Blog

renda

Vendo Artigos etiquetados em: renda

Teresina – PI: Berimbau de Renda

BERIMBAU DE RENDA é um espaço pensado para fortalecer o movimento de mulheres capoeiristas.

O evento se lança como o 1º festival brasileiro de músicas de Capoeira direcionado à voz feminina, a ideia é proporcionar uma maior visibilidade e engajamento das mulheres que cantam e emocionam nas rodas de Capoeira.

BERIMBAU DE RENDA propõe ampliar as possibilidades de cada vez mais nós mulheres ocuparmos um espaço que também é nosso que por vezes abrimos mão por insegurança, vergonha ou por não existir um incentivo geral para que o espaço da mulher na capoeira seja cada vez mais visto e explorado.

BERIMBAU DE RENDA tem um foco no festival de canto, que nessa primeira edição não será competitiva, porém as músicas participantes deverão ser inéditas, mas não obrigatoriamente autoral , o evento é também uma plataforma de encontros entre mulheres capoeiristas, onde toda a essência da capoeira será abordada por meio de conversas, aulas, rodas e muita música, é claro.

BERIMBAU DE RENDA é inovador e conta com todas as capoeiristas para que seja um evento lindo, cheio de perfume, cheio de cor e de muito amor pela Capoeira.

Missão:

BERIMBAU DE RENDA tem como objetivo valorizar a voz feminina nas rodas de Capoeira.

 

Festival de Canto e Encontro de Mulheres Capoeiristas
22, 23 e 24>>agosto>>2014
teresina>>piauí>>brasil
berimbauderenda@gmail.com

SP: Capoeira leva opção a morador da Zona Leste

Mais da metade dos alunos são crianças de baixa renda e, por isso, fazem as aulas gratuitamente

A roda de capoeira na Zona Leste agita a noite dos moradores do Jardim São Nicolau. Regados de muita música e  dança ao som dos instrumentos de percussão e  palmas, crianças, jovens e adultos participam do projeto social Identidade

A educadora explica que a maioria dos integrantes são crianças moradoras de áreas de risco e não possuem estrutura familiar adequada.Cultural. Encabeçado pela professora de Educação Física Viviane Gonçalves Rodrigues, a proposta possui o intuito de levar, através do esporte, novas perspectivas para a população de baixa renda do bairro periférico.

Cinco anos se passaram desde a primeira roda do grupo. Atualmente cerca de 50 pessoas fazem parte da iniciativa.  Viviane  fala entusiasmada dos rumos que o esporte deu na vida de alguns participantes. “Existem universidades que dão bolsa para capoeiristas por conta dos campeonatos universitários. Tem uma aluna que começou aqui conosco e hoje  é bolsista de relações públicas em uma universidade”, diz ela.

Outros esportistas que possuem as suas origens fincadas no esporte também contribuem com o trabalho social. É o caso de Carlos Eduardo Viscovini Herrera. O advogado cuida da parte burocrática do projeto e também é orientador das crianças que dão os primeiros passos na capoeira. Ele fala da importância de disseminar o esporte. “A capoeira está ligada à evolução histórica brasileira e também é importante passar isso para as crianças nas rodas”.

Instrumentos de percussão como berimbau, atabaque, pandeiro e agogô abrilhantam as reuniões do grupo. A estudante Agatha Francisco dos Santos diz que quando ouve os sons e a música fica incentivada a “jogar”. “A música me atrai bastante. O instrumento que eu mais gosto é o atabaque”, completa.

Os alunos de baixa renda não contribuem financeiramente. Nas turmas de adolescentes e adultos alguns pagam uma taxa de R$ 20 para manter o espaço, instrumentos e vestimentas.

Os interessados em participar devem comparecer pessoalmente na Rua Georg Riemann, 88.

Mais

Falta de dinheiro desanima o grupo

Associado ao  Capoeira V.I.P., de Cuiabá, o projeto  Identidade Cultura consegue manter mais de 50 participantes através do apoio da associação.  A mensalidade paga por cerca de 20 alunos também ajuda. Um desafio do grupo é a falta de ajuda dos órgãos públicos.

Questionada se existe alguma forma de ajuda financeiro ao grupo , a Secretaria Municipal de Cultura não se manifestou até ontem à tarde.

 

http://diariosp.com.br

Cia. de Dança Negra-Contemporânea Kina Mutembua & Espetáculo Berimbaus

Estreou mês passado no Rio de Janeiro o espetáculo Berimbaus, o mais novo trabalho da Cia. de Dança Negra-Contemporânea Kina Mutembua.

