Blog

desporto

Vendo Artigos etiquetados em: desporto

Guimarães: III Congresso de Inclusão Pelo Desporto

O 3º CONGRESSO INCLUSÃO PELO DESPORTO, inserido no programa geral de Guimarães – Cidade Europeia do Desporto 2013 é a oportunidade para debater e aprofundar metodologias de integração das populações mais desfavorecidas no e pelo Desporto em Portugal e na Europa.

Num período em que a função social e educativa do Desporto tornou-se uma área política de relevância estratégica da União Europeia, espera-se que este Congresso, contribua para o debate em curso sobre a inclusão social dos imigrantes e das minorias étnicas e das populações em risco dentro e através do desporto. Além disso, os resultados e as recomendações práticas desta conferência devem ajudar a colocar a inclusão social na agenda das políticas desportivas nacionais e europeias e promover a partilha dos nossos valores com outras regiões do mundo, nomeadamente, a Comunidade de Países de Língua Portuguesa.
É aqui que queremos estar para potenciar as melhores energias da sociedade civil.

No ano de 2013, promovemos o CID na programação de Guimarães – Cidade Europeia do Desporto. Porque partilhamos uma visão em que salientamos que no Desporto como na Sociedade, a evidente desigualdade de oportunidades possa ser ultrapassada através da capacitação e representatividade das populações mais desfavorecidas em todos os ramos da atividade social e profissional. Por uma questão de oportunidade, mas fundamentalmente por uma questão de consciência e de dever, é em Guimarães que queremos estar colocando o debate das políticas sociais em eventos de relevo e de destaque na sociedade portuguesa e europeia.

O CID oferece cursos de capacitação profissional a mais de 100 educadores e agentes sociais. Apresenta-se como uma série de eventos temáticos (congresso, exposições, publicações, prémios e palestras) com o objetivo claro de inspirar e na partilha ativa de experiências e conhecimentos do interesse de universitários, recém-licenciados, empreendedores, mediadores sociais, técnicos de deporto, técnicos sociais, representantes de ONG`S e IPSS e dinamizadores do mundo empresarial e académico nas mais diversas áreas de atividade. 

OBJETIVOS

Proporcionar um espaço informal e de confiança para a potencialização do networking e possíveis parcerias entre todos os participantes e estimular a aprendizagem, troca de experiências e ferramentas entre os participantes através de workshops específicos. 
Motivar a função social e educativa do Desporto através da capacitação de educadores, instituições e poder local a melhorarem a sua abordagem pedagógica e aumentar a eficácia e atratividade da formação do Jovem. 
Promover o Desporto como meio de diálogo intercultural e intercâmbio de boas práticas, que contribuam para a prevenção e a luta contra a violência e o racismo na sociedade, de sedentarismo e de isolamento social das minorias sociais e/ou vítimas de exclusão social. 
Promover a reflexão sobre ética e valores no desporto. 

DESTINATÁRIOS

O 3º CONGRESSO INCLUSÃO PELO DESPORTO procura corresponder às preocupações e expectativas profissionais dos agentes e entidades desportivas e sociais, nomeadamente: 
• Dirigentes e técnicos de desporto e de ação social da administração pública (comunidades urbanas, áreas metropolitanas e outros organismos da administração pública regional); 
• Dirigentes e técnicos de desporto e ação social de instituições de solidariedade social nacionais e europeias; 
• Técnicos e agentes de desporto, de clubes  e associações desportivas; 
• Dirigentes e técnicos de outras organizações desportivas, nomeadamente o Comité Olímpico de Portugal, Comité Paralímpico de Portugal, Confederação do Desporto de Portugal e Fundação do Desporto de Portugal; 
• Professores e estudantes das áreas Desporto e Educação Física e das áreas de Solidariedade Social e da Saúde; 
• Elementos diretivos e técnicos do Desporto Escolar; 
• Empreendedores sociais e animadores de projetos e programas orientados para a educação inclusiva; 
• Outros agentes desportivos e sociais.

 

http://www.iuna.org.pt/congressoinclusaodesporto/

Capoeira é reconhecida como desporto de criação Nacional

Com a aprovação do Estatuto da Igualdade Racial, na noite de ontem, que Estabelece o combate a discriminação racial e as desigualdades estruturais e de gênero que atingem os afro-brasileiros, incluindo a dimensão racial nas políticas públicas e outras ações desenvolvidas pelo estado. 

