Blog

universo

Vendo Artigos etiquetados em: universo

Ajude o Portal Capoeira

“Viva esta idéia” e colabore com o Projeto Portal Capoeira!!!
Faça uma doação para ajudar a manter o projeto Portal Capoeira!

Seja um amigo do Portal Capoeira:

Se você gosta do nosso  site e o acha útil, contribua para continuarmos prestando este importante serviço. Assim você estará ajudando a mantê-lo no ar. Venha fazer parte desta roda!

Olá, eu sou Luciano Milani, professor, pesquisador da Capoeira, também sou  e editor do Portal Capoeira ( www.portalcapoeira.com ). Em parceria com diversos nomes de relevância dentro do universo da capoeiragem e todas as suas manifestações correlatas, estamos trabalhando para manter o nosso sonho, o nosso trabalho “vivo e dinâmico”  e desta forma poder continuar prestando um serviço de qualidade no nosso Portal Capoeira.



Criação do Portal Capoeira: Agosto de 2005


O Portal Capoeira foi criado com o objetivo de divulgar a capoeira e todas as suas manifestações de forma democrática, coerente e imparcial.


Depois de vários anos a divulgar, difundir e partilhar informações relevantes e coerentes o Portal Capoeira se tornou um ícone e uma referência mundial de mídia online especializada. Nosso site é hoje uma das maiores base de dados de informação direcionada a todo o universo da Arte Capoeira e suas manifestações corelatas.
Temos mais de 5.000 visitas diárias e mais de 18.000 utilizadores registados.

Para todos nós é uma grande alegria e grande privilégio fazer parte desta equipe que trabalha de forma árdua e incansável para levar até voces informação de qualidade, além de proporcionar uma enorme oferta de serviços, livros, músicas, diretórios e divertimento a custo ZERO (gratuitamente) a todos os visitantes do nosso Portal.

Precisamos angariar fundos para manter o Portal Capoeira pois os custos fixos de manutenção e hospedagem continuam a crescer e a verba gerada pela publicidade não chega para suprir os custos fixos.

Estamos pedindo à comunidade Mundial da Capoeira  e todos os interessados ​​na herança cultural Afro-Brasileira, para se juntarem ao nosso projeto a nossa causa e desta forma contribuir e ajudar a manter vivo o nosso Portal Capoeira.

Isto irá permitir compartilhar com vocês toda uma vasta rede de informações sobre a nossa arte luta e continuar a prestar um trabalho de responsabilidade, coerência e acima de tudo de manter o compromisso com a democracia e ética da informação.

O que você pode fazer para contribuir?

Cada pequena contribuição ajuda.
Pode também fazer doações maiores e ganhar presentes do nosso portalcapoeira.com
Você também pode ajudar fazendo este idéia se espalhar nas redes sociais e para a sua lista de contatos.

Doe… Participe… Colabore… Partilhe!!!

Muito Obrigado!

Luciano Milani – www.portalcapoeira.com


Gingue Conosco: Fique Conectado!


 

Religiosidade na Capoeira

Dentre os vários aspectos expressos pela capoeira, o componente mítico-religioso sempre foi para mim, um dos que mais suscitou curiosidade. Debates, opiniões e muitas histórias contadas e recontadas através da tradição oral presente na cultura popular, são a motivação para a minha pesquisa nesse universo.

O aspecto mágico e misterioso, conhecido no universo da capoeiragem como “mandinga”, por exemplo, é um dos elementos importantes para uma compreensão mais aprofundada sobre essas questões. O substantivo “mandinga” se refere possivelmente à região Mandinga, na África ocidental, banhada pelos rios Níger, Senegal e Gâmbia. Entre os africanos trazidos para o Brasil, havia a crença de que nessa região habitavam muitos feiticeiros. Daí podemos compreender melhor o sentido que esse termo acabou ganhando na capoeira

O grande mestre Valdemar da Liberdade disse uma vez que os mestres de antigamente “…tinham muita mandinga, viravam folha, viravam bicho. Aquilo era próprio para barulho. Besouro era um grande capoeirista, mas tudo debaixo de oração”. Cobrinha Verde se dizia católico, mas não deixava de recorrer também às tradições religiosas africanas para o “fechamento de seu corpo” no sentido de se proteger dos inimigos “desse mundo e do outro”, dizia ele.

Os depoimentos dos capoeiras mais antigos evidenciam a mandinga enquanto componente fundamental da capoeira. O termo mandinga pode designar a malícia do capoeirista durante o jogo, fazendo fintas, fingindo golpes e iludindo o adversário. Mas pode referir-se também a uma certa dimensão sagrada, um vínculo que muitos praticantes de capoeira possuem com os preceitos de algumas religiões afro-brasileiras. Em geral, boa parte das manifestações de origem africana no Brasil, de uma forma ou de outra, trazem algum aspecto que evidencia uma aproximação maior ou menor com as religiões afro-brasileiras.

