Blog

queiroz

Vendo Artigos etiquetados em: queiroz

Final da SP Exposamba aponta melhores compositores do gênero

Vencedores levaram até R$ 35 mil para casa; foram mais de 350 mil votos. Grande final teve início às 21h35 desta quarta-feira (15) no HSBC Brasil.

A São Paulo Exposamba, maior mostra de samba do país, teve sua grande final na noite desta quarta-feira (15). Concorreram dez composições pelo júri técnico e dez por votação popular. As grandes vencedoras foram “Ingratidão danada” pelo júri técnico e, em votação realizada pela internet, a canção “Eu sou o samba”.

Além disso, Pedrito Queiroz de Oliveira foi premiado como compositor revelação, e Chamon como melhor intérprete. Tanto na eleição popular quanto na escolha do júri, o primeiro colocado receberá R$ 35 mil (cada um).

Os segundos colocados terão prêmio de R$ 25 mil (cada um). Os terceiros, R$ 20 mil, quartos, R$ 15 mil e quintos, R$ 10 mil. Melhor intérprete e compositor revelação ganharão R$ 7,5 mil cada um.

O corpo de jurados foi presidido pelo jornalista e historiador da música Sérgio Amaral, pai do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral Filho.

Votação do júri
“Ingratidão danada”, de Mario Lago Filho, Rio de Janeiro (RJ)
“Trinca de Noel”, de Marcos Lima, Rio de Janeiro (RJ)
“Motim”, de Ariovaldo Lopes Rodrigues Junior, São Vicente (SP)
“Porto Seguro”, de Pedrito Queiroz de Oliveira, Mairi (BA)
“Praça da Sé”, de José Carlos Rubio, São Paulo (SP)

Júri popular
“Eu sou o samba”, de Robson Calheiros, Murici (AL)
“Meu Lugar”, Paulo Henrique da Silva Costa, Mogi da Cruzes (SP)
“À minha maneira”, Fabi Anjos, Campinas (SP)
“Samba de Break”, Bruno Damasceno, Rio Branco (AC)
“Infeliz foi a proposta” ,Bil Rait Queiroga Junior, Rio de Janeiro (RJ)

Compositor revelação
Pedrito Queiroz de Oliveira (“Porto seguro”)

Melhor intérprete
Chamon (“Ingratidão danada”)

A disputa da mostra São Paulo Exposamba começou com mil candidatos, que se apresentaram em Centros de Educação Unificados (CEUs) e casas de shows da cidade de São Paulo. Aberta a todo o país, a mostra recebeu cerca de 1.600 inscrições. Depois das mil apresentações, foram selecionadas as cem melhores composições, que passaram a ser 40 nas semifinais.

Organização, patrocínio e apoio
A SP Exposamba é coordenada e organizada pela Fábrica do Samba. Tem apoio oficial do governo do estado e da Prefeitura de São Paulo e incentivo cultural do Ministério da Cultura, do governo federal.

Nosso Grande camarada e Colaborador assíduo do Portal Capoeira Pedro Abib relata com emoção o premio alcançado na Exposamba em SP:

Obrigado a todos que nos apoiaram !!!!

O samba-choro MEU LUGAR de minha autoria em parceria com Paulo Henrique (P.H.) que contou também com a bela interpretação da cantora Aline Chiaradia, ficou em SEGUNDO LUGAR na São Paulo Exposamba – Festival Nacional do Samba, no voto popular, com 48 mil votos !!!!

Estou em São Paulo, onde foi realizada ontem a final do Festival em que defendemos nossa música numa apresentação para o HSBC Hall (antigo Tom Brasil) lotado…ao lado de grandes sambistas vindos de todas as partes do Brasil. Foram mais de 1.000 sambas inscritos desde a primeira fase, e ficamos em SEGUNDO LUGAR no VOTO POPULAR graças ao apoio e votos dados por vcs !!!!

Confiram imagens e notícias do festival no site da exposamba

MUITO OBRIGADO !!!

 

Pedrão

Três Lagoas sedia 1º Festival de Cantigas de Capoeira

O fim de semana será dedicado à capoeira em Três Lagoas. A Escola de Capoeira Atletas do Bem vai promover neste sábado (29) o 1º Festival Cultural de Cantigas de Capoeira.

Cerca de 30 composições dos próprios alunos serão cantadas e julgadas, 18 serão escolhidas para a gravação do primeiro CD de cantigas da capoeira.

