Blog

herói

Vendo Artigos etiquetados em: herói

Novela: Zé Maria surge com ares de super-herói

Lázaro Ramos diz que personagem em ‘Lado a Lado’ é homem do povo. Porém, novela não tem boa audiência

Com uma fantasia colada e vermelha, cenas de ação em câmera lenta e um caráter incorruptível, Zé Maria (Lázaro Ramos) surgiu com ares de super-herói na estreia de “Lado a Lado”, na última semana. Resta saber se esse heroísmo vai levantar os índices da mais nova novela de época da Globo, que marcou 18 pontos de audiência em seu primeiro capítulo, no dia 10 – as anteriores marcaram 23, em média.

“O legal dele é não ser super-herói, mas um cara comum. A gente às vezes fala dos grandes revolucionários, mas não do povo, que está ali lutando para sobreviver. Ele é um herói do povo” define Lázaro Ramos, que só usa dublê em cenas de muito texto.

Para não fazer feio nesse heroísmo, Lázaro treina com Mestre Cocoroca, de 34 anos, desde julho, aproveitando a experiência que ganhou na capoeira para o filme “Madame Satã”, de 2002. Marcello Melo Jr, o Caniço na trama, também participa das aulas. “São três por semana e o Lázaro leva muito jeito”, conta o mestre, recordista mundial em estrelas de capoeira, com 61 seguidas: “As cenas de luta dão trabalho. Levamos até um dia para ensaiá-las”.

Mestre Cocoroca explica que os passos de capoeira de Zé Maria e Caniço são inspirados nos do início do século passado, antes de a luta ter sido descriminalizada, em 1930. A legalização só ocorreu depois que um mestre da modalidade se apresentou para o presidente Getúlio Vargas, que se encantou.

Com tanta história para contar em uma trama com linda fotografia, figurino impecável e um elenco de primeira, agora é esperar para que deslanche.

 

http://diariosp.com.br

Teatro: Homenagem ao Capoeirista e Herói Popular Besouro Cordão de Ouro

Depois de ler ‘Mar Morto’, livro de Jorge Amado, Paulo César Pinheiro se apaixonou pela história de Besouro, um dos maiores capoeiristas de todos os tempos.
O músico, que já compôs várias canções sobre o mito, como ‘Lapinha’, eternizada na voz de Elis Regina, estréia como autor teatral no dia 15, no Centro Cultural Banco do Brasil, com o musical ‘Besouro Cordão-de-Ouro’. “É um personagem riquíssimo, e acho interessante recuperar a história de um ícone tão brasileiro”, conta Paulo César.

BESOURO CORDÃO-DE-OURO

Espetáculo musical em homenagem ao capoeirista e herói popular Besouro Cordão-de-Ouro, que viveu e construiu sua legenda em terras baianas no final do século XIX e início do século XX. O palco se transforma numa roda de atabaques, berimbaus, pandeiros e caxixis, uma valorização da cultura negra.

Autoria de Paulo César Pinheiro.

Ana Paula Black
Cridemar Aquino
Maurício Tizumba
Raphael Sil
Sérgio Pererê
William de Paula
Wilson Rabelo
Gilberto Santos da Silva “Laborio”
Letícia Soares
Marcelo Capobiango
Valéria Monã
Victor Alvim “Lobisomem”
Alanzinho Rocha
Iléa Ferraz

Direção:João das Neves
Direção musical: Luciana Rabello
Coordençaõ de capoeira: MESTRE CAMISA

5/março a 25/abril/2010
6a a domingo, 20h.

R$ 4 (comerciários), R$ 8 (estudantes, idosos), R$ 16. [livre]

Sesc Tijuca

Endereço
Rua Barão de Mesquita, 539

Telefone
(21) 3238-2100/Fax: (21) 2570-4178

Capoeirista “Besouro” leva lenda de herói negro ao Festival de Berlim

Berlim, 15 fev (EFE).- A lenda do capoeirista Besouro, herói da tradição negra brasileira pela luta em favor dos ex-escravos, chegou hoje ao Festival Internacional de Cinema de Berlim pelas mãos do cineasta João Daniel Tikhomiroff.

