Blog

los

Vendo Artigos etiquetados em: los

Lázaro Faria filma “A roda do mundo” em Macau e Hong Kong

Macau, China, 04 out (Lusa) – Macau e Hong Kong vão integrar um documentário sobre capoeira de Lázaro Faria, em rodagem nos vários continentes desde 2005 e com conclusão prevista em meados do próximo ano.

O projeto tem o título provisório de “A roda do mundo”.

“É um documentário sobre o encontro da cultura brasileira com o mundo, que é a continuação de um filme que já estou a fazer há algum tempo”, afirmou Lázaro Faria, ao explicar que o projeto esteve na origem de “Mandinga em Manhattan”, rodado em 2005 nos Estados Unidos.

O interesse sobre a forma como “a capoeira se espalhou no mundo”, e através desta a cultura brasileira, incluindo “a música, a culinária, e principalmente a língua portuguesa”, levou o cineasta brasileiro a filmar no Brasil (na Baía, onde reside, no Rio de Janeiro e em São Paulo), na Colômbia, nos Estados Unidos e em Itália.

Macau e Hong Kong surgiram no roteiro de “A roda do mundo” na sequência da participação de Lázaro Faria no DocBrazil Festival 2012 na China, que passou por Pequim e Xangai, e terminou em Macau no final de setembro.

“Estou a filmar alguns ‘capoeristas’ em Macau e Hong Kong, e pessoas a ensinar português a chineses. Estou a questionar porque é que as pessoas querem aprender português e outras expressões da cultura brasileira, como o samba, a culinária”, afirmou.

Lázaro Faria tem registado “um interesse muito grande” na capoeira nos vários pontos onde tem filmado e considerou que a China não é exceção.

“Foi muito interessante ver as famílias, os pais e as mães a levar os filhos para a aula de capoeira, e vê-los interagindo com a língua portuguesa, a cantar músicas de capoeira e outras músicas também”, disse, a propósito da rodagem em Hong Kong.

Lázaro Faria, que permanece até ao próximo fim de semana em Macau, onde está também a realizar uma oficina de cinema, promete nova incursão no continente asiático em fevereiro do próximo ano.

“Depois de Macau e Hong Kong vou à Malásia, Filipinas e provavelmente ao Japão. Já filmei bastante, na Europa, nos Estados Unidos, em Los Angeles, em Nova Iorque, e acho que só falta a Ásia realmente”, adiantou.

O realizador espera ter o documentário “A roda do mundo” concluído até meados do próximo ano, e voltar a Macau para o lançamento do filme.

 

RODA DO MUNDO

 

O que consiste o Projeto.

Produzir um filme de longa metragem, viajando ao redor do mundo viajando aos lugares onde a capoeira chegou, decifrando este mistério e contando como foi, e como esta sendo hoje este encontro, que encanta  pessoas de todos os niveis culturais, que cura jovens na periferia,  que atrai as belas mulheres, que tem um espírito onde todas as culturas se encontram, e que fala todas as línguas, mas que também  divulga a língua portuguesa, como diz Caetano Veloso, minha língua é minha Pátria.

Mostrar também a mescla e o encontro com as culturas locais, o que aconteçer de interessante nas viagens de avião, trem , vans, onibus tudo que um filme como este permite, usando as experiências de Mandinga em Manhatan e outro recente que fizemos em toda a Colômbia,

Que Paises Iremos.

A ideia seria que o filme começaria com tres historias paralelas, entre os tres personagens, de tres gerações de capoeiristas, mestre João Grande,  Mestre Cobrinha, e Eric Marinho capoerista praticante da capoeira comtemporanea, falando mais para os jovens.  Los Angeles, New York, e Bahia.Da Bahia os eles viajaram para o Rio de Janeiro, Rio Luanda, Maputo e  a capital da África do sul, depois Portugal, França, Inglaterra,  Alemanha, Moscou, Croácia, Paquistão,  Xangai, Hong Kong, Japao, Nova Zelândia, Austrália, Havai, Los Angeles, New York, Porto Rico, México, Cuba,  Nicarágua, Colômbia, Argentina , São Paulo e Bahia, quando se chegar a Bahia,  um evento no Mercado Modelo, que acontecera de verdade e estara dentro do filme, a ideia e termos vários monitores grandes de plasma, ligados a internet via IP ( tecnologia de trasmissão de imagens via internet), a que utilizamos quando usamos um sistema como skype com camera) conectando todos os locais do mundo onde estivemos, quando  Mestre João Grande pega o berimbau faz um discurso sobre a paz no planeta flexibilidade e tolerância entre os povos citando o exemplo da capoeira, o berimbau soa alto e começa uma roda em cada lugar simultanemente, fornado-se a RODA DO MUNDO um cinturão de AXE em todo o Planeta.

Portanto a ideia e fazer um filme de longa metragem uma serie de talves 10 ou mais capítulos para Televisão, um evento no Mercado Modelo, um livro de viagens e fotografias, um dvd com extras e tudo  que tem direito.

Mestre Boneco quer retomar espaço perdido para o MMA

Mestre Boneco, que deu aulas para Halle Berry e vive em Los Angeles, busca a unificação de critérios para ‘vender’ a modalidade.

