Blog

importante

Vendo Artigos etiquetados em: importante

Bragança Paulista: Projeto Municipal de prática e de Capoeira na rede Municipal de Ensino

Capoerira – Projeto Municipal de prática e de Capoeira na rede Municipal de Ensino termina o ano envolvendo 350 alunos

No último sábado, dia 7, a Prefeitura de Bragança promoveu o encerramento do Projeto Capoeira, desenvolvido em 12 escolas da rede municipal, envolvendo uma média de 350 alunos.

A cerimônia foi realizada no Ginásio Municipal de Esportes Francisco Virgili, na Vila Garcia, e contou com a presença da vice-prefeita e secretária de educação Professora Huguette.

O  evento marcou o batizado, ou seja, a entrega do primeiro cordão aos novatos, além da troca de cordões para os que já foram graduados. Dentro do projeto desenvolvido nas escolas são quatro graduações: cordão verde, amarelo, azul e verde-amarelo.

De acordo com o contra-mestre Mortal, que comanda os trabalhos na rede, este foi o melhor evento desde que começaram as graduações na capoeira, há 4 anos, e enalteceu a presença da vice-prefeita. “É importante salientar e valorizar o apoio que o esporte vem recebendo da atual administração, pois  isto com certeza se reflete no sucesso do projeto e principalmente numa maior participação dos alunos”, reforçou.

As atividades são desenvolvidas no contra-turno das aulas e em sua fala Professora Huguette reafirmou o compromisso com o projeto salientando os benefícios do esporte. ”É uma oportunidade ímpar para que esses alunos entrem em contato com uma parte importante da cultura brasileira, usufruindo dos benefícios da prática de capoeira, que desenvolve a disciplina e o respeito, além de estimular a coordenação motora”, enfatizou a vice.

 

Fonte: http://portalbraganca.com.br

Idosos participam de atividades do Dia Mundial de Combate à Osteoporose

Cerca de 700 idosos participaram hoje (20) de atividades para lembrar do Dia Mundial de Combate à Osteoporose. Reunidos no Ginásio Nilson Nelson, em Brasília, eles participaram de atividades como aula de tai chi chuan, dança e capoterapia (terapia inspirada na gestualidade da capoeira – Mestre Gilvan).

A coordenadora do Programa de Prevenção à Osteoporose da Secretaria de Saúde do Distrito Federal, Helenice Gonçalves, explicou que exercícios físicos é uma das atividades que ajudam na prevenção da osteoporose. “O osso precisa de impacto para absorver o cálcio”, explicou. A orientação é fazer atividade física, pelo menos, três vezes por semana, com orientação de profissional especializado. Também é importante evitar fumo e álcool e café expresso.

A dona de casa Milma Silva, 68 anos, disse que gostou de participar das atividades. “Espero que tenha sempre [eventos como esse]. É bom para a saúde e para o convívio social”, destacou.

Segundo a Secretaria de Saúde, a osteoporose é uma doença crônica causada pela diminuição de cálcio nos ossos, tornando-os enfraquecidos e predispostos a fraturas.

 

http://www.jb.com.br

 

Capoterapia

Uma nova terapia, inspirada na gestualidade da capoeira, traz para a terceira idade benefícios físicos, sociais e emocionais

Por Mano Lima (*)

Há 11 anos, o capoeirista brasiliense Mestre Gilvan constatou que havia uma escassez de políticas públicas e de atividades específicas para a terceira idade. Nascia no Distrito Federal a capoterapia – capoeira adaptada para a terceira-idade  como modalidade lúdica, capaz de atrair pessoas e tirá-las do sedentarismo. “O trabalho com a capoterapia iniciado por Mestre Gilvan em nossa unidade de saúde, aliado a outras atividades que oferecemos, como o tai chi chuan, a dança, as sessões de alongamento e a ´terapia do abraço´ têm atraído muitos idosos para atividades que são fundamentais para o seu bem-estar físico e psíquico”, explica o coordenador de terapias corporais do Centro de Saúde 7 de Ceilândia, DF, Dr. Geovane Gomes da Silva. Uma das diferenças da capoeira tradicional para esse novo método está no ritmo e na intensidade. Assim como na capoeira, na capoterapia há a ginga, movimento tradicional da capoeira, e os alunos tem pequenas noções da esquiva, que é o ato de se desviar de um golpe. Mas evidentemente não há saltos, nem golpes mais contundentes, que podem expor os idosos a acidentes e lesões.