As 30 composições estão divididas em três ritmos, sendo Angola (música mais lenta, melódica, narram um fato), Benguela (Intermediária entre a Angola e a Regional) e Regional (ritmos mais acelerados, conhecido como “São Bento”). As canções pretendem narrar fatos cotidianos desde a esfera estadual, regional e local. Todas as melodias serão acompanhadas por berimbau, pandeiro e atabaque.

Segundo o supervisor da escola de capoeira, Mário Márcio Queiroz o evento pretende resgatar e valorizar a cultura regional e local por meio das cantigas de capoeira.

O Festival acontece à partir das 18 horas na Casa da Amizade. A entrada é franca.

CAMPEONATO

Logo após o Festival acontece o 8º Campeonato Interno de Capoeira pela Paz que neste ano contará com a participação de alunos da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) e a equipe campeã dos jogos estaduais de capoeira.

No campeonato disputam da categoria mirim (a partir de 3 anos) até a categoria sênior (a partir dos 50 anos).

No domingo (30), a partir das 9 horas, os alunos contam com palestras de dois professores de São Paulo do grupo Ingá de Capoeira. A capacitação será de capoeira contemporânea, com técnicas e golpes novos que se aprimoraram ao decorrer dos anos.

ATLETAS DO BEM

A Escola de Capoeira Atletas do Bem, supervisionada pelo professor Mário Márcio Queiroz atende aproximadamente 400 alunos em mais de 15 pontos de Três Lagoas. Mantido pela Prefeitura Municipal por meio da Secretaria de Juventude, Esporte e Lazer (Sejuvel) a escola ensina a capoeira para crianças, adolescentes, adultos e grupos da Melhor Idade com alunos de até 65 anos.

Fonte: http://www.jptl.com.br

Aconteceu: Campo Grande – Caminhada pela Paz & Capoeira

Mobilização: Caminhada pela paz, organizada pelo Professor de Capoeira, Mario Marcio Queiróz, reúne cerca de 200 pessoas em Três Lagoas.
Cerca de 200 pessoas entre capoeiristas do Grupo Memória e cidadãos realizaram neste sábado (12) uma passeata pela Paz percorrendo as principais ruas e avenidas de Três Lagoas.
 
Os manifestantes deram um abraço simbólico no Relógio Central. Eles querem que as pessoas se conscientizem para paz, seja no trânsito ou em casa, e pedem uma Três Lagoas menos violenta.
 
A passeata foi liderada pelo professor de capoeira, Mario Marcio Queiroz. Ainda em ritmo de pacificação o professor organiza na tarde deste sábado o "VI Campeonato Interno de Capoeira Pela Paz", que contará com a presença de adeptos da capoeira.
 
RMT Online MS – Campo Grande – http://rmtonline.globo.com

Capoeira, Dança & Teatro: África brasileira

Com coreografia de impacto e a capoeira como pano de fundo, "Quilombo" retrata na dança afro a trajetória dos escravos no Brasil
 
Nada mais natural que aliar a capoeira à dança. Movimentos que se misturam, se completam. Dentro desse pensamento, eis que surge, ainda em 2005, o espetáculo Quilombo, montado pela Associação Água de Beber, com coreografia de Wal Queiroz. O estímulo maior veio com o convite da direção do Festival Internacional de Tradições Afro-Americanas da Venezuela. Foi assim que a iniciativa tomou força e os capoeristas profissionais deram vida a dançarinos. Por 40 minutos, eles deixam as rodas e sobem ao palco para mostrar a força de uma cultura.
 
Da captura à libertação. Saudades da África ao Brasil incorporado como sua nova pátria-mãe. Os aspectos que transpassam pelos períodos existentes entre esses dois extremos são sentidos nas danças e representações de “Quilombo”. Com 12 capoeiristas atuando, dançando, tocando e cantando em diferentes quadros, o público acompanha a prisão dos escravos, a viagem no navio negreiro, a comercialização e o contato com a nova cultura. Sofrimento, dor, revolta contida.
 
No mesmo ritmo de movimentos fortes, a apresentação segue contando a formação dos quilombos, o surgimento do líder Zumbi e, finalmente, a descoberta da capoeira. Apesar de ser responsável pela origem do espetáculo, a luta aparece como um personagem secundário, mas presente, mesmo que subjetivamente, nos movimentos dos dançarinos. Nesse sentido, o coordenador da Associação Água de Beber, Robério Queiroz, o Mestre Ratto, destaca: “Essa foi uma oportunidade de diversificar a capoeira, podendo ser vista como arte, cultura, luta e dança”. Além disso, o espetáculo, ao mesmo tempo que resgata uma história, chama um novo público a conhecer, realmente, o que é a capoeira. “É uma nova forma de ver e conhecer a capoeira”, acredita Mestre Ratto.
 