A iniciativa é patrocinada pela Shell e narra a chegada dos povos africanos ao território brasileiro e a construção de uma cultura marcada pela criatividade e pela resistência. A capoeira tem destaque no espetáculo, sendo apresentadas coreografias de Yuna e São Bento. 

O espetáculo também introduz a coreografia Intore, desenvolvida em cooperação com o Ballet Nacional de Ruanda e financiada pela Unidade Especial de Cooperação Sul-SUl do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) de Nova Iorque.

O espetáculo é dividido em três momentos:

  1. Pássaro: momento lírico onde o balé de duas aves é apresentado por meio dos movimentos da capoeira
  2. Pé de berimbau: celebrando os mestres de capoeira do presente e os ancestrais
  3. Berimbau: momento em que a força do tambor e da dança africana se expressa em sua plenitude

A Cia. de Dança-Negra Contemporânea Kina Mutembua  integra a Ong Ação Comunitária do Brasil do Rio de Janeiro fundada há 45 anos, e que atua na área de qualificação profissional e geração de renda através do estímulo ao trabalho associativo, ao fomento à produção solidária e ao desenvolvimento de formas alternativas de geração de renda para moradores de comunidades de baixa renda da cidade do Rio de Janeiro.

Agenda de outubro: Salvador

 

Fonte: http://www.minasdeideias.com.br/

Mostra fotográfica conta a história da capoeira

O esporte, a música, o corpo, a luta e a tradição cultural afro-brasileira. São essas características que traçam a Capoeira – desenvolvida no país por escravos africanos no Brasil Colônia.

A capoeira ganhou espaço na produção do livro “Capoeira: luta, dança e jogo da liberdade”, patrocinado pela Caixa. A partir do livro, a Caixa Cultural Sé realiza a mostra fotográfica, que leva o mesmo nome do livro, com a reunião de imagens de Debret, Pierre Verger e do fotógrafo André Cypriano.

“Capoeira: luta, dança e jogo da liberdade” fica em cartaz entre 23 de julho e 18 de setembro, com a entrada Catraca Livre. Na mostra, o público encontra a história da capoeira, desde seu surgimento, no período colonial até os dias atuais. Além da questão histórica, a exposição ressalta o valor social da arte, mostrando trabalhos desenvolvidos por organizações com crianças e jovens de baixa renda.

 

Serviço:

O Que: Capoeira
Quando: de 23/07 a 18/09

Terças, Quartas, Quintas, Sextas, Sábados e Domingos das 09:00 às 21:00

Confira todas as datas
Quanto: Catraca Livre

Onde: Caixa Cultural Sé
http://www.caixacultural.com.br
Praça da Sé, 111 – Sé
(11) 3107-0498

As informações acima são de responsabilidade do estabelecimento e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.

Bahia: Mestre Bigodinho e Ação Solidária

Mestre Bigodinho está se recuperando de uma fratura na perna e está impedido de se locomover e, consequentemente, de trabalhar.
Por isso, queremos formar uma corrente pra poder ajudá-lo nesse momento.
Se cada um que entende o valor do Mestre fizer um pouquinho, acho que poderemos ‘amaciar’ este momento que ele vive. 

As seguintes ações podem gerar bons frutos:

– Promover em seu grupo/espaço algum evento (roda, oficina, sessão de filme, festa, feijoada) que possa arrecadar algum dinheiro para reverter ao Mestre;
– Comprar o cd (unidade ou caixa) de Mestre Waldemar que tem como responsável o Teimosia que propõe doar a renda das vendas para o Mestre.


E-mail para pedidos de cds : cdmestrewaldemar@gmail.com
– Comprar o dvd “Tributo ao Mestre Bigodinho” atravês do Atelier de Mestre Lua Rasta. A renda das vendas também é revertida para o Mestre.
E-mail para pedidos de dvds : atelierlua@hotmail.com

– Fazer visitas ao Mestre, pois se sentir sozinho em um momento como este é muito ruim.

O contato do Mestre é feito atravês de sua filha Joanice no telefone : (71) 3257 98 05 ou 8854 56 80

O CD “MESTRE WALDEMAR, EU CANTEI A CAPOEIRA” contém gravações do grande mestre da Pero Vaz e alunos, no ano de 1951.
À época, foram realizadas pelo pesquisador americano Anthony Leeds e descobertas na Universidade de Indiana, EUA. 
Contém ainda gravações e depoimentos do mestre, oriundas de uma roda na casa do Mestre Itapoan em comemoraçãoao aniversário de Mestre Paulo dos Anjos (1989).