A capoterapia pode ser feita, inclusive, por cegos, pessoas com déficit mental ou com seqüela motora (cadeirantes). Apenas pessoas com doença cardíaca grave devem evitar, pois nestes casos qualquer esforço físico mais intenso é uma ameaça a sua saúde. Como a maioria dos grupos de capoeira funciona em centros de saúde, os próprios médicos alertam aos pacientes sobre a viabilidade ou não de fazer a capoterapia. E, o que é mais importante, na capoterapia há o respeito ao ritmo de cada um e ninguém é obrigado a fazer senão aquilo que lhe dá vontade e prazer. ”Conheci a capoterapia através do Centro de Saúde, nas atividades para os idosos hipertensos. Minha família concorda com qualquer atividade que eu faça e que me ajude na melhoria de minha saúde. Sempre fiz exercícios físicos, só que com menos freqüência, depois me integrei ao grupo e tive vários benefícios, pois é muito bom estar em contato com outras pessoas. Minha vida era boa, só que como estava um pouco parada, o corpo estava travado. Quando a capoterapia apareceu, contribuiu ainda mais no meu desempenho físico. Espero que este programa voltado para os idosos não pare, e dure pôr muito tempo.”, comenta Maria Ferreira de Sousa, 59 anos, que tem seis filhos, 12 netos e um bisneto. As vantagens para o público da terceira idade são inúmeras. Quanto aos benefícios físicos ela diminui a dependência química de remédios para hipertensão, diabetes, colesterol.

Provoca, ainda, a recuperação do vigor, amplia a força muscular, ocasiona a amplitude dos membros inferiores e superiores, tonicidade muscular. Entre os benefícios sociais da capoterapia estão a integração grupal e a ampliação do círculo de amizades. A “ginga dos mais vividos”, como é chamada a terapia, também é um auxiliar importante no combate à depressão e à solidão, despertando em seus praticantes a recuperação da auto-estima e do prazer de viver. Conheci a Capoterapia através da auto-massagem. Meus filhos acharam bom, pois minha vida era triste, eu me sentia doente, sempre de baixo astral. Não me divertia, não tinha vontade de sair, na verdade não tinha mais vontade de viver e graças a ela, nós temos uma vida melhor, fazemos sempre novas amizades e nos divertimos muito. Hoje, sou mais alegre, passeio bastante, trabalho e me considero feliz”, relata Antônia Lizarda, 66 anos.

Na prática, as aulas de capoterapia se iniciam com uma sessão de aquecimento e alongamento, pra preparar a musculatura. Em seguida vêm as cantigas de roda, quando o grupo canta clássicos da música infantil, como “ciranda ciradinha” e da música popular como “acorda Maria bonita, levanta vem fazer o café”. As atividades reproduzem rotinas domésticas, como lavar, passar ferro, estender a roupa no varal. O ideal é que a capoterapia seja praticada de duas a três vezes por semana. Como isso a Associação Brasileira de Capoterapia ainda não dispõe de multiplicadores em número suficiente para atender todas as demandas que surgem, a entidade está oferecendo cursos de capacitação, para formar novos agentes do programa. Além disso, os idosos são estimulados a fazer em casa, sozinhos, os exercícios para os quais são orientados nas vivências de capoterapia. Dentro da capoterapia ainda acontecem algumas terapias como a “Campanha do Abraço”, onde se busca resgatar o senso de cordialidade e a descontração, estimulando as pessoas a trocarem o “calor humano”, em gestos afetivos, como instrumento de valorização do outro. Durante a “Terapia do abraço” ocorre a campanha “Você já abraçou seu filho, hoje?

