Blog

consciência

Vendo Artigos etiquetados em: consciência

Crônica: Dia da Consciência Negra

20 DE NOVEMBRO: DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA, (?).
Por que “Dia da Consciência Negra”?; por que não “Dia de … Zumbi …”?

De Zumbi ainda não sabemos o nome, além do Francisco. Padre Melo nas tantas cartas que enviou a amigos lhe referiu sempre na condição de “pai”, ou pai, citando somente o primeiro nome. Já se conhece uma carta enviada pelo Rei, (D. Pedro II) a Zumbi, nela é tratado só por  ‘Capitão Zumbi”  Das muitas cartas que certamente Zumbi enviara, a céus e terra, tantas para a realeza, ainda não  conhecemos seus textos, portanto não se sabe como assinava. Mas Zumbi foi batizado, com certeza em convento oficial. Mesmo os acentos do batismo a Igreja Católica nunca o exibiu a nenhum historiador, pesquisador, ou à Nação, por dever.

Com o arranjo “Consciência Negra”, o Legislativo dá uma no cravo e outra na ferradura – ou seja, “atende” à comunidade negra e  não contraria à doutrina de estado do Estado Brasileiro. A República ainda não comporta uma homenagem a Zumbi. E não comporta por dois motivos: a) Uma das razões está no âmbito do Cristianismo;  b) a outra está nas relações da América Latina com a Europa, uma relação de dependência, ainda com fortes características coloniais.

A escravidão africana foi um engenho de duas mãos de um mesmo corpo – A Europa:  a) pensado e gerido pelo Cristianismo; b) sustentado militarmente pelos grandes impérios Europeus da época. O Cristianismo tem como pano de fundo, como coluna de sustentação a morte. O próprio Cristo, só se torna divindade em função da morte; a sua “vida” (do Cristo), se dera pela morte, e só se dera pela morte;  o objetivo só podia ser alcançado pela morte, etc. Ora, para o cristianismo se o Estado Brasileiro reverenciar a Zumbi o estará  colocando no mesmo patamar  de Jesus Cristo, e Zumbi foi Um dos “neófitos” a quem o cristianismo não pode dar “atestado de bons antecedentes”.

A segunda razão está na relação de dependência da América para com a Europa. A Escravidão Africana na América foi obra da Europa. Quem lucrou, em todos os sentidos, com a escravidão africana foi a Europa. E só a Europa. Com a independência dos países da América, cada um deles, até mesmo os EUA, assume a responsabilidade pela Escravidão Africana. A Europa como que “transferiu” todos os danos da escravidão para estas novas nações. Assim o Brasil fica responsável pelo seu período de escravidão e não Portugal. E não a Inglaterra enriquecida.

O Cristianismo urde a escravidão africana dentro da mais “absoluta e perfeita legalidade” projetada para nunca ser questionada; a Europa a manteve a ferro e fogo sob a mesma égide do inquestionável. E assim mantêm, a Europa via suas ex-colônias, o espólio da escravidão africana sob acordos militares e para-militares debaixo do mesmo entendimento do inquestionável. Uma homenagem a Zumbi, um rebelado, na condição de Herói, iniciará a ruir o instituto do inquestionável. O inquestionável é de tal ordem importante na História da Escravidão Africana que talvez em toda a América Latina, (no Brasil com certeza), apenas Perdigão Malheiros se lhe  referiu.

Confrontar à Escravidão Africana no Brasil começou por Palmares, a que nós projetamos os milhares e milhares de negros em Zumbi. A reparação da Escravidão Africana começará, em qualquer tempo, por Palmares, por Zumbi. Esta reparação não isentará a Europa. Neste sentido será prudente que nas nossas manifestações culturais, notadamente a Capoeira, que percorrem o Mundo iniciem as divulgações deste nosso entendimento.

*Matéria originalmente publicada no Portal Capoeira em Novembro de 2006 – Publicação especial mês da Consciência Negra.
André Pêssego – Berimbau Brasil, SP

André Pêssego é Técnico Industrial, especializado em eletrotécnica; autor, escritor, Praticante de Capoeira, (sem virtude alguma na arte mãe.) Berimbau Brasil, Grupo do Mestre João Coquinho.

