Blog

aprendizado

Vendo Artigos etiquetados em: aprendizado

A CAPOEIRA NO “JOGO” DA APRENDIZAGEM

DIFICULDADES E PERSPECTIVAS PARA A FORMAÇAO DA PESSOA COM DEFICIENCIA VISUAL

RESUMO

O presente artigo se articula com a temática que envolve o dialogo sobre praticas culturais e sociedade, focando em particular os limites e possibilidades da capoeira na formação de pessoas com deficiência visual,. Este tema tem como objetivo geral à proposição de analisar as perspectivas da ação pedagógica no campo da cultura corporal em Educação Especial. Neste sentido, buscaremos dialogar com alguns autores, apresentando alternativas a partir da pratica da capoeira, enfocando seus movimentos, sua musicalidade e o “ritual” da roda, como fontes para o desenvolvimento das pessoas com deficiência visual e conseqüentemente das estratégias e métodos que permeiam as instituições formais para este publico.

PALAVRAS CHAVE – Educação, Capoeira e Deficiência Visual

Considerando a pratica pedagógica a partir da capoeira como objeto de analise, faremos um recorte sobre as possibilidades da mesma no campo da educação formal, em particular com pessoas que apresentam deficiência visual. Para tanto, ampliaremos o dialogo com alguns autores da área, no intuito de permitir uma aproximação maior entre o universo da capoeiragem, seus saberes, e as reais necessidades para um trabalho em Educação Especial. Sendo assim, iniciaremos discutindo algumas questões relativas a aprendizagem humana.
Sobre desenvolvimento e aprendizagem, antes de apresentar nossa posição teórica, podemos inicialmente dialogar com três possibilidades, que segundo Vygotsky (2003) são defendidas pelos teóricos de psicologia da Educação. A primeira delas defende a idéia de que o aprendizado sempre dependera da fase de maturação do individuo, ou seja, que o desenvolvimento sempre será fator principal, necessário e pressuposto para o aprendizado,excluindo a idéia de que o aprendizado pode ter um papel no curso do desenvolvimento ou maturação daquelas funções ativadas no decorrer do próprio processo de aprendizagem. De acordo com Vygotsky:

De forma similar, os clássicos da literatura psicológica, tais como os trabalhos de Binet e outros, admitem que o desenvolvimento é sempre um pré-requisito para o aprendizado e que, se as funções mentais de uma criança (operações intelectuais) não amadureceram a ponto de ela ser capaz de aprender um assunto particular, então nenhuma instrução se mostrara útil. Eles temem, especialmente, as instruções pré-maturas, o ensino de um assunto antes que a criança esteja pronta para ele. Todos os esforços concentram-se em encontrar o limiar inferior de uma capacidade de aprendizado, ou seja, a idade numa qual um tipo particular de aprendizado se torna possível pela primeira vez. (2003, p.104)

A segunda grande posição teórica defende que o desenvolvimento acontece simultaneamente ao aprendizado, mas reduz o aprendizado a um conjunto de ações reflexas, que vão paulatinamente superando as respostas inatas, contudo, apesar de muita semelhança com a primeira posição teórica, existe uma diferença marcante em relação ao tempo entre desenvolvimento e aprendizado, pois na primeira, o processo de aprendizado depende diretamente do desenvolvimento (maturação), que precisa sempre antecipar a aprendizagem.

Já a terceira, se baseia na combinação das outras duas, tentando superá-las, a partir da negação dos posicionamentos extremistas das anteriores. Um exemplo claro desta abordagem e a teoria de Kafka, segundo a qual o desenvolvimento se baseia em dois processos inerentemente diferentes, embora relacionados, cada um influencia o outro, estando de um lado à maturação, que depende diretamente do desenvolvimento do sistema nervoso, de outro o aprendizado, que é em si mesmo, também um processo de desenvolvimento.Sendo assim esta terceira nos apresenta três aspectos novos: A combinação das outras duas, a consideração de que tanto a maturação como o aprendizado são processos de desenvolvimento e por fim o amplo papel que ela atribui ao desenvolvimento da criança.