A capoeira já viveu seus tempos de moda no Brasil, mas com o crescimento de outras modalidades mais eficientes em um ringue de luta, como o jiu-jitsu e o boxe tailandês, a luta que se mistura com dança no ritmo marcado pelo berimbau ficou fora do “mainstream” da pancadaria. O surgimento do MMA (Mixed Martial Arts ou Artes Marciais Misturadas), esporte onde dificilmente a ginga e a plasticidade da capoeira têm vez, também vem de encontro à falta de um formato claro de competição, que fez com que a capoeira viesse a perder espaço na mídia e no mundo da luta em geral.

Um dos maiores expoentes da modalidade, Beto Simas, ou Mestre Boneco, afirmou, em entrevista ao iG, que a capoeira ainda está em estágio amador e que, para se desenvolver, precisa unificar suas regras e torneios. De Los Angeles, na Califórnia, onde vive desde 1999 e dirige o grupo Capoeira Brasil, ele, aos 49 anos, ainda vê a capoeira com força e grande quantidade de adeptos. Porém, não sabe precisar o número nem mesmo dos alunos do seu grupo, o Capoeira Brasil. A falta de um censo preciso é um dos problemas que Mestre Boneco tenta resolver. Segundo ele, não há dados ou estudos que possibilitem a “venda” de eventos da capoeira. Nos Estados Unidos, já trabalhou com artistas renomados como Hale Berry, que treinou para o filme “Mulher-gato”, e Brooke Shields. Entre os artistas brasileiros, rasga elogios à “casca-grossa” Elba Ramalho e lembra que o mais difícil de trabalhar foi o “frágil” Milton Nascimento.

 

Confira a entrevista de Mestre Boneco ao iG:

iG: No Brasil, a capoeira chegou a virar moda, mas parece ter perdido espaço para outro tipos de luta. Você acha que o crescimento do MMA brecou a evolução da capoeira?
Mestre Boneco: A capoeira teve uma época que estava muito na mídia, até porque eu consegui entrar na mídia trazendo a capoeira. Mas aí veio o MMA e o povo gosta de ver sangue. Começa a gerar dinheiro e vira um grande atrativo. Para mim a capoeira é uma arte ímpar, uma das que tem mais adeptos no país, apesar dos modismos, e não tem apoio ou uma promessa de você ficar milionário, como o futebol, o MMA. Então acho que é uma arte muito forte.

iG: É difícil ver um lutador de capoeira, por exemplo, disputando competições como os torneios de MMA. Isso interessa a vocês?
Mestre Boneco: Na verdade, a proposta nunca foi entrar nesse tipo de torneio, porque é mais do que uma luta. Mas pode muito bem um capoeirista estar voltado só para a luta. O Anderson Silva fez capoeira, acho que prepara muito bem. O MMA não é uma luta só, o cara é um lutador profissional, tem de saber várias lutas. Existe competição de capoeira, mas ainda é muito amador. Há competição de dupla, de contato, mas temos de bolar algo melhor. Tem de bolar um formato de competição de forma que não percamos a característica da capoeira. Senão vira caratê ou briga, e não é isso, o contato tem de ser voltado para a capoeira, é complicado. Quando o jogo fica duro na capoeira, o bicho pega. Existem campeonatos, mas temos muito a aperfeiçoar ainda. Só no Rio existem várias Federações, e por isso estamos criando uma comissão de mestres para que possamos dar validade a um Programa Estadual de Capoeira no Rio, estamos tentando fazer com que o nosso governador aprove.

iG: Você já tem algo pronto em relação a essa proposta de regras?

Mestre Boneco: Em relação a regras, tenho até muita coisa escrita, inclusive já realizei alguns campeonatos internos no Brasil e em Los Angeles. Mas, para fazer campeonatos abertos a outros grupos, acho que seria interessante que fizéssemos regras com a presença dos grupos com efetiva representatividade no mundo da capoeira.

iG: Como você ingressou na capoeira?
Mestre Boneco: Acho que foi destino. Estava na praia do Leblon num fim de semana, e vi um pessoal gesticulando, falando alto. Aí eu conhecia dois deles e algo me levou a ir falar. E me disseram que era capoeira, que haveria um evento e, se eu quisesse ir, era só pedir autorização aos meus pais que eles me levariam. Eram mais velhos do que eu, conhecia dois da rua. Aí fui e me apaixonei, nunca mais parei. Foi em 1974, 75, estou com 49 anos hoje. Eu queria viver disso, não sabia como faria, mas queria viver disso.

iG: Quantos alunos tem o grupo?
Mestre Boneco: São 70 instrutores espalhados pelo mundo, mas não sei dizer exatamente quantos alunos. Estamos fazendo esse censo agora, trabalhando em um recadastramento. Sei que é muita gente. São três fundadores do meu grupo, o Capoeira Brasil, o Mestre Paulão, Mestre Sabiá e eu. Cada um tem um núcleo muito grande, aqui nos Estados Unidos, na Austrália, na China, na Europa, estamos espalhados no mundo todo. Se eu disser um número, estou chutando.

