Blog

salvador

Vendo Artigos etiquetados em: salvador

Projeto conta a história da capoeira no bairro Dois de Julho em Salvador

Projeto conta a história da capoeira no bairro Dois de Julho em Salvador

O projeto Vadiando começou as suas atividades no bairro do Dois de Julho, Centro de Salvador, no dia 05 de dezembro. O Centro de Estudos Afro Orientais (CEAO), pertencente à Universidade Federal da Bahia, recebeu o evento gratuito, que trouxe como mote, o imaginário simbólico da capoeira no bairro, os mestres que ali viveram e vivem, as rodas de capoeira e as curiosidades em torno dessa cultura popular. E, seguindo a definição do termo “vadiar”, dentro da capoeira, que significa jogar por lazer, descontrair, interagir com os camaradas, o projeto contará a história do bairro do Dois de Julho, através do contexto simbólico da capoeira, lembrando os mestres que ali viveram, as rodas e curiosidades sobre esta temática.

No evento inaugural, em dezembro, aconteceram palestras sobre “A capoeira como instrumento de desenvolvimento local”, ministrada pelo coordenador, Luís Alencar; “Políticas Públicas para a Capoeira”, ministrada por Magnair Barbosa, gerente de Patrimônio Cultural da Fundação Gregório de Mattos (FGM); “Capoeira e Tecnologia”, com o contramestre Veru Filho, criador do aplicativo “Iê Capoeira”; além de intervenções com músicas afro-brasileiras e a leitura de poesias.

Com patrocínio da FGM, apoio do Centro de Estudos Afro Orientais – CEAO/UFBA, e do comércio local, após três meses de projeto, com oficinas regulares às segundas, quartas e sextas, as aulas serão finalizadas no próximo dia 23 de março. O projeto ofereceu oficina de “Capoeira – Educação”, ministrada pelo contramestre Veru Filho, e “Educação Artística”, ministrada pela capoeirista e arte educadora Nildes Sena, que teve a finalidade de contar a história do bairro do Dois de Julho, tendo como mote o imaginário simbólico da capoeira no lugar.

Projeto conta a história da capoeira no bairro Dois de Julho em Salvador Capoeira Portal Capoeira

Com todo o material produzido durante as aulas, o público atendido no projeto – um grupo crianças e jovens da comunidade – irá apresentar o resultado final de toda a aprendizagem. Entre os dias 26 e 28 de março, sempre a partir das 18 horas, na Casa do Benin, acontecerá uma grande mostra artística envolvendo todos esses alunos e a comunidade, fazendo parte, inclusive, da programação cultural do aniversário de Salvador.

Na abertura da mostra artística, haverá evento solene para gestores públicos, mestres de capoeira e pesquisadores da cultura popular, quando será lançada a Cartilha Digital, que contará a história da capoeira no bairro do Dois de Julho. Essa cartilha é resultado de uma pesquisa realizada pelo Contramestre Sem Terra, cientista social e etnógrafo. Além disso, a programação dos demais dias envolverá a exibição de uma projeção audiovisual, mostrando entrevistas com mestres de capoeira que atuam no Dois de Julho e equipe do projeto; e um espetáculo cênico, onde alunos do projeto atuarão.

Sobre a Associação:

A Associação Cultural Arte Baiana Capoeira foi criada no ano de 1989, pelo Mestre Malícia, na cidade de Belmonte, no interior da Bahia, onde até hoje está localizada a sede do grupo. Muitos alunos passaram pela associação, mas no ano de 1992, Veru Filho iniciou seus estudos com o Mestre Malícia, e chegou para levar adiante o nome da instituição. Por conta dos estudos, Veru Filho, veio morar em Salvador, e começou a treinar com o Mestre Alabama. Alguns anos se passaram, e em 2014, Veru inicia em Salvador, um trabalho com a Associação Cultural Arte Baiana Capoeira, na comunidade da Vila Brandão e no Dois de Julho. Com a finalidade de fomentar o empreendedorismo social na capoeira, Veru Filho, que além de contramestre é educador físico, vem buscando aumentar o reconhecimento da capoeira na sociedade, potencializar a geração de recursos para os grupos de capoeira e, por fim, a inclusão produtiva de indivíduos e grupos sociais que se encontram em situação de vulnerabilidade social.