Consciência Negra e Capoeira uma prática constante

Nesta crônica estão apresentadas algumas considerações sobre o “Dia da Consciência Negra”, chamando-se a atenção para a presença da Mulher – negra ou não – na luta pelas igualdades. Mestra Dandara (Por que não?) recebe justa homenagem!

O dia da Consciência Negra passou. Mais uma data no calendário oficial, que nos sugere um dia especial no meio de semanas e dias de puro trabalho e pouca reflexão. Apesar de cada vez mais termos meios de acessar as informações, o que se pode fazer com elas é ainda muito pouco, uma vez que os esforços e espaços para debates e trocas são limitados.

Eleito o dia 20 de novembro para representar toda nossa História Negra, por ser o dia da morte do líder Zumbi da república quilombola dos Palmares, fundada em 1597 onde hoje é o Estado de Alagoas e Pernambuco, no período auge de nossa vida colonial, essa data tem muito a representar. Gostaríamos de falar brevemente sobre o que essa representação pode oferecer ao debate da Capoeira como uma manifestação dessa parte da nossa História e que só agora, passados séculos de debates não-oficiais, está entrando nos mecanismos de divulgação da História Oficial.

Se uma data como essa permite pensarmos a vida de uma grande liderança como foi Zumbi, gerando a idealização de sua figura como a de um herói que deve ser colocado entre os heróis de nossa pátria-mãe tão pouco gentil com seu povo oprimido, também deveria permitir a conscientização do papel dos que estiveram atuando ao lado dessa figura, especialmente as mulheres, às quais fazemos questão de destacar aqui nesse texto e em outros que temos assinado sobre a presença feminina nos contextos de que participamos.

Lembremos um pouco de Dandara, a qual se sabe tão pouco sobre sua vida, mas que consta como grande guerreira e estrategista dentro de Palmares. Tida como esposa de Zumbi, decide pela própria morte ao invés de entregar-se novamente ao sistema escravista quando da tomada da Serra da Barriga pelo governo monarquista no ano de 1694.

Não vamos aludir aos diversos eventos que correm ao longo da história dessa emblemática figura porque os elementos que levantamos aqui nos fazem pensar bastante sobre pontos importantes dentro da temática aqui proposta: praticar o exercício da conscientização de nosso passado escravista com tanta disciplina quanto a prática da Capoeira.

E nesse sentido estamos cada vez mais dispostas a exigir o espaço necessário para a conscientização do papel da mulher no curso de nossa História. Porque é fundamental reconhecer que tanto nos momentos das eclosões dos acontecimentos como nos do cotidiano diário o nosso papel foi e é o de garantir que o esperado se realize e se concretize de modo que a seqüência da vida e da melhoria daqueles que são parte do nosso círculo social aconteça.

Nós acreditamos que estar ao lado não é um papel medíocre, nem simples, nem subalterno, como querem as correntes feministas dispostas a continuar na segregação proposta pelos mesmos modelos a que se contrapõem. Estar ao lado é suportar (portar junto), é fazer crescer, é procriar. Aqui vale lembrar que tanto a linha reta como a roda são formas de organização que exigem o “lado a lado” pra se concretizarem, e ainda assim expressam maneiras diferentes e opostas de existir no mundo.

Um dia como esse 20 de novembro deve servir para que as mulheres se coloquem diante da condição Matriarcal e Feminina que faz da sensibilidade nossa maior herança. E com isso podemos construir certamente um mundo de homens e mulheres capazes de se voltarem conscientemente e com compaixão para os que sofrem, para os que não são reconhecidos pelo fato de estarem simplesmente vivos ou para aqueles que conhecem apenas a autoridade como forma de agir e de ser no mundo, enfim para todas as formas de vida que hoje em dia estão abaladas com a falta de direcionamento e distanciamento com o sagrado a que estamos submetidos.

Para que a Capoeira também entre nesse processo de valorização e reconhecimento da cultura negra é necessária a presença e atuação feminina e que essa faça seu papel de reconhecer dentro da História dessa luta os elementos que foram destacados, mas também os que foram omitidos nesse processo e contribuir, com força e união, para que as partes diferentes se associem, sem compromisso com mecanismos discriminatórios, especialmente os que nos conduzem a caminhos já sabidos de ruptura.