Mas dizer que a capoeira possui aspectos de religiosidade, não significa dizer que ela está diretamente ligada a essa ou àquela religião em particular, pois existem praticantes de capoeira de todas as religiões. Na capoeira não se pergunta qual a religião do capoeirista antes do jogo: simplesmente se convida para jogar.

A capoeira tem religiosidade, mas não tem religião !!!

A religiosidade da capoeira se manifesta através dos seus rituais, dos cânticos, da celebração, da memória dos seus ancestrais, da sua ligação com esse passado de luta e sofrimento. A dimensão do “sagrado” na capoeira se mostra através desses aspectos, e por isso podemos dizer que a religiosidade é um componente importante da capoeira, sobretudo da capoeira angola, embora muitos grupos de capoeira regional também valorizem essa dimensão.

Esses saberes populares que determinam a religiosidade presente na capoeira expressam um vasto campo de significados e de suas ligações com o “sagrado”, assim como muitas outras manifestações e tradições presentes no universo da cultura popular no Brasil. A dimensão do sagrado, tem para o povo simples de nosso país, um sentido muito especial e profundo e que determina suas crenças, seus modos de vida, seus sonhos, suas lutas, suas vitórias e suas derrotas.

 

 

Pernambuco: Projeto É Cor de Rosa Choque

“É cor de rosa choque” é um projeto do Centro de Capoeira São Salomão destinado as mulheres e tem como principal objetivo ser um espaço de empoderamento e aprendizagem para as capoeiristas de pernambuco iniciantes, iniciadas ou que queiram entrar no universo da arte capoeira .

Os encontros acontecem aos sábados das 9:30 as 12:00h, na sede do centro de capoeira são salomão e incluem treinos, rodas, cantorias, aulas de instrumentos e principalmente as rodas de diálogo, nas quais se debatem temas do cotidiano vivido pelas capoeiristas dentro e fora da roda.

O projeto iniciou no dia 31 de janeiro de 2009 e já produziu um livro de depoimentos das capoeiristas mais antigas de pernambuco, um dvd e o i encontro feminino de capoeira: a mulher entrou na roda.

 

 

No mês das mulheres, encontro de Capoeira dirigido ao público feminino será realizado no Recife.

O Projeto É Cor de Rosa Choque, sediado no Centro de Capoeira São Salomão, realizará de 25 a 27 de março o 2º Encontro Feminino de Capoeira “A Mulher Entrou na Roda”.

Durante o evento o universo da Capoeira pela ótica feminina será desvelado através de debates, palestras, apresentação de vídeos e exposição de artes, além de aulas e rodas de Capoeira Angola e Regional (ver programação completa abaixo).

DE 25 a 27 DE MARÇO NO CENTRO DE CAPOEIRA SÃO SALOMÃO

(Galeria Joana D’Arc, na Rua Herculano Bandeira, Nº 513, 1º andar – Pina)


INFORMAÇÕES:

(81) 3031.1109 / 9101.6037 / 9165.0055

capoeirasaosalomao@gmail.com

(Mestre Mago ou Professora Bel)

Esclarecimentos: Programa Pró-Capoeira – IPHAN

Em resposta ao e-mail recebido de Natália Brayner, Técnica do Departamento do Patimônio Imaterial do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional-IPHAN:

Prezados,

O Grupo de Trabalho Pró-Capoeira, coordenado por este Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional-IPHAN, solicita espaço de resposta ao texto “Uma Lei Orgânica para a Capoeira“, publicado portal da capoeira em 13 de outubro de 2010, pois o IPHAN e o Ministério da Cultura foram mencionados no referido artigo com relação à condução do Programa Pró-Capoeira ao qual atribuiram-se diretrizes de atuação que não correspondem à proposta do programa.  Enviamos um  esclarecimentos sobre o Programa Pró-Capoeira e sobre os resultados do encontro realizado em Recife entre os dia 8 e 9 de setembro de 2010.

Atenciosamente,

Natália Brayner
Técnica
Departamento do Patimônio Imaterial
Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional-IPHAN

 

Prezados Capoeiras,

O Iphan esclarece ao público que o Programa Pró-Capoeira, ao contrário do que é afirmado, equivocadamente, em alguns fóruns de discussão, não é orientado pela “bandeira da capoeira como processo exclusivamente desporto-competitivo-olímpico” , tal como mencionado Prezados,

Cabe ao Iphan informar que o tema foi apresentado por um dos vários segmentos do universo da capoeira em um encontro promovido pelo Programa Pró-Capoeira; e foi divulgado pelo Iphan como uma sugestão a ser discutida pelos vários segmentos no processo de mobilização social promovido pelo Programa. O fato de o tema ter sido levantado e apresentado não significa que será encaminhado enquanto política do Estado, pois ainda há muito que discutir e debater.

Nesse sentido cabe também esclarecer o que vem a ser o Programa Pró-Capoeira:

A possibilidade de fazer política pública em prol da capoeira no Instituto do Patrimônio HIstórico e Artístico Nacional (Iphan) é muito recente; só começou efetivamente em 2008, quando a roda e o ofício dos mestres de capoeira foram registrados como patrimônio cultural do Brasil. Desde então, se faz necessária uma política de salvaguarda para estes bens culturais que seja mobilizadora, participativa e inclusiva.