O DVD “TRIBUTO A MESTRE BIGODINHO” intercala trechos dos depoimentos de M.Bigodinho com imagens da rica cultura de Acupe no Recôncavo baiano : o Bando
Anunciador, Burrinha, Negôs fugidos, Samba de roda, Maculêlê e Capoeira se unem em homenagem ao velho Mestre. Com inumeras intervenções, o calderão cultural encanta 
as ruas de Acupe.


É, mais uma vez, preocupante o que acontece com os mestres de capoeira no Brasil. Enquanto mil processos, onde rios de dinheiro são gastos para contratação de profissionais que, muitas vezes, nem capoeiristas são para “decidir” o destino da capoeira como patrimônio histórico, nossos verdadeiros patrimônios (os guardiões da cultura como os intelectuais mesmo gostam de chamar) estão aí sem apoio, sem qualquer suporte do poder público em momentos como este, e que acontecem a todo instante. 
Cabe aos capoeiristas, a galera que sente e sabe o que é o caminho de um mestre de capoeira tomar atitudes que possam, pelo menos, amenizar o sofrimento de alguém que foi capoeirista a vida toda e que agora, tem dificuldades para comprar os remédios caríssimos que lhe são receitados, manter as contas da casa em dia e até mesmo poder ser cuidado e alimentado dignamente.
Por essas e por outras, pedimos o seu apoio. E não dá pra demorar. É hora é hora. 

Entrem em contato, quem puder ajudar!


Obrigado”

Mestre Lua Rasta

Osasco: Tarde dos Cantadores

Estaremos realizando no dia 19 de Setembro mais uma edição da “Tarde dos Cantadores”, que ano passado levou um grande público, entre capoeiristas, simpatizantes, familiares e amigos, ao Clube Palmeiras. Este ano vamos levar a nossa festa a Osasco, contando com a presença de todos que ano passado engrandeceram a nossa festa.

Como no ano anterior toda a renda será revertida para a reconstrução do CEMB – Centro Educacional Mestre Bimba – as obras estão a todo vapor, muita coisa já foi feita, mas muita coisa ainda vem por ai. Venham celebrar a música da capoeira, a cultura brasileira!

Ingressos R$ 10,00

Toda a renda será revertida para a reconstrução do CEMB

Obs. Lançamento do CD do Boa Voz – 3 vol.

Local:
Centro de Eventos Pedro Bortolosso
Av. Visconde de Nova Granada, 513
Jd. Alvorada
Osasco – São Paulo – Brasil

Instrutor Lampanche
ABADÁ-CAPOEIRA

Itaporã conquista Ponto de Cultura

Itaporã – Projeto vai promover oficinas de dança, canto coral, capoeira e artesanato para toda a comunidade

O município de Itaporã foi contemplado com o programa Ponto de Cultura, que é uma parceria entre governo Federal e Governo do Estado de Mato Grosso do Sul. O projeto denominado Movimento de Arte e Cultura de Itaporã (Maci) tem por objetivo promover oficinas de dança, canto coral, capoeira e artesanato. O público-alvo a ser beneficiado é preferencialmente crianças e jovens, onde o objetivo é ampliar a participarão e difusão destes na cultura de forma integrada ao desenvolvimento socioeconômico sustentável de Itaporã.

O projeto representa uma forma de poder proporcionar às crianças e jovens, o acesso em fazer cultura de forma gratuita, contribuindo assim para sua formação enquanto cidadão, para a aquisição de novos conhecimentos, além de promover a integração sociocultural, o aumento da autoestima, possibilitando um leque de oportunidades artísticas, abrindo novos horizontes e alternativas de trabalho e renda.
O projeto, que tem o apoio da Prefeitura de Itaporã, e tem previsão de três anos de duração, devendo atender até 200 crianças e jovens estudantes de escolas públicas (no período inverso da escola).

Serão ministradas oficinas de dança, canto coral, capoeira e artesanato, visando a promover a iniciação da formação de artistas, de futuros agentes culturais comunitários, com nível de aprendizado cultural satisfatório, propícios a construírem alternativas futuras de trabalho e renda, e promover o desenvolvimento integrado socioeconômico de Itaporã.