Não precisamos mais de uma consciência humana que rompa com o humano. Estamos carentes de mecanismos de construção integrativa, esse é o mecanismo da Natureza, deveria ser nosso referencial para tentarmos ter de volta nossa casa-comum, o Planeta Terra, e salvar nossa espécie Sapiens da nossa própria eliminação.

Precisamos sim é exercitar as capacidades físicas e emocionais que a Capoeira permite desenvolver a ponto de treiná-las para as transformações que o mundo está nos permitindo e nos obrigando a realizar. De outra maneira não estaremos fazendo jus aos ensinamentos deixados pelos Mestres que tiveram em suas companheiras a força para o trabalho que desenvolveram.

Casal de Edan .século XIX. Sudoeste da Nigéria. Coleção particular, Bruxelas: A superposição de homens e mulheres simboliza a união dos ancestrais, fundadores da linhagem. Esta associação é necessária para a manutenção do bem-estar de uma sociedade-civilizada, por quem os membros da sociedade secreta Ogboni são responsáveisO intelecto e o sensível estão sendo clamados para uma nova visão da vida, pois a luta a que a humanidade está sendo levada a travar exigirá muito de todos nós. E se nos habituarmos a rever os padrões morais e institucionais a que fomos expostos em toda História, teremos muito a nos beneficiar com o exemplo de mulheres que estiverem em constante combate em busca do respeito e da integração social.

Um dia para refletir a consciência negra no Brasil é um dia para refletir toda a nossa consciência histórica: a consciência que presenciou tantas mortes injustas, que guardou em suas raízes a eliminação do povo original da terra, que se ressente de uma classe dominadora que rejeita a fonte de sua própria riqueza; uma consciência que não acode aos que necessitam e defende os que se aproveitam indevidamente do que é de todos. Enfim, refletir sobre nossa consciência comum que tem muito a rever, rejeitar, redimir e refazer nos sentidos mais profundos de respeito que o ato de retorno pode ter em todos nós.

Stella Mendes (Manchinha), São Paulo, Novembro de 2005

Colaboração : Moleza

Grupo de Capoeira Angola Irmãos Guerreiros (Mestres Marrom & Baixinho)

* Imagens retiradas in: Mostra do redescobrimento: arte afro-brasileira. São Paulo: Associação Brasil 500 Anos Artes Visuais, 2000.

(1) Portadora de cálice. República Democrática do Congo (Musée Royal de l”Afrique Centrale, Tervuren, Bélgica): Guardiã da autoridade sagrada, a mulher que segura a cabaça de adivinhação entre suas mãoes, é o receptáculo dos espíritos e gênios vidye.

(2) Casal de Edan .século XIX. Sudoeste da Nigéria. (Coleção particular, Bruxelas): A superposição de homens e mulheres simboliza a união dos ancestrais, fundadores da linhagem. Esta associação é necessária para a manutenção do bem-estar de uma sociedade-civilizada, por quem os membros da sociedade secreta Ogboni são responsáveis

 

Fonte: Jornal do Capoeira –  www.capoeira.jex.com.br

Tatuí terá “Semana da Consciência Negra”

