Blog

adultos

Vendo Artigos etiquetados em: adultos

Aconteceu: III Encontro da Capoeira Inclusiva de Santos

Encontro de capoeira reúne portadores de necessidades especiais, em Santos

Conscientizar instituições, professores e familiares de pessoas com necessidades especiais sobre a importância da prática de atividade física para o desenvolvimento motor e mental, melhoria da auto-estima e integração social dos portadores. Esse é o principal objetivo do III Encontro da Capoeira Inclusiva de Santos, que será realizado na próxima quinta (22), das 14 às 17 horas, no Complexo Esportivo Rebouças, na Ponta da Praia, em Santos.

Cerca de 120 crianças, jovens e adultos, de seis entidades que trabalham com educação especial, participarão do evento: Capoeira Inclusiva Semes/Rebouças; Apae/Santos; Escola de Educação Especial “Eduardo Ballerini (Cerex); Escola de Educação Especial “30 de julho”; Napne/Santos e Caec João Paulo II/ Vicente de Carvalho – Guarujá.

O evento inicia com a apresentação de uma performance de dança afro pelos alunos da Apae/Santos, e segue com uma  aula inclusiva, onde os participantes jogarão capoeira, numa grande confraternização. Serão formadas cinco rodas, cada uma delas com dois professores para monitorar e orientar os participantes. Uma grande festa com pizza, doces, refrigerantes e muitos brindes encerrará o encontro.

A ideia do evento, que nasceu há três anos, foi do professor de Educação Física e mestre de capoeira Cícero França. MestreTatu, como é mais conhecido, desenvolve há seis anos um trabalho com crianças e adultos portadores de necessidades educacionais especiais nas cidades de Santos e Guarujá.

“No grupo que tenho, a Capoeira Aruanda, sempre apareciam alguns portadores de necessidades especiais. E vi como a capoeira ajudava essas pessoas. Em 2005, resolvi que me dedicaria com mais afinco a esse trabalho, que é muito gratificante”, explica.

O III Encontro da Capoeira Inclusiva de Santos evento tem o apoio da Prefeitura de Santos, Kokimbos Pizzas e Picanha; Menina Flor, Hautte Cabelo e Estética; Studio Click (Juara Prado) -, Programa no Ar – TV Santa Cecília, Ateliê Amália Marcheto, Track Filmes  e MGNNET Hospedagem e Desenvolvimento.

Aconteceu: Festival Infantil Abadá-Capoeira 2011

Ocorreu no final de maio, 28/05/2011 (Dia Internacional do Brincar), o Festival Infantil Abadá-Capoeira. O evento foi realizado nas dependências da Câmara Municipal de Paulínia e contou com a presença de diversos capoeiristas do estado de São Paulo. Cerca de 60 crianças receberam nova graduação, representada pela corda a ser amarrada na cintura e cujas cores são baseadas em elementos da natureza e com significados relativos ao estágio de aprendizado.

Embalado pelo tema “Resgatando brincadeiras antigas”, o festival foi decorado com pipas, bexigas, bambolês e outros brinquedos. Além da tradicional troca de corda, teve uma encenação de um teatro cujo tema era a diferença entre as brincadeiras antigas e os jogos modernos. Também houve participação do público presente, em que muitos adultos tiveram a oportunidade de relembrar suas infâncias. Foi uma verdadeira interação entre pais e filhos e no final eram notórias a alegria e a satisfação de todos os que assistiam ao evento.

O trabalho é ministrado pelo professor Rato no salão da Igreja do Belo Ramo – Jardim Monte Alegre. As aulas para crianças acontecem às segundas e quartas das 19:00 às 20:00. Os adultos podem treinar às segundas, quartas e sextas das 20:00 às 21:00. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (19) 8145-8570.

A Equipe Abadá Paulínia agradece  às pessoas que compareceram ao Festival e àqueles que ajudaram a realizá-lo. “A todos, nosso sincero muito obrigado”

 

Fonte: http://www.paulinianews.com.br

Capoeira muda a vida de crianças, jovens e adultos na periferia de Petrolina

Foi a necessidade de ajudar a comunidade onde vive que incentivou Frank Torres a desenvolver um projeto social; a iniciativa tem dois meses e já atraiu mais de 20 alunos.

No Sertão pernambucano, um mestre dedica parte de seu tempo para ensinar crianças, jovens e adultos, da periferia de Petrolina, os segredos e as lições da capoeira. Foi a necessidade de ajudar a comunidade onde vive que incentivou Frank Torres a desenvolver um projeto social.

