Blog

trabalhar

Vendo Artigos etiquetados em: trabalhar

Projeto “Capoeira na escola” comemora 16 anos em Piumhi

Durante esse mês, o Projeto “Capoeira na Escola” comemora 16 anos de existência em Piumhi. O feito surgiu de uma iniciativa do Mestre Zé Reis, vindo de Brasília, e com o apoio do prefeito da época, João Batista Soares, que aceitou o desafio e implantou a novidade.

Zé Reis, na atualidade, ministra aulas de capoeira gratuitamente para as crianças nas escolas municipais de maneira a resgatar a autoestima e cidadania.

No próximo dia 30, a partir das 13h, no Poliesportivo de Piumhi, acontecerá a 10ª Olimpíada Escolar de Capoeira, onde, todas as Escolas Municipais participarão, além da Escola Estadual José Vicente e também do Ciame, de maneira a comemorar a data da iniciativa do projeto.

Esse projeto surgiu devido à necessidade da manifestação de liberdade do cidadão e tem o objetivo de desenvolver ritmo em todas suas formas, bem como trabalhar a desinibição e autoconfiança dos alunos, de maneira a utilizar a capoeira no processo de alfabetização e no aprimoramento da psicomotricidade dos alunos.

Esta proposta fundamenta-se no fato de que a capoeira é um instrumento de educação, privilegiadamente também aborda a cultura nacional.

 

Fonte: Clic Folha – http://www.clicfolha.com.br

AACD: Superação através do Esporte

“Inclusão e Equilíbrio são alguns limites vencidos pelas crianças da AACD através da capoeira…”

Caros amigos, segue a metéria feita pela revista Fácil que será usada no TELETON de 2012, onde a nossa Capoeira é enfatizada como meio de ajuda a portadores de deficiência da AACD.

Aproveito o ensejo também e me ponho a disposição para palestras, workshops e cursos de Capoeira e capacitação para professores e Mestres que queiram trabalhar nesta vertente da nossa Arte Maior a CAPOEIRA.

 

Contatos:

Mestre Júnior – [email protected]

(xxx81)97701889 Tim – 86192109 Oi.

 

AACD: Gabriel José Mesquita Monteiro Dias – Marketing (Recife)  – [email protected]

 

Iê maior é Deus, grande pequeno sou eu

 

 

Mulheres de áreas rurais terão projeto de inclusão socioprodutiva

Trabalhadoras rurais, quilombolas, indígenas, assentadas da reforma agrária, entre outras mulheres baianas, serão atendidas com iniciativas de inclusão socioprodutiva. A ação, fruto de parceria entre a Secretaria Estadual de Políticas para as Mulheres (SPM/BA) e Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), visa promover a autonomia do segmento feminino, que representa 48% da população rural da Bahia, segundo o IBGE.

Um convênio deverá ser assinado entre representantes dos governos Estadual e Federal, ainda este ano, viabilizando o projeto. Entre as atividades previstas estão seminários, assistência técnica rural, emissão de documentos e capacitação para atendimento especializado às mulheres. Também serão oferecidos serviços como abrigamento às vítimas de violência, além de reforço aos equipamentos policiais.

Para a secretária da SPM, Vera Lúcia Barbosa, a iniciativa é oportuna. “É nosso principal projeto, que vai trabalhar com um público prioritário, onde está a pobreza extrema”, argumentou. A representante do governo Federal, Patrícia Mourão, disse que “o objetivo é diminuir a desigualdade entre homens e mulheres no meio rural”, elogiando a boa relação entre Estado e movimento de mulheres da Bahia na atualidade.

 

Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres – SPM

Assessoria de Comunicação – 71 3117-2815

Camila Vieira – (71) 9962 6304

Flávia Azevedo – (71) 9998-0619

Paula Fróes – (71) 8240-2729

Kleidir Costa – (71) 8224-2737

De capoeirista e auxiliar administrativo até virar apenas Roger

Ele já foi ajudante de obra e auxiliar de serviços gerais na empresa de construção do pai, depois vendedor de álbuns de “crianças fotogênicas” em vilas populares, auxiliar administrativo em uma financeira, divulgador e representante de discos na época das grandes gravadoras. Também já foi capoeirista, fez frevo e participou do Balé Popular do Recife por uns dois anos. Tudo isso foi o que ele fez antes de se tornar apenas Roger de Renor, figura recifense mais conhecida por seus programas televisivos e em rádios: primeiro foi o Sopa da Cidade, na antiga Rádio Cidade, depois o Som da Sopa, o Sopa de Auditório e agora o Som na Rural – que está sendo gravado e será exibido em cadeia nacional pela TV Brasil – e o programa Sopa Oi FM, além de ser diretor da TV Pernambuco desde o ano passado.

