Blog

conhecer

Vendo Artigos etiquetados em: conhecer

Qual é a sensação de jogar capoeira?

A grande sensação de jogar capoeira é saber que, em geral, todos os integrantes da roda são admiradores da serenidade, da confiança, do conhecimento, da cortesia, dos bons valores morais, do valor, da saúde, da bondade, da atenção, do falar, da beleza e da intensidade de um jogo pausado. Portanto, todos nós que somos jogadores de capoeira, sabemos que isso pode ser emitido pelo gingar do vai e vem do nosso jogar.

É prazerosa a sensação de saber que no jogo da capoeira habitam dois ícones em uma mistura de curiosidade, destreza e confiança, que exploram a experiência com dificuldade em um caminho feito por um jogo duvidoso, onde reina o perder e o ganhar.

Neste jogo que imita a vida, além de termos um coração que pode sentir a música, é primordial termos uma mente e um olho que saiba evoluir de oitiva para absorver as informações de um círculo mágico chamado roda. Uma alma que saiba cultivar as emoções e mãos que possam tocar um instrumento com discernimento e sabedoria para impulsar o jogo dos camaradas com motivação.

Nesta mistura intrigante entre dois corpos, é primordial termos também, uma mente que possa indagar e que saiba compreender as nuances de um simples jogo que alberga o ataque e contra-ataque surpresa de um verdadeiro jogador de capoeira.

Visto assim, podemos simplificar tudo isso dentro de uma alma que possa elevar-se dentro do próprio jogo. A alma de um corpo que sabe reagir com o tum marcado pelo atabaque. Uma alma que diz que estarmos dentro desse processo de jogar capoeira, pode ser simplesmente, conhecer a alegria e a tristeza em um mesmo segundo. Uma fração de um instante, onde se mantém a esperança de que tudo pode acontecer. De que tudo é válido e válido para melhor. Da mesma forma, diremos que dentro do jogo da capoeira é possível conhecer a desilusão de um jogo não realizado, assim como é possível a conquista por tê-lo realizado.

Com firmeza e definição em nossas palavras, expressamos que além da frustração, da desgraça, da satisfação, da impaciência, da expectativa, da apreensão, da música, do som, da arte e da harmonia, somos todos realmente conhecedores dos fracassos, das emoções, dos erros, do apreciar, do vislumbrar-se das maravilhas e da admiração por um sábio jogador de capoeira. Portanto, reconhecemos que, saber que tudo isso pode ocorrer a um jogador de capoeira é uma coisa, mas admitir que isso ocorre em nós é muito mais.

Por isso, a grande satisfação de jogar capoeira, é o grande desejo de saber que vale apena sonhar com um jogador que nos estimula a jogar e que compartilha os mesmos desejos.

É um sentimento positivo que surge quando um jogador experimenta uma atenuação em seu estado de mal-estar. É a sensação de ter atingido o objetivo ou a meta traçada.

Em resumo, a satisfação de jogar capoeira tem uma duração breve, ainda que ocasionalmente, pode ser como um estado de prazer intenso, de agradabilidade, satisfação, realização, motivação, maior tolerância à frustração, elevação da auto-estima, agilidade do processo cognitivo e de ajudar ao menos capacitado para realizar um jogo de capoeira.

 

Wellington de Oliveira Siqueira – Mestrando Cinzento – Valencia (Espanha).

www.aluacapoeira.com

Mulheres – Vale a pena conhecer

Mais um  Dia Internacional da Mulher está chegando. Comemorado, este ano, na mesma data do Carnaval, tem mais chances de ser lembrado: por escolas de samba, blocos, em trios elétricos ou outras festividades.

Por outro lado, a data também tem mais chances de ser esquecida, sendo ofuscada pelas festividades carnavalescas.

Cabe a cada um de nós escolher entre celebrar a data ou deixá-la passar em branco. Lembrando que, celebrá-la pode ser muito simples.

