Blog

cordel

Vendo Artigos etiquetados em: cordel

A Literatura de Cordel e a Música na Capoeira

 

Pensando em tudo isso, fui buscar a origem de algumas cantigas que mais gostava e cheguei até a poesia de cordel. A história do Valente Vilela e o ensinamento contado na vida de Pedro Cem, ambos personagens presentes na literatura de cordel, foram os meus iniciais. Assim como ainda acontece hoje em dia, principalmente no Nordeste do país, acredito que os folhetos de cordel sempre foram muito divulgados e, devido ao preço de centavos, muito acessíveis. Conta-se inclusive, que antes da chegada da Televisão, o nordestino do interior aguardava a chegada do Poeta de Cordel para saber em versos, os acontecimentos do mundo, sempre numa linguagem oral, popular.

Alguns anos atrás, ouvindo CD de mestre Waldemar, me perguntei: Será que a poesia da capoeira foi um privilégio dos nossos avós de capoeira? Talvez não. Mas e a malícia em organizar as idéias de um modo “não tão direto”, aquela mandinga nas palavras, que mestre Jerônimo lá da Austrália sabe tão bem desenvolver?
O assunto é interessante, e por vezes já foi citado e comentado por diversas pessoas. Na verdade, pessoas com muito mais bagagem e conhecimento no assunto. Mas o que me faz escrever algumas linhas sobre a relação entre a literatura de cordel e as canções na capoeira, é justamente a necessidade que sinto de uma melhora nas músicas que são compostas e cantadas hoje em dia. É verdade que ainda hoje, em diversas rodas pelo Brasil e mundo afora, reinam canções de mais de um século de idade, numa mostra de resistência da cultura da capoeira. Mas são algumas canções “modernas” que preocupam. Canções pobres de conteúdo, vazias.

 

Vida de Pedro Cem

Vou narrar agora um fato

Que há cinco séculos se deu,

De um grande capitalista

Do continente europeu,

Fortuna que como aquela,

Ainda não apareceu.

(…) Diz a história onde li

O todo desse passado

Que Pedro Cem nunca deu

Uma esmola a um desgraçado

Não olhava para um pobre

Nem falava com criado

(…) A justiça examinando

Os bolsos de Pedro Cem,

Encontrou uma mochila

E dentro dela um vintém

E um letreiro que dizia:

Ontem teve e hoje não tem.

* Rafael Augusto de Souza

 

 

Pedro Cem

Lá no céu vai quem merece

Na terra vale quem tem

A soberba combatida

Foi quem matou Pedro Cem

(…) Ele dizia nas portas

Uma esmola a Pedro Cem

Quem já teve hoje não tem

A quem eu neguei esmola

Hoje me nega também

(…)A justiça examinando

Os bolsos de Pedro Cem

Encontrou uma muchila

Dentro dela um vintêm

E um letreiro que dizia

Já teve, hoje não tem

* Mestre Waldemar

 

O cordel tem origem na península ibérica, em Portugal e Espanha, no século XVI, onde as estórias se apresentavam em versos e prosas. Até hoje não se sabe bem quando os folhetos entraram no Brasil, mas muito provavelmente vieram com os colonizadores. Outra característica interessante, é que aqui no Brasil, a literatura de cordel sempre esteve ligada à cultura oral e popular, e escrita em versos.

E de onde vem a ligação com a capoeira? De maneira clara e intuitiva esse é mais um dos argumentos para a interpretação da capoeira como cultura popular. Na verdade não há algo que as ligue, e sim ambas fazem parte da tão rica cultura popular brasileira. E a cumplicidade não é só com o cordel, mas também com o samba de roda e todos os demais ritmos populares, quase todos de origem africana. Assim como os cantadores e repentistas, o capoeira deve estar atento ao que acontece ao seu redor. Deve ser um responsável pela divulgação de informações e opiniões.

Como escutei do amigo Miltinho Astronauta certa vez… “Todo capoeira é, ou deveria ser, um poeta, um cronista social e um sócio-crítico dioturno…”. Pensando dessa forma, embolando as idéias entre o passado e o presente, passando por críticas e homenagens, aproveitando o que foi criado e dando liberdade à nossa criatividade, devemos também mandar nosso recado, prestando atenção para essa característica tão marcante, interessante e importante da capoeira.

Sagu – raphaelmoreno@yahoo.com.br

São Carlos – Maio/2006

Fontes consultadas:

1. Jangada Brasil. www.jangadabrasil.com.br

2. ABLC – Academia Brasileira de Literatura de Cordel. www.ablc.com.br

Lançamento do Livro: “ABC DA CAPOEIRA PARA CRIANÇAS”

“ABC DA CAPOEIRA PARA CRIANÇAS” será lançado  QUADRA DA G.R.E.S. MOCIDADE UNIDA DO SANTA MARTA, neste sábado, 10 de Agosto de 2013.

