando-se a capoeira como base (SOUZA & OLIVEIRA, 2001).

O fator motivacional para uma prática de atividade física é muito importante, pois segundo Paim e Pereira (2004, p.159-166):

Conhecer quais os motivos que levam os alunos à prática de atividades motoras na escola pode melhorar as atividades escolares e contribuir no processo de ensino aprendizagem, já que a aprendizagem e a motivação são processos interdependentes no homem.

Sendo assim, a partir do momento em que sabemos o que motiva nossos alunos, podese utilizar vários métodos para aplicação de determinada modalidade ou esporte para uma adequação e interação melhor de nossos alunos. Neste caso a capoeira tem como grande valor motivacional a sua própria essência, por ser chamada de luta de liberdade seus praticantes tem várias formas de se tornarem capoeirista, seja no jogo, na luta e na musicalidade (PAIM & PEREIRA, 2004).

Com a inserção da capoeira na educação física escolar temos muitos métodos de aplicação e diversas formas de desenvolvermos as inteligências múltiplas (BALBINO & PAES, 2007), sendo este um dos maiores objetivos deste trabalho que visa mostrar a relação e empregar a capoeira às inteligências múltiplas: lógico-matematica, lingüística, musical, espacial, corporal sinestésica, interpessoal, intrapessoal e naturalista.

“A inteligência está relacionada com a resolução de problemas em um determinado contexto”, “[…], e é exatamente o que ocorre na capoeira onde as inteligências devem ser aplicadas e aprimoradas ao longo da imprevisibilidade do jogo em si da capoeira assim como os jogos desportivos coletivos tem uma grande semelhança com o a capoeira por se tratar de jogo, e principalmente pela imprevisibilidade por ele criada, então temos que o estudo de Gardner nos remete a afirmação da capoeira como sendo a luta mais completa até hoje sugerida pois desenvolve como um todo as capacidades do indivíduo no caso nossos alunos que a praticam, dando assim sustentabilidade ao objetivo jogo, motivação, pois com esta relação, da capoeira, educação física escolar e as inteligências criamos uma abordagem altamente recomendável de capoeira no âmbito escolar para desenvolvimento das inteligências, multidisciplinaridade, e motivação de nossos alunos como um todo, conseguindo assim transformar não apenas o aluno e sua condição física e saúde mas também seus conceitos cívicos e morais (GALATTI & PAES, 2007).

Mas de que forma ensinar, de que forma desenvolveremos métodos para que nossos alunos aprendam. Nista-Piccolo (1999) nos mostra que a pedagogia do esporte tem como objetivo a arte de ensinar a praticar uma modalidade esportiva, por meio dela é possível capacitar ou não um aluno para executar determinadas habilidades exigidas nesta prática, tendo uma pedagogia eficaz conseguimos estimular os alunos ao gostar de executar determinado exercício ou modalidade física auxiliando-o a ter conhecimento de suas próprias capacidades, onde um bom professor se utiliza de diferentes formas para que o aluno consiga aprender o movimento, mas porque (ZYLBERBEG & NISTA-PICCOLO, 2008), ”São inquietações que pulsam veementemente em nossa prática cotidiana, ao nos depararmos com situações inadequadas de aprendizagem.”, ”[…], então nos resta buscar maneiras diferentes de aplicação e entendimento de determinados movimentos e modalidades para não cairmos ao senso comum de maus professores.

Mas temos de nos precaver, de poucas diversificações de aprendizagem pois através destas, corremos riscos de acharmos que estamos com algumas inteligências impossibilitadas e na verdade se trata da falta da diversificação e exploração de caminhos diferentes a serem seguidos e explorados. Por este motivo devemos procurar diferentes formas de ensino pois temos diferentes formas de nos adequarmos e entendermos diferentes aspectos e ensinos (ZYLBERBEG & NISTA-PICCOLO, 2008).

Inteligências Múltiplas e a capoeira

 

A teoria das Inteligências Múltiplas toma forma com a abordagem das diversas habilidades, capacidades, pensamentos, talentos e competências do homem, que transparecem em seu cotidiano. A partir disto Gardner (2000) busca novas formas e aplicações de Inteligência, que possam satisfazer o homem no mundo moderno, então este conceito de pluralidade da mente começa a se formar, através de diversas pesquisas e estudos em diferentes temas e abordagens. Com estas observações e de muitas outras no campo da neuropsicologia, Gardner (2000) chega à conclusão de que as pessoas tem um leque de capacidades, tendo algumas pessoas capacidades mais desenvolvidas para uma certa área e outras pessoas para outras áreas. Através deste processo rompe-se a idéia de mais inteligente e de menos inteligente e começa a se estabelecer que as inteligências atuam de forma independente (BALBINO & PAES, 2007).

Desta forma o sujeito, pode vir ou não a desenvolver suas habilidades como um todo dependendo da necessidade ou contexto, cultural ou não, ao qual está inserido. “Desta forma, observamos que a inteligência está relacionada com a resolução de problemas em um determinado contexto” (GALATTI & PAES, 2007, p.31-44).