iG: Quando você foi para Los Angeles?
Mestre Boneco: Mudei em 1999, foi uma loucura, queria colocar a capoeira no cinema, fiquei empolgado e vim. Já trabalhava com capoeira há muitos anos, estava um pouco cansado de dar aulas. Já fiz televisão na década de 90, aí fiquei animado. Queria estudar aqui, não era nem para dar aula, mas acabei abrindo uma academia, não teve jeito.

iG: Você criou um grupo de dublês para cinema, correto?
Mestre Boneco: Tenho uma rapaziada aqui que faz muito videoclipe, faz filme, preparei a Halle Berry para fazer a mulher-gato, o Robert Rey (Dr. Hollywood) também foi meu aluno… Teve a Alanis Morissette que me procurou. Dei aulas, mas não foi na academia, foi na casa dela. Mas esse pessoal é muito ocupado, viaja muito, acaba que o treino não tem aquela consistência.

iG: E desses artistas, quem foi o mais chato e o mais dedicado?
Mestre Boneco: O mais difícil de trabalhar acho que foi o Milton Nascimento. Ele é muito frágil e a aula tinha de ser com muito cuidado, o trabalho foi muito delicado. A Halle Berry foi bem dedicada, mas quem é casca-grossa mesmo é a Elba Ramalho. Ela é boa, tinhosa, não é mole não. Trabalhei também com a Brooke Shields quando fiz uma participação em um filme na década de 80.

iG: Falando como empresário, como você enxerga o mercado para a capoeira?
Mestre Boneco: Na verdade, o mercado é muito grande e muito próspero, estamos trabalhando justamente para melhorar esse campo. Uma coisa que já complica é que cada grupo tem uma graduação independente. E isso dificulta na hora de buscar patrocínio. Estou buscando uma unificação. Tenho um projeto de reestruturação do meu grupo que estou abrindo para todos os outros. Quando você busca um patrocínio, o cara quer dados e não há. O cara quer um censo, quer saber como são as graduações, ainda soa como algo meio amador. Há grupos profissionais, eu sempre vivi da capoeira e não vivo mal.

iG: Você considera a capoeira uma luta de fato ou uma dança? O que é a capoeira, na sua visão?
Mestre Boneco: Essa é a grande dificuldade para a capoeira crescer, porque ela é tudo isso junto. É dança, é luta, é brincadeira, é arte, é cultura, é acrobacia, é música, ritmo, tudo isso. Então temos de definir, estava debatendo isso no Rio. Temos de apresentar um projeto ao governador. A gente quer que ele homologue uma comissão que estamos formando para poder decidir quem pode dar aula ou não e outras coisas, como essa definição do que é a capoeira, porque isso interfere em todo o resto. Uma luta é só luta, cultura é só cultura, aí vão por esse viés, mas a capoeira é tudo isso.

iG: Dá para perceber maior dificuldade dos americanos para aprender a ginga ou é a mesma coisa?
Mestre Boneco: Essa história é papo. Tenho uma aluna aqui em Los Angeles que passa fácil por brasileira. E o mais legal aqui é que Los Angeles é uma cidade muito segregada. Tem área do negro, do latino, do asiático, mas a capoeira é uma mistura. A gente até saiu em uma matéria no L.A. Times por causa disso. Fizemos um documentário, que consegui vender para a televisão no ano passado, mostrando a capoeira no mundo tudo. Então fomos em várias cidades. Em Israel, foi muito legal, colocamos judeus e palestinos, que se matam, jogando capoeira, batendo palmas, se abraçando na maior harmonia. A capoeira é um instrumento de transformação.

iG: Como funciona essa questão dos apelidos? Qual é o critério para a escolha e porque resolveram chamar você de Mestre Boneco?
Mestre Boneco: O meu foi porque eu era da zona sul, no meio daquela negrada toda, a capoeira ainda era discriminada e tinha poucas pessoas claras, de cabelo escorrido… Aí quando cheguei, falaram logo: “Ah isso aí é boneco! O que está fazendo aqui?”. Mas a dificuldade faz a gente crescer. Os apelidos são da época que a capoeira era proibida, então os capoeiristas tinham apelidos para manter o anonimato. Por mais que a capoeira evolua, queremos manter a tradição.

 

http://esporte.ig.com.br

FICA: I CONVENÇÃO INTERNACIONAL DE CAPOEIRA

PRIMEIRA CONVENÇÃO INTERNACIONAL DE CAPOEIRA – FIRST INTERNATIONAL CONVENTION OF CAPOEIRA

Os países signatários deste documento elegem a Federação Internacional de Capoeira como único organismo mundial de administração, regulamentação e direção desportiva, e requerem o seu reconhecimento pelo Comitê Olímpico Internacional, convencionando-se internacionalmente também o que se segue:

The signatory countries elect this International Federation of Capoeira as the only worldwide entity of administration, regulation and sports management, and demand its recognition by the International Olympic Committee, stating in an international basis, the following:

