Blog

racismo

Vendo Artigos etiquetados em: racismo

Africa do Sul: Carnaval com o bloco do Berimbau

O Mestre Estivador da Fundacao SulAfricana de Capoeira ao longo dos anos vem  tentando ajudar e desenvolver varias atividades  nas comunidades de baixa renda da Africa do Sul no combate contra o racismo e  xenofobia . As atividades serao demonstradas atraves de manifestacoes culturais mais um ano no Carnaval,  dia 3 de Setembro de 2011.

O Carnaval  ” O Pale Ya Rona Carnival”  sera realizado no distrito de Soweto, um bairro da periferia de Johannesburgo conhecido como símbolo de resistência durante o regime do apartheid imposto pela minoria branca, onde o Nelson Madela morou ateh antes de sua prisao e agora tem o suntuoso estádio Soccer City tao sediado durante a copa do mundo.

Este ano a cultura brasileira, sera representada pela criancas das escolas publicas em quatro estilos ( Ala 1 demonstrando a danca Frevo , Ala 2 com o bloco do berimbau com participacao dos capoeiristas, Ala 3 com os alunos da escola Real Samba e Ala 4 com os percussionista do BATALA).

Apesar do pais ter passado pelo o apartheid  ainda existem muitos resquicios  e os capoeiristas sao incentivados a dar todo o suporte, diz o Mestre Estivador. Apos a escola as criancas teem a oportunidade de participar de atividades socio culturais tais como; aula de  capoeira , aula de dancas afro brasileiras , aulas de percussao brasileira e  etc , alem das visitas a abrigos e Ong’s  onde o projeto “Capoeira & Solidariedade” realizado por mulheres capoeiristas do grupo, sob a coordenacao do mestre contribuem de forma positiva na inclusao social, tirando as criancas de situacoes de riscos.

A grande recompensa disto tudo , eh ver o sorriso as criancas e jovens apos as aulas comenta o mestre.

(Enviaremos fotos do evento)

Espero que gostem do assunto! Para nos brasileiros que moramos aqui, ver os estrangeiros curtindo nossa cultura, compartilhando e tentando ajudar a sociedade e o racismo ainda eh presente , eh muito delicado, dificil mas a capoeira so nos tras alegrias…..bjs Iso.

www.capoeira.co.za

Livro reúne textos sobre temática negra e analisa a sociedade brasileira

Com o objetivo de chamar a atenção da sociedade brasileira para as formas de preconceito e discriminação e seus efeitos sobre as relações políticas e sociais, Sueli Carneiro, filósofa e fundadora do Geledés – Instituto da Mulher Negra, produziu Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil. A obra traz uma abordagem crítica dos comportamentos humanos e propõe alternativas de superação da intolerância ao outro.

No próximo dia 12, às 19 horas, haverá noite de autógrafos, promovida pela editora Selo Negro Edições e a Livraria Martins Fontes. Composto por uma coletânea de textos, o livro apresenta os principais avanços na superação das desigualdades criadas pela prática da discriminação racial – indicadores sociais, mercado de trabalho, consciência negra, cotas e outros.

Sobre educação, Sueli registra a recente conquista da obrigatoriedade do ensino da História e Cultura Africana e Afro-Brasileira nas escolas públicas do País. A obra destaca também o debate contemporâneo sobre miscigenação racial no Brasil, racismo no universo infantil e o combate ao racismo no trabalho. Fundamental para educadores, pesquisadores, militantes e estudantes de todos os níveis de ensino, o volume faz parte da Coleção Consciência em Debate.

INTERESSE PÚBLICO – Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil foi organizado a partir da sistematização de uma série de artigos publicados na imprensa brasileira que convidam o público a refletir sobre o incremento de ações violentamente discriminatórias, abrindo caminho para o debate sobre direitos humanos e as limitações da democracia brasileira.

Um das perspectivas levantadas na importante publicação diz respeito à idéia distorcida de parte do imaginário social brasileiro, de que determinados seres humanos são mais ou menos humanos do que outros, levando ao caminho perversamente estruturante da naturalização da desigualdade de direitos.