Gardner dimensionou em sua teoria, a existência das inteligências múltiplas que tratariam dos domínios de resoluções dos possíveis problemas referentes às pessoas inseridas dentro dos critérios pré-estabelecidos (ZYLBERBEG & NISTA-PICCOLO, 2008, p.59):

Gardner reafirmou que o número de inteligências é menos importante do que a premissa de que há uma multiplicidade delas e que cada ser humano tem um mix único, ou perfil único de pontos fortes e pontos fracos nas inteligências.

Com estas informações vemos o quanto à capoeira contempla as inteligências, pois a mesma engloba as inteligências de modo a dispor ao seu praticante, total desenvolvimento da mesma, sendo assim, a roda de capoeira propicia esta contemplação devido a sua riqueza cultural com múltiplos aspectos facilitando a formação integral do indivíduo. (BALBINO & PAES, 2007)

 

  • A inteligência corporal cinestésica desenvolve o potencial de usar o corpo, ou parte dele, para resolver problemas ou na fabricação de produtos, sendo assim, a capacidade de trabalhar com objetos de forma hábil, tanto os que envolvem os movimentos finos quanto os grosseiros do corpo. Na capoeira vemos aparente o trabalho desta inteligência na confecção e manuseio dos instrumentos musicais, e na expressão corporal que é imposta pelo capoeirista tanto na evolução e estética de seus movimentos quanto na sua tática, para ludibriar seu adversário.

  • A inteligência verbal lingüística envolve a sensibilidade para a língua falada e a escrita, sendo aprimorada a habilidade para aprender línguas bem como a capacidade de se utilizar a linguagem para atingir objetivos como inteligência e competência intelectual, utilizando-se de metáforas, cruciais para lançar e explicar um novo desenvolvimento científico. Dentro da capoeira esta inteligência é muito desenvolvida pelo cantador que deve estudar e pesquisar as palavras que irá utilizar em seu canto, para a condução do jogo e comando da roda, onde o mesmo pode definir um jogo em sentido de apresentação, ou até mesmo um jogo competitivo entre os capoeiristas. Também se torna visível esta inteligência nas composições da musicalidade da capoeira, onde o capoeirista busca termos e verbos condizentes tanto com a realidade atual da capoeira e sua lingüística quanto a que era utilizada antigamente.

  • A inteligência Logico-Matematica é a capacidade de analisar problemas com lógica, de realizar operações matemáticas e resolver questões cientificamente, esta inteligência é desenvolvida principalmente por matemáticos, lógicos e os cientistas, chamada de “a inteligência pura”. Em seu domínio o processo de solução de problemas é significativamente rápido, pois o indivíduo lida com muitas variáveis ao mesmo tempo, tendo como base o cálculo matemático, o raciocínio lógico, a resolução de problemas, raciocínio dedutivo e indutivo, discernimento de padrões e relacionamentos. O capoeirista encontra estes diferentes aspectos e problemas na roda de capoeira, sendo esta um jogo de pergunta e resposta onde a velocidade da resposta pode definir o jogo, tendo o capoeira de estar atento ao espaço da roda, tanto quanto ao espaço que o mesmo dispõ a utilizar sendo que não está sozinho na roda e seu adversário, tratará de diminuir cada vez mais as suas saídas.

  • A inteligência Musical com estrutura similar a da inteligência lingüística, desenvolve a habilidade na atuação, na composição e na apreciação de padrões musicais. A música é uma faculdade universal, sendo acessível e emergente capacidade que surge mais cedo do que outros talentos em outras áreas da inteligência humana, e é uma das mais antigas formas de arte, que utiliza a voz humana e o corpo como instrumentos naturais e meios de auto-expressão, sendo que o corpo humano por si somente, segue ritmos e sons desde o sistema cardíaco quanto metabólico.

A música pode ajudar a criar um ambiente positivo que desencadeie a aprendizagem, e isso é a alma da capoeira, pois sem a musicalidade não existe a capoeira, tanto o jogo quanto os participantes se movem de acordo com a musicalidade que está a envolver a roda, a bateria , o coro, o cantador, e o próprio jogador, que está a receber esta “energia” oriunda do ritmo e musicalidade que está sendo empregado determinando seus passos e estratégias. Dentro deste ambiente musical temos variados tipos de formações de bateria, conforme a tradição e fundamento do grupo e dependendo do estilo de jogo a que este pertence. Cada instrumento tem sua importância dentro da roda da capoeira, como os berimbaus que são divididos em três, o viola que tem a função de repicar o quanto quiser durante a roda dando um contraste ao toque e ritmo, o médio que faz a marcação e interlocução entre o gunga e o viola amenizando e separando os toques, o gunga chamado também de “o mestre da roda” pois é ele quem comanda o jogo e dá o sinal para o início e para o final de uma roda de capoeira. Seu som é um som mais grave que os outros berimbaus demonstrando seu poder sua cabaça também é maior que a dos outros berimbaus, temos também os instrumentos de percussão como o pandeiro e o atabaque que tem a função de marcar e acompanhar os berimbaus temos também o agogô que é de um som mais agudo e o reco-reco um instrumento que faz a marcação também tendo um som diferenciado na roda, tais instrumentos são confeccionados pelos próprios capoeiras, os berimbaus são envergados e preparados a cada roda, sendo composto por cabaça, verga, arame, baqueta e caxixi. Este deve ter um som diferenciado não podendo estar transmitindo um som de metal, e este som varia conforme sua envergadura, arame, e sizal utilizado na cabaça, determinando de tal forma o jogo que será apresentado.

