Blog

esporte

Vendo Artigos etiquetados em: esporte

Bragança Paulista: Projeto Municipal de prática e de Capoeira na rede Municipal de Ensino

Capoerira – Projeto Municipal de prática e de Capoeira na rede Municipal de Ensino termina o ano envolvendo 350 alunos

No último sábado, dia 7, a Prefeitura de Bragança promoveu o encerramento do Projeto Capoeira, desenvolvido em 12 escolas da rede municipal, envolvendo uma média de 350 alunos.

A cerimônia foi realizada no Ginásio Municipal de Esportes Francisco Virgili, na Vila Garcia, e contou com a presença da vice-prefeita e secretária de educação Professora Huguette.

O  evento marcou o batizado, ou seja, a entrega do primeiro cordão aos novatos, além da troca de cordões para os que já foram graduados. Dentro do projeto desenvolvido nas escolas são quatro graduações: cordão verde, amarelo, azul e verde-amarelo.

De acordo com o contra-mestre Mortal, que comanda os trabalhos na rede, este foi o melhor evento desde que começaram as graduações na capoeira, há 4 anos, e enalteceu a presença da vice-prefeita. “É importante salientar e valorizar o apoio que o esporte vem recebendo da atual administração, pois  isto com certeza se reflete no sucesso do projeto e principalmente numa maior participação dos alunos”, reforçou.

As atividades são desenvolvidas no contra-turno das aulas e em sua fala Professora Huguette reafirmou o compromisso com o projeto salientando os benefícios do esporte. ”É uma oportunidade ímpar para que esses alunos entrem em contato com uma parte importante da cultura brasileira, usufruindo dos benefícios da prática de capoeira, que desenvolve a disciplina e o respeito, além de estimular a coordenação motora”, enfatizou a vice.

 

Fonte: http://portalbraganca.com.br

ONG ensina capoeira a jovens árabes refugiados

A organização inglesa ‘Bidna Capoeira’ leva o esporte brasileiro a crianças e jovens de 07 a 22 anos na Cisjordânia, Jerusalém Oriental e Síria. Desde 2007, mais de 15 mil pessoas já participaram do projeto.

São Paulo – Apaixonado por capoeira, Tarek Alsaleh, alemão de ascendência síria formado em Ciência do Esporte, se mudou para Damasco em 2007. Lá, começou a ensinar o esporte brasileiro para crianças nas ruas da cidade. O interesse dos jovens pela atividade foi crescendo e a prática foi levada também para prisões e hospitais. Com o apoio do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), Alsaleh começou a ensinar o esporte também no campo de refugiados de Al Tanf, na fronteira entre Síria e Iraque. Daí nasceu a organização ‘Bidna Capoeira’ (Queremos Capoeira, em árabe), que utiliza a mistura de luta e dança para melhorar a vida dos jovens refugiados.

Atualmente, o projeto atua na Síria, Cisjordânia e Jerusalém Oriental, com participantes de 07 a 22 anos. Além da prática da capoeira, os alunos também aprendem a história e cultura do esporte. “Os paralelos que a capoeira oferece para os jovens em situações vulneráveis são extremamente valiosos em ajudá-los a lidar com as situações difíceis pelas quais eles passam”, conta Ummul Choudhury, co-fundadora e diretora da ONG.

Ela lembra que os campos de refugiados são lugares superpovoados, pobres e que a violência física faz parte do dia a dia dos jovens. Com poucos lugares para brincar, diz, muitas crianças apresentam problemas de comportamento, como agressividade, depressão e hiperatividade.

{youtube}o66i6erIgQk{/youtube}

“O Bidna Capoeira usa a forma de arte única e não competitiva da capoeira para quebrar ciclos de violência, isolamento e melhorar a saúde psicossocial de jovens desesperadamente vulneráveis”, afirma Choudhury.

Parte dos professores é brasileira, mas o projeto também trabalha treinando novos instrutores locais. “Nosso programa na Síria é gerido por pessoas locais que começaram como estudantes conosco e evoluíram, tornando-se instrutores. Trabalhamos para institucionalizar o valor social que a capoeira pode trazer para jovens traumatizados e vulneráveis e para poder espalhar esta mensagem”, destaca a diretora.