RESPEITO – Segundo a escritora, as identidades estruturadas a partir de etnias, gênero, orientação sexual ou religiões ainda não são devidamente respeitadas, tornando o ambiente social totalmente corrompido. “O racismo é uma ideologia que não penaliza apenas sua vítima, ela faz com que o racista também seja um ser humano menor, não seja um ser humano completo, por ser incapaz de aceitar a diversidade”, ressalta.

Sueli Carneiro acredita na força e no trabalho das organizações que lutam pelo cumprimento de políticas públicas voltadas para a eliminação de atos de intolerância praticados contra descendentes de africanos e outros grupamentos socialmente vulneráveis. Ela recorre à legalidade dos poderes governamentais para defender a punição desses atos, que se contrapõem à legítima demanda dos afro-descendentes.

 

  • Para ler as primeiras páginas do livro, acesse o endereço: http://www.gruposummus.com.br/indice/40046.pdf

Palmas: Sessão Solene para a entrega da comenda Zumbi dos Palmares

Aconteceu Sessão Solene para a entrega da comenda Zumbi dos Palmares, na Câmara Municipal de Palmas, criada com o objetivo de homenagear Entidades e pessoas que trabalham no Combate ao Racismo no Tocantins. Os homenageados foram Mãe Magna de Oxum (Aldenora Maria do Nascimento) pioneira na expansão da religião de Matriz africana em Palmas, o Grupo de Consciência Negra (GRUCONTO) e Mestre Timbau (Luiz Carlos Silva) que leva a capoeira aos moradores de periferias na cidade de Porto Nacional.

Representando o Prefeito de Palmas Raul Filho, a Secretária da Mulher Direitos Humanos e Equidade de Palmas, Rosimar Mendes frisou em seu pronunciamento a importância do combate ao racismo e também a outras formas de discriminação. Mendes também parabenizou o Vereador “Bismarque do Movimento pela autoria no projeto que cria a Comenda Zumbi dos Palmares”.

Entre os homenageados, Mestre Timbau frisou a importância da “prática da capoeira na periferia” e ressaltou a luta do povo negro e suas conquistas. Mãe Magna de Oxum frisou a importância do respeito às religiões. O representante do GRUCONTO, André Ribeiro, apontou “A importância do reconhecimento da luta de Zumbi dos Palmares e a valorização do povo negro” durante seu discurso na tribuna.

Para o Vereador Bismarque do Movimento a Comenda Zumbi dos Palmares é importante para valorizar “as lutas e conquistas do Movimento Negro e das religiões de Matriz africana no combate ao preconceito” afirmou durante pronunciamento.

A Câmara Municipal de Palmas é a única Instituição Tocantinense a premiar trabalhos de Combate ao Racismo no Estado. O Vereador Bismarque do Movimento é o autor do Projeto de resolução que cria a Comenda Zumbi dos Palmares. (Informações da ascom/VBM)

Capoeira passa a ser Patrimônio Imaterial do Estado do Rio de Janeiro

Governador alerta para o racismo que ainda persiste no Brasil e defende ampliação da reserva de vagas para empresas como forma de superar desigualdades. Capoeira passa a ser Patrimônio Imaterial do Estado do Rio de Janeiro.

Rio – No dia em homenagem a Zumbi dos Palmares, a capoeira virou Patrimônio Imaterial do Estado do Rio. A assinatura da lei pelo governador Sérgio Cabral, transformando a expressão cultural em bem imaterial estadual, fez parte das festividades do Dia Nacional da Consciência Negra, realizadas ontem, no monumento em homenagem a Zumbi dos Palmares, na Av. Presidente Vargas, no Centro. O projeto de lei, do deputado Gilberto Palmares (PT), foi aprovado quinta-feira pela Alerj. Cabral participou de uma roda de capoeira durante a festa.