O filme “Besouro”, estreado na seção Panorama, fora de competição, chegou ao festival após ter sido um sucesso no Brasil, com bilheteria de mais de 500 mil espectadores.

“Para mim era importante mostrar esta história primeiro aos brasileiros, dos quais 95% não sabe que Besouro existiu de verdade e não é apenas um mito. Depois preferi ensiná-la ao resto do mundo”, explicou Thikomiroff à Agência Efe.

A história do lendário capoerista, apelidado de “Besouro”, chegou ao cineasta pelo romance “Feiojada no Paraíso” de Marcos Carvalho sobre a figura de um homem que se transformou em herói popular por seu empenho em praticar a capoeira, embora estivesse proibida, e em defender à população negra das discriminações.

“É um personagem fantástico que, além disso, permite refletir sobre a realidade social do início do século XX. Embora a escravidão já tivesse sido abolida, os negros ainda eram marginalizados e discriminados”, apontou.

Manoel Henrique Pereira, conhecido como “Besouro”, nasceu em 1897 em Santo Amaro da Purificação (Bahia) e passou ao imaginário popular como valente capoerista que enfrentava os armados patrões dos engenhos de açúcar com base em força e habilidade na luta.

O filme opta por um duplo enfoque: o da lenda, com um super Besouro capaz de se transformar em besouro e voar – estimulado pelos deuses da natureza dos Orixás – e o clássico, com dois amigos enfrentados pelo amor de uma menina, um malvado pistoleiro e uma terrível traição.

“Quis transitar entre esses dois mundos, entre o real e o imaginário. É o que faz esta história fascinante, a dúvida de se o que um está vendo é sonho ou realidade. Essa é a beleza do filme”, apontou o cineasta.

Para o papel protagonista, Thikomiroff escolheu Aílton Carmo, um jovem professor de capoeira, sem experiência interpretativa, mas a quem podia “ensinar a viver” a transição do jovem, de rapaz rebelde a fonte de inspiração para outros, mas que tivesse aptidões reais para a dança e para a luta.

Segundo o cineasta, é uma “pena” que nos últimos 20 anos não se tenham feito filmes sobre a capoeira, declarada bem cultural, que neste caso está “no coração” da história.

Carmo decidiu embarcar no projeto porque, desde criança, sonhava em demonstrar a sua mãe que podia fazer um filme de ação com um protagonista negro e que lutasse a ritmo de capoeira, igual aos filmes de Arnold Schwarzenegger, explicou à Agência Efe.

Jessica Barbosa atua no filme como Dinorá, a amiga de infância do protagonista, e na Orixá Iansã, deusa do vento e da chuva. “Em outros países existem o Batman e o Homem-Aranha. No Brasil, temos o Besouro, que é nosso próprio herói nacional”, ressaltou.

Para o cineasta, quase 100 anos depois da história, a realidade brasileira tem 55% de população negra “que continua vivendo algum tipo de discriminação”.

“Este filme mostra uma bela história sobre esse coletivo”, acrescentou. EFE

 

Fonte. O Globo – http://g1.globo.com

São Paulo: Pré-estréia do filme BESOURO NASCE UM HERÓI

Aconteceu, no dia 20 de Outubro de 2009, no cinema Kinoplex em São Paulo, o coquetel e a pré-estréia do filme BESOURO-NASCE UM HERÓI.

O evento contou com a participação especial da equipe de show RABO DE ARRAIA, que apresentou um verdadeiro show de capoeira e convidou os artistas Besouro (Ailton Carmo) e Quero-quero (Anderson Santos de Jesus)  a participarem da roda que foi embalada pelas palmas do público. Besouro já com o espírito da Capoeira que habita seu corpo, não queria mais sair da Roda,  porém a pedido de Dinorah foi reencaminhado para a seção de fotos e entrevistas com a imprensa.