DA CULTURA
ART. 21 O poder público garantirá o registro e proteção da capoeira, em todas as suas modalidades, como bem de natureza imaterial e de formação da identidade cultural brasileira. 
Parágrafo único. O poder público buscará garantir, por meio dos atos normativos necessários, a preservação dos elementos formadores tradicionais da capoeira nas suas relações internacionais. 

Do Esporte e Lazer
ART. 23 O poder público fomentará o pleno acesso da população negra ä prática desportiva, consolidando o esporte e o lazer como direitos sociais. 

ART. 24 “A capoeira é reconhecida como desporto de criação nacional nos termos do art. 217 da CF.” 
Parágrafo 1 A atividade de capoeira será reconhecida em todas as modalidades em que a capoeira se manifesta, seja como esporte, luta, dança ou música, sendo livre o exercício em todo o território nacional. 
Parágrafo 2 Ë facultado o ensino da capoeira nas instituições públicas e privadas pelos mestres tradicionais, pública e formalmente reconhecidos.

O ensino da capoeiragem no início do século XX

Artigo de Carlos Cavalheiro a repercussão em jornal de Sorocaba, São Paulo, sobre a abertura de Academia de Capoeira no Rio de Janeiro, em 1920. A matéria trouxe a chamada "Um Desporto Nacional"

A despeito de sua criminalização com a inserção no código penal de 1890 (Decreto 847/1890), a capoeiragem encontrou ainda nas primeiras décadas do século XX vários defensores e adeptos, especialmente entre intelectuais, escritores, jornalistas, boêmios… pessoas que circulavam pelos mesmos logradouros freqüentados pelos capoeiras.
Assim, João do Rio em "A Alma encantadora das ruas", descreve o universo dos capoeiristas, Coelho Neto defende a sua prática como desporto, Aníbal Burlamaqui publica o seu método de capoeiragem e o articulista Petrus publica em 1914, num jornal de Sorocaba, uma crônica em que um capoeira carioca acaba se saindo melhor numa disputa com um boxeador inglês.
A vitória do negro capoeira Ciríaco sobre o campeão japonês de jiu-jitsu Sada Miako (conhecido como Conde Koma), também é responsável pela profusão de defensores da capoeira como esporte nacional. A par desse contexto, surge ainda o pensamento eugênico que vê na prática de esportes a forma de se aperfeiçoar e melhorar a espécie humana.[1]
Faltava apenas domesticar a capoeira, nascida livre nas vadiagens[2] e brincadeiras das ruas, dar-lhe um aspecto de esporte regrado. Daí surgirem livros procurando metodizá-la, regulamentá-la, regrá-la, castrá-la. Aliado a isso, a campanha dos intelectuais (como Monteiro Lobato no conto "O 22 do Marajó") procurando evidenciar as qualidades nobres da capoeira e, ainda, o surgimento das primeiras idéias de fundação de academias que ensinassem a luta.
O jornal sorocabano Cruzeiro do Sul, por exemplo, reproduz a notícia da pretensão de se fundar uma academia nesses moldes no Rio de Janeiro em 1920. Eis a nota:

UM DESPORTO NACIONAL

O dr. Raul Pederneiras e o professor Mario Aleixo pretendem fundar no Rio uma escola para o ensino de um desporto genuinamente brasileiro: a capoeiragem.
Diz a "Folha" do Rio, ser a capoeiragem um desporto excellente. Quando bem executado e abolidos os golpes mortaes, é um meio utilissimo de defesa.
Há ainda na Capital Federal conhecedores emeritos da capoeiragem, mas poucos, relativamente aos que havia antes do regimen republicano.
Um japonez, jogador afamado do "jiú jutsú" foi vencido há tempos pelo capoeira carioca Cyriaco.
Raul Pederneiras pensa em reviver esse desporto, auxiliado pelo professor Mario Aleixo, que já ensinou "jiú-jutsú" e capoeiragem à polícia civil do Rio.
Os francezes chamam aquelle desporto de "savate": os pés, as mãos, a cabeça, tudo o capoeira emprega quando se defende.
A "Folha" cita um marujo brasileiro, um tal "Boi", que num porto francez resistiu a uma escolta numerosa, só se utilizando da cabeça e dos pés.[3]

