Blog

conjunto

Vendo Artigos etiquetados em: conjunto

Projeto A Cor da Cultura lança 2° pacote pedagógico sobre cultura afro-brasileira

Com o objetivo de contribuir para a inserção da temática da cultura afro-brasileira nas escolas públicas e particulares de ensino fundamental, o projeto A Cor da Cultura lança hoje (11-04-11) a segunda parte do pacote pedagógico de mesmo nome. Durante o encontro, educadores de vários estados brasileiros receberão o material que servirá de base para suas aulas no contexto étnico-racial.

O pacote é mais uma medida prática adotada a partir da aprovação da Lei 10.639, que torna obrigatório o ensino sobre História e Cultura Afro-Brasileira nos estabelecimentos de ensino fundamental e médio, oficiais e particulares do País. DVDs com novos episódios das cinco séries que fazem parte do projeto, dois cadernos pedagógicos e três mapas (um do continente africano, outro da diáspora africana e outro dos valores civilizatórios afro-brasileiros) integram o conjunto.

PARCERIAS – O presidente da Fundação Cultural Palmares (FCP), Eloi Ferreira de Araujo, prestigia o lançamento, que acontece no Rio de Janeiro, e lembra que a obrigatoriedade do ensino sobre a temática também está registrada no Estatuto da Igualdade Racial (lei nº 12.288, capítulo II), que recebeu a sanção presidencial em 20 de julho de 2010.

A iniciativa, que objetiva fazer com que professores e estudantes percebam com outro olhar o continente africano, é resultado de parceria entre o Ministério da Educação (MEC), a Fundação Cultural Palmares (FCP), a Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), o Canal Futura, a Petrobras, o Centro de Informação e Documentação do Artista Negro (Cidan) e a Fundação Roberto Marinho.

O PROJETO – Iniciado em 2004, A Cor da Cultura desenvolve produtos audiovisuais, ações culturais e coletivas que visam a valorização da história dos negros no Brasil sob um ponto de vista afirmativo. Com o novo pacote, as equipes envolvidas e representantes institucionais do projeto celebrarão mais um passo na educação de qualidade, incluindo no material escolar um trecho da História do Brasil ignorado por mais de cinco séculos.

Somente nos seus dois primeiros anos, A Cor da Cultura produziu 56 programas de televisão e capacitou mais de 3000 educadores no Norte, Nordeste e Centro-Oeste para a utilização do primeiro kit educativo. O conjunto de materiais era constituído de 3 cadernos do professor, um mini-glossário Memória das Palavras, cd musical Gonguê e o jogo Heróis de Todo Mundo.

METAS – A meta agora é difundir ainda mais o conhecimento sobre o assunto, de modo a reafirmar a importância da cultura afro-brasileira. O resultado das primeiras oficinas, realizadas em 2010, será a multiplicação do conhecimento adquirido pelo grupo, formando outros 15.000 educadores de escolas públicas.

O lançamento do conjunto de materiais pedagógicoas A Cor da Cultura acontecerá nesta segunda-feira, a partir das 19 horas, no Trapiche Gamboa, um dos berços do samba no Rio de Janeiro. Ele faz parte da programação do Comitê Gestor do projeto, que se reúne a partir das 15 horaa, para apresentação dos novos membros, do balanço e do plano de expansão do programa.

SERVIÇO
O quê: Lançamento do segundo pacote pedagógico A Cor da Cultura
Quando: 11 de abril
Horário: 19h
Onde: Trapiche Gamboa
Endereço: Rua Sacadura Cabral, n° 155, Saúde – Rio de Janeiro
Contato: (21) 2293 6522

_________________________________

2011 foi instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) como o Ano Internacional dos Povos Afrodescendentes.

Morre aos 93 anos de idade um dos maiores representantes da cultura popular paraense e brasileira

Morreu, nesta terça-feira (03), Mestre Verequete, conhecido por seu trabalho de promoção do Carimbó, batuque e dança ancestral dos negros característico do Pará.
 
Internado desde domingo no Hospital João de Barros Barreto, em Belém, Augusto Gomes Rodrigues, seu verdadeiro nome, não resistiu à insuficiência respiratória aguda e infecção generalizada.
 