O governador defendeu a política de cotas nas universidades públicas — que reserva vagas a estudantes de rede pública, negros, índios, deficientes e filhos de policiais, bombeiros e agentes penitenciários mortos — e a extensão do sistema às empresas. Ele comemorou a decisão do Tribunal de Justiça (TJ) de manter a lei que facilitou o acesso às universidades estaduais.

“Temos uma dívida com a raça negra que deve ser consagrada em políticas públicas”, disse o governador, citando como exemplo os EUA. “Se hoje nós temos negros nos EUA dirigindo grandes empresas, ganhando Oscars de melhor ator, presidindo o país, foi fruto de políticas públicas, de cotas, de garantias de oportunidades. Não há outra maneira”, disse Cabral.

Em seu discurso, o governador alertou: “No Brasil o conflito racial sempre foi camuflado. O Brasil teve a pior história da escravidão no mundo e passou o século XX dizendo que não tem racismo, mas no Brasil tem racismo. Temos que quebrar preconceitos, mas sem políticas públicas, sem lei que obriguem empresas e instituições a abrir espaço para que o povo negro tenha acesso, não há sucesso”.

O presidente do Conselho Estadual dos Direitos do Negro (Cedine), Paulo Roberto dos Santos, lembrou que a luta do movimento negro é pela inclusão social. “A importância deste evento, de podermos nos expressar, é uma demonstração da capacidade do nosso povo”, defendeu.

Novembro: Mês da Consciência Negra

Os textos abaixo focalizam as diferentes formas de discriminação e preconceito. Parte do material apresenta dados históricos, que explicam a origem das divergências entre povos e raças no Brasil e relatam o processo de escravidão, da colonização até a abolição. Focalizam, também, experiências educacionais sobre o tema e atividades desenvolvidas por professores em sala de aula.

As referencias apresentadas (links) foram consultadas no site: http://www.crmariocovas.sp.gov.br

Fica a sugestão de uma extensa pesquisa e reflexão sobre a verdadeira importância desta data e sua real aplicação dentro do contexto da capoeira e da cidadania.

Luciano Milanii

 

Convenção relativa à escravatura

Convenção sobre a escravatura assinada em Genebra, em 25 de setembro de 1926. Aberta à assinatura ou à aceitação na sede da Organização das Nações Unidas (Nova York), em 7 de dezembro de 1953, e a Convenção Suplementar sobre a Abolição da Escravatura, do Tráfico de Escravos e das Instituições e Práticas Análogas à Escravatura, adotada em Genebra, a 7 de setembro de 1956.

http://www.direitoshumanos.usp.br/counter/Onu/Emprego_protecao/texto/texto_2.html

O senado e a abolição da escravatura

Disponibiliza textos com informações sobre: adesão da Princesa Isabel à causa abolicionista; esforço político e assinatura da Lei Áurea.

http://www.senado.gov.br/comunica/historia/nonas.htm

Escravidão negra

Desde a origem da escravidão até a abolição, este site relata o trabalho, a cultura africana, a religiosidade, entre outros aspectos da vida desse povo.

http://consorcio.bn.br/escravos/introducao.html

África negra (colonização, escravidão e independência)

Conta a história do tráfico de escravos, da colonização e da luta pela abolição da escravatura. Tem também informações de países, líderes e movimentos africanos.

http://www.terra.com.br/voltaire/mundo/africa4.htm

Campanha abolicionista

Informações sobre os interesses e os fatos que resultaram na abolição dos escravos.

http://educaterra.terra.com.br/voltaire/brasil/2004/11/16/001.htm

Zumbi

Contém a biografia do líder negro Zumbi, a história dos primeiros quilombos, do tráfico negreiro e da abolição da escravatura.

http://www.zbi.vilabol.uol.com.br

Documentos da Organização Internacional do Trabalho – OIT

Página do site da Biblioteca Virtual de Direitos Humanos da USP, que apresenta documentos da Organização Internacional do Trabalho. Abordam assuntos como justiça, discriminação e trabalho.