SERVIÇO:

O QUÊ: Vadiando no Dois de Julho – Lançamento da Cartilha Digital e Mostras

QUANDO: 26 a 28 de março de 2018, a partir das 18 horas

ONDE: Casa do Benin – Baixa dos Sapateiros, 7 – Pelourinho
VALOR: Gratuito

 

Por: Pietro Raña: pietro.rana@pipacomunicacao.com.br

Bibinha e Gugu Quilombola, conquistam título do Red Bull Paranauê

A Baiana Bibinha e o Paulista Gugu Quilombola, conquistam título do Red Bull Paranauê em Salvador – Bahia.

Em evento no Farol da Barra, Joseph ‘Gugu’ e Jubenice ‘Bibinha’ foram eleitos os mais completos na arte da capoeira

Sob uma ‘lua’ de 37 graus, em frente a um dos monumentos ícones da Bahia, a capoeira confirmou sua universalidade. Quando um paulista radicado na Alemanha e uma baiana do Nordeste de Amaralina mostram que entendem bem do paranauê, está provado que a arte-luta-dança consegue dois feitos: ao mesmo tempo ultrapassa fronteiras e mantém suas origens.

Ao conquistarem o título de campeões do Red Bull Paranauê, Joseph Augusto dos Santos “Gugu”, 32 anos, e Jubenice de Oliveira Santos “Bibinha”, 34, se tornaram os capoeiristas mais completos do mundo. Tanto nas três qualificatórias quanto na final deste sábado, os mais de 300 capoeiristas (de 15 estados e outros cinco países) tiveram que mostrar suas habilidades em três dos principais segmentos da Capoeira – Angola, Regional e Contemporânea.

csm_capoeira01_a6c350de69

Em todos os duelos, os capoeiristas se reuniram no centro do palco e sortearam dois toques para serem jogados: Toque de Banguela (representando a Capoeira Regional); Toque Jogo de Dentro (representando a Capoeira Angola); e Toque São Bento Grande Regional (representando a capoeira Contemporânea). Identificados por braçadeiras de cores diferentes, os 16 finalistas (divididos nas categorias masculina e feminina) foram julgados por três mestres renomados: Mestre Nenel (Regional); Mestre Jogo de Dentro (Angola); e Mestre Paulinho Sabiá (Contemporânea).

“Nasci dentro da capoeira. Jogo capoeira todos os dias da minha vida. É a minha inspiração”, disse Gugu, que, como todo bom capoeirista, gosta de deixar claro de quem herdou a arte. “Iniciei com mestre Miguel, que tinha um discípulo chamado Paulão. Mestre Paulão é meu mestre até hoje. Agradeço muito a ele”, disse Gugu, casado com uma alemã, pai de quatro filhos e mestre de 300 capoeiristas. Nas finais, Gugu e Bibinha superaram quatro competidores cada. Ele, natural de São Paulo, mora na Alemanha há quase três anos, onde coordena um dos núcleos de sua academia, com origem na capital paulista. Na verdade, seu primeiro contato com a capoeira foi com mestre Miguel Machado, do sul da Bahia. Por isso, depois de vencer o baiano Nahuel Mingote “Guaxini do Mar”, Gugu largou em alto e bom som no microfone: “Ê, Bahia!”. Aos 6 anos de idade, menino curioso, ia espiar as rodas da Praça da República. Não parou mais.

No final das contas, o objetivo do evento é justamente, mostrar a universalidade da capoeira e manter sua essência, perpetuando ensinamentos de nomes como Bimba, Pastinha, Waldemar, Cobrinha Verde, João Grande, João Pequeno e tantos outros. “A capoeira está presente em mais de 170 países, mas tudo aqui é baseado em muito estudo, sempre com a preocupação de manter as tradições”, garantiu Jair Oliveira de Faria Junior, o Mestre Sabiá, curador do Red Bull Paranauê.Já Bibinha nasceu em um bairro que se tornou berço da capoeira Regional. Foi no Nordeste de Amaralina que Mestre Bimba desenvolveu a modalidade. Na final, Bibinha venceu outra baiana: Jailane Graziele “Guerreira Lane”, do Subúrbio Ferroviário. Nos últimos dias, dividiu as atenções do treino com trabalho, estudos e as tarefas de mãe da pequena Dandara. “Muita luta, muita dedicação. Devo essa força à capoeira. Agradeço por ter nascido em um bairro que tem uma roda de capoeira em cada esquina. Comecei com mestre Crush”.