O Mestre ganhou o nome de Verequete após se mudar de Bragança para trabalhar na Base Aérea de Belém. “Eu gostava de uma moça; então ela me convidou para ir ao batuque que eu nunca tinha visto. Umas certas horas da madrugada o Pai de Santo cantou ‘Chama Verequete’. Eu era capataz da base aérea de Belém, na época da construção, cheguei na hora do almoço e contei a história do batuque… Quando acabei de contar, me chamaram de Verequete’, disse o carimbozeiro ao mestre em música pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Paulo Murilo Guerreiro do Amaral.
 
Homenageado até pelo presidente Lula como Comendador da Ordem do Mérito Cultural, uma das mais importantes honrarias do governo federal, e vencedor do Prêmio Culturas Populares 2008 – Mestre Humberto de Maracanã, realizado pela Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura.  Mestre Verequete teve seu primeiro contato com o Carimbó aos 24 anos, quando convidou um grupo para dançar em um bar que tinha na época.  Posteriormente, tornou a convidar o grupo para dançar numa festa de passagem de ano, mas o convite foi recusado. Diante disso, Mestre Verequete decidiu criar outro conjunto do gênero. Fundou-se então, no dia 2 de outubro de 1971, o Conjunto de Carimbó Uirapuru do Verequete, que permanece até os dias atuais e já possui mais de 10 discos gravados, entre eles, o famoso ‘Carimbó Uirapuru do Verequete (Só podia ser)’.
 
Apesar das homenagens e do sucesso, Mestre Verequete teve uma vida marcada pela pobreza material. Para os amigos e familiares vai deixar saudade e exemplo de sabedoria e humildade, como conta o neto Felipe Rodrigues, de 18 anos. Para o Brasil, mais do que riqueza cultural, o mestre deixa a lembrança da importância de se valorizar e se reconhecer os constituintes da nossa cultura popular enquanto vivos.

Comunidade & Capoeira: Os contrastes de um bairro-cidade

Em um complexo emaranhado de contextos e realidades sociais, Cajazeiras, que tem uma população superior à de Feira de Santana – segunda cidade mais populosa da Bahia – e o local é conhecido como o maior conjunto habitacional da América Latina, a capoeira caminha lado a lado com o social, ajudando a educar e ocupar os jovens habitantes do conjunto… como nos ensina um grande Mestre de Capoeira: "A Capoeira é uma escola de Cidadania".

Luciano Milani

 

Os contrastes de um bairro-cidade

Cajazeiras é praticamente uma cidade dentro de Salvador. São mais de 670 mil habitantes dispostos entre as 11 Cajazeiras e as quatro Fazendas Grandes . A população é superior à de Feira de Santana – segunda cidade mais populosa da Bahia – e o local é conhecido como o maior conjunto habitacional da América Latina. São incontáveis setores, quadras e blocos capazes de confundir até mesmo os moradores mais antigos. A região também se confunde com localidades como Águas Claras e Boca da Mata, devido à proximidade geográfica.

Sua construção começou em 1982, no governo de João Durval Carneiro (1983-1987), apesar de a pedra fundamental ter sido colocada no governo de Antonio Carlos Magalhães (1979-1983). As terras, antes ocupadas por três grandes fazendas: Jaguaripe de Cima, Fazenda Cajazeiras, Fazenda Boa União e Chácara Nogueira, foram desapropriadas para dar lugar ao Projeto Urbanístico Integrado de Cajazeiras. Foram erguidas 18.523 habitações populares.

Hoje, quem chega ao bairro se depara com uma grande quantidade de igrejas, estabelecimentos comerciais (supermercados, faculdade, shopping, lanchonetes, lojas de autopeças, hospitais, etc.) e, também, com muitas invasões espalhadas por vales e encostas ao redor dos conjuntos habitacionais. Para o responsável pela Administração Regional (AR XIV), José Miguel dos Santos, essas ocupações “são um sofrimento para Salvador”, pois são construídas sem qualquer ordenamento do solo e contribuem para aumentar consideravelmente o problema de saneamento básico no bairro.

ALEGRIA – Moradora do conjunto habitacional de Fazenda Grande I, Setor III, desde 1985, Telma Rita Salgueiro não enfrenta essa dificuldade. Apesar de reclamar do atendimento nos postos de saúde e da questão do transporte para outras áreas da cidade, ela revela: “Conseguir a casa própria foi a melhor alegria da minha vida”. Hoje, o apartamento de dois quartos funciona também como local de trabalho. É na pequena cozinha que Telma prepara variados doces, tortas, salgados e refeições para atender às encomendas diárias.