A assinatura do convênio junto ao Governo do Estado aconteceu no Auditório da Governadoria, em Campo Grande, na manhã do dia 16 de dezembro, e estiveram presentes o diretor-presidente da Comunidade Porciúncula, Frei Érico, o 1º. secretário da Comunidade, Claudiomisso Alves da Cruz, a coordenadora do projeto Maci, Keile Anne Sampaio e o gerente da Getcel, Nilson dos Santos Pedroso, além do governador André Puccinelli e do presidente da FCMS, Sr. Américo Calheiros.

O diretor-presidente da Comunidade Porciúncula, bem como o gerente da Getcel salientaram a importância de um projeto de tal magnitude, inédito em nosso município, e que irá contribuir incondicionalmente para o desenvolvimento sociocultural e econômico da cidade de Itaporã.

 

Fonte: http://www.progresso.com.br

São Paulo: Homenagem a Mestre Zé de Freitas

Capoeiristas de São Paulo convidam para roda em homenagem a Mestre Zé  de Freitas e gravação de DVD

A história da capoeira não está nos livros, mas na cabeça de muitos mestres antigos e de quem conviveu com eles. Preservar essa história tem a ver com a sobrevivência e o fortalecimento da capoeira e também com o cuidado com esses mestres. No domingo, 16, a capoeiragem de São Paulo vai se reunir para conhecer um pouco mais sobre  Mestre Zé de Freitas, baiano de Alagoinhas e um dos precursores da capoeira no estado. O encontro acontecerá a partir das 11h, na Escola Vera Cruz, e irá resultar em um DVD sobre o Mestre.

Em uma mesa redonda, capoeiristas e pessoas próximas do Mestre Freitas contarão histórias e memórias de fatos ocorridos com ele, que treinou com Waldemar da Paixão e que chegou em São Paulo em 1959, voltando para sua terra Natal em 1999. Logo após os relatos, Mestre Brasília ministrará uma aula de capoeira, que servirá de aquecimento para uma grande roda em homenagem a Zé de Freitas. Será cobrada uma entrada de R$ 10 por pessoa, com renda destinada ao homenageado. Haverá ainda uma apresentação sobre a Ação Griô, com projetos de resgate da memória da capoeira, feita por Mestre Alcides.

Mestre Zé de Freitas

Ao longo dos 40 anos que viveu na capital paulista, Zé de Freitas foi uma figura importante para o desenvolvimento da capoeira na cidade. Ele foi aglutinador dos capoeiristas. Suas aulas no CMTC Clube, onde além de capoeira ensinava luta livre, tornaram-se referência para os que chegavam na cidade. Foi ali que capoeiristas como Mestre Brasília, Mestre Suassuna, Mestre Joel se encontraram pela primeira vez. Foi com ele também que Mestre Pinatti, um dos poucos paulistas que se dedicava à capoeira nos anos 60, consolidou seu aprendizado de capoeira e encontrou-se com os baianos.

Mestre Freitas também participou de novelas; trabalhou como segurança de Manoel da Nóbrega, o principal humorista da Praça da Alegria; foi um dos treinadores do jogador Pelé para o filme A marcha de Chico Bondade, de 1972. Também em São Paulo fundou sua academia, a Associação de Lutas Unidas Capoeira Freitas, no bairro do Sapopemba.

Hoje, aos 83 anos, completados em abril, Mestre Zé de Freitas já não ensina por conta de problemas com a visão. No domingo, 16, parte da sua história estará sendo contada e seu legado revivido. Todo o material do encontro de domingo será gravado e usado na produção de um DVD sobre sua obra. O DVD será vendido e a renda revertida para o Mestre, que, a exemplo de muitos outros, como Pastinha e Bimba, chegaram à sua velhice sem boas condições financeiras.

Serviço

O que: Roda em homenagem a Mestre Zé de Freitas

Quando: domingo, 16 de agosto de 2009 – das 11h às 15h

Onde: Escola Vera Cruz – Rua Baumann, 73 – Vila Leopoldina (próxima ao Ceagesp)

Valor: R$ 10 (a renda será destinada ao Mestre)

Programa:

11h – Mestre Alcides e a Ação Griô

11h30 – Mesa redonda sobre Mestre Freitas

12h30 – Aula com Mestre Brasília

13h30 às 15h – Roda de Capoeira

Maiores informações: (11) 93953907 com Mestre Brasília

Senador propõe que prática de capoeira, recomendada por médico, seja deduzida do Imposto de Renda

Brasil: Papaléo propõe que prática de exercício físico recomendado por médico seja deduzida do Imposto de Renda
Despesas com aulas de natação, dança, capoeira, ioga e artes marciais poderão ser deduzidas do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) caso sejam recomendadas por médico como tratamento de saúde. Essa é a proposta de projeto de lei (PLS 340/07) de autoria do senador Papaléo Paes (PSDB-AP) que está pronto para ser votado em decisão terminativa na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE). O relator é o senador Neuto de Conto (PMDB-SC), que já entregou minuta de relatório favorável ao projeto.