Fruto de uma parceria entre o escritor carioca Victor Alvim, o Lobisomem e o ilustrador português Rui Apolinário, o livro infantil “ABC DA CAPOEIRA PARA CRIANÇAS” tem  linguagem simples, nomes de golpes, movimentos, importantes mestres, instrumentos musicais e suas funções, lutas africanas que originaram a capoeira, além de noções de cidadania, respeito à natureza, aos professores e amigos, são alguns dos elementos deste livro. Durante o evento,  Victor Alvim estará autografando os exemplares do livro, que estarão à venda no local.

A programação terá ainda apresentações folclóricas de Maculelê, Jongo e Samba de Roda com as crianças do projeto, além de batizado e troca de graduações, entre outras atividades.

O evento faz parte das comemorações dos 20 anos do trabalho social realizado no Santa Marta pelos professores de capoeira Anderson Bacurau, Chá Preto e Alex Sil. Atualmente os dois primeiros ministram suas aulas na Espanha e Portugal, deixando a continuidade do trabalho no morro Santa Marta aos cuidados do instrutor Alex Sil.

Na literatura de cordel brasileira, os “ABCs” são poemas onde cada estrofe se inicia com uma letra do alfabeto de forma sequencial. De A a Z.

Neste livro, “ABC da CAPOEIRA Para Crianças ” o autor apresenta, também neste formato, um poema em que procura citar, comentar e explicar, alguns dos mais importantes fundamentos e aspectos da arte capoeira.

A capoeira é uma arte brasileira que atualmente é praticada em mais de 100 países de todos os continentes. É um valioso instrumento de educação, utilizado em grande parte das escolas, universidades e projetos sociais do país. Costuma dizer-se que é uma “arte que engloba várias artes”, pois trabalha musicalidade, coordenação motora, história do Brasil, defesa pessoal, atividade física e mental entre dezenas de outras qualidades. O capoeirista toca, canta, compõe, joga, luta, interpreta, dança, confecciona instrumentos.

A CAPOEIRA foi reconhecida pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) como PATRIMÔNIO CULTURAL IMATERIAL DO BRASIL.

 

Os autores:

Victor Alvim I. Garcia nasceu no Rio de Janeiro. Iniciou-se na capoeira há mais de duas décadas nas aulas ministradas por Mestre Camisa no bairro de Laranjeiras, onde recebeu o apelido de “Lobisomem”. Membro da ABADÁ-CAPOEIRA, já ministrou aulas de capoeira em creches, escolas públicas e particulares, comunidades e projetos sociais entre outros. Compositor e cantador, depois de participar de diversos cds, em 2009 gravou seu primeiro cd solo intitulado “Capoeira Popular Brasileira”. Poeta popular,  autor de dezenas de títulos, em 2007 foi eleito membro da Academia Brasileira de Literatura de Cordel.

Rui Apolinário nasceu em Cascais, Portugal. Decidiu iniciar-se na capoeira após uma estadia em Porto Seguro onde assistiu a uma demonstração. É designer e ilustrador. Já ilustrou diversos livros infantis e aplicações multimídia.

 

Serviço:

Data: 10/08/2013 – Sábado
Horário: 9:30 às 12:30
Local: QUADRA DA G.R.E.S. MOCIDADE UNIDA DO SANTA MARTA
Endereço: Rua Jupira, 72 – Morro Santa Marta – Botafogo
ENTRADA FRANCA

O livro será vendido por R$ 10,00 (dez reais)

 

Alguns cordéis publicados pelo autor Victor Alvim:

·         O Magnífico Encontro de Zeca Pagodinho com a Patota de Cosme& Damião

·        A chegada de Bezerra da Silva no céu

·        Zumbi dos Palmares e Mestre Bimba em cordel

·        Cacique de Ramos em Cordel

Literatura de Cordel: Bloco Cacique de Ramos

LITERATURA DE CORDEL CONTA A TRAJETÓRIA DO BLOCO CACIQUE DE RAMOS

 

 

Em 20 de janeiro de 1961 um grupo de jovens de Ramos, Olaria e Bonsucesso, fundava um pequeno bloco sem maiores pretensões. 50 anos depois, este bloco tornou-se um mito do carnaval brasileiro e sua quadra abriga um pagode onde passaram os maiores nomes do samba brasileiro e muitos ali foram revelados. É o Cacique de Ramos, patrimônio cultural do Rio de Janeiro. E pra contar a sua trajetória, o poeta popular Victor Alvim, conhecido também como “Lobisomem”, escreveu sua história no formato da tradicional LITERATURA DE CORDEL.