Basta olhar ao redor e observar cada mulher que circunda sua vida. Observar seu trabalho, sua força, sua paciência e persistência. Com certeza não vai faltar o que ser admirado, elogiado e homenageado. Então admire, elogie e homenageie.

Esse é um exercício muito simples e positivo que pode ser colocado em prática pelos homens e pelas próprias mulheres, que também têm muito o que aprender umas com as outras. Em casa, no trabalho, no grupo.

Você conhece as alunas do seu grupo? Sabe de suas batalhas e de suas dificuldades? Pois este é um ótimo momento para conhecer e incentivar os demais a fazer o mesmo.

 

Neila Vasconcelos – Venusianacapoeiradevenus.blogspot.com

Estrangeiros visitam a Bahia para aprender Capoeira

A cidade de Salvador está recebendo 15 estudantes universitários que estão na cidade para conhecer um pouco mais da Capoeira de Angola. O grupo foi trazido pelo Departamento de Estudos Afro-Americanos da faculdade de Oberlin College, de Boston (EUA) e fazem parte do curso de sociologia e neurologia. Além dos americanos, outro grupo, com sete colombianos, também visita a cidade para aprender mais sobre o esporte. Os visitantes fazem parte do Grupo de Capoeira Volta ao Mundo, de Bogotá.

“A Capoeira Angola está bem representada aqui, por isso sempre tivemos a Bahia como referência. Além disso, a cidade tem uma agenda cultural muito rica e o lugar é muito gostoso. Vamos ficar para aproveitar mais a cidade e conhecer o Carnaval”, disse o colombiano Juan Pablo, 25 anos.

 

De dança ou luta proibida pelas autoridades, a Capoeira virou patrimônio cultural brasileiro, tornou-se grande atrativo da Bahia e tem seduzido turistas de todos os lugares do mundo, como o grupo de estudantes norte-americanos, da Oberlin College, que veio a Salvador aprender os segredos da Capoeira Angola.

Há duas semanas na capital baiana, os estudantes aproveitaram para conhecer alguns dos principais pontos turísticos de Salvador como o Pelourinho, o Mercado Modelo e o Elevador Lacerda. Segundo o coordenador da Acanne, Mestre Renê Bitencourt, as aulas se dividem em teoria e prática.

“Temos a aula teórica sobre história da Acanne, do samba de roda e do mestre Paulo dos Anjos, que inspirou a criação da associação. Nós trabalhamos o movimento em torno da ginga que o baiano tem para deixar o corpo solto, além de aula de berimbau”, explica Bitencourt.

Já os primeiros passos no esporte estão sendo iniciados com os mestres da Acanne, grupo que há 25 anos leva a Capoeira Angola e os ensinamentos do mestre Paulo dos Anjos a alunos de Minas Gerais e  do Rio Grande do Sul, no Brasil, além da França e Estados Unidos.

Sete colombianos também visitam a cidade e estão aprendendo mais sobre a capoeira. Eles fazem parte do Grupo de Capoeira Volta ao Mundo, de Bogotá, vieram à Bahia de forma independente participar de um evento em dezembro, mas, encantados com a cidade, resolveram permanecer até o Carnaval.

“A Capoeira Angola está bem representada aqui. Por isso sempre tivemos a Bahia como referência. Além disso, a cidade tem agenda cultural muito rica. Vamos ficar para aproveitar mais a cidade e conhecer o Carnaval”, disse o colombiano Juan Pablo, 25 anos.

 

Dança, canto e sagacidade

 

Para a superintendente de Serviços Turísticos da Secretaria de Turismo da Bahia, Cássia Magalhães, a Bahia, conhecida internacionalmente como a ‘Meca da Capoeira’, contribui de forma importante para o fluxo turístico do Estado.

“A Capoeira –  ao lado do Candomblé – é o principal elemento cultural e étnico capaz de disseminar a cultura baiana. É um sistema de valores que mistura dança, canto e sagacidade. E, por isso, um instrumento turístico muito significante para o estado”, diz.