Um comunicador nato, Roger de Renor não é daquelas pessoas que conseguimos separar entre a figura pública e privada. Ele é um só, que participa da cena cultural do Recife por prazer e que acabou se transformando também em profissão. Além da atuação como dono dos lendários e extintos bares Soparia e Pina de Copacabana, esse cidadão recifense que se destaca onde chega por seu visual – agora, lembra um pirata tatuado e barbado – nos conta quem ele é.

A começar pelo nome, qual seria o nome de batismo de Roger de Renor? Rogério, Rogesvaldo, arrisquei a pergunta. “É Roger de Renor, mesmo. Meu pai se chamava Paulo Renor da Silva, e minha mãe é Maria Tereza Paiva Rosa e Silva. Eu e minhas três irmãs somos ‘de Renor’. Na realidade, o sobrenome dos meus pais era ‘Silva’. Hoje ninguém liga para isso, mas por preconceito com o ‘Silva’, que não tem nada de mais nesse sobrenome, resolveram colocar o ‘Renor’, que na realidade o segundo nome do meu pai, como se fosse Paulo Ricardo, por exemplo.”

Já o seu nome foi uma homenagem que sua mãe quis fazer a um artista circense que ela viu em um circo em Natal (RN). Roger acabou descobrindo que o seu homônimo fez parte do Circo Nerino, famoso na década de 1940, e sobre o qual escreveu o livro Circo Nerino. “E o meu nome é massa porque eu só sabia que minha mãe tinha se inspirado num artista de circo. Mas descobri o livro. Roger era um trapezista do circo. Tu acredita que o livro começa com uma mulher contando da vez que o circo tinha voltado para 
Olinda?” 

E Roger continua: “E uma mulher chega perguntando: ‘Cadê Roger?’ E o cara fala: ‘Roger tá aí’. ‘Ah, Roger tá aí? Então tudo bem.’ E ela entra, paga o ingresso, espera por Roger e não o encontra. Quando ela vai falar para o cara: ‘Você disse que Roger tava aí.’ O cara diz: “Você não viu, não? Ele é palhaço agora.’ Ela tinha conhecido ele como trapezista, ele era o galã do circo, andava em cima dos cavalos, fazia pirâmide humana. Como ele ficou velho, virou palhaço”, conta rindo.

“Ele era a referência que minha mãe tinha de artista de cinema, esse era o cara mais lindo que existia que tinha chegado na cidade de Natal. E o melhor é que eu conheci Roger, quando ele estava com 85 anos, quando ele veio para o Festival de Circo aqui no Recife e eu tinha sido convidado para apresentar o festival. Ele tomou cerveja comigo. E ele disse que tem Roger no Brasil inteiro por causa dele, um pessoal da minha faixa etária. Fiquei gostando ainda mais do meu nome, é uma história bacana.”

Nomes à parte, quem era Roger de Renor antes de se tornar uma das figuras mais conhecidas no cenário musical recifense? “Eu não gostava de estudar, minha escola era quase um colégio integralista. Não gostava de nada na escola, só da turma. No primeiro ano científico, parei de estudar.” Depois de passar por quatro escolas, resolveu fazer supletivo para concluir o Ensino Médio. 

SOPARIA – Nesse tempo também resolveu trabalhar com o pai, que tinha uma empresa de construção civil. “Meus pais não reclamaram, sinto até falta, acho que deveriam ter ficado no meu pé. Eu não sou como meu pai em relação a meu filho. Digo a ele que ele tem que estudar e pronto. Acho que meus pais deveriam ter feito assim. Mas eu fui trabalhar como auxiliar de serviços gerais, fiscalizava obras com meu pai.”

Depois Roger não quis trabalhar mais com o pai. “Virei vendedor de uns álbuns que eram vendidos em vilas populares, de crianças fotogênicas. Na verdade, um fotógrafo dizia que estava tirando foto para uma revista. Mas era tudo mentira. Depois de revelarem as fotos e publicarem num álbum, eu e outros vendedores tínhamos que voltar nesses lugares para vender essas fotos a esse pessoal bem pobre.” 