A idéia de se ensinar a capoeira em academias vai tomando vulto com o passar dos anos. Sinhozinho cria uma no Rio de Janeiro[4]. Mestre Bimba funda a primeira academia registrada oficialmente em Salvador, na década de 1930. Uma década depois, Mestre Pastinha inaugura a sua academia de capoeira angola.
O fenômeno das academias baianas trará uma nova conformação à própria história da capoeira, uniformizando (no que tange às tradições, hábitos, costumes, rituais, instrumentação, cantigas etc) sua prática, especialmente após a migração de mestres para o sudeste brasileiro. Isso foi um dos motivos pelos quais a capoeira conhecida e praticada hoje é a baiana. Infelizmente, por outro lado, foram-se apagando pouco a pouco as práticas regionais anteriores como a pernada, a tiririca, o cangapé, a punga, o bate-coxa… que não puderam oferecer resistência e nem conseguiram criar condições para competir com a capoeira baiana.

Carlos Carvalho Cavalheiro
23 de julho de 2005.
O autor é pesquisador autônomo da história e do folclore de Sorocaba. Sócio efetivo da Comissão Paulista de Folclore (IBECC/UNESCO). Licenciado em História pela UNISO. Especialista (pós-graduação) em Gestão Ambiental – Faculdade Senac.

Créditos da foto do Jornal: Rogério Lopes Pinheiro de Carvalho

[1] REIS, Letícia Vidor de Sousa. O mundo de pernas para o ar. SP: Publisher . 2000. p. 65.
[2] O termo vadiagem, aqui, não tem a conotação pejorativa geralmente aliada ao termo. Vadiagem, neste contexto, é a forma como os próprios capoeiristas tratam a prática da sua brincadeira na roda de capoeira.
[3] Cruzeiro do Sul, 31 jan 1920.
[4] ASTRONAUTA, Miltinho. Capoeira em São Paulo: Coletânea número zero A velha guarda da capoeira. Disponível em http://www.osacabrac.org/acervo.htm acessado em 17ago 2004.

 

Fonte: Jornal da Capoeira e e-mail enviado pelo Prof. Joel Marques – http://capoeira-redentor.blogspot.com/

Carlos Carvalho Cavalheiro
02.08.2005 – Sorocaba " SP
www.capoeira.jex.com.br

Portugal: Capoeira Beija-Flor & 1ª Gala GOLDNUTRITION

No passado dia 14 de Outubro a capoeira recebeu um mérito e reconhecimento muito especial, pela primeira vez a marca de suplementos nutricionais GOLDNUTRITION® atribuiu um prémio de Distinção Colectiva, por trabalho desportivo e social a um grupo de capoeira, mais propriamente ao grupo Capoeira Beija-Flor
 
Actualmente as grandes marcas e empresas ainda não olham para a capoeira como um desporto de investimento lucrativo, sendo assim reconhecimentos como este são de valorizar e de servir como um exemplo de que a capoeira é um caminho a seguir!
 
Aqui segue a notícia que relata os acontecimentos desse dia, para mais informações www.capoeirabeijaflor.com .
 
Beija-Flor, brilhou e voou ainda mais alto na 1ª Gala GoldNutrition!!

 No passado dia 14 de Outubro, a GoldNutrition realizou a sua primeira Gala onde o grupo Capoeira Beija-Flor® teve a honra de participar!

Como nós sabemos, o grupo Capoeira Beija-Flor® e a GoldNutrition caminham lado a lado já há algum tempo numa jornada em busca de melhores condições para os nossos desportistas e no incentivo do crescimento do desporto nacional!

Por isso, o nosso Professor António Oliveira não pode deixar de presentear a 1ª Gala GoldNutrition com mais um glorioso momento Beija-Flor®!!!

Pelas 13h, após uma noite de pré-preparos para a apresentação, onde todos os detalhes foram acertados, os nossos beija-flores reuniram-se à porta do Olivais Shopping Center. Adultos, crianças e jovens todos se mostraram animados e ansiosos pela noite que os esperava. Daí, seguiram rumo ao Casino Estoril, onde o grupo Capoeira Beija-Flor® teria a honra de pisar um dos mais conhecidos e conceituados palcos Portugueses! O palco do Salão Preto e Prata onde já passaram artistas de renome nacional e internacional!