 

“Freqüentador da roda de samba do Cacique de Ramos, o autor tinha o rascunho deste cordel guardado há cerca de 5 anos e decidiu continuar a missão de terminar o texto para homenagear o bloco no seu cinqüentenário

 

 

“…O Brasil é terra rica

Na arte e na cultura

E tudo que vem do povo

Na sua expressão mais pura

É obra que emociona

Até a alma mais dura

 

E foi um dos grandes blocos

Que me chamou atenção

Despertou meu interesse

E tocou meu coração

Se tornando para mim

Fonte de inspiração

 

 

Um bloco muito animado

E também tradicional

Que arrasta multidões

Fenômeno sem igual

É o Cacique de Ramos

Um dos reis do carnaval…”

 

 

 

Pesquisando em livros, discos, jornais, vídeos e conversando com integrantes novos e antigos da agremiação, Victor reuniu as informações básicas que precisava para escrever. A origem das 3 famílias que fundaram o bloco; a rivalidade com o bloco “Bafo da Onça” do bairro do Catumbi; grandes nomes que passaram pela sua quadra e outros detalhes importantes.

 

 

“…E com essas três famílias

De Ramos e Olaria

Um capítulo importante

Do carnaval surgiria

Mas isso naquele tempo

Ninguém imaginaria

 

As mulheres já queriam

Dos grupos participar

As irmãs e namoradas

Foram reivindicar

Rapidamente atendidas Conquistaram seu lugar

 

E assim dessa maneira

Um novo bloco nasceu

O “Cacique Boa Boca”

De repente apareceu

Em homenagem aos índios

Esse nome se escolheu

 

 


Na década de 60

 

Começou a sua história

No ano 61

Registrado na memória

O Cacique começou

Sua carreira com glória…”

 

 

 

Conversas com Bira Presidente e Sereno, fundadores do bloco e integrantes do grupo Fundo de Quintal, foram primordiais para esclarecer dúvidas sobre nomes e fatos importantes.

 

 

“ …Na fundação do Cacique

Também temos que lembrar

De Ênio, Mendes e Dida

Everaldo e Alomar

E outras tantas figuras

Que é difícil enumerar…”

 

 

Membros da diretoria do Cacique como Tuninho Cabral, Ronaldo Felipe e Renatinho Partideiro, membros da diretoria e apaixonados pelo Cacique foram grandes colaboradores e incentivadores para que o cordelista publicasse o livreto ainda em tempo para as comemorações dos 50 anos do Cacique de Ramos que começam na próxima quinta feira dia 20 de janeiro na sede da Rua Uranos, 1326.

 

 

“…O bloco que começou

Somente por diversão

De uma turma de jovens

Sem nenhuma pretensão

Que jamais imaginavam

Que cumpriam uma missão

 

Que começou no subúrbio

Do velho Rio de Janeiro

Cresceu, ficou conhecido

Por esse Brasil inteiro

Transformando-se num mito

Do carnaval brasileiro

 

O Cacique é referência

Na música brasileira

Vem gente do Brasil todo

E até de terra estrangeira

Pra conhecer o Cacique

E a sua tamarineira

 

Desejamos ao Cacique

Um feliz aniversário

Parabéns por sua história

E pelo cinquentário

Vida longa e muito samba

Aguardando o centenário! …”

 

 

 

 

O AUTOR

 

 

“Lobisomem” é o apelido de Victor Alvim Itahim Garcia nascido no Rio de Janeiro em 21 de dezembro de 1973 na maternidade São Sebastião, filho de Joe Garcia e Nádia Itahim Garcia.

É capoeirista, discípulo de Mestre Camisa e membro da ABADÁ-CAPOEIRA. Compositor e poeta popular, foi eleito em 2007 para ocupar, na Academia Brasileira de Literatura de Cordel, a cadeira de nº. 27, tendo como patrono o poeta pernambucano Severino Milanês.

Publicou recentemente os folhetos “A Fantástica História de Zeca Pagodinho e o Disco Voador” e “O Maravilhoso Encontro de São Jorge com Jorge Benjor”.

Tem como objetivo maior sempre divulgar e elevar o nome da capoeira, do samba, da literatura de cordel e de toda a cultura popular brasileira.

 

 

Conheça nosso blog e torne-se tambem um seguidor:

 

www.quintal-do-lobisomem.blogspot.com

Entrevista: Mestre Mintirinha

Mestre Mintirinha – Luiz Américo da Silva – Grupo Terra o estilo Barravento.