 

Fonte: http://www.mercadoeeventos.com.br/ – http://www.nordesturismo.com.br

Os “novos Capitães do mato” do Século XXI

Em pleno século XXI, ano de 2010, encontramos novas versões de “novos Capitães do mato”. Como se formam estes capitães? Ainda hoje, apesar de tanto avanço no movimento progressivas da capoeira, encontramos escolas de formação de oprimidos. Escolas que cercam seus participantes, querendo invisibilizar alguns trabalhos de relevância social e dar maior visibilidade para outros. Pratica da cultura dominante. – O que é meu vale mais, o que é do outro, não tem valor. Portanto, cuidado com os “Novos Capitães do mato”. O que liberta o capoeira é o conhecimento histórico-social de sua luta, não como determinação, mas como possibilidade de reconstruir e transformar a sua comunidade. A cabeça do capoeira aponta para o chão, e seus pés para o céu, esse movimento chamamos de inversão. As raízes ancestrais são fortalecidas na medida em que buscamos aprofundar nossos conhecimentos.

A superficialidade e o senso comum, não emancipam os homens em suas lutas, muito pelo contrário, acomodam e aprisionam na sua ignorância. Ignorância esta, que faz ressurgir os “novos capitães do mato”. Repetindo e reproduzindo a história de dominação, que se perpetua através dos tempos e nos espaços onde se movimentam os capoeiras. A história formal foi construída e constituída pela ótica da cultura dominante, pela lógica de quem é detentor do poder.  
Besouro antes de morrer,Bateu na porta e falou.Meu filho cuida bem,Do que teu mestre ensinou…

Os Capitães do mato, sempre, foram homens que conheciam os segredos da arte-luta capoeira. E resolveram utiliza-la em beneficio próprio, e não em prol do bem comum. É preciso conhecer a história da capoeira, que é um movimento de luta e resistência socialmente construído e, também, conhecer a história dos homens que movem este movimento, e que fazem este movimento se mover. Porque, como diz a musica;  “nem tudo que reluz é ouro, e nem tudo que balança cai”.

Certa vez, numa palestra em Florianópolis, não me recordo o ano, mestre João Pequeno de Pastinha, disse: “quanto mais eu ando, mais eu vejo, quanto mais eu vejo, mais eu aprendo”. E aprendo sempre que convivo com as diferenças, isso me oportuniza dialogar e refletir sobre minha práxis, e me questiono? Como pode alguém dizer, que é a favor das ações afirmativas e das cotas raciais?

Se quando chega no meio do “saber popular”, se apresenta com mestrando de uma universidade de Porto Alegre no RS, e trás um discurso panfletário, sem fontes e referenciais teóricos, sem uma organização de idéias fundamentadas numa ordem mínima. Defende políticas de ações afirmativas e cotas raciais.

E quando se apresenta a um publico para tratar de questões raciais, trás frases de efeito, que destacam a manifestação racista no Brasil para reflexão. Faz uma critica ao hino do Rio Grande do Sul; “Povo que não tem virtude, acaba por ser escravo”, mas não trás sustentação teórica às criticas que faz. Pede reflexão, mas não dá base teórica para reflexão das pessoas presente.

E a meu ver, trata os presentes como subalternos, ao pensar que ao “saber popular” não precisa dar as devidas referencias para que, possam buscar as fontes primarias e questionar, criticar e repensar, os assuntos tratados no debate. Quem defende as cotas como forma de ressarcir os danos causados em outrora. Não pode negar fontes de produção e pesquisa para a emancipação dos oprimidos pelo sistema.

Negar acesso ao conhecimento produzido pela humanidade é, negar possibilidade de emancipação social para os que sempre tiveram negado poder de decidir pela argumentação teórica e sempre foram renegados ao segundo plano.