Do Brasil, também vai a língua das músicas cantadas nas rodas. “As canções da capoeira são ensinadas em português, junto com o significado e a história narrativa da capoeira. Nós também trabalhamos com nossos alunos para criar canções em árabe adaptadas do estilo original em português”, diz Choudhury.

A diretora revela ainda que a ONG tem planos de expandir seu trabalho. “Vamos começar projetos na Jordânia em 2014. Esperamos conectar, inspirar e acessar a comunidade mundial da capoeira por meio de nossos projetos”, completou.

O orçamento atual da ONG é de 320 mil libras esterlinas, cerca de R$ 1,242 milhões. Segundo Choudhury, a organização conta com a ajuda do governo brasileiro no desenvolvimento dos projetos.

Quem quiser conhecer o Bidna Capoeira pode acessar o site www.bidnacapoeira.org ou a página do projeto no Facebookwww.facebook.com/BidnaCapoeira.

 

Fonte: http://www.anba.com.br

    Campanha busca redução da violência em Fortaleza

    Campanha Capoeira pela Paz propõe ações para a redução da violência

    Música, cultura, história e esporte. A capoeira possui diversos atributos capazes de transformar a vida de diversos jovens que engrossam as estatísticas da violência em Fortaleza. Há muito tempo essa arte vem atuando no combate à violência e atuando como agente de conscientização da população frente a este problema.

    É com essa motivação social transformadora que os movimentos de capoeiristas de Fortaleza se organizaram na Rede de Desenvolvimento Sustentável da Capoeira do Ceará. E uma das ações da Rede é a campanha “Capoeira pela Paz”, que vai discutir as possíveis contribuições que a capoeira e outras manifestações culturais podem oferecer para a diminuição da criminalidade, em evento que deve contar com cerca de mil capoeiristas no próximo domingo (17 de novembro), às 16h, no aterro da Praia de Iracema. 

    Também no domingo, será comemorado o mês da Consciência Negra e a Semana Municipal da Capoeira, evento anual que conta com o apoio da Prefeitura de Fortaleza. “A capoeira é um instrumento de cultura, esporte, de educação e também de disciplina. É uma importante ferramenta de socialização, bem como de formação de bons cidadãos. Todos devemos apoiar iniciativas como essas”, diz o vereador Evaldo Lima (PCdoB).

    A Comissão Organizadora da Rede é formada por Mestre Ratto, Mestra Carla, Mestre Aramola, Mestre Piolho, Mestre Auricelio, Mestre Marrudo e Mestre Envergado. Segundo a Comissão, algumas das importantes consequências dessas ações é promover a revitalização de espaços públicos, a conscientização das comunidades e a recuperação de pessoas que se enquadrem na perspectiva de prática da violência.

    Sobre a Rede

    A Rede de Desenvolvimento Econômico da Capoeira Cearense é uma iniciativa coletiva que surgiu para discutir e promover ações de sustentabilidade econômica da capoeira em Fortaleza. Sempre em diálogo com grupos e capoeiristas da cidade, do país e do exterior, a organização da rede promove conversas sobre processos produtivos, financiamentos e construção de mercados e bens de serviços, produtos para empreendimentos e ações concretas incidentes sobre as cadeias produtivas contempladas pelo protagonismo da capoeira cearense.

    Serviço

    Capoeira pela Paz

    Data: Dia 17 de novembro.
    Horário: 16 horas.
    Local: Aterro da Praia de Iracema

    Fonte: Assessoria do vereador Evaldo Lima (PCdoB)


    Facebook: https://www.facebook.com/pages/Rede-de-Desenvolvimento-Econ%C3%B4mico-e-Sustent%C3%A1vel-da-Capoeira-no-Cear%C3%A1/129248950566214

    Acre: Boxe, capoeira e kung fu: musa concilia lutas com estudo e profissão

    Boxe, capoeira e kung fu: musa concilia lutas com estudo e profissão

    Acreana que se destaca pela beleza é apaixonada pelo ringues e pela passarela. Conheça a musa do MMA acreano: Thayrine Mello, 19 anos

    A atleta ressalta que no início teve dificuldades em ajustar os horários e o cansaço físico, mas os benefícios trazidos pelo esporte a fizeram superar os obstáculos. Para a acadêmica de direito, os três tipos de luta se complementam.

