Blog

dele

Vendo Artigos etiquetados em: dele

Capoeira: o esporte da mente, do corpo, da alma e do coração

Se o papel da escola é educar e os princípios ultrapassam a sala de aula e envolvem respeito e coleguismo, tudo através de aulas de capoeira, os alunos do mestre Lindomar Nascimento Saraiva, que ensina o jogo no Colégio Hermann Spethmann, de Criciúma, estão no caminho certo para serem cidadãos do bem.

Eles ainda são bem pequenos. Mas a agilidade é de gente grande. São aprendizes com um sonho em comum, jogar capoeira. “É até difícil resumir os benefícios que a capoeira traz. O esporte desenvolve a habilidade motora, a elasticidade e ajuda a manter o equilíbrio, é preciso misturar atenção, habilidade, agilidade e ginga, pois acima de tudo, a capoeira é uma dança. Faz bem para a saúde, para o corpo e também para a mente e o coração”, explica Saraiva, que pertence ao Grupo Senzala. “Além da dança, nós ensinamos também princípios. O respeito é fundamental, seja ele na escola com os colegas, na aula de capoeira, ou em casa. O que eles aprendem aqui acaba refletindo no cotidiano de cada um”.

Enquanto os alunos praticam os primeiro passos, pais e mães acompanham de fora, orgulhosos, o desempenho dos esportistas. José Anselmo é o pai do Cristopher, de quatro anos, que pratica capoeira desde o ano passado. “A vontade de jogar partiu dele. Logo nos primeiros dias percebemos uma diferença no comportamento que ele tinha em casa. Incrivelmente ele melhorou o senso de disciplina e organização. Dou total apoio para que ele siga adiante. A prática do esporte é importante para o desenvolvimento dele, é fundamental para manter uma boa saúde”, atesta Anselmo. “Acho que ficou uma união perfeita, aquilo que eu e a mãe dele passamos em casa se junta ao que ele aprende aqui e assim ele cresce um cidadão com um caráter melhor”, complementa o pai.

A capoeira – A capoeira é um dos mais antigos esportes brasileiros, surgiu quando o país ainda era colônia de Portugal. Foram os escravos que criaram. Eles eram proibidos de lutar pelos seus senhores. Sendo assim, criaram uma espécie de “dança lutada”. Foi a maneira encontrada por eles de tornar os sofridos dias mais divertidos. Os negros vindos da África eram muito festeiros e gostavam de dança. Com a capoeira não esqueciam suas raízes e ainda cuidavam do corpo. Foi proibida no país por muito tempo, hoje é tradição no Brasil e conhecida no mundo todo. Sem música, não existe jogo, não existe dança e não existe capoeira. O som que acompanha o esporte é tocado no berimbau, um instrumento de corda de origem angolana que é considerado por alguns como um instrumento sagrado. Ele é reverenciado no início de cada luta e comanda o ritmo e o estilo de jogo. O berimbau vem ainda acompanhado do pandeiro e, muitas vezes, do atabaque. Sem contar nas palmas dos jogadores que ajudam no clima do jogo.

Saiba mais – Em Criciúma as aulas do Grupo Senzala são oferecidas pelo Colégio Hermann Spethmann, no Centro da cidade. É uma das atividades extracurriculares oferecidas pela escola. Podem frequentar as aulas os alunos da escola e a comunidade. Informações podem ser obtidas no colégio, ou ainda pelo telefone (48) 3437-8037

Colaboração: Ioton Neto/Comunicação Colégio Hermann Spethmann

http://www.engeplus.com.br

A Capoeira e o Navio de Teseu

Conta uma lenda grega que após derrotar o Minotauro, monstro com corpo de homem e cabeça de boi, o herói Teseu saiu da ilha de Creta em um navio, levando os jovens atenienses que teriam sido devorados pela fera.

Segundo o historiador grego Plutarco, “o navio com que Teseu e os jovens de Atenas retornaram de Creta tinha trinta remos, e foi preservado pelos atenienses até o tempo de Demétrio de Falero, porque eles removiam as partes velhas que apodreciam e colocavam partes novas, de forma que o navio se tornou motivo de discussão entre os filósofos a respeito de coisas que crescem: alguns dizendo que o navio era o mesmo e outros dizendo que não era.”