Bu sənədi imzalayan tərəflər Beynəlxalq Kapoeyra Federasiyasını admnistrasiya və idmanın idarə edilməsi məsələlərində yeganə qlobal orqan seçir və Beynəlxalq Olimpiya Komitəsi tərəfindən tanımasını tələb edirlər və aşağıdakılar üzrə beynəlxalq səviyyədə razılığa gəlirlər:

Los firmantes de este documento, elegirán a la Federación Internacional de Capoeira como un solo organismo mundial de gestión, regulación y gestión deportiva, y requieren su reconocimiento por el Comité Olímpico Internacional,acordando internacionalmente también lo que sigue:

Стороны, подписавшие этот документ, избирают Международную Федерацию Капоэйра как единого глобального органа по вопросам администрации, регулирование и управления спортом и требуют его признания со стороны Международного Олимпийского Комитета, они также соглашаются на международном уровне по нижеперечисленным пунктам:

1- A sobrevivência da Capoeira no mundo globalizado depende de ações integradas entre todos os grupos e segmentos praticantes desta forma de esporte tradicional, visando sua unificação e fortalecimento.

The Capoeira survival in a globalised world depends on integrated actions between all groups and the ones who practice this form of traditional sport, aiming at its unification and strengthening.

Kapoeyranın qloballaşan dünyada mövcudluğu ənənəvi idman növünün birlik və möhkəmlənməyə istiqamətlənən bu formasının bütün praktik təbəqələri və qrupları arasındakı kompleks fəaliyyətindən asılıdır.

La supervivencia de capoeira en el mundo globalizado depende de las acciones integradas entre todos los grupos y segmentos profesionales de este tipo de deportes tradicionales, su unificación y fortalecimiento.

Выживание капоэйры в объединенном мире, зависит от комплексных действий между всеми группами и теми, кто практикует форму традиционного спорта, стремясь к его объединению и укреплению.

2- O ensino da Capoeira ocorrerá sempre no idioma local do país, porém suas canções e a nomenclatura de seus movimentos somente serão lecionadas na língua portuguesa. Será ensinada na totalidade de seus aspectos: lúdicos, esportivos, culturais, educacionais, artísticos, folclóricos e marciais, preservando-se seus fundamentos e originalidade a partir de suas raízes no Brasil. E sua difusão mundial será promovida como uma cultura de paz entre os povos.

The teaching of Capoeira will always happen in the local language of the country, but its songs and its movement nomenclature will only by taught in Portuguese language. It will be covered all these aspects: entertainment, sports, cultural, educational, artistic, folkloric and martial, preserving its fundamentals and origin considering its roots in Brazil. And its spread through the world will be promoted as a culture of peace among  peoples.

Kapoeyra həmişə ölkənin yerli dilində tədris ediləcəkdir, lakin onun mahnıları və hərəkətlərinin nomenklaturaları Portuqal dilində olacaqdır. Kapoeyra Braziliyadakı əsl kökünün əsasını və orijinallığını qoruyaraq oyun, idman, mədəniyyət, təhsil, incəsənət, folklor və döyüş kimi bir çox aspektlərdə tədris ediləcək və onun bütün dünyada yayılması xalqlar arasında sülh mədəniyyəti kimi təbliğ ediləcəkdir.

La enseñanza de la Capoeira será siempre en el idioma local del país, pero sus canciones y la nomenclatura de sus movimientos sólo se realizará en lengua portuguesa. Se impartirá en todos sus aspectos: entretenimiento, deportivos, culturales, educativos, de arte marcial, de folclore preservando sus fundamentos y originalidad a partir de sus raizes de origen en Brasil. Y su difusión en todo el mundo se promoverá como una cultura de paz entre los pueblos.

Процесс обучение капоейры будет всегда на местном языке страны, однако его песни и номенклатура  движений будет преподаваться только на португальском. Капоейра будет преподаваться во всех его аспектах: игривой, спортивной, культурной, образовательный, артистический, народный и боевой, сохраняя в себе оригинальность и основы, от ее корней в Бразилии и его мировое распространение будет продвинут как культура мира между народами.

3- Adota-se mundialmente o Código Desportivo Internacional de Capoeira para a realização de competições e a padronização dos critérios de formação de docentes, técnicos desportivos e árbitros de Capoeira, assim como de uniforme e graduações.

The International Sports Code of Capoeira will be taken up worldwide for competitions and standard of criteria for teacher training, sports technician and Capoeira referees, as well as uniform and grades.

Kapoeyra üzrə  müəllimlər, mütəxəssislər, idman hakimlərinin hazırlanması, dərəcə və idman formaları üçün kriteriyalarının standartlaşdırılması, habelə yarışların keçirilməsi  məqsədilə Kapoeyranın Beynəlxalq İdman Kodeksi qəbul olunur.

Se adopta mundialmente en el Código Deportivo Internacional de Capoeira para la realización de concursos y normalización de los criterios para la formación de profesores, técnicos y árbitros deportivos de la Capoeira, así como uniformes y la graduación ..

Принимается Международный Спортивный Кодекс капоейра для проведения соревнований и стандартизации критериев формирования тренеров, специалистов и спортивных судьей, а так же для униформ и степеней в  капоейра.