Se na quadra onde Telma mora a tranqüilidade comanda, a alguns metros, agitação é palavra de ordem. É na Fazenda Grande I que está localizado o Campo da Pronaica, o maior de Cajazeiras e sede oficial de eventos do bairro, como o Carnaval do bairro, o Cajazeiras Metal Fest III – que reuniu bandas locais de rock’n’roll –, a Parada Gay de Cajazeiras, feiras beneficentes, entre outros.

Além dos eventos culturais na Pronaica, os campos de futebol também se apresentam como opções de lazer para diferentes faixas etárias. Apesar dos vários campos espalhados pelo bairro, o estudante Paulo de Tarso Costa de Jesus, 14, reivindica: “O que mais queria aqui era um campo só pra gente, sem precisar disputar o espaço com os coroas”.

COMUNIDADE – Outro destaque do local é a articulação comunitária. Hoje, o bairro conta com 32 entidades filiadas à União das Associações de Moradores e Entidades Representativas das Cajazeiras e Adjacências, sob a presidência de Evanir de Araújo, 52. Segundo ele, o bairro abriga mais de 100 grupos de capoeira. Mestre Antônio, 45, está à frente de um deles, o Capoeira Zumbi Guerreiro. Aproximadamente 30 meninos e meninas, com idades entre 6 e 20 anos, participam do grupo, cujos treinos e rodas acontecem nas salas do Colégio Estadual Edvaldo Brandão Correia, em Cajazeiras IV. “A capoeira tira a gurizada das drogas”, destacou o mestre.

O capoeirista Anailton Correia, 20, concordou: “A capoeira é cultura, é arte e dá uma ocupação para os jovens não ficarem nas ruas”. Para o jovem, o que falta é reconhecimento, por parte da comunidade, da importância da capoeira para o desenvolvimento das crianças e dos adolescentes.

De acordo com Luiz Carlos Pinto, presidente da Associação de Moradores de Cajazeiras IV (Amcaj IV), o apoio da comunidade também é fundamental para fortalecer os projetos sociais executados em Cajazeiras. Um exemplo é o programa Escola Informática e Cidadania, que, de acordo com Evanir de Araújo, já capacitou mais de 400 jovens este ano. “Os alunos que podem contribuem com R$ 10”, disse Araújo.

Outro projeto que contribui para a melhoria das condições de vida dos moradores de Cajazeiras é a unidade da Fundação Bradesco, implantada no bairro há 22 anos. Segundo a diretora Jane Eachimenco, 11.837 jovens e adultos já se formaram nos cursos profissionalizantes da entidade; 3.301 estudantes, nas turmas de ensinos fundamental e médio; e 184 alunos em cursos técnicos.

Fernando Vivas / Agência A Tarde – http://www.atarde.com.br

Sergipe: Associação de Capoeira do Marcos Freire conquista o tetra

A Federação de Capoeira do Estado de Sergipe, gestão Genivaldo dos Santos; Mestre Papuá realizou nesse final de semana dias 28 e 29, o VIII Campeonato Sergipano de Capoeira. O evento aconteceu no Ginásio Charles Moritz pertencente ao SESC, situado no centro de Aracaju  e  contou com mais de 200 capoeiristas e o ginásio ficou lotado de expectadores e grupos de capoeira.
 
 A Associação de Capoeira Sete Quedas administrada pelo Mestre Coragem tem 23 anos de existência, situada no Conjunto Marcos Freire II,, foi classificada como o melhor grupo de Maculêlê do Baixo Cotinguiba, foi campeã e vice-campeã respectivamente das Copas Mirins do Estado de Sergipe(2005-2006), já representou Socorro e Sergipe em São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro, inclusive trazendo medalhas, tem a campeã do Campeonato Nacional de Capoeira, mais uma vez conquistou espaço de destaque na competição, alcançando o primeiro lugar com 177 pontos no cômputo geral, além de segundo lugar nas modalidades de conjunto e duplas. A conquista pela quarta vez consecutiva  leva o Grupo Sete Quedas  ao tetra  campeonato. Esse ano em substituição ao Mestre Coragem, o técnico ad hoc foi o capoeirista corda amarela Salvador Filho.
 