A mesma questão se traduziu em diversos outros momentos da história da humanidade:

Segundo Heráclito, é impossível que um homem entre duas vezes em um mesmo rio – porquê o rio nunca é o mesmo, está sempre mudando.

Platão descreveu uma situação em que hipoteticamente, ele e Sócrates começaram a trocar partes de suas carruagens. A cada dia, Platão pegava uma parte de sua carruagem, e substituía por uma parte da carruagem de Sócrates. Sócrates fazia o mesmo com a sua. Em dado momento, todas as peças da carruagem de Platão estavam na carruagem de Sócrates, e vice-versa. Eles trocaram de carruagem, ou não ? Se sim, a partir de que ponto a troca aconteceu ?

Locke falou sobre a meia que tem um furo. A meia é remendada com um pedaço de tecido. Mais adiante, aparece outro furo, que é remendado com outro pedaço. Ao longo do tempo, todo o material do qual é feito a meia, é trocado por pedaços de outros tecidos. Ainda é a mesma meia ?

Também fala-se sobre o machado de George Washington. A ferramenta teve o cabo substituído três vezes, e a lâmina duas – e ainda assim, era o machado de George Washington…

E a capoeira ? Cada mestre, cada praticante, acrescenta um pouco de si à capoeira ? Ele troca um nome de um golpe ? Ele canta uma música um pouco diferente ? Ele tem uma crença um pouco diferente da do seu mestre, e a passa para a próxima geração ? Isso pode ser considerado “trocar as tábuas do navio” ? Não que essa parte da capoeira estivesse podre, mas um novo conhecimento foi agregado, uma nova versão da tábua…

De acordo com o sistema filosófico de Aristóteles e seus sequidores, há quatro causas ou razões que descrevem uma coisa; estas causas podem ser analisadas para conseguir uma solução ao paradoxo.

causa formal diz respeito à forma da coisa, enquanto a causa material se refere à matéria da qual a coisa é feita. O “o que é isso” de uma coisa, segundo Aristóteles, é sua causa formal. Então o Navio de Teseu é o mesmo navio, porque sua causa formal não mudou, ainda que que o material usado para construí-lo tenha variado ao longo do tempo.

Da mesma maneira, para o paradoxo de Heráclito, um rio tem a mesma causa formal, apesar de a causa material (a água do rio) mudar com o tempo, e consequentemente mudar para a pessoa que entra no rio.

Outra das causas de Aristóteles é a causa final, entendida como o propósito da coisa. Todas as “versões” do navio de Teseu teriam o mesmo significado mítico (de terem transportado Teseu) e político (de convencerem os atenienses de que Teseu existiu realmente), ainda que que a sua causa material mudasse com o tempo.

causa eficiente é dada por como e por quem uma coisa é feita. Por exemplo, como os artesãos fabricam e montam alguma coisa. No caso do navio de Teseu, os trabalhadores que construíram o navio pela primeira vez, poderiam ter usado as mesmas ferramentas e técnicas para trocar todas as tábuas do navio, e ele ainda seria o mesmo.

Há outras abordagens ao problema, mas eu gostaria de tomar a aristotélica para derivar o meu raciocínio.

Sobre a causa formal da capoeira – a forma da arte é corporificada por nós, jogadores. Mas cada jogador é único, e manifesta a capoeira de um jeito só seu. Quando um mestre ensina a alguém a gingar, ele usa o seu jeito de gingar, e o aluno desenvolve o jeito dele. Por mais que vejamos gente “gingando igualzinho”, “jogando igualzinho”, e digamos que existem “robôs” e “clones” na capoeira, na prática nenhum jogador joga igual a outro. Vai haver sempre um trejeito diferente, algo que ele aprendeu com fulano, outro algo que aprendeu com beltrano, e quando tudo isso é cozido junto, sai um jogo só dele.

Pois bem, se aprendermos de ver, de treinar, e principalmente de jogar, não estamos trocando as tábuas da nossa capoeira ? Quem viu o vídeo do Mestre Pastinha jogando, percebe que o jogo dele era só dele – e nenhum dos alunos joga sequer parecido. Para onde foi esse jogo ? Hoje em dia, nas rodas, vê-se muito o “pula sela” ou “pula carniça”: o jogador salta por cima do outro, como na brincadeira infantil de mesmo nome. O movimento não era comum até alguns anos atrás, mas a tábua foi trocada.