    A beleza é o principal atributo, mas ela chama atenção mesmo é pela versatilidade no esporte. A acreana Thayrine Mello, de 19 anos, adiou suas competições no MMA, mas continua apaixonada por lutas. Agora, além do boxe, ela pratica capoeira e kung fu, em Rio Branco. O que começou por diversão virou vício. Sete meses após a estreia nos ringes, a bela jovem concilia os treinos das três modalidades, os estudos e a profissão de modelo.

    VEJA ENSAIO FOTÓGRAFICO COM A MUSA DO MMA ACREANO!

    – No começo foi difícil, mas com o tempo meu corpo se adaptou. Sou apaixonada pelo boxe, é meu preferido, ele me deu postura e defesa e isso ajudou nas outras modalidades. O kung fu me deu mais concentração. Surpreendeu-me. É uma arte aparentemente fácil, mas todos os movimentos são calculados e exigem muita força e resistência – explica.

    Thayrine reconhece o valor da arte no esporte e define a importância da capoeira no seu dia a dia: uma mistura de todos os movimentos que pratica no boxe e no kung fu, com uma pitada a mais de ritmo e agilidade.

    – A capoeira faz parte da cultura brasileira. Além de mesclar todas as artes é uma luta mais completa, mais artística, porque envolve um ritmo, uma dança, além de toda energia que existe nas rodas – frisa.

    Pausa nos ringues

    Thayrine estreou no MMA em abril deste ano contra a boliviana Miliane. Mas com apenas três meses de treino, a atleta perdeu o duelo. Apesar da derrota, ela destaca que a luta representa uma vitória pessoal.

    – Lutei comigo mesma e contra o cansaço. Foi difícil, mas desci com a sensação de trabalho cumprido, com pouco tempo treinando, perdi por pontuação no ultimo Fight para alguém bem mais experiente.  Quando minha adversária me deu o primeiro knock down, logo no final do segundo Fight, meu corpo pedia para parar, mas não ia desistir, eu queria lutar até o fim – lembra.

    A modelo afirma que a falta de tempo para treinar  para as competições adiou seu sonho de lutar profissionalmente. No entanto, a atleta  faz planos para voltar às disputas estaduais e destaca o aprendizado que obteve quando enfrentou a rival.

    -No momento, não tenho condições de treinar para competir. Ano que vem talvez eu arrisque. Tirei uma grande lição da luta, adquiri mais disciplina e aprendi que derrotas também são necessárias. Foi um grande desafio absolver, mas teve grande importância no meu crescimento na arte – conclui.

     

    Fonte: http://globoesporte.globo.com

    Chapadão do Sul: Presidente Wagner quer aulas de capoeira para crianças e jovens

    Presidente Wagner quer aulas de capoeira para crianças e jovens de Chapadão do Sul

    O Presidente da Câmara, Wagner Inácio apresentou indicação ao Prefeito Luiz Felipe de Magalhães e ao diretor de esportes Emerson Willian, pedindo a contratação de professor para ministrar aulas de capoeira para crianças e jovens de Chapadão do Sul.

    O parlamentar justifica que a capoeira é um esporte saudável, que expressa uma parte importante da cultura brasileira. Além da parte física, a capoeira é um esporte que conta com a musicalidade que cativa o praticante.

    “A capoeira vai preencher o tempo de livre de crianças e adolescentes além de trazer nova perspectiva de uma futura profissão e consequentemente um lugar na sociedade, além de mostrar através do relacionamento dos componentes de seu novo grupo de capoeira a amizade, o amor, o companheirismo e a tolerância”, justifica.

     

    http://www.ocorreionews.com.br/

    5º Encontro Alagoano Feminino de Capoeira

    A capoeira é uma manifestação cultural brasileira que reúne características muito distintas. Trata-se de uma mistura de arte-luta praticada ao som de instrumentos musicais como o berimbau, o pandeiro e o atabaque.

    A capoeira vem tendo aprovação das comunidades sendo incentivada em todos os locais que se faz presente. Sua prática vem sendo muito difundida no Estado entre as mulheres e encontramos resistência em praticá-la, desconhecendo que a atividade pode ser uma alternativa eficaz na melhoria das condições gerais do indivíduo, podendo, ainda, contribuir para a auto-estima e formação do caráter e da personalidade de quem a pratica.