 

Assista, à final mundial do Red Bull Paranauê!

 

Gugu Quilombola, integrou recentemente a Equipe de Colaboradores do Portal Capoeira, onde Mantém o seu canal de vídeos.

 

Fonte: http://www.correio24horas.com.br

Fotos: Mauro Akin Nassor/CORREIO

RED BULL PARANAUÊ 2018

Salvador recebe segunda edição da competição que busca o “capoeirista mais completo do mundo”

Se em 2017 o campeonato movimentou Salvador, para o próximo ano promete muito mais! Já com data marcada, o Red Bull Paranauê acontecerá no dia 3 de março, em frente ao Farol da Barra. Com um formato semelhante ao de sua primeira edição, a competição busca o capoeirista mais completo do mundo, ou seja, aquele possui mais habilidades em três dos principais segmentos da Capoeira: Angola, Regional e Contemporânea.

A grande novidade para 2018 é que as mulheres terão uma categoria separada. Nada mais justo, depois da baiana Débora Santos, conhecida como Pérola, representar muito bem o sexo feminino neste ano, tendo sido a única mulher a disputar o título contra outros 14 finalistas.

 

RED BULL PARANAUÊ 2018
Farol da Barra – Salvador

Red Bull Paranauê 2018 está com inscrições abertas e vem com novidade, as mulheres terão uma categoria separada. A competição, como na 1ª edição, busca o capoeirista mais completo do mundo, ou seja, aquele possui mais habilidades em três dos principais segmentos da Capoeira: Angola, Regional e Contemporânea.

Você pode se inscrever em qualquer uma das seletivas locais, mesmo não morando na cidade em questão, exceto na seletiva Mundo – exclusiva para atletas que moram fora do Brasil. 

 

Lembre-se: só é permitida uma inscrição/participação por atleta.

  • Seletivas Femininas (etapas Rio e SP já aconteceram)
  • Salvador: 26 de fevereiro – local a definir – Inscreva-se AQUI
  • Mundo: 26 de fevereiro – local a definir – Inscreva-se AQUI.
  • Seletivas Masculinas (etapas Rio e SP já aconteceram)
  • Salvador: 27 de fevereiro – local a definir – Inscreva-se AQUI. (ESGOTADO)
  • Mundo: 27 de fevereiro – local a definir – Inscreva-se AQUI.

 

RED BULL PARANAUÊ 2018 Capoeira Eventos - Agenda Portal Capoeira 1 RED BULL PARANAUÊ 2018 Capoeira Eventos - Agenda Portal Capoeira 2

Regras:

1. DESCRITIVO DO EVENTO RESUMIDA

O Red Bull Paranauê é uma competição voltada para capoeiristas, independentemente do seu estilo/segmento. O objetivo do Red Bull Paranauê é encontrar o capoeirista com maior conhecimento técnico e de performance entre os toques de capoeira propostos. Para isso, a competição conta com um corpo de 3 grandes jurados (Mestres), que avaliarão o jogo entre os Capoeiristas e escolhendo imediatamente quem avança de fase até a final, obtendo assim um vencedor.

Para o Red Bull Paranauê serão selecionados 16 Capoeiristas, 08 para categoria feminina e 08 para masculina. Não há restrição de gênero e pode participar qualquer Capoeirista com idade igual ou maior a 18 anos. Poderão se inscrever para participar do evento todos os níveis de Capoeristas com exceção de Mestres.

Ler Mais…

 

Com a palavra Mestre Sábia:

No dia 27/02 acontecerá a seletiva Bahia Masculina, foram abertas mais vagas, escrevam-se no e venha participar!!!!
Tá chegando a hora!