Sobre a causa material, a capoeira é “feita” de pessoas. E cada pessoa é mutável, passageira. As nossas opiniões variam de dia para dia, de hora para hora – não somos feitos de pedra. Pessoas morrem, e outras pessoas assumem seus lugares no navio da capoeira – alguns são tábua de proa, outros são tábua de popa, alguns são remos. Mas todos são substituídos com o tempo.

Sobre a causa final, e provavelmente a que mais mudou e muda. A capoeira foi arma de libertação de um sistema escravagista explícito. Foi mecanismo de ascenção social para os capangas de políticos. Foi massa de manobra da monarquia contra a república. Foi demonstração de virilidade e valentia. Foi ferramenta para a definição do Estado Novo por Getúlio Vargas. Foi definidora do alicerce do movimento de resistência da cultura negra. Foi embaixadora do Brasil para o mundo. Foi âncora para tirar pessoas do crime. Foi academizada. Foi alvo de repressão. Foi utilizada para educação de portadores de necessidades especiais. Foi instrumento de reintegração de idosos. Foi ? Na média, pode-se dizer que ainda é, para muitas das características listadas.

Sobre a causa eficiente, talvez seja a mais complexa de se definir nesse contexto – e ao mesmo tempo a mais simples. A capoeira não é estática, como manifestação cultural alguma o é. Ela não está pronta, encontra-se em constante construção. Por mais que se conceba uma capoeira cristalizada, cujos movimentos e/ou seqüências são conhecidos, se analisarmos friamente, tudo o que o corpo consegue fazer, numcontexto de jogo/roda, pode ser visto como capoeira.

Todo capoeirista é um dos artesãos que construiu e constrói a capoeira diariamente. O que se chama de “tradição”, também muda diariamente – às vezes devagar, às vezes depressa. O conhecimento transmitido oralmente tende a crescer, se estender: mesmo que lendas antigas não desapareçam, novas lendas surgem. Capoeiristas viram lendas, pequenas lendas que seja, ao vencerem essa ou aquela demanda. E a história deles é mais uma tábua no navio – sequer substitui uma tábua velha, ela é simplesmente mais uma tábua.

O navio da capoeira teve (e tem) suas tábuas trocadas e re-trocadas conforme convém a alguns, ou ao período histórico. Ou mesmo involuntariamente…. Ela é ainda o mesmo navio ?

Para encerrar, um trecho do livro “Last chance to see”, de Douglas Adams:

Eu me lembro de uma vez, no Japão, ter ido visitar o Templo do Pavilhão Dourado em Kyoto, e ficar surpreso em como ele tinha resistido bem à passagem do tempo desde que fora construído no século XIV. Me disseram que ele não tinha resistido bem de jeito nenhum, e que tinha de fato sido queimado até o chão duas vezes só neste século.


– Então este não é o prédio original ? – Perguntei ao meu guia japonês.
– Sim, claro que é – ele insistiu, surpreso com a minha pergunta
– Mas ele não foi queimado até o chão ?
– Sim
– Duas vezes
– Muitas vezes
– E reconstruído
– Claro que sim. Ele tinha sido queimado.
– Então como pode ser o mesmo prédio ?
– Ele é sempre o mesmo prédio.


Eu tive que admitir para mim mesmo que esse era de fato um ponto de vista perfeitamente racional – apenas partia de uma premissa inesperada. A idéia do prédio, a intenção dele, seu projeto, todos são imutáveis e são a essência do prédio. A intenção dos construtores originais é que sobrevive. A madeira da qual o projeto é construído apodrece e é trocada quando necessário. Ficar preocupado demais com os materiais originais, que são meras lembranças sentimentais do passado, é falhar em ver o prédio vivo em si mesmo.

 

Fonte: http://campodemandinga.blogspot.com

Obra de drenagem revela porto de tráfico de africanos escravizados no Rio de Janeiro

Tesouros do Brasil Imperial estão sendo revelados por uma obra de drenagem na Zona Portuária do Rio de Janeiro. Há pouco mais de um mês funcionários da prefeitura carioca encontraram duas importantes referências do século XIX: o Cais do Valongo – onde desembarcaram mais de um milhão de negros escravizados; e o Cais da Imperatriz – construído para receber Teresa Cristina, que se casaria com Dom Pedro II.