Desde que as tradições da roda e o ofício dos mestres foram registrados como patrimônio cultural do país, a capoeira passou a ser interesse de política de patrimônio de Estado, e não apenas objeto de políticas de governos, as quais, usualmente, constituem-se por programas e ações passageiros e pontuais Assim, de agora em diante pode haver vários programas de governos diferentes, com nomes diferentes, mas que deverão ser pautados por diretrizes estratégicas comuns que visem a continuidade da ação do Estado em prol da capoeira, em especial no que se refere à salvaguarda dos aspectos tradicionais da capoeira reconhecidos e registrados como patrimônio cultural nacional.

Para estabelecer as bases para uma política participativa neste campo, o Ministério da Cultura criou o Programa Pró-Capoeira e instituiu o Grupo de Trabalho Pró-Capoeira (GTPC) para implementá-lo.

A primeira providência, por parte do GTPC, foi observar as demandas apontadas nas recomendações de salvaguarda levantadas durante o processo de registro e buscar os encaminhamentos, como a interlocução com o Ministério da Previdência, da Educação, e outras providências. Também foram avaliadas criticamente as experiências de políticas na área com vistas ao aperfeiçoamento. E foi observada a necessidade de conhecer mais e promover a mobilização e organização da demanda dessa base social tão diversa e complexa como é a da capoeira.

Assim, num primeiro momento, foi implementado e amplamente divulgado o Cadastro Nacional da Capoeira (CNC) para coleta e atualização de dados relativos à capoeira. Estas e outras fontes de verificação, como cadastros de pontos de cultura, pesquisas acadêmicas, cadastros de editais do MinC foram utilizadas para identificação das referências deste universo cultural. Em seguida, foram idealizados os encontros Pró-capoeira como uma forma de proporcionar aos mestres de capoeira de todas as regiões do país um espaço de fala sobre as recomendações de salvaguarda apontadas durante o processo de registro da roda e do ofício dos mestres como patrimônio cultural e sobre outras demandas importantes do campo, sempre na perspectiva de construção de uma política pública de Estado para a salvaguarda destas tradições culturais. Com os contingenciamentos orçamentários, contudo, só foi possível planejar para este ano de 2010 três encontros regionais condensados. Ficando indicado e planejado um encontro nacional para o próximo ano.

Com as dimensões continentais de nosso país, milhares de capoeiras praticando neste território e para além dele e com as diversas tendências, correntes e segmentos deste universo, a implementação das bases de uma política participativa é bastante complexa. Necessariamente terá acertos e problemas, levando algum tempo para alcançar o consenso fundamental necessário ao seu bom funcionamento. A participação presencial de todos os mestres de capoeira do país nestes encontros mostrou-se tarefa irrealizável frente ao tempo e os recursos disponíveis para a condução deste processo.

Um dos encaminhamentos dados para o enfrentamento destes desafios passou pela realização de uma chamada pública de currículos para especialistas em capoeira de todas as regiões do país com vistas a ajudarem na identificação dos os mestres e mestras que são referenciais importantes para diversidade de tendências da capoeira; na organização dos encontros mediando os grupos de trabalho, sistematizando resultados, elaborando relatórios e outras providências. Um dos critérios importantes nesta seleção foi a necessidade de curso superior, já que estes consultores estão encarregados de elaborar textos referenciais, sistematizar os resultados e produzir os relatórios de cada encontro, com conhecimento do campo, de forma a orientar o GTPC na escolha dos convidados dos encontros. Convém atentar para o fato de que é vedada por lei a contratação de servidores públicos, o que impediu a seleção de capoeiras professores e pesquisadores de universidades públicas ou que exercem outras funções no poder público.

Os critérios de seleção para definição dos mestres e mestras convidados participar de cada encontro foram elaborados a partir dos resultados da sistematização de dados obtidos nos cadastros realizados pelo Ministério da Cultura no âmbito do Capoeira Viva, do Programa dos Pontos de Cultura e do próprio Pró-Capoeira. Esta sistematização também incorporou dados de pesquisas acadêmicas e da pesquisa realizada para registro da roda e do ofício de mestre de capoeira como patrimônio cultural do Brasil. Mais uma vez, ressaltamos que seria inviável, convidar todos os mestres de capoeira do país, e os critérios de representação para participação nos encontros são baseados na importância tácita e inquestionável da pessoa convidada, no tempo de atuação, no reconhecimento coletivo, na importância como formadora e transmissora de saberes e, ainda, no seu gênero. Também se procurou a garantir a representatividade dos vários segmentos praticantes da capoeira.