Também trabalhou em financeira e depois passou cerca de oito anos trabalhando para uma gravadora. “Eu ganhava bem, mais que o suficiente. Aí eu tinha vinte e poucos anos e tinha um carro, uma moto, apartamento alugado, era massa. Mas esse negócio era muito angustiante, eu gostava demais de música para vender disco. O disco, você vendia o produto, e não o conceito, a história, o lance da música. Era como quem vendia sapato, roupa.”

Enquanto trabalhava como representante de gravadora, Roger de Renor fazia o que gostava. Organizava festas na casa da mãe, fazia capoeira e até ensinou capoeira em academia e chegou até a participar do Balé Popular do Recife. “Como eu vivia essa vida boa aí, eu podia viver outra coisa boa. A única coisa boa que a escola me trouxe foi que não me fez ser um playboy foi a capoeira. Na capoeira aprendi a me relacionar com gente de todo nível social, aprendi a tocar pandeiro, berimbau. Ensinei em academia, participei de campeonato, sou capoeirista graduado, posso ensinar.”

Como um caminho quase que natural, Roger fez um curso de frevo na Casa da Cultura e fez um teste para o Balé Popular do Recife, onde passou mais de dois anos. “Fazia capoeira e frevo, caboclinho, coco. Imitava embolador. Participei do espetáculo Prosopopeia – um Auto de Guerreiro.” Também fez teatro, participou de alguns espetáculos no Recife, como Salto Alto, Arlequim. “Era muito bom. E eu ia ficar vendendo disco, cara?! Ficar naquele papo no lugar das revendas: ‘E aí, como vai?’ E o outro: ‘Agora que você chegou tá tudo bem’. ‘Não, que é isso?! Você que manda’. E o outro: ‘Eu não mando nada, você que manda e eu obedeço.’”, brinca.

“Não ia ficar envelhecendo naquela porra. Eu falei ‘Vou fazer qualquer negócio, aliás não vou fazer nada.’ Ainda trabalhei de segurança, chefe de camarim, fiquei sem fazer nada, tinha a grana que tinha recebido da gravadora, pensei em botar uma kombi com lanche, carrocinha de sanduíche, só pensamentos retardados. Eu não era mais menino e pensava nisso, só pra não entrar no negócio de trabalhar, só coisa que me divertisse. Foi quando resolvi botar o bar.”

Em 1991, Roger abriu a Soparia, no Pina, que era um esquema “para não trabalhar”. Num cenário não tão diferente do de agora, Roger conta que na época o Recife não tinha lugar para inde ir depois das 2h da manhã. “Ou você ia para o Hospital da restauração ou para Brasília Teimosa. Resolvi abrir a Soparia de meia-noite até 7h da manhã. “ Roger conta que abriu o bar numa meia-noite de Carnaval e não apareceu ninguém. Depois do Carnaval, o movimento foi aumentando, o bar passou a abrir às 7h da noite e ia até 5h, 6h da manhã. “É muito perigoso trabalhar com bar gostando de gente, de bebida, de festa… é um perigo.” 

Depois que a Soparia fechou, Roger abriu o Pina de Copacabana, na Rua da Moeda. Mesmo funcionando por apenas dois anos, entre 2000 e 2002, o bar até hoje é referência. Muita gente que nem frequentou o espaço – que depois foi reaberto como Novo Pina e que hoje já adotou um outro nome – até hoje costuma se referir ao espaço como “o antigo Pina”.

TATUAGENS – Além da barba fechada, dos brincos e anéis, Roger é todo estampado. Numa ocasião, durante uma entrevista, Roger falou que tinha quadros nas paredes do seu corpo para se referir às tatuagens. São dez ao todo, entre gatos, sereias e a mais curiosa: a palavra “Saudade”. “A primeira tatuagem foi a sereia, todas foram feitas a partir da Soparia, quando eu tinha uns 28, 29 anos. Tem essa aqui que vou retocar: ‘Saudade’, que fiz quando estava bêbado. Saudade é massa, porque é amor, né, querendo amar, bêbado. E uma vez uma mulher no elevador disse: “Soldado? Você é militar?”, conta rindo e brinca: “Deveria ter dito: ‘Não, é um cara que eu namorei, um recruta”, ri.

“Sou vaidoso, gosto muito de… não é uma história de ‘Preciso ter aquela roupa’. Mas não dispenso uma atividade física, se não correr na praia três dias na semana, fico agoniado. Ando de skate no Parque Dona Lindu, ando de bicicleta.”