O tesouro arqueológico estava escondido sob a Avenida Barão de Tefé da Zona Portuária há pelo menos um século. A estrutura do antigo Cais da Imperatriz surgiu com as escavações para a revitalização do local e, logo abaixo dele, surgiram também evidências do que seria o Cais do Valongo, o maior porto de chegada de escravos do mundo.

PESQUISA – No início, a equipe do Museu Nacional / Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) que acompanhava a obra não tinha sequer certeza da existência do Valongo. “Não sabíamos se havia sido completamente destruído ou se dele restava ainda algum vestígio”, afirmou Tânia Andrade Lima, pesquisadora responsável pelas escavações, em documento encaminhado à Fundação Cultural Palmares.

Segundo o relatório, os achados representam mais que as pedras lavradas que compõem os calçamentos dos cais. Foram encontrados vestígios de cultura de grupos africanos e afrodescendentes, como cachimbos de cerâmica, búzios usados em práticas religiosas e botões produzidos a partir de ossos de animais. A descoberta é considerada de grande relevância para o resgate e a manutenção das memórias da cidade e do país.

PRESERVAÇÃO – Agora, o governo carioca pretende mostrar ao mundo o lugar onde desembarcaram milhares de homens, mulheres e crianças vindos de África para mudar definitivamente a face e a cultura do povo brasileiro. Para isso já se fala na criação de um memorial que armazene o material encontrado e o histórico da rotina que se seguiu da chegada à venda dos escravizados.

Enquanto as possibilidades são discutidas, a idéia é integrar as descobertas históricas ao novo desenho urbano local, criando um centro de visitação. Já os trabalhos de identificação, caracterização e preservação seguem minuciosos nos laboratórios da UFRJ, ao mesmo tempo em que a prefeitura instala as novas galerias pluviais, desviando o percurso das manilhas, para não destruir o antigo cais.

 

Fonte: http://www.palmares.gov.br/

Pequeno capoeirista de Torres é exemplo de superação

Menino de 11 anos se esforça para vencer dificuldades impostas por doença

As palmas batem enquanto o pandeiro e o berimbau tocam. João Gabriel Schultz crava as mãos ao chão e com um misto de força e concentração joga as pernas para o ar. O menino de 11 anos surpreende a roda de capoeira com mais um movimento próximo da perfeição. Ele volta a “ficar de pé”, engatinha para as bordas da roda e observa os colegas naquela que é uma das aulas em que mais gosta.

A cena descrita poderia ser costumeira entre as tantas escolas de Torres em que é possível praticar capoeira como atividade complementar. Para João Gabriel, fazer parte desta rotina faz com que a palavra “costumeira” ganhe outro significado. Ele sofre de uma doença chamada artrogripose. Nasceu assim. O atrofiamento dos membros inferiores se deu quando o cordão umbilical enrolou-se em seus calcanhares e impediu o desenvolvimento das pernas durante a gestação.

— Ele acabou nascendo de cesária. Dificultou demais o parto. No pré-natal os médicos não viram nada, estava com peso bom, com tudo certinho — explica a mãe, Sônia Souza.

João Gabriel nasceu com 3,220 quilos e 49 centímetros em 23 de novembro de 1999. Passou três dias no hospital sem que os médicos conseguissem diagnosticar que tipo de doença fazia com que os dois pés ficassem dobrados para dentro. A mãe conta que passaram a entender o problema dele apenas um mês e 15 dias depois do nascimento.

— Tenho de correr a Porto Alegre porque o médico não conhece o problema dele.

João Gabriel usa as mãos para se locomover. Engatinha com desenvoltura pelos corredores da Escola Estadual de Ensino Fundamental Manoel João Machado. Isso quando não está ziguezagueando pelos colegas dirigindo seu triciclo – adaptado para os pedais serem usados com as mãos. Normalmente, chama atenção dos pais dos colegas e acaba ganhando a simpatia dos adultos. É o caso de Amilton Teixeira. Pai de uma menina que também estuda na Manoel João Machado, ele se encantou pelo guri ao vê-lo passar voando com o triciclo em uma noite de poesias. Acabou virando uma espécie de “padrinho” de João Gabriel. Teixeira e alguns amigos se juntaram e deram ao menino um computador, uma mesinha e uma cadeira. Ainda falta o triciclo novo que já mandaram encomendar.