 

  • A inteligência Espacial tem o potencial de reconhecer e manipular os padrões do espaço, bem como os padrões de áreas mais confinadas. As muitas maneiras como a inteligência espacial é desenvolvida em diferentes culturas mostram claramente como um potencial biopsicologico pode ser aproveitado por campos que evoluíram para vários propósitos.

Com a capoeira esta inteligência se torna aparente a partir do momento em que o capoeirista estuda o jogo de seu adversário e sai para o jogo onde o mesmo pode encurtar a roda se abrindo alongando seu corpo e ao mesmo tempo diminuindo-se para melhor aproveitar os espaços possíveis dentro da roda, sendo esta grande ou pequena pois dependendo do toque e o que o berimbau quer, a roda pode diminuir ou aumentar o tamanho.

  • A inteligência Interpessoal desenvolve a capacidade de entender as intenções, as motivações e os desejos do próximo, e sendo assim, de trabalhar de modo eficiente com terceiros, esta inteligência se baseia na capacidade de perceber distinções entre os outros, em especial contraste em seu estado de espírito ou de ânimo, seu temperamento, seus sentimentos.

Na capoeira vemos esta inteligência aparente tanto nos professores que ministram as aulas quanto no próprio jogador que tem de fazer a leitura de seu adversário a todo instante, pois o mesmo pode estar com intenções boas no jogo ou até mesmo montando uma estratégia para lutar. Daí vem a “malandragem” do capoeira onde o mesmo se utiliza do tombo em seu adversário para deixá-lo com raiva e assim perder a estratégia dentro do jogo, onde o jogador poderia dar a volta ao mundo (volta na própria roda), e aguardar até acalmar os ânimos e sair novamente ao jogo.

  • A inteligência intrapessoal envolve a capacidade de a pessoa se conhecer, de ter um modelo individual de trabalho, incluindo seus próprios desejos, medos e capacidades e de usar estas informações com eficiência para regular a própria vida.

Na capoeira dentro da roda o jogador está sozinho tendo de se defender e atacar ao mesmo tempo, onde o jogador deve conhecer suas habilidades, ter autoconfiança e explorar ao máximo suas habilidades sendo em floreios, movimentos, golpes e saltos. O capoeirista se preocupa com o jogo, sua estratégia, golpes com força e bem aplicados, expressão corporal e a plástica de seus movimentos, tudo isto irá determinar não tão somente esta inteligência mas o grau de desenvolvimento que tem este jogador, pois dentro da roda o capoeirista não é “sua corda” até porque os capoeiristas não seguem uma confederação onde todas as cores de cordas determinam uma hierarquia, então através do jogo vemos o quão graduado é o capoeira.

  • A inteligência Naturalista trata do conhecimento do mundo vivo, incluindo a classificação de diversas espécies utilizando-se do meio ambiente para sua vida, observando diferentes formas de vida e objetos conseguindo assim trazer para seu cotidiano estas experiências.

Com a capoeira é muito aparente esta inteligência pois os movimentos e golpes vem, em sua origem, de movimentos dos animais; sua instrumentação vem da natureza; os nomes dentro da capoeira e até mesmo a maioria dos apelidos (nome dado ao jogador iniciando-se na capoeira) vem da natureza, sendo assim, a raiz da capoeira vem do mundo vivo, vem da natureza, da observação do redor onde os escravos tinham apenas a natureza para poder colher o que viria a ser sua libertação do cativeiro (BALBINO & PAES, 2007)

Considerações finais

 

A capoeira hoje é tombada como patrimônio cultural do Brasil, mas vemos que a mesma não tem grande valor entre os próprios brasileiros. Deste modo através das inteligências, concluímos o quão é abrangente é esta luta, que desenvolve o ser humano como um todo, trazendo desde a parte física quanto mental sendo trabalhadas a todo instante sendo dentro do jogo, quanto na roda da capoeira. Desta forma a capoeira tem toda a capacidade e merece ser explorada e desenvolvida como é vista fora do Brasil como uma luta tão valorizada como as outras, pois traz um mix não somente de todas as inteligências mas também de todas as lutas hoje existentes.

A capoeira está em um processo evolutivo trazendo sempre algo novo, seja na musicalidade ou até mesmo em golpes e movimentos. Tendo em vista estes conceitos, este trabalho procurou mostrar o quanto pode ser produtivo o desenvolvimento da capoeira nas escolas, para um melhor aprendizado não somente das outras matérias através da capoeira, mas também do conhecimento de si mesmo e da cidadania que a capoeira traz em sua raiz, mostrando assim o quanto é grandiosa esta arte, que hoje está em todos os países e é a maior divulgadora da língua portuguesa no mundo, pois as músicas de capoeira são em português e independente de onde estiver acontecendo à roda de capoeira a música deve ser ministrada em português.