“A capoeira não é muito valorizada aqui em Petrolina e eu quero mudar isso. Ajudando o próximo, acho que todos nós nos sentimos realizados pessoalmente”, conta o mestre de capoeira. A iniciativa tem apenas dois meses e já atraiu mais de 20 alunos.

O trabalho é voluntário, mas traz um lucro imenso para quem ensina e para quem aprende.

“A capoeira é uma dança muito bonita. Ela transformou muito a minha vida. Me tirou das brigas nas ruas, de fazer maldades.

Hoje estou aqui na capoeira, fazendo muitas coisas”, conta o aluno Álvaro, de apenas 10 anos.

 

Fonte: pe360graus.com

São Sebastião – Projeto Capoeira Serra do Mar promove batizado em Boracéia

São Paulo: Litoral Norte – Por meio das Oficinas Culturais da Sectur (Secretaria de Cultura e Turismo), o projeto Capoeira Serra do Mar realizará, na tarde do próximo domingo (12/09/2010), o 1º batizado de capoeira no bairro de Boracéia, na Costa Sul do município.

A iniciativa envolve aproximadamente 45 alunos, entre crianças, adolescentes, jovens e adultos, os quais receberão cordões e certificados de participação do grupo Água Branca.

Os núcleos ficam em Uberaba (MG) e Bertioga (SP) sob a responsabilidade do mestre Água Branca. Em São Sebastião, as aulas são ministradas pelo coordenador Leandro Andrade dos Santos, o contra-mestre Morf.

De acordo com Santos, o projeto Capoeira Serra do Mar é desenvolvido em Boracéia há pelo menos um ano e seis meses, na unidade escolar do bairro. “Nosso objetivo é fazer com que os alunos continuem no projeto e transformem-se em cidadãos de bem para a cidade e o país”, afirma.

O evento terá a presença de vários mestres de capoeira vindos das cidades de Praia Grande, Guarujá, Bertioga, entre outras. Durante o batizado, também haverá apresentação de um grupo bertioguense de Karatê, com o mestre Pageu.

Serviço: O batizado acontece a partir das 14h, na Escola Municipal de Boracéia. No local, as aulas são ministradas gratuitamente todas as segundas, quartas e sextas-feiras, das 17h às 18h (crianças) e das 18h às 20h (adultos).

 

Fonte: http://www.onoticiado.com.br/

Reeducação Alimentar e Qualidade de Vida

Qualidade de vida Curso é uma parceria entre a Associação Capoeira na Periferia e duas nutricionistas

A Associação Cultural, Educacional, Esportiva e Saúde Capoeira na Periferia fechou parceria com as nutricionistas Maria das Graças Carvalho de Souza e Flávia Granato, formadas pela Unimep – Universidade Metodista de Piracicaba – para realização de cursos de reeducação alimentar, destinado a crianças, jovens e adultos.

“Reeducação alimentar é para a vida inteira e o curso tem por objetivo atingir a melhoria da saúde, proporcionando melhor qualidade de vida às pessoas que aprendem a se alimentar de maneira correta e na hora certa”, explica Maria das Graças.

A metodologia do curso vai empregar folder informativo, filme, teatro e oficinas diversas, como do uso de ervas que podem substituir o sal, o cozimento de legumes e o resgate dos chás do tempo das nossas avós. “A duração do curso será de seis meses, com sala de no máximo de 50 participantes que também poderão sugerir temas durante as aulas”, diz Flávia Granato. A nutricionista ressalta que a alimentação tem relação direta com algumas doenças, como a hipertensão e a obesidade, e a oficina vai também tratar dessa pauta.

“Em se tratando de nutrição, tudo pode, desde que se saiba dosar. Até água em excesso é prejudicial, é preciso buscar o equilíbrio, conhecer os alimentos, fraccionar as refeições”, ensina Maria das Graças. Ela observa que os casos de desnutrição em crianças, que eram tão comuns, se transformaram em um número muito elevado de obesidade, relacionado à maneira errada de se comer, à vida sedentária e outros fatores. “O que vemos hoje são doenças em crianças, como o colesterol alto, que não existia antigamente”, diz a nutricionista.

Para as profissionais, a reeducação alimentar para dar resultado e chegar a quase 100%, toda a família deve participar. “Reeducação é para todos, indiferente de quantos quilos você tem quer reduzir”.