______________________
(*) Mano Lima é jornalista, autor do livro “A ginga dos mais vividos” e Mestre em
Educação.
Saiba mais: Para conhecer melhor a capoterapia ou para receber em casa um
exemplar do livro “A ginga dos mais vividos”

Mestre Decânio: O Doutor da Capoeira

Um dos grandes nomes da capoeira, que ficará eternamente registrado na história dessa arte-luta brasileira, sem dúvida nenhuma, é Ângelo Augusto Decânio Filho, ou “Doutor Decânio” como ficou conhecido no meio da capoeiragem.

Um dos principais e mais antigos discípulos do mestre Bimba, Decânio teve papel importante na constituição da Capoeira Regional, sendo um dos pilares juntamente com Sisnando – outro importante discípulo, nos quais Bimba se apoiou para a criação desse estilo de capoeira, bem como na definição das estratégias de obtenção de reconhecimento da capoeira junto à sociedade baiana, num período em que essa manifestação ainda era muito discriminada e vítima de preconceitos e ações violentas por parte do poder vigente.

Formado em medicina, foi ainda nos tempos de faculdade, em 1938, que Decânio conheceu mestre Bimba e logo se juntou a ele, exercendo papel fundamental na organização de sua academia, sendo responsável – ao lado de outros acadêmicos que também participaram dessa fase inicial de criação da Capoeira Regional – por ajudar Bimba a dar uma nova roupagem à capoeira que até então era praticada somente nas ruas, a partir da criação de um método de ensino baseado em sequências de golpes de ataque e defesa, bem como a estruturação do funcionamento da academia, que passava pela utilização de fardamentos, horário de treinos, organização de eventos, batizados, rodas de exibição, cursos de especialização entre outras atividades.

Decânio acompanhou Bimba durante muitos anos, mas sempre exercendo paralelamente as atividades como médico, o que muitas vezes não era tarefa fácil, mas ambas sempre exercidas com muito amor e dedicação. Mestre Decânio foi responsável por publicações importantes como os manuscritos do Mestre Pastinha entre outras obras de sua autoria, editadas pela Coleção São Salomão, por ele próprio criada.

Mestre Decânio formulou ainda uma teoria que é muito citada em trabalhos acadêmicos sobre capoeira – a teoria do “Transe Capoeirano” que segundo ele, trata-se de um estado físico-psíquico que o capoeirista atinge durante o jogo, em virtude de estímulos que vêm da musicalidade, do ritmo dos atabaques e agogôs, e da atmosfera propiciada pelo ritual da roda de capoeira, tudo isso explicado a partir de princípios científicos.

Era o mais antigo discípulo vivo de Bimba e, durante muitos anos, a maior referência da Capoeira Regional. Sujeito amável a sempre disponível, seja para uma conversa despretensiosa na varanda de sua casa de frente para o mar de Paripe, seja para colaborar com algum estudo ou pesquisa sobre capoeira, através de seus ricos depoimentos ou do vasto material de arquivo que o mestre foi juntando ao longo de tantos anos de vivência nesse universo.

O mestre Decânio nos deixou no último dia 01 de fevereiro de 2012, véspera da Festa de Yemanjá , prestes a completar 89 anos de idade. Deve estar agora ao lado de João Pequeno, seu vizinho e amigo inseparável, assim como de seu companheiro Sisnando, e finalmente reencontrando seu mestre Bimba, com quem deve estar agora proseando…. e olhando por todos nós aqui na terra !