Os estudos sobre a capoeira e as inteligências múltiplas ainda são pouco discutidos na literatura científica. Temos alguns relatos e estudos iniciais. Portanto espera-se com esse trabalho despertar os estudiosos da Capoeira a estudar mais minuciosamente essa relação e os estudiosos das inteligências múltiplas a conhecer melhor a Capoeira e a escrever sobre o desenvolvimento das inteligências através desta Arte Brasileira.

Bibliografia

 

  • BALBINO, H.F.; PAES, R.R. Jogos Desportivos Coletivos e as Inteligências Multiplas: Bases para uma proposta em pedagogia do esporte. Hortolândia. 2007.

  • GALATTI, L.R ; PAES, R.R. Pedagogia do Esporte e a Aplicação das Teorias Acerca dos Jogos Esportivos Coletivos em Escolas de Esportes: O Caso de Um Clube Privado de Campinas – Sp. Conexões, Revista da Faculdade de Educação Física da UNICAMP, Campinas, v. 5, n. 2, p. 31-44, jul./dez. 2007.

  • IÓRIO, l. S.; DARIDO, S.C. Educação Física, Capoeira e Educação Física Escolar: Possíveis Relações. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, vol 4, n°4, p. 137-143, 2005.

  • PAIM, M. C. C.; PEREIRA, E. F. Fatores Motivacionais dos Adolescentes para a Prática da Capoeira na Escola. Motriz, Rio Claro, v.10, n.3, p.159-166, set./dez. 2004.

  • SOUZA, S.A.R.; OLIVEIRA, A.A.B. Estruturação da Capoeira Como Conteúdo da Educação Física no Ensino Fundamental e Médio, Revista da Educação Física/UEM Maringá, v. 12, n. 2, p. 43-50, 2, sem. 2001.

ZYLBERBEG, T.A.; NISTA-PICCOLO, V.L. As contribuições dos estudos sobre inteligência humana para a pedagogia do esporte. Pensar a Prática. Vol. 11, n.1, p. 59-68, jan./jul. 2008.

 

* Autores:

*Graduado em Educação Física – Faculdade Adventista de Hortolândia – **Professora Titular – Faculdade Adventista de Hortolândia (Brasil)

  • Jefferson dos Santos Fonseca*
  • Helena Brandão Viana**
  • Larissa Rafaela Galatti**
  • Nilda Batista Cavalcante Rangel**

hbviana2@gmail.com

 

Fonte: EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 17, Nº 171, Agosto de 2012. http://www.efdeportes.com

Bahia: Mestre Curió condena a elitização da capoeira pelas universidades

Considerado a lenda viva da capoeira na Bahia, o Mestre Curió, de batismo Jaime Martins dos Santos, capoeirista angoleiro descendente da linhagem Banto, revelou para uma plenária cheia de capoeiristas, mestres, professores e alunos, que os brancos ainda continuam discriminando e explorando os negros, apontando como prova a criação da lei que impõe sobre os capoeiristas a obrigatoriedade do curso acadêmico de educação física para ensinar capoeira. “Nossa universidade é a vida, respeite-se a capoeira como uma lição de vida da resistência popular, pois ela nasceu da vivência das senzalas e cresceu com as experiências de rua”, retrucou o ícone da capoeira baiana durante o I Encontro Territorial da Capoeira Viva Meu Mestre, realizado em Itaberaba, no sábado e domingo últimos (28 e 29 de julho), pela ONG Fundação Paraguaçu e a Associação de Capoeira Jiboia da Bahia.

Contrariando a propaganda oficial sobre o fim da discriminação racial, Curió surpreendeu ao afirmar que a exploração dos brancos sobre as etnias negras ainda existem e condenou que os  conselhos regionais  e federal de Educação Física –CREF, que exigem o curso de educação física de mestres e professores capoeiristas para ensinar a capoeira. “O Cref não pode e nem têm do direito de fiscalizar a capoeira em lugar nenhum. Essa é mais uma exploração sobre os negros, para enriquecer os poderosos, mas não nos enganam não!”, protestou Curió.

Discriminação cultural

Mestre Curió,que se apresentou acompanhado por sua esposa e Mestra Jararaca, de batismo Valdelice Santos de Jesus, considerou também como “discriminação cultural” a exclusão dos Pontos de Cultura que tenham sofrido falhas na prestação de contas, como ocorreu com o convênio assinado pela Escola de Capoeira Angola Irmãos Gêmeos Mestre Curió, que funciona no Forte de Santo Antônio em Salvador. “O governo deveria colocar orientadores para organizar as contas, porque o projetonão paga o contador nem advogado”, reclamou Curió criticando “como é que o mestre trabalha no projeto e não pode receber por seus esforços de ensinar, por que é presidente da entidade. “Isso é uma forma de discriminação cultural e exploração dos capoeiristas que sempre são pessoas pobres de baixa renda”.