A cidade de N.S.Socorro teve dois representantes porém a Associação de Capoeira Sete Quedas foi destaque relevante e com a contagem geral dos pontos sagrou-se TETRACAMPEÃ.
 
Fonte: Infonet – Aracajú – www.infonet.com.br

Capoeira apresentada para Turistas no PAN 2007

MTur apresenta atrações culturais ao turista do Pan 
Mais de 100 mil pessoas visitaram a Praça das Medalhas, em Copacabana, no primeiro final de semana dos Jogos Pan-americanos, atraídos pela programação cultural das regiões brasileiras.  Turistas e cariocas tiveram a oportunidade de assistir a apresentações de grupos locais de capoeira; de Boi-Bumbá, vindo especialmente do Amazonas e representando o festival folclórico de Parintins, e o conjunto de forró Naurêa, formado por nove músicos de Sergipe.  A Praça é uma realização do Ministério do Turismo em parceria com o CO-Rio e apoio da Prefeitura do Rio de Janeiro.
 
Na apresentação de capoeira, com músicas típicas, alunos do Rio de Janeiro representaram vários mestres locais. O presidente da Confederação Brasileira de Capoeira, Gersonilto Heleno de Sousa, disse que é importante a participação na Praça das Medalhas para divulgar o esporte, já reconhecido pelo Comitê Olímpico Brasileiro. No Brasil, a Confederação estima em seis milhões o número de praticantes e onze milhões nos 116 países onde há praticantes. A capoeira também está organizada em 64 países.
"A capoeira é patrimônio cultural brasileiro e agora pretendemos que seja reconhecida pela Organização Desportiva Pan-americana (Odepa). Aqui no País, vamos participar do projeto Ginga Brasil, para levar o esporte às comunidades carentes. A capoeira ajuda a divulgar o turismo brasileiro, porque é esporte, é cultura e é social", afirmou Mestre Neguinho, como Gersonilto é conhecido.
O grupo Boi-Bumbá, de Parintins (AM), fez uma apresentação plural, pois cantou músicas dos blocos "Caprichoso" e "Garantido", conhecidos pela rivalidade no maior festival de música da Amazônia.  Há doze anos no grupo, o vocalista Prince afirmou que a experiência de cantar na Praça das Medalhas foi emocionante, pela participação do público, e interessante, por mostrar as toadas e o ritmo da música regional que representa a Amazônia, um dos destinos mais procurados por brasileiros e estrangeiros.
 
O show do grupo sergipano de forró Naurêa – "na orelha" -, foi bastante aplaudido pelo público. O vocalista Márcio de Dona Litinha contou que o grupo mescla três elementos do forró – a zabumba, o triângulo e a sanfona – mais três elementos do samba – o cavaquinho, o surdo e a percussão, além dos acordes da guitarra e do baixo. O conjunto "Cantos do Brasil" também animou a festa do primeiro dia de homenagens da Praça da Medalha. Nesta segunda-feira (16/07), os grupos de capoeira, o grupo "Boi Bumba" e o conjunto "Naurêa" voltam a se apresentar.
 
Fonte: Mesrcado e Eventos – http://www.mercadoeeventos.com.br

Curitiba: Capoeira ajuda a evitar evasão escolar

Cerca de 400 crianças, alunas da Associação de Capoeira Arte e Raça, com idade de quatro a 15 anos, foram "batizadas" na capoeira no último fim de semana. A cerimônia, que reuniu 2.200 pessoas no Clube Cultural Portão, foi a primeira da associação criada em janeiro deste ano e dirigida pelo mestre de capoeira Emílio José Alves de Andrade. O grande número de formandos se deve ao trabalho em conjunto com a Prefeitura de Curitiba, que estimula o treino das crianças no contraturno escolar, em creches, ginásios escolas municipais, ou nas sedes das associações de moradores.
Mestre Andrade diz que esse trabalho conjunto contribui para a redução de evasão escolar e na prevenção às drogas e à violência. O município também estimula as comunidades carentes atendidas pelos Centros de Referência da Assistência Social, mantidos pela Fundação de Ação Social.
 