 

Dica do Editor:


Não deixe de visitar o site Capoeira da Bahia, criado pelo ímpar Mestre Decânio, uma obra prima da capoeiragem…

Márcia Moura prestigia graduação de capoeira em Três Lagoas

A prefeita Márcia Moura (PMDB) participou na noite deste sábado (17) da graduação de diversas crianças, jovens e adultos que fazem parte da escola de capoeira “Filhos da Coral”. A iniciativa é de André Luiz Feitosa dos Santos, conhecido como: professor Mangueira.

Há cerca de 10 anos, André tinha o sonho de desenvolver uma atividade que englobasse crianças e jovens. Seu objetivo era tira-los das ruas e dos riscos aos quais estão expostos diariamente. “Este projeto nasceu da minha preocupação com o futuro das crianças. Quero levar conhecimento, que vai desde os cuidados com higiene até a orientação sobre uma conduta correta diante da sociedade”, comenta.

As aulas capoeira estão presente nos bairros Paranapungá, Vila Verde, São João e São Carlos, e atende 180 pessoas, com idade a partir dos 4 anos. Igor Henrique da Silva, de 19 anos afirma gostar de participar do grupo de capoeira. “Estando aqui, evito estar nas ruas. Este é um importante aprendizado para a minha vida”, complementa.

Matheus Alexandre dos Santos Dias, de 11 anos, diz que aproveita os ensinamentos passados. “O professor nos fala que não devemos ficar andando pelas ruas. Quando saio da capoeira vou direto para casa”, enfatiza.

O projeto não tem custa mensal para os alunos, e a iniciativa conta com o apoio de patrocínios. “O único gasto que se tem é anual para realizar este evento em que o graduando recebe sua corda, camiseta, certificado e o jantar para duas pessoas, no valor de R$ 50”.

Durante o discurso Márcia Moura comentou sobre como ações deste tipo colaboram no cotidiano de uma cidade como Três Lagoas. “Projetos como este valorizam a sociedade, afinal ajuda a forma cidadãos. Costumo dizer que tudo é importante, mas a auto-estima também é fator necessário e isso só se consegue com cidadania e todos estes conhecimentos que são passados por meio da capoeira. Sociedade e Poder Público têm o dever de trabalharem juntos para a melhora na qualidade de vida das pessoas”, diz.

 

PROGRAMAÇÃO

 

A cerimônia contou com apresentações de danças africanas, jogo de capoeira, exposição de objetos usados na época da escravidão e a graduação de alunos e professores. Dentro da hierarquia os alunos puderam ser graduados com cordões: verde, amarelo, azul, preto, vermelho, vermelho e preto – para instrutor, e preto e branco para professor.

 

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO

 

PREFEITURA DE TRÊS LAGOAS/MS

Estudantes do Bengui promovem Caminhada pela Paz

Cerca de 800 estudantes foram às ruas do bairro do Bengui, na manhã desta segunda-feira, 30, para dizer não à violência e pedir mais união na comunidade. A Caminhada pela Paz, que contou com roda de capoeira, fogos de artifício e malabarismo, foi promovida pela comunidade da Escola Estadual Cidade de Emaús, em parceria com as escolas estaduais Waldomiro Rodrigues Oliveira e São Clemente e o Movimemto República de Emaús.

A ação das escolas estaduais foi bem recebida entre os moradores e comerciantes do bairro. “Acho que é importante incentivar os jovens e as crianças para que, desde ‘pequenininhos’, vejam o quanto a paz é importante e também levem isso para casa”, disse Franciléa Sousa, proprietária de uma loja de variedades, na rua Benfica. “Seria bom se todas as escolas também fizessem o mesmo. Esse é um bom exemplo a ser seguido”, acrescentou a moradora Francisca Silva, que passava pelo local.

Foi com pernas de pau e malabares que o estudante Cézar Augusto Nascimento, 24 anos, que cursa o Ensino Médio por meio da Educação de Jovens e Adultos (EJA), participou da caminhada. Com o rosto pintado, o jovem esteve a frente da manifestação ‘puxando’ os demais alunos. “A ideia também foi levar alegria para os moradores do bairro, que não têm muita oportunidade de ver esse tipo de apresentação”, explicou o jovem. “Nós todos temos a responsabilidade, cada um dentro do que pode fazer, de chamar atenção para mostrar as coisas boas que temos aqui”, acrescentou o estudante.

