Blog

falcão

Vendo Artigos etiquetados em: falcão

Recanto do Falcão: Beleza e Cultura no sul do Brasil

Nosso grande amigo e parceiro, José Luiz Cirqueira Falcão, conhecido no mundo da capoeiragem como Mestre Falcão acaba de nos surpreender com um empreendimento fantástico e repleto de beleza natural no sul do Brasil, o Recanto do Falcão.

Após ter recebido convite para a inauguração do Recanto do Falcão, que acontece no final de Dezembro, na Praia do Rosa- SC, o qual lamentavelmente não poderei estar presente por motivos maiores, fui de imediato visitar o site institucional do empreendimento e fiquei maravilhado com a beleza, qualidade e principalmente com a proposta cultural.

Fica aqui uma excelente dica para todo e qualquer amante da capoeira, passar umas férias diferentes e repletas atividades culturais.

Parabéns a toda equipe da Pousada e ao mestre Falcão pela brilhante iniciativa e nossos mais sinceros votos de sucesso!!!

Segue agora o material colhido no site do Recanto do Falcão, o qual recomendo uma visita.

Luciano Milani

A pousada oferece estrutura com hospedagem, cursos e oficinas de capoeira. Além de conhecer as mais belas praias do Sul do Brasil, os interessados poderão desfrutar da pratica capoeira em lugares paradisíacos. Durante a estádia serão oferecidas oficinas de capoeira e outras atividades de manifestações da cultura afro-brasileira para grupos de até 16 pessoas, num clima de camaradagem, hospitalidade, integração, competência e muita descontração.

 

Pousada:

A pousada Recanto do Falcão fica localizada na Praia do Rosa, em Imbituba, uma das mais belas praias catarinenses. (Estrada IMB 407, Rua Doze (John Lenon), s/n, Praia do Rosa.)

Telefone: +55 48 9102 7360


Coordenação
: Mestre Falcão

Mestre de Capoeira do Grupo Beribazu com trinta anos de experiência. Autor do Livro “A Escolarização da Capoeira”. Mestre em Educação Física pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1994). Doutor em Educação pela Universidade Federal da Bahia (2004). Professor universitário.

email: [email protected]

Aconteceu: II Mosaico Integrado de Capoeira – II MIC

II Mosaico Integrado de Capoeira  (II MIC)

Florianópolis 15 a 18 de novembro de 2007

Foi realizado em Florianópolis-SC, entre 15 e 18 de novembro de 2007, o II Mosaico Integrado de Capoeira (II MIC). Durante o evento foram realizadas oficinas, rodas, espetáculos e outras atividades ligadas à capoeira. O evento aconteceu em diversos locais da cidade. O Teatro da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) foi palco para o belo espetáculo cultural e para a realização da cerimônia de graduação e formatura dos grupos Beribazu, Cordão de Ouro e Gunganagô. Todas as atividades foram gratuitas e abertas ao público.

Segundo seus coordenadores (Mestre Falcão, Mestre Kadu e Contramestre Habibis) a  realização do II MIC, em Florianópolis, consolida o processo de integração que vem sendo implementado por diversos grupos de capoeira da cidade. O evento mobilizou um expressivo número de praticantes de capoeira e contribuiu para democratização das relações entre grupos, abrindo possibilidades para novas formas de integração cultural.

II Mosaico Integrado de Capoeira  - II MIC

O II MIC promoveu, de fato, a integração e o intercâmbio entre praticantes de capoeira de diversos grupos da cidade e seus convidados. A partir de ações de organização coletiva, colaboração, tolerância e solidariedade, tão necessárias para a realização de atividades com essas características, os grupos organizadores do II MIC se imbuíram em superar uma lógica que vem segmentando a capoeira cada vez mais em que grupos se tornam rivais pelo excesso de concorrência em busca de prestígio e reconhecimento.

Notas sobre os Grupos que integraram o II MIC

O Grupo de Capoeira Beribazu

O Grupo de Capoeira Beribazu foi fundado em 11 de agosto de 1972, no Distrito Federal pelo Mestre Zulu. Atualmente possui núcleos espalhados pelo país e em diversas regiões do mundo. A estimativa é de que o Grupo Beribazu tenha hoje cerca de 2.000 integrantes. Em Florianópolis, o responsável pelo Grupo Beribazu é o mestre Falcão, professor da UFSC.