"A cerimônia tem significado especial para os alunos, porque concluíram o primeiro estágio de aprendizado, o que corresponde à formatura de escolares do ensino básico", diz Andrade.
 
O batizado é o primeiro passo para que o aluno de capoeira aprenda as regras esportivas que poderão transformá-lo em professor-estagiário, em uma academia, a partir dos 18 anos de idade.
 
Também participaram da formatura professores e alunos de academias de capoeira de Foz do Iguaçu, Assis Chateaubriand, Cascavel e Toledo, e também da cidade catarinense de Joinville.
 
Bondenews – Londrina,PR – http://www.bonde.com.br/bondenews
Luiz Costa/SMCS
Redação Bonde
Londrina

RJ: III FÓRUM DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A CAPOEIRA

Em parceria com a Fundação Municipal de Educação de Niterói, Secretaria Municipal de Educação e Câmara Municipal de Niterói, a Liga de Capoeira do Estado do Rio de Janeiro – LICAERJ e a Liga Niteroiense de Capoeira – LINC, estarão realizando, de 15 a 17 de junho de 2007, o III Fórum de Políticas Públicas para a Capoeira, que tem como objetivo principal apontar para os governos municipais e estadual as demandas hoje existentes relativas a uma política pública que reconheçam o valor da Capoeira como uma atividade cultural, social educacional e política que muito tem contribuído no Estado do Rio de Janeiro em particular e em todo o Brasil para a inserção da criança e do adolescente em atividades esportivas e culturais que tem como principal meta trabalhar a auto estima e a identidade destes atores sociais.

Este Fórum pretende, ainda, mostrar para os governos a importância do Profissional da Capoeira para todo o conjunto da sociedade. Em seguida apresentamos a nossa programação e esperamos poder contar com a participação de todos e todas na construção de uma política pública que contemple de fato todo o conjunto da sociedade que envolve hoje o trabalho da Capoeira no Estado do Rio de Janeiro. Apresentação A formulação de políticas públicas garante com que os anseios da sociedade organizada sejam trabalhados em conjunto pelas organizações governamentais, propiciando, assim, o desenvolvimento de um determinado segmento social.
 
A capoeira, fruto do encontro de nossas matrizes étnicas, se encontra hoje difundida na grande maioria dos municípios brasileiros, bem como em 164 países, sendo praticada por milhões de pessoas. Só na internet são encontradas mais de 470.000 páginas sobre o tema. Em virtude de suas complexidades advindas do jogo, da luta, da arte, da dança, assim como sua penetração em todos os segmentos sociais, tas como clubes, academias, igrejas, sindicatos, escolas, universidades, clínicas, spas, ong\'s, centros esportivos, culturais, educacionais e de assistência social, desde as favelas até as mansões, bem por sua inserção no ensino fundamental, médio e superior, assim como nos sistemas de desportes: nacional, estadual, municipal, se tornam necessários mecanismos de compreensão e de preservação desta que é uma das mais importantes manifestações culturais brasileiras.
 
A Capoeira chegou ao terceiro milênio. Torna-se necessário que repensemos seu futuro, numa época em que temos que conviver com a globalização e os efeitos fragmentadores das sociedades: pós-moderna, pós-tradicional, pós-industrial, que aliados às novas linguagens e tecnologias, geram múltiplas ressignificações culturais, gerando inúmeras formas de interpretações distintas, assim como saberes e fazeres diferenciados. No entanto se torna necessário que possamos entender a Capoeira enquanto um patrimônio cultural, o qual necessita ser estudado e preservado em sua integridade. Sendo assim, vimos pelo presente solicitar os relevantes préstimos da sociedade brasileira, em particular a fluminense, organizada em suas Prefeituras e Câmaras Municipais, Governos e Secretarias Estaduais e Municipais de Esporte, Cultura, Educação, Turismo, Igrejas, Organizações Não Governamentais, Instituições de Ensino e Sindicatos, entre outras, assim como Grupos e Associações de Capoeira do Município de Niterói e de todo o Estado do Rio de Janeiro, Núcleos de Prática Desportiva e Cultural da Capoeira, bem como a todos os capoeiristas, para que possamos, num esforço conjunto, repensar a Capoeira em todos os seus aspectos, de forma ampla e democrática, e, portanto crescermos fortes rumo aos novos desafios do novo milênio.
 