De acordo com a diretora da escola, professora Vânia Mendes, a caminhada foi a primeira de uma série de ações ligadas ao tema. Ao longo do mês de fevereiro, a escola promoverá um ciclo de palestras aberta à comunidade. Entre os temas discutidos estão o uso de drogas, as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs) e o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). “Este é o começo de uma grande ação. Vamos contar com a participação de outras escolas estaduais, representantes do Conselho Tutelar do bairro do Movimento de Emaús e da Secretaria Municipal de Saúde (Sesma)”, explicou a diretora.

De volta à escola Cidade de Emaús, ao encerrar a caminhada, o Padre Bruno Secci falou da importância da mobilização e conclamou a união da comunidade em torno da paz. “É importante buscarmos sempre a construção da paz para que os nossos jovens possam continuar sonhando com um mundo melhor, para que a harmonia prevaleça”, disse.

 

Secretaria de Estado de Educação

Rod. Augusto Montenegro Km 10, S/N. Icoaraci, Belém-PA. CEP: 66820-000

Fone: (91) 3201-5205 / 5005 / 5180 / 5008

Site: www.seduc.pa.gov.br Email: gabinete@seduc.pa.gov.br

 

Mari Chiba – Seduc

Fone: (91) 3201-5181 / (91) 8135-9009

Email: marichiba84@gmail.com

A verdade da CAPOEIRA

Capoeira é livre, pelo menos é símbolo da liberdade, e ser livre e ter a liberdade é viver em democracia e a democracia é o debate das ideias, e elas, as ideias, seja de quem for, acaba por incomodar sempre alguém, com ideias diferentes é claro.

Penso na nossa capoeira e nessa liberdade que ela utiliza, ela não é de ninguém, porém todos queremos a verdade dela, queremos descobrir a verdadeira capoeira, mas é muito difícil nesse mar de ideias diferentes. Chegamos assim na grande pergunta, o que é ser verdadeiro? A verdade existe? Como disse o filósofo, podemos pensar e perguntar qual é o tamanho da lua, podemos ter uma reposta certa ou errada, mas o fato é que seja qual for nossa resposta, a lua tem um tamanho certo, esse tamanho existe, por isso é verdadeiro, independente das discussões sobre o que encontramos como sendo seu tamanho, se levarmos isso para a capoeira é como procurar uma verdade longínqua e bem distante da nossas percepções, mas temos de começar por algum lado essa viagem.

O importante para um projeto atual de capoeira é que possua suas verdades, alicerçadas nos fundamentos das experiencias e ensinamentos que sua liderança herdou na sua vida, mas que pode essa liderança muito bem, receber de bom grado as verdades e críticas construtivas daqueles que ele tome como discípulos, porém nós humanos somos falhos, erramos, e nossa verdade pode virar uma mentira quando confrontada com verdades mais fortes, por isso que é importante que existam na capoeira os retóricos, os falsos Mestres e professores, os alunos dissimulados, desleais e omissos, pois para que a luz exista é preciso que exista a escuridão, acredito que todo esse laboratório tem como grande alicerce o tempo, pois só ele dá a maturidade para as ideias sobreviverem ou não, por isso capoeira é para quem tem paciência com o tempo, para quem viaja na volta que o mundo deu e na que o mundo vai dar, fica aqui esse texto para reflexão da geração atual e para que muitas sejam as ideias, mas que as boas verdades vençam.

