Blog

lins

Vendo Artigos etiquetados em: lins

Livro “Pastinha – O menino que virou Mestre de capoeira”

Livro do jornalista José Barreto sobre Pastinha é um dos finalistas do Prêmio Jabuti e resgata a história da iniciação de Vicente Perreira Pastinha na arte da capoeira.

Salvador – O livro “Pastinha – O menino que virou Mestre de capoeira” é um dos finalistas do 54º Prêmio Jabuti, na categoria infantil. Escrito pelo jornalista baiano José de Jesus Barreto, ilustrado pelo artista plástico Cau Gomez (mineiro radicado na Bahia) e editado pela Solisluna Editora – sediada em Lauro de Freitas – o livro resgata a história da iniciação de Vicente Perreira Pastinha na arte da capoeira. Nascido no Pelourinho, o menino aprendeu a jogar com o negro banto e ex-escravo Benedito e tornou-se o criador da Capoeira Angola da Bahia.

A lista de finalistas foi divulgada ontem à noite (20) e inclui nomes consagrados como Ziraldo, criador de “O menino maluquinho”, o contista Ignácio de Loyola Brandão e o poeta e cronista Fabrício Carpinejar. Em 2010, uma obra publicada pela Solisluna Editora ficou em terceiro lugar na categoria projeto gráfico do Prêmio Jabuti, com o livro “Rico Lins: uma gráfica de fronteira”, de Rico Lins.

 

O vencedor do 54º Prêmio Jabuti deve ser divulgado no dia 18 de outubro e a lista completa dos finalistas pode ser conferida no site da premiação: http://www.premiojabuti.com.br/resultado-fase1-2012

 

Pastinha foi lançado em fevereiro deste ano em Salvador e nos últimos meses foi apresentado na III Feira do Livro Infantil de Fortaleza e na V Feira Literária de Porto Seguro. A obra é o 11º título do catálogo infantojuvenil da Solisluna Editora, que tem 27 livros publicados. História, cultura afro-brasileira, não ficção, arte visual e poesia estão entre os temas mais recorrentes no catálogo geral da editora.

 

A história narrada em “Pastinha – O menino que virou Mestre de capoeira” foi baseada em uma entrevista do capoeirista, datada de 1967. A partir desse material, o jornalista e escritor José de Jesus Barreto reconta essa trajetória, juntamente com os desenhos do artista gráfico Cau Gomez, que dão ao livro um toque de obra de arte.

 

http://www.jornaldamidia.com.br

ECAMAR: 10 anos de Capoeira Angola

Escola de Capoeira Angola Mato Rasteiro – ECAMAR completa 10 anos de fundada dia 21 de Abril de 2009

Ola meus Alunos, Amigos e Camaradas.

Venho através deste dividir com vocês este  momento especial, que estamos vivendo aos 10 anos da ECAMAR, que foi fundada através do Contramestre Roxinho, hoje Mestre Roxinho com o objectivo de resgatar e preservar e promover a Cultura Afro-brasileira através da pratica da Capoeira Angola.   Nesta caminhada nos encontramos vários obstáculos e vários incentivos para continuar mantendo nosso  propósito com esta pratica de Tradição e Resistência. Hoje a ECAMAR tem sua sede principal em Sidney Austrália, onde estou vivendo e núcleos em Santo André-SP, Lins-SP, Alice Springs-AU, Melbourne-AU e Cork-IR.

Para alcançar esses dez anos, nos tivemos um grande parceiro na pessoa de Mestre Virgílio, meu Mestre, e alguns alunos como Catita, André, Fabricio, Ricardo (Salvador-BA), Pascoal (Brasília-DF), Buiu, Daniela, Fabinho , Topo Gigio, Ricardinho, Luizinho, Daiane (Lins-SP) que iniciaram sua vida na Capoeira Angola dentro da ECAMAR e Herman (Lins-SP), Da Lua (Santo André-SP) que são pessoas que acreditaram no nosso trabalho e que vieron de outras escolas de Capoeira mais que se familiarizaram de uma forma natural dentro da ECAMAR e contribuiram para o nosso crescimento e desenvolvimento através desta pratica.