Ao chegarmos deu-se início aos ensaios:

O som era ajustado para cada instrumento, as luzes adequadas aos diferentes cenários, as coreografias e alguns movimentos de capoeira a serem realizados na apresentação eram revistos, as vozes e os instrumentos eram afinados e o todo o material era devidamente tratado!

A hora da apresentação aproximava-se e, juntamente, a ansiedade crescia dentro de cada um de nós! Nos camarins, enquanto uns se iam arranjando para a grande noite, outros iam trocando ideias, aqueciam ou jogavam um pouco de capoeira.

As crianças não conseguiam conter a excitação, do momento que as esperava!

Tudo estava pronto, cenário, luzes, som, instrumentos, e os nossos desportistas devidamente vestidos e aquecidos!!

Por trás das cortinas começava-se a ouvir o murmúrio dos convidados que começavam a encher o salão. Foi, então, feita uma pequena introdução à apresentação e ao Professor Brancão.

Abrem-se as cortinas… os atabaques rufam, o surdo acompanha com as suas batidas precisas, começa-se a ouvir a batida vibrante dos paus de maculelê e os nossos guerreiros Beija-flor invadem o palco!

 "Certo dia na cabana um guerreiro, foi atacado por uma tribo para valer, pegou dois paus, deu aú, salto mortal e gritou pula menino que sou eu maculelê!"

Os movimentos eloquentes, o cenário elaborado, o som perfeito, hipnotizava o público que se mostrava mais cativado a cada batida dos paus!

O movimento, a graça e o lado teatral estavam presentes em cada passo dos nossos guerreiros cada minuto parecia ainda mais vibrante. A entrada dos facões em cena deu um brilho especial e mágico à apresentação! As faíscas libertas a cada batida iluminavam e enfeitavam o palco de uma maneira diferente e agreste retratando o lado mais forte do maculelê!

O atabaque, que tinha marcado o início da apresentação de maculelê, encerra-a também arrancando do público repleto de campeões, atletas portugueses e entidades desportivas do mais alto nível, palmas, sorrisos e a expressão de incrível admiração!

Mas o espectáculo estava longe de acabar, poucos minutos depois das cortinas fecharem, voltam a abrir mas desta vez para retratar um cenário ainda mais encantador: envolvendo o público numa junção perfeita entre o canto e o som da viola, o jogo da capoeira expressa-se de forma leve e solene, deixando passar uma imagem de beleza, de amizade e de serenidade.

Num bonito jogo onde a capoeira se exibe na sua forma mais pura e onde se vê a beleza do jogo em duas diferentes gerações, um jogo onde o encaixe dos corpos é perfeito e onde todos que assistem se arrepiam dos pés à cabeça!

Mas ainda tínhamos mais surpresas preparadas!

Poucos minutos depois as cortinas voltam a abrir. Desta vez para dar início à já tradicional roda de capoeira!

Portugal: Capoeira Beija-FlorO Professor Brancão solta a voz e repica o berimbau dando início à roda de benguela, entre um movimento e outro os mais novos dão um encanto especial à roda, os movimentos leves e o jogo rasteiro característico deste toque flui naturalmente! O público presente não consegue conter os sorrisos e a admiração pela proeza dos nossos capoeiras!

O toque sobe e o jogo alto inicia-se. As queixadas e as armadas soltam-se velozmente e com  precisão. Os movimentos de floreio retiram do público expressões de admiração que atingem o auge quando o Professor Brancão entra na roda para dar show, mostrando todo o seu domínio sobre a arte da capoeira!!! O jogo continua cada vez mais rápido e cada vez com mais axé! A bateria está no seu melhor transmitindo toda aquela energia para o público presente!

O show de solo inicia-se com os mortais e fliques a dominarem o cenário, surpreendendo todos os presentes que pareciam não acreditar naquilo que os seus olhos viam!!

No final, o Professor Brancão mais uma vez conseguiu passar um pouco da sua filosofia através de uma música à qual o público deu uma atenção especial à letra, podendo levar consigo um pouquinho dos valores do grupo Capoeira Beija-Flor®!!

Foi uma apresentação linda, o público adorou e os nossos Beija-Flores mostraram-se felizes por poderem mais uma vez fazer parte destes grandes momentos que são os momentos Beija-Flor®!!!