A proposta inclui nas deduções do Imposto de Renda os pagamentos efetuados para professores de educação física, academias de atividade físicas, desportivas, ou de natação, escolas de esportes, academias de dança, de capoeira, de ioga ou de artes marciais, mas apenas quando a atividade for indicada em laudo médico, após diagnóstico.

Na justificativa do projeto, Papaléo afirma que tais atividades físicas, ao lado da fisioterapia, vêm sendo usadas como complemento de tratamentos médicos. O senador ressalta que o objeto da proposta é "o exercício físico ministrado sobre orientação profissional por expressa recomendação médica, como terapia integrante de um tratamento claramente definido em laudo".

Atualmente, despesas com médicos, dentistas, psicólogos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais, hospitais, exames laboratoriais, serviços radiológicos e próteses e aparelhos ortopédicos e dentários podem ser deduzidas, bem como a maioria das despesas com educação.

Fonte: Augusto Castro / Agência Senado – http://www.senado.gov.br

Acre: Uma proposta social de capoeira

Manifestação da cultura afro-brasileira como instrumento para a inclusão social e para uma vida saudável
 
Contemplado pela Lei Municipal de Incentivo à Cultura, o projeto “Uma Proposta Social de Capoeira”, realizado pelo Mestre Xandão, propõe a acesso a uma vida mais saudável e produtiva por meio da prática da capoeira. O projeto acontece a 15 anos, com uma história bem próxima à história da capoeira no Acre, construído em função de comunidades carentes, envolvendo principalmente adolescentes, jovens e adultos em situação de vulnerabilidade social. A Proposta Social de Capoeira consiste na promoção de aulas de capoeira, cursos, encontros e outros meios de formação a fim de difundir manifestações da cultura afro-brasileira e proporcionar aos envolvidos a capacitação para geração de renda a partir da cultura.
Segundo o realizador, o projeto exerce o papel de manter os atendidos longe da violência e dos perigos gerados pelo uso e/ou tráfico de drogas, livres do risco de contração de doenças geradas pelas condições sociais e econômicas desfavoráveis. “Prova disso é o fato que 15 dos instrutores que trabalham hoje na sede e nos núcleos existentes na cidade tiveram seu primeiro contato com a capoeira através dos projetos como esse”, explica Xandão.
 
Hoje, o espaço da Associação Cultural e Desportiva Cordão de Ouro – Acre / CDO-AC é uma referência para comunidades de baixíssima renda – a maioria absoluta de alunos é não-pagante. “Com isso buscamos continuamente meios para garantir o atendimento desse público cada vez mais crescente e que já se apropriou do lugar. A Lei Municipal de Incentivo à Cultura é uma alternativa para fortalecer o projeto”, diz.
 
Valorizando e preservando a cultura
 
O Mestre salienta que a capoeira e outras manifestações da cultura afro-brasileira, como os folguedos (maculelê, samba de roda, puxada de rede), as danças e os cantos, são cada vez mais usados como ferramentas sócio-educativas, para correção de males sociais perversos provocados pelas desigualdades, males esses que geram o preconceito, a intolerância, a violência, a exclusão. “A importância de nosso trabalho cresce por ter como eixo a promoção de ações que visam não só a inclusão social e o sucesso dos nossos alunos – desfavorecidos socialmente e em situação de vulnerabilidade social, mas também a preservação e a manutenção de bens materiais e imateriais da cultura afro-brasileira, cuidando para preservar suas características ideológicas, históricas e culturais por meio do uso do aprendizado e da valorização”.
 
As aulas e os ensaios acontecem nas terças e quintas-feiras, das 17h30 às 20horas e aos sábados, das 14h às 19horas, no espaço da Cordão de Ouro, localizado na Rua José de Melo, 448, no Bairro Bosque. Mais informações pelo telefone: 99780818.