Doutor Honoris Causa

O Mestre Curió e popularmente conhecido por seus trabalhos realizados no Brasil e em diversos outros países, levando através suas palestras, as suas vivências sobre a Capoeira de Angola. O consagrado capoeirista baiano nasceu em 1937, no interior da Bahia e desde os oito anos de idade, pratica a Capoeira de Angola. Recebeu o titulo de Doutor Honoris Causa pela Universidade Federal do México; Laureado com o titulo de Mestre dos Saberes (recebe e transmite o conhecimento de forma oral) reconhecido pelo Ministério da Cultura e da Educação (MEC); e recebeu em 2006, o título de Embaixador da Cultura Brasileira, pela ONU.

Inaugurada a Casa do Mestre Orlando

No encerramento do evento, o Mestre Curió acompanhou os capoeiristas e promoveram a inauguração da Casa do Mestre Orlando Corderino dos Santos, pioneiro da capoeira em Itaberaba. A Casa do Mestre foi construída em função do Prêmio Viva Meu Mestre, concedido aos tradicionais mestres da capoeira, através edital do Ministério da Cultura e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN. Foram premiados 100 mestres em todo o Brasil, com um prêmio de R$15 mil, dentre eles o Mestre Orlando Corderino dos Santos, criador da Academia ACOCO, na década de 60, quando chegou vindo de Salvador, onde aprendeu capoeira com os mais tradicionais mestres baianos. A indicação do mestre ao prêmio foi realizada pelo jornalista editor, Salvador Roger de Souza, através projeto da ONG Fundação que defende a cultura e o meio ambiente.

Com a verba do prêmio foi construída a casa própria do mestre que antes morava numa tapera na periferia da Rua do Rio. Descontado o imposto de renda, entrou na conta do mestre, na Caixa Econômica, apenas R$11.600,00 que foi insuficiente para a execução da obra que custou R$17.597, cuja conclusão contou com ajuda da ONG e do jornal O Paraguaçu que investiram a diferença de R$ 5.997,00. A obra contou com os mutirões dos capoeiristas e amigos do mestre, sob a coordenação do pedreiro e capoeirista Jair Jibóia. A pintura da casa foi realizada pelo apoio do mestre Zé Bunitin Rebouças e a Academia de Karatê Dô de Itaberaba.

Fonte: http://www.oparaguacu.com

Capoeira é usada como tratamento de reabilitação física no Ceir

Capoeira voltada à reabilitação física, inclusão e acessibilidade da pessoa com deficiência. Essa, talvez, seja uma das melhores expressões para caracterizar a capoeira desenvolvida semanalmente no Centro Integrado de Reabilitação (Ceir), em Teresina. A instituição trabalha com a adaptação, readaptação e reabilitação da pessoa com deficiência física.

No setor de reabilitação desportiva a capoeira é um dos esportes oferecidos aos pacientes em tratamento. A atividade além de fomentar a socialização, auto-estima e independência do paciente é, também, responsável pelo ganho de agilidade, força muscular e coordenação motora.

Não existe restrição para a prática do esporte. Os praticantes apresentam diagnósticos, idades e necessidades diferentes que se encontram no mesmo ritmo do berimbau.

A dona de casa Nirinalva Mendes da Silva conta que seu filho, Lyedson Matheus, de 4 anos, melhorou muito depois que começou a participar da capoeira. “Antes, ele não segurava o pescoço e não tinha equilíbrio nenhum. Agora rola e dobra as pernas”, disse. A conquista é motivo de emoção ainda maior quando a mãe lembra que o obstetra não acreditava na sobrevivência do menino após a constatação da doença no parto.

O professor Childerico Robson finaliza que o trabalho desenvolvido com os pacientes é fruto de grande satisfação pessoal. “Me sinto realizado em saber que contribuí nem que seja um pouquinho para a melhoria de vida desses meninos e meninas”, frisou. Hoje, ele trabalha a capoeira para 20 pacientes que recebem tratamento no Centro.