4- Devem ser organizados Centros de Formação Técnica, Cultural e Desportiva em diversos países, devidamente credenciados conforme os padrões do Código Desportivo Internacional de Capoeira.

It must be organized Centers for Technical, Cultural and Sports Training in several countries, dully accredited according to the standards of International Sports Code of Capoeira.

Müxtəlif ölkələrdə Beynəlxalq Kapoeyra Kodeksi standartlarına uyğun qaydada kapoeyranın Texniki, Mədəniyyət və İdman Tədris Mərkəzləri yaradılmalıdır.

Se deben organizar Centros de Formación Técnica, Cultural y Deportiva en varios países, debidamente acreditados por las normas del Código Deportivo Internacional de Capoeira .

В соответствии с Международным Спортивным Кодексом Капоейра должны быть организованы Центры Спортивного, Культурного, и Технического Обучения  в разных странах.

5- As canções de Capoeira expressam seu Código Filosófico. Seus significados devem ser ensinados a todos os praticantes. Serão entoadas em harmonia com suas aplicações rítmicas e movimentos corporais como requisitos específicos para cada situação de jogo. Canções discriminatórias às minorias étnicas, religiosas e de gênero não devem ser utilizadas.

Capoeira songs express its Philosophical Code. Their meanings must be taught to all its members. They will be sang in harmony with its rhythmic applications and body movements as specific requirements for each situation in the game. Songs discriminating small ethnic, religious and similar groups must not be used.

Kapoeyranın mahnıları öz fəlsəfi şifrəsini ifadə edir və bu da bütün praktikantlara tədris edilməlidir. Mahnılar hər bir vəziyyət üçün  oyunda vacib olan uyğulamalar və ritmik bədən hərəkətləri ilə harmoniyada oxunacaq. Ayrı-seçkilik mahnıalrı, etnik, dini və cinsi xarakterli mahnılar oxunmamalıdır.

Las canciones de Capoeira expresan su Código Filosófico. Su significado debe ser enseñado a todos los practicantes. Se cantan en armonía con sus aplicaciones rítmicas y movimientos corporales, tales como los requisitos específicos para cada situación del juego. Canciones discriminatorias a minorías étnicas, religiosas y de género no deben ser utilizadas.

Песни капоейра выражают его философский кодекс, значения которого нужно преподавать всем практикантам. Песни будут спеты в гармонии с ритмичными движениями тела, как определенные требования для каждой ситуации игры. Дискриминационные песни, песни этнического, религиозным и сексуального характера не должны быть спеты.

6- É condenada a extração de madeiras originárias de florestas nativas para a manufatura de berimbaus e é estimulado o cultivo de madeiras plantadas objetivando a proteção ao meio ambiente.

It is condemned the extraction of wood from native forests to manufacture berimbaus, but its plantation is encouraged aiming at protecting the environment.

Berimbauların istehsalı yerli meşə ağacları hesabına təmin edilməməli və ətraf-mühitin qorunması istiqamətində yenidən ağacların inkişafı rəğbətləndirilməlidir.

Es condenada la extracción de madera de los bosques nativos para la fabricación de berimbaus y se fomenta el cultivo de plantaciones de maderas destinadas a la protección del medio ambiente.

При изготовления беримбау не должны использоваться древесины из родного леса. Стимулируется рост родных лесов, направленный на защиту окружающей среды.

7- Devem ser oportunizadas as aproximações de empresários e de patrocinadores interessados no incentivo à Capoeira como esporte, educação e cultura.

We must look for opportunities to bring in sponsors and entrepreneurs interested in provide incentives to Capoeira as a sport, education and culture.

Sponsorların cəlb olunması üçün imkanlar axtarılmalı və kapoeyranın idman, elmi və mədəni inkişafına maraq göstərən sahibkar və iş adamlarılar sponsorluğa cəlb edilməlidirlər.

Se deben aprovechar oportunidades de acercamiento a los empresarios y los patrocinadores interesados en la Capoeira como un estímulo a los deportes, la educación y la cultura.

Надо искать возможности для привлечения спонсоров и предпринимателей, заинтересованных в развитии капоэйра как вид спорта, образования и культуры.

8- É incentivado o Fair Play e condenada toda e qualquer forma de violência inclusive o uso de doping esportivo.

«Fair Play» is encouraged and any form of violence including sports doping is condemned.

«Ədalətli Oyun» rəğbətləndirilir və idman dopinqi də daxil olmaqla zorakılığın istənilən forması şiddətlə ittiham edilir.

Es fomentado el juego limpio y condenadas todas las formas de violencia, incluido el uso de dopaje deportivo.

Поощряется «Честная Игра» и осуждается все формы насилия, включая использование спортивных допингов.

9- Considera-se a Capoeira como um patrimônio cultural da humanidade em função dos diversos povos da América, Europa, África e Ásia, que direta ou indiretamente participaram de seu processo de construção no Brasil.

Capoeira is considered one cultural heritage of humanity because of the different peoples from America, Europe, Africa and Asia, who in a direct or indirect form participated in its formation process in Brazil.

Kapoeyra insanlığın mədəni irsidir və Amerika, Avropa, Afrika, Asiya kimi dünyanın müxtəlif xalqları onun Brazilyada yaranmasında birbaşa və ya dolayı yolla iştirak etmişlər.