http://www.direitoshumanos.usp.br/counter/Oit/OIT.html

Portal Palmares

A Fundação Cultural Palmares é uma entidade pública vinculada ao Ministério da Cultura, que busca a preservação da cultura afro-brasileira. No site há publicações, legislação, indicação para outros sites e informações de projetos.

http://www.palmares.gov.br

Religião e cultura negra

Texto sobre as religiões africanas inseridas na América. Esclarece superficialmente como se originaram, os dogmas, as doutrinas, as transformações e a diversidade de estilos existentes.

http://www.orixas.com.br/portal/index.php?option=com_content&task=view&id=5&Itemid=6

Racismo nas escolas

Apresenta exemplos de discriminação racial no cotidiano escolar e também as ações do Ministério da Educação para combatê-la.

http://www.fundaj.gov.br/tpd/147.html

Racismo made in Brazil

Artigo sobre a origem do preconceito racial no Brasil. Estabelece comparações com a cultura e a discriminação que ocorre em outros países.

http://ruibebiano.net/zonanon/actual/lcl021211.htm

Diversidade cultural e fracasso escolar

Texto que introduz uma reflexão sobre as diferenças culturais, a discriminação e o fracasso escolar.

http://www.mulheresnegras.org/azoilda.html

Educação e diversidade cultural: refletindo sobre as diferentes presenças na escola

Este artigo coloca em debate as diferenças encontradas na escola, já que é um espaço socio-cultural onde há culturas diversas.

http://www.mulheresnegras.org/nilma.html

O racismo na sociedade brasileira

Apresenta textos sobre discriminação racial e a forma de inserção do negro no mercado de trabalho e na sociedade como um todo.

http://www.geocities.com/CollegePark/Lab/9844/racismo.htm?200630

O Brasil Negro

Reportagem da revista Com Ciência, editada pela Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, SBPC.

http://www.crmariocovas.sp.gov.br/grp_l.php?t=002

Por que os heróis nunca são negros?

Reportagem que discute a questão dos estereótipos.

http://novaescola.abril.com.br/ed/157_nov02/html/pluralidade.htm

Racismo esta luta é de todos

Entrevista da Revista Raça Brasil com o antropólogo Kabengele Munanga, que fala da discriminação das crianças negras nas escolas e convida a sociedade a rever seus valores para construir um país mais justo e mais rico.

http://www2.uol.com.br/simbolo/raca/1000/entrevista.htm

A mulher trabalhadora é o negro de saias

Neste artigo, Gilberto Dimenstein aborda a questão da discriminação por parte do mercado de trabalho brasileiro em relação às mulheres e aos negros.

http://www1.folha.uol.com.br/folha/dimenstein/gilberto/gd300400.htm

Videoconferência

Videoconferência de encerramento do módulo II do “Programa SP: educando pela diferença para a igualdade”. Conta com a participação do professor Valter Silvério, da Universidade Federal de São Carlos. O programa é um curso de formação continuada que trabalha com conceitos de diversidade étnico-racial que busca sensibilizar e capacitar professores para a discussão da questão racial no currículo escolar, mostrando a história e a cultura africanas.

http://media.rededosaber.sp.gov.br//CENP/Streaming00000093.wmv

“Nabuco errou”

Em 1888, quando a Lei Áurea baniu legalmente do país a vergonha do sistema escravocrata, Joaquim Nabuco, um dos abolicionistas mais engajados, profetizou que o Brasil levaria um século para livrar-se da desigualdade entre os ex-escravos e os demais cidadãos. Embora tenha acertado no diagnóstico, Nabuco errou no prazo. Hoje, 121 anos após a Abolição, negros e negras continuam sub-representados nos espaços de poder e no ambiente acadêmico, ocupando as funções menos qualificadas no mercado de trabalho, sem acesso às terras ancestralmente ocupadas no campo, e na condição de maiores agentes e vítimas da violência nas periferias das grandes cidades.