O primeiro encontro foi realizado em Recife no período de 8 a 9 de setembro deste ano. Além da divulgação das diretrizes conceituais do Programa através de palestras iniciais, os mestres e mestras presentes estiveram reunidos em grupos de trabalho com o objetivo de identificar situações-problema enfrentadas pelos capoeiristas em diferentes áreas temáticas e discutir possíveis sugestões de solução para as questões identificadas. Em todos os grupos estiveram em diálogo os pensamentos e posicionamentos de várias correntes e tendências ali representadas. A questão da capoeira como desporto olímpico surgiu no GT que tratou do tema Capoeira e Esporte, como uma situação-problema a ser enfrentada pelos capoeiristas e que precisa ser melhor debatida a partir de posicionamentos melhor informados sobre o assunto. O GT apresentou algumas sugestões para o enfrentamento desta questão, dentre outras, por exemplo, foi aventada a possibilidade de a capoeira agregar especializações como acontece em outras áreas e esportes: capoeira desportiva, capoeira cultural, etc. Além disso, ainda com relação a questões mais amplas relativas ao tema Capoeira e Esporte, foi reforçada a importância da presença de técnicos do Ministério dos Esportes nos encontros do Pró-Capoeira. Ressaltamos que todas e quaisquer sugestões dadas por segmentos do universo da capoeira nos encontros não se tornam automaticamente diretrizes do Programa. Significa apenas que demandas foram mapeadas e que serão postas em discussão nos encontros posteriores e no Encontro Nacional, previsto para 2011, em Salvador. Os temas e proposições levantados nos encontros de certo mostrarão a diversidade de tendências e interesses do campo da capoeira, alguns em maior ou menor grau de consenso ou conflito.

Este trabalho está começando e esperamos poder contar com a participação construtiva de todos os segmentos deste universo. Entendemos a enorme expectativa dos capoeiras, mas é preciso que todos entendam que uma política pública dessas dimensões só pode ser implementada com cautela, espírito crítico sim, mas com a perspectiva concreta de entendimento entre os segmentos envolvidos e o Estado. Além disto, estas iniciativas não invalidam outras que já estejam em andamento no que se refere à construção de uma legislação específica voltada ao campo da capoeira. Entendemos inclusive que os resultados dos encontro nacional do Pró-Capoeira podem e devem ser encaminhados à Frente Parlamentar da Capoeira e que articulações com este e outros grupos, pessoas e instituições que atuam em prol da capoeira serão necessárias e importantes para a consolidação de políticas de Estado. O universo em questão é vasto e o objetivo do Ministério da Cultura é chegar a todas as pessoas e a todos os espaços onde a capoeira é praticada.

 

Brasília, 19/10/2010

 

Grupo de Trabalho do Pró-Capoeira-GTPC

Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional-IPHAN

Lançamento do Livro: Iê Camará

O LIVRO IÊ CAMARÁ,  visa discutir procedencias e o desenvolvimento da capoeira, como o surgimento e a prática em seus retorspectivos lugares. E ainda, compartilhar com os leitores fatos marcantes na historia da capoeiragem no Brasil, como a histórias de Salomé, e Maria dos Anjos, valentes e guerreiras que escreveram seus nomes da historia da capoeira e ainda sim tiveram seus nomes esquecidos diante da sociedade.

Alem dessas e outras valentes, esta obra tráz ao conhecimento dos leitores grandes personalidades da capoeiragem no reconcavo baiano como: Zé Doú, Pantalona, Sessenta, Zé Quebra Ferro, Juvencio Grosso, Néco, Gasolina, Maitá, Licurí, Joité, Doze Homens, Espinho emoso, Cazumba, entre tantos outros..A obra aborda outros temas curiosos no universo da capoeira, como a cocorinha,  veste branca, a descendência da capoeira e seu surgimento dentre mais…

Além outros fatos, curiosidades de suma importancia para Mestres, professores, lideres de escolas e mais ainda a todos os brasileiros.

Estamos oferecendo este lançamento com intuito de fortificar e diverssificar os festivais de capoeira, se você é lider de instituição, empresário do ramo de livrarias ou promotor de eventos não perca essa oportunidade.

O que falam sobre o livro:

A diversidade de usos e funções é uma das características mais acentuadas da capoeira na atualidade. Uma delas, a educacional vem sendo bastante valorizada pelos mestres e praticantes de capoeira no Brasil e exterior.

A prática da capoeira nas escolas e os muitos projetos socio-educativos, com os quais ela se envolve, demandam instrumentos de apoio, principalmente de livros que possibilitem a sustentação pedagógica dos mesmos. Eles necessitam em razão da própria natureza das propostas, iniciativas para além do jogo da capoeira, procurando contemplar o universo histórico, a riqueza de informações que ela contém, e sua capacidade de  gerar temas transversais para serem discutidos com os praticantes e pessoas afins.

É por causa disso que ficamos felizes com a ampliação dos estudos e pesquisas sobre a capoeira e o interesse cada vez maior dos mestres e alunos em se aprofundarem no rico e belo universo dessa manifestação, a fim de explorar as muitas possibilidades que ela sugere, como faz o Professor Cascão com este seu livro que certamente vai tornar mais rico o mundo da capoeira.