Se considera la capoeira como patrimonio cultural de la humanidad de acuerdo con los diferentes pueblos de América, Europa, África y Asia, que, directa o indirectamente participaron en su proceso de construcción en Brasil.

Капоэйра – культурное наследие человечества, народы мира, Америки, Европы, Африки и Азии прямо или косвенно участвовали в процессе его образования в Бразилии.

10- Fica estabelecido o dia 5 de julho como Dia Mundial da Capoeira, em comemoração à assinatura desta Primeira Convenção Internacional de Capoeira, cuja data deve servir de reflexão sobre seu processo de desenvolvimento e afirmação de sua identidade.

Fifth of July (July 5th) is established as Capoeira Worldwide Day, celebrating the signature of this First International Convention of Capoeira, and this date should lead to a reflection about its development process and the affirmation of its identity.

Beynəlxalq Kapoeyra Günü Beynəlxalq Konvensiyasının imazalanması ilə bağlı olaraq 5 iyul tarixinə təyin olunur.

Se establece el 5 de julio como Día Mundial de la Capoeira, en conmemoración de la firma de la Primera Convención Internacional de Capoeira,  fecha debe servir de reflexión sobre su proceso de desarrollo y afirmación de su identidad.

5 июля назначается как Международный День Капоейры, по случаю подписания первой Международной Конвенции по Капоэйра.

 

Baku, Azerbaijão, 4 e 5 de julho de 2009.

 

Valentim Rodolfo Mussarelli

Sistema Brasileiro de Capoeira Desportiva

Taleh Orujov

Azerbaijan Capoeira Federation

E. Javier Rubiera Cuervo

Agrupación Española de Capoeira

Simone Scardua

Federazione Svizzera di Capoeira

Roman Belov

Russian Kapoeira Federation

Vicente da Silva

Canadian Capoeira Federation

Rogério Vieira

Federazione Italiana Capoeira

Etibar Isayev

Georgia Capoeira Federation

Ali Reza Sepehrnia

Iran Capoeira Federation

Ronaldo Braz Brandão

USA Capoeira Federation

Vicente de Paula Mendes

Deutsch Verband Capoeira

Nelson de Andrade Barros

Associação Portuguesa de Capoeira

Kobalchynskiy Vitaliy

Ukraine Capoeira Federation

Ramid Niftaliyev

Estonia Capoeira Federation

Dennis Eckart

Representante Nacional da Jamaica

Vladimir Vieira Farias

Representante Nacional da Argentina

Eun-Sup Kim

Representante Nacional da Coréia do Sul

Silvio Romero da Silva

Representante Nacional de Singapura

Paulo Ricardo Bernardo Marques

Representante Nacional da Polônia

Eduardo Silva Storti

Representante Nacional da França

 

 

 

Prof. Sergio Luiz de Souza Vieira – Pós-Ph.D.

Presidente

ESPANHA: Capoeira, Dança, Futebol e F1

OVIEDO, ESPANHA – Campeão mundial de Fórmula 1 em 2005, o espanhol Fernando Alonso foi a grande atração da oitava edição do “Dia da Solidariedade”, evento realizado na manã deste sábado, em Oviedo, para arrecadar recursos em benefício de crianças carentes da região. A partida de futebol de salão entre esportistas locais, incluindo jogadores do Oviedo e Sporting de Gijón, foi o momento mais esperado do dia. O piloto da Renault participou do evento em 2004 e este ano repetiu o feito de distribuir brinquedos para as centenas de crianças que compareceram ao Palacio de los Deportes, todas atrás também de um contato mais próximo com o ídolo. Mas a festa não se resumiu ao jogo entre os famosos, com os colégios de Oviedo realizando apresentações. O evenco começou com uma demonstração de capoeira e houve ainda apresentação de dança do Colegio Ventanielles, partidas de futebol entre alunos de escolas municipais, competição de ginástica realizado pelo Gimnasio Oviedo Sport, show de artes marciais e diversos eventos com as crianças de Oviedo.

Em busca da Ludicidade Perdida

 Após o pesadelo transatlântica, os que sobreviveram aos porões fétidos da civilização européia, no sentido literal, seguiram-se gritos solitários que se ouviu nas senzalas e nos terreiros banhados com o sangue inocente dos mártires, inconformados com uma vida pior que a dos animais…

Essa pode ter sido a gênese cruel. Mas a ressurreição de toda a humanidade acontecia, junto com os sinais da iluminação dos tempos: eclodiram revoluções no mundo dito civilizado, em nome da liberdade, da igualdade e da fraternidade…

Que era essa liberdade? Haveria lugar para essa metáfora burguesa em busca do seu lugar ao sol, enquanto uma raça inteira jazia sob os ferros da escravidão?

Que igualdade? Onde caberia esse discurso, se a massa dos excluídos se avolumava junto com as comunidades negras soterradas pela substituição da máquina-homem pela máquina-vapor?

