Blog

flexibilidade

Vendo Artigos etiquetados em: flexibilidade

Famílias podem se exercitar com movimentos básicos da capoeira

Mistura de arte marcial, dança e jogo inclui passos de ataque e defesa. Atividade melhora equilíbrio, flexibilidade, resistência e força muscular.

Para quem emendou o feriado e tem a oportunidade de passar esta segunda-feira (30) com a família ou entre amigos, é possível aproveitar o dia para se exercitar em grupo, independentemente da condição meteorológica.

Segundo o preparador físico José Rubens D’Elia e o educador Marcos Mourão, passos básicos da capoeira podem ser um bom começo, pois fortalecem os músculos, dão mais equilíbrio, resistência e flexibilidade.

Essa mistura de arte marcial, dança e jogo, que surgiu no Brasil na época dos escravos, inclui movimentos de ataque e defesa. Durante a prática, a pessoa pode se levantar, abaixar, esquivar, girar e chutar.

Com a ginga, os golpes e as acrobacias da capoeira, os adeptos vão ganhando fôlego e saindo do sedentarismo. Também podem melhorar o ritmo – os movimentos são acompanhados de berimbau e cantos –, a coordenação motora e a socialização.

No estúdio do programa, as famílias Navarro e Sittoni executaram os ensinamentos dos especialistas e mostraram que não existe idade para fazer atividade física nem para aprender passos novos.

Antes da prática de exercícios, também vale aquecer o corpo, procurar um lugar confortável e tirar os sapatos. De acordo com os convidados, mexer os pés, bater palmas e até engatinhar pelo chão são algumas das propostas para fazer em casa de forma saudável e lúdica, principalmente para quem tem filhos e netos.

 

Fonte: http://primeiraedicao.com.br/

É preciso ter força, raça, gana e… graça

Quem disse que a capoeira não é feminina? Flexibilidade e perda de peso são os principais benefícios da técnica que atrai cada vez mais Marias…

DANÇA, LUTA, JOGO, canto: pura arte brasileira – assim é a capoeira. O ritmo contagiante, a ginga e a energia que envolvem a roda vêm conquistando, dia a dia, mais e mais mulheres. A maioria delas começa a jogar por pura curiosidade e acaba se tornando praticante assídua do esporte, que é a cara do Brasil. “O sucesso entre elas se deve principalmente ao fato de ser uma modalidade democrática. Nela, a mulher luta em condições de igualdade com o homem. Muitas são, inclusive, campeãs”, explica o professor Paulo Renato Hermógenes de Oliveira, mais conhecido no grupo N’golo Capoeira como contramestre Paulo Renato. Leia mais sobre essa luta centenária e descubra quais benefícios ela pode trazer para seu corpo e sua mente.

uma arte apaixonante

Para quem assiste pela primeira vez, pode parecer uma simples brincadeira ou uma dança divertida, mas a capoeira é muito mais do que isso. Ela trabalha o corpo todo numa atividade constante, pois há momentos do treino em que se exige bastante força. Em outros, é preciso agilidade e muita, mas muita flexibilidade e equilíbrio. Isso, aliado à variação de ritmo, ora calmo, ora agitado, proporciona um grande gasto calórico, e quem pratica realmente emagrece muito. Em uma aula de 90 minutos uma pessoa pode gastar até 800 calorias! E o melhor: brincando! A capoeirista Juliana Veroneze, 30, do Grupo de Capoeira Filhos de Gandhi, de Mauá, na Grande São Paulo, notou as mudanças em seu corpo logo no primeiro mês: “Pratico há mais de sete anos e desde o início senti que estava com mais disposição e flexibilidade, até para desempenhar as atividades do dia-a-dia. Fiquei mais disposta e animada”, conta.

É, realmente a capoeira é democrática. Tem adeptos de ambos os sexos e das mais variadas idades. Janaína Pereira de Lira, 15, é capoeirista há mais de um ano. Ela começou a treinar porque gostava do ritmo contagiante. “Saio das aulas com a cabeça leve, relaxada, feliz”, explica.

“Durante o treino, há exercícios aeróbios e anaeróbios”, explica Paulo Renato. “A prática melhora o equilíbrio, desenvolve a noção espaço-temporal, estimula a flexibilidade, a força e o tônus muscular, além de melhorar a postura”, acrescenta o professor.