Por tanto, cuidado com os “novos capitães do mato” solto por este mundo.  Defendam suas ideias, questionem as falácias, fundamentem suas praticas e lutem por seus direitos de cidadãos do mundo.

Procurem conhecer a verdadeira história da capoeira, a história, que a história não escreveu, mas que os antigos mestres passam pela oralidade. E também, a verdadeira história dos capoeiristas que levantam bandeiras progressistas, conservadoras, neoliberais por este mundo à fora.   Um salve a todos irmãos.Feliz 2011 muita paz e saúde a todos.

 

Mestrando Paulo Grande / Movimento Capoeira Nação

Diretor da Confraria Gaúcha de Capoeira.

Um eterno aprendiz!

 

Referência:”Ninguém liberta ninguém, ninguém se liberta sozinho: os homens se libertam em comunhão”.

Paulo Freire, em Pedagogia do Oprimido, 1980.

Onde estão as capoeiristas da história?

Quem já teve curiosidade, interesse, ou mesmo sentiu necessidade de conhecer mais sobre a história das mulheres na capoeira, sabe o que é frustração.

Com um pouco de persistência se encontram nomes como Rosa Palmeirão, Maria Doze Homens, Nega Didi, Calça Rala e Maria Pára o Bonde, mas as informações não vão muito além.

Mesmo sobre o pouco que encontramos há muitas dúvidas, pois não se sabe situar com precisão a linha que divide o que é história real e o que é lenda.

Até mesmo sobre Dandara, grande guerreira do Quilombo de Palmares e esposa de Zumbi, atualmente não há mais do que duas linhas na Wikipédia, tão conceituada enciclopédia online.

Mas a falta de informação não é de espantar quando lembramos da discriminação sofrida pelo negro e sua cultura, e do preconceito sofrido pelas mulheres. Na soma, a mulher capoeirista recebeu discriminação em dobro, e sua importância para a história não foi reconhecida.

Trata-se de um erro que não deve ser relevado. A capoeirista de ontem ainda pode e deve ser tema de muita pesquisa. As histórias devem ser contadas e as informações precisam ser reunidas, documentadas e disponibilizadas a quem tem interesse de conhecer e passar a diante.

E a capoeirista que batalha hoje deve ser valorizada e ter seus trabalhos e conquistas reconhecidos, pra que seu nome e seus feitos constem na história de amanhã.

Fonte: capoeiradevenus.blogspot.com

Mestre Guerreiro e a Capoeira em uma vida inteira em “guerra” pela paz

Mestre Guerreiro podia muito bem ilustrar um daqueles quadros de Rugendas, mas há mais de cinco décadas tem a Capoeira como religião, como profissão e como missão de vida.

Ele nasceu Mário Alves dos Santos em 18 de junho de 1950 na sergipana Simão Dias. A infância vivida em Salvador fez conhecer a Capoeira. Foi paixão ao primeiro olhar. Na adolescência por obrigação do pai foi parar na construção civil. Na fuga do cimento, Mário, o “guerreiro” ganhou o mundo.

Passou a viajar por vários estados brasileiros até chegar em Mato Grosso do Sul. Como Mestre Guerreiro, Mário passou a ensinar Capoeira para as crianças e adolescentes. Depois de ficar por dois anos em Ivinhema, Guerreiro aportou em Dourados onde está há quase trinta anos onde fincou raízes.

Reconhecido por sua trabalho social na Associação de Capoeira Bahiana, Mestre Guerreiro já ensinou capoeira para quase dez mil alunos. Atualmente está orientando crianças de projetos sociais no Ubiratan, na Ação Familiar Cristã e também nos municípios de Caracol e Bela Bista. Guerreiro diariamente atende crianças que moram nas regiões mais pobres da cidade onde a violência, os crimes e a falta de esperança imperam.

“A minha guerra é pela paz”, disse o mestre que antes de conhecer a capoeira era um sujeito nervoso, briguento e intolerante. “Hoje ensino para as crianças através da capoeira que existe uma maneira melhor para encarar os problemas, viver com dignidade e de bem com tudo e com todos”, ensina Guerreiro.