#redbullparanue #táchegandoahora #vaiterdendê#salvadorbahia

Bahia: Festival Internacional de Capoeiragem – CTE

Santo Antônio Além do Carmo recebe Festival Internacional de Capoeiragem

Evento será de 18 a 21 e terá participação da nação mundial da capoeira.
Atividades e oficinas gratuitas serão realizadas durante programação.

A Capoeira é hoje uma das mais importantes manifestações da cultura afro-brasileira. É para celebrar esse rico legado que o Instituto CTE Capoeiragem (Centro de Treinamento e Estudos da Capoeiragem) realiza a 6ª edição do ‘Festival Internacional de Capoeiragem’. Do dia 18 a 21 de janeiro de 2017, acontecerão diversas rodas de capoeira, apresentações, oficinas, vivências, bate-papo, oficina de percussão e espaço criança, com a participação de capoeiristas, mestres, pesquisadores e interessados de, mais de 20 países.

O local não poderia ser mais apropriado, Forte da Capoeira, no histórico bairro Santo Antônio Além do Carmo.

O evento, que reúne mestres renomados e capoeiristas de 20 nacionalidades, é promovido Instituto Centro de Treinamento e Estudos da Capoeiragem (CTE) em parceria com a Caderno 2 Produções.

“A capoeira está em mais de 170 países. Austrália,Estados Unidos, Bélgica, Alemanha são alguns deles”, afirma Ricardo Santos Carvalho, conhecido no mundo capoeira como Mestre Balão, idealizador e anfitrião do Festival.

“Salvador é a capital da capoeira. Os grandes mestres vieram daqui”, conta o mestre que luta capoeira há cerca de 32 anos.

 

As inscrições para as Oficinas de Capoeira, vivências e tour capoeirístico podem ser feitas por meio da internet. Parte do recurso arrecadado com as inscrições será revertido para as ações sociais do Instituto CTE Capoeiragem.

 

PROGRAMAÇÃO:

Dia 18/01 (quarta)
Abertura oficial do 6º Festival Internacional de Capoeiragem
Horário: 19h
Local: Forte da Capoeira

19/01 (quinta)
Oficina 1 – 16h às 17h30
Oficina 2 – 18h às 19h30
Mestres Oficineiros: Nenel e Paulinho Sabiá
Vivência “Os Mestres da Bahia e suas cantigas” – 20h às 21h30
Mestres: Pelé da Bomba, Gajé (Mercado Modelo) e Jairo (Terreiro de Jesus)
Local: Forte da Capoeira

Atividades gratuitas
Oficina de Percussão – 15h às 16h

Aulas para crianças “Espaço Criança” – 16h às 17h e 17h às 18h

20/01 (sexta)
Oficina 1 – 16h às 17h30
Oficina 2 – 18h às 19h30
Mestres Oficineiros: Nô e Balão
Vivência “A Capoeira e o Samba do Recôncavo” – 20h às 21h30
Mestres: Felipe e Nelito de Santo Amaro
Local: Forte da Capoeira

Atividades gratuitas
Oficina de Percussão – 15h às 16h
Aulas para crianças “Espaço Criança” – 16h às 17h e 17h às 18h

21/01 (sábado)
Tour Capoeirístico
Horário: 9h às 12h
Local: Centro Histórico de Salvador
*Ponto de encontro no Elevador Lacerda, saída às 9h.

Batizado/Troca de graduação/Formatura
Horário: 15h

Encerramento
Horário: 18h

Nas atividades como aulas de percussão, aulas para crianças no “Espaço Criança”, shows de abertura e encerramento, serão de acesso gratuito para maiores de idade ou menores devidamente acompanhados pelos responsáveis legais.

 

Fontes:

http://g1.globo.com/
http://atarde.uol.com.br/

https://www.facebook.com/FestivalCapoeiragem/

Salvador: 29 Grupo Internacional de Capoeira Topazio

29º Batizado de Capoeira acontece durante Encontro Internacional

A 29ª edição do Batizado do Grupo Internacional Capoeira Topázio acontece no Teatro do Isba, em salvador, no próximo dia 21 de dezembro, em meio ao Encontro Internacional Capoeira Topázio, que este ano, comemora os 25 anos do grupo nascido na capital baiana e que chegou a 25 países com cerca de 15 mil alunos.