Mas os benefícios não param por aí. Há também a socialização, uma vez que, para jogar, é necessário ter sempre mais de uma pessoa. A própria roda de capoeira permite essa integração, pois possibilita que todos se enxerguem e participem do jogo.

O respeito ao próximo também é uma característica do esporte, já que na maioria das vezes o contato físico não é permitido. Assim, o capoeirista precisa desenvolver a consciência corporal para executar os movimentos com leveza e não encostar no companheiro. Tudo isso estimula a autoconfiança e o autoconhecimento, além de ajudar a superar os próprios limites sem invadir o território do outro.

FOTOS MANOEL MARQUESum pouco da história

Na triste e amarga época da escravidão, os negros eram aprisionados na África para serem trazidos de navio ao Brasil. Mais da metade deles morria durante a viagem por causa de doenças, como a desnutrição, e muitos se suicidavam. Os que chegavam por aqui eram acorrentados e comercializados como animais, leiloados em ruas e praças públicas e vendidos a preços altos para compensar os prejuízos do trajeto. A maioria era comprada para servir de mão-de-obra nos engenhos de cana-de-açúcar e trabalhavam cerca de 16 horas por dia, sem folgas e recebendo toda sorte de castigos imagináveis.

Durante os períodos em que não estavam trabalhando, eles se distraíam relembrando sua terra, cantando, dançando e mantendo os rituais que costumavam praticar. Em algumas aldeias africanas existia a seguinte tradição: quando uma jovem estava pronta para casar, os guerreiros da tribo disputavam a moça numa espécie de luta em que procuravam imitar os golpes de uma zebra. Essa luta chamava-se N’angolo. Nas senzalas, os negros começaram a desenvolver uma prática semelhante para batalhar por sua liberdade. Mas como os feitores e senhores de engenho permitiriam que eles aprendessem uma arte marcial? Para evitar problemas, eles fundiram a luta com danças. Praticavam-na em campos e matos de vegetação rasteira chamados de capoeiras (derivada da palavra tupi “caá-puéra”). Daí o nome do esporte.

O tempo foi passando e constantemente havia rebeliões com fuga de escravos, disputas e mortes, numa luta desesperada pela liberdade. Os negros que conseguiam fugir infiltravam-se na mata e formavam colônias chamadas quilombos; cada um tinha o seu rei ou ganga. O maior e mais conhecido foi o de Palmares, que se formou na área onde hoje está o Estado de Alagoas. Tratava-se de uma colônia imensa, dividida em aldeias chamadas mocambos. Palmares foi fundado por uma mulher, Acotirene, e posteriormente liderado por Camuanga, Zumba e Zumbi. Após um século de existência, resistindo a inúmeras tentativas fracassadas de destruição pela Colônia Portuguesa e expedições organizadas pelos senhores, o bandeirante Domingos Jorge Velho liderou a batalha que poria fim ao Quilombo dos Palmares e mataria Zumbi, capturando e trazendo os negros sobreviventes às senzalas. Acredita-se que a capoeira tenha se difundido entre os milhares de negros de Palmares, pois há testemunhos da época relatando que os quilombolas atacavam os soldados com “golpes de cabeça e de pé”. E quando Palmares foi destruído, a luta foi levada pelos prisioneiros, passando a ser difundida dentro das senzalas.

uma arte marcial diferente

Os movimentos dessa modalidade lembram os de outras práticas, como o caratê e o judô. Mas a capoeira é a única arte marcial que é feita com acompanhamento musical. Isso se deve basicamente à necessidade que os escravos tinham de enganar os senhores de engenho e capitães-do-mato para poderem treinar. No início, esse acompanhamento era feito apenas com palmas e toques de tambores, mas hoje é composto por uma série de instrumentos. A parte musical tem ainda ladainhas, que são cantadas e repetidas em coro por todos os componentes da roda. Dizem que para ser um bom capoeirista é preciso saber tocar e cantar todos os temas da capoeira.

Outra diferença em relação às demais modalidades é que a capoeira tem um número relativamente menor de golpes. No entanto, eles podem atingir uma harmoniosa complexidade por meio de suas variações.

Mas o grande destaque dessa luta é a malícia, a malandragem, a ginga de corpo, que engana o adversário, podendo ser decisiva em uma competição.