Nascido aos 28 de agosto de 1950, desde os seis anos de idade praticando capoeira, teve como mestre o angoleiro Oswaldo Lisboa dos Santos, Mestre Paraná, excelente tocador de berimbau, que lhe passou os dotes musicais para o berimbau e também para o atabaque. Aos dezesseis anos já ministrava aulas de capoeira na academia do mestre Mário dos Santos, no Jacarezinho, Rio de Janeiro/RJ. Fundou o grupo Kapoarte de Obaluaê, Muzenza, Esporte Nacional (mais tarde Cruzeiro do Sul) e, atualmente, dirige o grupo Terra, em Olaria, Rio de Janeiro/RJ.

Constituído de excepcional forma física e dotado de uma velocidade extraordinária, uniu uma à outra e, na capoeira, com movimentos rápidos e viris, quase sem gingar – tal é o imediato entrelaçar de um golpe ao outro, a um toque rápido de berimbau e atabaque – o estilo Barravento (v. MARINHO, p.34) mostra seu poderio e beleza nas muitas rodas de capoeira que os seus alunos participam.

Read More

Lobisomem: Capoeira e Cordel

Histórias populares, no mundo inteiro, são sempre maniqueístas, variações de lutas entre um bem e um mal, moralidades rígidas por um lado mas suficientemente elásticas por outro para incluir mau-caratismos e espertezas várias quando se trata de um “fraco” vencer um “forte”.

E aí vem o Brasil, a capoeira e a literatura de cordel, e o bem e o mal começam a negociar.

No cordel de apresentação de seu personagem, Lobisomem, o capoerista e cordelista Victor Alvim Itahim Garcia, do grupo Abadá Capoeira, diz a respeito de si mesmo: ninguém lá é perfeito. Ele lê este verso e começa a jogar sua capoeira dançada, uma negociação entre investidas e defesas. Mais (ou menos) do que uma luta, uma longa conversa de pernas e pés com seu oponente-parceiro.

Dele também, os versos de abertura do cordel Zumbi & Bimba:

É claro que não podemos
Nunca generalizar
A minha intenção não é
De querer polemizar
Pois todos têm liberdade
Pra sua versão contar

Ou, no cordel em que ele homenageia Mestre Camisa, fundador do grupo:

Como todo ser humano
Muitos defeitos tem
Como ninguém é perfeito
Ele erra muito também
Mas a sua intenção
É sempre fazer o bem

É uma distância grande em relação a, por exemplo, os contos de fada originados na Europa, onde um desfile de fracos-bons e fortes-ruins têm, depois de várias crueldades de parte a parte, seu destino modificado graças à intervenção sobrenatural. Ou aos contos hollywoodianos contemporâneos, que seguem o mesmo molde.

Lobisomem: Victor Alvim Itahim Garcia, do grupo Abadá Capoeira

Relatos populares têm finalidades precisas. São ensinamentos de sobrevivência e resistência para situações limites e, dentro dessa estratégia, são também instrumentos de integração universalistas. Neles, personagens locais se ligam a arquétipos universais e o indivíduo, eivado de estereótipos psicológicos e sociais – heróis, cenários específicos como encruzilhadas ou estradas, e um tempo colocado em um passado distante ou, no caso hollywoodiano um futuro igualmente distante – se transforma em um ator que exerce sua subjetividade como em um teatro. O problema é que tal linguagem anuncia a crítica e ao mesmo tempo a cancela. Ao se tornar uma encenação que se repete, mesmo se variando detalhes do rito, o relato mostrará uma crítica não mais sobre o poder que oprime o grupo social naquele momento, mas a partir de um poder, o do mito.

O que o sotaque brasileiro traz de interessante é que, ao tornar falível o bem e palatável o mal, não abre espaço para o conceito de que haja algo perfeito de antemão, algo que nós, humanos, devemos nos esforçar para alcançar e uma vez lá, não mais modificar. Sem perfeição à mão, entra obrigatoriamente a negociação.

Viva nóis.

 
Elvira Vigna é escritora e crítica de arte, com formação em letras e arte, e mestrado em teoria da significação pela UFRJ. Último livro publicado: "Deixei ele lá e vim", 2006, Companhia das Letras

Fonte: Aguarrás – http://aguarras.com.br/

Rio de Janeiro: Cordel & Capoeira para criança

Caros amigos,

No sábado e domingo próximo (28 e 29 de julho) as 14 horas no Parque Lage, estarei apresentando LITERATURA DE CORDEL & CAPOEIRA para crianças dentro da programação do FESTIVAL INTERCÂMBIO DE LINGUAGENS.