As inscrições para o curso poderão ser feitas às segundas, quartas e sextas, a partir de segunda-feira, dia 26, no horário comercial, na sede da Associação Capoeira na Periferia, avenida 31 de Março, 2213, no Jardim Pacaembu. O telefone é 3035-3329. O coordenador da entidade, José Manoel do Nascimento, informa que o curso é gratuito para as crianças matriculadas na Associação e será cobrada uma taxa de R$ 25,00 para as demais pessoas interessadas.

OUTRAS INSCRIÇÕES.

A Associação Capoeira na Periferia, fundada em 1999, passa a contar com o trabalho do sociólogo Edy Carlos de Souza como coordenador de projetos. Atualmente estão abertas as inscrições para o curso de capoeira, em diversos horários; aulas de ginástica para adultos, em parceria com a Secretaria Municipal de Esportes, Lazer e Atividades Motoras; e aulas de hip hop, pop e black.

SERVIÇO

Associação Cultural, Educacional, Esportiva e Saúde Capoeira na Periferia
Avenida 31 de Março, 2213, Jardim Pacaembu
Telefones: 3035-3329 e 8116-5461

 

http://www.gazetadepiracicaba.com.br

Canoas: Capoeira estimula pessoas com necessidades especiais

Os alunos do Centro de Educação e Inclusão e Acessibilidade de Canoas (Ceia) receberam, ontem à tarde, a visita do idealizador do projeto Capoeira Inclusiva, Eraldo Gabriel de Souza. O mestre Beija-Flor, como é conhecido, trouxe a proposta para a cidade em 2005, quando ocorreram as primeiras aulas dirigidas a pessoas com deficiência. O encontro, que faz parte das atividades do Mês da Pessoa com Deficiência, contou ainda com a participação de tradicionalistas gaúchos e de um grupo de funk. A moradora do bairro Harmonia Jeisa Carolina Ávila, 25 anos, participa das aulas de capoeira desde quando o projeto foi implantado na cidade. ‘‘O que mais gosto é da ginga da capoeira’’, contou. Segundo Eraldo, o Capoeira Inclusiva estimula crianças, jovens e adultos com deficiência a superar limites. ‘‘A capoeira estimula a consciência corporal e eleva a autoestima.

É uma terapia para a inclusão’’, destacou. O projeto existe há 14 anos e é realizado em diversos locais como Minas Gerais, Ceará, Sergipe e Maranhão. Ontem o Ceia também realizou Mostra de Artes e Feira de Folclore. Na oportunidade, foram expostos os trabalhos feitos pelos alunos do Educação para Jovens e Adultos (EJA). Entre as obras de arte estavam trabalhos com uma nova leitura dos quadros do pintor brasileiro Cândido Portinari. A moradora do Mathias Velho Neide de Souza Dias, 48, foi uma das artistas. ‘‘Gosto dos trabalhos manuais.’’ Os alunos do Centro de Educação e Inclusão e Acessibilidade de Canoas (Ceia) receberam, ontem à tarde, a visita do idealizador do projeto Capoeira Inclusiva, Eraldo Gabriel de Souza. O mestre Beija-Flor, como é conhecido, trouxe a proposta para a cidade em 2005, quando ocorreram as primeiras aulas dirigidas a pessoas com deficiência. O encontro, que faz parte das atividades do Mês da Pessoa com Deficiência, contou ainda com a participação de tradicionalistas gaúchos e de um grupo de funk.

A moradora do bairro Harmonia Jeisa Carolina Ávila, 25 anos, participa das aulas de capoeira desde quando o projeto foi implantado na cidade. ‘‘O que mais gosto é da ginga da capoeira’’, contou. Segundo Eraldo, o Capoeira Inclusiva estimula crianças, jovens e adultos com deficiência a superar limites. ‘‘A capoeira estimula a consciência corporal e eleva a autoestima. É uma terapia para a inclusão’’, destacou. O projeto existe há 14 anos e é realizado em diversos locais como Minas Gerais, Ceará, Sergipe e Maranhão.

Ontem o Ceia também realizou Mostra de Artes e Feira de Folclore. Na oportunidade, foram expostos os trabalhos feitos pelos alunos do Educação para Jovens e Adultos (EJA). Entre as obras de arte estavam trabalhos com uma nova leitura dos quadros do pintor brasileiro Cândido Portinari. A moradora do Mathias Velho Neide de Souza Dias, 48, foi uma das artistas. ‘‘Gosto dos trabalhos manuais.’’

