Blog

importância

Vendo Artigos etiquetados em: importância

Escola utiliza capoeira como forma de incentivo ao esporte em Porto Calvo

Alunos realizaram um apresentação do jogo no pátio da escola.
Eles apresentaram ainda o que aprenderam sobre alimentação saudável.

Os alunos da Escola Municipal Domingos Fernandes Calabar, localizada no povoado Mangazala, na cidade de Porto Calvo, vem utilizando a capoeira como forma de incentivo ao esporte. Como parte do projeto ALTV na Sala de Aula, os estudantes realizaram uma apresentação no pátio da escola e apresentaram o que aprenderam sobre a importância de uma alimentação saudável.

Para montar o grupo de capoeira existente hoje na escola, os professores convidaram um mestre. Como a escola fica localizada em uma comunidade remanescente de quilombolas, os elementos que remetem a origem do jogo estão por todos os lados. Já a apresentação, realizada no pátio da escola, contou com a presença dos alunos de ensino fundamental.

“No início ninguém queria fazer, mas com o tempo fomos aprimorando. A capoeira não é só um prática esportiva, mas também uma filosofia de vida.” conta o aluno Jadson Oliveira. Segundo a coordenadora Magda Vanderlei, a ideia era trazer a identidade local à tona junto a prática de exercícios. “Trouxemos também os pais para dentro da escola e eles estão encantados com a participação de seus filhos neste projeto”, afirma Magda.

A prática tem deixado bons frutos entre os alunos da Educação de Jovens e Adultos, que também participam das aulas. “A capoeira é uma dança, não é para praticar o mal, apesar de ser uma luta. A capoeira também é educação, aprendi coisas boas com ela.” partilha o aluno José Márcio César.

Os alunos também apresentaram o que aprenderam sobre o papel das vitaminas e a importância de uma alimentação saudável. “Temos sempre que nos alimentar bem para praticar uma atividade física melhor”, diz um dos alunos. “Estamos aprendendo a importância de cada tipo de vitamina”, conta a aluna Vanessa Maria Gomes dos Santos, do 9º ano.

 

http://g1.globo.com/

Artes da Capoeira – Documentário produzido pela TVE Bahia

A TVE Bahia traz uma homenagem aos grandes capoeiristas da Bahia com a exibição do “Artes da Capoeira” no Especial Consciência Negra.

O documentário é um misto de imagens e depoimentos dos grandes mestres da capoeira, com trechos com a participação de historiadores, músicos e outros artistas, que ajudam a conhecer melhor essa expressão cultural através de suas origens. Além de mostrar a importância histórica desse legado, a musicalidade, os movimentos, a forma de dançar e a religiosidade que envolve o ritual da capoeira estão presentes nesse documentário produzido pela TVE Bahia, com direção de Josias Neto.

Parte 1
{youtube}dBjatmLvT_g{/youtube}

Parte 2
{youtube}VC3HuiXw9mU{/youtube}

Parte 3
{youtube}vcV8GQM51VI{/youtube}

Videos postados pelo parceiro e colaborador Teimosia

 

Artes da Capoeira fez parte da programação especial da TVE Bahia, em homenagem ao 20 de Novembro, Dia da Consciência Negra, com filmes e documentários que colocam a identidade negra  em destaque, ressaltando a importância e valorizando a cultura afro-brasileira.

Toda a programação da TVE Bahia pode ser conferida, também, através do portal www.irdeb.ba.gov.br.

ASCOM – Assessoria de Comunicação
Secretaria de Comunicação do Estado da Bahia

IRDEB / TVE Bahia / 107.5 Educadora FM

ascom@irdeb.ba.gov.br
assessoriairdeb@gmail.com

Mestre Bigodinho: Capoeira não se faz, se joga !

Mestre Bigodinho, batizado como Reinaldo Santana, nasceu em Conceição de Feira, no ano de 1933, mas foi no Acupe – distrito de Santo Amaro que se criou em meio a efervecência cultural do Recôncavo, onde também teve as primeiras lições na capoeiragem. Já rapaz, se mudou em 1950 para Salvador, onde logo conheceu Auvelino, mestre de Berimbau que o acolheu e ensinou os segredos da arte desse instrumento, que acabou tornando mestre Bigodinho famoso.