Que fraternidade? Se as uniões que se forjaram se destinou, como na Guerra do Paraguay, a interromper um crescimento infiel de uma ex-colônia, numa covardia que usava o julgo capitalista inglês, por um lado e, por outro, milícias de capoeiras negros condenados com a promessa de um prêmio que nunca foi pago, ao lado de um mérito nunca resgatado na História?

Então, se somados todos os processos históricos das revoluções da era moderna, para os negros o resultado era sempre zero, o que fazer? Por onde assegurar que seriam preservadas as esferas de realização reprodutiva de sua cultura, de seus valores, de sua fé, de sua felicidade, enfim?

Era preciso uma revolução estratégica… Onde obter armas para fazer frente a tal caos? Tanques de guerra? Fuzis? Mosquetões? Talvez a conquista de uma legislação protetora, como a que existe hoje em dia para preservação dos animais?

Nada disso!

A Revolução teria que ser feita numa esfera inacessível aos não iniciados!

Ela teria que ser escrita no idioma oral das raízes afros.

Teria que poder ser praticada de forma velada e ao mesmo tempo por todos. Como isso seria possível?!

 

A REVOLUÇÃO SILENCIOSA(?) DO CORPO

 

Era isso. Os códigos teriam que ser passados através do único veículo de que dispunham os negros: o seu corpo! É lógico, o corpo possui todos os instrumentos necessários aos processos de informação cultural e revolucionária…

Mas, se fosse colocado em confronto em campo aberto, poderia o corpo ter alguma chance de resistir às pressões alienantes do dominador? Não. Era necessário que o processo deveria contar com um aliado estratégico, o elemento dissimulador… Onde buscá-lo?

Não era necessário, pois ele fazia parte do acervo natural da cultura afro, era encontrado em grande quantidade nos movimentos básicos do seu dia-a-dia; podia também ser localizado nas esferas simbólicas discretas de seus valores, produzidos a partir de uma consciência estética livre e na profundidade criativa da mãe-África, inscrita como o mais antigo legado da humanidade. Sim, era possível.

Era possível superar a dor do ferros cravados na carne mulata; possível também romper com o cerco legitimado dos senhores-donos-de-escravos, imperialistas ou republicanos, que empurrava para os porões dos valores, a cultura, a arte, a religião e a imaginação afro, a submissão aparente ao julgo dos valores ocidentais era parte da estratégia.

Ela era galgada na ironia, na aparente aceitação da realidade imutável dos fatos, e na manifesta demonstração da inocência primeva de quem não teria mesmo porque se sentir ou reagir de forma diferente: a manha, a sanha, os rituais religiosos – estes não liberados senão mediante um sincretismo negociado com a ordem dos valores vigentes, as heranças guardadas da Dança da Zebra; a Cujuinha, dança guerreira; a Uianga, dança dos caçadores; a Cuissamba, dança de julgamento e castigo; e outras bases culturais, como a dança do Batuque, os ritmos corporais dos rituais umbandísticos.

Aí estavam as fontes, as quais, misturadas aos recursos férteis da imaginação criativa e a frágil percepção da resistência por parte do dominador – subestimar o adversário representa cinqüenta por cento de derrota, segundo o critério da tradição oriental – juntando tudo isso na alquimia daquele momento em que o tédio branco era tão carente de dinâmica, estava pronto o contexto da gênese transcendental do elemento de resistência, composto da imaginação loquaz e renitente, da festa, do folguedo a qualquer tempo e da capacidade de surpreender os desavisados e os espíritos desarmados dos dominadores, pois de muito gorda a porca já não anda, de muito usada a faca já não corta!.

Construídos os fundamentos da resistência, era importante praticá-los, explorá-los, aperfeiçoá-los, expandi-los!

A jornada da resistência era longa e não adiantava a pressa…

A pressa era dos dominadores, através de conclusões precipitadas dos movimentos, dos jogos e dos folguedos…

A melhor forma era a ironia, aperfeiçoada em insolência, indiferença à força bruta, uma brincadeira desautorizada na frente do opressor.

 

BOM HUMOR: A REVOLUÇÃO DA FELICIDADE

 

Essa a História-síntese da arma maior da revolução negra: a capacidade de superar o horror e a tragédia a partir da manutenção de um estado de resistência lúdica, que transformava cada momento de lazer no resgate do direito à felicidade, com o corpo-arma escrever os sinais da superação da opressão e avançar na História, preservando, junto com a força cultural e do espírito guerreiro, a capacidade entusiástica do estado de espírito festivo, construtivo, combativo e fiel à luta pela alegria e pela dignidade a um só tempo, como se isso fosse parte de um todo indivisível!

Poderíamos nos alongar indefinidamente nas possibilidades desse insight, através do qual pretendemos remontar uma visão Histórica da construção da ludicidade dentro da revolução negra afro-brasileira, ao tempo que inscrita tal sanha nos signos gestuais e nos símbolos revolucionários das reconstruções de identidade étnica transportadas pela miscigenação cultural brasileira, hoje praticamente controlada pelos donos do mercado, o qual vende a alegria em cenas sensuais extraídas das páginas mal contadas da memória corporal dos africanos, legados sem restrição ao acervo dos ritmos e ritos afro-brasileiros.