O Grupo Cordão de Ouro

O Grupo Cordão de Ouro foi fundado em 1967 por Mestre Suassuna, em São Paulo. É um dos grupos de capoeira mais antigos do mundo. Em 2007 completou 40 anos de existência. Tem núcleos em vários países do mundo e em Florianópolis é coordenado pelo contramestre Habibis.

O Grupo Gunganagô

O Grupo Gunganagô foi criado em 2005 pelo Mestre Kadu, que reside em Florianópolis desde 1994. Tem trabalhos desenvolvidos em diversos bairros da cidade. Desenvolve uma significativa experiência de capoeira com cegos e possui núcleos em outras cidades do Estado de Santa Catarina.

 

UMA EXPERIÊNCIA BASTANTE POSITIVA

As atividades desenvolvidas durante o II MIC foram muito empolgantes e envolveram cerca de 30 docentes de capoeira entre mestres, contramestres e professores de várias regiões do Brasil. Contou também com a formatura de um professor argentino, integrante do Grupo Beriazu.

II Mosaico Integrado de Capoeira  - II MICII Mosaico Integrado de Capoeira  - II MIC

No espetáculo cultural houve apresentações de maculelê, puxada de rede, seqüência do Mestre Bimba, samba de roda, orquestra de berimbau e a execução acompanhada de diversos instrumentos (berimbau, violinos, violão selo, contra baixo, pandeiro e atabaque) da música ‘Berimbau’ de Vinícius de Moraes e Baden Power.  Todas as atividades atraíram grande público e foram muito elogiadas.

As atividades do II MIC estão disponibilizadas em DVD e podem ser adquiridas mediante contato com os coordenadores do evento.

Mestre Falcão – [email protected]

Mestre Kadu – [email protected]

Contramestre Habibis – [email protected]

Aconteceu: I Festival Pedagógico de Capoeira

Capoeira Especial
Grupo Candeias encerra projeto financiado pela Lei Municipal de Incentivo à Cultura e ao Desporto
 
Na última quarta-feira, o Centro de Ensino Especial Dom Bosco e o Grupo de Capoeira Candeias realizaram o I Festival Pedagógico de Capoeira, encerrando as atividades do Projeto Capoeira Especial, financiado pela Lei Municipal de Incentivo à Cultura e ao Desporto, da Fundação Garibaldi Brasil. Na ocasião, pais, alunos e equipe gestora estiveram juntos para presenciar o batizado de alguns alunos, além de interagir com os capoeiristas especiais.
 
O projeto foi realizado por Janosson da Silva Carvalho, mais conhecido como Falcão, durante o período de abril a dezembro, no Centro de Ensino Dom Bosco. Aulas de capoeira, palestras, oficinas, contação de história, exibição de vídeos, leitura de textos, oficinas, apresentações, rodas e aulões foram algumas das atividades realizadas, todas elas com o foco a capoeira.
 
“Dim-dim, dom-dom”
 
Durante a realização do projeto, Falcão e a Capoeira ficaram conhecidos como “dim-dim, dom-dom”, forma como os alunos do Dom Bosco se referiam ao professor e à atividade. “Desenvolvemos também um trabalho afetivo, já que carinho nunca é demais”, diz Falcão.
 
Segundo ele, o objetivo do projeto é estimular o desenvolvimento das crianças e adolescentes com deficiência, proporcionando através da capoeira o uso do corpo, espaço e instrumentos, visando a interação diferenciada ao da rotina escolar. “A capoeira é uma atividade que pode contribuir com o processo de crescimento da pessoa com deficiência, servindo de apoio complementar aos atendimentos oferecidos pelo Centro de Ensino Dom Bosco, potencializando a inclusão social, respeitando as diferenças e desigualdade de oportunidades”, explica o proponente.
 
De acordo com a coordenadora pedagógica do Dom Bosco, não há nada mais gratificante do que ver as crianças participando e se divertindo. “A maioria dessas crianças são carentes, e só na escola têm um momento de lazer e contato com outras atividades”, diz.
 