FOTOS MANOEL MARQUESa capoeira desenvolve:

no físico
resistência: É preciso manter o pique durante toda a luta.
agilidade: Os movimentos mudam de direção e sentido a toda hora.
flexibilidade: Na capoeira prevalecem os gestos amplos. velocidade: Para surpreender o adversário sempre que for possível.
equilíbrio: É preciso manter o domínio do corpo em algumas posições mais complicadas. coordenação: Para responder aos golpes com os braços, tronco e pernas, tudo ao mesmo tempo.
ritmo: O jogador sempre acompanha a música.

no emocional
relaxamento: Ela ajuda a liberar a agressividade, ainda que o esporte não estimule a violência.
atenção: É preciso estar atento o tempo todo ao que acontece na roda.
persistência: Os golpes só ficam perfeitos depois de muitas tentativas. coragem: Aos poucos, o medo de fazer certos movimentos desaparece.
malícia: A capoeira desenvolve a malandragem, deixa os instintos aguçados e ajuda a compreender melhor as situações e os olhares ao redor.

outros benefícios da capoeira:

– o diálogo corporal, a improvisação, a inteligência do corpo, a necessidade de agir, o equilíbrio, assim como as noções de espaço, tempo, ritmo, música e compreensão da filosofia de jogo, são princípios fundamentais ensinados dentro da capoeira.
– para o corpo é perfeito! Os movimentos mexem com todos os músculos, desenvolvendo uma série de qualidades físicas.
– alívio das tensões, reflexos mais rápidos e mais força muscular.
– com um pouco de persistência, o seu fôlego vai ficar muito melhor, porque a prática constante (pelo menos 3 vezes por semana) estimula o sistema cardiorrespiratório.
– definição dos músculos abdominais, muito solicitados durante o treino.

 

Texto sugerido por: Shion

Estilo Natural Online: http://estilonatural.uol.com.br

Telefone: (11) 5682-9201 — e-mail:
estilonatural@simbolo.com.br

PUBLICAÇÕES DA SÍMBOLO EDITORA Femininas: Corpo a Corpo, Ouse, Uma. Bem-estar: Dieta Já, Estilo Natural, Viva Saúde, Família: Meu Nenê, Quarto do Nenê, Gravidez Feliz, Primeiro Enxoval. Masculina e Negócios: Um, Vida Executiva. Semanais: Chega Mais, Mais Feliz.

DESENVOLVIMENTO DE FLEXIBILIDADE

(TREINAMENTO 3 s)

Ter uma boa flexibilidade é sumamente importante para o desenvolvimento do praticante da capoeira, por motivos óbvios, porém que merecem ser lembrados:

– Um atleta com maior índice de flexibilidade tem menor chances de se machucar.

– Melhora consideravelmente sua técnica.

– Sua agilidade e coordenação ganham com isto.

– A prevenção e alívio da sensação tardia de dor muscular que por vezes sobrevém após atividades a que não estamos habituados. É preciso lembrar que não devemos confundir as dores musculares relativas à nossa sensação de desconforto com as advindas de lesão. Um músculo lesionado não deve ser alongado, e por isso deve tomar cuidado quando da identificação das causas da dor.

– A própria essência do jogo da capoeira pede que o seu executante seja flexível, ao contrário de outras artes marciais, embora atualmente exista um consenso geral da importância do trabalho de flexibilidade em qualquer atividade física.
 

Read More

Alongamento versus treinamento de força

Introdução:

Recentemente, em um dos meus cursos, está questão foi levantada. É válido realizar um alongamento após um treinamento de força? A questão é polemica e abriu uma série de outras questões que valem a pena serem discutidas. A princípio, vamos tratá-las de maneira geral para depois aproximá-las do universo da capoeira, nosso foco principal.

Alguns esclarecimentos iniciais.

Nunca é demais lembrar definições básicas para que possamos melhor tratar nosso tema. A seguir a definição moderna de alongamento e flexibilidade.

Flexibilidade

“Capacidade que as articulações detêm de terem uma amplitude de movimento (ADM) para as quais foram projetadas (todas as articulações têm um limite de amplitude).”

E alongamento.

“É o conjunto de técnicas utilizadas para se manter ou para se aumentar a amplitude de movimentos.”

Partindo destes conceitos podemos estabelecer que o alongamento é um conjunto de técnicas que tem por objetivo aumentar a flexibilidade do nosso atleta.

Esta colocação nos leva à determinadas questões:

Depois de um trabalho de força um alongamento terá realmente seu melhor efeito?

Não seria melhor um trabalho especifico objetivando o alongamento? Ou este é realmente o momento ideal isto?