Estamos aqui em Sidney realizando um evento de três dias com oficinas de Capoeira Angola nos dias 1, 2 e 3 de Maio em nossa sede. Todos quem estiverem na região estão convidado em participar da nossa celebração.

Um grande abraço a todos
Mestre Roxinho

Escola de Capoeira Angola Mato Rasteiro – www.capoeira-angola.com.au
 

41 BELMORE STREET SURRY HILLS NSW 2010
SYDNEY AUSTRALIA
www.capoeira-angola.com.au
 

Bahia: Inclusão, Surdez e Capoeira

Professores graduados em  diversas especialidades, profissionais de teatro e de capoeira, instrutores, estudantes convidados especiais participam a partir das 13h de hoje, no auditório do Centro de Educação Especial da Bahia (Ceeba), ao lado do Jardim Zoológico, em Ondina,  do seminário Caminhos para a inclusão do surdo, durante o qual   farão uma ampla reflexão  sobre as condições socioeducacionais do surdo no Brasil, especialmente na Bahia.
A promoção, cercada de grande expectativa pelos profissionais da área, é do Centro de Capacitação de Profissionais da Educação e de Atendimento às Pessoas com Surdez Wilson Lins (Cas/Ba) que, com o apoio do Ceeba, da Associação Educacional Sons no Silêncio e da Associação de Intérpretes da Bahia, pretende enfocar o surdo em sua dimensão humana,  histórica, cultural e identitária, na construção da educação bilíngüe.
 
Os trabalhos serão abertos às 13h, com a execução do Hino Nacional, a que se seguirá a mensagem de boas-vindas da diretora do Cas Wilson Lins, a mestranda em educação Simone Andrade. Logo depois, às 13h30,  os profissionais da Associação Educacional Sons no Silêncio subirão ao palco para a encenação da peça teatral A história do ciclete.
 
Às 14h, a doutora em educação pela Ufba e coordenadora do projeto Eu Surdo, Nilda de Sá, fará uma conferência sobre Surdez e inclusão social do surdo. Às 15h, o professor Neemias Sant’Ana, graduado em letras libras e história, interpretará a palestra O papel do intérprete na inclusão escolar do surdo, seguindo-se um debate de meia hora sobre o tema.
 
Após um breve intervalo, os trabalhos serão retomados, às 16h15, com o espaço reservado a três mesas-redondas, a primeira das quais sobre o povo surdo e a educação , sob o tema A história narrada e a história negada, coordenada pelo pedagogo em educação especial e professor de libras Milton Bezerra Filho; a segunda, coordenada pelo graduado em letras e instrutor de libras Marcelo Silveira de Jesus, girará em torno do tema Referências culturais e identitárias. Fechando o ciclo das mesas-redondas, a estudante Michele Estrela, do 1º ano do ensino médio, falará sobre Relato de vida. Seguem-se os debates, até as 17h45, quando o grupo de capoeira Cas Wilson Lins se apresenta, encerrando os trabalhos.
 

O seminário foi organizado pelas profissionais Iraudice Madalena Nunes, Márcia Sílvia Carvalho, Maria Angelina Ladeia, Maria Sueli Pereira da Silva, Marta Maria Dantas Martins e Josélia Cristina Moura Pinheiro. A diretoria do Cas Wilson Lins é integrada por Simone Barbosa de Andrade,  que o dirige, assessorada por quatro vice-diretoras: Alzira Guanabara Rodriguez, Iraneide de Freitas Gonçalves e Maria Angelina Ladeia.

Fonte: Correio da Bahia – http://www.correiodabahia.com.br

Primeiro CD da ECAMAR

Mestre Roxinho da ECAMAR lança CD com participação especial de Mestre Jaime de Mar Grande
 
Mestre Roxinho (Ediesel Miranda), responsável pela "Escolas de Capoeira Angola Mato Rasteiro" – (ECAMAR), realizou em Rio Claro, interior paulista, entre os dias 10 e 12 de Junho de 2005, a Festa das Culturas Afro. Com um dos resultados daquele evento, foi gravado, ao vivo, o Volume 1 do CD da ECAMAR, cujo tema principal é a Capoeira Angola – Cultura e Resistência – África Brasil.
 