Saúde: Comida demais

Agência FAPESP – O que tem contribuído mais para a epidemia de obesidade: a ingestão excessiva de alimentos ou o sedentarismo? A questão vem sendo discutida há tempos, mas, segundo um estudo que acaba de ser divulgado, a culpa é principalmente do primeiro item.

A pesquisa foi apresentada na sexta-feira (8/5) no Congresso Europeu de Obesidade. Segundo o trabalho, feito por um grupo internacional, o aumento na obesidade nos Estados Unidos desde a década de 1970 se deve quase que completamente ao aumento na ingestão de calorias.

De acordo com a Associação Europeia para o Estudo da Obesidade, o estudo inova ao examinar a questão das contribuições proporcionais à epidemia de obesidade ao combinar relações metabólicas e dados epidemiológicos e agrícolas, entre outros.

“Há muitas sugestões de que tanto a redução da atividade física como o aumento na ingestão de calorias têm sido os principais vetores da obesidade. Mas, até agora, ninguém havia proposto como quantificar as contribuições relativas desses dois pontos”, disse Boyd Swinburn, diretor do Centro de Prevenção da Obesidade da Universidade Deakin, na Austrália, órgão que atua junto à Organização Mundial de Saúde.

“O novo estudo demonstra que o ganho de peso na população norte-americana parece ser explicado totalmente pela ingestão de mais calorias. Aparentemente, as mudanças nas frequências de atividades físicas têm um papel mínimo”, afirmou.

Os pesquisadores examinaram inicialmente 1.399 adultos e 963 crianças para determinar quantas calorias seus corpos queimam no total em circunstâncias normais. Após obterem as taxas de queima de calorias de cada um dos voluntários, Swinburn e colegas calcularam quanto os adultos precisam comer de modo a que mantenham um peso estável e quanto as crianças necessitam para que estejam em uma curva de crescimento normal.

Em seguida, foi feita a análise de quanto os norte-americanos comem, por meio de dados nacionais da disponibilidade de alimentos (a quantidade de alimento produzida e importada menos o total exportado, desperdiçado e usado em animais ou em outras situações), desde a década de 1970.

A ideia era estimar qual seria o peso aproximado 30 anos depois levando em conta apenas a ingestão de alimentos. Para isso, também usaram dados de outro estudo nacional sobre o peso médio dos habitantes dos Estados Unidos. “Se o aumento de peso real se mostrasse o mesmo que a estimativa havia apontado, isso implicaria que a ingestão de alimentos era a responsável.

Se isso não ocorresse, significaria que mudanças na atividade física também tiveram papel importante”, disse Swinburn. Os resultados mostraram que, em crianças, o peso estimado e o real eram exatamente o mesmo, indicando que o consumo calórico sozinho poderia explicar o aumento de peso médio observado no período. “Para os adultos, estimamos que eles estariam em média 10,8 quilos mais pesados, mas o aumento ficou em 8,6 quilos.

Isso sugere que o excesso na ingestão de alimentos ainda explica o ganho de peso, mas que houve melhorias na atividade física nesses 30 anos que evitaram um crescimento ainda maior”, afirmou. Segundo Swinburn, para que o peso médio retorne aos valores da década de 1970, seria preciso diminuir a ingestão calórica em cerca de 350 calorias por dia para crianças e em 500 calorias (um sanduíche grande) para adultos.

“Uma alternativa para atingir resultados semelhantes seria aumentar a atividade física em 150 minutos por dia para crianças e 110 para adultos. Realisticamente, embora a combinação dos dois fatores seja o ideal, o foco deve estar principalmente na redução da ingestão calórica”, disse.

O pesquisador enfatiza que a atividade física não pode ser ignorada como um importante fator para auxiliar na redução da obesidade e que deve continuar a ser promovida por conta de diversos outros benefícios à saúde .

Entretanto, Swinburn destaca que as expectativas em relação ao que pode ser atingido por meio de exercícios devem ser diminuídas e as políticas públicas de saúde precisam ser dirigidas mais no sentido de encorajar a população a comer menos.