    Diante destes benefícios, podemos afirmar que a sua prática realmente se constitui em Política Pública, promovendo o Controle Social, através de Saúde, Educação, Esporte, Lazer, Cultura e Cidadania, pois somente por meio de uma prática cultural e física, é possível sanar vários problemas, podendo ser empregada para resgatar àqueles que já estão doentes, evitando que jovens e crianças enveredem pelo caminho das drogas.

    Nos dias 16, 17 e 18 de agosto de 2013, sexta-feira (noite), sábado (tarde) e domingo (integral), realizou-se o 5º Encontro Alagoano Feminino de Capoeira (5º ENAFEC) e o 2º Batizado e Troca de Cordas do Grupo Legião Brasileira de Capoeira, com a presença de capoeiristas e comunidades dos diversos bairros, onde alcançamos nosso objetivo que é a integração social e comunitária, já que tivemos a presença de capoeiristas dos Estados de Pernambuco, Paraíba, Piauí, Sergipe, Bahia e Ceará. Durante os três dias, passaram pelo evento cerca de 270 pessoas, entre capoeiristas e simpatizantes.

    No sábado, foi realizado o campeonato feminino, onde foram classificadas as capoeiristas que irão participar do Campeonato Sergipano de Capoeira no mês de setembro: Instrutora Pequena do Capoeira Muzenza, Graduada Lua do Ginga Brasil e a Graduada Muda do Capoeira Raça. Estiveram presentes vários grupos de capoeira, entre eles: Grupo de Capoeira Raízes Negras, Grupo Legião Brasileira de Capoeira, Capoeira Candeias, Centro Cultural Senzala de Capoeira, Grupo Capoeira Lua de São Jorge e Capoeira Escola Herança Brasileira. Destacamos, ainda, os novos graduados: Monitor André e Monitora Linda.

    PROGRAMAÇÃO

    Dia 16 – Praia de Sete Coqueiros (Pajuçara)
    19h00 – Roda de Abertura

    Dia 17 – SESC Poço
    16h00 – Seletiva Feminina de Capoeira
    Seleção de equipe feminina para participar do Campeonato Sergipano de Capoeira (Aracajú/SE)

    Dia 18 – SESC Poço
    07h30 – Inscrições
    08h30 – Roda de abertura
    09h00 – Benguela – Professora Smuft (Grupo Legião Brasileira de Capoeira)
    09h30 – Maculelê – Monitora Índia e Instrutora Preta (Grupo de Capoeira Raízes Negras)
    10h00 – Aulão Aberto – Instrutora Pequena (Capoeira Muzenza)
    10h30 – Dinâmica para Crianças – Professora Larissa (FAL)
    11h00 – Acrobacias – Professor Tubarão (Grupo de Capoeira Candeias)
    11h30 – São Bento – Monitora Barbie (Grupo Legião Brasileira de Capoeira)
    12h00 – Roda de intervalo
    14h30 – Abertura do Batizado e Troca de Cordas com apresentação dos capoeiristas mais graduados
    15h00 – Roda de Contramestres, Mestrandos, Professores, Instrutores e Monitores
    15h40 – Roda de Crianças
    15h50 – Roda de Mulheres
    16h00 – Início do Batizado e Troca de Cordas
    17h30 – Roda de encerramento
    18h00 – Encerramento

    PATROCÍNIO:

    Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas – DIPS/SUVISA/SESAU
    Secretaria de Estado da Mulher, da Cidadania e dos Direitos Humanos – SEMCDH
    Serviço Social do Comércio – SESC

    APOIO

    Toka do Tatu (tatuagens)
    Centro de Treinamento Leão de Judá
    Trator Terra
    Quentex Marmitas (quentinhas)
    Nilda Moto
    Quitéria Cabelos
    WS Confecções
    PH Água e Gás
    Estúdio do Corpo (academia)
    Só Esporte Magazine
    CEFA – Centro Educacional Francisco de Assis
    FMAC – Fundação Municipal de Ação Cultural
    Escola Estadual Ladislau Neto
    TV Pajuçara – Programa Esporte Campeão