Haverá contação de história do folclore através da literatura de cordel, mini-aula e roda de capoeira.

Também estarei lançando o folheto ABC DA CAPOEIRA PARA CRIANÇAS.

Convidem seus alunos, filhos, sobrinhos etc…

Os capoeiristas adultos também são bem vindos para ajudar e participar da roda de capoeira.

DATA: SÁBADO E DOMINGO
28 E 29 DE JULHO DE 2007
 
HORA: 14 HORAS

ENDEREÇO: PARQUE LAGE – RUA JARDIM BOTÂNICO, 414
 

ENTRADA FRANCA!

Victor Garcia – "Lobisomem"
victorlobisomem@yahoo.com.br

Capoeira & Frevo, Savate e Mestre Artur Emídio

Tenho três crônicas prontas – (1) Capoeira de Pernambuco, (2) Capoeira e Savate e (3) Capoeiragem no Rio de Janeiro, no Brasil e no Mundo (quarta edição). Mas, como diria Mestre Camões – “Cesse tudo o que a Musa antiga canta, que outro valor mais alto se alevanta” – pois estamos no mês de aniversário do grande Mestre Artur Emídio de Oliveira.
Entendam a citação de Lusíadas como homenagem aos capoeiras de Portugal, nas pessoas dos Mestres Umoi e Milani, dois grandes batalhadores, “cada qual no seu cada qual”.
 
Para mais uma vez homenagear Seu Artur utilizo o espaço deste mês transcrevendo velha e sempre renovada crônica que sobre ele escrevi, publicada inicialmente no meu livro “A Volta do Mundo da Capoeira” e já transcrita em várias revistas e sites.
 
Antes, porém, preparando os leitores para as próximas crônicas, um pequeno resumo dos temas acima selecionados, até mesmo para justificar o título da matéria de hoje.
Capoeira & Frevo
 
O Jornal do Commercio, de Pernambuco, na edição de 15 de março de 2007, publica extraordinário artigo de Leonardo Dantas Silva – Capoeira & frevo. Mas uma irrefutável prova de que, também sem a brava capoeira de Pernambuco, não será possível escrever a verdadeira História da Capoeiragem no Brasil.
Tema de um dos nossos próximos artigos.
 
Savate
 
João Cláudio, filho mineiro de João Fontes, velho capoeira, líder comunitário aqui no Leblon, em muito boa hora, recebo excelente artigo sobre o assunto: “Savate, em linguagem popular (França) significa “sapato” ou “bota”. Era o termo usado, sobretudo pelos parisienses vadios, lutadores de rua a que usavam, agressivamente, todas as partes do corpo como armas – cotovelos, joelhos, cabeça, punhos e, sobretudo, os pés. Golpes que eram desferidos com violência e perícia, sempre direcionados aos pontos vitais do(s) oponente (s)”. Não consegui ainda saber a fonte, o nome da revista, pesquisarei.
 
Coincidentemente, também da França, Mestre Camaleão (parabéns pela Mademoiselle Yara!) envia excelente trabalho de pesquisa sobre o Chausson. Segundo alguns pesquisadores, o Chausson era praticado, em Marselha, pelos marinheiros. Mesmo em viagem, para tanto, muitas vezes, por causa do balanço do navio, usavam o recurso de lutar apenas com
os pés utilizando as mãos para garantir o equilíbrio junto a algum ponto seguro do convés.
 
Colocações que merecem boas pesquisas, muito embora, na instigante foto que ora publicamos (Joseph Charlemont,1899), as mãos fazem também parte da luta.
 
Cordel, Quarta Edição
 
Como defende a Dra. Arly Silva e Lisboa, de modo sempre inteligente e simpático, “não se trata mais de um cordel, mas de algum outro tipo de literatura, que inclui um pequeno ensaio sobre o mote escolhido”.
 
Maneira amiga, certamente, de dizer que abusei das Apresentações, quase tão extensas quanto o resto do cordel. Mas se fazia necessário um esclarecimento definitivo para acabar com discussões inúteis e propor reflexões e caminhos mais condizentes com esse “lamentável, mas inexorável processo de institucionalização da Arte-Afro-Brasileira da Capoeiragem”. Concentrei o foco em dois pontos de vital importância: Luta de Capoeira & Fator Negritude.
 
Fui obrigado, também, a mudar a capa, já que as demais, como parece ser rotina e mau hábito de alguns, já foram plagiadas, também.
 
A quarta Edição será lançada no fim deste mês, justamente com o meu primeiro romance (já registrado) “Marraio Ferido Sô Rei”.
 
 
Com vocês, o prato principal, meus parabéns e agradecimentos ao meu bom amigo Mestre Artur Emídio de Oliveira pelo extraordinário serviço que vem prestando à nossa Capoeiragem.
 