A cidade de Tatuí terá uma semana de atividades em comemoração a Consciência Negra, entre os dias 15 e 22 de novembro, com dança, música e exposição, organizadas pela Secretaria Municipal de Cultura, Turismo, Esporte, Lazer e Juventude e pelo Conselho Municipal de Desenvolvimento de Participação da Comunidade Negra de Tatuí.
A abertura da programação será no dia 15 de novembro, com a “Missa Afro”, às 19 horas, na Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceição, com a participação do Grupo de Consciência Negra de Boituva. Já às 20h30, do mesmo dia, um encontro de confraternização terá o “Grupo de Dança Raízes”, coordenado por Micheli Rolim, no Centro Cultural, na Praça Martinho Guedes, 12. Todos os eventos terão entrada gratuita.
No dia 17 de novembro, a semana segue com “Festival de Capoeira”, com o “Grupo de Capoeira Regional de Tietê, coordenado pelo Mestre Jones, às 20 horas, na Praça da Matriz. Entre as atrações haverá maculelê, samba de roda, luta com facão, acrobacias e percussão.
O “Coro de Mulheres Negras de Sorocaba” será apresenta no Centro Cultural, na Praça Martinho Guedes, 12, a partir das 20 horas, no dia 18 de novembro. Já no dia 19 de novembro, a partir das 19 horas, o Centro Cultural recebe um leque de atrações com a exposição “Consciência Negra”, de Carmelina Monteiro, Carlota Franco, Mesquita e APAE. Haverá ainda performance do “Grupo de Dança Raízes” e da “Banda Ternura Senna Tatuí”.
No dia 20 de novembro, às 19 horas, acontece um bate papo no Café Cultural (Praça Martinho Guedes, 12), com o tema “O Negro e o Mercado de Trabalho”. O debate será coordenado pela mestra em Ciências Sociais pela PUC-SP, Francisca Silva. Haverá também participação do “Grupo de Dança Raízes”.
O Projeto “Música na Praça” terá uma edição especial no dia 21 de novembro, a partir das 11 horas, na Praça da Matriz, com a “Big Band Jovem do Conservatório de Tatuí” e o “Grupo de Dança Raízes”.
O encerramento será no dia 22 de novembro, no Centro Cultural, às 10 horas, com o “Grupo de Capoeira Mundo Inteiro” que fará um encontro de capoeiristas e troca de cordão dos alunos.
Fonte: http://itu.com.br

Piauí: Dia da Consciência Negra será comemorado com Capoeira

A partir desta quinta-feira, dia 12-11-09, tem início a terceira edição dos Jogos Abertos Capoeira Ginga Piauí “Zumbi dos Palmares”. A abertura do evento acontece às 19h no Clube do Servidor Municipal, conhecido como Clube do Gari. A atividade tem o intuito de lembrar o Dia da Consciência Negra, comemorado dia 20 de novembro. A programação da Associação Cultural de Capoeira Ginga Piauí inclui aulas e apresentações de grupos de capoeira.

Logo na abertura, acontecerá um Aulão com os contramestres Cruel, Olho de Gato e Olímpio, seguido da apresentação do Grupo Negaça, de Fortaleza-CE, e da entrega das camisas do evento. No dia 13, sexta-feira, o Aulão será com Mestre Grandão, às 9h, no Clube do Gari, onde também haverá a apresentação da Associação de Capoeira Engenho, de Salvador-BA. No mesmo dia, às 16h, acontecerá a Roda de Capoeira no Shopping da Cidade, na Avenida Maranhão.

As 1ª e 2ª eliminatórias dos III Jogos Abertos Capoeira Ginga Piauí serão no Teatro de Arena no sábado, dia 14, por volta das 15h. A final acontecerá no domingo, 15, também no Teatro de Arena às 15h, juntamente com o 10º Batizado e Troca de Cordas Capoeira Ginga Piauí e a premiação dos jogos.

Ainda em comemoração ao Dia da Consciência Negra, a Casa da Cultura de Teresina sedia, no dia 20, às 18h, a palestra “A contribuição da raça negra na construção material e imaterial na cidade de Teresina”, com o professor e escritor Paulo Machado.

O grupo de Capoeira Ginga Piauí é um dos residentes do Teatro do Boi, que é mantido pela Prefeitura de Teresina, por meio da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves.

Natal: Primeiro Seminário da Consciência Negra no Município de Ielmo Marinho

Consciência negra foi discutida no município

A importância da cultura negra no município, costumes e tradições trazidos da África e o histórico da capoeira foram alguns dos temas abordados no Primeiro Seminário da Consciência Negra no Município de Ielmo Marinho.

O evento foi promovido pela prefeitura municipal, através da secretaria de promoção e bem estar social e os programas Casa da Família e Programa de Erradicação do Trabalho Infantil, Peti, acontecendo em duas etapas.

A primeira foi o seminário que discutiu as questões ligadas ao tema e a segunda, foi uma caminhada denominada de cortejo cultural, realizada na última semana, fechando a programação de eventos do mês de novembro.

Seminário

A psicóloga Tatiana Cunha que atende na Casa da Família, conta que o seminário foi realizado no último dia 20 durante toda a manhã. Na ocasião, foram discutidos vários temas ligados a cultura negra e sua importância, além também de mostrar um pouco das tradições que herdamos da África bem como um breve histórico da capoeira.