Mesmo tendo um posicionamento contrario as posições teóricas anteriores, foi pertinente discuti-las, pois assim poderemos avançar no dialogo sobre as questões de aprendizagem para pessoas cegas com a capoeira, a partir da referencia de Vygotsky, considerando a proposição do aprendizado na zona de desenvolvimento proximal (ZDP), que consiste no processo de aprendizado daquilo que podemos fazer com o auxilio de outra pessoa, ou seja, é a diferença entre aquilo que fazemos isoladamente e o que potencialmente faríamos com o auxilio de alguém. Segundo Vygotsky:

Ela é a distancia entre o nível de desenvolvimento real, que se costuma determinar através da solução independente de problemas, e o nível de desenvolvimento potencial, determinado através da solução de problemas sob a orientação de um adulto ou em colaboração com os companheiros mais capazes.(2003, p.112)

Um outro fator relevante é que a ZDP considera o nível de saberes diferentes dos indivíduos envolvidos na ação educativa, reconhecendo o conhecimento prévio de cada um deles e seus possíveis intercâmbios, como “combustível” para o desenvolvimento e aprendizado de todos, a partir de uma intencionalidade pedagógica organizada pelo facilitador, neste sentido as diferenças em relação a maturação e aprendizagem, não se firmaram como agentes dificultadores do processo e sim como motivadores da ação pedagógica. Desta forma, a roda de capoeira para pessoas cegas poderá despertar a produção de conhecimento em diversas áreas que são necessárias para a melhoria das “condições de vida” destes indivíduos, considerando que neste espaço (roda) podemos tocar, cantar, jogar, enfim aprender com as diferenças das pessoas e dos recursos educativos presentes no meio da capoeira.

No jogo, varias situações poderão desenvolver o equilíbrio dinâmico, a noção de tempo/espaço, força, agilidade, dentre outras. Considerando que tudo isso será potencializado por uma forte relação de parceria entre as pessoas. (leia o artigo completo)

 

 

Livro sobre Capoeira Angola

Release do livro recém-lançado, versando sobre Capoeira Angola & Cultura Popular, de autoria de Pedro Abib (Pedrão de João Pequeno de Pastinha).
 
 Capoeira Angola: cultura popular e o jogo dos saberes na roda
Neste trabalho o autor sugere ao leitor algo além de uma simples e boa etnografia. Sugere mesmo algo mais do que a tomada de algum ângulo novo, pouco explorado entre autores antecedentes. O trabalho revela dimensões da experiência da criatividade e do aprendizado humano. Resulta de pesquisa de vários anos e também da vivência pessoal do autor no universo da cultura popular, sobretudo no âmbito da capoeira Angola não apenas na condição de pesquisador como também como praticante.
Informações: pedrabib@ufba.br
 
 

MOVIMENTOS CIRCULARES EM CAPOEIRA

CONSIDERAÇÕES GERAIS

Os movimentos helicinos, circulares, predominam tipicamente no jogo de capoeira por herança cultural da dança religiosa do candomblé, sua raiz africana.
Como os músculos do corpo humano descrevem um trajeto elipsóide entre o ponto de origem e aqueloutro de inserção, concluímos que os movimento ciclóides devem propiciar maior rendimento motor em termos de velocidade e potência.
Analisaremos a seguir a relevância dos mesmos no gingado, na defensiva, no ataque e na coreografia.

NO GINGADO

O gingado é o movimento ritmado de todo o corpo acompanhando o toque do berimbau, com a finalidade precípua de manter o corpo relaxado; pés apoiados no terço anterior, deslizando levemente sobre o piso e o CGC em permanente deslocamento, pronto para esquiva, ataque, contra-ataque ou fuga.
Característica importante é o vai-e-vem do corpo, ora ensaiando um passo para diante, ora para trás; outras vezes esboçando giros sobre um pés, movimentos descendentes e ascendentes descrevendo espirais que não se concretizam; sempre procurando esquivar das aproximações do parceiro enquanto tenta abordá-lo sob ângulos diversos à procura de pontos indefesos.
Durante o gingado o praticante deve manter-se em movimento permanente, simulando tentativas de ataque, contra-ataque, executando movimentos para atrair ou distrair a atenção do parceiro; sempre vigiando as intenções do parceiro; guardando contínua postura mental de esquiva e proteção dos alvos potenciais de ataques, prestes a fugir, esquivar, negacear ou contra-atacar.
Assim o gingado é o fulcro da capoeira, donde partem todos os seus movimentos.
Por definição e conceito da própria capoeira, só podemos aceitar no jogo de capoeira movimentos gerados a partir do gingado, compatíveis com o ritual da roda e enquadrados no ritmo-melodia do toque de berimbau.
Obviamente, a dinâmica do gingado deve facilitar a esquiva em movimento tangencial, negando ou afastando o corpo do impacto direto.