Página 20 – Rio Branco – AC
http://www2.uol.com.br/pagina20

Santa Catarina: Teatro da UFSC recebe show cultural de capoeira

Acontece no Teatro da UFSC, nesta sexta-feira, dia 03/11, às 19 horas a apresentação do show cultural e formatura de Capoeira, atividades que integram o I Mosaico Integrado de Capoeira – I MIC, que acontece em Florianópolis e região, de 02 a 04 de novembro.
 
O Show Cultural contará com apresentações de diversos grupos de Florianópolis, como Maculelê, Puxada de Rede, Roda de Capoeira, Samba de Roda, Batucada e Orquestra de Berimbau. Durante as apresentações dos grupos locais, cerca de 30 mestres e professores de capoeira de várias regiões do Brasil (SC, PR, RS, DF, PE e BA) convidados para o evento, também farão parte das apresentações, integrando os diversos grupos que estiveram se apresentando. O show cultural tem duração de duas horas e meia. Ao final haverá a formatura.
 
Segundo o coordenador geral do evento, professor Luiz Falcão, do Centro de Desportos da UFSC, o I MIC consolida o processo de integração que vem sendo implementado por diversos segmentos de Capoeira da cidade. Mobilizará expressivo número de praticantes de capoeira e contribuirá para democratização das relações entre grupos, abrindo possibilidades para novas formas de integração cultural.
 
Ainda segundo o professor Falcão, o objetivo geral do I MIC é promover a integração e o intercâmbio entre praticantes de capoeira de diversos grupos, no sentido de contribuir com o processo de democratização e socialização do conhecimento produzido em relação a esta manifestação da cultura afro-brasileira. É a primeira vez que essa iniciativa de realizar um evento integrado de capoeira será colocada em prática na cidade de Florianópolis. Na UFSC acontecerão várias atividades do I MIC. O potencial educacional desse evento poderá ser verificado a partir de ações de organização coletiva, colaboração, tolerância e solidariedade, tão necessárias para a realização de um evento com essas características.
 
O I Mosaico Integrado de Capoeira se materializará como um evento de natureza intercultural a partir das seguintes ações: Oficinas – a serem ministradas por mestres e professores convidados de reconhecida competência; Rodas de confraternização envolvendo os diferentes grupos de capoeira; Cerimônia de Formatura de Mestre de Capoeira; Encontro Feminino de Capoeira; Espetáculo Cultural; Cerimônia integrada de batismo e graduação dos integrantes dos diversos grupos.
 
Fonte:
Redação – Portal da Ilha
http://www.portaldailha.com.br

Fluxos e refluxos da capoeira. Brasil e Portugal gingando na roda

A revista Análise Social n.º 174 inclui um artigo de José Luiz Cirqueira Falcão, investigador do Centro de Desportos da Universidade Federal de Santa Catarina (Brasil), que desenvolveu um estudo sobre as dinâmicas culturais e intercâmbios de práticas de capoeira entre o Brasil e Portugal. O autor analisou experiências da prática e do ensino de capoeira em Portugal, dando-nos conta de uma diáspora da capoeira brasileira e da existência de fluxos e de trajectórias migratórias associados à prática da capoeira enquanto forma específica de inserção laboral. Disponibiliza-se aqui o resumo deste artigo.
 
Análise Social, n.º 174, Vol. XL, Primavera de 2005
Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (ICS/UL)
Fluxos e refluxos da capoeira. Brasil e Portugal gingando na roda
José Luiz Cirqueira Falcão
 
Resumo
 
"Neste artigo analisamos os fluxos e refluxos da capoeira entre Brasil e Portugal, evidenciando os deslocamentos, a complexidade e a dinamicidade deste processo. O carácter conflituoso das relações inter-étnicas construídas por meio de práticas culturais significativas consolida a formação de processos identitários que articulam o geral com as singularidades locais, com sujeitos dirigindo e buscando o sentido às suas próprias vidas, ainda que submetidos aos condicionantes estruturais que influenciam as produções culturais específicas."
Mais informações sobre outros números da Revista Análise Social disponíveis em  http://www.ics.ul.pt/publicacoes/analisesocial/index.htm

Jornal do CAPOEIRA abre novo espaço editorial

"Roda  de   Mestres   e   Doutores"
No Jornal do Capoeira
 
Apresentação
 
"Tive oportunidade de conversar diversas vezes, com velhos mestres Angoleiros, sendo que duas vezes com Mestre Bimba, uma delas fazendo uma grande e reveladora entrevista.  Com prazer e humildade, repetiria tudo de novo, o mesmo não acontecendo, entretanto, com muito doutor em capoeira que anda por aí". 
 