Com passagens pelo Grupo Terra Samba; pelo show americano Q’Viva!the Chosen, apresentado por Jennifer Lopez e por Marc Anthony, com direção de Jamie King e pelo Cirque Du Soleil o Grupo Internacional Capoeira Topázio segue com o seu Encontro iniciado hoje, 19, até o próximo dia 22 de dezembro, em diversos pontos de Salvador.

O grupo também é o responsável pela montagem do Show Folclórico Topázio, que já levou o folclore brasileiro para países da Europa, Ásia e Oceania e fica em cartaz, até a Copa do Mundo de 2014, no O Coliseu, localizado o pelourinho, em Salvador.

Fonte: http://www.tribunadabahia.com.br

Pierre Verger

 

Sua obra fotográfica, baseada nas mais de 64.000 fotografias cadastradas em seu acervo, foi construída a partir das viagens que ele fez aos cincos continentes entre o ano de1932 e o final dos anos 1970. Nos primeiros anos, suas fotos foram publicadas apenas em livros de viagens, jornais e revistas franceses e, a partir do final dos anos 30, suas fotos foram utilizadas também em publicações de países de língua inglesa, espanhola e alemã. Nessas primeiras publicações, ele contribuiu apenas como fotógrafo, não interferindo na concepção e produção dos textos.

 

Biografia:

Pierre Edouard Léopold Verger (1902-1996) foi um fotógrafo, etnólogo, antropólogo e pesquisador francês que viveu grande parte da sua vida na cidade de Salvador, capital do estado da Bahia, no Brasil. Ele realizou um trabalho fotográfico de grande importância, baseado no cotidiano e nas culturas populares dos cinco continentes. Além disto, produziu uma obra escrita de referência sobre as culturas afro-baiana e diaspóricas, voltando seu olhar de pesquisador para os aspectos religiosos do candomblé e tornando-os seu principal foco de interesse

Verger nasceu em Paris, no dia quatro de novembro de 1902. Desfrutando de boa situação financeira, ele levou uma vida convencional para as pessoas de sua classe social até a idade de 30 anos, ainda que discordasse dos valores que vigoravam nesse ambiente. O ano de 1932 foi decisivo em sua vida: aprendeu um ofício – a fotografia – e descobriu uma paixão – as viagens. Após aprender as técnicas básicas com o amigo Pierre Boucher, conseguiu a sua primeira câmera fotográfica, uma Rolleiflex. Com o falecimento de sua mãe, sua última parente viva, Verger decidiu se tornar naturalmente um viajante solitário e levar uma vida livre e não conformista. Apesar de esse desejo ter surgido tempos antes, Verger tomou essa decisão apenas após a morte da mãe no intuito de não magoá-la.

De dezembro de 1932 até agosto de 1946, foram quase 14 anos consecutivos de viagens ao redor do mundo, sobrevivendo exclusivamente da fotografia. Verger negociava suas fotos com jornais, agências e centros de pesquisa. Fotografou para empresas e até trocou seus serviços por transporte. Paris, então, tornou-se uma base, um lugar onde revia amigos – os surrealistas ligados a Prévert e os antropólogos do Museu do Trocadero – e fazia contatos para novas viagens. Trabalhou para as melhores publicações da época, mas como nunca almejou a fama, estava sempre de partida: “A sensação de que existia um vasto mundo não me saía da cabeça e o desejo de ir vê-lo me levava em direção a outros horizontes”, afirmou ele.