NA DEFENSIVA

Em decorrência dos movimentos helicinos, os encontros com elementos externos passam a levar orientação tangencial no momento do impacto, transformando o valor da força viva (mv2/2) integral (i.e. multiplicado pelo seno de 90o (=1) num valor menor porque em ângulos > ou < do que 90o o valor do seno é inferior a l.
Deste modo a movimento defensivo circular, além de facilitar a esquiva, reduz acentuadamente o efeito do golpe traumático em ação.
O movimento giratório durante as quedas ou projeções conduz esta conclusão para o momento do impacto, que passa a ser tangencial (ângulo diferente de 90o) e não direto (=90o).
Princípio adotado no treinamento de "ukemi" no Judô, sob a denominação portuguesa de "rolamento", ao lado da "dispersão" da energia cinética pela batida da palma da mão contra o solo em tentativa de desprendimento do contato com o solo.

NO ATAQUE

A funda, que o pequeno Davi usou para vencer o gigante Golias, utiliza a aceleração centrífuga do movimento giratório como propulsora do seu projetil.
Assim, o movimento circular gera aumento da potência dos golpes, incrementando sua eficiência de modo notório, porque na extremidade do segmento contundente a velocidade é, proporcionalmente ao seu comprimento, um múltiplo da original na raiz do membro.
Observe-se também que os caratecas realizam um movimento de torção no momento do impacto para reforçar o impacto dos "tsuki".

NA COREOGRAFIA

O efeito estético da coreografia exige a leveza dos movimentos, a qual empresta aos mesmos uma elegância natural, algo como a evolução sinuosa das serpentes.
Os movimentos circulares, tendo por origem o centro de gravidade, comprometem o corpo como uma unidade, exigem um esforço segmentar bastante reduzido, emprestando graça e naturalidade ao conjunto.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A inteligência corporal.

Mestre Yoshida falava muito numa inteligência bulbo-espinhal (Shinkei) em cooperação com a inteligência do cérebro (Nô)
A primeira (infra-encefálica, inconsciente, bulbomedular), atribuída pelo Prof. Jaime Martins Viana à criação de circuitos reverberantes medulares, fruto da repetição freqüente de movimentos durante o treinamento ou execução dum trabalho repetitivo, cujos circuitos seriam responsáveis pela resposta automática, reflexa ante uma situação da qual o SER toma conhecimento por um conjunto de dados periféricos inconscientes, veiculados pelos órgãos sensoriais de todo o corpo, interpretados pelo sistema nervoso central pela comparação, também a nível subconsciente, com situações semelhantes vivenciadas anteriormente.
Justifica-se deste a maior riqueza de recursos exibida pelos detentores de maior tempo de prática da "arte-e-manha de São Salomão", a superioridade técnica dos "mais velhos" e dos mestres, detentores de maior gama de padrões de comportamento, adquirido ao longo do tempo.
Durante a vida, encontrei oportunidades de enriquecer meus conhecimentos e habilidades com o aprendizado de artes manuais sobretudo marcenaria, carpintaria naval, mecânica, pintura automotiva, hidráulica em construção civil e pilotagem de embarcações diversas, entre outras.
Os mestres eram, na sua quase totalidade, de origem africana (sangüínea ou cultural), como soe acontecer em nosso meio e obviamente, adotavam o sistema de transmissão de conhecimentos usual no correspondente ambiente social.
O método é muito simples, inicialmente o mestre executa a tarefa de modo natural, algumas vezes em modo um pouco mais lento, como a enfatizar os momentos mais importantes, sem uso de muitos detalhes orais. A seguir entrega matéria prima e ferramenta, ordena a repetição da procedimento pelo aprendiz e afasta-se enquanto o aprendiz repete o trabalho; retornando para examinar o resultado final.
A repetição da operação permite o aprendizado dentro do potencial do aprendiz, evitando o surgimento dos "teorebas" e "papagaios" tão comuns nos meios acadêmicos, os "mestres" discursivos… parlapatões… "catedráticos" desprovidos de habilidade prática… doutores de beca, de anéis brilhantes, sem argola de outro na orelha, como diria Mestre Pastinha…
A fisiologia nervosa nos ensina que os movimentos complexos são desencadeados a partir de comandos simples.
Ao tomarmos uma colher de sopa, não desdobramos a ordem mental "tomar sopa" numa sucessão de atos voluntários ou conscientes, como:

