Blog

gcap

Vendo Artigos etiquetados em: gcap

Iê dá volta ao mundo: a Capoeira Angola na atualidade

O Grupo de Capoeira Angola Pelourinho – GCAP, estabelecido há vinte e sete anos no Forte de Santo Antônio Além da Carmo promoverá, no período de 09 a 13 de fevereiro próximo, mais um evento internacional de Capoeira Angola.  O evento contará com oficinas de movimento, rodas e palestras tendo como objetivo principal chamar a atenção da comunidade capoeirística e simpatizantes para os rumos que a Capoeira Angola tem tomado nos últimos tempos como consequência do processo globalizante da cultura afrobrasileira. Mestre Moraes, presidente- fundador do GCAP, doutorando em Cultura e Sociedade pela Universidade Federal da Bahia, irá ministrar as oficinas e conduzir as discussões sobre o tema no decorrer do evento. As palestras contemplarão temas diversos como a história do Forte de Santo Antônio enquanto prisão, relatos de viagens a Angola feitas pelo Mestre Cobra Mansa e outra que tratará das  subjacências da musicalidade da capoeira.  As atividades acontecerão no Forte de Santo Antonio Além do Carmo. Maiores informações através do e-mail gcap30anos@yahoo.com.br

 

Programação

Quarta-feira (09/02)

17:00 h – Credenciamento
19:00 h – abertura do evento – comemoração do aniversário do Mestre Moraes

Quinta-feira (10/02)

9:00 h às 11:00h – Oficina de capoeira
14:30 às 16:30h – Palestra: Na prisão um jardim: reconstruindo  a história do Forte de Santo Antônio. (M. Moraes e Cláudia)
17:00h – 19:00h Roda orientada: aspectos ritualísticos
19:300h – 21:30 Roda de capoeira ( restrita aos inscritos na oficina e aos mestres convidados )
Sexta-feira (11/02)

9:00h às 11:00h – Oficina de capoeira

14:30  às 16:30 – Palestra: “Em busca do N’golo: relatos das viagens a Angola –  2006 e 2010 ” (Mestre Cobra Mansa)

17:00 – 18:00 –  Oficina de rítmo

18:00 – 19;30 – Relato de experiência dos núcleos do GCAP – Japão e São Paulo (Contramestres Kayo e David)

20:00h – 22:00 – Roda de capoeira ( restrita aos inscritos na oficina e aos mestres convidados )
Sábado  (12/02)
9:00 às 11:00 – Oficina de capoeira
14:30 às 16:30h – Palestra: Inquices, voduns e tatas: a morte nas canções do Mestre Moraes (Contramestre Márcio)

17:00 a 18:00 – Confecção de berimbau

18:30 às 19:30 – Interpretações de ladainhas

19:30 às 21:30 – Roda de capoeira ( restrita aos inscritos e aos mestres convidados)

Domingo (13/02)
9:00h às 11:00h – Roda de encerramento aberta
12:00 – Feijoada para os inscritos e convidados.

O GCAP é “Forte”. O “Forte” é Memória…

O Grupo de Capoeira Angola Pelourinho – GCAP, dirigido pelo Mestre Moraes, estará realizando um evento, no período de 11 a 14 de janeiro de 2007, em homenagem ao Forte Santo Antônio Além do Carmo, sede do grupo há 23 anos, recém restaurado e transformado em Forte da Capoeira.
 
O evento intitulado " O GCAP É FORTE. O FORTE É MEMÓRIA…" irá destacar a história da fortaleza enquanto um espaço de memória da cidade de Salvador e de resistência do Grupo de Capoeira Angola Pelourinho.
 
O evento contará com palestras e oficinas de Capoeira Angola ministradas pelo Mestre Moraes.
 
Programação:
 
Local: Forte Santo Antonio Além do Carmo –Salvador- Bahia
 
Quinta-feira:
18:00 h. – Credenciamento
19:00 h. – Mesa redonda: O Forte Santo Antônio Além do Carmo e o Grupo de Capoeira Angola Pelourinho: espaços de memória e resistência Palestrantes: Pedro Moraes Trindade (Mestre Moraes) (GCAP/UFBA) Cláudia M. Trindade (GCAP/UFBA) e Patrícia Pereira (UFBA)
 
Sexta-feira:
9:30h às 11:30h – Oficina de Capoeira Angola ( Mestre Moraes)
14:00h às 16:00h – Relato de experiência do trabalho do núcleo do GCAP de São Luiz do Paraitinga. – Palestrantes: José David Evangelista (GCAP/SLP) e Mestre Moraes
18:00h às 20:00h – Roda de Capoeira
 
Sábado:
9:30h às 11:30h – Oficina de Capoeira Angola
14:00h às 16:00h – Palestra
18:00 às 20:00 h – Roda de capoeira
 