A energia foi tanta que acabou por quebrar o piso de granito em um dos vários saltos mortais e movimentos dos atletas da Rabo de Arraia que pareciam voar em alguns momentos, era a força da Capoeira sendo mostrada com toda a sua vitalidade.

Como não podia faltar em uma grande pré-estréia, os mestres consagrados da capoeira Brasileira marcaram presença no evento entre os mais de 100 convidados da Rabodearraia e do Portal Capoeira, entre eles estavam Mestre Brasilia, Burguês, Pinatti, Gladson, Zumbi, Gege, Ze Antonio , Ponciano, Flavio Tucano, Meinha, Helinho, Pequeno, Valdir, Chocolate e muitos outros.

Logo após a exibição do filme podia  se notar nos rostos dos mestres e convidados a alegria imensa de ver nas telas uma das maiores produções envolvendo a Capoeira, a confraternização acontecia embalada ao Coquetel oferecido aos convidados marcando um momento impar para a capoeira, uma verdadeira confraternização de Profissionais que escreveram e escrevem a historia da Capoeira, todos juntos celebrando “Besouro”, em um momento mágico! Hoje com o enorme crescimento da Capoeira é muito difícil unir todos estes nomes em uma local devido a Agenda cotidiana cheia de compromissos destas personalidades, uma tarefa dificil mais não impossivel destas pra nos lembrarmos e carregarmos conosco para sempre!

E como tudo sempre na Capoeira acaba com capoeira o encerramento do Coquetel se deu ao som novamente de uma roda de capoeira improvisada no saguão do cinema tendo ate mesmo o diretor João Daniel Tikhomiroff e o Coronel Venâncio (Flavio Rocha), jogando Capeira com Besouro, Quero quero e os Mestres convidados.

A estréia oficial do filme aconteceu dia 30/10/2009 em todos os cinemas do Brasil.

Não percam a oportunidade de conhecer esta maravilhosa história.

Salve a CAPOEIRA!
Salve BESOURO!

Read More

Campanha: “CAÇA AO BESOURO”

Quer assistir ao Filme mais esperado do Ano, ao lado de mais de 80 dos mais conceituados profissionais de capoeira do Brasil, em uma pré-estréia exclusiva apenas para convidados VIP’s???

Se sua resposta é SIM!!! Então você está convidado para a “CAÇA AO BESOURO”

O Portal Capoeira e a Rabo de Arraia se unem e fortalecem sua parceria para proporcionar esta fantástica experiência para você!!!

Os visitantes, amigos e parceiros da RabodeArraia.com e do PortalCapoeira.com, terão acesso a uma ação promocional exclusiva  que irá distribuir 6 vale-ingressos até o dia 15 de Outubro de 2009, os ingressos são pessoais e intransferíveis e válidos somente para a pré-estreia exclusiva de Besouro em São Paulo no dia 20 do corrente mês.

Na mídia, a promoção será divulgada por chamadas e ações na internet, nos sites da Rabo de Arraia e Portal Capoeira, com o apoio de mala-direta.

Mecânica da Promoção: Como Participar

Durante os próximos dias (08/10/09 até 15/10/09) serão publicadas 3 chamadas (dicas) no site Portal Capoeira, as dicas serão numeradas de 1 até 3 e poderão estar em qualquer lugar do site. Cada uma destas dicas irá vos levar até uma segunda dica no site da Rabo de Arraia, com o mesmo número, somente em posse das duas dicas você irá reunir as condições para descodificar a mensagem e o mapa que o guiará para a “CAÇA AO BESOURO”, uma verdadeira “caça ao tesouro” nas ruas de São Paulo.