Mário sentiu que a capoeira era o caminho que devia seguir. Deixou as brigas de lado, centrou seus pensamentos e colocou sua vida a caminhar por estradas calçadas pela compreensão, pelo amor e pelo respeito mutuo.

“Acredito que Deus é a força maior para quem quer fazer o que é certo”, exorta Guerreiro que passou a ensinar as crianças uma cultura de paz.

Ao chegar em Dourados o “Deus” da Capoeira era o Pedrão. Nao se sabe onde foi parar Pedrão. Mestre Guerreiro comprou várias brigas até que conseguiu fundar a Associação de Capoeira Baiana, uma organização não-governamental que há mais de duas décadas leva a capoeira para as crianças pobres. As ricas também participam.

Guerreiro, um homem de paz. Popular e querido tentou a vida pública. Foi candidato a vereador. Na primeira disputa obteve 480 votos. Na segunda tentativa apenas 379 pessoas queriam que ele fosse para a Câmara Municipal. Guerreiro não é político. Ficou no seu lugar. Com o berimbau nas mãos e com a garganta afiada canta para o jogo da capoeira continuar.
Nicanor Coelho

O reconhecimento: Recebeu o título de Cidadão Douradense, a mais importante honraria dada pelo Poder Legislativo àqueles que mesmo não tendo nascido na terra de Marcelino Pires, deram o sangue por ela. Para o Mestre, o reconhecimento mesmo vem das ruas, dos pais de família, das crianças e de todos aqueles que amam a capoeira e vê beleza nas roupas brancas e nos cordões coloridos e nos pés descalçados dos afrodescendentes e todos os afros possíveis e impossíveis.

A roda está formada. Entre que o Mestre Guerreiro está sorrindo. A vida continua no lamento dos negros que miscigenados estão espalhados por todo o Brasil enquanto a Capoeira continua negra. Tão negra quando a pele de Mestre Guerreiro.

Fonte: http://www.midiamax.com

SARAU do Quilombo do Leblon

O Centro Cultural Quilombo do Leblon, localizado nas dependências do Clube Campestre da Guanabara – Alto Leblon – RJ, lançará no próximo dia 28 de março às 11hs, o projeto “Sarau do Quilombo do Leblon”, um evento de preservação e divulgação das culturas populares. Em sua primeira edição o tema será a “Viola e o Cordel”.

Teremos a participação de poetas, cantadores e violeiros, além de uma exposição de Cordéis.

O projeto acontecerá sempre no ultimo domingo de cada mês com entrada franca.

Venham participar e não deixem de conhecer o restaurante Café do Alto, um excelente representante da culinária pernambucana.

Até lá.

Leonardo Dib (Boiadeiro)

Superando as dificuldades

Quando se começa a treinar capoeira, é comum sentir dificuldades para executar alguns movimentos. Algumas dificuldades são superadas em pouco tempo, outras demoram mais e exigem mais esforço e paciência, e há ainda as que vão sendo conhecidas com o tempo, conforme o aprendizado avança.

Esses desafios, tão comuns a qualquer pessoa, podem gerar muita frustração, especialmente quando uma mulher, que treinando entre homens, exige de si mesma um desempenho igual ao deles.

Não há como negar que homens e mulheres são diferentes fisicamente e, portanto, usam seu corpo de forma diferente, o que não significa de modo algum que o homem seja superior à mulher na capoeira ou vice e versa. São apenas diferentes, cada um com suas vantagens e desvantagens.

Um exemplo é a força. Em geral, os homens são até 30 por cento mais fortes e, por isso, nos movimentos que exigem força, especialmente os que exigem força nos braços, as mulheres precisam se esforçar muito mais para conseguir o mesmo desempenho.