Torcemos por isso…

 

Marco Antonio Monteiro

Capoeira Alto Astral

Complexo do Alemão sediou Troféu Cidade do Rio de Janeiro de Capoeira

Federação Desportiva do Rio promoveu evento e fez campanha de prevenção às DSTs

 

A Federação de Capoeira Desportiva do Estado do Rio de Janeiro (FCDRJ), em parceria com a Secretaria de Esporte e Lazer e a Universidade Veiga de Almeida, realizou o campeonato Troféu Cidade do Rio de Janeiro de Capoeira, que aconteceu na Vila Olímpica do Complexo do Alemão, no domingo dia 05 de junho, às 10h. O evento que contou com a partipação de grupos de capoeira de todo Estado, teve como pano de fundo a campanha de prevenção às DSTs, com distribuição do kit informação com preservativo masculino e folder.

O Secretário de Esporte e Lazer, Romário Gusmão, revela o peso de um evento cultural que se propõe trabalhar a cidadania com o tema saúde na nova fase do Complexo.

– É importante pela simbologia do local, que vive um processo de reconstrução da identidade social, onde se pode afetar a população envolvendo-a num evento cultural, em um local de boa infraestrutura. É fazer parte da edificação do novo Complexo do Alemão.

Dentre os inscritos, grupos do próprio Complexo, como as Associações de Capoeira Martins e Filhos da Corda Bamba. O torneio traz duas modalidades, Solo e Equipe. Sendo Solo Juvenil: Masculino e Feminino, com idade entre 13 e 15 anos; Adulto: Masculino e Feminino com idade inicial de 16anos; e Equipe, faixa etária livre, com atletas infantis.

Com base no campeonato de 2010, a Federação espera reunir cerca de 300 praticantes do desporto. O Presidente da FDCRJ explica que este evento é importante porque:

– Faz a integração entre praticantes de capoeira e mostra ao público, a importância do desporto na cultura brasileira. Tendo em vista que hoje, esse esporte é considerado patrimônio cultural e imaterial do país. Além de, uma ferramenta de inclusão social.

 

Premiação e Histórico do Evento

Os três primeiros colocados nas duas modalidades receberão troféus e medalhas. A Federação existe há 16 anos e realiza anualmente o Troféu Cidade do Rio de Janeiro de Capoeira. A Federação existe há 16 anos e realiza anualmente o Troféu Cidade do Rio de Janeiro de Capoeira, dando força ao movimento cultural/esportivo e valorizando seus atletas.

 

Assessoria de Imprensa – Cris Araujo

Contato: 7685-5516/ 3462-2277

 

 

Cris Araujo

Jornalista – MTB. 30.108/RJ

Cel.: 7685-5516

http://chrisaraujo.wordpress.com

São Paulo: Mestre Russo de Caxias – Oficina & Novo CD

Mais uma vez em São Paulo, Mestre Russo de Caxias realizará uma jornada de atividades no 16 de Abril, sábado, das 9:00 às 21:00h. Oficina, mesa redonda, bate papo com os Mestres e roda de confraternização, com destaque para o lançamento do seu novo CD: Tempero da Massa – Musicalidade da Roda Livre de Capoeira de Duque de Caxias. O Evento acontecerá na Universidade de São Paulo (Centro de Páticas Esportivas – CEPEUSP), sob a coordenação do Mestre Gladson e do Professor Vinicius e tem apoio do CEPEUSP, da Projete Liberdade Capoeira e da Bassula Originals. Maiores informações sobre isncrições podem ser consultadas no site www.projeteliberdadecapoeira.com.br
A idéia é reunir amigos numa grande confraternização. Compartilhar conhecimentos, trocar experiências e prestigiar o lançamento do CD do Mestre Russo, que esteve em São Paulo no ano passado, durante a XII Clínica de Capoeira do CEPEUSP, onde ministrou palestras e oficinas, apresentou o seu DVD e foi bastante elogiado pelos presentes.
Jonas Rabelo, o Mestre Russo é o Zelador da Roda de Duque de Caxias – RJ, uma as mais tradicionais rodas de Capoeira de Rua do Brasil e do mundo. Um importante “celeiro” de Bambas, por onde já passaram grandes Mestres da atualidade. A Roda se caracteriza pelo respeita às tradições e Capoeira de muita qualidade. Mestre Russo é um dos grandes responsáveis pela manutenção e preservação da Roda de Caxias, que continua dando frutos, com excelentes capoeira da nova geração.
Após o evento de São Paulo, Mestre Russo parte para a Europa para uma turnê em diversos países onde também mostrará o seu novo CD.