A CAPOEIRA DO MESTRE ARTUR
– uma justa homenagem – (*)
 
Não fosse banalizar ainda mais assunto já bastante banalizado, eu advogaria um plebiscito (**), também, para a extraordinária Capoeira do Mestre Artur Emídio de Oliveira. Só para esclarecer, afinal, o seu verdadeiro “sobrenome”. Seria “capoeira tradicional”, “capoeira utilitária”, “capoeira de rua”, “capoeira de Itabuna”, capoeira baiana”, “capoeira angola”, capoeira regional”, capoeira angonal”, “capoeira regionola”? Que sobrenome, afinal, terá a extraordinária capoeira que Mestre Artur jogou e tão bem ensinou?
A resposta é extremamente fácil, pois a espetacular capoeira de Artur não tem sobrenome algum, é pura e simplesmente… CAPOEIRA!
 
Bem que muitos mestres tentaram lhe comprar o passe, mas Artur não aceitou inventar um passado diferente do verdadeiro. No que fez muito bem, um belo e raro exemplo.
 
SavateVamos a sua história.
 
Artur nasceu e passou sua juventude em Itabuna, no sul da Bahia, onde completou o curso
ginasial no Colégio Divina Providência e fez o serviço militar no Tiro de Guerra local. Filho de Emídio Lindolfo de Oliveira e Leocádia Maria de Oliveira, Artur veio para o Rio em l953. Trazendo consigo totalmente pronta para ser usada sua fascinante (e surpreendente) capoeira que começou a aprender com sete anos de idade, na sua cidade natal, com “Paisinho” (Teodoro
Ramos), seu único mestre.
No Rio formou excelentes mestres e, durante muito tempo, sua academia funcionou como uma
espécie de “quartel general” da capoeira praticada ao som do berimbau. Visita obrigatória para todo e qualquer capoeira ou estudioso interessado em ver
uma Roda de capoeira exemplar. Com todo respeito ao Mestre Artur, método de ensino utilizado por cada mestre, inclusive pelos velhos mestres de angola e, por razões óbvias, o método da Capoeira Utilitária (Sinhozinho!), Artur tinha um dos melhores métodos de ensino para ensinar os segredos da capoeiragem.
 
A velha guarda da capoeira, no Rio de Janeiro e na Bahia, sabe muito bem que Artur foi um dos maiores talentos de todos os tempos. Fez pela capoeira o que, até hoje, todos nós, reunidos, ainda não fizemos. Bira Acordeom, corajosamente, registrou, em seu livro (Capoeira, a Brazilian Art Form”, pág. 49. North Atlantic Books) o extraordinário talento de Artur: “Em 1963, passei algumas semanas no Rio de Janeiro onde conheci Artur Emídio, um baiano de Itabuna. Fiquei impressionado com sua velocidade e com sua técnica. Aprendi com ele algumas …”.
 
Com o guerreiro e saudoso mestre Djalma Bandeira, Artur Emídio deu, décadas atrás, sua "volta do mundo", levando a capoeira para o exterior, fazendo sucesso em Buenos Aires, Acapulco, Nova Iorque, Paris e tantas outras cidades famosas do mundo. Eram os dois uma espécie de versão moderna e capoeirística, de Dom
Quixote e Sancho Pança.
 
Se brilhou no palco – e capoeira é também uma arte – enfrentou no ringue diversos lutadores como Rudolf Hermanny (RIO), Robson Gracie (RIO), Carlos Coutinho (Bahia, Fonte Nova), Carbono (RIO) e Edgard Duro (São Paulo, especialista em luta livre, com algumas vitórias sobre alunos de Mestre Bimba). Quem até hoje
repetiu tal façanha, quem aceitou ou aceita tais desafios?
Savate
 
Estivesse ainda jogando e ensinando, Mestre Artur Emídio de Oliveira estaria praticamente morando em aviões, viajando pelo mundo todo, mostrando sua extraordinária capoeira. Apenas isto – Capoeira – sem sobrenome, apenas CAPOEIRA.
 Savate
Não sem motivo, portanto, Artur está também na versão francesa do meu cordel “L`art de la Capoeira a Rio de Janeiro, au Brésil et dans lê Monde”:
 
 
SavateArtur Emidio de Oliveira
à Bonsucesso faisait sensation
les dimanches tous allaient voir le
champion
dans son académie de Capoeira
 
Artur Emidio magistral
était un maître génial
ni Angola, ni Regional
Capoeira sans rien de spécial
 