 

http://www.easo.org/eco2009/ 

 

Laercio Elias Pereira
http://cev.org.br/qq/laercio/
(82) 9913 8811 – Maceio’

Rio de Janeiro: Cordel & Capoeira para criança

Caros amigos,

No sábado e domingo próximo (28 e 29 de julho) as 14 horas no Parque Lage, estarei apresentando LITERATURA DE CORDEL & CAPOEIRA para crianças dentro da programação do FESTIVAL INTERCÂMBIO DE LINGUAGENS.

Haverá contação de história do folclore através da literatura de cordel, mini-aula e roda de capoeira.

Também estarei lançando o folheto ABC DA CAPOEIRA PARA CRIANÇAS.

Convidem seus alunos, filhos, sobrinhos etc…

Os capoeiristas adultos também são bem vindos para ajudar e participar da roda de capoeira.

DATA: SÁBADO E DOMINGO
28 E 29 DE JULHO DE 2007
 
HORA: 14 HORAS

ENDEREÇO: PARQUE LAGE – RUA JARDIM BOTÂNICO, 414
 

ENTRADA FRANCA!

Victor Garcia – "Lobisomem"
victorlobisomem@yahoo.com.br

Da Marginalidade ao Sucesso Internacional – Capoeira: Infância, Atividade & Saude

Da Marginalidade ao Sucesso Internacional a Capoeira vem cada vez mais se expandindo e ganhando adeptos pelos 4 cantos do mundo…
 
Há menos de um século a capoeira era considerada prática marginal e hoje esta mesma "forma de expressão", esta "arma da cidadania", este nossa "arte malandra", ganhou relevância, se expandiu… Conquistou os sete mares… é claro que todo este processo foi sendo desenhado, forjado e articulado em "nossa" história recente… Através de figuras importantes dentro do universo capoeiristico e por que não dizer dentro do universo sóciol cultural brasileiro… Apenas com carater ilustrativo irei fazer menção a alguns nomes (sem desmerecer os que aqui não figurarem), são eles: Waldemar da Paixão, Daniel Coutinho, Vicente Ferreira Pastinha, Manuel dos Reis Machado, José Ramos Do Nascimento, Washington Bruno da Silva, Rafael Alves França, Annibal Burlamaqui, Agenor Sampaio, entre outros…
 
Fica como sugestão de leitura e pesquisa a importancia da globalização no processo de dissiminação da capoeira pelo mundo e a introdução no ambiente acadêmico (escolas e universidades), vale ainda ressaltar dentro deste contexto as palavras do grande Mestre Decanio: "A Capoeira é um ESCOLA de CIDADANIA"
 
Segue matéria recolhida do Jornal O Dia Online, do Rio de Janeiro, onde a CAPOEIRA é citada de forma muito positiva no processo de desenvolvimento infantil.
Luciano Milani
Criança ativa e com mais saúde
 
A prática de esportes não serve só para perder peso: é boa para a auto-estima e favorece a convivência social
 
Rio – Em tempos de Orkut e videogame, a garotada parece não querer mais saber de bola e bicicleta. Mas, apesar de toda a tecnologia, ainda não inventaram uma pílula que substitua os benefícios da prática esportiva. De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), cerca de 50% dos meninos e 25% das meninas em idade escolar fazem atividades físicas.
 
“Estudos revelam que crianças e adolescentes ativos transformam-se em adultos não-sedentários. Com isso, eles ficam menos sujeitos a doenças, como obesidade, hipertensão e diabetes”, afirma o diretor do Grupo de Trabalho em Pediatria e Medicina Desportiva da SBP, Ricardo Barros.
 
Segundo especialistas, a prática de atividades esportivas é recomendada para crianças de todas as idades. Algumas modalidades, como natação, chegam a ser indicadas inclusive para bebês, a partir dos seis meses.
 
“A natação ajuda a desenvolver a musculatura, a melhorar a coordenação motora e a aumentar a capacidade pulmonar do indivíduo”, enumera o pediatra Antonio Carlos Turner, do Hospital Balbino, em Olaria. Para ele, a atividade deve ser escolhida de acordo com a aptidão da criança e ser praticada por 40 minutos, duas ou três vezes por semana.
 
APRENDENDO A PERDER
 
Tão importante quanto praticar uma atividade física, ressalta Ricardo Barros, é gostar da modalidade escolhida. Principalmente no caso dos mais novos. “Toda atividade física deve ser divertida e relaxante. Por isso, a escolha deve ser feita pelos futuros ‘atletas’ com o objetivo de sentir prazer e não de obter resultados”, salienta.
 