Mas a festa ainda continuava! Após estar tudo arrumado e todos de banho tomado e adequadamente vestidos, os beija-flores juntaram-se à gala, onde foram deliciados com um magnífico jantar que primava pelo requinte e pelo bom gosto!

A conversa decorria animadamente, as sessões de fotos já nossas tradicionais não poderiam também faltar!! A alegria era mesmo geral e o orgulho pelo trabalho previamente realizado também!

Durante o jantar deu-se início à entrega dos prémios onde os melhores atletas, as melhores equipas ao longo deste ano, as melhores carreiras foram prestigiados pelos seus feitos…

Após ter sido entregue o prémio de Distinção Individual ao campeão mundial Nelson Évora,  quando já só faltava o último prémio para entregar, vem a grande surpresa da noite: O grupo Capoeira Beija-Flor® recebe o prémio DISTINÇÃO COLECTIVA!!!

Foi impossível esconder a alegria: o sorriso e a felicidade do nosso professor Brancão era o maior prémio que nós, seus alunos, poderíamos ter! O nosso distinto premiado professor Brancão subiu ao palco para receber o prémio mais esperado da noite, seguido pelos alunos, de onde unidos, fizeram sentir cheios de orgulho um caloroso "AXÉ BEIJA-FLOR®!"

Todos estes anos o professor António Oliveira tem vivido em prol dos outros, dedicando-se ao desporto, aos seus alunos e mesmo àqueles que não lhe são próximos, colocando-os à frente de tudo, fazendo deles os seus próprios interesses!!!

Ele começou a construir sozinho a nossa casa, o nosso ninho, a nossa família Beija-Flor®! E, aparecessem as adversidades que aparecessem, nunca desistiu de nós, mostrou-se mais que um professor, mostrou-se um amigo e mostrou-se um pai para TODOS mesmo para aqueles que já têm um!

É um Homem humilde que faz o seu trabalho sem pisar ninguém, um profissional exemplar que está sempre em busca da qualidade e não da quantidade!

UM HOMEM ESPECIAL!!!

Este prémio foi apenas uma pequena parte do que ainda está para vir, apenas uma pequena parte do que o nosso Professor Brancão merece!

A noite continuou a decorrer com um sorriso de felicidade estampado no rosto de cada beija- flor, todos parabenizamos o nosso professor pela conquista, que mais uma vez mostrou a sua humildade dizendo "este prémio é nosso!".

Logo em seguida deu-se início ao espectáculo FOUR que esteve no seu melhor, mostrando a beleza da dança e da ginástica num cenário místico de natureza e eloquência!

Mesmo depois de um dia tão cansativo o nosso professor ainda ficou a conversar connosco até tarde num convívio que se não fosse o dia de trabalho e estudo que nos esperava a todos, teria seguido até não acabar mais!

Com esta noite magnífica, o grupo Capoeira Beija-Flor chegou onde nenhum grupo de capoeira em Portugal chegou. Com este prémio, o trabalho do nosso professor foi finalmente reconhecido pela comunidade desportiva em Portugal e posto ao lado das entidades desportivas federadas de mais alto nível.

Mais uma vez, só podemos agradecer ao nosso Professor por tudo que ele faz por nós, por toda a dedicação e por toda a paciência!

Aos nossos Beija-Flores fica aqui um exemplo a seguir, fica aqui um exemplo de que a capoeira pode ser muito mais que um desporto, pode ser a nossa vida, da qual podemos viver e crescer como profissionais e como seres humanos! Basta sermos dedicados, humildes e batalhadores!!!

À GoldNutrition, os nossos parabéns pela gala que esteve à altura da grande marca que é a GoldNutrition! Agradecemos também pelo reconhecimento prestado ao trabalho desportivo e social do nosso Professor Brancão e esperamos para breve mais um momento como este!

Os nossos parabéns, também, a todos os grandes atletas e amantes do desporto presentes nesta noite que, tal como o Professor Brancão, também dedicam a sua vida ao desporto com grande investimento pessoal e profissional.

Cabo Verde: Mestre carlos Xexeu e Festival Internacional de Capoeira

Cabo Verde acolhe Festival Internacional de Capoeira

Cerca de 500 capoeirist as de Cabo Verde, do Brasil, da Espanha e da Alemanha participam de 12 a 17 de Outubro na ilha cabo-verdiana de São Vicente no III Festival Internacional de Capoeira.