Mestre Camisa participa de simpósio e diz que a capoeira é brasileira

O Espaço Cultural Casa do Lago organizou na manhã desta quarta-feira(6) o 1º Simpósio a Arte e Capoeira. O evento é fruto das oficinas realizadas pela Casa, iniciadas há mais de um ano e meio, na Rua Érico Veríssimo s/n. Antes mesmo de José Tadeu Carneiro Cardoso (mestre Camisa) abordar temas relacionados à história, dança e a filosofia da capoeira, alguns grupos já realizavam demonstrações no gramado, localizado na parte externa do Espaço Cultural. Camisa, que está na Unicamp pela primeira vez, pertence ao Grupo Abadá de Capoeira do Rio de Janeiro. À noite, às 19 horas, no Ginásio Multidisciplinar da Unicamp (GMU), ele fará, gratuitamente, uma aula aberta ao público.

De acordo com Camisa, praticante da arte que foi instituída como esporte por Getúlio Vargas em 1930 após ver uma apresentação do mestre Bimba, a capoeira vem se desenvolvendo como arte, cultura e também serve como ferramenta de socialização participativa. “Ela contribui na formação do indivíduo como cidadão brasileiro e o faz conhecer a sua verdadeira história. O simpósio que a Unicamp está realizando é importante porque ele proporciona que debatamos a capoeira em todos os seus aspectos. A capoeira é brasileira. O Brasil é o maior pólo de capoeiristas do mundo. É daqui que eles saem para ensinar a arte em suas diversas áreas”, afirmou Camisa.

No Simpósio, o pró-reitor de Extensão e Assuntos Comunitários, professor Mohamed Habib, disse que é importante analisar o evento sob a ótica brasileira e não somente da artística e esportiva. De acordo com o pró-reitor, o encontro permite reconstituir e revelar um fenômeno importante na história da humanidade. Como atividade de extensão, segundo Mohamed, “é muito importante, cada vez mais, que a universidade se aproxime da história do Brasil e dos que praticam atividades que contam a história brasileira, porque este é o texto mais visível e mais lido por toda a população. Assistindo a uma apresentação de capoeira, estaremos lendo a história do nosso país”.

Visivelmente emocionado, Juliano Finelli, diretor da Casa do Lago, não encontrou palavras para demonstrar a satisfação em poder realizar o evento. “Trata-se de um reconhecimento. Eu me sinto congratulado em poder realizar este trabalho. O simpósio vem brindar essa ação que desenvolvemos dentro da Unicamp”. Informações sobre a aula aberta que ocorre no GMU podem ser obtidas pelo telefone 19-3521-7017.

 

Fonte: http://www.unicamp.br/

A Importância da Capoeira na Escola

Tradicionalmente, a escola sempre deu mais espaço e valorização para os saberes ditos “científicos” ou “acadêmicos”, ou seja, aqueles saberes que geralmente são construídos a partir dos campos do conhecimento vindos de áreas como as ciências exatas, humanas e biológicas. Por outro lado, os saberes populares, aqueles vindos de grupos tradicionais, geralmente oriundos de culturas dominadas e que se baseiam na transmissão oral dos seus conhecimentos, sempre foram considerados na escola, como sendo saberes de menor valor, e na maioria das vezes tratados como algo exótico, que aparecem apenas em algumas datas comemorativas, como o “mês do folclore”, o “dia do índio”, ou o “dia da consciência negra”.