— Eu vi aquele menininho abaixado. Depois descobri que ele não conseguia andar. Ele é cativante, um exemplo de vida. Me emociono de ver a perseverança dele. Acho que me ajudou mais do que estou ajudando ele — revela Teixeira.

Em dezembro, dois acontecimentos serão decisivos para João Gabriel. Colorado fanático, ficará de olho no Mundial de Clubes em Abu Dhabi, de camisa do inter e bandeira na mão. No final do mês, dia 22, terá uma consulta no Hospital São Lucas da PUCRS para definir como poderá ser feita a “remodelagem” das pernas. Como já foram feitas duas cirurgias nos pés, a única chance de ele vir a andar seria a colocação de um fixador na lateral dos membros inferiores. A mãe já faz contas: o aparelho custa entre R$ 5 mil e R$ 6 mil.

— O médico não garantiu e falou até na possibilidade de amputar, porque o problema é a canela e o pé. Se der certo em uma das perninhas, fazemos a outra, se não, temos de ver — projeta Sônia.

 

Alexandre Ernst | alexandre.ernst@zerohora.com.brhttp://zerohora.clicrbs.com.br/

Nota de Falecimento: Mestre Pelé do Tonel

Faleceu nesta quarta-feira, 10/11/2010, o Mestre Pelé do Tonel. Samuel Souza conheceu a capoeira aos 7 anos, nas rodas do Mestre Waldemar.

Foi aluno dos Mestres Zé Mário e Caiçara, e ganhou o apelido jogando capoeira com tonéis, em espetáculos folclóricos.

Desde 1996, faz parte do Conselho de Mestres da ABCA. Na nova diretoria era tesoureiro com auxilio de mestre Raimundo Dias.

“Mais do que riqueza cultural, o mestre deixa a lembrança da importância de se valorizar e se reconhecer os constituintes da nossa cultura popular enquanto vivos”

SAMUEL SOUZA – Mestre Pelé do Tonel

  • 05 de Junho de 1953
  • 10 de Novembro de 2010

Ele estava sempre alegre, nunca vi Pelé zangado, muito prestativo e educado, era membro da ABCA, a ligação dele com a capoeira era muito forte, mesmo trabalhando na Limpurbe, a capoeira era a vida dele, fazia shows, viajava bastante e era o garoto propagada da Limpurbe, sempre estava em todos eventos, porque todos tinham um carinho especial por ele.
Ele tinha um trabalho com crianças de reciclagem, ele ensinava os meninos a fazerem copos, jarros, enfeites de paredes, com lixo reciclado, era um artista perfeito.

Mestre BOA GENTE

 

Read More

Maranhão: Mestre Felipe morre aos 84 anos

Faleceu por volta das 20h30 de ontem, aos 84 anos de idade, Felipe Neres Figueiredo, o Mestre Felipe, um dos maiores mestres de tambor de crioulas do Maranhão. Ele estava internado no Hospital Universitário Presidente Dutra há duas semanas e ontem teve uma parada cardíaca, em decorrência de um efizema pulmonar e uma obstrução na uretra.

Mestre Felipe era natural de São Vicente Férrer e começou a tocar tambor aos três anos de idade. Atualmente ele comandava o Tambor de Crioula União de São Benedito – Mestre Felipe, com vários CDs gravados.

O corpo de Mestre Felipe deveria ser levado ainda na madrugada de hoje para a casa dele, na rua São Jorge, número 5, na Vila Conceição/Coroadinho, próximo à Igreja de Nossa Senhora da Conceição. Mas será trasladado para a sua terra natal, à tarde ou amanhã, para ser sepultado, pedido feito pelo mestre.

Fonte: Jornal Pequeno – http://www.jornalpequeno.com.br

Foto:G.FERREIRA

Nota de Falecimento: Mestre Leopoldina

 

Mestre Leopoldina, faleceu no dia de hoje (17/10/2007), ás 16:30h na cidade de São José dos Campos-SP.