A “CAÇA AO BESOURO”, será a etapa final para conseguir conquistar o seu lugar para assistir a pré-estreia de BESOURO, e consiste em encontrar o VALE INGRESSO e os outros brindes, que estarão escondidos em pontos-chaves de São Paulo, nas coordenadas obtidas através das DICAS (chamadas) obtidas nos sites PortalCapoeira.com e RabodeArraia.com

Como Ganhar

Os três primeiros CAÇADORES a encontrar o ponto-chave, munidos da informação obtida nas dicas da campanha, deverão se dirigir ao nosso STAFF, que estará no local, e dizer a seguinte frase: “Besouro, da capoeira nasce um herói”, os dois primeiros caçadores serão os felizardos convidados para a pré-estréia do fime do diretor João Daniel Tikhomiroff sobre Besouro Mangangá, o lendário herói da capoeira brasileira. Ainda serão oferecido outros prêmios  (CD’s, Livros e DVD´s) para os tres primeiros caçadores, ao todo serão distribuidos 6 vale-ingressos e 9 outros prêmios.


Objetivo e Justificativa:

Iremos  transformar a pré-estreia de Besouro, em uma data diferencial  para a comunidade  capoeirística com o objetivo do esforço da comunicação promocional e da simbiose entre a mais antiga loja de capoeira da internet e um dos mais visitados e conceituados meios de comunicação direcionados para a comunidade capoeirística, oferecendo a seis felizardos uma oportunidade mágica de estar ao lado dos mais conceituados e relevantes profissionais da capoeira do estado de São Paulo e também, consolidar a parceria positiva entre meios, baseado conceitualmente na associação entre bom atendimento, bons produtos, coerência e responsabilidade na veiculação das notícias e informação para um público especializado e cada vez mais exigente.

É por isto que lutamos e batalhamos juntos aos nossos parceiros e colaboradores para proporcionar para “nossa gente”, formas diferenciadas e direcionadas para o crescimento e divulgação dentro contexto da capoeiragem.

Uma boa CAÇADA a todos!!!

 

Com os melhores cumprimentos, desejando muito axé

 

Portal Capoeira

RabodeArraia.com

 

Agradecimentos especiais a toda equipe envolvida, direta e indiretamente na produção do filme Besouro, da capoeira nasce um herói

http://www.besouroofilme.com.br

Besouro leva lendário herói da capoeira às telas de cinema

Depois de três meses de filmagens em locações na Chapada Diamantina e no Recôncavo Baiano – e quase nove meses de árduo trabalho de pós-produção – o longa-metragem do diretor João Daniel Tikhomiroff sobre Besouro Mangangá, o lendário herói da capoeira brasileira, está pronto para sair do forno.

Veja o trailer de três minutos do filme Besouro, de João Daniel Tikhomiroff, produzido pela Mixer e pela Globo Filmes, e distribuído pela Miravista, com lançamento previsto para outubro de 2009

Besouro, o filme: trailer oficial de cinema

Visite o site oficial do Filme: http://www.besouroofilme.com.br

Mais informações: http://www.besouroofilme.com.br/blog/

Em breve o Portal Capoeira trará novidades sobre a parceria com o Filme Besouro, aguardem…

Lançamento: Aú o capoeirista

 

Caros amigos,

A capoeira ganha de presente um maravilhoso trabalho, uma forte ferramenta de divulgação e reconhecimento. Este trabalho será de grande relevância para o processo de crescimento desta arte brasileira.

Gostaria de parabenizar o autor, Flávio Luiz Rodrigues Nogueira, juntamente com sua equipe que realizaram um maravilhoso produto.

Confiram o site www.auocapoeirista.com.br

Vamos divulgar!!

SINOPSE

Aú, é um capoeirista adolescente, alegre e hospitaleiro como todos os baianos. Junto com o seu miquinho de estimação, Licuri, nosso herói investiga o desaparecimento de Nathalie, uma garota francesa seqüestrada no pelourinho ao presenciar o início de um incêndio criminoso. Sua investigação o leva à ilha particular do misterioso Armando Confuzionni. Nosso herói encontrará Nathalie? Conseguirá libertá-la?

Numa história cheia de aventura, humor e uma certa dose de romance (por que não?), Aú percorre as ladeiras do Pelô, e outros pontos da cidade de Salvador, com direito a uma eletrizante perseguição de jetskis nas águas da Baía de Todos os Santos.

Aú o capoeirista

Álbum em edição de luxo, capa dura, formato 21,5x29cm, em papel couché.