Muzenza: Mundial Capoeira Brasil 2013

INTRODUÇÃO

A CIDADE DO RIO DE JANEIRO SERÁ A SEDE DO FESTIVAL MUNDIAL DA CULTURA BRASILEIRA , NÃO É SÓ PELA SUA HISTÓRIA DE CAPOEIRA, SAMBA, JONGO E OUTRAS CULTURAS  NA ERA COLONIAL COMO PELA SUA POSIÇÃO GEOGRÁFICA ESTRATÉGICA POSSIBILITANDO A VINDA DE CAPOEIRISTAS DO MUNDO INTEIRO.
SUA BELEZA ARQUITETÔNICA, SUAS BELAS PRAIAS, O SAMBA, O JONGO, O FUNK , O FUTEBOL, AS PRAIAS E A ALEGRIA DO CARIOCA NOS FAZ CHEGAR AO EQUILÍBRIO, PORTANTO A PRESENÇA DOS MESTRES CONHECIDOS MUNDIALMENTE VEM DAR CREDIBILIDADE AOS GRANDES EVENTOS REALIZADOS PELO GRUPO MUZENZA NESSES 41 ANOS DE EXISTÊNCIA.
OBJETIVO
PROMOVER O 1º ENCONTRO DE PROFESSORES , ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA, PEDAGOGOS, PSICÓLOGOS, PSICOPEDAGOGO E HISTORIADORES, NO INTUITO DE CONTEXTUALIZAR OS DEBATES E NOVAS PROPOSTAS PARA A ARTE DA CAPOEIRA.
O CAMPEONATO MUNDIAL É UMA COMPETIÇÃO DO JOGO DA CAPOEIRA  RESPEITANDO AS TRADIÇÕES E OS FUNDAMENTOS DA RODA.
OS CURSOS DE VÁRIOS SEGMENTOS.
RODA ABERTA DE RUA, PROMOVENDO A TROCA DE DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTOS, TREINAMENTOS, RITUAIS, E FILOSOFIAS DA ARTE DA CAPOEIRA.
SOB A COORDENAÇÃO DO MESTRE BURGUÊS E COM A PARTICIPAÇÃO DE VÁRIOS MESTRES, AMIGOS, CONVIDADOS E DEMAIS INTERESSADOS, QUE TRABALHAM COM A ARTE DA CAPOEIRA.
APRESENTAÇÃO
DURANTE SÉCULOS O NEGRO FOI ESCRAVO, MALTRATADO E HUMILHADO NA NOSSA TERRA BRASIL, E GRAÇAS A ESSES INFORTÚNIOS, NA ÂNSIA DE LIBERDADE, A CAPOEIRA SURGIU.
SURGIU DO TERROR DAS IMUNDAS SENZALAS, DAS MAZELAS DA ESCRAVIDÃO, DO DESCASO DOS SENHORES E DA TOTAL FALTA DE HUMANIDADE REINANTE. PORÉM, ENQUANTO A ARTE DE RESISTÊNCIA, A CAPOEIRA, NO INÍCIO NÃO FOI TÃO BEM ACEITA ASSIM. PERSEGUIDA E QUASE IRRADICADA, TORNOU-SE FORMA DE VIDA DAS POPULAÇÕES URBANAS, A PARTIR DO SÉCULO XIX. POPULAÇÕES ESTAS MARGINALIZADAS, EM SUA MAIORIA, ATÉ HOJE.
LUTA, DANÇA, JOGO, CULTURA POPULAR, TUDO ISSO É A CAPOEIRA. EM BUSCA DE LIBERDADE DO CORPO E DO ESPÍRITO, A CAPOEIRA CAMINHA RUMO A PROFISSIONALIZAÇÃO. NO ENTANTO, COM RESPONSABILIDADE DE ALGUNS EM MANTER A CHAMA DA ANCESTRALIDADE ACESA, EM UM INTENSO RESGATE A CAMINHO DA CONSCIENTIZAÇÃO DE UMA IDENTIDADE PRÓPRIA.SENDO ASSIM O GRUPO MUZENZA DE CAPOEIRA BUSCA O RESGATE DE NOSSAS TRADIÇÕES E FAZENDO UM TRABALHO INDEPENDENTE DE REGRAS E NORMAS TÃO ESTRANHAS A SEUS VALORES E PROPÓSITOS, BUSCANDO, NO PASSADO DE LUTAS SOCIAIS E CULTURAIS(NÃO PESSOAIS), O CAMINHO QUE DÊ À CAPOEIRA A SUA VERDADEIRA IDENTIDADE.
PROGRAMAÇÃO
DIA 26 E 27 01/2013
1º ENCONTRO DE PROFESSORES E ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA , PEDAGOGOS, PSICÓLOGOS, PSICOPEDAGOGOS E HISTORIADORES DO GRUPO MUZENZA

I) Na área do Treinamento Físico:
a) A importância da Flexibilidade para a prática da Capoeira.
b) Novos métodos de treinamento como auxiliares na preparação física do atletas de Capoeira: Treinamento Funcional, Treinamento suspenso, Pilates, Ballness (Bolas Suíça),etc.
II) Na área do Ensino:
a) Pedagogia da Capoeira na Escola;
b) A didática da Capoeira com adolescentes e adultos;
c) A importância do ensino da História e sua contextualização no ensino da Capoeira.
III) Na área Profissional:
a) Marketing pessoal;
b) Organização de eventos.
c) Utilização das redes sociais de forma profissional.
IV) Na área da Pesquisa:

a) Apresentação de oito temas-livres (dois para área Educação Física, dois para Pedagogo, dois para historiadores um para Psicólogo e um para Psicopedagogo) das áreas da História, Ed.Física, Pedagogia, Psicologia e Psicopedagogia.
b) Palestra: A importância da pesquisa para o desenvolvimento da Capoeira.
V) Na área Social:
a) Projetos sociais na Capoeira.
28/01/2013
2º ENCONTRO INTERNACIONAL DOS MESTRES DO GRUPO MUZENZA

29/01/2013
CURSOS

TREINAMENTO DE CAPOEIRA ANGOLA – REGIONAL – MODERNA  – ( MESTRES CONVIDADOS )
30/01/2013
TREINAMENTO COM OS MESTRES DA MUZENZA E A METODOLOGIA APLICADA NO GRUPO.