Frede Abreu (Historiador)

Instituto Jair Moura

 

Caso tenha interesse, entre em contato conosco e enviaremos a

proposta para fazer deste projeto uma realidade.

(33) 8863-9767   –   3273-2178

jornalluandangola@hotmail.com

professorcascao@hotmail.com

A Importância da Capoeira na Escola

Tradicionalmente, a escola sempre deu mais espaço e valorização para os saberes ditos “científicos” ou “acadêmicos”, ou seja, aqueles saberes que geralmente são construídos a partir dos campos do conhecimento vindos de áreas como as ciências exatas, humanas e biológicas. Por outro lado, os saberes populares, aqueles vindos de grupos tradicionais, geralmente oriundos de culturas dominadas e que se baseiam na transmissão oral dos seus conhecimentos, sempre foram considerados na escola, como sendo saberes de menor valor, e na maioria das vezes tratados como algo exótico, que aparecem apenas em algumas datas comemorativas, como o “mês do folclore”, o “dia do índio”, ou o “dia da consciência negra”.

Entendemos ser esse um grande equívoco, e acreditamos que os saberes populares têm que ser tratados com a mesma dignidade dos saberes científicos, sem hierarquizações nem privilégios, pois ambos contribuem para a formação humana, cada qual na sua especificidade.

A capoeira, graças ao reconhecimento que tem conquistado a cada dia na sociedade como um todo, já começa a ter seu espaço em muitas escolas públicas e privadas no Brasil, mobilizando um número cada vez maior de alunos de todas as idades, interessadas na sua prática. Porém, o que percebemos é que a presença da capoeira na escola se dá de forma ainda tímida, muitas vezes pela atuação de algum grupo de capoeira da comunidade, que solicita o espaço da escola para ministrar suas aulas e organizar as rodas, mas ainda informalmente, ou seja, sem o reconhecimento por parte da escola, como um saber a ser tratado com o devido respeito e dignidade. A capoeira dessa forma, entra pela porta dos fundos da escola.

Defendemos, pelo contrário, que a capoeira possa entrar pela porta da frente da escola. E temos agora o amparo de uma lei federal: a lei 11.769 de 2008, que prevê a obrigatoriedade nas escolas, do estudo sobre as culturas africana e indígena, sem dúvida, um avanço muito importante nessa área. A partir dessa lei, é possível que nossos governantes estabeleçam políticas públicas e programas que viabilizem que esses saberes façam parte dos currículos oficiais das escolas. A capoeira tem aí sua grande oportunidade de se estabelecer como um conhecimento importante e necessário a ser tratado nas escolas, não somente pelo professor de capoeira ou mestre, mas de forma interdisciplinar, a partir da abordagem de várias áreas do conhecimento, como história, educação física, literatura, música, geografia, artes, estudos sociais, filosofia, entre outras.

A Bahia está dando um passo importantíssimo nessa direção, através do Programa “Capoeira na Escola: patrimônio de todos nós”, do qual faço parte da equipe de coordenação. Esse programa é uma iniciativa da Secretaria Estadual de Educação, que prevê a capacitação de professores de todas as regiões do estado, que passam por um curso que busca se aprofundar nos estudos sobre a capoeira, abordando aspectos históricos, filosóficos, pedagógicos, envolvendo também a prática dos movimentos, da musicalidade e da ritualidade da capoeira. Uma vez finalizada essa capacitação, esses professores então, irão implantar seus projetos em suas escolas, com a recomendação de que sejam projetos multidisciplinares, ou seja, que se articulem com as várias áreas do conhecimento existentes na escola.

É preciso que fique bem claro que o objetivo desse projeto não é o de formar capoeiristas nas escolas, isso é tarefa dos grupos e academias. Trata-se apenas de possibilitar que os alunos possam ter contato com esse universo tão rico de saberes, que é o universo da capoeira, a partir de um trato pedagógico multidisciplinar dentro da escola.

Essa experiência ainda está em processo de implantação, mas acreditamos que possa se transformar numa referência importante para a implementação de futuras políticas públicas, por parte de governos interessados na valorização da capoeira e dos saberes populares no âmbito da formação humana.

 

Pedro Abib (Pedrão de João Pequeno) é professor da Universidade Federal da Bahia, músico e capoeirista, formado pelo mestre João Pequeno de Pastinha. Publicou os livros “Capoeira Angola, Cultura Popular e o Jogo dos Saberes na Roda”(2005) e “Mestres e Capoeiras Famosos da Bahia”(2009). Realizou os documentários “O Velho Capoeirista” (1999) e “Memórias do Recôncavo: Besouro e outros Capoeiras” (2008).


Coluna: “Crônicas da Capoeiragem” por Pedro Abib

Mais um envolvente texto da Coluna Crônicas da Capoeiragem, sob a tutela do nosso grande camarada e parceiro, Pedro Abib, enfocando histórias, casos, experiências, opiniões, críticas, enfim, um texto de uma lauda sobre o universo da capoeiragem.