São muitas as razões que impossibilitaram a ascensão social dos negros, e sobre elas já discorri inúmeras vezes: a falta de mecanismos legais que garantissem o acesso dos negros à terra, ao trabalho e à educação no período imediatamente posterior à abolição; o incentivo à imigração europeia e asiática para substituir a mão-de-obra recém liberta; as teorias racistas de “embranquecimento” da população; o mito da democracia racial brasileira, que conduziu a uma quase total invisibilidade da questão negra; e toda uma herança discriminatória forjada em mais de 350 anos de escravidão.

Embora alguns setores tentem apresentar na mídia esta realidade com os sinais trocados, hoje sabemos que a democracia racial é em verdade um objetivo a ser alcançado, pois somos uma nação desigual, com os negros na base e os brancos ocupando o ápice da pirâmide econômica. Felizmente, no atual estágio de suas instituições democráticas, nossa sociedade está suficientemente madura para discutir a transformação desta realidade sem incitar o ódio racial ou ocasionar maiores traumas. Basta não perder de vista que objetivo não é dividir, mas integrar. Fazer com que negros, brancos, indígenas, ciganos e outros segmentos tenham não apenas a igualdade formal dos direitos, mas a igualdade real das oportunidades.

O Estatuto da Igualdade Racial, projeto de lei que há mais de uma década tramita no Congresso Nacional, é a mais importante ferramenta para alcançar este objetivo. Surge para dar consequência e aplicabilidade ao texto da Constituição Cidadã de 1988, que, desde o seu preâmbulo e em diversos de seus artigos, confere ao Estado a responsabilidade pela promoção da igualdade e o combate aos preconceitos. A Carta registra em seu Artigo 3º, por exemplo, que é objetivo fundamental do Estado “promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação”. Assinala ainda, em seu Artigo 4º, o repúdio ao racismo, determinando, no inciso XLII do Artigo 5º, que sua prática se constitui em “crime inafiançável e imprescritível”.

Os primeiros efeitos da discussão em torno do Estatuto começam a ser sentidos antes mesmo de sua aprovação pelo Legislativo. De forma espontânea e sem registros de incidentes, mais de 60 instituições públicas de ensino superior já colocaram em prática políticas com o objetivo de ampliar o acesso de estudantes negros aos seus cursos de graduação; as escolas de nível fundamental e médio assumem seu papel para a superação do racismo com a gradual adoção da lei do ensino de História da África e da Cultura Negra; e diversos bancos e empresas começam a adotar medidas para reduzir as disparidades entre negros e brancos em seu corpo de funcionários. Paulatinamente, o racismo é desconstruído.

A recente aprovação do projeto de lei em comissão especial formada para analisá-lo na Câmara, de forma unânime, graças a um acordo costurado entre todos os partidos presentes, foi um importante passo neste sentido. Considerando a solidez dos acordos firmados entre o governo, os partidos e a sociedade civil, estou convicto de que, muito em breve, teremos condições de aproximar o Brasil do ideal de Nabuco: “Acabar com a escravidão não nos basta; é preciso destruir a obra da escravidão”.

 

Edson Santos

Ministro da Igualdade Racial

Coordenação de Comunicação Social

Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial

Presidência da República

Esplanada dos Ministérios, Bloco A, 9º andar – 70.054-906 – Brasília (DF)
Telefone: (61) 3411-3659/3699

www.presidencia.gov.br/seppir


Livro – O Abolicionismo – Joaquim Nabuco (Trecho do Livro)

Já existe, felizmente, em nosso país, uma consciência nacional – em formação, é certo – que vai introduzindo o elemento da dignidade humana em nossa legislação, e para a qual a escravidão, apesar de hereditária, é uma verdadeira mancha de Caim que o Brasil traz na fronte. Essa consciência, que está temperando a nossa alma, e há de por fim humanizá-la, resulta da mistura de duas correntes diversas: o arrependimento dos descendentes de senhores, e a afinidade de sofrimento dos herdeiros de escravos.