Não é motivo para desistir, mas insistir no que parece mais difícil pode se tornar desanimador se, em paralelo, a mulher não conhecer suas vantagens como, por exemplo, a flexibilidade, e tirar proveito delas.

Trabalhar suas facilidades favorece a autoestima e dá muito mais ânimo para enfrentar os desafios e, quando as mulheres se ajudam, trocam dicas e observam umas às outras na roda, essa tarefa fica ainda mais fácil.

E isso não vale apenas para as diferenças de gêneros, mas também para as diferenças e limitações de cada indivíduo. A capoeira tem lugar para todos, basta cada um se conhecer e desenvolver seu próprio jogo.

Neila Vasconcelos – Venusiana
capoeiradevenus.blogspot.com

Poços de Caldas: Alunos do projeto PAI vão à Bahia

Sete alunos do Programa de Ações Integradas (PAI), acompanhados do contra-mestre Airton Domingues (Sabiá) e da instrutora Jaqueline Silva Bastos irão a Salvador numa missão cultural e esportiva.

Eles foram vencedores do torneio interno, promovido no Sesi de Poços de Caldas. Como presente e também com o objetivo de aperfeiçoar a arte da capoeira, os alunos viajam no próximo dia 16 e ficam em Salvador até dia 18. Lá, serão recebidos pelo técnico Evandro Amorim, da unidade Sesi de Itapagibe, numa demonstração de integração nacional entre as unidades.

Na tarde da última sexta-feira (9), o prefeito Paulo César Silva e a secretária de Educação, Maria Helena Braga, acompanhados pelo diretor do Sistema Fiemg, Ary Novaes, foram conhecer o grupo de alunos, na sede do Sesi. Os alunos são originários de diversas regiões de Poços e participam dos Projetos PAI, Segundo Tempo e Atleta do Futuro, todos desenvolvidos pela Prefeitura em parceria com o Sesi. “Esta parceria tem nos dado muitos frutos e o benefício maior, com certeza, é para estas crianças e jovens, que irão conhecer uma cultura diferente e trarão, na bagagem, uma nova visão para suas vidas e um novo incentivo para a prática da capoeira”, disse o prefeito Paulo César Silva.

Os alunos que irão a Salvador são Loriene Lima Roberto, Mariane Helena Anacleto, Luiz Eduardo Xavier da Silva, Igor Cristiano Reis, Johnny Marçal Pereira, Lucas Vinicius de Souza e Mario Roberto Guedes Filho.

Fonte: Prefeitura de Poços de Caldas – http://www.pocosdecaldas.mg.gov.br

Molinha, a Historia é feita por pessoas comuns!!!

Nossa mais nova colaboradora, Simona Mariotto, aluna do Grande Mestre Jelon, acaba de nos brindar com uma entrevistas muito bacana com a Capoeirista Molinha, a primeira mulher não brasileira a ensinar Capoeira na Itália.

Molinha conheceu a capoeira quando ainda não existia (havia) essa moda dos dias de hoje que parece ter contagiado todos os povos da terra!!

Aluna do Mestre Baixinho (um dos responsáveis por ter levado a capoeira até a Itália) formou-se em 1997 no Brasil, na “Associação de Capoeira Filhos de São Bento Grande”, tornando-se a primeira mulher não brasileira a ensinar Capoeira na Itália.


Clique para ampliar as imagens…

A Historia é feita por pessoas comuns!!!

Entrevista: Molinha

1) Como conheceu a capoeira e por que decidiu treinar?

Conheci Mestre Luiz Martins De Oliveira – Mestre Baixinho– através de amigos em 1988, na cidade de Milão (Itália). Na ocasião, convidou-me pra uma aula experimental na academia onde trabalhava com a capoeira. Eu fui sem nada saber dessa arte, e mesmo assim gostei muito, pois senti que nela havia muita energia. Fiz minha inscrição e nunca mais parei!
Resolvi continuar por causa de duas razões: a primeira, é que era muito divertido e despertava minha curiosidade (no começo Mestre Baixinho não sabia falar italiano; portanto não era nada fácil entendê-lo enquanto dava aula!!); além disso, na Itália ninguém sabia o que era a capoeira e para mim essa arte era tão bonita que tinha de ser conhecida e apreciada justamente lá, ,no Pais dos artistas!!!