 

Nossos mais profundos e sinceros sentimentos a todos os familiares e amigos do Mestre Leopoldina, que com certeza deixará saudades em nossa capoeiragem, pois acabou de dar a sua "Volta ao Mundo"…

 

Fica com Deus Mestre… e com todos os camaradas que já estão te esperando para "Vadiar" ai no céu…

Com certeza é mais uma importante peça deste mundo de meu Deus que irá deixar muita saudade para a Capoeira carioca, do Brasil e do Mundo.

Mestre Leolpoldina, descanse em PAZ…

 

Da Rod@ Virtual, através do Mestre Jeronimo chega a triste notícia de que o Grande Mestre Leopoldina, está passando por um momento muito delicado e que seu estado de saúde é bastante delicado.

Desejamos do fundo do coração e com toda a energia que a capoeira pode manifestar e dissiminar as melhoras ao mestre da "fina flor da malandragem" e muita força para os familiares e amigos mais próximos… nesta etapa complicada e tortuosa da estrada da vida…

usem os comentários para fazer uma corrente de energia positiva e boas vibrações para a melhora do nosso LEO – Mestre Leopoldina.

Luciano Milani


 

Olá, Mestre Jerônimo, sei que o senhor tem contato com muitos capoeirista e divulga diverssos assuntos sobre a capoeira, gostaria que se possível o senhor divulgasse uma notícia que é muito importante, não sei o senhor sabe mas o Mestre Leopoldina está muito mal de saúde já fazem 02 meses, ele está internado em um hospital em São José dos Campos, ficou praticamente um mês na UTI, ele sofreu um derrame e está com uma discompensação de diabetes, hoje ele não está andando nem falando, o quadro clínico dele esta semana piorou um dos rins parou e perdeu visão de um olho, quem quiser saber infomrações sobre ele ligue para (12) 39131188, fale com o Mestre Zé Carlos – Tinta-Forte ou com a filha do Mestre Leopoldina a Sandra que estão cuidando dele aqui na cidade de São José dos Campos SP.

Obrigada!

Daniela Cunha

 

 


 

Tive a honra de conhecer o inesquecível Mestre Leopoldina em meu primeiro contato com a capoeira, quando produzi o filme de Antonio Carlos da Fontoura, CORDÃO DE OURO. Ali estavam alguns dos maiores nomes da capoeira de hoje mas houve um, que foi com quem mais me relacionei, por pura simpatia e facilidade de comunicação, pela parte dele, que foi justamente o Mestre Leopoldina. Me lembro muito das nossas conversas sobre a vida e a capoeira, embora desta última eu nada soubesse e da primeira, hoje entendo que nada sabia. Foi meu primeiro encontro com um Mestre de capoeira e por isso ouso dizer, embora não pratique essa linda arte, que Mestre Leopoldina foi meu mestre. Foi ele quem primeiro me falou de capoeira, em um filme que eu havia entrado a pedido de um amigo e que hoje me orgulho de ter estado nele. Mais tarde conheci Bimba, o que muito me emocionou. Mas o conheci apenas pela voz dos corações e mentes que haviam sido tocados por ele. Com Leopoldina foi diferente. Por isso, no dia que o meu filme MESTRE BIMBA, A CAPOEIRA ILUMINADA estava estreando, no FESTIVAL DO RIO, foi uma visão maravilhosa para mim, do palco, ver chegando na platéia o meu Mestre, graças a Deus a tempo de eu poder vê-lo e homenageá-lo. Agora sim, a sessão podia começar. MESTRE LEOPOLDINA, que você tenha muita força para superar essas difíceis horas. Queremos tê-lo de volta às rodas mas, se esse não for o seu destino, saiba que o que você fez aqui na terra não será esquecido. Todos teremos para sempre um pouco de você que ficou no CORDÃO DE OURO e no lindo filme da ROSE LACRETTA. Mas a sua maior parte estará nos corações de todos os capoeiristas, também para sempre.


Um forte abraço, meu Mestre


Luiz Fernando Goulart

 


 

 

Assim como o amigo rogo para que o mestre, por quem nutro profunda admiração, tenha força neste difícil momento. E que as forças superiores possam auxiliá-lo e orientá-lo.

 
 

Saudade/RJ


Pessoal,

Acabei de ligar pro BR, falei com o Mestre Ze carlos, (12) 39131188, ele me relatou que o estado do Mestre Leopoldina eh final, esta nas ultimas.

Espero que o Mestre melhore, mas, se esta sofrendo, que Oxala o tenhaem bom tempo.

