Blog

dingo

Vendo Artigos etiquetados em: dingo

Cearense viaja para ensinar alemães

 

A capoeira cearense vai à Europa ensinar os alemães todo o gingado, a arte e o ritmo contagiante do brasileiro. O Mestre Dingo, um dos mais renomados do Estado, estará em uma turnê de 30 dias na Alemanha.

“Vamos realizar workshops e fazer apresentações em casa de shows. O alemães estão investindo pesado nesse intercâmbio da Capoeira”, diz Dingo, que viaja hoje, sozinho, para o Velho Continente.

Com 32 anos de experiência, o mestre cearense visitará as cidades de Frankfurt, Munique e Stuttgart. Lá, ele terá o apoio de outros brasileiros, que já transmitem os conhecimentos da capoeira a alguns anos. “Fui convidado pelo Mestre Topeira, um pernambucano que está fazendo sucesso entre os alemães”, revela Dingo, que é formado em Educação Física e também professor.

O sucesso de Dingo com a capoeira contagia uma multidão, que o acompanha todos os domingos na Ponte dos Ingleses, na Praia de Iracema, onde ele, colegas e alunos demonstram um pouco dos seu trabalho. Além disso, ele tem sua academia, na Rua Jovino Guedes, 67, Aldeota, onde ensina dezenas de pessoas. “A capoeira, não tem idade, raça, nem nacionalidade”, diz Dingo.

 

Fonte: http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=592682

Jericoacoara: VI Encontro Nacional de Capoeira Angola

O 6º encontro, em Jericoacoara, será uma oportunidade de difundir ainda mais a prática da capoeira Angola

Jericoacoara. Depois das muitas, e justas, comemorações em torno do reconhecimento e tombamento da Capoeira, como Patrimônio Cultural do Brasil, feito pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e Ministério da Cultura, ocorrido em julho, dois ícones dessa arte, mestre Piauí (Valdenor Silva de Almeida), há mais de 20 anos praticando a “Capoeira Angola”, e mestre Dingo (Fernando Cézar de Araújo Lima), com 32 anos de “Capoeira Regional”, se encontraram para acertar detalhes do 6º Encontro Nacional de Capoeira Angola, que acontecerá de 29 a 31 de agosto, na Praia de Jericoacoara.

De origens africanas, estigmatizadas durante séculos, e repletas de histórias de lutas e sobrevivência, pouca gente conhece a diferença entre esses dois estilos de jogar capoeira, praticados em todo Brasil, e em mais de 150 países.

“O encontro será como um intercâmbio da irmandade da capoeira de todo Brasil, ninguém ficará à parte. Capoeiristas de Jeri, de diversas cidades do Ceará e de outros Estados estarão presentes, participando. Nossa intenção é juntar as pessoas em três dias, como uma confraternização anual”, diz mestre Piauí.

E Jericoacoara, de fato, é o lugar perfeito para a integração dessas práticas que, apesar de possuírem métodos e filosofias diferentes, são complementares e valiosas, cada uma ao seu jeito. Segundo Piauí, a “Angola”, cujo grande ícone é mestre Pastinha (Vicente Ferreira Pastinha, 1889-1991), é o estilo mais próximo de como os escravos jogavam capoeira na origem, sendo seus movimentos lentos, caracterizados pela cadência, mandinga e sutileza. A “Regional”, criada por mestre Bimba (Manoel dos Reis Machado, 1899-1974), fez a capoeira ser reconhecida e popularizada a partir da década de 30, principalmente por incorporar novos golpes e organização de seqüências de ensinos.

“A capoeira é uma afro-ancestralidade que trabalha com o corpo físico e espiritual, é a própria vida. A capoeira Regional é a evolução da capoeira Angola. Como se uma trabalhasse na tradição e, a outra, na expansão. No Ceará, o movimento da capoeira Angola ainda é pequeno, é mais comum a Regional. Mas estamos focados em fazer trabalhos de conscientização para que a ´Angola´ não seja esquecida. Vamos trabalhar juntos porque, se olhar de perto, a diferença é quase nenhuma”, diz Piauí.

Completo

Para mestre Dingo, coordenador da Capoeira Mundi, em Fortaleza, e que estará em Jericoacoara com oficina de Maculelê durante o Encontro, para ser completo, o capoeirista precisa cantar, tocar, conhecer rituais, além de saber jogar três tipos de capoeira: Angola, Regional e, ainda, a pouco difundida, Benguela.