Foi da capoeira que veio também o repertório que rege todos os atos. Os instrumentos que tem como função primeira guiar os capoeiristas em seus “golpes” na tradicional roda, passam agora a fazer parte fundamental do espetáculo. Nada mais original do que berimbaus e tambores marcando o compaço na percussão.
 
A descoberta
Na história de “Quilombo”, a capoeira é um dos últimos elementos a aparecer. Fato que não tira o encanto da descoberta. Ao longo dos atos de dança e teatro, principalmente quando se chega à vivência dos escravos no Brasil, os negros vão despertando para os movimentos que, em seu futuro, irão originar a luta de capoeira. Mais uma vez, entre as diferentes nuances do espetáculo, a expectativa de arrancar emoções mais fortes do público.
 
Toda essa trajetória arraigada de dor e duras conquistas foi pensada durante cerca de um ano. Em 2005, a Água de Beber, que sempre se dedicou a projetos sociais envolvendo o universo afro, através da capoeira, agora se descobre culturalmente. A idéia deu certo. No ano seguinte, em 2006, nova apresentação no Festival de Tradições Afro-Americanas na Venezuela, chegando à Fortaleza, em cartaz no Dragão do Mar e no Teatro São José. Casa cheia, público satisfeito, espetáculo aprovado.
 
Com o bom resultado da primeira empreitada, a Associação está pronta para dar continuidade ao trabalho. O novo espetáculo “Nordestinando”, segue no contexto histórico e resgata as danças folclóricas num passeio pelos ritmos de diferentes regiões. O espetáculo entre em cartaz no dia 19 no Sesc Emiliano Queiroz.
 
Desafio
 
O coreógrafo Wal Queiroz continua com o grupo em “Nordestinando”, mas dessa vez, para ele, o trabalho fluiu mais fácil. A criação da coreografia de “Quilombo”, foi um desafio para Wal. Com todas as danças basearam no jogo da capoeira, o coreógrafo mergulhou no mundo da luta em busca dos movimentos que se adequasse perfeitamente à dança.
 
“Assisti às aulas. A partir da movimentação deles fiz vivências. Peguei o código corporal deles e transformei no que eles queriam para o espetáculo”. No palco, o resultado visto é uma dança extremamente forte, na opinião de Wal Queiroz. Já para Mestre Ratto, as aulas de dança transformaram também as rodas de capoeira que ganharam na estética e no aumento do interesse dos praticantes.
 
CRISTIANE VASCONCELOS
Repórter
 
Mais informações:
"Quilombo"
12 a 14 de janeiro às 20 horas
Sesc Emiliano Queiroz
Ingressos: R$ 10,00 (inteira) R$ 5,00 (meia)
Toda a renda será revestida a comunidades atendidas pelos projetos sociais da Associação Água de Beber
 
Diário do Nordeste – Fortaleza
http://diariodonordeste.globo.com

Madame Satã

Madame Satã de mito, homossexual e malandro para as telas do cinema…
 
  • A Hisória:
 