Preço de capa: R$ 48,00

 

O Herói de Damião – A Descoberta da Capoeira

Em livro, garoto procura um herói da sua cor e encontra os mestres de capoeira

Aos sete anos de idade, o menino Damião resolve brincar de herói, vestindo capa, cinto e chuteira. Mas, ao invés de ficar feliz, ele se sente contrariado, pois sente que para ser igual ao herói tem que ficar desbotado. “Não tem herói da minha cor?”, esbraveja.

Essa é a história do livro “O Herói de Damião – A Descoberta da Capoeira”. O personagem principal é um garoto negro que sai pelo mundo atrás de uma figura heróica com a qual possa se identificar. Essa andança acaba dando certo: Damião encontra lutadores de capoeira, o gingado inventado por negros para se defender no século 16.

Envolvido pela brincadeira, Damião começa a ensaiar passos dessa luta que parece dança. O leitor que acompanhar a saga também poderá se encantar com a capoeira e arriscar movientos como ginga, cócoras e arpão, ensinados passo a passo ao longo do livro. Depois de entrar para o esporte, Damião ainda sai todo corajoso e acaba percebendo que, não importa a cor, todas as pessoas podem ser heróis.

Na história, Damião procura um herói negro como eleO Herói de Damião – A Descoberta da Capoeira

Texto de Iza Lotito
Ilustrações de Paulo Ito
Editora Girafinha
R$ 30

Mais informações: UOL Crianças

* DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

* VOCÊ CONHECE O MUSEU AFRO BRASIL?