“Viajo o Brasil ministrando palestras e divulgando a capoeira. E digo que o novo ´boom´ da capoeira é a Benguela, que sempre existiu, foi criada por mestre Bimba, mas que, até dez anos atrás, não era praticada. É um estilo que fica entre a Angola e a Regional, um meio termo, o equilíbrio. Mas alguns movimentos são característicos desse jogo, existe a maneira correta de jogar Benguela, é preciso observar o estilo”, orienta ele.

No 6º Encontro em Jericoacoara, haverá oficina de Tambor de Crioula, dança do Lelê (ambos da cultura afro-maranhense), oficina de Capoeira Angola, com mestre Bamba, do Maranhão, exposição fotográfica e outros.

Com a missão de perpetuar a prática da Capoeira Angola, há cinco anos, mestre Piauí coordena o Centro de Instrução de Capoeira Angola, onde há mais de 40 crianças e adolescentes da Vila de Jeri, participando do “Projeto Erê de Angola”.

“Nossa missão é envolver crianças carentes com a raiz da cultura brasileira. Todo nosso trabalho parte do social. Em Teresina, eram mais de 50 crianças carentes, de rua mesmo, como um trabalho de conscientização, para a capoeira angola não seja esquecida”.

Natercia Rocha
Repórter

Mais informações:
6º Encontro Nacional de Capoeira Angola, de 29 a 31 de agosto
Centro de Instrução de Capoeira Angola, em Jericoacoara
(88) 9933.8841 – Piauí

Fortaleza: Ginga e musicalidade na Praia do Futuro

Fim de tarde na praia com muita ginga e musicalidade. Na tarde de ontem, foi lançada a Associação Capoeira Mundi, com uma roda de capoeiristas na Praia do Futuro. O evento despertou a atenção de pessoas de diferentes idades e profissões. No centro de tanto interesse, uma arte marcial genuinamente brasileira, mas que já ganhou o mundo

Débora Dias

RODA DE capoeira na Praia do Futuro uniu diferentes idades, profissões e até nacionalidades(Foto: Alex Costa)

[23 Janeiro 04h31min 2006]

O som deu o chamado, com pandeiro, atabaque e berimbau. Foi seguido dos movimentos, alguns rasteiros, outros com o corpo no ar. A combinação foi inevitável para atrair a atenção de quem passava pela barraca Marulho, na Praia do Futuro, no fim da tarde de ontem. A pequena Júlia Lemos, de 11 meses, se concentrava no espetáculo. Tanto quanto o venezuelano Luiz Angel Picón, que parou as vendas de artesanato para prestigiar o evento. A roda de capoeira realizada no local uniu diferentes idades, profissões e até nacionalidades.

”A capoeira tem uma integração social fantástica e é genuinamente brasileira”, destacou o capoeirista há 29 anos e educador físico Fernando Araújo, conhecido como Dingo. A roda marcou o lançamento da Associação Capoeira Mundi, fundada para difusão do esporte. Dingo observa que a capoeira é um patrimônio brasileiro exportado para outros países. ”Tecnicamente nós a dominamos. Mas ela não está mais nos limites do País, ganhou o mundo. É nossa cultura, mas fascina a todos”, diz.

”Minha filha está vidrada e eu acho lindo. O ritmo, a dança, a energia que a gente sente”, conta a mãe de Júlia, a instrumentalista cirúrgica Isabela Lemos. A família dela foi aproveitar o fim de tarde na praia e encontrou um programa diferente. ”A capoeira oferece bons exercícios para o corpo, disciplina e mostra a cultura brasileira”, aponta o artesão Luiz Picón, que está no Brasil há um mês. Ele conta que conheceu o esporte na Venezuela e desde então procurou aprender mais sobre essa mistura de dança e arte marcial.

Dingo explica que a capoeira é uma só, mas jogada de várias formas. Há três estilos, o regional, que é mais rápido, benguela e angola, com ritmos mais lentos. ”O capoeirista completo tem que dominar os três estilos”, afirma. Entre os movimentos de defesa e ataque, meia-lua, martelo, esquiva, quixada e armada. Durante a roda, foi feita ainda uma apresentação de maculelê, uma dança com influências afro-indígena, em que são utilizados bastões de madeira.

O professor lembra que há 20 anos, a capoeira era marginalizada pela sociedade. Hoje, já é ensinada inclusive em escolas. ”Faz parte do nosso povo. Queremos que mais brasileiros despertem o interesse por ela. A capoeira é desnuda de preconceitos. Une pobres, ricos, pretos e brancos. São todos capoeiristas”. Mais do que observar, ele faz o convite para todos praticarem capoeira.

SERVIÇO
Associação Capoeira Mundi
Rua Jovino Guedes, 67, Aldeota
Telefone: 3221.1131
 

http://www.noolhar.com/opovo/fortaleza/558941.html