As coisas começaram a mudar no dia em que Verger desembarcou na Bahia. Em 1946, enquanto a Europa vivia o pós-guerra, em Salvador era tudo tranquilidade. Ele foi logo seduzido pela hospitalidade e riqueza cultural que encontrou na cidade e acabou ficando. Como fazia em todos os lugares onde esteve, preferia a companhia do povo e dos lugares mais simples. Os negros, em imensa maioria na cidade, monopolizavam a sua atenção. Além de personagens das suas fotos, tornaram-se seus amigos, cujas vidas Verger foi buscando conhecer com detalhes. Quando descobriu o candomblé, acreditou ter encontrado a fonte da vitalidade do povo baiano e se tornou um estudioso do culto aos orixás. Esse interesse pela religiosidade de origem africana lhe rendeu uma bolsa para estudar rituais na África, para onde partiu em 1948.

Foi na África que Verger viveu o seu renascimento, recebendo o nome de Fatumbi, “nascido de novo graças ao Ifá”, em 1953. A intimidade com a religião, que tinha começado na Bahia, facilitou o seu contato com sacerdotes e autoridades e ele acabou sendo iniciado como babalaô – um adivinho através do jogo do Ifá, com acesso às tradições orais dos iorubás. Além da iniciação religiosa, Verger começou nessa mesma época um novo ofício, o de pesquisador. O Instituto Francês da África Negra (IFAN) não se contentou com os dois mil negativos apresentados como resultado da sua pesquisa fotográfica e solicitou que ele escrevesse sobre o que tinha visto. A contragosto, Verger obedeceu. Depois, acabou se encantando com o universo da pesquisa e não parou nunca mais.

Apesar de ter se fixado na Bahia, Verger nunca perdeu seu espírito nômade. A história, os costumes e, principalmente, a religião praticada pelos povos iorubás e seus descendentes, na África Ocidental e na Bahia, passaram a ser os temas centrais de suas pesquisas e sua obra. Ele passou a viver como um mensageiro entre esses dois lugares: transportando informações, mensagens, objetos e presentes. Como colaborador e pesquisador visitante de várias universidades, conseguiu ir transformando suas pesquisas em artigos, comunicações e livros. Em 1960, comprou a casa da Vila América. No final dos anos 70, ele parou de fotografar e fez suas últimas viagens de pesquisa à África.

Em seus últimos anos de vida, a grande preocupação de Verger passou a ser disponibilizar as suas pesquisas a um número maior de pessoas e garantir a sobrevivência do seu acervo. Na década de 1980, a Editora Corrupio cuidou das primeiras publicações no Brasil. Em 1988, Verger criou a Fundação Pierre Verger (FPV), da qual era doador, mantenedor e presidente, assumindo assim a transformação da sua própria casa na sede da Fundação e num centro de pesquisa. Em fevereiro de 1996, Verger faleceu, deixando à Fundação Pierre Verger a tarefa de prosseguir com o seu trabalho.

WIKI:

Pierre Edouard Leopold Verger (Paris, 4 de novembro de 1902 — Salvador, 11 de fevereiro de 1996) foi um fotógrafo e etnólogo autodidata franco-brasileiro. Assumiu o nome religioso Fatumbi.

Era também babalawo (sacerdote Yoruba) que dedicou a maior parte de sua vida ao estudo da diáspora africana – o comércio de escravo, as religiões afro-derivadas do novo mundo, e os fluxos culturais e econômicos resultando de e para a África.

Após a idade de 30 anos, depois de perder a família, Pierre Verger exerceu a carreira de fotógrafo jornalístico. A fotografia em preto e branco era sua especialidade. Usava uma máquina Rolleiflex que hoje se encontra na Fundação Pierre Verger.

Durante os quinze anos seguintes, ele viajou os quatro continentes e documentou muitas civilizações que logo seriam apagadas através do progresso. Seus destinos incluíram:

 

  • Taiti (1933)
  • Estados Unidos, Japão e China (1934 e 1937)
  • Itália, Espanha, Sudão, Mali, Níger, Alto Volta (atual Burkina Faso), Togo e Daomé (atual Benim) 1935)
  • Índia (1936)
  • México (1937, 1939, e 1957)
  • Filipinas e Indochina (atuais Tailândia, Laos, Camboja e Vietnã, 1938)
  • Guatemala e Equador (1939)
  • Senegal (como correspondente, 1940)
  • Argentina (1941)
  • Peru e Bolívia (1942 e 1946)
  • Brasil (1946).