Histórias do Recôncavo

O Recôncavo Baiano é mesmo uma região muito particular. É como se lá o tempo tivesse parado. A modernização, o progresso desenfreado, trânsito engarrafado, violência urbana, vizinhos que não se conhecem… essas coisas tão comuns na nossa vida cotidiana, lá no Recôncavo têm outra dimensão.

As pessoas têm mais tempo para as coisas, a vida é mais simples, todos se conhecem e se ajudam, há mais cooperação, solidariedade, alegria. Você ainda vê pelas ruas carroças puxadas por jegues, senhores bem vestidos com chapéu na cabeça, feiras livres onde tudo se compra, se vende, ou se troca, senhoras sentadas conversando na porta de casa enquanto crianças brincam no meio da rua…Lá o tempo passa mais devagar.

Muitos moradores juram de pé junto que a capoeira nasceu no Recôncavo. Talvez tenha nascido mesmo, como nasceu em outras partes do Brasil também, mas isso não importa pois a capoeira não tem certidão de nascimento ! O que importa é o significado que essa manifestação da cultura afro-brasileira possui para todos nós que aprendemos a amá-la e respeitá-la.

Muitos capoeiristas famosos vieram de lá, disso não tenham dúvida: Cobrinha Verde, Traira, Najé, Siri de Mangue, Neco Canário Pardo, Noca de Jacó, Gato, Atenilo, Santugri, entre tantos outros, sem falar no mais famoso de todos, o lendário Besouro Mangangá, que até bem pouco tempo não se sabia se ele tinha realmente existido, fato que foi comprovado recentemente, com a descoberta de alguns documentos que citam seu nome e seus feitos.

Há muito mistério também no Recôncavo. Muitas histórias envolvendo magia, quebrantos, patuás, corpo fechado, rezas de proteção, pessoas que se transformam em bicho ou planta. Tudo isso faz parte desse universo mítico-religioso de origem afro-brasileira que possui uma ligação muito forte com a capoeira. Não dá para compreender a capoeira de forma mais profunda, sem aprender a respeitar esse universo.

Durante as gravações do documentário “Memórias do Recôncavo: Besouro e outros capoeiras” que produzimos recentemente, tivemos a oportunidade de conviver com muitos desses personagens e muitas dessas histórias. Como por exemplo seu Aurélio, 96 anos, morador de Iguape, uma pequena cidade remanescente de um quilombo, localizada no coração do Recôncavo. Durante o seu depoimento na beira do rio, seu Aurélio se mostrou resistente em responder algumas perguntas que eu fazia, sobretudo aquelas relacionadas ao mistério que envolvia a capoeira.

Mas por sorte, eu sou daqueles admiradores de um botequim e de uma boa cachaça e quando terminamos a gravação naquele dia, a equipe de produção foi toda descansar numa pousada na cidade, enquanto eu e o cinegrafista, meu amigo Alexandre Basso – também um admirador do “espírito forte”, como a cachaça é conhecida entre os mais antigos – resolvemos ir beber a saideira justamente no bar do seu Aurélio. Já era noite e à medida que íamos nos aprofundando nas infusões de cachaça com ervas que seu Aurélio nos oferecia, a conversa foi ficando mais solta. E num dado momento, seu Aurélio nos chamou para o fundo do bar. Alexandre, muito atento, ligou a câmera e atendemos ao chamado do velho mandingueiro. Num ambiente de penumbra, somente com a fraca luz de um lampião, seu Aurélio nos revelou alguns segredos muito íntimos, mostrou-nos seu patuá, explicou-nos como fazia para “fechar” o corpo e nos revelou algumas orações de proteção que ele utilizava. Foi um dos momentos mais fortes que vivenciamos durante o longo período de pesquisa e gravação desse documentário.

Mas é assim mesmo: os mestres e velhos guardiões da cultura popular, não entregam os seus segredos assim, facilmente e a qualquer um. Eles é que decidem o que, quando, como e a quem vão revelar. E a nós, cabe ter a paciência, o respeito e a sabedoria de esperar a hora e a ocasião certa de recebermos esses ensinamentos. Essa é mais uma lição que a capoeira nos ensina

 

Pedro Abib (Pedrão de João Pequeno) é professor da Universidade Federal da Bahia, músico e capoeirista, formado pelo mestre João Pequeno de Pastinha. Publicou os livros “Capoeira Angola, Cultura Popular e o Jogo dos Saberes na Roda”(2005) e “Mestres e Capoeiras Famosos da Bahia”(2009). Realizou os documentários “O Velho Capoeirista” (1999) e “Memórias do Recôncavo: Besouro e outros Capoeiras” (2008).