    MATÉRIA: http://tnh1.ne10.uol.com.br/video/esporte-campeao/2013/08/10/5-encontro-alagoano-feminino-de-capoeira

    VÍDEOS

    {youtube}vAxOoGP7-f8{/youtube}

    {youtube}i7T3tjSCwdo{/youtube}

    {youtube}_9ozsrWzhC0{/youtube}

     

    AGRADECIMENTO

    A Coordenação, Direção, Oficineiros, Palestrantes e Participantes do 5º Encontro Alagoano Feminino de Capoeira (5º ENAFEC) e do 2º Batizado e Troca de Cordas do Grupo Legião Brasileira de Capoeira realizado nos dias 16, 17 e 18 de agosto de 2013 agradecem e manifestam seu reconhecimento aos FUNCIONÁRIOS que compõem a administração do SESC Poço, diante do compromisso, responsabilidade e empenho em prestar apoio e assistência ao evento, contribuindo para o pleno funcionamento e na garantia de um evento tranqüilo.

    Capoeira: o esporte da mente, do corpo, da alma e do coração

    Se o papel da escola é educar e os princípios ultrapassam a sala de aula e envolvem respeito e coleguismo, tudo através de aulas de capoeira, os alunos do mestre Lindomar Nascimento Saraiva, que ensina o jogo no Colégio Hermann Spethmann, de Criciúma, estão no caminho certo para serem cidadãos do bem.

    Eles ainda são bem pequenos. Mas a agilidade é de gente grande. São aprendizes com um sonho em comum, jogar capoeira. “É até difícil resumir os benefícios que a capoeira traz. O esporte desenvolve a habilidade motora, a elasticidade e ajuda a manter o equilíbrio, é preciso misturar atenção, habilidade, agilidade e ginga, pois acima de tudo, a capoeira é uma dança. Faz bem para a saúde, para o corpo e também para a mente e o coração”, explica Saraiva, que pertence ao Grupo Senzala. “Além da dança, nós ensinamos também princípios. O respeito é fundamental, seja ele na escola com os colegas, na aula de capoeira, ou em casa. O que eles aprendem aqui acaba refletindo no cotidiano de cada um”.

    Enquanto os alunos praticam os primeiro passos, pais e mães acompanham de fora, orgulhosos, o desempenho dos esportistas. José Anselmo é o pai do Cristopher, de quatro anos, que pratica capoeira desde o ano passado. “A vontade de jogar partiu dele. Logo nos primeiros dias percebemos uma diferença no comportamento que ele tinha em casa. Incrivelmente ele melhorou o senso de disciplina e organização. Dou total apoio para que ele siga adiante. A prática do esporte é importante para o desenvolvimento dele, é fundamental para manter uma boa saúde”, atesta Anselmo. “Acho que ficou uma união perfeita, aquilo que eu e a mãe dele passamos em casa se junta ao que ele aprende aqui e assim ele cresce um cidadão com um caráter melhor”, complementa o pai.

    A capoeira – A capoeira é um dos mais antigos esportes brasileiros, surgiu quando o país ainda era colônia de Portugal. Foram os escravos que criaram. Eles eram proibidos de lutar pelos seus senhores. Sendo assim, criaram uma espécie de “dança lutada”. Foi a maneira encontrada por eles de tornar os sofridos dias mais divertidos. Os negros vindos da África eram muito festeiros e gostavam de dança. Com a capoeira não esqueciam suas raízes e ainda cuidavam do corpo. Foi proibida no país por muito tempo, hoje é tradição no Brasil e conhecida no mundo todo. Sem música, não existe jogo, não existe dança e não existe capoeira. O som que acompanha o esporte é tocado no berimbau, um instrumento de corda de origem angolana que é considerado por alguns como um instrumento sagrado. Ele é reverenciado no início de cada luta e comanda o ritmo e o estilo de jogo. O berimbau vem ainda acompanhado do pandeiro e, muitas vezes, do atabaque. Sem contar nas palmas dos jogadores que ajudam no clima do jogo.