  1. pegar a colher,
  2. levar a colher até o prato de sopa,
  3. mergulhar a colher na sopa,
  4. retirar a colher da massa líquida, sem derramar a sopa,
  5. levar a colher sem derramar o seu conteúdo, até à boca, etc;

simplesmente pensamos em "tomar sopa" e nosso corpo executa a seqüência completa de movimentos necessários ao cumprimento do desejo; interpretado como uma ordem completa, abrangendo uma série de etapas a serem cumpridas automaticamente.
Esta aptidão para encadear movimentos complexos a nível subconsciente, a serem desencadeado pela ativação de símbolos ou idéias, é que Mestre Yoshida denominava de inteligência medular em contraposição áqueloutra consciente, que está vinculada à atividade da cortical do cérebro.
A "inteligência corporal" tem a capacidade aprender a reagir a situações ambientais, a interagir com a evolução das mesmas a nível infra-consciente e criar manobras adequadas a uma dada situação, com base na experiência acumulada pela vivência pregressa de situações semelhantes.
Explicam-se deste modo as surpreendentes esquivas e/ou contra-ataques fulminantes durante um jogo de capoeira, sem o que o praticante precise analisar a situação ou elaborar uma solução para o momento.
Compreende-se assim a necessidade variar de parceiro, tão logo seja possível, desde os primeiros instantes do aprendizado, para ampliar as variações espontâneas de gestos, movimentos e manobras consoante a personalidade do companheiro. Acresce que a mudança de parceiro acostuma o principiante a não temer a desconhecimento do movimentos do oponente e a confiar nos reflexos do próprio corpo, que improvisa as reações a nível subconsciente.
Conseqüentemente, a repetição mecânica das seqüência, dispensando o acompanhamento meticuloso dos movimentos, sobretudo do movimento do seu desencadeamento, não aperfeiçoa a sua realização, nem multiplica os padrões de reflexos de esquiva e/ou contra-ataques.
Acompanhando cursos e treinamento de principiantes, venho verificando alunos iniciarem movimentos de esquiva antes do esboço do ataque ou executarem movimentos automatizados e desprovidos de objetividade, como a negativa antes da benção. Conseqüência do treinamento intensivo massificado, que poderá ser facilmente corrigida pela início do treinamento com movimentos cuidadosos e lentos, única maneira de evitar o medo de que leva ao principiante a se precipitar na esquiva ou defensiva, anulando o efeito benéfico da prática.
Mestre Bimba não consentia esta antecipação, pois quando o aluno assume o movimento defensivo ou a esquiva, antes do início do movimento do parceiro ativo, transforma uma manobra simulada de ataque e defesa em movimentos dissociados, despropositados e inócuos.
Mestre Pastinha enfatizava o treinamento prolongado sob o ritmo da "bateria" como o ponto alto da sua pedagogia, hábito que os seus seguidores mais próximos conservam até nossos tempos.
É indispensável portanto a confiança no parceiro e o cuidado durante a seqüência de ensino, bem como aguardar o justo momento da esquiva ou defensiva, para desenvolver o "golpe de vista" componente primordial do jogo capoeira.

CONCLUSÃO

As considerações acima nos permitem sugerir o aumento da carga horária de treinamento sob o toque do berimbau no ensino e prática da capoeira, reservando diariamente um período extra de exercícios físicos individuais.
Sistema este adotado pelo Mestre Bimba na época em que iniciei o aprendizado e seguido pelos "mais velhos" do meu tempo, para manutenção da aptidão física
A repetição exaustiva de seqüências de movimentos cria padrões estereotipados de comportamento, que permitem facilmente ao oponente a antecipação do movimento seguinte no seguimento do jogo, ocorrência indesejável e perigosa por motivos óbvios.
É indispensável lembrar que o jogo de capoeira é uma eterno improviso… a cada movimento o risco duma surpresa!

Mestre Bimba um visionário

Mestre Bimba
 
 
 
Um visionário…. em meados da década de 30 ele ja sabia o valor da "Publicidade!"
 
 
 
Em 1932, Mestre Bimba funda a primeira Academia de Capoeira do mundo em recinto fechado.
 
 
 
Criou a primeira metodologia de ensino através de Seqüências de Ensino que permitia um aprendizado mais racional e num espaço de tempo menor.
 
{mos_sb_discuss:8}