Mas não foi só tocando berimbau que Bigodinho encantava a todos, não ! Durante mais de 25 anos Bigodinho frequentou o famoso Barracão de Mestre Valdemar da Paixão, tempo em que, segundo ele, “menino e mulher não jogavam”. Conviveu com capoeiras famosos como Traíra, Zacarias, e tantos outros que frequentavam o Barracão, sendo ele também um dos capoeiras mais respeitados do lugar. Excelente cantor e compositor, ficou conhecido também pela forma muito particular de entoar as ladainhas e corridos que compunha.

Coordenou na década de 1960 o Grupo Resistência, no bairro da Lapinha, em Salvador. Sempre dizia que ele era do tempo em que polícia reprimia as rodas e ameaçava: “pare, senão eu furo o pandeiro e quebro o berimbau !”. Chegou a integrar também o Grupo Folclórico “Viva Bahia”, coordenado por Emília Biancardi, que teve importância na divulgação da capoeira pelo Brasil e também pelo mundo. Se tornou mestre em 1968.

Bigodinho se afastou da capoeira na década de 1970, ficando um longo período inativo. Voltou à cena somente na década de 1990, por influência de seu amigo Lua Rasta. Segundo o pesquisador Frede Abreu, mestre Bigodinho teve grande importância no processo de revitalização da Capoeira Angola nos anos 70/80, pelo conhecimento que possuía. Diz Frede que “ele conheceu e conviveu com muitos mestres antigos e sabia das coisas”.

Em 2007 aconteceu o “Tributo à Mestre Bigodinho”, uma iniciativa de seu amigo, o mestre Lua Rasta, que junto com o seu “bando anunciador”, formado por capoeiristas de todas as linhagens, fez das ruas do Acupe uma grande festa a céu aberto. Uma justa homenagem em vida que teve até registro em vídeo – o documentário com o mesmo nome, dirigido por Gabriela Barreto, onde pode-se ver a alegria de Mestre Bigodinho desfilando pelas ruas do lugar, sendo aclamado e reconhecido por todos ali presentes.

Bigodinho gravou um CD, juntamente com Mestre Boca Rica, que mostra um pouco do seu talento de cantor e compositor não só de músicas de capoeira, como também de samba-de-roda, outra paixão de Bigodinho, que era considerado também um exímio sambista. Era um boêmio nato, diziam seus amigos mais próximos.

Com sua perspicácia, dizia Bigodinho que a capoeira “é uma farmácia: está com dor na perna, no músculo…então você dá uns pulo de capoeira com a rapaziada, quando você volta já volta bom, aquela dor já saiu tudo”.

Morreu na Santa Casa de Misericórdia de Santo Amaro, mesmo local onde morreu o famoso Besouro Mangangá. Foi num dia cinzento, 5 de abril de 2011, data de aniversário de outro grande personagem da capoeira: Mestre Pastinha.

Para o Mestre Bigodinho: “ A capoeira não se faz, capoeira se joga. A capoeira é vadiagem, é o lazer que tinha dia de domingo…é jogo, é mandinga, é magia” !

Registro sedia o 1º Jogos de Verão de Capoeira

A tarde do último sábado foi marcada pela edição dos Jogos de Verão de Capoeira. Mais de 100 crianças, entre elas muitas meninas,participaram do evento voltado para a capoeira de Angola e que contou com a presença de Dierrin e a esposa Cláudia Hengler, considerados mestres da capoeira de Angola.

A prefeita Sandra Kennedy foi prestigiar o evento e destacou a importância da Inclusão social pelo esporte, principalmente com a Integração das equipes de Esporte, Assistência Social e Cultura da Prefeitura de Registro que deram todo o apoio ao evento.

Organizado pelo professor de capoeira do CRAS do Bloco B, Ednei da Silva Cruz, o Pezão, a atividade contou também com a presença de voluntários, colaboradores e com o Projeto Segundo Tempo. Na oportunidade, outros professores de capoeira também da região ressaltaram a importância do esporte e contaram um pouco da história da capoeira como as diferenças entre a capoeira de angola e a regional. Estiveram presentes os professores Judiação, da Vila Nova, Rogério, Roni e Robinho.

A Prefeitura também disponibiliza aulas de capoeira no CRAS da Vila Nova, do Jardim Paulistano, Arapongal com professores capacitados. Os interessados em participar podem entrar em contato no CRAS que atende a região da comunidade onde moram.