Assim tomei minha decisão: faria o possível para ajudar meu Mestre na divulgação da capoeira. E assim foi!
Inicialmente, não me dei conta do enorme fardo que iria carregar, mas agora posso afirmar ter cumprido meu compromisso (minha missão), apesar das dificuldades.
Em 1991 Mestre Baixinho, juntamente com Molinha e outros alunos italianos, fundou a “Associazione Italiana di Capoeira Filhos di São Bento Grande”, na cidade de Milão.

2) Qual sua relação com a capoeira?

É muito profunda e tem influenciado todas as minhas escolhas de vida, durante meus 20 anos. As aulas que eu ministro são de segunda a sábado (no domingo descanso,ou realizo apresentações com meus alunos).

Durante os anos encontrei um equilíbrio entre a capoeira e os outros aspectos de minha vida, meu cotidiano… é só uma questão de organização.
Em primeiro lugar, decidi não viver só de capoeira porque é um caminho muito difícil e não quero correr o risco de ficar presa somente ao retorno econômico.
Para mim, o mais importante é a “autenticidade” dessa arte, por isso as pessoas que a praticam precisam entender os outros aspectos culturais, tais como a música, os fundamentos, as tradições, os rituais…

3) Que atividade você desenvolve com a capoeira?

Em 1997 comecei a dar aula para poucos alunos. Em 2000, fundei meu grupo chamado “Capoeira Sou Eu”, que ainda considero um grupo jovem; mas tenho o desejo que cresça, não só em numero de participantes, mas também em qualidade e nível de capoeira.
Desde que comecei a dar aula, sempre mantive contato com meu Mestre ou com seu Mestre (Mestre Brasília). Isso ajudou-me a ter uma direção de trabalho bem definida. Em 2007 recebi minha corda de Monitora.
Nosso grupo organiza varias iniciativas: rodas e apresentações. No ano passado organizamos uma palestra denominada “poesia in una lotta” (poesia numa luta). Tratava-se de uma apresentação cultural sobre a história da capoeira e sobre sua atual presença nas varias formas de arte e comunicação moderna (livros, pinturas, internet, propaganda…).
Aqui na Itália, com meus alunos, participamos de cursos, rodas e batizados.
Toda vez que nos é possível viajamos ao Brasil e, juntos, visitamos academias, participando de cursos e palestras.

4) Quais são os momentos marcantes que você lembra na sua trajetória?

Alguns encontros que eu tive.
Por minha sorte, pude conhecer grandes pessoas que me transmitiram muitos ensinamentos através de sua generosidade e simplicidade.
Primeiramente, o contato que sempre mantive com Mestre Brasília ajudou-me muito: devo a ele muitos conselhos que às vezes, naquele determinado momento eu nem entendia, mas que com o passar dos anos tornaram-se muito úteis.
Em 1991, durante uma viagem ao Brasil, visitei a academia de Mestre Canjiquinha. Lembro-me bem de sua alegria e também da bela rasteira que deu num aluno durante um jogo!!

Em Milão tive a oportunidade de conhecer Mestre Leopoldina, que foi até em minha casa, durante uma temporada na Itália. Quando o vi na roda, o que mais me chamou atenção foi a elegância de seus movimentos e a grande esperteza no jogo.
Enfim, em todos esses anos foram muitos os momentos marcantes e de emoção, mas talvez o mais importante foi minha decisão de continuar a treinar e de me formar na capoeira, apesar de conhecer muito bem as dificuldades que iria enfrentar por ser mulher e por não ser brasileira.

Mais informações: http://www.capoeirasoueu.it

Simona Mariotto – mariotto_simona@hotmail.com