31/01/2013
EXAME PARA TROCA DE GRADUAÇÃO
TROCA DE GRADUAÇÃO E FORMATURA

DIA 01/02/2013
7º (CMMA) – CAMPEONATO MUNDIAL MUZENZA DE CAPOEIRA
CATEGORAIS MASCULINO E FEMININO:
CORDA – CRUA
CORDA – CINZA  /  CINZA E AMARELO
CORDA – AMARELO  /  AMARELO E LARANJA
CORDA – LARANJA  / LARANJA E VERDE
CORDA – VERDE   /  VERDE E VERMELHA
CORDA – VERDE E AZUL  / VERMELHA E AZUL (MONITOR)
CORDA – AZUL  /  VERMELHA E ROXA / VERMELHA E MARROM /  VERMELHA E PRETA
CORDA – CONTRA MESTRES E MESTRES
MASTER – DE 40 A 50 ANOS   (QUALQUER CATEGORIA PODE ENTRAR)
SÊNIOR – ACIMA DE 50 ANOS (QUALQUER CATEGORIA PODE ENTRAR)
INFANTIL – ATÉ 12 ANOS INCOMPLETOS
JUVENIL – DE 13 ANOS A 17 ANOS
ADULTO (MASC. E FEMININO) ACIMA DE 18 ANOS

DIA 02/02/2013
WFC (WORLD FIGHT CAPOEIRA MUZENZA)
CAMPEONATO DE CONTATO DE CAPOEIRA
CAPOEIRA É LUTA PRÁ QUEM É LUTADOR

Visitas as rodas de capoeira dos amigos do Grupo Muzenza.
Visitas e pesquisas a museus, bibliotecas e etc.
Obs.: A programação dos cursos, palestras, regulamento e locais serão divulgados através do site:
www.mundialmuzenza.com.br
CLIENTELA
PROFESSORES DE CAPOEIRA,
CAPOEIRISTAS EM GERAL,
PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA,
HISTORIADORES,
PEDAGOGOS,
PSICÓLOGOS,
PSICOPEDAGOGOS,
PESQUISADORES,
SIMPATIZANTES.
INSCRIÇÕES
FAZER DEPÓSITO:
Banco Bradesco – Ag. 541-0 Conta Corrente 76.624-0
Em favor de ANTONIO CARLOS MENEZES (MESTRE BURGUÊS)
Banco Itaú – Ag. 8325 – Conta Corrente 01673-4
Em favor de LILIA BENVENUTI DE MENEZES (PROFESSORA CRIANÇA)

Após efetuar depósito enviar fotocópia para o EMAIL: mundialmuzenza@hotmail.com ou enviar fotocópia para o endereço:

Av. Roberto Silveira, 348 – Apto. 103 – Bloco B – Icaraí
CEP 24230-161 – Niterói – Rio de Janeiro – Brasil
INFORMAÇÕES:
FONES:
(21) 9190.3234 TIM
(21) 8215.5979 TIM
(21) 7253.7339 VIVO

HOTÉIS E POUSADAS:
POUSADA FLAMENGO
TEL: (21) 2265.4476 / 2557.4659
AV: SILVEIRA MARTINS, 183 –
CATETE – RJ
POUSADA ART RIO
TEL. (21) 2205.1983 /2557.1058
AV: SILVEIRA MARTINS,135 –
CATETE – RJ
POUSADA GLÓRIA
TEL: (21) 2558.8064
RUA: DO CATETE, 34 – 1º ANDAR
CATETE – RJ
POUSADA REPÚBLICA
TEL: (21) 2556.2315
RUA: SILVEIRA MARTINS, 139
CATETE – RJ
HOTEL LEÃO
TEL: (21) 2205.2146 / 2556.0009 / 2556.1879
RUA: CORREA DUTRA,141
FLAMENGO – RJ
HOTEL MAGIC
TEL: (21) 2507.2037
RUA: SANTO AMARO, 11
GLÓRIA – RJ
HOTEL MONTE ALEGRE
TEL: (21) 2277.7300 / 2509.1820
RUA: RIACHUELO, 213
LAPA – RJ

Em busca do grupo perfeito…

Certa feita uma mãe, que havia sido praticante de capoeira, resolveu sair em busca do grupo ideal para seu filho, logo na primeira esquina percebeu uma academia com grande propaganda de aulas de capoeira. Em sua chegada ao local havia uma escada que dava acesso ao pavimento superior, onde funcionavam as aulas de capoeira. A escada era toda enfeitada com muitas fotos e banners com imagens de homens musculosos sem camisa executando movimentos aéreos, alongados e na maioria das vezes, com expressões faciais simulando raiva ou dor.

A mãe pensou:  …..esta capoeira aqui esta diferente daquela que pratiquei, mas talvez seja porque estou muitos anos sem praticar e isso tudo represente a evolução da capoeira…..    Já no piso superior, a mãe notou que havia uma pessoa dando aula para muitas outras, na sala havia uma musica muito alta e com ritmo acelerado, as pessoas estavam perfiladas, todas de frente para um homem musculoso e com uma roupa cheia de marcas, como um estandarte humano de propaganda. Este homem também conduzia a aula com gritos fortes, palavras de ordem e uma voz intimidadora de grande expressão.  A mãe pensou:  …..esta capoeira aqui esta diferente daquela que pratiquei, mas talvez seja porque estou muitos anos sem praticar e isso tudo represente a evolução da capoeira…..