Vaidoso, o produtor cultural, comunicador, apresentador ou seja lá qual a definição que melhor se encaixa para ele, tem uma paixão: motocicletas. “Eu comprei uma moto com 19 anos. Gosto por causa dessas fantasias mesmo, todos os clichês, vento na cara, zoada, fazer parte da natureza, os filmes, tem toda uma simbologia. Agora tenho a moto que mereço, uma Fat Boy, uma Halley Davidson 1660 cilindradas. Ela é linda, ela é um sonho”, fala como um menino que estivesse falando do seu brinquedo predileto. “Em vez de investir em carro novo, prefiro a moto, que é meu sonho. Também já viajei muito de moto, já fui muitas vezes para o Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Ceará. Não conheço o Brasil todo porque ainda não fui pra cima nem pro Sul.”

Além da sua Fat Boy, Roger tem uma Caravan de 1978. E já teve um Landau. “Minha vaidade tá nisso. Também nem seja vaidoso, mas amostrado. Se fosse vaidoso, teria um carro zero. Mas prefiro ter uma Caravan azul, que é muito mais amostrado”, brinca e termina a entrevista mostrando o forro novo do carro. “Veja que lindo, né? E sou modesto, né? Agora diga que não é bonito?!.”

 

Fonte: http://ne10.uol.com.br/canal/cotidiano

Curso capacita multiplicadores de Capoterapia para Programa Vida Saudável

A Associação Ladainha de Capoeira e Capoterapia de Taguatinga oferece curso para multiplicadores da Capoterapia sob supervisão do mestre Gilvan. A capacitação começa na sexta-feira (29) e segue até domingo (31).

A Capoterapia é uma terapia que utiliza o lúdico da capoeira para evitar doenças cardiovasculares, respiratórias e artrite. A técnica tem crescido em todo o Brasil e até no exterior. Candidatos de outros estados estão confirmados no curso para atualizar os métodos, que tem trazido muitos benefícios, principalmente, ao público idoso.

Os alunos destaques serão contratados para o Programa Vida Saudável do Ministério dos Esportes e ainda podem ser franqueados a trabalhar nos Centros de Saúde, em todo do Distrito Federal e entorno.

As inscrições podem ser feitas pelo site www.capoterapia.com.br. Mais informações pelo telefones 3475-2511 e 9962-2511, ou ainda, pelo e-mail [email protected]

Fonte: Da redação do http://www.clicabrasilia.com.br

Mestres: moda socialmente responsável

A marca de roupas de capoeira e moda streetwear Mestres tem, desde sua criação, a Responsabilidade Social como ingrediente principal da sua receita de sucesso.

Depois de pesquisar diversos trabalhos sociais ligados à confecção visando encontrar seriedade e comprometimento, a Mestres formou uma forte parceria com a ONG Clube de Mães do Brasil, em São Paulo. O Clube de Mães luta ha muitos anos pela educação infantil e pela formação profissional de jovens e adultos, tendo oferecido capacitação profissional para mais de 70 mil pessoas, incluindo ex-moradores de rua e pessoas em processo de reabilitação. A Mestres encontrou no Clube de Mães projetos que vão de encontro com dois de seus maiores valores; a educação e oportunidade de desenvolvimento profissional.

Desde então, os produtos da Mestres são confeccionados através do projeto ‘Transformando Mãos que Pedem em Mãos que Fazem’ onde moradores de rua podem ser capacitados para trabalhar com corte e costura e muitas vezes chegam a ser contratados pela própria ONG para trabalhar na oficina. Alem de o projeto dar importância ao desenvolvimento humano, ele ainda tem a responsabilidade de gerar dinheiro para manter um segundo projeto: o ‘Educando para a Liberdade’, que oferece à crianças de 3 a 14 anos o acesso diário à educação e alimentação. O objetivo do Projeto é garantir um desenvolvimento saudável para as crianças, oferecendo-lhes aulas de cidadania, teatro, artes, atividades esportivas e recreativas inclusive a Capoeira, dada em parceria com o Mestre Brasília.

Por conta deste envolvimento social, a Mestres foi por três vezes a primeira colocada em importantes concursos na Europa que avaliaram centenas de projetos. O Ekilibre 2006 elegeu a Mestres como a empresa que melhor atua no Comercio Justo e o Petit Poucet 2006 e o Envie D’Agir 2006 que a nomearam a melhor entre novos projetos de negocio. Dentro do meio da moda, a Mestres foi convidada a participar no Paris Fashion Week 2007 e no Rio Fashion Week 2007, dois dos mais importantes eventos do circuito mundial.