O evento que foi preparado cuidadosamente para o público infantil proporcionou ainda, uma palestra interativa, exposição de utensílios e elementos da cultura negra, roda de capoeira e produção de painéis.

Realizadas

Todas estas atividades foram realizadas na sede do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil, Peti e duraram toda a manhã. A iniciativa ganha um peso ainda maior pelo fato de Ielmo Marinho ser um dos municípios potiguares a possuir uma comunidade Quilombola que fica no distrito de Nova Descoberta.

Outra iniciativa realizada dentro do Primeiro Seminário da Consciência Negra no Município de Ielmo Marinho foi a realização de uma caminhada denominada de Cortejo cultural.

Cultura

Através dessa iniciativa , a programação que proveu a discussão sobre a cultura negra no município, foi encerrada. A caminhada saiu da sede do Peti, onde as crianças e todos os demais atendidos pelos programa sociais do município, juntamente com a população que foi aderindo ao cortejo, percorreu as principais ruas da cidade com destino a prefeitura.

Novas apresentações culturais marcaram o encerramento do cortejo cultural. Tatiana Cunha lembrou que o município de Ielmo Marinho, na gestão do Prefeito Germano Patriota, tem recebido o devido apoio a este tipo de iniciativa que promove a cultura e principalmente discute um tema tão presente em nossa sociedade nos dias atuais.

Objetivos

Este tem sido um dos objetivos da administração manter os alunos sempre atuais, sabendo qu está acontecendo e se preparando para um futuro melhor.

O prefeito Germano Patriota vem buscando desenvolver cada vez a educação com trabalhos sérios e fortes no sentido de que se tenha uma boa escola para estudar, professores qualificados, boa merenda escolar e ainda transportes de qualidade para que todos os alunos possam chegar aos colégios com facilidade e aprender a preparar-se para a vida.

Fonte: DN Online – www.dnonline.com.br

Umuarama celebra a igualdade racial

Mesa de discussões, apresentações culturais e palestras sobre racismo marcaram as discussões sobre a consciência negra em Umuarama

Umuarama e toda a Nação brasileira comemoram hoje o Dia da Consciência Negra, que é dedicado à reflexão sobre a inserção do negro na sociedade brasileira. Diversas atividades alusivas ao dia foram e estão sendo realizadas no município, entre mesa de discussões, apresentações culturais, palestras e outras. As atividades serão encerradas na quarta-feira com a eleição da Miss Beleza Negra.

Hoje, em comemoração ao O Dia da Consciência Negra será realizada apresentação de escolas de samba e capoeira na Praça Miguel Rossafa, além de comemorar o dia da consciência a data marca a morte de Zumbi dos Palmares, falecido há 312 anos.

Porém, o dia dos grandes debates foi ontem, com uma palestra sobre o racismo na sociedade e no espaço escolar. A palestra foi ministrada por Luiz Carlos Paixão da Rocha, secretário de Políticas Sociais da APP Sindicato e coordenador do coletivo da Igualdade Racial. Após a palestra os presentes realizaram um debate sobre o racismo.

Segundo a professora Maria Madalena Lopes de Lima, o racismo é algo que está embutido na consciência das pessoas e ainda vai precisar de muito tempo para isso mudar. “Quando estamos lecionando observamos formas de racismo vindo dos alunos, mas não é culpa deles. Como uma piadinha sobre negros, que os pais fazem em casa e isso vai se transformando em algo normal para as crianças”, disse Madalena.

A professora ressaltou que quando fala que trabalha em uma escola, logo a pessoa pergunta se é zeladora ou cozinheira. “Não estou desmerecendo a classe das zeladoras ou cozinheira, que fazem grande trabalho nas escolas, mas porque uma mulher negra não pode ser uma professora?”, indagou Madalena.

No período, às 13h30, o presidente do Conselho Estadual de Educação, Romeu Gomes de Miranda, explanou sobre a Lei 10.639-03 e sobre a Deliberação 04/06, que tratam sobre o ensino da cultura negra na formação da História do Brasil. E às 19h, apresentações artistas músicas, danças e capoeira finalizaram o dia de debates.

As comemorações serão finalizadas no dia 21, com a escolha da mulher negra mais bela, com o concurso Miss Beleza Negra, no Centro Cultural Schubert, às 20h. Estão participando do concurso 12 lindas mulheres que no final apenas uma irá representa a beleza da raça negra de Umuarama e região.