Claro que tudo isto importa é muito para o capoeirista, visto que força e flexibilidade são duas valências fundamentais para o seu bom desempenho.

Portanto, vamos começar a tentar elucidar esta questão. Retomando também o conceito de força.

Desenvolvimento.

Os autores de uma forma geral tendem a definir força em um contexto de trabalho muscular, da capacidade de influenciarmos o ambiente através do trabalho de um ou mais músculos. Esta valência, em particular, se desenvolve a partir de uma sobrecarga obedecendo ao princípio da adaptação que estabelece um equilíbrio instável entre os vários sistemas orgânicos, isto quer dizer, que para se aumentar a força é preciso “stressar” a musculatura, trabalhando-a com afinco, o que o nosso dia-a-dia também nos indica.

A questão é que ao se trabalhar determinada musculatura objetivando força a tendência de suas fibras é o “encurtamento” como qualquer que tenha se submetido a um treinamento de força sabe. Os músculos ficam “encurtados” neste momento um trabalho de alongamento leve irá sem dúvida nenhuma recompor as microfibras desgastadas, aumentar a absorção do ácido lático, redirecionar as fibras musculares propiciando uma melhor adaptação ao trabalho e uma maior recuperação. Este ponto não nos parece passível de discussão, principalmente no caso do capoeirista que não pode ficar com a musculatura “endurecida”.

Porém esta não é realmente a questão. Para que possamos realmente aumentar os níveis de flexibilidade de nosso atleta é necessário submete-lo a um trabalho de alongamento que traga sua musculatura para angulações ainda não alcançadas. Novamente passar do limite. Acontece que os dois treinamentos força e alongamento apontam para direções opostas no quesito fibras musculares, o treinamento de força trabalha concentricamente e com alta carga de intensidade lática; o alongamento trabalha as fibras no seu sentido longitudinal, atingindo sobremaneira a mobilidade articular e extensibilidade dos tendões e ligamentos.
 

Read More

EXERCÍCIOS COM PESOS EM CAPOEIRA

Mestre Bimba já condenava o uso de pesos para aumentar a potência muscular, usando as técnicas e regras do halterofilismo clássico, advertindo que a contratura muscular maciça não permitiria os movimentos rápidos e elásticos indispensáveis à prática do nosso jogo, produzindo movimentos em bloco e relativamente lentos.
A fisiologia muscular justifica a opinião do nosso Mestre uma vez que esforço indispensável ao deslocamento dos pesos envolve simultaneamente os músculos agonistas e os antagonista, este últimos funcionando no bloqueio do retorno à posição inicial.
Durante o período de atividade esportiva intensa eu usava, com a aprovação do Mestre, a opção de realizar os movimentos fundamentais da capoeira com pesos de pequeno porte, variáveis consoante a cinemática dos movimentos.
O saudoso "Filhote de Onça" treinava com cinturão com pesos usados em caça submarina, simultaneamente com pulseiras e tornozeleiras com pesos similares, para aumentar o gasto em calorias e desenvolver potência muscular sem prejuízo da agilidade, flexibilidade e elasticidade.
Ultimamente retornei ao uso de pesos reduzidos complementando a pratica individual dos movimentos fundamentais a partir do gingado e cocorinha, com o emprego de pequenas marombas de até 3 Kg nas mãos.
O cuidado maior é permitir que os movimentos sejam praticados com naturalidade, sem refreamento dos mesmos pela contratura muscular maciça provocada pela carga excessiva.

Mestre João Grande

Mestre João Grande
João Oliveira dos Santos, um dos maiores mestres da Capoeira, vive atualmente em Nova York, onde ensina a sua arte e transformou seu destino, tendo recebido um título de doutor honoris causa, em reconhecimento pela sabedoria e riqueza de seu trabalho. Waldeloir Rego sobre ele escreveu, em 1969: "é dentre todos os grandes capoeiristas jovens o que mais truques de ataque e de defesa conhece, contribuindo para isso a flexibilidade fora do comum de seu corpo, tornando-o o mais ágil de todos os capoeiras da Bahia. Quando em pleno jogo é um grande bailarino. Canjiquinha (…) saiu com um tipo de frase muito sua, de que: – ‘Foi Deus quem mandou João Grande jogar capoeira’." Foi discípulo de mestre Cobrinha Verde. Integrou também a delegação brasileira no Premier Festival International des Arts Nègres, em Dakar (Senegal).