Busquemos, pois, o entendimento e a harmonia entre todos os segmentos da Capoeira, para que possamos retribuir à mesma, seu justo e merecido lugar, enquanto elemento de referência dos valores e tradições do povo brasileiro. Objetivos – Ouvir dos participantes seus anseios e expectativas em relação ao futuro da Capoeira, cujos resultados servirão de subsídios para os legisladores e gestores públicos; – Propiciar a interação e integração entre todos os segmentos praticantes da Capoeira; – Rediscutir a Capoeira com toda a sociedade civil de forma democrática, respeitando-se as diversidades e interesses dos segmentos sociais: culturais, desportivos, educacionais, étnicos, profissionais e outros. – Apresentar para o Poder Público constituído propostas de valorização da Capoeira como um instrumento de inclusão e transformação social.
 
* Texto de Autoria do Professor Sérgio Vieira – FICA
 
PROGRAMAÇÃO:
 
Dia 15 de Junho de 2007 – 6ª Feira
Câmara Municipal de Niterói – Endereço: Avenida Amaral Peixoto, 625 – Centro 19h – Abertura Ato político com a presença de representantes das Secretarias de Educação; Cultura; Esporte e Lazer; Meio Ambiente; Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia, da Câmara de Vereadores, do Gabinete do Prefeito, além de outras personalidades do mundo político, esportivo educacional e cultural.
 
16 de Junho de 2007 – Sábado
Auditório da Fundação Municipal de Educação de Niterói – Endereço: Rua Visconde de Uruguai, 414 – Centro 09h – Mesa Redonda * Capoeira Adaptada para os Portadores de Deficiências e Necessidades Especiais • Professora Rosangela Ruffato Pereira (Mestre em Ciência da Motricidade Humana (UBC) em 2007; Pós Graduada em Psicomotricidade (UCM) em 2000; Licenciatura em Educação Física (UBC); Especialista em Educação Física Adaptada; Professora de Educação Física na disciplina de Capoeira da EEFD – UFRJ em 2007; Professora de Educação Física do CETEP Santa Cruz / FAETEC desde 2000; Mestre de Capoeira). • Daise Rosas da Natividade (Mestre em Educação pela UERJ em 2002 (bolsista CNPq); MBA em Planejamento Estratégico em Recursos Humanos pela UFF em 2004; Especialista em Psicologia Jurídica pela UERJ em 1995; Extensão em Direito Social pela UERJ em 2001; Graduada em Psicologia e Licenciatura pela Federação das Faculdades Celso Lisboa 1987/91). 10h – Palestra • As Áfricas Presentes no Brasil • Mônica Lima (Professora de História da África e Doutoranda em História pela UFF (Universidade Federal Fluminense). 10h30min – Palestra * Capoeira como Instrumento de Inclusão Social • José Machado dos Santos (Professor de Literatura Brasileira e Português/Inglês; Advogado; Mestre de Capoeira e Presidente da Liga Gonçalense de Capoeira). 11h às 12h – Debate 12h às 14h – Intervalo 14h às 15h – Vídeo: “Heróis de Todo o Mundo” 15h – Palestra • História da Capoeira em Niterói • Antoane Rodrigues do Carmo (Bacharel, com Licenciatura Plena em História pela Universidade Federal Fluminense, Pesquisadora da História de Niterói com ênfase na História Cultural. Trabalha com diversos temas, entre os quais: Escravatura e Abolição, Patrimônio Cultural e Educação Patrimonial, Feminismo, entre outros). 15h30min – Palestra • Capoeira Como Patrimônio Cultural Brasileiro • Pierre Guerra Domingues (Bacharel, com Licenciatura Plena em História pela Universidade Federal Fluminense, Pesquisador da História de Niterói com especial interesse em História Social. Desenvolveu trabalhos de pesquisa sobre Escravatura e Abolição, Patrimônio Cultural e Educação Patrimonial). 16h – Palestra • Capoeira na Escola e suas múltiplas contribuições • Paulo Henrique Menezes da Silva (Presidente da Liga de Capoeira do Estado do RJ; Responsável pela implementação da Capoeira nas Escolas da Fundação Municipal de Educação de Niterói; Conselheiro de Cultura de São Gonçalo; Mestre de Capoeira e Militante do Movimento Negro). 16h30min – Debate 17h –