    Saiba mais – Em Criciúma as aulas do Grupo Senzala são oferecidas pelo Colégio Hermann Spethmann, no Centro da cidade. É uma das atividades extracurriculares oferecidas pela escola. Podem frequentar as aulas os alunos da escola e a comunidade. Informações podem ser obtidas no colégio, ou ainda pelo telefone (48) 3437-8037

    Colaboração: Ioton Neto/Comunicação Colégio Hermann Spethmann

    http://www.engeplus.com.br

    A Roda de Capoeira como patrimônio imaterial da humanidade

    A Roda de Capoeira como patrimônio imaterial da humanidade: o Brasil expandindo seu prestígio por intermédio da capoeira

    Há tempos, as artes marciais agiram e continuam agindo como um importante vetor de disseminação da imagem e prestígio dos países nos quais estas se originaram, sendo consideradas parte fundamental dos seus patrimônios culturais*. Dentre alguns exemplos mais conhecidos temos: Krav Maga, oriundo de Israel; Taekwondo, oriundo da Coreia do Sul; Kung Fu, oriundo da China; Muay Thai, oriundo da Tailândia; Judô, Karatê e Aikido, oriundos do Japão; e Capoeira, oriunda predominantemente do Brasil e reconhecida no mundo como a arte marcial autenticamente brasileira. E sendo parte do patrimônio cultural dos países supracitados, estas artes marciais possuem acentuada importância na construção de uma imagem positiva e favorável aos interesses destes países no cenário internacional, haja vista que o prestígio cultural de um país é um componente básico deSoft Power**.

    Cabe destacar o fato de que, neste ano de 2013, o “Comitê do Patrimônio Imaterial da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura” (UNESCO) vai avaliar a inclusão da “Roda de Capoeira” na lista representativa do “Patrimônio Imaterial da Humanidade”, candidatura que está sendo levada a cabo pelo “Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e tem como base um dossiê redigido a partir de pesquisas já realizadas no registro da “Roda de Capoeira e do Ofício de Mestre de Capoeira como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil”.

    A se destacar, neste dossiê, as seguintes metas: a importância dos mestres de capoeira como divulgadores da cultura brasileira no cenário internacional, o que torna necessário pensar alternativas para facilitar o trânsito destes por outros países; o reconhecimento do ofício e do saber do mestre de capoeira, para que ele possa ensinar em escolas e universidades; a necessidade de criar mecanismos que facilitem o ensino da capoeira em espaços públicos; e um plano de manejo da biriba, madeira usada para confecção do berimbau e que pode ser extinta no correr dos anos.

    Em adição, no intuito de incentivar sobremaneira a candidatura da “Roda de Capoeira”, o IPHAN vem empreendendo esforços e encaminhando aos grupos de “Capoeira do Brasil” uma lista de adesão a esta candidatura.

    Torna-se necessário compreender o significam “Bens Culturais de Natureza Imaterial e Patrimônio Cultural Imaterial”. A “Carta Magna” brasileira de 1988, em seus artigos 215 e 216, ampliou a noção de patrimônio cultural ao reconhecer a existência de bens culturais de natureza material e imaterial. Segundo esta, os “Bens Culturais de Natureza Imaterial” dizem respeito às práticas e domínios da vida social que se manifestam em saberes, ofícios e modos de fazer, em celebrações, em formas de expressão cênicas, plásticas, musicais ou lúdicas, e em lugares que abrigam práticas culturais coletivas. Quanto ao “Patrimônio Cultural Imaterial”, a UNESCO o define como as práticas, representações, expressões, conhecimentos e técnicas – com os instrumentos, objetos, artefatos e lugares culturais que lhes são associados – que as comunidades, os grupos e, em alguns casos, os indivíduos reconhecem como parte integrante de seu patrimônio cultural, definição esta que se encontra de acordo com a “Convenção da UNESCO para Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial”, ratificada, em março de 2006, pelo Brasil.

    Neste sentido, a preservação da Capoeira segundo este novo entendimento de patrimônio cultural despertou a atenção do governo brasileiro a partir de 2004, tendo se tornado uma política pública efetiva quando o então “Ministro da Cultura”, Gilberto Gil, esteve em Genebra (Suíça), na sede da “Organização das Nações Unidas” (ONU), acompanhado de inúmeros capoeiristas brasileiros, para um show em homenagem ao ex-embaixador brasileiro Sérgio Vieira de Mello. Nesta ocasião, o ex-ministro discursou sobre a expansão da Capoeira no mundo, destacando sua utilização como um instrumento de paz, e lançou o “Programa Brasileiro e Internacional para a Capoeira”, ações estas que podem ser vislumbradas no documentário “Capoeira – Paz no Mundo”, que foi realizado em Genebra, no dia 9 de Agosto de 2004, e contou com o financiamento do “Ministério da Cultura”.