Entendemos ser esse um grande equívoco, e acreditamos que os saberes populares têm que ser tratados com a mesma dignidade dos saberes científicos, sem hierarquizações nem privilégios, pois ambos contribuem para a formação humana, cada qual na sua especificidade.

A capoeira, graças ao reconhecimento que tem conquistado a cada dia na sociedade como um todo, já começa a ter seu espaço em muitas escolas públicas e privadas no Brasil, mobilizando um número cada vez maior de alunos de todas as idades, interessadas na sua prática. Porém, o que percebemos é que a presença da capoeira na escola se dá de forma ainda tímida, muitas vezes pela atuação de algum grupo de capoeira da comunidade, que solicita o espaço da escola para ministrar suas aulas e organizar as rodas, mas ainda informalmente, ou seja, sem o reconhecimento por parte da escola, como um saber a ser tratado com o devido respeito e dignidade. A capoeira dessa forma, entra pela porta dos fundos da escola.

Defendemos, pelo contrário, que a capoeira possa entrar pela porta da frente da escola. E temos agora o amparo de uma lei federal: a lei 11.769 de 2008, que prevê a obrigatoriedade nas escolas, do estudo sobre as culturas africana e indígena, sem dúvida, um avanço muito importante nessa área. A partir dessa lei, é possível que nossos governantes estabeleçam políticas públicas e programas que viabilizem que esses saberes façam parte dos currículos oficiais das escolas. A capoeira tem aí sua grande oportunidade de se estabelecer como um conhecimento importante e necessário a ser tratado nas escolas, não somente pelo professor de capoeira ou mestre, mas de forma interdisciplinar, a partir da abordagem de várias áreas do conhecimento, como história, educação física, literatura, música, geografia, artes, estudos sociais, filosofia, entre outras.

A Bahia está dando um passo importantíssimo nessa direção, através do Programa “Capoeira na Escola: patrimônio de todos nós”, do qual faço parte da equipe de coordenação. Esse programa é uma iniciativa da Secretaria Estadual de Educação, que prevê a capacitação de professores de todas as regiões do estado, que passam por um curso que busca se aprofundar nos estudos sobre a capoeira, abordando aspectos históricos, filosóficos, pedagógicos, envolvendo também a prática dos movimentos, da musicalidade e da ritualidade da capoeira. Uma vez finalizada essa capacitação, esses professores então, irão implantar seus projetos em suas escolas, com a recomendação de que sejam projetos multidisciplinares, ou seja, que se articulem com as várias áreas do conhecimento existentes na escola.

É preciso que fique bem claro que o objetivo desse projeto não é o de formar capoeiristas nas escolas, isso é tarefa dos grupos e academias. Trata-se apenas de possibilitar que os alunos possam ter contato com esse universo tão rico de saberes, que é o universo da capoeira, a partir de um trato pedagógico multidisciplinar dentro da escola.

Essa experiência ainda está em processo de implantação, mas acreditamos que possa se transformar numa referência importante para a implementação de futuras políticas públicas, por parte de governos interessados na valorização da capoeira e dos saberes populares no âmbito da formação humana.

 

Pedro Abib (Pedrão de João Pequeno) é professor da Universidade Federal da Bahia, músico e capoeirista, formado pelo mestre João Pequeno de Pastinha. Publicou os livros “Capoeira Angola, Cultura Popular e o Jogo dos Saberes na Roda”(2005) e “Mestres e Capoeiras Famosos da Bahia”(2009). Realizou os documentários “O Velho Capoeirista” (1999) e “Memórias do Recôncavo: Besouro e outros Capoeiras” (2008).


Coluna: “Crônicas da Capoeiragem” por Pedro Abib

Mais um envolvente texto da Coluna Crônicas da Capoeiragem, sob a tutela do nosso grande camarada e parceiro, Pedro Abib, enfocando histórias, casos, experiências, opiniões, críticas, enfim, um texto de uma lauda sobre o universo da capoeiragem.