Blog

dessas

Vendo Artigos etiquetados em: dessas

Carta Aberta: Grupo Botequim

O Grupo Botequim, fundado há 5 anos, tem feito um movimento de valorização do samba brasileiro através das rodas de samba que realiza em vários locais da cidade de Salvador.

As rodas são gratuitas e com uma participação crescente de pessoas interessadas na valorização de nossa cultura. Todos podem cantar, sambar, tocar instrumentos, e muitas vezes até compartilhar da comida servida pelos anfitriões dessas rodas. Esse é o verdadeiro sentido de comunidade, e é nisso que o Grupo Botequim acredita: a força do samba como manifestação agregadora de pessoas e de valores.

O Grupo Botequim foi convidado recentemente para representar a cultura brasileira num Festival Internacional de Música na cidade de Munique – Alemanha que acontece agora em julho. Além disso, o grupo já tem agenda em algumas casas noturnas de Paris – França, para o mesmo período.

Vários contatos foram feitos com instituições públicas e privadas, governos federal, estadual e municipal, editais públicos, etc…e não conseguimos o apoio para a compra das passagens aéreas, já que o festival não se responsabiliza pelas mesmas.

Em função disso, o Grupo Botequim tem feito várias ações no sentido de tentar levantar fundos para essas passagens como: passar o chapéu nas rodas de samba, eventos, venda de CDs, etc… e graças a esse esforço, e com a contribuição da comunidade que nos acompanha, já conseguimos comprar metade das passagens.

Porém ainda faltam algumas passagens para que o grupo possa viajar completo, e por essa razão, nos dirigimos à comunidade na tentativa de solicitar àqueles que se disponham, a contribuir com algo muito simples: A TRANSFERÊNCIA DE SUAS MILHAS DE EMPRESAS AÉREAS, para a compra dessas passagens que faltam.

Acreditamos que com a força de nossa comunidade, conseguiremos o nosso objetivo de representar com dignidade a cultura brasileira através do samba, que tanto respeitamos e valorizamos.

Àqueles que se disporem a contribuir, pedimos que entrem em contato com Daniela, nos números: 91357966 e 34994744 ou pelo e-mail: grupobotequim@yahoo.com.br

Nossos sinceros agradecimentos

 

Grupo Botequim

A guerreira Maria Felipa

Como lembrei no texto Onde estão as capoeiristas da história, em geral as mulheres capoeiras que se destacaram no passado ficaram esquecidas. Mas é importante conhecer a história dessas mulheres que são exemplo de coragem, persistência e determinação.

Uma dessas mulheres é Maria Felipa, a guerreira de Itaparica.

Maria Felipa de Oliveira viveu na Bahia no século XIX e teve um importante papel na Guerra da Independência, que ocorreu entre 1822 e 1824, para reafirmar a independência proclamada em 7 de setembro de 1822, até que esta fosse reconhecida por Portugal.

Na Bahia, assim como nas províncias de Cisplatina (onde atualmente é o Uruguai), Piauí, Maranhão e Grão-Pará, devido à concentração estratégica de tropas do Exército Português, as lutas foram mais acirradas. Quando a tropa portuguesa comandada pelo General Madeira de Melo tentou invadir a Ilha de Itaparica para controlar a guerra a partir da Bahia de Todos os Santos, Maria Felipa liderava as vedetas (vigias) da praia, um grupo de 40 mulheres que entrou no acampamento do exército português, atacou os guardas com galhos de cansansão, uma planta que provoca sensação de queimadura ao toque com a pele, e puseram fogo em 42 embarcações, promovendo baixas no exército.

Além de guerreira, Maria Felipa também atuou na gerra como enfermeira, socorrendo feridos, além de trazer para a resistência em Itaparica informações da guerra obtidas nas rodas de capoeira do Cais Dourado, para onde ia remando sua canoa.

Há quem acredite que Maria Felipa seja a identidade verdadeira de Maria Doze Homens, que ganhou este apelido após deixar doze homens no chão, porém não existe confirmação a respeito e há ainda outras versões, em uma das quais Maria Doze Homens teria sido companheira de Besouro Mangangá.

O atestado de óbito datado de 04 de janeiro de 1873, confirma que Maria Felipa sobreviveu à guerra e continuou levando sua vida na ilha por muitos anos, porém de seu nascimento nada se sabe.

A heroína foi retratada na obra de Ubaldo Osório, A ilha de Itaparica, e no romance Sargento Pedro, do escritor baiano Xavier Marques, onde são são contatos vários feitos atribuídos à capoeirista.

Fontes:

Capoeira Sou Eu

Conversa de Menina

Overmundo

Passeiweb

Wikipédia

Neila Vasconcelos – Venusiana
capoeiradevenus.blogspot.com

Ministério da Cultura entrega prêmio Culturas Populares 2007

BRASÍLIA – O primeiro dia de 2008 é especialmente de festa para os grupos de cultura popular espalhados pelo Brasil. É que na segunda-feira foi o último dia para o Ministério da Cultura pagar os R$ 10 mil de cada iniciativa vencedora do Prêmio Culturas Populares 2007.

Dessa vez, o prêmio homenageou Mestre Duda por causa das comemorações dos 100 anos de frevo em Pernambuco. Ao todo, foram 260 premiados, divididos em 3 categorias: mestres e grupos tradicionais, iniciativas de governos (prefeituras e governos estaduais) e iniciativas da sociedade civil organizada.

O principal objetivo do prêmio é ajudar os grupos de culturas populares a se manterem e estimular as prefeituras para que realizem festivais para difundir as tradições populares. Temos hoje uma necessidade de difundir e divulgar essas culturas. A maioria dessas manifestações tem alguma ligação com a parte religiosa, com promessas, com as festas. Outras são brincadeiras só para fruição dessas comunidades, disse o gerente da secretaria da identidade e da diversidade cultural do Ministério da Cultura, Américo Córdola, em entrevista ao programa Revista Brasil, da Rádio Nacional.

Segundo ele, além de valorizar o folclore e as tradições populares, a secretaria também está fazendo um registro da diversidade lingüística do Brasil.

Informações sobre o Prêmio Culturas Populares 2007: (61) 3316-2117.

Informações à imprensa: (61) 3316-2129.

Maestro Duda ou mestre Duda, o José Ursicino da Silva, nasceu em Goiana interior de Pernambuco, em 23 de dezembro de 1935. Aos oito anos começou a estudar música, aos dez já era integrante da banda Saboeira e logo escrevia sua primeira composição, o frevo Furacão. Dali podia-se prever o que se tornaria Duda um dos maiores regentes, compositores, arranjadores e instrumentista de todos os tempos e do frevo em especial. Gênio da composição e arranjo, como ampla formação chegou a tocar Oboé na Orquestra de Recife, mas seu múltiplo talento o levou a experimentar de tudo. Formou várias bandas de frevo que invariavelmente eram eleitas nos carnavais como as melhores do ano.

A carreira é repleta de sucessos e de grandes parcerias: Para o teatro músicou, "Um Americano no Recife" como direção de Graça Melo e outras peças dirigidas por Lúcio Mauro e Wilson Valença. Foi chefe do departamento de música da TV Jornal do Commercio e depois contratado da TV Bandeirantes em São Paulo. Compositor de choros gravados por Severino Araújo e Oscar Miliani, sambas gravados por Jamelão, músicas para Quinteto de Sopros e Quinteto de Metais, banda e orquestra, recebeu o prêmio de melhor arranjo de música popular brasileira em 1980, em concurso promovido pela Globo, Shell e Associação Brasileira de Produtores de Discos.