Blog

casarão

Vendo Artigos etiquetados em: casarão

Orquestras infantil de Berimbaus, Niterói 1997

No ano de 1997 em Niterói, no bairro de São Domingos, algumas crianças se destacaram pela habilidade que mostravam na Roda da Capoeira e na sua parte rímica e musical. Dentre eles Wellington e Thiaguinho (ao centro e olhando à frente).

Aqueles meninos estavam praticando a capoeira angola a pouquissimo tempo e já mostravam que “iam dar o que falar”. E realmente começaram a jogar uma capoeira bonita de se ver. Um deles, o Wellington (filho da Vera) parecia flutuar no jogo, sapateava e mandingava. Todos o elogiavam e ele já começava a dar trabalho a alguns marmanjos da capoeira, que quando jogavam com o garoto tinham que se calçar de precauções, para não escorregarem de encontro ao chão.

Bons tempos aqueles da Cantareira, incríveis eventos os do Projeto Todo dia São Domingos, no Casarão. Inesquecíveis Sambas pelos quais depois o espaço ficou tão conhecido: o famoso Samba do Casarão! Local onde bambas se apresentaram … artistas que hoje entoam suas vozes nos melhores bares e casas de shows do Rio e do Brasil.  Nomes como Tereza Cristina e Galloti, Pedro Lima e Teresa Pineschi, Seu David da Portela e o seu grupo, Tio Samba e muitos outros deixaram sua marca nas lembranças de muitos que lá estiveram.

O tempo passa a memória permanece!

A partir dessa semana estaremos postando diariamente algumas fotos do Projeto todo Dia São Domingos e de uma época que muitos tem saudades e boas memórias.

Obs. se você participou do Casarão de São Domingos ou da Cantareira e tem alguma foto que deseja compartihar com agente basta enviar para info@kabula.org. A foto poderá ser selecionada e postada no nosso site.

Fonte: Kabula Art’s & Culture – http://kabula.org

Ladeira da Montanha: Moradias e Estabelecimentos em risco

Moradores se recusam a desocupar casarões: Ocupantes dos imóveis preferem o risco do que ir parar em abrigos

Depois de o juiz Paulo Pimenta, da 16ª Vara Federal, ter deferido em parte o pedido de liminar feito pelos ministérios públicos Estadual e Federal para desocupar e interditar os casarões apontados pela Defesa Civil (Codesal) como de alto risco, muitos moradores demonstram que vão dar trabalho para sair.

Ontem, o CORREIO visitou a Rua do Julião, no Comércio, onde segundo o relatório da Codesal de 2009 há a maior concentração dos imóveis considerados de alto risco, com 13 casarões em uma única rua. No casarão de nº 57, o líder comunitário Onassis Brito vive há 40 anos e diz que não pretende sair do imóvel.

“Nós não queremos abrigo. Por que eles não viram essa situação antes? Abrigo não é solução para ninguém. Tem que encaminhar a gente para o programa Minha Casa, Minha Vida e dar moradia com dignidade para quem não pode pagar”, reclamou.

Já no casarão 49 da Ladeira da Montanha, descrito pela Codesal com “fachada com desprendimento de reboco, infiltrações e esquadrias soltas” e que também estaria desabitado, funciona hoje o Centro Cultural Mistura Africana.

“Eu moro aqui há mais de 30 anos e a gente paga IPTU. O casarão está sendo reformado por mim mesmo e não tem problema nenhum”, disse o comerciante Luís Carlos Salvador, 54 anos. “Não há governo nenhum que vá tirar meu povo daqui. Aqui não tem nada pingando. Nada quebrado”, complementou o mestre de capoeira, Raimundo Vital, 44. Segundo ele, no local é ensinado capoeira, percussão, samba de roda e maculelê.

Defasado


Em 2009, ano em que foi elaborado o relatório que serviu de base para a ação judicial, cerca de 40% dos 111 casarões avaliados como de alto risco estavam habitados. Quase dois anos depois, a Codesal admite que o relatório está defasado e não corresponde à situação atual e que não sabe quantos estão habitados.

“Ainda não temos resultado desse novo mapeamento, pois é um trabalho minucioso e delicado. Estamos num momento delicado, de Operação Chuva, por isso o novo estudo ainda não foi realizado”, informou a Codesal, através da assessoria.

Liminar  De acordo com a decisão do  juiz da 16ª Vara Federal, a Prefeitura e a Codesal devem cadastrar todos os moradores dos casarões em risco pra que eles sejam encaminhados para novas habitações. Além disso, a Defesa Civil tem que elaborar placas indicando o nível do risco do imóvel.

Segundo a liminar, ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), à União e ao Estado cabem realizar as intervenções na estrutura física dos imóveis. O não cumprimento da liminar implicará em multa de R$ 1 mil por dia.

A assessoria da Advocacia-Geral da União informou que já foi notificada, no entanto, só irá se manifestar “após analisar a decisão”. Já o governo do estado informou que os técnicos da  Companhia de Desenvolvimento Urbano  analisam a situação individual de cada imóvel para adotar medidas preventivas, mas o órgão não informou quais medidas implementará para executar a decisão da liminar.  Procurados pelo CORREIO, nenhum representante do Iphan não se manifestou até o fechamento desta edição.

http://www.correio24horas.com.br/