17 de Junho de 2007 – Domingo
Auditório da Fundação Municipal de Educação de Niterói – Endereço: Rua Visconde de Uruguai, 414 – Centro 09h às 11h – Propostas e Sistematização • Apresentação das propostas a serem encaminhadas aos órgãos competentes e a aprovação da comissão do Fórum que acompanhará estes encaminhamentos. 12h – Votação das Propostas 12h30min – Carta ao Povo Brasileiro • Leitura e aprovação de manifesto ao povo brasileiro em defesa da cultura, história e identidade nacional representadas pela capoeira. 13h – Roda de Encerramento no Jardim São João

 

 

MAIORES INFORMAÇÕES: Mestre Paulão 55 21 8135-9232 meste_paulao@yahoo.com.br – mestrepaulaoriobrasil@hotmail.com

 

2º Festival Grandes Cantadores

A Liga Nacional de Capoeira Volta ao Mundo, em conjunto com o Grupo Baraúna,
Estarão realizando o 2º Festival Grandes Cantadores no dia 15 de novembro de
2.005.(feriado nacional).
 
Todos os grupos que tiverem interesse em participar do festival de música de
capoeira deverá entrar em contato com João Andrade nos fones abaixo ou
enviar email para joaoandradecapoeira@ig.com.br.
mestrerosa@terra.com.br.
 
Cada grupo de Capoeira poderá apresentar um Cantor e uma Cantora, juntamente
com sua equipe que haverá premiação masculina e feminina separado. As
músicas devem ser ineditas confeccionadas pelos grupos participantes. (caso
seja conseguido o patrocinador para a gravação de um CD comemorativo teremos
até 16 músicas agraciadas com a gravação).
 
Espero que os capoeiristas venham em conjunto com a Liga Nacional e 0 Grupo
Baraúna para comemorarmos a Semana da Capoeira.
 
Sem mais para o momento
 
João Andrade
Liga Nacional de Capoeira Volta ao Mundo
Associação e Academia de Capoeira Baraúna
IES AFRO = Instituto de Esporte Social
João Andrade fone: 55 (11) 6239-9985 = 55(11) 8501-1765
Mestre Rosa fone: 55 (11) 4726-6625 = 55(11) 7206-2438

LADAINHA DISTRIBUI GRATUITAMENTE 50.000 BOLAS DE SORVETE NA SEMANA DA CRIANÇA

A Associação de Capoeira Ladainha está oferecendo 60 vagas (manhã e tarde) para Curso de Sorveteiro, com direito a certificado. Serão confeccionadas 50 mil bolas de sorvete que serão distribuídas gratuitamente na Semana da Criança.
Isso só será possível com a parceria através de doaçoes financeira ou materias como
Leite Liquido, leite em pó, açucar,  copinhos, pazinhas e outros
Os  interessados em parcerias . Cada mil bolas de sorvete patrocinadas saem por
 R$250,00. O curso de sorveteiro funciona na QNL 30 Conjunto "A" Lote 33 – Oficina do Sorvete
 
Informações:061  475-2511/2160 (Sonia) e 9962-2511 (Mestre Gilvan)
 
http://geocities.yahoo.com.br/ladainha2005/
http://geocities.yahoo.com.br/terapiadoabraco/
http://geocities.yahoo.com.br/capoterapia2000/
http://geocities.yahoo.com.br/guiacapoeira/

Gravações históricas de Mestre Bimba

O amigo Matthias, da Universidade de Essex (Inglaterra), disponibilizou gravações históricas feitas por Mestre Bimba nos idos de 1940. As 10 faixas, pertencentes ao acervo da Universidade de Indiana (EUA), trazem 4 faixas com "Bimba e seu conjunto", como o apresentador se refere, e 6 faixas gravadas por Cabecinha (e seu conjunto, "Esperança Angola"). As gravações mostram um canto cheio de improvisos, extremamente rico quanto à musicalidade, e são um documento importante sobre a capoeira naquela época.


Caso você deseje uma cópia do album original, sem edição, favor contactar o Teimosia. Os CDs serão enviados mediante pagamento do preço da mídia (CD virgem) e das despesas de gravação e postais.