Mas os benefícios proporcionados vão além da prevenção de futuras doenças. “Através da prática de esportes, crianças aprendem a conviver umas com as outras e a dividir erros e acertos. Assim, passam a entender que regras existem para protegê-las e que, por isso, precisam ser respeitadas”, avalia a psicóloga Márcia Sampaio, do Hospital Memorial, no Engenho de Dentro.
 
A estudante Fernanda Madasi, de 13 anos, admite que mudou muito desde que começou a praticar CAPOEIRA, aos 10. “Antes de conhecer a capoeira, era muito tímida e preguiçosa. O esporte me deu disposição para fazer ainda mais exercício”, conta.
 
Já para Marcos Vinícius Passos, 8 anos, a prática do caratê serviu como válvula de escape. Ele diz que o pai resolveu matriculá-lo no curso porque sempre foi muito agitado e, pior, vivia implicando com a irmã mais velha, Jéssica. “Essa garotada tem uma energia que precisa ser canalizada. O mais impressionante é que o caratê melhora até o rendimento na escola”, afirma o mestre Genival Ferreira.
 
Quando o assunto é competição, porém, os pais precisam estar atentos para não exagerar na cobrança. “Os adultos devem estimular as crianças a melhorar o desempenho esportivo sem acirrar demais a competitividade”, explica Márcia Sampaio. Para ela, os pais devem ajudar os filhos a lidar com as frustrações.
 
Aos 10 anos, Marcelo Kogut já participou de dois torneios de tênis: perdeu um e ganhou outro. Embora reconheça que a derrota tenha sido ruim, não desanimou. “Fiquei triste quando perdi, mas, mesmo assim, treinei bastante para a outra disputa”, lembra. Para a mãe, Marta Kogut, a participação em um torneio, mais do que a fazer aces e voleios, ensinou o pequeno Marcelo a administrar vitórias e derrotas.
 
Em excesso, exercícios podem ser até prejudiciais
 
A prática de atividades físicas em excesso pode ser prejudicial à saúde dos mais jovens. “Criança também precisa ter tempo para ser criança. Se for da vontade dela, também é saudável passar um certo tempo sem absolutamente nada para fazer”, ressalta a psicóloga Márcia Sampaio.
 
Para que a criança possa recuperar a energia gasta, é recomendável que a prática de atividades esportivas não exceda duas ou três vezes por semana. O pediatra Ricardo Barros salienta que pais e médicos devem ficar atentos ao comportamento dos mais novos.
 
“Fadiga, sono excessivo, falta de apetite, alteração de humor, recusa em ir à escola e queda da performance no esporte são sinais de que o exercício pode estar sendo maléfico à saúde”, alerta.
 
A escolha da atividade pelos pais, e não pelas crianças, também deve ser evitada. “Às vezes os adultos influenciam os filhos e isso não costuma fazer bem porque o grau de exigência é grande, com objetivos pré-determinados. Nesses casos, a criança acaba abandonando o exercício”, diz Ricardo.
 
Apesar da pouca idade, Louise Vieira, 7 anos, se orgulha de ter escolhido a natação. Hoje, ela nada pelo menos três vezes por semana. “Ela pode até faltar à escola, mas não aceita faltar à natação de jeito nenhum”, brinca sua mãe, Graça Vieira.
 
Para Ricardo, alimentação saudável e ingestão de líquidos também são fundamentais para evitar danos à saúde. A prática de esportes deve ser sempre acompanhada de segurança e os limites individuais de cada criança, respeitados pelos pais.
  
FAIXA ETÁRIA
 
Cada criança tem características físicas e psicológicas próprias. Mas, de modo geral, algumas atividades são indicadas para determinadas faixas etárias.
 
ATÉ OS 6 ANOS
Atividades que envolvem brincadeiras e lazer. Não deve haver cobrança dos pais sobre aprendizado do esporte praticado.
 
DOS 6 AOS 8 ANOS
Atividades de iniciação para reforçar as habilidades específicas de cada criança. Natação, corrida, salto, futebol, capoeira, surfe e ginástica são algumas das atividades indicadas.
 
DOS 9 AOS 12 ANOS
Adequado para atividades que requisitam velocidade. Recomenda-se a prática de ciclismo e atletismo.
 
APÓS OS 13 ANOS
A partir dessa idade, os torneios e as competições já estão liberados. É necessário, porém, que haja prevenção contra lesões físicas e traumas psicológicos.