 

Suas fotografias foram publicadas em revistas como Paris-Soir, Daily Mirror (com o pseudônimo de Mr. Lensman), Life, e Match.

Na cidade de Salvador, apaixonou-se pelo lugar e pelas pessoas, e decidiu por bem ficar. Tendo se interessado pela história e cultura local, ele virou de fotógrafo errante a investigador da diáspora africana nas Américas. Em 1949, em Ouidah, teve acesso a um importante testemunho sobre o tráfico clandestino de escravos para a Bahia: as cartas comerciais de José Francisco do Santos, escritas no século XIX.

As viagens subseqüentes dele são enfocadas nessa meta: a costa ocidental da África e Paramaribo (1948), Haiti (1949), e Cuba (1957). Depois de estudar a cultura Yoruba e suas influências no Brasil, Verger se tornou um iniciado da religião Candomblé, e exerceu seus rituais.

Definição de Verger sobre o Candomblé: “O Candomblé é para mim muito interessante por ser uma religião de exaltação à personalidade das pessoas. Onde se pode ser verdadeiramente como se é, e não o que a sociedade pretende que o cidadão seja. Para pessoas que têm algo a expressar através do inconsciente, o transe é a possibilidade do inconsciente se mostrar”.

Durante uma visita ao Benin, ele estudou Ifá (búzios – concha adivinhação), foi admitido ao grau sacerdotal de babalawo, e foi renomeado Fátúmbí (“ele que é renascido pelo Ifá”).

As contribuições de Verger para etnologia constituem em dúzias de documentos de conferências, artigos de diário e livros, e foi reconhecido pela Universidade de Sorbonne que conferiu a ele um grau doutoral (Docteur 3eme Cycle) em 1966 — um real feito para alguém que saiu da escola secundária aos 17.

Verger continuou estudando e documentando sobre o assunto escolhido até a sua morte em Salvador, com a idade de 94 anos. Durante aquele tempo ele se tornou professor na Universidade Federal da Bahia em 1973, onde ele era responsável pelo estabelecimento do Museu Afro-Brasileiro, em Salvador; e serviu como professor visitante na Universidade de Ifé na Nigéria.

Verger se apaixonou pela Bahia lendo “Jubiabá” e se tornou amigo das maiores personalidades baianas do século XX, como o próprio Jorge Amado, Mãe Menininha do Gantois, Gilberto Gil, Walter Smetak, Mário Cravo, Cid Teixeira, Josaphat Marinho, dentre outros notáveis. Seu trabalho como fotográfo influênciou notadamente nomes consagrados da fotografia contemporânea como Mário Cravo Neto, Sebastião Salgado, Vitória Regia Sampaio, Adenor Gondim e Joahbson Borges, sendo que este foi seu último assistente, apontado pelo próprio Verger como sucessor natural.

Na entidade sem fins lucrativos Fundação Pierre Verger em Salvador, que ele estabeleceu e continuou seu trabalho, guarda mais de 63 mil fotografias e negativos tirados até 1973, como também os documentos dele e correspondência.

No Brasil, foi homenageado como tema de carnaval (Rio de Janeiro, 1998) do GRES União da Ilha do Governador, cuja letra fala da Trajetória de Pierre Verger a Fatumbi.

Jérôme Souty publicou um ensaio muito documentado sobre a obra e a vida de Verger : Pierre Fatumbi Verger. Do olhar livre ao conhecimento iniciático, São Paulo, Terceiro Nome (446 p., 23 fotos, em português) ; Pierre Fatumbi Verger. Du regard détaché à la connaissance initiatique, Paris: Maisonneuve & Larose, 2007 (520p., 144 fotos, em francês).

 

Bahia: Encontro debate protagonismo da capoeira na educação e cultura

Na próxima terça-feira (18/12), a Ouvidoria da Câmara Municipal de Salvador realiza a audiência O papel dos Mestres de Capoeira na Educação e Cultura. O encontro, a ser realizado das 14h às 18h, acontece no auditório da Biblioteca Pública dos Barris, centro de Salvador. A audiência visa dar continuidade ao debate sobre a importância dos mestres de capoeira no processo de formação educacional e cultural, além de identificar as demandas apresentadas pelos capoeiristas.