* DEZ CURIOSIDADES

Fonte: UOL Crianças – http://criancas.uol.com.br

Literatura de Cordel – Zumbi e o quilombo de Palmares

HISTÓRIA DE ZUMBI E OS QUILOMBOS DOS PALMARES
Desde do princípio do mundo
que existe escravidão
e a África forneceu
de negros grande porção
todos vendidos no mundo
pra aumentar a produção.
Além de escravizarem
os índios tão cruelmente
e o pobre negro também
pacífico e obediente
que trabalhava obrigado
ao chicote e à corrente.
Os negros eram vendidos
como qualquer animal
pra trabalhar nos engenhos
fazenda ou canavial
para manter dos senhores
a riqueza colossal.
Negro não falava alto
e não tinha garantia
tinha somente o dever
de trabalhar noite e dia
sem sossego e sem descanso
na maior selvageria.
E ali não se indagava
se eram seres humanos
reinava o preconceito
dos senhores desumanos
que castigavam os escravos
com castigos mais tiranos.
Não acreditavam que
escravo tinha coração
separavam pais e filhos
a irmã e o irmão
sem a menor piedade
sem dó e sem compaixão.
Mas tudo tem seu limite
e assim pôde chegar
o momento que os negros
não puderam suportar
a dor e o sofrimento
e começaram alarmar.
Começaram dando gritos
de revolta e ironia
e na hora que encontravam
facilidade fugia(m)
internavam-se no mato
durante a noite e o dia.
Mas isso adiantava
muito pouco aos escravos
porque os seus senhores
com os seus jagunços bravos
traziam como se os pobres
fizessem grandes agravos.
Até que chegou o dia
de um a um entender
que uma só criatura
nada podia fazer
e muitas pessoas unidas
lutando têm que vencer.
Começaram fugir em grupos
todos espertos e atentos
fugiram para as florestas
formavam agrupamentos
pra ver se um dia acabavam
com seus grandes sofrimentos.
Destinados a todo custo
enfrentarem uma desgraça
e só por meio desse grupo
é que resistiam à caça
que os senhores faziam
por vingança e por pirraça.
A esses agrupamentos
davam o nome de quilombos
andavam juntos iguais
a revoadas de pombos
e quem enfrentava a eles
saía de lá aos tombos.
E houve muitos quilombos
de Norte a Sul do Brasil
tinha um mais resistente
perigoso e mais sutil
alcançou mais longa vida
e heroismo a mais de mil.
E mais de 50 anos
este quilombo durou
e durante este período
o governador lutou
junto aos fazendeiros
e nada disto adiantou.
Por mais de 30 quilombos
o Palmares era formado
medindo umas 30 léguas
de matas por todo lado
com cerca de 30 mil
pessoas era habitado.
Palmares tinha seus reis
um rei pra cada cidade
mas havia o rei dos reis
Gangazumba na verdade
esse vivia em Macacos
capital da majestade.
Cercado dos seus ministros
que lhe davam bons conselhos
pra falar com Gangazumba
só se falava de joelhos
um homem de pele preta
de sangue e olhos vermelhos.
Em Palmares havia leis
com ordens e disciplina
um exército fortificado
pra não cair em ruína
e quando morria um chefe
outro assumia a rotina.
Veio muitos lutadores
no tempo dos holandeses
e os negros combatiam
fazendeiros portugueses
nas armadilhas dos negros
os brancos eram fregueses.
Durante uns 50 anos
houve muita guerra fria
negros não tinham sossego
enfrentando rebeldia
em busca da liberdade
lutavam de noite e dia.
Veio Domingo[s] Jorge Velho
e também Gomes Carrilho
enviado dos holandeses
seguindo do bosque o trilho
os escravos brigavam unidos
tio, sobrinho, pai e filho.
1655
data de muita esperança
quando os escravos lutavam
sem ter ódio e sem vingança
a fim duma liberdade
que quem luta sempre alcança.
Todos escravos lutavam
sem se arredarem dali
dizendo ao inimigo
se for forte venha aqui
e nesse ano nasceu
o futuro chefe Zumbi.
Num dos 20 mocambos
daquela localidade
do quilombo dos Palmares
terra da Felicidade
nasceu Zumbi a esperança
de toda comunidade.
Comunidades quilombolas
cobertas de matagal
desde a Serra da Barriga
à zona do litoral
até próximo a Garanhuns
sofriam do mesmo mal.
Nesse ano ali chegou
uma grande expedição
mandada contra Palmares
com armas e munição
para vencer os escravos
ou lhes dá voz de prisão.
Mas não puderam vencer
aquela luta renhida
prenderam entre outra presa
uma cria recém-nascida
era o garoto Zumbi
no primeiro ano de vida.
Por incrível que pareça
este garoto foi salvo
por um expedicionário
um soldado alto e alvo
que trouxe o menino e deu
ao padre de Porto Calvo.
E o padre que era humano
de bondoso coração
dispensou ao pretinho
uma amorosa afeição
foi criando e foi-lhe dando
cuidadosa instrução.
Para ser religioso
se dedicou sem porém
aprendeu bem o Latim
e o Portuguës também
e muitas outras matérias
pra ser um homem de bem.
Com 15 anos de idade
o Zumbi abandonou