 

O festival, uma iniciativa da academia de capoeira Liberdade de Expressão do mestre brasileiro Carlos Xexeu, visa a troca de experiências entre os capoeiristas.

Durante o evento serão realizadas mesas redondas para debate dos fundamentos da capoeira, projectados filmes sobre a modalidade e organizadas palestras e rodas de rua.

 
Com a presença de mestres brasileiros, a capoeira vem ganhando expressão em Cabo Verde onde já existem diversas escolas desta disciplina que mistura desporto, luta, dança, cultura popular, música e brincadeira.
 
A capoeira é uma expressão cultural desenvolvida por escravos africanos e pelos seus descendentes, sobretudo de Angola, levados ao Brasil.

Portugal, Nordeste Transmontano: A roda da vida

Uma ótima surpresa foi ler a matéria publicada no Mensageiro de Bragança, repeitado jornal da região do Nordeste Trasmontano, onde descubro maravilhado a presença de um camarada que está desenvolvendo o seu trabalho nesta isolada região. António Faria, natural do Recife e conhecido nas rodas capoeiristicas como “Pernalonga”, é o nosso mais novo vizinho e companheiro de capoeiragem.
Acredito que este é um fator muito positivo para a capoeira e para os praticantes desta região, pois todos sabemos a importancia do intercambio e das vivências inter grupos para o crescimento sadio e natural do capoeirista.
 
Seja bem vindo Pernalonga, muito sucesso, paz e saúde!!!
 
Luciano Milani

Nordeste Transmontano
A roda da vida 
 
Batem palmas, cantam em português histórias do passado e do presente, ao ritmo do som do berimbau, do atabaque e também da pandeireta, numa dança e luta que “não está na moda, está na vida” 
  
Mais do que uma luta, a capoeira é hoje também dança, música e história. É uma arte desportiva genuinamente brasileira que, de dia para dia, cativa cada vez mais jovens brigantinos, passando uma mensagem de vida, tal como ela é, na luta do dia-a-dia.
Aproximadamente há cinco anos, António Faria, natural do Recife e conhecido nas rodas capoeiristicas como “Pernalonga”, decidiu implantar em Portugal a arte da capoeira, trazendo consigo toda uma cultura brasileira. O norte do país foi o escolhido para criar a Associação Arte Nossa, uma associação sem fins lucrativos, com sede no Porto e filiais em várias cidades. Bragança foi uma das escolhidas, no ano passado, para implantar a capoeira, sobretudo pelo intermédio de “um aluno que falou na cidade”.
 
Ao fim de um ano, a resposta dos brigantinos foi claramente positiva. A falta de oportunidades, a nível desportivo, assim como a distância, em termos de acessibilidades, às grandes cidades, ajudam a compreender a motivação dos brigantinos para a prática da capoeira. Mas não se esgotam nesses argumentos.
“Aqui, no Nordeste Transmontano, as pessoas são muito calorosas e alegres, mais do que no sul de Portugal. Têm um espírito algo semelhante ao do povo brasileiro”, explicou Jhony Lima, conhecido por “Avestruz”, também natural do Recife e a viver há um ano na cidade.
 
Talvez por isso, Bragança seja também das cidades onde a Associação Arte Nossa tem mais praticantes, cerca de 50. O elevado número de praticantes foi motivador da organização de um festival de capoeira na cidade, realizado no fim-de-semana passado. Ao mesmo tempo serviu para promover o intercâmbio entre alunos e realizar os baptismos de capoeira. A Associação escolheu ainda a cidade como palco para a gravação de um DVD didáctico sobre a capoeira.
 
Durante dois dias, vieram de todo o Norte capoeiristas que mostraram a arte a toda a cidade, pese embora as dificuldades de patrocínios, já que as entidades ainda não estão “sensibilizadas para as potencialidades deste desporto”.
“Para quem assiste, de facto, a capoeira pode parecer algo violenta e complexa de praticar, mas não é assim”, explica o contra-mestre.
A luta está sempre presente, até pelas suas origens – desenvolvida pelos escravos do Brasil como forma de resistir aos opressores, praticada em segredo e recorrendo à “ginga”, movimento que lembra a dança e à música, para assim “enganar” os patrões.
“Respeito, malícia, disputa, brincadeira” são elementos presentes durante o jogo onde as canções são marcadas ao ritmo do berimbau. Quem entra na roda para jogar, sabe que é uma luta de resposta e contra-resposta, em golpes que podem ter graves consequências, mas que, actualmente, são apenas marcados e não concretizados. Ainda assim, diz-nos quem pratica que “é melhor apanhar na roda do que na rua”, já que tudo começa e acaba entre amigos, com um aperto de mão.
 