Tous venaient lui demander conseil
pour savoir comment s’améliorer
mais aujourd’hui ça n’est pas pareil
beaucoup préfèrent encore l’ignorer (H.R)
 
Artur talvez não se lembre, mas, certa vez, comentou comigo a falsa sapiência de alguns “mestres”. Não sei se Artur também cultivava o bom hábito, como Sinhozinho (o único que conseguiu criar uma metodologia realmente eficaz para a capoeira na sua feição exclusivamente LUTA, sem berimbau) de ler revistas européias, mas o fato é que ele repetiu o pensamento sábio de Claude Bernard: “É o que nós pensamos que sabemos que nos impede de aprender”;

(*) Com base no artigo publicado no Jornal dos Sports (26.mar.93).
(**) Plebiscito: Consulta genérica feita em linha direta aos eleitores sobre questões políticas relevantes ou polêmicas. Ao legislativo cabe, em seguida, detalhar e regulamentar a alternativa vencedora.
 

CAPOEIRAGEM, A VERDADE DE CADA UM

Fórum Virtual, março, 2007
 
A terceira edição, em português, do meu “cordel” Capoeiragem no Rio de Janeiro, no Brasil e no Mundo será lançada em Abril. Com nova capa (que logo será plagiada como as anteriores) e várias outras alterações.
Acrescento nova Apresentação que, tenho certeza, reacenderá boas e saudáveis polêmicas. Acrescento, também, mais dois extraordinários mestres – Camaleão e Pedrinho de Caxias. No primeiro caso, reparo grave injustiça, pois, Seu Camaleão deveria estar presente desde primeira edição, vez que acompanho o seu bom trabalho há muito tempo, e tenho respeitável acervo fotográfico comprobatório.
Tanto assim que, na revisão final, tratei de substituir a foto tirada no Museu do Louvre, junto ao intrigante trabalho de Borghese (foto que poderia ter entrado no Código da Vinci…) por uma outra, onde Papai Camaleão (Marselha, França!) aparece com sua linda recém-nascida filhinha, Mademoiselle Yara Marisa. Que Deus abençoe especialmente essa família!
Quanto ao Pedrinho, atualmente brilhando na Espanha, deixa sempre, em suas andanças pelo mundo,
as portas abertas para voltar. Como constatei recentemente, em Buenos Aires, conversando com duas lindas ex-alunas do jovem Mestre.
 
Mestre  CamaleãoComo não poderia deixar de ser, dei mais relevância ao espaço de Mestre Marujo que tão prematuramente resolveu nos deixar. Para tanto tive que sacrificar o espaço de Mestre Chaminé, excelente figura, meu vizinho, o que lamento muito. Corte que me dá oportunidade de reafirmar a limitação do meu “Cordel”, que não pode, em hipótese alguma, ser avaliado como se fosse um Atlas da Capoeiragem no Rio de Janeiro. Projeto que idealizei e elaborei há mais de quatro décadas e que, finalmente, em vários estados, começa a sair do papel. Esses ATLAS ESTADUAIS, sim, poderão e deverão contemplar todos os mestres que estão ou passaram por cada estado.
 
Meu cordel, que nem chega a ser um cordel de verdade, como tão bem fazem os paraibanos (tanto assim que vários deles inspiraram e inspiram cantigas de capoeira), apenas cita uns poucos mestres. Utilizei, sobretudo, critérios jornalísticos, procurando ao mesmo tempo dar espaço para alguns extraordinários capoeiras que desconhecem ou não podem usar esquemas marqueteiros quase diabólicos (como alguns fazem).
O que aumenta a Torre de Babel dentro da Capoeira, as versões e as polêmicas excessivamente apaixonadas, onde o fanatismo e mercantilismo se unem para vencer a corrida a qualquer preço.
É “a verdade de cada um”, que só pode ser combatida, pacientemente, utilizando-se o genial entendimento de Pirandelo (“Assim é, se assim lhe parece”) e, de modo firme e sereno, continuando a luta pela verdade verdadeira. Mostrando as incongruências de certas versões e, sobretudo, mostrando provas irrefutáveis sobre a verdadeira História da Capoeiragem no Brasil.
 
Mestre  CamaleãoPerco, aqui e ali, uma batalha, mais ao final, não tenho dúvida, sobreviverá apenas a história verdadeira. Aonde, aliás, todos ficam muito bem.
Praticamente todos novos livros e trabalhos a universitários já estão dedicando espaços, cada vez maiores, à Capoeira Utilitária de Sinhozinho, e à importância da capoeiragem do Rio Antigo na formação da capoeira contemporânea etc.
Começa-se a discutir, também, agora com seriedade, o que será, final, “eficácia na capoeira”?
Tais temas, fundamentais, já podem ser encontrados, como adiantei, em trabalhos acadêmicos recentes, como é bom exemplo a monografia “Capoeira: Jogo Atlético Brasileiro (EEFD/UFRJ)”, do Professor Joel Pires Marques, Diretor Cultural da Federação Fluminense de Capoeira, bacharel em Direito e contramestre de capoeira.
Quem estiver interessado em ler o trabalho bastará acessar http://www.capoeirajogoatletico.com/.
 