Fonte: Umuarama Ilustrado – http://www.ilustrado.com.br/

Pernambuco: Dia da Consciência Negra é comemorado com festa

Esta terça-feira, 20 de novembro, está repleta de manifestações culturais e políticas para marcar o Dia Nacional da Consciência Negra. A data é alusiva à morte do líder da resistência a escravidão no Brasil, Zumbi dos Palmares. No Recife, a programação começa cedo, partir das 7h, com uma roda de Samba com Jorge Ribas na entrada principal do prédio sede da Prefeitura do Recife, no Cais do Apolo.

No museu Casa do Carnaval, no Pátio de São Pedro, continua exposição especial ao Mês da Consciência Negra, das 9h às 17h. Um dos destaques do dia é a 3ª Caminhada das Escolas Municipais do Recife com a participação de mil e quinhentos estudantes, com o intuito de promover a igualdade racial. A concentração para a passeata acontece às 15h no Parque 13 de Maio, com destino ao Pátio da Igreja Nossa Senhora do Carmo, na avenida Dantas Barreto.

No mesmo horário da saída da caminhada, o Pátio Nossa Senhora do Carmo, centro do Recife, recebe mostra de vídeo, debate, oficina de cabelo afro, exposições e distribuição de material de divulgação e apresentações de grupos culturais, além do Afoxé Oyá Alaxé. Ainda dentro das comemorações, haverá a entrega do título de cidadã recifense à escritora Inaldete Pinheiro, e da comenda José Mariano ao advogado Edvaldo Ramos. O evento acontece na Câmara Municipal do Recife, às 16h30.

À noite, haverá uma Terça Negra especial, a partir das 19h30. Se apresentam no palco montado no Pátio de São Pedro o grupo de música de câmara Korin Orissá e sacerdotisas das religiões afro-brasileiras; Grupo de Samba Reggae Obá Nidje; Grupo Raízes do Quilombo Xeré com a rede estadual de religião afro-brasileira; Afoxé Ylê de Egba Batukaje e o Afoxé Alafin Oyó.No local também haverá desfile de tranças e bijuterias afro.:

Olinda – Em Olinda, o Dia Nacional da Consciência Negra vai ser comemorado com a 2ª Marcha pela Libertação do Povo Negro. O evento acontece às 15h, com concentração na Praça 12 de Março, no Bairro Novo e tem o apoio do Movimento Negro unificado e da União de Negros pela Igualdade (Unegro).

Com o tema Construindo um projeto político para o povo negro pernambucano, a caminhada deve reunir cerca de 500 pessoas que percorrerão as ruas do Sítio Histórico. O trajeto inclui o Mercado da Ribeira, o Palácio dos Governadores (sede da Prefeitura) e termina na Câmara Municipal de Vereadores, onde haverá uma solenidade especial.

Em Abreu e Lima, a data será comemorada na Praça de São José, no centro da cidade, com festa a partir das 18h. Participam das comemorações o grupo de capoeira Dantos, Escola de Capoeira Mestre Del Bruto, Maracatu Estrela de Ouro de Olinda e grupo B-Boys. O acesso é gratuito.

Fonte: Redação do PERNAMBUCO.COM – http://www.pernambuco.com

Mês da Consciência Negra tem programação especial & Capoeira

A festa para o Mês da Consciência Negra será comemorado em Ribeirão com vários eventos, realizados entre 10 a 27 de novembro. A abertura do dia 10 terá a manifestação cultural africana Tambu-Jongo, às 11h, na esplanada do Theatro Pedro II. No mesmo dia, às 18h, no auditório da Casa da Cultura alto do São Bento, haverá a palestra “Religiosidade de Matriz Africana e Legislação”.

Na quadra da Escola de Samba “Bambas”, acontece, no dia 11, às 10h30, uma oficina de capoeira.
Às 15h, acontecerá a palestra “Capoeira e cultura afro-brasileira. As atividades serão ministradas pelo mestre de capoeira Pedro Moraes Trindade (Mestre Moraes).