Os efeitos dessa terapia vai muito além dos limites sensoriais, hoje encenadas nas citadas explorações erotizantes, perdido o elo revolucionário de sua gênese, subutilizado o seu potencial no maciço mercado sensual e abandonada a sua aplicação no talvez mais importante terreno fértil de sua potencialidade: a libertação das angústias, dos medos, dos traumas, dos centros somáticos de resistência corporal (vide Freire, R. in), além da ruptura com os processos competitivos, dissimilados em jogos simbólicos e solidários. A Arma é o Corpo

Portanto, é necessário resgatá-lo, tal espírito, tão forte sua importância no jogo da capoeira. Tão grande sua influência nos resultados de cada etapa do aprendizado, em cada possibilidade de superação das barreiras competitivas. Tornar o jogo um instrumento de subversão do resultado e da competição, tudo isso é parte da ludicidade, hoje banida das práticas, pois quem ensina parece não conhecer a ausência da regra que a torna possível. Nossas regras parecem ser, ao contrário, avanços na direção oposta da liberação que a liberdade permite.

A alquimia da música e do ritmo, por outro lado, parece ter se perdido, após uma atualização modernizante de uma melodia de alto impacto, que inviabiliza um resultado harmônico corporal, mesmo no solo, quanto menos, num diálogo entre dois corpos equipados com o arquivo-arma traduzido para o nosso idioma remixado da cultura latino-americana/afro-brasileira.

O desafio maior da capoeira na escola é desvendar esse mistério e recuperar o lúdico nos escombros soterrados de nossa Étno-História não contada, após o que, talvez possa reescrever a felicidade e a solidariedade, como uma revolução urbana de paz e de consciência crítica e libertária!
 

http://bahia.port5.com/terreiro/

DANIEL JUNOWICZ

Hola. 
Mi nombre es Daniel Junowicz y soy un estudiante de capoeira de angola en argentina.
 Queria felicitarlos por su página web. 
Me parecia la mejor pagina en internet a la que tube la suerte te acceder.
 Lo mas importante es que esta hecha con mucho respeto e informacion. 
Esta información que aqui encontre me sirve seguir formandome como angolero y para difundir la capoeira en argentina. 
Los libros a los que uno puede acceder en su pagina son muy ineteresantes, y creo que sobre todo reflejan los intereses y objetivos de los grandes mestres introductores de la capoeira. Intereses que no pasan por discutir si la capoeira regional es mejor a la capoeria de angola. 
Lamentablemente no me pude bajar en libro "Falando en capoeira".
 Me gustaria mucho si me pueden indicar otra forma de obtener este texto. 
Volviendo a lo que me motivo a ecribirles este mail, lo que me gusta de su pagina es que hay un real interés en difundir la capoeira, mas alla de hacer propaganda a una escuela determinada. 
Gran parte de las pagina de internet sobre capoeira estan dedicadas a la comercializacion de la capoeira. A venderla como un producto. Tengo que aclarar que no me parece que esto sea malo, siempre y cuando no se pierdan el verdadero significado de la capoeira.
Quiero felicitarlos por que me parece que la informacion que poseen, y de la cual esta hecha la pagina web, es muy valiosa y por lo tanto, dificil de conseguir. 
Esta pagina me ayuda a seguir investigando sobre la capoeira, no como un deporte, sino como una filosofia.

Les deseo suerte,
atentamente,
Daniel Junowicz.

junowicz@arnet.com.ar

VÍRUS, TROJANS, HACKERS

VÍRUS, TROJANS, HACKERS – PREVINA-SE CONTRA INVASÕES E ATAQUES EXTERNOS

  • Cuidado: Muitas vezes o inimigo mora em casa ou na empresa
Existem muitas formas de invadir computadores e sistemas de empresas. Mas a proteção é relativamente simples, dependendo mais do usuário que de medidas policiais. Com um simples programa de firewall é possível prevenir qualquer invasão. Mas existem outras medidas que ajudam muito.
Read More

Dia de Faxina!

Dia de Faxina: Limpando o Computador
Sexta-feira é um bom dia para darmos uma boa faxina na nossa máquina. Afinal, um computador limpo é sinônimo de velocidade e funcionamento correto.
Não, não estou falando de sair limpando CPU, teclado e monitor (embora seja bom limpá-los de vez em quando), estou falando de limpeza interna, uma espécie de manutenção preventiva de nossa máquina.
O Windows traz embutido algumas ferramentas que permitem a qualquer usuário corrigir pequenos erros que o sistema pode apresentar. As duas principais são:
O Scandisk – que corrige erros nas trilhas do HD, transformando os arquivos danificados em extensão CHK, que posteriormente podem ser deletados da máquina. Deve ser passado mensalmente (ou menos, caso não se use muito o computador) e sempre que o computador for desligado de maneira irregular.
E o Defrag – que desfragmenta e reorganiza os arquivos do disco, juntando-os em áreas próximas (o computador se torna mais rápido, porque a cabeça de leitura do disco se desloca menos para achar as informações).Deve ser passado em espaço de dois em dois meses (ou mais, caso a máquina não seja muito utilizada)
Read More