Blog

retiro

Vendo Artigos etiquetados em: retiro

Caruru e Capoeira na Fazenda Grande!

Evento de Mestre Virgílio comemorou seus 55 anos de capoeira angola

Uma grande festa marcou o aniversário de Mestre Virgílio, e a comemoração dos seus 55 anos de capoeira angola. Realizado no domingo, 20 de dezembro, na Fazenda Grande do Retiro, o evento contou também com o lançamento do CD “Capoeira Angola na Travessia do Mar”, gravado na Austrália em parceria com Mestre Roxinho.

Os trabalhos foram abertos com uma oficina de capoeira angola ministrada por Mestre Roxinho. Edielson da Silva Miranda, iniciado na capoeira angola em 1979 por Mestre Virgílio, é fundador e presidente da Ecamar – Escola de  Capoeira Angola Mato Rasteiro, e reside desde 2006 em Sydney, na Austrália, onde desenvolve o projeto Bantu com crianças e jovens refugiados africanos e aborígenes.

As atividades continuaram com um debate sobre “A Tradição da Capoeira Angola como Educação e Resgate Social”. Iniciada com uma exposição do Mestre Roxinho, a roda de conversa contou com a participação dos mestres Virgílio, Moraes, Jaime de Mar Grande e Gildo Alfinete. A necessidade de preservação das tradições ancestrais, com os sentidos de ritualidade, continuidade e hierarquia, foi ressaltada por todos, que lembraram seus tempos de criança, quando o respeito aos mais velhos era um valor fundamental instituído pela família. As dificuldades para ensinar jovens com famílias desestruturadas, que desrespeitam seus pais e familiares; a resistência que estas crianças e adolescentes têm em relação à disciplina e o papel do Mestre de capoeira angola no resgate e fortalecimento destes valores ancestrais foram consenso entre os mestres. A difícil relação com o Estado, que registrou a capoeira como patrimônio sem ouvir os seus guardiões (que no dia da festa não foram convidados para a mesa, reservada para acadêmicos) também foi apontada pelos presentes, cientes de que a histórica repressão aos capoeiristas continua de outras formas (mais sutis e disfarçadas).

A roda de capoeira angola foi animada e contou com a participação de mais convidados, dentre eles os mestres Pelé da Bomba, Caboré, Uildes, Faísca, Boa Gente, Nal e os contramestres Neguinho e Gutinho. Um delicioso caruru deu força aos presentes para continuar a festa com a participação de músicos convidados.

Virgílio Maximiano Ferreira foi iniciado na capoeira angola por seu pai, o célebre Mestre Espinho Remoso, na década de 50, na Jaqueira do Carneiro, atrás do Retiro. “Ele não tinha escola de capoeira, tinha um quiosque e dia de domingo todos os amigos dele iam lá jogar”, relata Mestre Virgílio. Tendo treinado brevemente com Mestre Caiçara, Virgílio recebeu o título de Mestre de Capoeira Angola das mãos do finado Mestre Paulo dos Anjos, discípulo de Mestre Canjiquinha. Após o falecimento de seu pai, ele começou a dar aulas de capoeira na comunidade da Fazenda Grande do Retiro, na Escola Profissional 1º de maio.

Atualmente, Mestre Virgílio é o presidente da ABCA (Associação Brasileira de Capoeira Angola), entidade fundada em 1987 que reúne os antigos mestres, guardiões desta tradição ancestral. Desde 1998 a ABCA promove anualmente sua Roda da Paz, com o objetivo de promover a união entre os praticantes desta arte-luta. A 12ª Roda da Paz da ABCA será realizada no dia 29 de dezembro de 2009, terça-feira. Após uma breve concentração a partir das 18:00 na sede da entidade (Rua Maciel de Baixo, em frente ao Teatro Miguel Santana) os capoeiristas sairão em cortejo até o Largo de São Francisco, onde será realizada a tradicional roda de capoeira angola. Tod@s estão convidados para esta grande festa. Axé!!!

Paulo A. Magalhães Fº

Jornalista, mestrando em Ciências Sociais
http://lattes.cnpq.br/9776286470259455

Mestre Virgílio: Meio Século de Capoeira

Virgílio Maximiano Pereira, o popular Mestre Virgílio, recebeu nesta segunda-feira 15-09-08, na Câmara Municipal de Salvador, uma homenagem aos seus 50 anos de capoeira. A Sessão Especial será realizada a partir da 18:00 no auditório do Centro Cultural da Câmara e contará com a presença de diversos mestres antigos da ABCA (Associação Brasileira de Capoeira Angola). Fundada em 1989, a ABCA atua na defesa a promoção da capoeira tradicional baiana, e tem Mestre Virgílio como seu presidente.

Mestre Virgílio foi iniciado na capoeira angola por seu pai, o célebre Mestre Espinho Remoso, na década de 50, na Jaqueira do Carneiro, atrás do Retiro. ‘Ele não tinha escola de capoeira, tinha um quiosque e dia de domingo todos os amigos dele iam lá jogar’ relata Mestre Virgílio. Tendo treinado brevemente com Mestre Caiçara, Virgílio recebeu o título de Mestre de Capoeira Angola das mãos do finado Mestre Paulo dos Anjos, discípulo de Mestre Canjiquinha. Após o falecimento de seu pai, ele começou a dar aulas de capoeira na comunidade da Fazenda Grande do Retiro.

Há mais de 30 anos, desenvolve um trabalho social na Escola Profissional 1º de maio, na Fazenda Grande do Retiro. Em relação à homenagem, alegria e reservas: ‘Homenagens são boas, mas passam. Eu preciso hoje é de uma aposentadoria honesta pra levar o resto de minha vida’. A fala de Mestre Virgílio denuncia a sina dos antigos mestres de capoeira, reverenciados em seu auge e abandonados na velhice. Mestre Pastinha, em 1980, seu penúltimo ano de vida, cego, já denunciava: ‘A capoeira de nada precisa. Quem precisa sou eu!’. O registro da capoeira angola como patrimônio cultural brasileiro fortalece uma antiga bandeira de luta da ABCA, a aposentadoria especial para os antigos mestres, além do reconhecimento do seu notório saber para que possam dar aulas em escolas e universidades.

Quem quiser ver mestre Virgílio jogar a capoeira tradicional, que depois da criação por mestre Bimba da capoeira regional, em 1930, passou a ser chamada de capoeira angola, vá à sede da ABCA, na Rua Gregório de Mattos, 38, no coração do Pelourinho. Virgílio com seus velhos companheiros, como mestre Bigodinho, Nô, Boca Rica, Ângelo Romano, Pelé da Bomba, Augusto Januário, Pelé do Tonel, Raimundo Dias e tantos outros, mantém a tradição dos cantos e dos toques de berimbau, na formação da bateria e nos rituais da capoeira-mãe. Todas as SEXTAS FEIRAS ÀS 19 HS.

Paulo A. Magalhães Fº – DRT 11.374
Lucia Correia Lima – DRT 1046