 

Fonte: http://diariodeiguape.com

Palmas: Sessão Solene para a entrega da comenda Zumbi dos Palmares

Aconteceu Sessão Solene para a entrega da comenda Zumbi dos Palmares, na Câmara Municipal de Palmas, criada com o objetivo de homenagear Entidades e pessoas que trabalham no Combate ao Racismo no Tocantins. Os homenageados foram Mãe Magna de Oxum (Aldenora Maria do Nascimento) pioneira na expansão da religião de Matriz africana em Palmas, o Grupo de Consciência Negra (GRUCONTO) e Mestre Timbau (Luiz Carlos Silva) que leva a capoeira aos moradores de periferias na cidade de Porto Nacional.

Representando o Prefeito de Palmas Raul Filho, a Secretária da Mulher Direitos Humanos e Equidade de Palmas, Rosimar Mendes frisou em seu pronunciamento a importância do combate ao racismo e também a outras formas de discriminação. Mendes também parabenizou o Vereador “Bismarque do Movimento pela autoria no projeto que cria a Comenda Zumbi dos Palmares”.

Entre os homenageados, Mestre Timbau frisou a importância da “prática da capoeira na periferia” e ressaltou a luta do povo negro e suas conquistas. Mãe Magna de Oxum frisou a importância do respeito às religiões. O representante do GRUCONTO, André Ribeiro, apontou “A importância do reconhecimento da luta de Zumbi dos Palmares e a valorização do povo negro” durante seu discurso na tribuna.

Para o Vereador Bismarque do Movimento a Comenda Zumbi dos Palmares é importante para valorizar “as lutas e conquistas do Movimento Negro e das religiões de Matriz africana no combate ao preconceito” afirmou durante pronunciamento.

A Câmara Municipal de Palmas é a única Instituição Tocantinense a premiar trabalhos de Combate ao Racismo no Estado. O Vereador Bismarque do Movimento é o autor do Projeto de resolução que cria a Comenda Zumbi dos Palmares. (Informações da ascom/VBM)

Ponta Grossa: Festival Capoeira Contra as Drogas

Ilê de Bamba realiza palestra em parceria com Conselho Anti Drogras

O Centro Cultural Ilê de Bamba, desde o início de sua criação há sete anos, teve a iniciativa de aliar cultura à formação cidadã. As aulas de capoeira conquistaram o Jardim Ouro Verde e as regiões vizinhas, na Colônia Dona Luíza.

A cada encontro para as rodas de capoeira, mais crianças chegavam interessadas em aprender a ginga do movimento.

Crianças e adolescentes transformaram a sede do Ilê de Bamba em um local de interação familiar e aprendizado. Marcelo de Barros, o mestre Careca, percebeu a importância de conscientizar socialmente os participantes da roda de capoeira. São preceitos máximos do grupo não se envolver em  violência  das ruas, não fazer uso de drogas e frequentar a escola.

Hoje o Ilê de Bamba levanta muitas bandeiras de conscientização, que vão da valorização da cultura negra ao combate às drogas entre crianças e jovens da cidade. No dia 11 de novembro, o mestre Careca, em Parceria com o Conselho Municipal Anti Drogas, organizou uma palestra na sede do grupo, para a prevenção e combate do uso  de drogas e tráfico na cidade.

O grupo realizará ainda neste novembro o Festival Capoeira Contra as Drogas, que ocorrerá dia 20, no Centro de Cultura,  e 21, no Teatro Ópera, com a seguinte programação: http://www.portalcomunitario.jor.br/page.php?161.

Ponta Grossa é a segunda cidade no ranking do tráfico de drogas no Paraná, perdendo apenas para a capital Curitiba. O número 181 de Narcodenúncia registrou, em seis anos, 12 mil e 100 denúncias na cidade. Quanto às prisões de adultos envolvidos com o tráfico, Ponta Grossa aparece na terceira posição das cidades do Estado. Em seis anos,  o Sistema de Narcodenúncia registrou ainda a apreensão de 165 mil pedras de crack e 140 quilos de cocaína. Partindo desses dados, o Conselho Municipal Anti Drogas percebe a importância de realizar essas palestras.

“É preciso prevenir a sociedade sobre os malefícios das drogas. Para isso, procuramos falar sempre sobre a autoestima e a importância do esporte como um outro caminho”, explica a Sargento Maria de Lourdes que também é Diretora do Conselho  Municipal Anti Drogas.