Por volta das 18h, após o encerramento da audiência, os participantes poderão conferir uma exposição no Foyer da Biblioteca, com o tema Capoeira. A iniciativa é da Fundação Cultural Palmares.

Coordenado pela ouvidora-geral da Câmara, vereadora Olívia Santana (PCdoB), a mesa do encontro terá as presenças da representante da Fundação Palmares, Verônica Nairobi, do diretor do Departamento de Proteção ao Patrimônio Afro-Brasileiro da Fundação Cultural Palmares, Alexandro Reis, do Mestre Pelé da Bomba, além de representantes da União de Negros pela Igualdade (Unegro).

Para Olívia Santana, o evento é fundamental, pois vai tratar de uma luta histórica dos mestres de capoeira pela sua valorização cultural e profissional. De acordo com a vereadora, os mestres querem espaço no sistema educacional e querem ensinar a capoeira nas escolas, pois acreditam que apenas eles podem fazer isso. “Eles acreditam que essa história de que só professor de Educação Física pode ensinar é um absurdo”, afirma Olívia.

“Os mestres são mestres populares da cultura e a capoeira é uma tradição secular da população negra, além de ser um patrimônio tombado brasileiro. Portanto, nada mais justo do que o sistema educacional reconhecer o mestre como um professor, alguém que pode ter a prerrogativa de ensinar a capoeira nas escolas”, finaliza a vereadora.

 

De Salvador,

Ana Emília Ribeiro

Salvador: 25 Anos do Grupo Topázio

Encontro Internacional de Capoeira acontece em Salvador

O Grupo Capoeira Topázio comemora seu 25º aniversário homenageando o Mestre Dinho

O grupo de capoeira baiano, Topázio, que participou do show Q’Viva the chosen, de Jannifer López, Marc Anthony e Jamie King, apresentado este ano em Las Vegas, promove em Salvador, entre os dias 13 e 16 de dezembro, a 28ª edição do Encontro Internacional Capoeira Topázio.

Na ocasião, o Grupo Capoeira Topázio comemora seu 25º aniversário homenageando o Mestre Dinho, fundador do grupo e o seu filho, o contramestre Rudson, tanto pela luta e perseverança no incentivo à prática da capoeira, pela divulgação da atividade pelo mundo e pelos trabalhos sociais que realiza em Salvador.

Com a proposta de levar golpes de outras artes marciais, a exemplo do boxe e jiu-jitsu à capoeira em nome do aprimoramento técnico e do refinamento da luta, tornando-a mais eficiente, o mestre Dinho criou um estilo único para o grupo. O Tapázio possui filiais na Alemanha, Argentina, Bélgica, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, Holanda, Itália, México, Rússia, Turquia e Emirados Árabes e mais 12 países, além do Brasil, com mais de 17 mil alunos.

Programação completa:
13 de dezembro, das 15h às 20h
Campeonato de Capoeira de Angola e Campeonato de Bateria
Local – Academia Topázio (Ladeira de Santana, em frente ao Shopping Baixa dos Sapateiros)

14 de dezembro, das 12h às 19h
Tour do Mestre Dinho às origens do grupo Capoeira Topázio (das Palafitas à Las Vegas) e a tradicional Roda de Capoeira do Terreiro de Jesus.
Local – O roteiro inclui diversos pontos da cidade, encerrando no Terreiro de Jesus, Pelourinho.

15 de dezembro, das 13h às 18h
TFT – Topázio Fight Team Championship
Local – Colégio Severino Vieira (Nazaré)

16 de dezembro, das 17h às 21h
Batizado, formatura e show folclórico
Local – Teatro do ISBA (Av. Oceânica, 2717, Ondina).

 

Curiosidade: O grupo de capoeira baiano, Topázio, participou do show Q’Viva the chosen, de Jannifer López, Marc Anthony e Jamie King, apresentado este ano (2012) em Las Vegas.

 

Matéria original iBahia
Encontro Internacional de Capoeira acontece em Salvador