Sarava meu amigo, Leo, Mestre Leopoldina, obrigado pela tua Vida, a Capuera!

Axe’ pra quem fica, Axe’ pra quem vai!

Mestre Jeronimo

O Mestre Leopoldina, faleceu no dia de hoje (17/10/2007), ás 16:30h na cidade de São José dos Campos-SP.

 

 

SOS MESTRE DEDINHO – Capoeira “sangue bom”

Caros amigos, Mestres, contra mestres, discipulos de capoeira e admiradores

Um fato muito ruim ocorreu com um grande amigo e mestre de capoeira, DEDINHO, Trabalhando em sua casa ele sofreu uma descarga eletrica e esta internado no hospital Souza Aguiar.

Para Ajuda-lo será nessessário, obviamente quem puder e estiver disponivel, DOAR SANGUE no EMO RIO, para que o sangue seja doado diretamente para o mestre DEDINHO informe que ele esta
no hospital Souza Aguiar, no setor CTQA, 5º andar e o nome dele que é José Augusto de Souza Carvalho.

Maiores informações com o Mestre Bujão pelo telefone celular nº: 9675-6214 (URGENTÍSSIMO).

Informo, segundo mestre Bujão:

"Mestre dedinho devera amputar metade do antebraço"

Conto com a ajuda de vocês.

Mestre Arerê
mestrearere@yahoo.com.br

Aconteceu: Amsterdã – Capoeira sem limites

Nos dias 8 e 9 de junho de 2007, Amsterdã sediou um encontro de capoeira destinado a pessoas portadoras de deficiências físicas ou psíquicas. O evento, batizado de Capoeira Pererê, partiu da iniciativa da subprefeitura de Amsterdã (Oud Zuid) e foi organizado pela Associação Capoeira Berimbau de Ouro.
    • Pieter van den Kieboom, que não enxerga, joga capoeira com'Beriba' e 'Simpatia': Assista ao vídeo
Os participantes tocaram instrumentos de percussão, cantaram e fizeram os movimentos da capoeira e do maculelê, dança afro-indígena. Este foi o segundo Capoeira Pererê. O primeiro encontro de capoeira organizado na capital holandesa para pessoas deficientes aconteceu no ano passado.
 
Luiz Carlos Afonso, ou melhor, mestre Marreta, conduziu o evento. Afonso vive há 18 anos na Holanda e é mestre de capoeira há 31. Ele explica que embora nunca tenha feito um curso específico para isso, a sua experiência e a riqueza da capoeira possibilitam a realização do workshop.
 
Participações especiais
 
O finlandês Nikolai Klinx veio de Helsinki especialmente para participar do evento e dar uma das oficinas. Apesar de ter nascido sem braços e ter os pés um pouco virados para dentro, ele pratica o esporte há oito anos. Para ele, o aspecto mais importante do esporte brasileiro é a improvisação e a tradição cultural.
 
Hüseyin Öztürk, é o único bailarino de break em cadeira de rodas da Holanda e estava presente no Capoeira Pererê. Portador de poliomielite, Özturk também faz parte da seleção holandesa de basquetebol em cadeira de rodas. Com a sua arte, ele quer mostrar que pessoas deficientes 'não precisam ser vistas como coitadas', mas como capazes de fazer muita coisa.
 
Roos Prommenschenckel, miss deficiente físico holandesa de 2006, também visitou a encontro. A jovem, de 22 anos, sofre há três anos de torcicolo espasmódico que força a cabeça dela a inclinar-se para trás e a asfixia.
 
Por isso, ela tem de estar sempre deitada e usar um colete como formas de impedir que isso aconteça. Prommenschenckel ficou impressionada com a performance de Pieter van den Kieboom durante a roda da capoeira. Para Prommenschenckel, foi difícil perceber que o praticante é deficiente visual.
 
Van den Kieboom, que pratica capoeira há um ano, possui apenas 2% de visão no olho esquerdo. Com a capoeira, ele descobriu novas possibilidades para o corpo dele, além de ampliar o contato social, e fazer novas amizades, com os praticantes do esporte.  "A minha vida tornou-se mais rica, conheci novas pessoas e os valores da capoeira e da cultura brasileira".
 