Domingo:
9:00 às 11:00 – Roda de encerramento
 
Valor de inscrição R$ 50,00 que em breve poderá ser feita em nosso site www.gcap.org.br

A FASCINANTE ANGOLA… de PASTINHA À MORAES

 
Crônica em homenagem aos Mestres Pastinha (nascido em 5 de Abril de 1889), e um de seus sucessores, Moraes
 
Dia Nacional e Internacional da Capoeira Angola
 
 
Como preliminar, devo deixar claro, que a Capoeira Angola  não se limita a esses dois grandes mestres, tem vários outros, excelentes, sendo que  alguns até completamente esquecidos e jamais mencionados em artigos e livros.   Escrevo hoje sobre esses dois   " Pastinha (Vicente Joaquim Ferreira) e Moraes (Pedro Moraes Trindade) " pois, sem sombra de dúvida, já estão consagrados como responsáveis por duas fases marcantes na existência e na sobrevivência e consolidação deste cada vez mais fascinante Jogo de Angola. Pastinha, nos primórdios, Moraes, mais adiante, na sua luta heróica e vitoriosa para não deixar a Angola morrer (em certa época foi dada como prática em extinção). Claro, nomes como Cobrinha Verde,  Waldemar de Corta Braço, João Grande, João Pequeno, Caiçara, Canjiquinha, Gato Preto, Paulo dos Anjos, Curió e tantos outros devem ser, e serão sempre reverenciados. Já estamos, inclusive, selecionando artigos sobre toda esta gente. No momento, entretanto, é obrigação de todos nós, amantes da verdadeira Capoeiragem, lembrar a fundamental importância desses dois nomes.  Com ênfase até no relativamente jovem mestre Moraes, pois foi ele que, dominando um bom inglês, peregrinou pelos Estados Unidos e Europa alertando para os malefícios de uma Capoeira "rainha do marketing" e, mostrando e demonstrando o valor e o fascínio da sua Capoeira Angola. Moraes, pelo mundo afora, sobretudo quando a Capoeira Estilizada ameaçava reinar absoluta, saiu palestrando e ilustrando as próprias palestras, com antológicas demonstrações do Jogo de Angola, incluindo-se aí, magistrais aulas, teóricas e práticas, sobre os verdadeiros fundamentos da  parte rítmica e cantada (incluindo-se aí o misterioso "Blue Note").
  
Como bem dizia o saudoso Mestre Caiçara (Antônio Carlos Moraes), "tem muito mestre de hoje que mal sabe soletrar e já sai dizendo que sabe ler".  Urge, pois, para esses jovens mestres afoitos, mostrar que "roupa de homem não dá em menino" (créditos, também, para Mestre Caiçara).  Vamos ao artigo.
 
Capoeira Angola
É de dentro pra fora
Capoeira angola
É de fora pra dentro
Read More

Entrevista Contra Mestre Janja

Contra Mestre Janja,
Grupo Nzinga de Capoeira Angola.
 
“A gente precisava contrariar essa lógica (que via a capoeira como esporte ou folclore). Isso foi feito através desse princípio: situar a capoeira dentro do legado da cultura dos povos bantos no Brasil. A partir daí, nos dedicamos a essa dupla militância: dar visibilidade ao pensamento e resistência do Mestre Pastinha e denunciar a hegemonia iorubá.”
Janja iniciou-se no Grupo de Capoeira Angola Pelourinho (GCAP) a princípios da década de 1980. Herdeiro de Mestre Pastinha, o GCAP funcionou como o principal elementro revigorador desta arte banto, em um momento em que a capoeira começava a homogenizar-se e perder suas africanidades. No GCAP, Janja fez-se Contra Mestre. Hoje ela é presidenta do Instituto Nzinga de Estudos da Capoeira Angola e de Tradições Educativas Banto no Brasil (INCAB) e também mestra em educação pela USP, onde atualmente realiza seu doutorado.
 
 
"Se você pensar a geração de Mestre João Grande, de Mestre João Pequeno, de Mestre Curió, eles não tiveram acesso às formas oficiais de educação, e nosso país não tem uma tradição sobre a importância destes memoriais vivos, não o valorizou ao ponto dele permanecer no Brasil, ele (Mestre João Grande) tá nos EUA e hoje vive uma outra realidade, inclusive do ponto de vista da auto-estima, da dignidade dele. A diferença da minha geração de capoeira é que nós, não tínhamos acesso, poderíamos ter acesso: quando começamos no GCAP, eu e Paulinha éramos as duas únicas que estávamos na universidade e éramos as mulheres chegando e o grupo percebeu um diferencial: a presença da mulher falando e atuando enquanto capoeirista. E quando nós iniciamos a “cruzada contra a ignorância”, tínhamos a compreensão que muito da juventude, falo especificamente do povo negro, porque era essa a parcela com a qual nós trabalhávamos na Bahia."
 
 
 
{mos_sb_discuss:18}