Não tenho, portanto, medo de que o presente volume não encontre o acolhimento que eu espero por parte de um número bastante considerável de compatriotas meus, a saber: os que sentem a dor do escravo como se fora própria e, ainda mais, como parte de uma dor maior – a do Brasil, ultrajado e humilhado; os que têm a altivez de pensar – e a coragem de aceitar as conseqüências desse pensamento – que a pátria, como a mãe, quando não existe para os filhos mais infelizes, não existe para os mais dignos; aqueles para quem a escravidão, degradação sistemática da natureza humana por interesses mercenários e egoístas, se não é infamante para o homem educado e feliz que a inflige, não pode sê-lo para o ente desfigurado e oprimido que a sofre; por fim, os que conhecem as influências sobre o nosso país daquela instituição no passado, e, no presente, o seu custo ruinoso, e prevêem os feitos de sua continuação indefinida.

Possa ser bem aceita por eles esta lembrança de um correligionário ausente, mandada do exterior, donde se ama mais a pátria do que no próprio país – pela contingência de não tornar a vê-la, pelo trabalho constante da imaginação, e pela saudade que Garret nunca teria pintado ao vivo se não tivesse sentido a nostalgia – e onde o patriotismo, por isso mesmo que o Brasil é visto como um todo no qual homens e partidos, amigos e adversários se confundem na superfície alumiada pelo sol dos trópicos, parece mais largo, generoso e tolerante.

Quanto a mim, julgar-me-ei mais do que recompensado, se as sementes de liberdade, direito e justiça, que estas páginas contêm, derem uma boa colheita no solo ainda virgem da nova geração; e se este livro concorrer, unindo em uma só legião os abolicionistas brasileiros, para apressar, ainda que seja de uma hora, o dia em vejamos a independência completada pela abolição, e o Brasil elevado à dignidade de país livre, como o foi em 1822 à de nação soberana, perante a América e o mundo.

Joaquim Nabuco

Londres, 8 de abril de 1863

 

Leia mais sobre Joaquim Nabuco: http://www.fundaj.gov.br

Guerreando pra sorrir

13 de maio, Abolição da Escravatura e Dia Nacional de Denúncia contra o Racismo

  “Guerreando pra sorrir”
 A lição do meu avô, que casou com minha avó e pariu a minha mãe

Abolição, palavra carregada de sentidos, dores, afetos e interpretações as mais diversas. Palavra que incendiou corações e mentes no século XIX e estimulou discussões apaixonadas sobre a vida, a liberdade e o futuro da humanidade. Símbolo que titulou movimentos libertários e tornou-se o principal combustível para a entrada do Brasil no século XX. Conteúdo concreto que povoou os sonhos de milhões de brasileiros ao longo de quase 400 anos. Mas, apesar de tudo isso, há uma forte inquietação quanto ao seu significado nos dias de hoje.

Vivemos momentos de perplexidade diante de tanta polêmica e reações indignadas por parte de setores da sociedade brasileira. Isso, por causa das políticas públicas, implementadas para a promoção da igualdade racial no Brasil, mais conhecidas como políticas de ações afirmativas. Por isso, vale perguntar: Para que conquistamos a Abolição? Que idéia ou sentido de liberdade gerada por este ato deve orientar nossas ações nos dias de hoje?

O poeta José Carlos Capinam, ícone do movimento tropicalista nos anos 1960, nos dá uma pista. Com versos poéticos e precisos, no poema/canção Abolição, ele nos ensina: “Acabar com a tristeza, com a pobreza e o apartheid, não fazer da humanidade, a metade da metade, parte branca, parte negra”. Pois bem, é com esses versos na cabeça e um tanto de emoção, que gostaria de responder às indagações acima.

Abolição para que a sociedade brasileira conquiste a cidadania plena, o desenvolvimento econômico e social, para que todos seus filhos, independente da cor da pele, de sua origem social ou opção religiosa possam ser tratados com dignidade e igualdade, conforme a Constituição. Mas também para que, em seu nome e em nome de milhões de brasileiros e brasileiras, que empunharam essa bandeira com coragem e distinção, impeçamos que a desigualdade, o racismo e a discriminação, gerados por séculos, naturalizem-se em nosso cotidiano, como parte do nosso jeito mestiço de ser.