O Pernambucano João Francisco dos Santos (1900-1976), o mítico Madame Satã, era uma espécie de bandido chique. Dizia ser filho de Iansã e Ogum e devoto da cantora americana Josephine Baker. Homossexual assumido em plenos anos 30, ele reinava como camareiro, cozinheiro, transformista, leão-de-chácara e ladrão no submundo da Lapa, bairro boêmio do Rio de Janeiro. Negro, pobre e analfabeto, João dos Santos ganhou o apelido de Madame Satã por causa de uma fantasia que usou no bloco carnavalesco Caçadores de Veados em 1942.
  Madame Satã foi especial pela infinita capacidade de transformação. Nunca aceitou um único papel. Homossexual, se vestia com o chapéu de panamá e linho apurado de bom malandro, a despeito das sobrancelhas feitas. Jamais admitiu homem se casar com homem e chegou a ter rumorosos casos com meninas de 12 anos. Lutador, viveu quase 28 anos preso em lendária tranqüilidade. Negro, usava os cabelos longos e alisados e comprava briga para ir aonde bem entendesse.
  Para entender quem foi Madame Satã, é preciso compreender quem foi João Francisco dos Santos e o que foi a Lapa dos anos 30, território-livre da malandragem que resistiu ao bota-abaixo do Centro do Rio, promovido pelo prefeito Pereira Passos. O desmanche de morros, a abertura de avenidas e a demolição de cortiços foi uma tentativa de assepsia da capital federal que, no início do século 20, contava com 800 mil habitantes, 200 mil deles desocupados de todas as espécies, de baleiros a biscateiros, desempregados, rufiões, prostitutas e jogadores de capoeira, entre eles o próprio João dos Santos.
   Foi nesse tipo de ambiente que surgiu Madame Satã. Vinte anos depois da Abolição, o menino trabalhava como escravo em Itabaiana, na Paraíba, antes de fugir para o Rio. Depois passou para as mãos de Catita, uma cafetina de 180 quilos que comandava um dos bordéis mais animados da cidade e tornou-se freqüentador de célebres bares e cabarés da mitologia carioca: Colosso, Capela, Imperial, Bahia, Apolo, Royal Pigalle, Viena Budapest, Casanova e Cu da Mãe. Era um tempo de uma marginalidade pré-industrial, com raras armas de fogo, quando um negro forte podia criar fama no tapa e na navalha, antes de se lambuzar com um "boneco" de cinco gramas de cocaína comprado na farmácia mais próxima.
  Ao todo, João Francisco contabilizou 27 anos e oito meses de cadeia, 29 processos, 3 homicídios e cerca de 3 mil brigas. Ágil lutador de capoeira e mestre no manuseio da navalha – contam que ele sempre trazia uma presa na sola do sapato –, Madame Satã só recorria ao revólver em situações extremas, a exemplo da vez em que desfechou um tiro num soldado, na esquina da rua do Lavradio com a avenida Mem de Sá. Na famosa entrevista concedida ao histórico tablóide O Pasquim, em 1976, com seu deboche habitual o malandro afirmou ter sido preso injustamente, alegando que a arma disparara de forma casual. “A bala fez o buraco, quem matou foi Deus”, afirmou. Dizia que não brigava, se defendia.
 
 
  • O Filme:
 
 
Rio de Janeiro, 1932. No bairro da Lapa vive encarcerado na prisão João Francisco (Lázaro Ramos), artista transformista que sonha em se tornar um grande astro dos palcos. Após deixar o cárcere, João passa a viver com Laurita (Marcélia Cartaxo), prostituta e sua "esposa"; Firmina, a filha de Laurita; Tabu (Flávio Bauraqui), seu cúmplice; Renatinho (Felippe Marques), sem amante e também traidor; e ainda Amador (Emiliano Queiroz), dono do bar Danúbio Azul. É neste ambiente que João Francisco irá se transformar no mito Madame Satã, nome retirado do filme Madam Satan (1932), dirigido por Cecil B. deMille, que João Francisco viu e adorou.
 
Ficha técnica:
 
Título Original: Madame Satã
Gênero: Drama
Tempo de Duração: 105 minutos
Ano de Lançamento (Brasil): 2002
Site Oficial:
www.madame.com.br
Estúdio: Videofilmes / Wild Bunch / Lumière / Dominant 7
Distribuição: Lumière
Direção: Karim Aïnouz
Roteiro: Karim Aïnouz
Produção: Isabel Diegues, Maurício Andrade Ramos e Walter Salles
Música: Marcos Suzano e Sacha Amback
Fotografia: Walter Carvalho
Direção de Arte: Marcos Pedroso
Edição: Isabela Monteiro de Castro
 
 
Elenco
 
Lázaro Ramos (João Francisco dos Santos / Madame Satã)
Marcélia Cartaxo (Laurita)
Flávio Bauraqui (Tabu)
Felippe Marques (Renatinho)
Emiliano Queiroz (Amador)
Renata Sorrah (Vitória dos Anjos)
Floriano Peixoto (Gregório)
Gero Camilo (Preso)
 
Premiações
 
– Ganhou 5 prêmios no Grande Prêmio Cinema Brasil, nas seguintes categorias: Melhor Ator (Lázaro Ramos), Melhor Atriz (Marcélia Cartaxo), Melhor Figurino, Melhor Maquiagem e Melhor Direção de Arte. Recebeu ainda outras 10 indicações, nas seguintes categorias: Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Ator Coadjuvante (Emiliano Queiroz e Flávio Bauraqui), Melhor Atriz Coadjuvante (Renata Sorrah), Melhor Roteiro Original, Melhor Trilha Sonora, Melhor Montagem, Melhor Fotografia e Melhor Som.
– Recebeu 2 indicações ao Prêmio Adoro Cinema 2002, nas categorias de Melhor Ator (Lázaro Ramos) e Melhor Ator Revelação (Lázaro Ramos).
 
Curiosidades
 
– Madame Satã foi inteiramente rodado em locações na Lapa e arredores.
– Foi exibido na Mostra Un Certain Regard, no Festival de Cannes.
{mos_sb_discuss:8}