A mãe, de forma paciente, aguardou o termino da aula e dirigiu-se para falar com o professor, inicialmente a mãe lhe perguntou: Que estilo de capoeira se pratica aqui, pois estou procurando um bom grupo para meu filho? O professor então, com um sorriso largo e simpático, tomou um gole de um isotônico famoso, da mesma marca que estava estampada em seu uniforme e disse: …Aqui nos praticamos a capoeira moderna, uma capoeira mais ágil, forte, bonita e acima de tudo, muito eficiente como luta……   A senhora já ouviu falar em Anderson Silva, campeão do UFC?  Antes da mãe responder o professor continuou: …..Pois então, como estou lhe dizendo, a capoeira hoje já esta ate no vale tudo e aqui nos ensinamos de tudo…. Pode ficar tranquila, aqui seu filho vai aprender a ser homem, pois eu mesmo vou acompanha-lo de perto, ensinando-lhe desde o nosso aperto de mão oficial de nosso grupo ate as melhores técnicas de finalização em situações de jogo mais duro. Aqui com certeza vamos coloca-lo no eixo e ele ainda estará pronto para resolver qualquer situação nas ruas.

A mãe agradeceu ao professor pela explicação e de maneira educada foi se despedindo e se afastando, quando o professor lhe disse: E sobre seu filho, quando a senhora ira traze-lo para fazer a matricula?….Tenha muito cuidado, pois os grupos de capoeira desta região não são bons…O nosso esta mais preparado para atende-la, pois temos muitas filiais espalhadas pelo mundo e eu ainda sou professor de Educação Física…..  A mãe, que já não suportava mais ficar calada, educadamente pediu um minuto de atenção ao professor, sentou-se em um local mais reservado com o mesmo e lhe disse: … Professor, como se chama? Ele respondeu:… Sou conhecido nas rodas como “Xicara sem alça”…   A mãe disse: … Muito prazer senhor Xicara…  Quero lhe agradecer novamente pelas explicações, mas não tenho intenção de matricular meu filho aqui, pois fiquei imaginando como se sente um parafuso torto recebendo marteladas para ficar no eixo….Com certeza, se o parafuso pudesse falar diria ..AI AI…Está doendo, e como meu filho pode falar, iria incomodar muito o senhor com seus gritos…. Sobre a parte da eficiência técnica para luta, penso que não será necessária para ele, pois tenho ensinado para meu filho que a melhor maneira de lidar com os conflitos será sempre o dialogo e por incrível que pareça, aprendi isso com um capoeira chamado Joao Pequeno de Pastinha, mas com certeza o senhor não deve conhece-lo, pois …..esta capoeira aqui esta diferente daquela que pratiquei, mas talvez seja porque estou muitos anos sem praticar e isso tudo represente a evolução da capoeira….. A mãe continuou …Gostaria de encontrar um grupo para meu filho que fosse capaz de ensina-lo  a conviver com a diversidade e aqui o senhor me disse que ate o aperto de mão esta padronizado. Quero um grupo em que meu filho possa desenvolver sua individualidade na relação com o coletivo e que acima de tudo SEJA FELIZ…..Quando vi a forma que o senhor ensina, percebi logo que o senhor conhecia uma parte da Educação Física tecnicista, pois também sou professora de Educação Física, contudo, penso que este método adotado aqui não esta de acordo com a ancestralidade da capoeira, pois mata a autonomia e diminui o poder de criatividade e criticidade dos educandos, portanto professor “Xicara”, recomendo ao senhor que estude mais sobre a capoeira e os antigos Mestres e só depois tente verificar, qual corrente metodológica da Educação Física será mais apropriada para cumprir nossa tarefa ancestral com a capoeira.

O professor “Xicara sem alça” ficou em silencio, ainda perplexo com tudo que havia escutado da simples mãe. A mãe despediu-se e com um sorriso feliz, desejou ao professor um bom dia e lhe fez um ultimo pedido. Que buscasse os mais antigos e com eles tentasse entender o significado de SER capoeira, pois o objetivo principal da capoeira, como pratica humana, sempre será levar felicidade aos seus praticantes, independente de estilos e formatações mercadológicas, pois se esta capoeira atual representa a evolução, tenho medo de como será no tempo de meus netos.

A historinha acima, mesmo que de maneira fantasiosa, ilustra bem os conflitos vividos na capoeira nos dias de hoje, assim precisamos ficar atentos para não reforçarmos o “opressor” que vive sendo “gestado” internamente, por conta de nossa formação tradicional, adestradora e comercial.

 

Fraternalmente..

Mestre Jean Pangolin

 

“Pedras no caminho? Guardo todas, um dia vou construir um castelo…”
Nemo Nox

Jean Adriano Barros da Silva
www.guetocapoeira.org.br
Tel: 55 71 8109 2550 / 3363 4568 / 3366 4214 
75 9168 7534 / 75 3634 2653
Bahia – Brasil