Pesquisa do Programa Pró Egresso, projeto de extensão universitária  do Curso de Serviço Social da Universidade Estadual de Ponta Grossa,  constatou-se que,  em 2005, 100% dos envolvidos com as drogas eram do sexo masculino, sendo 63,4% solteiros. Constatou-se ainda que 43% estavam trabalhando com carteira assinada, dos quais 71,6% recebiam entre 1 e 3 salários mínimos. De acordo com a pesquisa, pessoas entre 18 e 30 anos são as que mais se envolvem com o consumo de drogas.

Quando levantou a bandeira de formação cidadã, o principal objetivo do Centro Cultural Ilê de Bamba era afastar as crianças  da  violência nas ruas, como o contato com o tráfico e consumo de drogas. A palestra é mais uma das conquistas do grupo e contou com a presença da policial civil Isabel Regina do Nascimento, que conscientizou os presentes sobre a importância da informação e prevenção às drogas.

Fonte:
http://www.portalcomunitario.jor.br/
http://iledebambapg.blogspot.com/

Câmara de Ribeirão recebe Mestres de Capoeira

Aconteceu:

O evento Cordão Branco: Dialogando com os Mestres, acontecido em agosto em Ribeirão Preto recebeu, além de Mestre Ananias, os Mestres Curió, Miguel Machado e Nenel, entre outros tantos presentes.

Na plenária realizada na Câmara dos Vereadores da cidade, o tema central foi a importância da Capoeira e da oralidade no processo educacional, no qual os Mestres antigos exercem papel fundamental.

 

Fonte: Casa Mestre Ananias – http://mestreananias.blogspot.com/

Festival Nacional de Capoeira em Joinville

Evento segue até sábado no Colégio Bom Jesus/Ielusc

O festival ocorre nas duas sedes do Colégio Bom Jesus/Ielusc. Às 19 horas, a instrutora Karlinha, do Beribazu, ministra uma oficina infantil. Nesta terça, no mesmo horário, é a vez do professor Britha e da instrutora Carol, do Grupo Quilombo Arte Joinville, levar a capoeira para as crianças. 

A partir da quarta-feira, as oficinas são exclusivamente para adultos, com Fumaça, membro do Grupo Candeias Joinville. O capoeirista Lélo, convidado de Florianópolis, encerra o ciclo de oficinas na sexta-feira.

O coordenador do Beribazu de Joinville, Francisco Ezídio do Nascimento, afirma que as práticas conduzidas por profissionais convidados é voltada para o aprimoramento dos capoeiristas e para aqueles que querem iniciar no esporte tombado como patrimônio imaterial da cultura brasileira. 

— Para os professores, o festival será uma reciclagem. Já para os alunos é um conhecimento a mais —, justifica.

Além dos oito grupos de capoeira de Joinville, também participam o Braço do Norte e Florianópolis.

O evento conta ainda com uma palestra do mestre Zulu, fundador do Grupo Beribazu no Brasil e na Inglaterra e Argentina. No encontro, o profissional vai falar sobre o ensino da capoeira nas escolas, mostrando a importância pedagógica da prática.

A programação encerra-se com apresentações dos grupos participantes, graduação – troca de corda – e batizado de capoeira para os praticantes que vão pegar a primeira corda. 

Para se inscrever nas oficinas, é preciso pagar taxa de R$ 10. A renda será destinada à compra de uniformes e instrumentos para o grupo joinvilense.

 

Fonte: http://www.clicrbs.com.br/diariocatarinense/

Brincando com a Arte do Movimento

Projeto inédito de capoeira do Objetivo Sorocaba extrapola a sala de aula e vira livro e CD

  • Intitulado “Brincando com a Arte do Movimento”, projeto visa transmitir valores culturais e educacionais aos estudantes através da capoeira.
  • Mestre Moraes, reconhecido internacionalmente, encanta-se com o projeto realizado por alunos, pais e professores.

Um projeto inédito envolvendo alunos, pais e professores do Objetivo Sorocaba extrapolou os muros da escola e ganhou um seleto espaço junto dos livros e CDs educativo-culturais.

Intitulado “Brincando com a Arte do Movimento”, o projeto consiste em aulas de capoeira voltadas a alunos da Educação Infantil até o Ensino Médio, com o intuito de transmitir valores educacionais e culturais através da prática desse esporte.  Diferentemente de como acontece na capoeira comum, as aulas não são ministradas com o objetivo único de se ensinar a jogar o esporte, mas sim de passar uma nova arte aos estudantes e ensinamentos importantes à convivência pacífica e harmoniosa entre todos.