O ator Giovani da Silva realiza, no período de 15 a 19 de novembro, às 19h, a Oficina de Teatro e Literatura, no Centro Cultural Órunmila. No dia 20, data em que se comemora o Dia da Consciência Negra, uma Feira Afro-brasileira acontece no Teatro de Arena (Alto do São Bento). A partir das 16h, acontecerão apresentações de capoeira, maculelê, hip-hop, samba, reggae, teatro e comercialização de comidas típicas.

A ONG Fala Preta promoverá, no dia 23, às 19h, no auditório da casa da cultura, a palestra “Trajetória de Mulheres Africanas e Negras no Brasil”. No dia 24, das 9h às 12h e das 14h às 17h, no Centro Cultural Órunmila, um ciclo de palestras abordando os tópicos “Violência Contra a Mulher” (Lei Maria da Penha), “Tráfico de Pessoas – Recorde Racial e de Gênero”, “Mulher Negra e Mercado de Trabalho” e “Lei 10.639 e Relação de Gênero”.

O lançamento dos sambas enredo da União das entidades Carnavalescas – Nenê da Vila Matilde, grupo Chega pra Sambar, afoxé Omo Orunmila, Bambas e Tradição, também será no dia 24, na quadra da Escola “Bambas”. A programação será encerrada dia 27, durante o Café Filosófico, a partir das 19h, na Câmara Municipal de Ribeirão Preto (avenida Jerônimo Gonçalves, 1.200), com participação de Nei Lopes, que fala sobre Samba, cultura Afro-brasileira e a Lei 10.639/03.

Dia da Consciência Negra mobiliza Tocantins

Nos dias 18, 19 e 20 de novembro a cidade de Arraias (TO) comemora o Dia Nacional da Consciência Negra e da Afro-Brasilidade com muita capoeira. Durante a programação acontece o IX Encontro Estadual de Capoeira Sudeste do Tocantins. A iniciativa é da Associação Cultural Chapada dos Negros, dirigida pelo Mestre Fumaça e pela professora Sílvia Adriane. A entidade luta pela preservação e pelo tombamento da Chapada dos Negros, onde é forte a tradição quilombola.
 
Atendendo ao gentil convite dos organizadores, estarei na cidade fazendo o lançamento da 2ª. Edição do Dicionário de Capoeira. Um dos destaques da programação é a Oficina de Tambores com Mestre Tambor e a tradicional Berimbalada, a caminhada de capoeiristas no centro da cidade. Os mestres Pombo de Ouro e Cláudio Danadinho farão uma palestra sobre “Os Fundamentos da Capoeira Regional”. O encontro termina na segunda com uma trilha ecológica na belíssima Chapada dos Negros.
 
O evento tem o apoio da Universidade Federal do Tocantins (UFT); das prefeituras de Arraias, Novo Alegre e Lavandeira (TO) e de Monte Alegre (GO). A Associação Ladainha, os grupos Candeias e Terreiro, as academias Tambor Capoeira, Arte Folclórica e Pequeno Dragão, o Projeto Ginga Mulher e as comunidades quilombolas Lagoa da Pedra e Kalunga Mimoso também participam das atividades.
 
{jgxtimg src:=[http://www.portalcapoeira.com/images/stories/Capoeira/eventos/cartaz.jpg] width:=[220]}
Para ampliar o cartaz,
clique na imagem…
 
Veja a programação
 

Sábado –  18/11/2006
 
Roda de Abertura no Ginásio de Esportes de Arraias
Apresentações Artísticas (Sússia,  Maculelê, Dança do Fogo e Dança Popular)
Oficinas de Tambores (Mestre Tambor)
Homenagens, batizado e trocas de cordas
Berimbalada nas ruas da cidade (saída do Colégio Estadual Professora Batista Cordeiro)
 
Domingo – 19/11/2006
 
Papoeira e fundamentos da Capoeira Regional (mestres Pombo de Ouro e Cláudio Danadinho)
Roda de integração entre os grupos
 
Segunda – 20/11/2006
 
Dia Nacional da Consciência Negra
Trilha ecológica com os alunos da Escola Agrícola David Ayres França e da UFT

 

* Mano Lima é autor das obras “Dicionário de Capoeira” e “Eu, você e a capoeira”.
É repórter do programa de TV “Caderno Educação” e colunista dos sites www.portalcapoeira.com, www.jornalmuncapoeira.com, www.temnoticia.com.br e www.manolima.com