ao padre de Porto Calvo
para Palmares voltou
e foi legalmente livre
de alegre ele vibrou.
A sua ascensão política
veio na flor da idade
assumiu a direção
de uma comunidade
denominada mocambo
Zumbi foi autoridade.
Zumbi com 15 anos
ainda quase menino
recebeu um grande posto
por capricho do destino
e ficou sendo o maioral
do estado palmarino.
Ele era o chefe máximo
em cima daquela serra
era o grande comandante
feito o ministro da guerra
pra defender sua pele
sua gente e sua terra.
Nesse tempo houve uma série
de derrotas militares
o prestígio de Gangazumba
abalou por todos lares
e Zumbi foi nomeado
comandante dos Palmares.
Naquele mesmo tempo
Zumba foi assassinado
pelas mãos de seus ministros
isto assim foi comprovado
e Zumbi assumiu o posto
que Zumba havia deixado.
Com a morte de Gangazumba
as pazes foram frustradas
com o poder colonial
e Zumbi sempre às caladas
planejava uma guerra
com o povo de mãos armadas.
E Zumbi logo tornou-se
um "revolucionário"
formou uma ditadura
executou os falsários
os aliados de Ganga
que lhe seriam contrários.
Fortificou os principais
mocambos destes lugares
transferiu populações
com seus planos militares
e 10 anos moveu guerra
no quiombo dos Palmares.
Essa guerra era implacável
ao poder colonial
Zumbi era o comandante
com sua força brutal
em busca da liberdade
para seu povo em geral.
Atraiu o inimigo
com sua força sensata
e levou as suas tropas
para a Zona da Mata
e os negros ali faziam
verdadeiro mata-mata.
E faziam nas fazendas
uma rápida invasão
com suas tropas armadas
e levou à perfeição
a tática de Gangazumba
para ser mais valentão.
Ele se valia das
manobras e emboscadas
fazia espionagens
aparições inesperadas
e com isso todas tropas
inimigas eram lesadas.
Zumbi enfrentava a luta
sem desânimo nem fadiga
findou atraindo as tropas
para Serra da Barriga
a capital fortificada
contra as forças inimigas.
E ali enfrentou mais forte
a força colonialista
que era irregular
comandada pelo paulista
Domingos Jorge Velho
que não saía da pista.
Domingos Jorge que veio
junto a seus militares
infligir uma derrota
lutando junto a seus pares
previa ver uma queda
definitiva em Palmares.
Palmares era protegido
por uma forte barreira
uma muralha segura
de pedra, barro, madeira
e nem um tropa inimiga
rompia aquela trincheira.
Jorge Velho descobriu
que a muralha era cercada
por valados e estrepes
não permitindo a entrada
e foi procurar um meio
pra fazer sua cilada.
E assim aconteceu
numa noite de neblina
ele achou a solução
pra sua fúria ferina
levantando outra muralha
pra ver a carnificina.
Levantou a contramuralha
feita em diagonal
que esta lhe protegesse
do fogo do seu rival
na madrugada atacou
com o seu bando infernal.
Ele atacou com as armas
com o ódio e a vingança
nos combatentes palmarinos
ele fez grande matança
matou também as mulheres
animais, velho e criança.
Zumbi tentou escapar
num valado descoberto
e Deus protegeu a ele
dando-lhe o caminho certo
quando morreu encontrou
o caminho do céu aberto.
E Domingos Jorge Velho
o diabo carregou
botou ele nas profundas
nunca mais ele voltou
o branco ruim foi ao inferno
o preto bom se salvou.
O Estado palmarino
desta vez foi destruído
vamos dá viva a Zumbi
o herói preto e querido
que viveu sempre em guerra
pra ver seu povo abolido.
Agora falo no índio
que primeiro habitou a terra
a terra pertence a ele
mas seus direitos se encerra
e para ele viver hoje
é preciso fazer guerra.
Índio não tem egoísmo
nem luxo nem vaidade
ele precisa viver
na sua propriedade
e não viver como escravo
sem calma e sem liberdade.
Quando o índio está sofrendo
nem um branco lhe socorre
nas armas dos brancos ricos
sempre um pobre índio morre
enquanto o sangue do índio
na veia do branco corre.
Zumbi morreu sendo herói
recordista Brasileiro
venceu 40 batalhas
no tempo do cativeiro
e seu nome se registrou
na bola do mundo inteiro.
O índio vive na terra
honesto a sua pureza
não tem maldade consigo
mas vive na incerteza
lutando pelo que é seu
dado pela natureza.
Assim como o negro um dia
recebeu a liberdade
vamos deixar que o índio
viva em paz e à vontade
que ele é um ser humano
sem ter ódio e sem maldade.
Aqui eu termino os versos
de Zumbi o veterano
que enfrentou o exército
do governo pernambucano
e hoje é considerado
o herói alagoano.
Resta saber quem me ajuda
neste livro que escrevi
contando as fortes batalhas
do nosso herói Zumbi
que se fosse vivo hoje
estava com nós aqui.
(Em O cordel; testemunha da história do Brasil. Rio de Janeiro, Fundação Casa de Rui Barbosa, 1987. Literatura popular em verso, antologia – nova série, 2)