Os resultados positivos desse trabalho, que vem sendo realizado há cinco anos, superaram as expectativas e acabaram por dar origem a um livro e um CD com ilustrações e letras de músicas feitas por alunos, pais e professores.  Pela sua relevância cultural e ineditismo, o trabalho também ganhou a atenção e o apadrinhamento do mestre capoeirista “Ginga”, do Centro Cultural de Capoeira Irmãos Unidos, parceiro da escola nesse projeto.

O Mestre Moraes, conhecido internacionalmente e considerado o maior divulgador da capoeira no mundo, também tomou conhecimento do projeto e interessou-se, inclusive, por sua divulgação. Capoeirista preocupado com a musicalidade da capoeira, Mestre Moraes já recebeu uma indicação, em 2004, para concorrer ao Grammy com um disco do gênero. “A importância do projeto está, justamente, no resgate de um elemento de suma importância na prática da capoeira: a musicalidade, que tem sido colocada em segundo plano graças à supervalorização dispensada à vertente esportiva da capoeira. O Projeto pode contribuir para que a história da nossa sociedade seja contada às nossas crianças de forma lúdica, mas objetiva”, afirma o Mestre.

Moraes ainda ressalta a importância da obra extraída no “Brincando com a Arte do Movimento”, pois, segundo ele, o objeto da música de capoeira é a comunicação de fatos relacionados a um determinado grupo social através de códigos, só conhecidos por aqueles que pertencem a um grupo identitário. “Comungo com a ideia do projeto e pretendo divulgá-la para que outros professores de capoeira possam formar capoeiristas completos. Aqui na Bahia já temos várias escolas que têm a capoeira em sua grade curricular, mas observo que a preocupação da maioria dos professores é com a formação de atletas”, avalia.

Sobre o CD, o professor Cristiano Aparecido Amancio dos Santos, coordenador das atividades com capoeira da unidade Portal da Colina do Objetivo Sorocaba e idealizador do projeto, conta que se tratou de atividade interdisciplinar. “Para elaborar a capa do CD com as músicas cantadas pelos alunos, um professor fez o desenho, as crianças do Infantil foram as responsáveis pela pintura e o Ensino Médio é quem fez o acabamento, tudo isso durante as aulas, o que integrou várias disciplinas”, conta.

Cristiano ressalta a importância dessa iniciativa para a formação das crianças e jovens. “No ‘Brincando com a Arte do Movimento’, a capoeira vem como estratégia de contribuição na formação educacional desses alunos. Eu costumo dizer que, no trabalho com a capoeira durante as aulas, não estou formando capoeiristas, estou formando cidadãos, pessoas e que esses aprendem brincando o que ninguém consegue ensinar”, diz.

O professor ainda comenta que a ideia da produção de um livro e um CD surgiu de uma necessidade encontrada durante as aulas de capoeira. “No início, as crianças tiveram certa dificuldade em entender a cultura capoeirista. Por exemplo, muitas músicas apresentavam letras antigas com as quais os alunos não se identificavam e não entendiam. Foi dessa oportunidade que surgiu a ideia de realizarmos um trabalho onde eles próprios pudessem criar as letras das músicas para jogarem nas aulas. Eles inventam, cantam e adéquam isso a algumas coisas já prontas da capoeira, contando também com a ajuda dos pais na elaboração das letras”, revela.

O “Brincando com a Arte do Movimento”, continua o professor, também chega com a missão de quebrar tabus e preconceitos. “Insisti nesse projeto, principalmente, porque as pessoas julgam a capoeira sem conhecer. Existe, de fato, um preconceito sobre o esporte, mas a capoeira pode sim ser um agente de formação pessoal. Por isso mesmo, trouxemos os pais dos estudantes interessados para mais perto de nós para que pudessem conhecer o intuito dessas aulas e eles também se encantaram”, expõe.

O CD e o livro “Brincando com a Arte do Movimento” poderão ser encontrados nas unidades do Objetivo Sorocaba – Centro e Portal da Colina – e pelo site da editora Publit (www.publit.com.br).

 

Fernanda Burattini
Q! Notícia Comunicação
15 81191331
15 33262224