{youtube}w2oWDPvxsZE{/youtube}

O conceito de responsabilidade social praticado pela Mestres ainda é mais valorizado no exterior, onde a marca tem forte atuação, mas certamente será incorporado em breve por marcas e consumidores no Brasil.Serviço:

Aproveite e conheça mais sobre a marca e os projetos sociais que são beneficiados a cada peça vendida em: www.mestres.com.br

Melhor Idade na Capoeira

Capoeira Recreativa para Terceira Idade movimenta Centro Cultural
 
Projeto financiado pela Lei Municipal de Incentivo à Cultura é voltado para os idosos
Quem disse que capoeira tem idade? Manifestações culturais atravessam também gerações e ganham elementos que as adequam de acordo com os praticantes. Com o projeto “Capoeira Recreativa Para Terceira Idade”, a manifestação foi adaptada para ser oferecida ao grupo da terceira idade que freqüenta o Centro Cultural Lydia Hammes.
 
O projeto é financiado pela Lei Municipal de Incentivo à Cultura, gerenciada pela Fundação Garibaldi Brasil, e acontece há três meses, com previsão para finalizar em dezembro. “A intenção é levar lazer para a terceira idade e tornar constante esta prática”, afirma Mestre Moreno, quem ministra as aulas. O capoeirista desenvolve trabalhos na área há mais de 17 anos, e nos últimos quatro, vem trabalhando com a melhor idade.
 
Segundo ele, a idéia do projeto surgiu no ano passado, quando visitou o centro cultural e se informou sobre as atividades desenvolvidas no espaço e o público que costuma participar. “O Centro Cultural Lydia Hammes recebe grande número de idosos, então, elaborei esse projeto para oferecer uma atividade que eles ainda não tinham. Trabalhar com a terceira idade é como trabalhar com crianças, é gratificante, eles têm uma grande energia positiva”, conta.
 
Vovó Capoeira – A turma é formada por aproximadamente 50 alunos, a maioria mulheres de 40 a 70 anos. Na opinião de Iracema Silva, 66, a capoeira deixou de ser algo só para jovens. “Nunca imaginei que iria praticar. Conhecia a atividade vendo a meninada brincar. Mas agora, vejo que é muito boa para nós também, fazemos exercícios e nos divertimos”, diz. Francisca Jasci, 58, ganhou um motivo a mais para interagir com os familiares. “É a primeira vez que pratico capoeira, os meus netos praticam, às vezes brincamos no quintal de casa”, conta. Maria Freira, 64, pratica atividade física há 24 anos, e achou a capoeira algo inovador. “Se soubesse que era tão bom, teria procurado antes”, afirma. Mais informações pelo telefone: 32251707.
 
Fonte: Rio Branco-AC – Página 20 – http://www2.uol.com.br/pagina20

Música: Você vai ter que trabalhar…

Você vai ter que trabalhar….
Marcelo Lampache
Capuraginga – SP

Ritmo: Benguela
Eh, no mundo que tem traição você tem que se cuidar, pois colega não é amigo e a inveja pode matar…muitos falam mal de mim, muitos de mim querem falar, mas usando de falsidade nunca vão conseguir chegar…pois uma coisa eu te digo, escute o que vou falar que pra chegar aonde eu cheguei….vc vai ter que trabalhar..
 
coro: mas pra chegar aonde eu cheguei..vc vai ter que trabalhar….
 
Capoeira é minha estrela, é ela quem me ilumina… Me livrando de todo mal com muita força e energia…Me ensinando a ser hulmide, Me ensinando a ser sincero, Me ensinado a trabalhar, Me ensino a ser honesto….pois uma coisa eu te digo……
 
escute o que vou falar…que pra chegar aonde eu cheguei: Vc vai ter que trabalhar….mas pra chegar aonde eu cheguei…vc vai ter que trabalhar…
Cada um tem a sua estrela, cada um tem a sua carisma….Procure trabalhar sério e ser um bom capoeirista, não use de falsidade e nem tente ser traíra, pois se vc acreditar o seu espaço vc conquista…pois uma coisa eu te digo..escute o que vou falar….que pra chegar aonde eu cheguei..vc vai te trabalhar..