Hoje, seguindo a tradição, ao som do berimbau, do atabaque e do pandeiro, cantando histórias do passado e do presente, os capoeiristas ensinam aos alunos mais do que um desporto, uma filosofia de vida, levando a língua portuguesa a todo o mundo.
“A capoeira não está na moda, está na vida, é uma lição de vida”, diz-nos “Pernalonga”. O respeito por cada pessoa, a transmissão de valores, de cultura, e de regras, são algumas das características inerentes a este desporto, “ideal para ser praticado por qualquer pessoa”.
 
Nas rodas não há diferenças, “pobre ou rico, negro ou branco, na capoeira é tudo pé no chão”. É onde muitos jovens encontram apoio e carinho para ultrapassar as dificuldades da vida.
 
Na sede da Associação, no Porto, “Pernalonga” conseguiu implantar o que se designa por terapia através da capoeira – “capoterapia”, com o Centro de Reabilitação da Granja.
A representante do centro, presente no festival, reuniu mesmo, a título informal, com o representante do Centro de Educação Especial de Bragança, testemunhando os casos de sucesso com jovens problemáticos que a capoeira conseguiu reabilitar.
A espectacularidade dos movimentos e a própria complexidade do desporto podem criar barreiras nos que estão de fora, mas são vários os exemplos dos benefícios da prática da capoeira.
“Pernalonga” fala-nos, a título de exemplo, de um jovem proveniente de uma família toxicodependente, que, actualmente, é “um excelente desportista, integrado novamente em sociedade e já conseguiu emprego numa empresa”.
Não só com jovens problemáticos, mas também com pessoas com necessidades especiais, a nível físico ou mental, a capoeira, garante Pernalonga, “é uma terapia de vida”.
“Os tetraplégicos, por exemplo, podem praticar este desporto, jogando com as cadeiras e exercitando a parte superior do corpo”.
Já a nível pessoal, a capoeira é um desporto que, por ser praticado em grupo, ajuda a vencer a timidez e determinados receios psicológicos que possam existir na relação com os outros.
 
A arte como profissão é outra das vertentes que está desaproveitada em Portugal. “Pernalonga” conta que actualmente tem “importado” do Brasil pessoas que possam ensinar capoeira, mas a meta é investir ao máximo no aluno.
“A dificuldade é que a capoeira requer muito tempo e treino intensivo de no mínimo seis anos”, conta, baseado na própria experiência de 18 anos de prática que apenas lhe permitem a hierarquia de contra-mestre.
Para já, a próxima meta da Associação Arte Nossa na cidade passa pela implementação da capoeira nos centros de reabilitação e nas juntas de freguesia para que “todos possam ter a oportunidade de praticar um desporto que trabalha o corpo, a alma e o coração”.
 
 

Natal: SME realiza Festival de Capoeira

Prefeitura de Natal
Secretaria Municipal de Educação (SME) inicia no próximo sábado (27), com a realização de um Festival de Capoeira, os preparativos para os Jogos Escolares Municipais (JEM’s) 2006, previstos para o mês de setembro.
 
De acordo com o diretor do Setor de Cultura e Desporto, José Maxwell, as escolas têm até quinta-feira, 25, para confirmar a sua participação inscrevendo os atletas que deverão participar da referida competição.
 
O Festival de Capoeira, que envolve alunos do 1º e 2º ciclos e da 5ª a 9ª série do ensino fundamental, será realizado a partir das 8h, na quadra da Escola Municipal Professor Zuza, a rua Miguel Castro, s/n, bairro de Nazaré.
 
Outros festivais, como, por exemplo, de dança, xadrez e futsal, estão previstos para serem realizados pela SME como forma de preparar os atletas para os JEM’s. As novas datas deverão ser divulgadas nos próximos dias pelo Setor de Cultura e Desporto.