Pois muito bem, para minha surpresa, foi justamente o autor da frase acima (André Lacé), que sugeriu a abertura de um espaço permanente, no Jornal do CAPOEIRA, para textos atuais ou mesmo debates entre mestres e doutores universitários. 
 
Afinal, completou Lacé (aliás, também mestre em Administração pela Universidade de Syracuse, em Nova Iorque),  "se de um lado, assim como certos livros, existem muitas dissertações e teses doutorais sem grande valor, por outro, estão surgindo excelentes trabalhos que devem ser amplamente divulgados.  Trabalhos escritos de maneira muito clara e com pesquisas realmente sérias e sem a preocupação de agradar a este ou aquele grupo".
 
Concordo com este apanhado e creio, mesmo, que é hora de se abrir, no Jornal do CAPOEIRA, um espaço para esses senhores.  Assim pensando fiz meus primeiros contatos e obtive respostas estimulantes.  A rigor, o pingo d`água, desta resolução editorial foi  o recente texto do Sr.  José Luiz Cirqueira Falcão, doutor em Educação pela Universidade Federal da Bahia (atualmente Professor Adjunto da Universidade Federal de Santa Catarina), que, por  feliz coincidência, é, também, mestre de Capoeira (Mestre Falcão). O mencionado texto está rodando o mundo provocando forte e saudável polêmica.
 
Para reforçar o momento, tomamos conhecimento da tese doutoral do escritor premiado Luiz Sergio Dias (Quem tem medo da Capoeira?), sobre o tema: Da "Turma da Lira" ao cafajeste: a sobrevivência da Capoeira no Rio de Janeiro na Primeira República. 
 
Como tais trabalhos, até por exigência acadêmica, são quilométricos, abrindo espaço para que esses senhores façam pequenos resumos de suas idéias, estaremos criando condições para que todo Mundo da Capoeira tenha acesso às pesquisas e conclusões realizadas por esses mestres e doutores.
 
De recente conversa com mestre-doutor Falcão tiramos mais uma conclusão: como a Capoeira é um poço sem fundo, para não correr o risco de abrir muito o leque de temas &  discussões, será recomendável  estabelecer um pequeno leque inicial de opções.   É o que propomos a seguir:
 
Coluna  Roda de Mestres e Doutores, do Jornal do CAPOEIRA –  Temas Básicos:
 
Tema  I  –     Seleção dos dez principais livros de capoeira resumindo-se o mérito maior de cada um deles;
 
Tema II –      Seleção dos dez principais discos & cds destacando-se o mérito maior de cada um deles;
 
Tema III –     Seleção dos dez principais DVDs destacando-se o mérito maior de cada um deles;
 
Tema IV –    Seleção dos dez melhores mestres de capoeira atuais, destacando-se o mérito maior de cada um deles;
 
Tema V –     Importância das Culturas Negras (ou não) na essencialidade da Capoeira Moderna;
 
Tema VI –    Reflexões sobre a crescente rebeldia, em relação a Capoeira Brasileira, por parte de alguns grupos estrangeiros.
 
Tema VII –    Sugestões para realização de uma Estratégia Nacional e um Plano de Ação para a Capoeira no Brasil e no Exterior
 
Tema VIII –   Avaliação crítica da ação dos governos municipais, estaduais e federal, nos últimos trinta anos, em relação à Capoeira;
 
Tema IX –    Afinal, Capoeira é Luta, também, ou não?
 
Tema X –     A parte Rítmica e Cantada da Capoeira: pontos fortes e fracos
 
Ao final de cada matéria, colocaremos os títulos de pós-graduação do autor, bem como, a seu critério, um endereço para qualquer eventual esclarecimento direto ou mesmo convite para palestras.
 
Em caráter excepcional, havendo forte motivo jornalístico, abriremos exceção para algum tema não listado.
 
Semana que vem, com prazer e muita honra, estaremos inaugurando este novo espaço. Aguardem!
 
 
Muito Cordialmente,
 
Visite: www.capoeira.jex.com.br – Jornal do Capoeira