    Por outro lado, a Capoeira também é percebida como uma prática corporal e atividade de lazer hodierna, inserida no cenário e no contexto da modernidade, que oferece uma práxis única e peculiar que, mesclada com a herança histórica e sociocultural que traz em seu bojo, proporciona ricas oportunidades de utilização, podendo ser vista como uma proposta cultural de prática esportiva social. Desta maneira, dado seu aspecto multifacetado e polivalente, a Capoeira é compreendida como arte, dança, cultura, luta, arte marcial, jogo, esporte, música, folclore e filosofia, o que a capacita, plenamente, a ser encarada como um esporte que propicia uma elevada integração social[1]. No tocante a este aspecto, o “Estatuto da Igualdade Racial”, instituído pela “Lei nº 12.288, de 20 de Julho de 2010”, em seu título “Dos Direitos Fundamentaiscapítulo IIDo Direito à Educação, à Cultura, ao Esporte e ao Lazerseção IVDo Esporte e Lazer”, em seu Art. 22 assevera que a Capoeira é reconhecida como desporto de criação nacional, nos termos do Art. 217 da Constituição Federal.

    Cumpre registrar que o “Ministério das Relações Exteriores” (MRE), por intermédio da “Divisão de Operações de Difusão Cultural (DODC) é responsável pela difusão e promoção da Capoeira nos postos do Brasil no exterior, segundo os preceitos e agenda da política externa brasileira. À guisa de ilustração, nos campos de refugiados deShuafat, em Jerusalém Oriental, e em Jalazoun, na Cisjordânia, próximo a Ramallah, o governo brasileiro financia um projeto da “Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina” (UNRWA) que visa impulsionar a prática da Capoeira nestes territórios, iniciativa que partiu da ONG Bidna Capoeira, que implementou o ensino da Capoeira com sucesso nos campos de refugiados na Síria. Segundo à ex-representante do Itamaraty em Ramallah (Palestina) e atual Embaixadora do Brasil em Maputo, Ligia Maria Sherer, projetos de desenvolvimento cultural e de educação como estes devem ser consolidados[2].

    Outrossim, a Embaixada do Brasil em Nairóbi (capital do Quênia) promoveu, em fevereiro do corrente ano, eventos culturais de apoio à Capoeira tanto em Campala (capital de Uganda) quanto em Nairóbi. Em Nairóbi, no “Museu Nacional do Quênia”, durante o festival “A Day of Cultural Expressions”, a Capoeira foi o chamariz para o festival, que contou com estandes brasileiros sobre a “2ª Expo Brasil na África Oriental”, que será realizada entre os dias 24 e 26 de Julho de 2013, em Nairóbi, e sobre a preparação dos megaeventos esportivos que o Brasil sediará. Já em Campala, integrantes do grupo “Senzala Uganda”, que é apoiado pela embaixada brasileira, promoveram inúmeras rodas de capoeira e oficinas abertas, as quais contaram com a presença de vários capoeiristas convidados, culminando com o primeiro batizado do grupo.

    No entender dos segmentos envolvidos na inclusão da Roda de Capoeira como parte do Patrimônio Imaterial da Humanidade – IPHAN e governo brasileiro –, esta representa mais um passo na consolidação da Capoeira como expressão original do povo brasileiro que se oferece aos povos do mundo como prática, atitude de vida, pensamento, técnica, esporte, prazer, arte e cultura. Ademais, esta inclusão seria um pacto entre o Brasil e o mundo para aumentar as bases de expansão das raízes brasileiras, ou seja, um passaporte a mais para abrir fronteiras e dar o tom brasileiro no cenário internacional.

    Deve-se ressaltar, contudo, que, embora essa inclusão venha a ocorrer, tal seria um ato de fortalecimento que não interferiria na autoria da Capoeira nem na autoridade dos mestres, pois a Capoeira continuaria fiel à sabedoria dos que a criaram, sem perder direitos nem sofrer intervenções em seu conceito ou prática.