Coluna: “Crônicas da Capoeiragem” por Pedro Abib

Mais um envolvente texto da Coluna Crônicas da Capoeiragem, sob a tutela do nosso grande camarada e parceiro, Pedro Abib, que de modo ímpar nos descreve os causos e histórias do Recôncavo Baiano e seus “Personagens” as vezes quase lendários… Pedrão, como prefere ser chamado nos leva de modo solto e intuitivo ao universo da capoeiragem com uma narrativa simples e repleta de mandigagem…

Luciano Milhoni*

* (Pedrão em referência a um tipo/marca de cachaça e fazendo analogia ao grande camarada Plínio – Angoleiro Sim Sinhô, que em sua envolvente e alegre presença sempre brincava com o termo “teimando” em chamar-me pelo nome da cachaça, pela qual ambos, Pedrão e Plínio tem imenso apreço, apesar de eu ser um eterno abstêmio.)

A Navalha na Capoeira

Naifa, Nafe, Sardinha, eram alguns dos nomes pelos quais era conhecida a Navalha, uma arma outrora muito utilizada pelos capoeiras. Pelo que se sabe, a navalha é uma herança dos portugueses, que a teriam introduzido entre os capoeiristas no Rio de Janeiro ainda no século XIX.

Os “fadistas” portugueses, sobretudo na cidade de Lisboa, que freqüentavam os bairros tradicionais da Alfama, Mouraria e Madragoa, no início do século passado, eram sujeitos sociais muito próximos aos “capoeiras” do Rio de Janeiro, pois além de freqüentarem os mesmos ambientes: portos, boemia, prostíbulos, botequins, eram também considerados sujeitos marginais que sofriam a dura perseguição da polícia, assim como os capoeiras por aqui. E nesses conflitos com a polícia, e também nas disputas entre os seus próprios pares, a navalha era uma arma que estava sempre à disposição, e não raro, eram responsáveis por graves ferimentos entre esses sujeitos e até morte em muitos casos.

O próprio “lenço de seda” utilizado no pescoço, parte indispensável da indumentária do capoeira (e também do sambista) clássico de outros tempos – aquele que usava chapéu “de banda”, terno branco, sapato bicolor e uma argola na orelha esquerda – tinha uma função muito específica: proteger o cidadão, do golpe certeiro da navalha. O “esguião”, como também era conhecido o lenço de seda, tinha a propriedade de impedir o corte da navalha por mais afiada que ela fosse, pois a seda do qual era feito, fazia com que a navalha deslizasse sobre sua superfície sem atingir o pescoço da vítima.

Manduca da Praia, Natividade e o legendário Madame Satã no Rio de Janeiro, assim como Caboclinho, Inocêncio Sete Mortes e Noca de Jacó na Bahia, ou como Nascimento Grande em Pernambuco, são nomes de alguns capoeiras que ficaram também conhecidos como exímios manejadores da navalha.

A navalha hoje em dia, já não faz mais parte do universo da capoeiragem, mas é sempre bom ficar de olho aberto, numa roda de capoeira, quando o jogo aperta e algum sujeito coloca as mãos no bolso de trás da calça ….afinal….nunca se sabe !!!

 

Pedro Abib (Pedrão de João Pequeno) é professor da Universidade Federal da Bahia, músico e capoeirista, formado pelo mestre João Pequeno de Pastinha. Publicou os livros “Capoeira Angola, Cultura Popular e o Jogo dos Saberes na Roda”(2005) e “Mestres e Capoeiras Famosos da Bahia”(2009). Realizou os documentários “O Velho Capoeirista” (1999) e “Memórias do Recôncavo: Besouro e outros Capoeiras” (2008).


Coluna: “Crônicas da Capoeiragem” por Pedro Abib

Mais um envolvente texto da Coluna Crônicas da Capoeiragem, sob a tutela do nosso grande camarada e parceiro, Pedro Abib, enfocando histórias, casos, experiências, opiniões, críticas, enfim, um texto de uma lauda sobre o universo da capoeiragem.

Lisboa: Palestra com Carlos Eugênio Libano Soares

De passagem pela cidade de Lisboa para pesquisas relacionadas ao tráfico Negreiro do séc. XVIII nos arquivos e acervos Lisboetas, Carlos Eugénio, convidado e hóspede do Grupo de Capoeira Alto Astral, irá realizar uma palestra para a comunidade capoeirística interessada em ampliar seus conhecimentos com um dos maiores nomes ligados a pesquisa da escravidão no Brasil e consequentemente da história da capoeira. É professor pelo departamento de História da UFBA (Universidade Federal da Bahia) e grande parceiro de nomes como Fred Abreu e António Liberac no universo Histórico da capoeira.

Autor do grande Clássico premiado A negragada 1850-1890 (os capoeiras na corte imperial) e A capoeira escrava e outras tradições rebeldes no Rio de Janeiro (1808-1850), participou ainda de documentários de grande tais como: Mandinga em Mahatan, Mestre Bimba a Capoeira Iluminada e Pastinha, uma vida pela capoeira.

 

No dia 1 de Agosto de 2009, estará realizando uma palestra sobre a origem da capoeira e tráfico escravo, pelas 16hs da tarde no SLB (Sport Lisboa Benfica) – Porta nº 3 do complexo das piscinas.