Abolição para sensibilizar e conscientizar os homens e mulheres que dirigem o país, em especial aqueles que nos representam na Justiça e no Parlamento, de que a promoção da igualdade racial não pode ser apenas o recheio mágico de discursos vazios sobre a beleza da mestiçagem, o encanto das mulatas etc. Ainda mais quando estudos e pesquisas apontam para a iniqüidade das relações raciais no Brasil, a exemplo do uso do critério da “boa aparência”, que leva à exclusão milhões de brasileiros e dificulta a eles o acesso a determinados nichos do mercado de trabalho, como a publicidade, a moda e a televisão.

Abolição para impedir que o conservadorismo e o medo que latifundiários impingem ao campo, sempre que tratamos de regularização da terra, nos leve a ignorar a presença de milhões de remanescentes de quilombos, que, apesar de tanta dor e indiferença, continuam resistindo nos rincões do país, com a viva esperança de que a abolição os alcance de fato e assim possam ter acesso àquilo que lhes pertencem por justiça e direito.

Abolição para superarmos a abissal diferença entre a qualidade do ensino público e privado e a exclusão de um enorme contingente de jovens brasileiros do ensino superior. Afinal, o Brasil contemporâneo, aberto, criativo e plural não pode entregar à própria sorte parte da juventude brasileira a grupos de extermínio e a narcotraficantes. Reconhecer esse direito e possibilitar a reparação histórica por meio da ampliação do acesso desses jovens às universidades públicas é mais que um dever, é um compromisso com o futuro do país.

Portanto, a celebração desses 121 anos da abolição da escravatura no Brasil, só tem sentido se, de um lado, debelarmos a hipocrisia que grassa na sociedade quanto à questão racial (todos consideram que existe racismo no Brasil, mas ninguém se intitula enquanto agente de tal crime), e, de outro, dermos conteúdo real às aspirações de mais da metade da população brasileira. Ou seja, é preciso instaurar a abolição definitiva da discriminação, que ainda persiste no Brasil, por meio de ações concretas que levem à promoção da igualdade racial e social. E nada melhor que o poeta Capinam para nos inspirar: “Abolir essa careta, que esconde a Natureza e que me faz ser teu irmão. Abolindo a velha intriga e guerreando pra sorrir”.

Zulu Araújo
Presidente da Fundação Cultural Palmares

Umuarama celebra a igualdade racial

Mesa de discussões, apresentações culturais e palestras sobre racismo marcaram as discussões sobre a consciência negra em Umuarama

Umuarama e toda a Nação brasileira comemoram hoje o Dia da Consciência Negra, que é dedicado à reflexão sobre a inserção do negro na sociedade brasileira. Diversas atividades alusivas ao dia foram e estão sendo realizadas no município, entre mesa de discussões, apresentações culturais, palestras e outras. As atividades serão encerradas na quarta-feira com a eleição da Miss Beleza Negra.

Hoje, em comemoração ao O Dia da Consciência Negra será realizada apresentação de escolas de samba e capoeira na Praça Miguel Rossafa, além de comemorar o dia da consciência a data marca a morte de Zumbi dos Palmares, falecido há 312 anos.

Porém, o dia dos grandes debates foi ontem, com uma palestra sobre o racismo na sociedade e no espaço escolar. A palestra foi ministrada por Luiz Carlos Paixão da Rocha, secretário de Políticas Sociais da APP Sindicato e coordenador do coletivo da Igualdade Racial. Após a palestra os presentes realizaram um debate sobre o racismo.

Segundo a professora Maria Madalena Lopes de Lima, o racismo é algo que está embutido na consciência das pessoas e ainda vai precisar de muito tempo para isso mudar. “Quando estamos lecionando observamos formas de racismo vindo dos alunos, mas não é culpa deles. Como uma piadinha sobre negros, que os pais fazem em casa e isso vai se transformando em algo normal para as crianças”, disse Madalena.