     

    Cabe salientar que, figurando, também, como esporte olímpico, o Judô e o Taekwondo têm propiciado aos países medalhistas olímpicos um acentuado prestígio e visibilidade no cenário internacional.

    ** Conceito cunhado por Joseph Nye, presente no livro Bound to Lead, publicado, inicialmente, em 1990.

     

    Fonte: http://www.ceiri.net

    DF: Capoeira da o ar da graça em programa alternativo

    O Programa Alternativo mostra um trabalho desenvolvido com alunos do Jardim de Infância 21 de abril da Asa Sul.

    Desde 2003 a escola realiza o projeto Capoeira na Escola, em parceria com o grupo Abadá Capoeira, oferecendo melhorias e prática de esporte aos alunos. “Para a educação infantil, a prática de esporte é muito importante, pois contempla muito a realização de movimentos e a coordenação motora. E a capoeira oferece uma série de melhorias na movimentação e no desenvolvimento dos alunos, além de trabalhar com a cultura afro brasileira”, explica a diretora do JI 21 de Abril, Katiúscia Lucas da Silva.

    {youtube}fDsGOmCfi1s{/youtube}

    O Programa, apresentado pelo SBT, vai ao ar sempre aos sábados, às 13h15, e mostra entrevistas e matérias referentes à realidade da educação no Distrito Federal.

    Um dos objetivos é oferecer a oportunidade para que escolas e professores participem da discussão e enviem sugestões para os próximos programas.

    As pautas podem ser mandadas para o e-mail [email protected]

    Mestre de Guarapuava produz filme sobre história da capoeira

    Autor de vários projetos sociais no município, Ceará aparece entre capoeiristas do mundo todo contando a trajetória do esporte. Lançamento do festival cinematográfico acontece no Cine XV, neste domingo, mas a mostra será levada a vários Estados do país

    O capoeirista Francisco Aloísio Teixeira Filho, conhecido como Mestre Ceará, deve colocar o município de Guarapuava, mais uma vez, no cenário internacional do esporte. Líder da Companhia Volta ao Mundo, ele ajudou a produzir um filme que vai contar a história da arte brasileira, além de relatar a trajetória dos nomes que atravessaram fronteiras para espalhar a modalidade a vários países.

    O filme “Capoeira: a Arte que Encantou o Mundo” será exibido em primeira mão na cidade de Guarapuava, às 8h30 deste domingo, 9, no Cine XV. O festival cinematográfico, no entanto, será lançado já na sexta, 7, com batizados, troca de cordas e cursos na Escola Estadual Newton Felipe Albach, a partir das 15h. A organização é dos capoeiristas “Banin”, “Trilips”, Hait, Eddy e Bombom.

    Durante o longa, são mostrados shows de capoeira em países como Canadá, Estados Unidos, Alemanha e Japão, além de projetos desenvolvidos no mesmo local por mestres brasileiros. Como já ministrou aulas e cursos em várias partes da Europa (Polônia, Bielorrússia, Bélgica, França e Suíça, entre outras), Ceará também aparece mostrando a expansão do esporte e da arte.

    Ceará é fundador da companhia Volta ao Mundo e vem ajudando crianças e adolescentes da região com projetos sociais. No ano passado, foi reconhecido por uma instituição nacional pelo trabalho realizado com pessoas com deficiências físicas e mentais. O mestre realiza aulas em escolas públicas e na Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), entre outras instituições.

    Em Guarapuava há quase uma década, Ceará já promoveu grandes eventos no município. O último deles, o Circuito Internacional e Jogos Abertos de Capoeira, aconteceu em junho.

    O capoeirista iniciou a carreira aos nove anos de idade, em Fortaleza (CE) e, apesar dos problemas de saúde que teve na infância, se tornou um dos grandes nomes da arte no país. Ele cita como seus “formadores” os mestres Jair Correia (Grupo Marabaiano- Fortaleza), Antonio Carlos de Menezes (Muzenza-Curitiba) e Jamil Raimundo (Museu-Belo Horizonte).

     

    Diário de Guarapuava

    http://www.diariodeguarapuava.com.br