        Na Capoeira angola é comum se perguntar: "qual linhagem você pertence!?". Nem todos os praticantes de Capoeira Angola nos dias atuais se preocupam muito com isto, pois algumas linhagens são arranjadas. Outras se consideram superiores (mercado & marketing!). Algumas não são reconhecidas, mas os trabalhos seguem sendo feitos com elevada qualidade, respeito às tradições, aos fundamentos, à angola e à africanidade. Mestre Roxinho, por exemplo, vem de uma linhagem até certo tempo pouco comentada no mitiê capoeirístico angoleiro moderno. Vem da família de Mestre Espinho Remoso, linhagem esta preservada por seu filho Mestre Virgílio.
 
        Fundada a seis anos, a ECAMAR desenvolve um trabalho que conquista o respeito e admiração dos Capoeiras paulistas. Salvo engano, Mestre Roxinho "adentrou" para São Paulo via o município de Lins (noroeste do Estado), e logo depois passou a ensinar e estender seu grupo por outras cidades. Vejamos: atualmente mestre Roxinho concentra seus ensinamentos na cidade de Rio Claro (na UNESP), com aulas de segunda a quinta-feira, onde conta com seus discípulos para fortalecer o trabalho: Rafael Fragoso – o Mandinga; Bruno Formágio – o Dracena; Josifer Matheus – o Buiu (que já o segue por quatro anos, desde Lins); Camila – a Olheira; Daniel; André Magaldi e Rafael (Confusão). Em Lins, quem segura o gunga por lá é o Trenel Herman (Gustavo Leal);  Anselmo Ribeiro (Ratinho) está em Araçatuba-SP, Gabriel (Fumo) em Salvador-BA e Ari Soares (Treinel Bocca), na Catalunha-Espanha.
 
        Pelo que percebo Mestre Roxinho, a todo momento, está sendo requisitado para ministrar oficinas e workshops. Dia 19 de Junho esteve em Brasília, no ENCA (Mestre Gilvan!); dia 24 foi ao evento de Mestre Alex Carcará (DF); dias 27 a 29 de Junho vai para Belo Horizonte; Dias 30 de Junho à 02 de Julho é a vez de Timótio (MG); Entre 7 e 10 de Julho estará em Campinas; de 12 a 16 de Julho faz aporta em Salvador; chega em Belém (PA) dia 21 de Julho, onde fica até o dia 26.
        Só então terá merecido descanso com a Família, em Salvador, BA. Haja energia. É, somente um Berimbau Gunga bem tocado pra recarregar-se as baterias, acompanhando de um bom Jogo de Angola, é claro.
 
        Falando um pouco mais do CD, ele foi gravado ao vivo na cidade de Rio Claro, em parceria do o Prof. Dr. Luiz Normanha, e com a participação especial de Mestre Jaime de Mar Grande. Interessados em mais informações, ou mesmo adquirir este primeiro registro oficial da ECAMAR (Capoeira Angola de Itaparica!), podem entrar em contato com Mestre Roxinho pelo e-mail roxinhoangola@yahoo.com.br, ou então pelos seguintes telefones: (19) 9127-1696 ou (71) 3303-7426.


 
            Capoeiristicamente,
                Miltinho Astronauta (Jun-05)
                www.capoeira.jex.com.br

VERSO DA CAPA DO “CADERNO-ALBO” DE MESTRE PASTINHA

No verso da capa do "Caderno-Albo" do Mestre Pastinha encontramos:

  • O registro da data em que o mesmo foi entregue ao Sr. Wilson Lins para que este escrevesse um texto a ser  ilustrado pelo "Caribé" sobre a capoeira de angola;
  • No canto superior direito a rubrica do mesmo;
  • No centro o título da obra idealizada "Quando as pernas fazem miserê – Metafísica e pratica da Capoeira" na grafia do mesmo W. Lins.