A professora ressaltou que quando fala que trabalha em uma escola, logo a pessoa pergunta se é zeladora ou cozinheira. “Não estou desmerecendo a classe das zeladoras ou cozinheira, que fazem grande trabalho nas escolas, mas porque uma mulher negra não pode ser uma professora?”, indagou Madalena.

No período, às 13h30, o presidente do Conselho Estadual de Educação, Romeu Gomes de Miranda, explanou sobre a Lei 10.639-03 e sobre a Deliberação 04/06, que tratam sobre o ensino da cultura negra na formação da História do Brasil. E às 19h, apresentações artistas músicas, danças e capoeira finalizaram o dia de debates.

As comemorações serão finalizadas no dia 21, com a escolha da mulher negra mais bela, com o concurso Miss Beleza Negra, no Centro Cultural Schubert, às 20h. Estão participando do concurso 12 lindas mulheres que no final apenas uma irá representa a beleza da raça negra de Umuarama e região.

Fonte: Umuarama Ilustrado – http://www.ilustrado.com.br/

Mato Grosso: Publicação reunindo redações e ladainhas de Capoeira é lançada

Publicação reunindo redações e ladainhas é lançada
 

Idéias que buscam transformação, valorização das diversidades e respeito às diferenças. Redações elaboradas por alunos da rede municipal, estadual e particular de ensino revelam sensibilidade diante do tema "Combatendo o Racismo, Construindo a Paz". Vencedores do Iº Concurso de Redação com a temática Étnico-Racial, realizado no ano passado, pela Prefeitura de Cuiabá, por meio da Vice-Prefeitura/Diretoria de Políticas Especiais, os textos agora estão reunidos numa publicação, que traz também ladainhas de capoeira, escolhidas em concurso promovido pela Federação Mato-Grossense de Capoeira.

O catálogo será distribuído nas escolas municipais, e também disponibilizado no primeiro acervo temático sobre Gênero, Raça/Etnia e Direitos Humanos do país, anexo à sede do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher e do Conselho Municipal de Promoção da Igualdade Racial, na Avenida Tenente Coronel Duarte (Prainha).
 
A publicação foi lançada na manhã desta quarta-feira, por ocasião da implantação da Casa Brasil unidade Cuiabá no Espaço Silva Freire, e contou com a participação de mestres de capoeira, que apresentaram uma das ladainhas integrantes do catálogo. Além das redações, o compêndio traz ilustrações dos alunos da Fundação Bradesco.
 
Segundo a vice-prefeita, Jacy Proença, a publicação é fruto de um esforço muito grande, do desafio de desenvolver políticas públicas de transformação positiva, e o resultado foi extremamente gratificante, tanto é que o Concurso alcançou sua segunda edição. "O Concurso foi parte integrante dos eventos do compuseram a Agenda Única, em celebração ao Dia Nacional da Consciência Negra, 20 de novembro. A participação foi excelente, tivemos muitos parceiros. A seleção das redações, por exemplo, foi feita em parceria com a Academia Mato-Grossense de Letras", afirmou a vice-prefeita.
 
Nesta segunda edição, as inscrições podem ser feitas entre 1 e 31 de agosto, devendo o participante retirar o formulário na Vice-Prefeitura ou na Secretaria de Educação, Desporto e Lazer de Cuiabá. "Lançamos agora para que as escolas trabalhem com o aluno a temática "Combatendo o Racismo, Construindo a Paz", daí ele vai escrever textos mais elaborados", informou Jacy Proença.
 
O Concurso de Redação "Combatendo o Racismo, Construindo a Paz" tem como objetivo contribuir na implementação da Lei 10.639/03, que altera a LDB para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino Pública e Privada e obrigatoriedade do ensino da "História e Cultura Afro-Brasileira", fomentado o desenvolvimento de políticas educacionais que promovam a igualdade racial e o respeito à diversidade.
 
24Horas News – Cuiabá,MS