 

Valor: 5€

Capoeira Legends: um marco na produção brasileira de games

Treze anos de obstinação. Seis anos de desenvolvimento. Um mergulho profundo na cultura brasileira. Estes são os ingredientes de uma saga que entra em uma nova etapa no momento da publicação deste post, quando acontece o lançamento oficial de Capoeira Legends – Path to Freedom, o primeiro game brasileiro para PC sobre o universo da arte marcial centenária. Eu tive o imenso prazer de visitar a Donsoft Entertainment há algumas semanas (confira o vídeo no final do post) para conhecer de perto os preparativos para o lançamento do jogo, um momento que acredito ser épico na produção brasileira de games.

Capoeira Legends não é um game qualquer: segundo André Cariús, CEO da produtora carioca responsável pela criação, o jogo, além de entreter, conta um pouco da história do Brasil e resgata o rico universo da capoeira brasileira. E para reproduzir as aventuras de personagens como Gunga Za e Mestre Vuê pelos arredores da cidade do Rio de Janeiro do século XIX, exaustivas pesquisas foram feitas ao longo de quatro anos. Toda a vegetação mostrada no game é uma cópia fiel da flora da mata atlântica da região. Os golpes de capoeira como a Queixada, a Armada e o Martelo foram desenvolvidos com uma riqueza de detalhes só encontrada em games de grandes produtoras internacionais. E tiveram de ser aprovados pelo Mestre Vuê, fundador da Escola de Capoeira Água de Beber, que deu consultoria ao projeto. A trilha sonora é toda original, gravada em sessões de capoeira e incrementada com sons da região da Serra da Estrela, incluindo cachoeiras e samples de canto de pássaros. Neste game Energia vira Axé e Magia é chamada de Mandinga.

Capoeira Legends é, na verdade, um universo de jogos em que Path to Freedom, o primeiro título, é dividido em 3 capítulos. O capítulo 1 acaba de ser lançado e neste game o jogador luta como Gunga Za, um jovem guerreiro cuja missão é defender o Mocambo da Estrela de fazendeiros e militares que buscam o poder a qualquer custo.
Os capítulos 2 e 3 também serão lançados ainda em 2009. O mais legal é que a Donsoft é uma empresa 100% brasileira e 100% independente, desde a criação até a distribuição. O jogo sai simultâneamente em versões para o mercado brasileiro (em português) e internacional (em inglês).

A ideia original do game surgiu em 1996, quando André ainda era adolescente. Fã de sagas como “Guerra nas Estrelas”, ele queria fazer um game sobre o universo cultural brasileiro. Após anos de tentativas sem sucesso, ele investiu não somente na parte técnica, que já dominava, mas também em gestão de negócios. Finalmente um time coeso foi formado em 2001, quando a Donsoft iniciou oficialmente suas atividades. Em 2003 o foco em jogos culturais foi decidido e o projeto de Capoeira Legends iniciado. Segundo Guilherme Xavier, sócio e diretor de artes e design, a Donsoft escolheu um modelo societário diferenciado que valorizou, com o mesmo peso, trabalho e capital investidos pelos sócios, para que a empresa pudesse manter seu corpo de sócios e colaboradores não-sócios. O clima é contagiante e eu acho que o jogo tem tudo para emplacar e tornar-se um case histórico na produção brasileira de games. Reitero aqui a sugestão que fiz ao pessoal da Donsoft de lançarem versões para o Wii ou Wii Fit assim que for viável, seria muito bacana praticar os golpes de capoeira, fazer exercícios físicos e jogar ao mesmo tempo. Detalhe: atualmente todos os membros do projeto dedicam-se à prática da capoeira. São eles:

Presidente e Fundador: André Cariús
Diretor de Artes e Design: Guilherme Xavier
Diretor de Tecnologia: Alexandre Bandeira
Diretor Cultural e Científico: Jorge Ricardo Domingos Valardan
Designers: Alberto Renzo, Mário Azevedo, Marcus Feital, Leonardo Pereira e Gabriel di Stasio
Programadores: Vinícius Leite e Wellington de Oliveira
Lead Tester : Rômulo Silva
Consultoria de Capoeira: Mestre Vuê e Hugo Freitas

Desejo toda a sorte a esta equipe bacana e obstinada!

Fonte: http://oglobo.globo.com/blogs/largma…st=160635&a=46

Site oficial: http://www.capoeiralegends.com/

Uma sugestão pra quem quiser comprar: http://produto.mercadolivre.com.br/M…er-1-ingls-_JM

Requisitos mínimos (segundo o anúncio do ML):

Sistema Operacional : Windows XP ou Windows Vista (32 Bits).
Processador (CPU): Pentium IV 2.4Ghz ou Atlhon XP 3000+ ou superior.
Placa gráfica (GPU): nVidia GeForce 6600GT ou ATI Radeon X1650XT ou superior
Memória RAM: Pelo menos 1GB.
Espaço no HD: Pelo menos 800MB livres no HD.
Softwares Adicionais: Microsoft .NET Framework 2.0 (incluso no CD-ROM) e Driver AGEIA PhysX 2.7.3 (incluso no CD-ROM).