Mestre  CamaleãoOutro bom exemplo, embora ainda embrionário, é o trabalho de pesquisa que o Professor Ricardo Lussac, Mestre Teco, está fazendo para a cadeira História do Esporte (Professor Doutor e Orientador Professor Doutor Manoel José Gomes TUBINO). Dentro do tema geral da pesquisa – “Aspectos Filosóficos e Sociais do Esporte” – Ricardo Teco escolheu o mote: Irradiação & Atração Sócio-Cultural, Esportiva e Econômica das Cidades Maiores – Mestre Sinhozinho no Rio de janeiro”.
 
Em suma, a preocupante mesmice na qual os livros e artigos estavam se atolando, começa a ser eliminada. Isso será extremamente benéfico para a Capoeiragem e para os capoeiras.
 
Em seguida ao Cordel, estarei lançando meu primeiro livro de literatura pura, no Iate Clube do Rio de Janeiro, mas isso, concordo com vocês, não tem nada a ver com a nossa querida Capoeiragem.
Ou tem?

Mestre Brasília no projeto O Autor na Praça


AUTOR NA PRAÇA
 
Apresenta: Mestre Brasília comemorando seus 45 anos de Capoeira
 
Mestre Brasília é o convidado do projeto O Autor na Praça. Comemorando seus 45 anos de Capoeira o mestre estará autografando a Revista/CD Praticando Capoeira e o cordel Mestre Brasília & A Capoeira, escrito pelo amigo Luiz Wilson. Mestre Brasília apresentará algumas das músicas do CD. Contaremos com a participação do artista plástico D`Ollynda. Informações sobre o mestre e a revista/CD abaixo
 
SERVIÇO:
 
O Autor na Praça apresenta Mestre Brasília comemorando 45 anos de Capoeira, Autografando a revista/cd Praticando Capoeira.
Dia 12 de agosto, sábado, 15h, Espaço Plínio Marcos – Feira de Artes da Praça Benedito Calixto – Pinheiros – SP
 
Sobre o Mestre Brasília
 
Antônio Cardoso Andrade, mestre Brasília, comemora estes seus 45 anos de Capoeira. Nascido em 29/05/1942, é um dos pioneiros da Capoeira paulista. Aprendeu com mestre Canjiquinha, de quem foi amigo dedicado. Veio para São Paulo, gostou, acabou ficando. Praticava capoeira na antiga CMTC, com mestre Melo, e na academia do mestre Zé de Freitas, no Brás. Conheceu então mestre Suassuna, e juntos fundaram uma academia, a “Cordão de Ouro”, que viria a se tornar no pólo principal da Capoeira paulista. Joga com extrema elegância e habilidade. Mantém academia e casa de espetáculos em São Paulo, à Rua Pedroso de Moraes, 645, 3º. Andar, Tel é 011 3097 0607. É vice-presidente cultural da Federação de Capoeira do Estado de São Paulo, entidade filiada à Confederação Brasileira de Capoeira e à Federação Internacional de Capoeira; atualmente, é presidente do Conselho Superior de Mestres – seção São Paulo. (Fonte: www.portalcapoeira.com).
 
Mestre Brasília é um dos precursores da Capoeira no Japão, para onde viaja com freqüência, além de outros países. Em 2001 o mestre lançou o livro Vivência de um Mestre de Capoeira. Um estudioso e conhecedor da cultura afro-brasileira, fala de tradição, malandragem, música e principalmente de como praticar a capoeira. O livro encontra-se esgotado, mas está sendo preparada uma nova edição
 
Sobre a Revista/CD e o Cordel
 
A revista Praticando Capoeira é publicada pela Editora D+T e apresenta uma entrevista com o Mestre Brasília e outras matérias, acompanha o CD Histórico com os 20 maiores sucessos, uma coletânea organizada especialmente para a edição a partir dos três cds Ginga Original. O cordel Mestre Brasília & A Capoeira é uma homenagem escrita por Luiz Wilson.
 
Revista/CD Praticando Capoeira / R$ 9,90 / Editora D+T
 
Informações: Edson Lima – Tel. 3085 1502 / 9586 5577 – oautornapraca@oautornapraca.com.br