Na opinião de mestre Marreta, as pessoas que fazem parte do grupo dele, adquiriram algumas destas características: 'Amizade e espontaneidade são outros aspectos que acontecem dentro do grupo de capoeira. Quando cheguei à Europa, as pessoas por aqui eram muito presas à agenda. Com o tempo, eu fui quebrando isso e eles passaram a agir da minha maneira."
 

Luiz Fernando Goulart: Homenagem ao Grande Mestre do bem viver…

Review: Edição especial de Aniversário – Matéria escolhida pela equipe Portal Capoeira, pela importância e pelo trabalho realizado pela capoeira por Angelo Augusto Decanio Filho o Mestre Decanio. E também para colocar novamente sobre a luz do holofote o Filme: MESTRE BIMBA, A CAPOEIRA ILUMINADA de Luiz Fernando Goulart, que em breve estará participando de um festival internacional de cinema e logo logo será comercializado, segundo depoimento do próprio LFG:
Caro amigo e parceiro Luciano,
Primeiramente meus mais profundos votos de uma vida muito longa para você e para o aniversariante do dia, o nosso PORTAL CAPOEIRA. Me sinto um ser humano privilegiado por ter acompanhado tudo desde o início. Me lembro bem quando você me escreveu sobre o seu site orgulhoso dele já ter tido, àquela época, mais de 200.000 visitas, o que realmente era surpreendente dentro das condições com as quais você o administrava : do interior de Portugal e sem um nome que o identificasse imediatamente com a capoeira.

Depois, acompanhei de longe o seu crescimento, até chegar aos mais de 4.721.500 hits em um ano. Isso me mostrou não só a força da capoeira, que eu vi crescer muito nesses 12 meses, como a sua competência, credibilidade e paixão pela divulgação da capoeira nos 5 continentes onde ela está. Fui testemunha de cada passo dessa vitória e tenho muito orgulho de ter me tornado parceiro dessa aventura vitoriosa.

Conto muito com você agora que se aproxima o lançamento comercial do meu filme e gostaria que você acreditasse na minha férrea vontade de promovermos juntos o filme. Posso estar enganado mas acredito sinceramente que o filme virá a ter uma importância muito grande para a divulgação da capoeira em todo o mundo e espero muito que as pessoas entendam isso. Comercialmente, não ganho quase nada com isso pois o que eu tinha que receber já recebi fazendo o filme e foi pouco, creia. Mas estou numa luta grande pelo filme porque ele me mostrou o caminho da paixão pela capoeira e só por isso não deixei ainda os produtores lança-lo no mercado. Quero buscar apoios, e você sabe o como isso é difícil num país que criou a capoeira mas que não acredita nela, e reunir forças para termos uma repercussão forte no mercado. Isso, a meu ver, abrirá caminhos para outras produções brasileiras que envolvam a capoeira. É o meu sonho e conto muito com você para me ajudar a realizá-lo, como sempre contei desde o início e espero continuar contando.

Luiz Fernando Goulart
MESTRE BIMBA, A CAPOEIRA ILUMINADA

A minha admiração pelo grande mestre do bem viver Dr. Ângelo Decânio veio do meu envolvimento com o filme que dirigi, MESTRE BIMBA, A CAPOEIRA ILUMINADA. Chegando a Salvador para as filmagens, a produção havia marcado o depoimento de Decânio para o auditório da reitoria da UFBA e quando lá chegamos já estava lá o grande mestre. Com menos de dez minutos de conversa eu me encontrava totalmente hipnotizado pela sua personalidade.

Enquanto ele falava de Bimba senti que não seria ali que iríamos conversar mas na própria casa dele, com todo o tempo que ambos dispuséssemos.

Parei o depoimento e propus-lhe adiar para dali a três dias. O meu único rico era que ele não concordasse. Mas ele aceitou a minha proposta e eu senti que seria a partir dali que nasceria o filme que eu imaginava fazer sobre Bimba.
Hoje, devo a Decânio e à sua infinita paixão pela capoeira e pela figura de Bimba o fato de ter podido fazer o filme. Foi através dele que descobri a emoção de ser capoeirista e ter sido aluno de Bimba. Decânio, muito obrigado por tudo o que você representou iluminando o nosso caminho, permitindo-nos fazer um documentário sobre um dos dois maiores ícones da capoeira, Mestre Bimba.
 
Read More